O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

História do Design - Apresentação - Hd00

3.656 visualizações

Publicada em

Material organizado para um curso básico de História do Design (Hd00 a Hd10 / 1-12) Prof.Valdir Soares

  • Seja o primeiro a comentar

História do Design - Apresentação - Hd00

  1. 1. Apresentação da disciplina Curso de Design / Habilitação em Programação Visual e/ou Projeto de Produto 00
  2. 2. História do Design ...algumas anotações <ul><li>00 Apresentação </li></ul><ul><li>01 Conceitos </li></ul><ul><li>02 Premissas </li></ul><ul><li>03 Revolução Industrial </li></ul><ul><li>04 Movimentos de Reforma </li></ul><ul><li>05 Movimentos de Vanguarda </li></ul><ul><li>06 Movimentos de Vanguarda (cont.) </li></ul><ul><li>07 Movimento Moderno: Bauhaus </li></ul><ul><li>08 Pós-Guerra...EUA </li></ul><ul><li>09 Pós-Guerra...Ulm/Alemanha </li></ul><ul><li>10 Design Brasil </li></ul>
  3. 3. Disciplina: HISTÓRIA DO DESIGN <ul><li>Carga-Horária: </li></ul><ul><li>Professor: </li></ul><ul><li>Nº de Créditos: </li></ul><ul><li>Turma: </li></ul><ul><li>Horário: </li></ul><ul><li>Período: </li></ul><ul><li>Ano/Semestre: </li></ul><ul><li>Em torno de 68 h/a </li></ul><ul><li>Valdir F. Soares </li></ul><ul><li>4crd. </li></ul><ul><li>2 dias na semana </li></ul><ul><li>1º. ou 2º. </li></ul><ul><li> </li></ul>
  4. 4. O que estudaremos? <ul><li>Com foco no Design Gráfico & Design Industrial </li></ul><ul><li>...a História do Design : </li></ul><ul><li>Textos; </li></ul><ul><li>Signos Visuais, Produtos, sua identificação, transformações e influências; </li></ul><ul><li>Construção de textos, multimídias para apresentação dos diferentes conceitos. </li></ul>
  5. 5. Objetivo Geral: <ul><li>Desenvolver o senso crítico do aluno, sua cultura visual, com atenção às influências do desenvolvimento tecnológico sobre o Design . </li></ul><ul><li>Relacionar as mudanças de concepção formal. </li></ul><ul><li>Ênfase na história do Design Gráfico e Industrial (Produto), nos signos gerados pela interação com a cultura contemporânea. </li></ul>
  6. 6. Objetivo específico: <ul><li>Investigar e refletir sobre os conceitos determinantes da evolução da atividade de Design e seu papel na atualidade. </li></ul>Exercitar a investigação, coleta, organização e apresentação de dados e referências conceituais e visuais.
  7. 7. Investigar e sintetizar conceitos Estudando os momentos históricos e teorias transformadoras do fazer em Design . Analisando documentos, Imagens e textos. Criando material de síntese Informacional, textual e visual. Como?
  8. 8. O que é preciso? <ul><li>Organização: individual e coletiva. </li></ul><ul><li>Empenho: aprofundar as questões apresentadas em aula; leitura dos textos indicados. </li></ul><ul><li>Comprometimento: envolvimento com a disciplina, enquanto bagagem para o seu crescimento profissional </li></ul>
  9. 9. Metodologia Geral: <ul><li>Aulas expositivas com projeções de exemplos, leitura e produção de textos desenvolvidos pelos participantes, promovendo a acumulação de conhecimento e permitindo transpor, para a reflexão da prática, os conceitos trabalhados nas aulas expositivas, exames e avaliação pelos alunos, das referências históricas e os resultados, encontrados no contexto do Design Gráfico & Design Industrial . </li></ul>
  10. 10. Avaliação: <ul><li>Trabalhos individuais e em grupo </li></ul><ul><li>Exercícios individuais de avaliação (prova) </li></ul><ul><li>Média de aprovação: 5,0 (igual ou maior , as instituições privadas colocam uma referência ao grau 7,0 ) </li></ul>
  11. 11. Sistema de Avaliação: <ul><li>Exemplos de Trabalhos: </li></ul><ul><li>P1 - Prova (50%) </li></ul><ul><li>Exercícios e Trabalhos no bimestre (50%) </li></ul><ul><li>P2 - Prova (50%) </li></ul><ul><li>Exercícios e Trabalhos no bimestre (50%) </li></ul><ul><li>Avaliação Final: (P1 + P2): 2 = Tf – Total Final </li></ul><ul><li>Prova substitutiva: Só será aplicada para as situações em que, por algum motivo justificável, o estudante tenha perdido parte dos exercícios em aula ou prova, não alcançando o percentual necessário à avaliação. </li></ul>
  12. 12. Tarefas <ul><li>Grupo : em geral 2 a 3 componentes </li></ul><ul><li>(formação definida para cada exercício) </li></ul><ul><li>Realização : exercícios individuais e/ou em grupo ao longo do semestre </li></ul><ul><li>O que será realizado : Apresentação em textos e/ou mídia visual (ppt, cartaz, pôster científico, etc.) definidos durante os seminários, sobre tópicos específicos ou de interesse na disciplina. </li></ul>
