6 relacionamento professor aluno

721 visualizações

Publicada em

A influência da relação professor-aluno na aprendizagem.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
721
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

6 relacionamento professor aluno

  1. 1. O EDUCADOR FRENTE AOS DESAFIOS DO MUNDO CONTEMPORÂNEO E.E.E.F. REINALDO VACCARI FORMAÇÃO CONTINUADA 2013 Imbé / RS
  2. 2. www.orientarconsultoria.net.br RELACIONAMENTO PROFESSOR X ALUNO: Aparando Arestas, Desenvolvendo Competências Claudia Figueiró Souza claudia@orientarconsultoria.net.br 2
  3. 3. DIFICULDADES E FACILITADORES NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO
  4. 4. Para pensarmos... • A relação educador-educando não deve ser uma relação de imposição, mas sim uma relação de cooperação, de respeito e de crescimento. • Aluno - sujeito interativo e ativo no seu processo de construção de conhecimento. • “A construção do conhecimento se dará coletivamente, portanto, sem ignorar a ação intrapsíquica do sujeito.” Vygotsky • O desenvolvimento intelectual é dividido em real e potencial.
  5. 5. • Para Piaget a aprendizagem do estudante será significativa quando esse for um sujeito ativo. Isso se dará quando a criança receber informações relativas ao objeto de estudo para organizar suas atividades e agir sobre elas. Piaget coloca que essa relação tem que ser baseada no diálogo mais fecundo, onde os “erros” dos estudantes passam a ser vistos como integrantes do processo de aprendizagem.
  6. 6. • Manter a disciplina • Motivar alunos • Avaliar • Escolha de metodologia • Atualização • Falta respeito e limites • Muito conteúdo • Falta de planejamento • É necessário trabalhar com novas tecnologias • Atividades chatas • Provas escritas DIFICULDADES NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO Depoimentos dos professores Depoimentos dos alunos
  7. 7. Depoimentos dos professores • Quando os alunos são interessados, motivados. • Empenho em buscar novos assuntos e ampliar o conhecimento. • Participação ativa e efetiva do aluno no processo de análise crítica dentro e fora da sala de aula. • Participação da família no processo educativo. FACILITADORES NA RELAÇÃO PROFESSOR- ALUNO
  8. 8. Depoimentos dos alunos *Quando trabalhamos com novas tecnologias, atividades de campo que envolvem temas atuais. *Acesso a conhecimentos que alimentam a compreensão. *Professor ativo, motivado e que incentiva. *Professor que sabe transmitir e dar comandos claros. *Provas diferentes.
  9. 9. ELEMENTOS FUNDAMENTAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM • COMUNICADOR OU EMISSOR – Professor/máquinas Transmissor de informações - agentes do conhecimento. Participação ativa; Motivado; Pleno conhecimento da mensagem a ser transmitida. • MENSAGEM - Conteúdo educativo Conhecimentos e informações transmitidas aos alunos. Adequado à faixa etária, claro e preciso.
  10. 10. ELEMENTOS FUNDAMENTAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM • RECEPTOR - Aluno Recebedor crítico de conhecimentos e informações. • MEIO AMBIENTE - Meio escolar, familiar, social Estimulador ao desenvolvimento do processo educativo.
  11. 11. “É preciso rever – com urgência – a questão da autoridade e dos limites (aí compreendidos como a relação equilibrada entre direitos e deveres dos alunos) dentro do contexto família-escola, sem o que dificilmente poderemos alcançar o objetivo “qualidade na educação”. A instituição escola precisa reencontrar-se com seu papel de autoridade, sem que isso represente autoritarismo. O professor necessita ter o apoio e sustentação da sociedade para concretizar uma ação socializadora”. O Professor refém Tânia Zagury, 2006, p. 90.
  12. 12. METODOLOGIAS DIFERENCIADAS DE CONTROLE DISCIPLINAR
  13. 13. METODOLOGIA: • Conjunto de métodos e técnicas aplicadas para um determinado fim; caminho; estratégia.
  14. 14. DIFERENCIADO: • Tudo aquilo que não é comum, ou que se destaca por características positivas.
  15. 15. CONTROLE DISCIPLINAR • Defendido pelos educadores; • Negligenciado pelas famílias; • Constantemente testado pelos alunos; • Indispensável para a aprendizagem.
  16. 16. COMO A INDISCIPLINA SE MANIFESTA NA ESCOLA ? • desinteresse pelo aprender; • birras, choros e brigas; • baixo rendimento e dificuldade de concentração; • problemas de relacionamento; • “cola” em provas e trabalhos; • bagunça generalizada; • reprovação; • bullying e cyberbullying; • depredação do patrimônio escolar e vandalismo; • pequenos furtos e roubos.
  17. 17. DE ONDE VEM A AGRESSIVIDADE ?  Uma força instintiva inata nos seres humanos;  Parte integrante do desenvolvimento social da crianças;  Impulso fundamental para a sobrevivência;  Forma de expressão do essencial do indivíduo.
