Método Aberto: Apresentação #1

9.760 visualizações

Publicada em

Introdução ao Método Aberto - MD3E - que trata a metodologia projetual do design com uma visão multidisciplinar. Apresentada por Flávio Anthero Nunes Vianna dos Santos em sua tese de doutorado: "MD3E (MÉTODO DE DESDOBRAMENTO EM 3 ETAPAS): UMA
PROPOSTA DE MÉTODO ABERTO DE PROJETO PARA USO NO
ENSINO DE DESIGN INDUSTRIAL".

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios

Método Aberto: Apresentação #1

  1. 1. Computa ção Gráfica III Metodologias: compara ção Prof. Márcio A. Fernandes Duarte Design Gráfico - UNIVEM / 2010
  2. 2. Texto base <ul><li>SANTOS, Flávio Anthero Nunes Vianna dos. MD3E (Método de Desdobramento em 3 Etapas): Uma Proposta de Método Aberto de Projeto para Uso no Ensino de Design Industrial. Tese de doutorado – PPGEP-UFSC. Florianópolis, SC, 2005. </li></ul>
  3. 3. Metodologia <ul><li>Conceitua-se como método fechado aquele método de projeto que apresenta uma estrutura pré-determinada de atividades a serem executadas, com início, meio e final pré-estabelecidos. </li></ul><ul><li>Esses métodos fechados podem sofrer alterações, mas também podem ser aplicados exatamente como se apresentam, configurando-se em um modelo pronto para ser utilizado. </li></ul>
  4. 4. Metodologia: Baxter (1998) <ul><li>visão de negócio, inovação, investimento, gestão e planejamento estratégico do design; </li></ul><ul><li>Pontos positivos: </li></ul><ul><ul><li>Abordagem estrat ég i ca; </li></ul></ul><ul><ul><li>Rela çã o com investimento; </li></ul></ul><ul><ul><li>Baseado em experi ên c ias de mercado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Destaque para as tomadas de deci são . </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Maior dificuldade para iniciantes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Etapa de concep çã o pouco detalhada; </li></ul></ul><ul><ul><li>N ão aborda a ergonomia; </li></ul></ul><ul><ul><li>M ét odo fechado. </li></ul></ul>
  5. 5. Metodologia: Baxter (1998)
  6. 6. Metodologia: Munari (2002) <ul><li>visão mais voltada ao processo criativo; </li></ul><ul><li>Pontos positivos: </li></ul><ul><ul><li>Adequado para iniciantes; </li></ul></ul><ul><ul><li>Linguagem de fácil entendimento. </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Estrutura superficial e incompleta; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não aborda mercado, gestão, ergonomia e estratégia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Representação gráfica inadequada; </li></ul></ul><ul><ul><li>Método fechado. </li></ul></ul>
  7. 7. Metodologia: Munari (2002)
  8. 8. Metodologia: Pugh (2002) <ul><li>visão de mercado, projeto integrado e interdisciplinar; </li></ul><ul><li>Pontos positivos: </li></ul><ul><ul><li>Valorização do mercado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Relação entre as etapas. </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Etapa de concepção pouco detalhada; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não aborda a ergonomia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pouco detalhado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Método fechado. </li></ul></ul>
  9. 9. Metodologia: Pugh (2002)
  10. 10. Metodologia: Bonsipe (1984) <ul><li>enfoque mais científico (sistêmico), com ênfase na problematização e pesquisa; </li></ul><ul><li>Ponto positivo: </li></ul><ul><ul><li>Valorização da análise e problematização; </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Deve ser usado apenas como método auxiliar; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não aborda mercado, ergonomia, gestão e estratégia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Exclui várias etapas do projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pouco detalhado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Método fechado. </li></ul></ul>
  11. 11. Metodologia: Bonsipe (1984)
  12. 12. Metodologia: Moraes e Mont´Alvão (1998) <ul><li>enfoque ergonômico e cognitivo do processo de design; </li></ul><ul><li>Ponto positivo: </li></ul><ul><ul><li>Detalhamento da questão ergonômica. </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Não aborda questões de mercado, gestão, estratégia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Método fechado. </li></ul></ul>
  13. 13. Metodologia: Moraes e Mont´Alvão (1998)
  14. 14. Metodologia: Pahl e Beitz (1996) <ul><li>abordagem mais técnica, vinculada às características de projeto de produtos na área de engenharia; </li></ul><ul><li>Pontos positivos: </li></ul><ul><ul><li>Detalhamento da fase de concepção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Representação dos fluxos de projeto. </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Não aborda mercado, gestão e estratégia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Método fechado. </li></ul></ul>
  15. 15. Metodologia: Pahl e Beitz (1996)
  16. 16. Metodologia: Meister (1985) <ul><li>abordagem mais abrangente, envolvendo o projeto do sistema. </li></ul><ul><li>Ponto positivo: </li></ul><ul><ul><li>Enfoque ampliado do produto para o sistema; </li></ul></ul><ul><li>Pontos negativos: </li></ul><ul><ul><li>Não aborda mercado, gestão e estratégia; </li></ul></ul><ul><ul><li>Pouco detalhamento do processo; </li></ul></ul><ul><ul><li>Método fechado. </li></ul></ul>
  17. 17. Metodologia: Meister (1985)
  18. 18. M étodo Aberto <ul><li>Incentivar a interferência do aluno na estrutura do método como forma de desenvolver as competências e habilidades definidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais; </li></ul><ul><li>Fornecer uma base sobre a qual o aluno poderá construir o conhecimento com o acompanhamento do professor orientador ao invés de ser um modelo pronto, pré-estabelecido, de como um projeto de produto ocorre; </li></ul><ul><li>Incentivar no aluno uma postura pro ativa, crítica e reflexiva com relação à atividade de projeto; </li></ul><ul><li>Permitir o uso conjunto com outros métodos que tragam ênfases específicas facilitando a atividade interdisciplinar de projeto; </li></ul><ul><li>Utilizar uma representação gráfica mais adequada do que os fluxogramas e que permita uma percepção global do projeto e dos seus variados fluxos de atividades. </li></ul>
  19. 19. M é todo Aberto <ul><li>Ao contrário do método fechado, a proposta de método aberto precisa da interação constante do aluno e do professor para poder ser aplicada. Ou seja, o método é planejado para sofrer interferências em sua estrutura e apenas funcionará a contento se isso acontecer. </li></ul>
  20. 20. M étodo MD3E <ul><li>O importante é que o projeto siga uma seqüência lógica e coerente, não necessariamente linear e seqüencial. Ou seja, algumas atividades devem ser feitas antes de outras e uma eventual inversão dessa seqüência pode gerar resultados indesejados. </li></ul>
  21. 21. Estrutura radial do M étodo Aberto
  22. 22. Etapa central
  23. 23. Tr ês etapas básicas
  24. 24. Gerenciamento e Documenta ção do Projeto
  25. 25. Desdobramentos m ínimos obrigatórios
  26. 26. Desdobramento auxiliares

×