  13. 13. Exercício individual de avaliação <ul><li>Aplicação de conceitos e teorias estudadas </li></ul><ul><li>Produção de textos a partir do material estudado </li></ul><ul><li>Reconhecer conceitos estudados em aplicações de autores diversos. </li></ul>
  14. 14. Exemplo: Grade de Conteúdo/Aula Encerramento da Disciplina Vistas de Notas e Faltas 1o. E 2o. Bimestres - Junho Prova substitutiva AVALIAÇÃO 2o. Bimestre P2 Junho a. Apresentação em mídia visual Trabalho orientado 10 Junho a. pós-modernidadem, b. globalização História do Design: Novos conceitos e tendências 9 Maio a. O Design leigo b. Primeiras contribuições pedagógicas, c. políticas e incentivos História do Design no Brasil 8 Maio a. Design no EUA b. design na Europa, c.organismos de apoio e fomento. História do Design e a Economia do Pós-Guerra 7 Maio Prova substitutiva AVALIAÇÃO 1o. Bimestre P1 Abril a. Weimar, b. Dessau, c. Berlin, d. New Bauhaus-Chicago História do Design e a Bauhaus 6 Abril a. DeStijl, b. Construtivismo, c. Dadaismo... História do Design e os Movimentos de Vanguarda 5 Abril a. Arts & Crafts, b. Art Nouveau, c. Deutscher Werkbund. d. os exemplos de Glasgow , Wiena História do Design e os Movimentos de Reforma 4 Março a. Do artesanato e oficinas para as fábricas / b. Exposições internacionais / c. Representações: arte e o grafismo leigo. História do Design e a Revolução Industrial 3 Março a. Industrialização e tecnologia / b. Os processos civilizatórios / c. Cultura e objeto. História do Design: Conceitos e Premissas 2 Março a. procedimentos didáticos / b. leitura e análise do texto / c. seminários e material de consulta Apresentação da disciplina: História do Design 1 Março Objetivo Específico Módulo de Conteúdo Aulas Mês
  15. 15. <ul><li>Ênfase da disciplina </li></ul><ul><li>Cursos de Design Gráfico / Visual </li></ul><ul><li>Cursos de Design Industrial / Produto </li></ul>História do Design
  16. 16. O Design , ...sua prática nos últimos anos, passa a exigir que a qualificação profissional, antes com o foco no patamar estritamente operacional do projeto, desenvolva ações também no nível estratégico de uma organização. Ilustração: Paulo Reis
  17. 17. O &quot; fazer &quot; do Design para bens e serviços , de produtos à programação visual dos elementos constituintes da identidade visual de um empreendimento, do tratamento visual da informação dos serviços de uma empresa, produtos, impressos e imagens virtuais , segue como conteúdo do perfil profissional do Designer mas, outras exigências , vão sendo apontadas como : « ...elemento dinamizador para administradores; elemento diferenciador entre concorrentes; peça chave no incremento das vendas para o pessoal de marketing e parte fundamental do motor do avanço tecnológico... » (PUERTO, H.B. Design e Inovação Tecnológica , Salvador, IEL-Prog. Bahia Design, 1999.)
  18. 18. O &quot; IDEO &quot; um dos maiores escritórios de Design , no Estados Unidos, pesquisando sobre a busca de empresas que, mesmo possuindo seus setores de Design , buscavam externamente a contratação desses serviços apontou que:  « ...condensamos as respostas em quatro razões principais: ... capacidade , ... velocidade , ... especializações fora de suas atividades principais. E a quarta era inovação . » ( KELLEY, T. A Arte da Inovação , São Paulo, Futura, 2001) 
  19. 19. Para definir Design , o que é ...enfrenta-se dificuldades variadas e contraditórias. Contudo, o serviço que se espera que o Designer cumpra, na maioria das vezes, é mais objetivo exigindo competência profissional ( capacidade e a devida especialização ), tempos exíguos para apresentação e um diferencial das soluções ( velocidade e inovação ).
  20. 20. Daí, um dos compromisso pedagógico com a formação dos futuros profissionais transita na esfera de discutir e procurar denominadores comuns, que forneçam a devida segurança de, no futuro, marcarem sua posição no mercado de trabalho, sem levarem questões dúbias para as negociações, provavelmente preexistentes, no repertório dos clientes.  « ..Design ? É...design ! » ( STRUNCK, G., Viver de Design , Rio, 2AB,1999)
