Assistencia enfermagem geriatria

15.946 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.946
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
243
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assistencia enfermagem geriatria

  1. 1. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE IDOSO Prof.: Emerson R. Oliveira Gerontologia – CIAPE •HC – UFMG – Clínica Médica •Hospital Luxemburgo – Unidade de Internação Geral •Hospital Paulo de Tarso – Coordenação do Serviço de Enfermagem (geriatria e reabilitação)
  2. 2. Doenças do Aparelho Respiratório As principais alterações características do idoso relacionadas à integridade da função respiratória são: - tórax rígido; - pulmões menos elásticos; - expansão da caixa torácica limitada.
  3. 3. PneumoniaÉ um processo inflamatório nos pulmõescausado por vírus, bactérias, produtosquímicos ou alérgenos. É a quarta causa demorte entre pessoas idosas nos EUA.
  4. 4. Principais Diagnósticos de Enfermagem•Desobstrução de vias aéreas insuficientesdevido a secreção.•Troca de gases insuficientes devido aodesequilíbrio entre ventilação e perfusão.•Alteração de nutrição, devido a perda deapetite e cansaço.
  5. 5. Prescrição de Enfermagem•Aumentar ao máximo o esforço da tosseauxiliando e ensinando ao paciente a respirarfundo, respirar de novo, e tossir na segundaexpiração.•Auscultar os pulmões com freqüência paraverificar a presença de ruídos adventícios e aeficiência da desobstrução das vias aéreas.•Fornecer o alimento em pequenas porções emlugar de grandes refeições, em horas regulares eauxiliar o paciente a se alimentar, se for preciso.
  6. 6. EnfisemaOcorre quando os alvéolos pulmonares sedistendem ou se rompem. Há uma perdasimultânea de elasticidade dos pulmões. Ossintomas são de aparecimento lento e sãocaracterizados pela:- fraqueza e perda de peso;- agitação e dispnéia mais tardiamente.
  7. 7. Diagnóstico de Enfermagem•Ansiedade severa relacionada comrespiração insuficiente.•Falta de conhecimento relacionado aouso do medicamento.
  8. 8. Prescrição de Enfermagem•Fazer com que o paciente ansioso oudispnéico se concentre sobre o padrão derespiração do enfermeiro. Respirarlentamente, profundamente, usando a técnicado lábio estirado.•Oferecer recursos para que o medicamentoseja administrado em dose certa, na hora certae via certa. (Uso de Cartazes, cartilhas,tabelas, etc.).
  9. 9. Doenças Cardiovasculares São as responsáveis pelo maior número de óbitos entre os idosos.
  10. 10. Infarto Agudo do MiocárdioÉ a oclusão de uma artéria coronária ou de seusramos, podendo ser assintomático em pessoasidosas.O dano tissular e morte do músculo cardíacosempre resultam de um infarto do miocárdio.
  11. 11. Diagnóstico de Enfermagem•Desconforto devido a dor.•Alteração na perfusão periférica devido aum débito cardíaco inadequado.
  12. 12. Prescrição de Enfermagem•Posicionar o paciente em fowler paraconforto.•Administrar oxigênio para melhorar aperfusão capilar.•Observar presença de manchas na pelecomo palidez, cianose, sudorese e estasejugular.
  13. 13. Insuficiência Cardíaco Congestiva (ICC)É a condição no qual o débito cardíaco éinadequado para atender as necessidades docorpo.Caracterizado pela: confusão mental, insônia,edema periférico. Tosse seca, estase jugular eausculta de B3 (terceira bulha).
  14. 14. Diagnóstico de Enfermagem•Desconforto devido a dor no peito e dispnéia.•Alteração da volemia, menos do que osrequisitos do corpo, devido a umbombeamento ineficaz do coração.•Potencial para déficit de volume líquidodevido ao uso de diuréticos.
  15. 15. Prescrição de Enfermagem•Acompanhar dados vitais e avaliar auscultacardíaca e pulmonar.•Ao trocar um leito ocupado, troque os lençóispartindo da cabeceira da cama para os pés, emvez de lado a lado para diminuir a carga detrabalho do coração.
  16. 16. Hipertensão Arterial Sistêmica É o resultado do produto do débito cardíaco e da resistência vascular periférica. E o aumento da resistência periférica no idoso é conseqüência direta da aterosclerose, que leva a um processo que poderá ser chamado de endurecimento do vaso. É uma doença altamente prevalente entre idosos, tornando-se determinante na morbidade e mortalidade elevadas dessa população.
  17. 17. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração na perfusão tissular devido a umaumento do trabalho cardíaco.•Possibilidade de lesões, quedas ligados afraqueza e/ou tontura.
  18. 18. •Monitorar a pressão arterial em ambos osbraços com o paciente deitado, sentado e empé.•Estimular períodos de repouso durante o dia eapós uma atividade.•Ensinar o paciente a se levantar da cama epoltrona evitando quedas.
