Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013

389 visualizações

Publicada em

EStudo de grupo realizado com professores em formação continuada em 2013 no Colégiom Ateneu

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
389
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013

  1. 1. Andreia Pessôa- Psicopedagoga com formação Psicanalítica Formação Continuada de Professores / Maio de 2013 Público Alvo: Educação infantil, Ensino fundamental e médio Método interativo participativo Duração: 1h 30min Dinâmica: GO x GV EIXO DO TEMA: LIMITES – RESPEITO E SUPERARAÇÃO A dinâmica do aprender e do ensinar A forma como a família qualifica o ato de aprender e como ela aprende e ensina – é determinante na formação do nosso modelo de aprender ao longo da vida. Assim, nossa tendência é ensinar com base no modo como aprendemos. Os professores precisam ter claro que as pessoas têm diferentes estilos de aprender e, por isso, é preciso ensinar a partir dessa variação de estilos. ¹ “Em cada um de nós, podemos observar uma particular “modalidade de aprendizagem – M.A”, quer dizer, uma maneira pessoal para aproximar-se do conhecimento e para conformar seu saber. Tal M.A construí-se desde o nascimento, e através dela nos deparamos com a angústia inerente ao conhecer-desconhecer”. Sara Paín observa a constituição de diferentes modalidades nos processos representativos cujos extremos podem ser descritos como: Hipoassimilação/hiperacomodação, Hipoacomodação/hiperassimilação. Podemos descrever a hipoassimilação como uma pobreza de contato com o objeto que redunda em esquemas de objetos empobrecidos, déficit lúdico e criativo. A criança é bastante tímida, quase não fala, não explora objetos/conteúdos, costuma querer ficar em uma mesma atividade. A hiperassimilação: predomínio da subjetivação, desrealização do pensamento, dificuldade para resignar-se. A criança traz vários assuntos enquanto realiza a atividade, conversa, pergunta, questiona, mas não costuma ouvir porque já esta formulando outra pergunta. Prende-se aos detalhes e não observa o todo. A hiperacomodação: pobreza de contato com a subjetividade, superestimulação da imitação, falta de iniciativa, obediência acrítica às normas, submissão. Lamentavelmente, a M.A hipoassimilativa/hiperacomodativa é a vedete de nosso sistema educativo. Muitos “bons alunos” ¹ Fernández, Alicia. A Inteligência Aprisionada, pág.107 ² São onze os incisos do Art.3º da LDB 9394/96 – CF/88 – Art. 206 ³ São oito incisos no Art. 12 da LDB 9394/96
  2. 2. Andreia Pessôa- Psicopedagoga com formação Psicanalítica encontram-se nesta situação. Tem dificuldade de criar, prefere copiar, repete o que aprende sem questionar, sem investigar, é muito obediente, aceita tudo. A hipoacomodação: pobreza de contato com o objeto, dificuldade na internalização de imagens, a criança sofreu a falta de estimulação ou o abandono. Apresenta dificuldade de estabelecer vínculos emocionais e cognitivos. Pode ser confundido com um ser preguiçoso. Também não explora muitos objetos apresentados como se eles fossem “machuca-los”. Normalmente permanece em uma mesma atividade. Os Limites no Grupo Este tópico aborda o mundo e os limites do nosso entendimento. Um sujeito organizado em relação ao seu contexto consegue perceber que há muita coisa acontecendo que ele não pode captar ou entender. A arte da escuta, da atenção e a da disponibilidade para ler o mundo favorecem a construção de um sujeito instrumentalizado para ser feliz. A sala de aula é espaço privilegiado para essas aprendizagens, pois reúne diferenças no mesmo espaço. Segundo Pichon-Riviére pode-se falar em grupo quando um conjunto de pessoas movidas por necessidades semelhantes se reúne em torno de uma tarefa especifica. Diz que a estrutura do grupo se compõe pela dinâmica dos 3D: o depositado, o depositário e o depositante, e denomina os papéis que compõem o grupo em cinco: líder de mudança, líder de resistência, bode expiatório, representantes do silêncio e o porta voz. Construir o Contrato Pedagógico seria o primeiro passo para estabelecer o limite necessário no grupo, pois se precisam regular as pautas de comportamento e convivência com base neste estatuto professor/aluno. Perceber a dinâmica do grupo e o desempenho dos papéis seria o passo seguinte ao estabelecimento das regras. Pontos a serem pensados em seguida • Contratar com o grupo como vai funcionar, esclarecer os limites, rever o que foi acordado diante as dificuldades e avaliar com o grupo como tudo está se desenvolvendo; • O tom e a temperatura das relações entre as pessoas. A natureza e dinâmica das atividades; • Desenvolver o sentimento de pertencimento a um grupo, nascida da qualidade das relações; • Ações coletivas comuns a todos e técnicas de sensibilização; • A liderança (professor) realmente ser o articulador, capaz de ouvir as necessidades do grupo; • Posicionamento coerente e sensato, pautado na ética e no estatuto que envolve o grupo; ¹ Fernández, Alicia. A Inteligência Aprisionada, pág.107 ² São onze os incisos do Art.3º da LDB 9394/96 – CF/88 – Art. 206 ³ São oito incisos no Art. 12 da LDB 9394/96
  3. 3. Andreia Pessôa- Psicopedagoga com formação Psicanalítica • Reforçar regularmente o conceito de grupo, com a partilha grupal para estabelecer o equilíbrio na pseudoambiguidade existente no grupo. • Lembrar que os valores dos alunos, assim como os seus tem base nas projeções vivenciadas no grupo familiar, sendo assim, o valor que “EU” acredito pode não ser igual, ter o mesmo valor e intensidade que o do “OUTRO”. • As relações educativas cujos norteadores são o sim e o não precisam ser estabelecidos de forma coerente, um compromisso de todos na escola. “Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. Esses que-fazeres se encontram um no outro. Enquanto ensino, continuo buscando, reprocurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para constatar, constatando, intervenho, intervindo educo e me educo. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade.” Paulo Freire Como questiona Rubem Alves, você é um eucalipto ou um jequitibá? LEI Nº. 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei Senador Darcy Ribeiro • ²Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: III – pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas; IV – respeito á liberdade e apreço à tolerância; • ³Art. 12. Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: I – elaborar e executar sua proposta pedagógica; II – administrar seu pessoal e seus recursos matérias e financeiros; III – assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula estabelecidas; IV – velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente; V – prover meios para a recuperação dos alunos de menor rendimento; VI – articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola; • Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de: I – participar da elaboração d proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; ¹ Fernández, Alicia. A Inteligência Aprisionada, pág.107 ² São onze os incisos do Art.3º da LDB 9394/96 – CF/88 – Art. 206 ³ São oito incisos no Art. 12 da LDB 9394/96
  4. 4. Andreia Pessôa- Psicopedagoga com formação Psicanalítica II – elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; III – zelar pela aprendizagem dos alunos; IV – estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento; V – ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos. VI – colaborar coma as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade. • Art. 67. Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação [...] V – período reservado a estudos, planejamentos e avaliação, incluído na carga de trabalho. Referência Bibliográfica FERNÁNDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artmed, 1991. LDB Nº 9394/96 FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia – Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. ¹ Fernández, Alicia. A Inteligência Aprisionada, pág.107 ² São onze os incisos do Art.3º da LDB 9394/96 – CF/88 – Art. 206 ³ São oito incisos no Art. 12 da LDB 9394/96

×