  18. 18. QUANDO A AGRESSIVIDADE SE MANIFESTA ? 1º Para suprir necessidades físicas; 2º Para proteção diante de ameaças; 3º Como forma de socialização; 4º Como manifestação das influências recebidas no cotidiano; 5º Para imitação; 6º Como meio de resolver as dificuldades.
  19. 19. IMPORTANTE: A agressividade não é o problema. O verdadeiro problema pode surgir a partir de suas formas de manifestação. - CONSTRUTIVA: ousadia, ambição, coragem; - DESTRUTIVA: violência, sarcasmo, crítica pela crítica, indisciplina.
  20. 20. O NÍVEL DE AGRESSIVIDADE AUMENTA QUANDO HÁ:  Rejeição;  Falta de limites claros e/ou permissividade;  Utilização de métodos educativos rígidos/autoritários – o não pelo não;  Fornecimento de modelos de relacionamentos baseados em agressões/ discussões/ brigas (família, amigos, colegas...)
  21. 21.  Estímulo à competição/rivalidade;  Dificuldades de integração no grupo/turma;  Manutenção de um ambiente e/ou funcionários de condutas agressivas;  Inexistência de outras formas de resolução dos conflitos relacionais.
  22. 22. Sempre que a criança perceber injustiça, incoerência ou parcialidade na escola/sala de aula, surgirão reações agressivas.
  23. 23. O NÍVEL DE AGRESSIVIDADE DIMINUI QUANDO HÁ:  Interesse;  Mudança;  Diálogo;  Receptividade;  Clareza de limites;  Imparcialidade.
  24. 24. POR ONDE COMEÇAR ?
  25. 25. 1º CONHEÇA A SI MESMO: - Qual é o seu perfil profissional ? - Como você aprende ? - Quais seus pontos positivos ? - Quais seus pontos negativos ? - Como anda a sua autoestima ?
  26. 26. 2º CONHEÇA A SUA ESCOLA: - Qual é filosofia da sua instituição ? - Como é a parceria escola X família ? - Qual é a linha pedagógica utilizada ? - Que recursos/serviços estão disponíveis para professores e alunos ? - Novas ideias são bem recebidas ?
  27. 27. 3º CONHEÇA A SUA TURMA: - O que eles já sabem sobre o conteúdo ? (sondagem; observação) - Qual é o estilo de aprendizagem predominante ? (visual, auditivo, cinestésico) - Quais são as lideranças ? (sociograma) - Quais são as dificuldades ? (anamnese, dinâmicas, observação, exercícios).
  28. 28. 4º ORGANIZE AS LIDERANÇAS: - Renovação/adaptação dos representantes de turma (líder, vice-líderes) - Conselho dos Representantes de Turma – CRT (reuniões periódicas) - Grêmio Estudantil - Professor Conselheiro
  29. 29. 5º ELABORE O PLANEJAMENTO: - O que ? - Quando ? - Quem ? - Como ? - Para quê ?
  30. 30. SUGESTÕES: a) Alunos Visuais: - Terão mais sucesso em atividades individuais. - Podem ocupar as classes do fundo da sala, pois não se distraem com facilidade. - São excelentes observadores. - Elementos facilitadores: mural de rabiscos e desenhos no fundo da sala; slides ou cartazes; diário da turma.
  31. 31. SUGESTÕES: b) Alunos Auditivos: - Terão mais sucesso em atividades coletivas (em grupo). - Devem ocupar as classes mais próximas do professor, pois se distraem com facilidade. - São excelentes oradores. - Elementos facilitadores: trilha sonora; hora da novidade (expressão oral); construção de paródias; mural da poesia.
  32. 32. SUGESTÕES: c) Alunos Cinestésicos: - Terão mais sucesso em atividades com material concreto e/ou movimento. - Devem ocupar as classes laterais da sala de aula. - Possuem baixa concentração. - Elementos facilitadores: descansos neurais; dramatizações; saídas de campo (passeios).
  33. 33. SUGESTÕES PARA TODAS AS TURMAS: - Sublimação; - Oficinas pedagógicas; - Aulas dinâmicas; - Diálogo; - Parcerias.
  34. 34. O QUE JÁ DEU CERTO: - Educação Infantil E Séries Iniciais: a) Projeto “Construindo Limites” b) Escola de Pais c) Escola de Leitores d) Grupos de Estudo e) Palavras Mágicas
  35. 35. - Séries Finais, Ensino Médio e EJA: f) Cultura da Paz g) Projeto “Lideranças” h) Grêmio Estudantil i) Grupos de Estudo j) Autoestima l) Orientação Vocacional
  36. 36. Monotom... E se uma coisa é 'monotom', nós a descrevemos como monótona! E que palavra usamos normalmente para descrever algo que é monótono? CHATO! O que o seu cérebro faz quando uma coisa é chata? A maioria das pessoas responde com uma das alternativas seguintes: sai de sintonia desliga apaga esmorece devaneia vagueia adormece
  37. 37. DICA: FAÇA ANOTAÇÕES EM CORES Use sempre cores em suas anotações. Comece com uma caneta esferográfica de quatro cores e acrescente novas cores à medida que progredir. As cores tornam as suas notas mais interessantes, estimulam os processos do Pensamento Criativo.
  38. 38. Boa sorte!! Felizes escolhas!!
  39. 39. REFERÊNCIAS: CHALITA, Gabriel. Educação: a solução está no afeto. São Paulo: Gente, 2001. GREEN, Chistopher. Domando sua ferinha. Curitiba: Fundamento, 2003. TIBA, Içami. Disciplina: limite na medida certa. São Paulo: Integrare, 2006. ____________Ensinar Aprendendo. São Paulo: Gente, 1998. ____________Quem ama, educa! São Paulo: Gente, 2002. ZAGURY, Tania. Limites sem trauma. Construindo cidadãos. Rio de Janeiro: Record, 2008.

×