  21. 21. « .. Designer gráfico é um termo relativamente novo para designar um profissional. Usava-se artista gráfico até alguém falar que o trabalho de desenhar logotipos, cartazes, folhetos, embalagens, livros é design e que design não é arte. Daí, designer gráfico. ...afinal quais os limites do design gráfico ? » ( OHTAKE, R. O que é ser designer gráfico hoje ? in: Revista ADG - Revista da Assoc. dos Designers GráficosBrasil, São Paulo, n º 27, Fevereiro, 2003, p. 78-79 . ver também: ESCOREL, A. L. O Efeito Multiplicador do Design , São Paulo, Ed.SENAC, 2000 ). 
  22. 22. « ...Num mercado globalizado, são fatores decisivos para o sucesso de uma empresa a credibilidade de sua imagem e a qualidade de seus produtos e serviços que ela oferece, ...nos últimos anos os investimentos voltados para a área de design deixaram de ser uma questão de estética e se tornaram uma questão estratégica para sobrevivência das organizações . ...Entende-se por design a melhoria dos aspectos funcionais , ergonômicos e visuais dos produtos , de modo a atender às necessidades do consumidor , melhorando o conforto , a segurança e a satisfação dos usuários. » ( CNI - Bahiana,C., A Importância do Design para sua Empresa , Brasília -DF, 1998. Ver também: BAXTER, M. Projeto de Produto , São Paulo, Ed.E.Blucher, 1998 e LOBACH, B. Design Industrial , São Paulo, Ed.E.Blucher, 2000, do qual, parte do texto foi aqui anexado.)
  23. 23. DESIGN... Desenho Industrial ...programação visual & projeto de produto DESIGN INDUSTRIAL DESIGN GRÁFICO
  24. 24. O Desenho industrial Design , em seus dois grandes blocos de habilitação Programação Visual Design Gráfico e o Projeto de Produto Design Industrial , vão encontrar posicionamentos conceituais sobre o que é Design visitando textos encontrados desde o campo da Arte ao das Engenharias, passando pela Comunicação, Antropologia, Economia, o Marketing, a Sociologia e o Direito, cada qual emprestando suas reflexões de forma positiva, ou não, à aqueles que estarão no &quot; front &quot;, disputando seu espaço no mercado de trabalho.
  25. 25. <ul><li>« ...A Ciência do Designer encontra-se definida em função produtiva, tecnológica como no caso do tecnólogo. Mas, a Tecnologia do Designer encontra-se definida em função estética, o que faz que essa ação estética seja também tecnológico-científica. A Ciência, a Tecnologia e a Arte integradas unitária, orgânica e sinergeticamente no ato produtor do Design, permitem denominar este com o neologismo: </li></ul><ul><li>O PROJETAR ou ATO “POIETICO”. </li></ul><ul><li>...Querer fazer do Design uma atividade exclusivamente tecnológica ou artística é não compreender seu sentido. </li></ul><ul><li>O Design é um ato distinto, próprio, integrado, científico-tecnológico-estético: Uma tecnologia-estética-opera-cional ou uma operação-estético-tecnológica ´sui generis` » </li></ul><ul><li>( apud. PUERTO, 1999 DUSSEL, E. La Filosofia de la Producción , México, UNAM, 1984 ato poiético , do gr. Poiesis é a atividade produtiva fabricativa, que é dirigida ao trabalho da natureza, como produção dos homens livres, dos artesãos ou dos escravos; relacionada à arte, à semiótica e ao Design .). </li></ul>
  26. 26. Os textos, indicados abaixo e outros, indicados ao longo do curso, vão nos remeter à algumas reflexões como - Por que? e Para que ? - estudar a História do Design bem como, o que é produzir e como organizar o conhecimento acumulado, no sentido de estimular e subsidiar a práxis do Design. <ul><li>Referências Bibliográficas </li></ul><ul><li>DENIS, Rafael C. UMA INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO DESIGN . São Paulo, E Blücher, 2000 / História e design, p. 12 a 15 / A natureza do design, p. 16 – 18 </li></ul><ul><li>SOUZA, Pedro Luiz Pereira de. NOTAS PARA UMA HISTÓRIA DO DESIGN . Rio de Janeiro, 2AB, 1998 / Introdução, p. 09 a 12 </li></ul><ul><li>HÜHNE, L. M.(org.) METODOLOGIA CIENTÍFICA – Cadernos de Textos e Técnicas . Rio de Janeiro, Agir, 6a. ed. 1995 / Apresentação, p. 11 e 12 / O Ato de Estudar, p. 13 – 20 / A Organização do Trabalho Acadêmico p. 21, 44 - 54, 64 e 65. </li></ul><ul><li>HESKETT, J. DESENHO INDUSTRIAL . Rio de Janeiro: Jose Olympio-UnB. 1997. </li></ul><ul><li>PEVSNER, N. PIONEIROS DO DESENHO MODERNO . São Paulo: Martins Fontes, 1995. </li></ul><ul><li>NIEMEYER, L. DESIGN NO BRASIL: ORIGENS E INSTALAÇÃO . Rio de Janeiro: 2AB, 1998. </li></ul><ul><li>HOLLIS , R. DESIGN GRÁFICO: UMA HISTÓRIA CONCISA . São Paulo: Martins Fontes, 2001. </li></ul><ul><li>MEGGS, P. B. A HISTORY OF GRAPHIC DESIGN , 3rd.ed., N.York, J.Willey, 2000 . </li></ul>
  27. 27. FIM ! <ul><li>Até o próximo tema ! </li></ul>

×