  19. 19. AnemiasPessoas idosas tornam-se anêmicas devido a umcerto número de motivos:-Alimentação inadequada;-Dentaduras mal ajustadas;-Dificuldade financeira ou dificuldade de acesso asupermercados.
  20. 20. Anemias por Deficiência de FerroÉ a causa mais comum de anemia nos idosos. Ea deficiência de ferro deve ser adquirida atravésde suplementos.Anemia Perniciosa: É comum entre os idosossendo devido a falta de um fator específico nassecreções gástricas necessárias para a absorçãoda vitamina B12.
  21. 21. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração da nutrição menos do que osrequisitos do organismo, relacionados comuma ingestão inadequada de ferro.•Possibilidade de quedas e ferimentos devidoa fraqueza.
  22. 22. Prescrição de Enfermagem•Avaliar a condição da boca, dente e dentadura.•Estimular a ingestão de alimentos com alto teorde ferro (feijão, soja e carne).•Evite alimentos muito quentes ou muitotemperados.
  23. 23. Doenças do Trato Urinário O problema mais comum de saúde da pessoa idosa é a incontinência urinária. A pessoa idosa sadia tende a urinar com mais freqüência e em maior grau de urgência.
  24. 24. Incontinência UrináriaÉ a perda involuntária da urina que pode ser desencadeada pordiversas causas como:-fraqueza muscular;-incapacidade renal de concentrar a urina;-problemas neurológicos;-uso de medicamentos;-infecções;-hipertrofia prostática;- e a causa mais comum no idoso é o acúmulo fecal;-déficit visual.
  25. 25. Diagnóstico de Enfermagem•Déficit nos cuidados pessoais, ligados à incapacidadede se tratar.•Distúrbio na auto-imagem ligado à incontinênciaurinária.•Possibilidade de infecção devido a umidade eirritação do períneo.
  26. 26. Prescrição de Enfermagem•Verificar a presença de fecaloma, por exame digital.Percutir suavemente o abdome para ver se há distensãoda bexiga.•Inspecionar os órgãos genitais externos para ver se hávermelhidão, irritação ou corrimento. Lavar com águae sabão e secar completamente.•Elogiar todos os esforços para manter-se seco.
  27. 27. Hipertrofia Prostática A hipertrofia prostática acha-se presente entre a maioria dos homens idosos, com sintomatologia clássica: -noctúria; -↓ jato urinário; -dificuldade de iniciar a micção.
  28. 28. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração na micção ligada a incapacidade deesvaziar a bexiga.•Alteração do padrão do sono devido a noctúria.•Alteração do bem estar por dor, devido a distensãoda bexiga.
  29. 29. Prescrição de Enfermagem•Registrar a ingestão e eliminação.•Verificar se houve esvaziamento da bexiga na horade dormir.•Restringir a ingestão de líquidos antes de dormir.
  30. 30. Doenças Gastrointestinais Xerostomia: ou secura da mucosa oral, pode resultar de uma menor produção de saliva, ressaltando a importância de uma higiene oral efetiva em idosos pela perda de certas papilas gustativas.
  31. 31. Diagnóstico de Enfermagem•Possibilidade de lesão da mucosa oral. Prescrição de Enfermagem•Promover higienização da cavidade oral (lingua e dentes)após cada refeição.•Administrar medicação para correção de xerostomia.
  32. 32. Hérnia de HiatoÉ a protusão da porção proximal do estômago paradentro da cavidade torácica, através do diafragma.Estima-se que 67% das pessoas com mais de 60anos estão propícias a desenvolver a doença.
  33. 33. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração do bem estar devido a dor.•Alteração da nutrição, inferior aos requisitos doorganismo devido à incapacidade ou relutância emcomer e reter o alimento.
  34. 34. Prescrição de Enfermagem•Colocar o paciente em acento reclinável ouem semi-fowler após as refeições.• Não oferecer alimentos ao paciente no leito amenos que seja contra-indicado sentá-lo.•Instruir o paciente a comer devagar econservar uma posição ereta após 30 minutosde cada refeição.
  35. 35. Constipação Intestinal “Fecaloma”A constipação intestinal e o fecaloma sãoproblemas freqüentes das pessoas idosas. Ainatividade, imobilidade, menor bolo alimentar eo abuso de laxante favorecem o seuaparecimento.
  36. 36. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração nas evacuações, constipaçãointestinal / fecaloma.•Erro alimentar, resultando emconstipação intestinal.
  37. 37. Prescrição de Enfermagem•Manter ingestão adequada de líquidos e fibras.•Aliviar o fecaloma realizando um toque retalsuave.
  38. 38. Doenças do Sistema Músculoesquelético Causa alterações no equilíbrio, postura e mobilização dos idosos. A pessoa idosa é muito susceptível a quedas e fraturas.
  39. 39. OsteoporoseÉ a patologia óssea mais comum que acometeidosos, é caracterizada pela desmineralizaçãoóssea.A imobilização acelera este quadro. A causaexata da osteoporose ainda é desconhecida, maso seu desenvolvimento relaciona-se com aingestão de cálcio, proteínas, fosfatos e com ometabolismo da vitamina D e déficits deestrógeno.
  40. 40. Diagnóstico de Enfermagem•Mobilidade prejudicada devido a rigidez.•Possibilidade de lesões e fraturas.•Desconhecimento quanto a ingestão de cálcio,proteínas e fosfatos.
  41. 41. Prescrição de Enfermagem•Melhorar a mobilização melhorando o tônusmuscular. (interconsulta com a fisioterapia)•Evitar a imobilização prolongada.•Estimular o uso adequado de bengalas, muletas se apostura não for estável.•Ter grande cuidado e delicadeza ao movimentar ouexercitar um paciente com osteoporose para evitarlesões.•Interconsulta com nutricionista.
  42. 42. Artrite ReumatóideSão alterações inflamatórias na membranasinovial resultando em destruição da cartilagemarticular e deformidades. Sintomas: dor, edemade articulações.
  43. 43. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração do bem estar causado pela dor.•Mobilização prejudicada, devido a rigidezarticular.•Menor tolerância a atividade devido aimobilidade e dor.
  44. 44. Prescrição de Enfermagem•Aplicar calor úmido nas regiões atingidas, se ocalor aliviar a dor.•Fisioterapia quando indicado.•Avaliar eficácia das medidas de alívio da dor.
  45. 45. Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente torna-se confusa ou apresenta uma mudança de personalidade, isso deve ser encarado como uma emergência. Os testes de diagnóstico devem ser feitos para determinar a causa. A confusão nunca é normal ou esperada do envelhecimento.
  46. 46. Síndrome Cerebral AgudaTem um aparecimento rápido.Os sintomas incluem erro de identificação depessoas, agitação, alucinações visuais eperambulação noturna que podem ser causadas porhipóxia, anemias, doenças metabólicas, hepatopatias,desnutrição, depressão etc.
  47. 47. Diagnóstico de EnfermagemAlteração na percepção sensório-perceptualrelacionada com a alteração na homeostase.
  48. 48. Prescrição de Enfermagem•Estabelecer comunicação: usar o contato visualdireto e o toque.•Fazer um questionário do estado mental.•Verificar a existência de hipoglicemia ouhiperglicemia.•|Avaliar o histórico medicamentoso.•Promover um ambiente calmo e tranqüilo.
  49. 49. Síndrome Cerebral CrônicaTem instalação gradual caracterizado pelaDEMÊNCIA, que é principalmente caracterizada peladeteorização intelectual, desorganização dapersonalidade e a incapacidade de exercer asatividades da vida diária. Ex: doença de Pick, Coreiade Huntington e Alzheimer.
  50. 50. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração intelectual relacionada com aincapacidade de se comunicar.•Déficit de memória ligada a uma pessoa, tempo elugar.•Alteração no padrão do sono, por não dormir ànoite.•Possibilidade de violência devido a falta de juízocrítico.
  51. 51. Doenças Metabólicas Diabetes MellitusA idade de pico de incidência de novos casos dediabetes é de 60 a 70 anos de idade; geralmente asintomatologia clássica está ausente no idoso.
  52. 52. As pessoas idosas em geral apresentam diabetes TipoII – não dependentes de insulina – porque as célulasdo corpo não são receptivas ou sensitivas à insulinaproduzida pelo corpo, embora possa ser produzidoum valor adequado de insulina.
  53. 53. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração da nutrição, inferior aos requisitos doorganismo ligada ao fato da glicose não atingiradequadamente as células.•Possibilidade de lesões da pele devido a umacirculação comprometida.
  54. 54. Prescrição de Enfermagem•Avaliar sinais de desidratação – turgor da pele emucosas.•Acompanhar a administração de hipoglicemiantes.•Variar e registrar os locais de injeção de insulina.•Hidratar a pele com óleo ou hidratantes diariamenteevitando ressecamento da pele por excesso de banhos.
  55. 55. HipotireoidismoÉ um problema comum dos idosos e o seuaparecimento pode ser menosprezadodevido aos sintomas serem inespecíficos.O diagnóstico é feito através de exameslaboratoriais.
  56. 56. Diagnóstico de Enfermagem•Alteração no débito cardíaco devido adiminuição da freqüência cardíaca.•Alteração da percepção sensorial ligada ao frio.
  57. 57. Prescrição de Enfermagem•Controlar a freqüência cardíaca, o ritmo e a PA.•Manter o paciente aquecido com uso de bolsaquente, meias de lã.
  58. 58. OBRIGADO!

×