Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo

2.403 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.403
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
682
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
88
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo

  1. 1. Fauvismo, Expressionismo, Futurismo, Dadaísmo, Surrealismo e Cubismo Prof. Márcio Duarte Arte no Séc. XX
  2. 2. Cubismo Fragmentação da forma, recorte, colagens, Expressionismo Quebra da relação direta com a realidade, uso expressivo da cor e da forma. Autonomia da Pintura Auto-referência na arte Arte Contemporânea Futurismo Rejeição às formas tradicionais de arte Fauvismo Liberdade no uso das cores, desvinculando- se completamente da cor real.
  3. 3. “À pintura já não cabe mais relatar, mas sim realizar-se a si mesma” Cézanne
  4. 4. Fauvismo • No salão de Outono, realizado em 1905 em Paris, um grupo de artistas expôs obras de tal maneira chocantes - cores fortes e ousadas, aplicadas com espontaneidade e aspereza que foram imediatamente batizados de “Les fauves” (as feras) pelo crítico Louis Vauxcelles.
  5. 5. “Jamais pensei na arte clássica, na arte italiana, naquela dos gregos. Queria incendiar a Escola de Belas Artes com os meus azuis e vermelhos e desejava traduzir os meus sentimentos com os meus pincéis, sem me preocupar com o que tinha pintado. Não penso em arte, quero apenas demonstrar como gosto de uma coisa ou detesto uma ordem estabelecida. Quando tenho cores nas mãos, pouco me importa a pintura dos outros - a vida e eu, eu e a vida. Em arte, cada geração deve recomeçar tudo. É preciso mais coragem para obedecer a seus instintos do que para morrer como um herói num campo de batalha. O que não poderia fazer com a sociedade, atirando uma bomba de dinamite, que me conduziria a guilhotina, tentei realizar na arte, na pintura, empregando cores puras, que saiam do tubo. Satisfiz, assim, minha vontade de destruir e desobedecer, para recriar um mundo sensível, vivo e livre.” Vlaminck
  6. 6. Vlaminck – Seine in chatou 1906
  7. 7. Restaurant at Marly-le-Roi - Maurice de Vlaminck
  8. 8. Tugboat on the Seine 1906
  9. 9. André Derain. Três figuras sentadas na relva. 1906.
  10. 10. Henri Matisse. Luxo, calma e volúpia. 98,3 x 118,5cm. 1904
  11. 11. O atelier vermelho, 1911. 181 x 219cm. Óleo sobre tela.
  12. 12. Matisse. A alegria de viver. 1905-06. Esboço. 41x 55 cm. Obra final. 174 x 238cm.
  13. 13. Henri Matisse. Interior em Collioure, 59 x 72cm, 1905.
  14. 14. Matisse. A família do pintor, 1911.
  15. 15. Matisse. Nu feminino no atelier, 1935.Desenho à pena, 45 x 56 cm..
  16. 16. Matisse. Nu azul, 1952. 103 x 74. Matisse. Guache em papel recortado, 1950. 238 x 130.
  17. 17. Gauguin. Dia dos deuses. 1894.
  18. 18. Gauguin, Retrato de Van Gogh, 1888. 73 x 91.
  19. 19. Paul Gauguin. O Café em Arles. 1888. 73 x 92cm.
  20. 20. Gauguin. Visão após o sermão. 1888.
  21. 21. Eugène-Henri-Paul Gauguin. 1880.
  22. 22. Expressionismo 1909 • Com ênfase às emoções subjetivas, as raízes do expressionismo se encontram no simbolismo e na obra de Van Gogh (pós-impressionismo), Paul Gauguin (Sincretismo e Nabis), aos Fauves pelos experimentos com a cor simbólica e exagerada. O Expressionismo Alemão se diferencia do Francês pela ênfase no drama, no sombrio da humanidade. Eram fiéis a crença de que arte deveria expressar a perturbação íntima de um mundo em que reinavam a incompreensão e a negligência. Mais tarde, o termo foi utilizado para caracterizar a arte cujas formas têm origem não da observação direta da realidade mas de reações subjetivas à realidade.
  23. 23. Vicent Van Gogh- O Semeador, 1888
  24. 24. Van Gogh. O café a noite. 1888.
  25. 25. Vincent Van Gogh. O retrato de Père Tanguy. 1887-88.
  26. 26. Terraço do Café na Praça do Fórum, 1888
  27. 27. Noite Estrelada, 1888
  28. 28. Ponte em Langlois, 1888
  29. 29. Monte de Feno Amarelo, 1899
  30. 30. Campo de Trigo com Cipestres, 1889
  31. 31. A Sesta, 1890
  32. 32. Vaso com Doze Girassóis, 1888
  33. 33. Expressionismo Alemão • 1) Dresden: Die Brücke (A Ponte), 1905/13. • 2) Munique: Die Neue Künstlervereinigung (A nova combinação do artista), 1909. Der Blau Reiter (O Cavaleiro Azul) , 1911/14. • 3)Berlim: Die Neue Sezession ( A nova secession), 1911. Der Sturm (A Tempestade), 1910/32.
  34. 34. Cinema Gabinete do Dr. Cagalri.1918
  35. 35. “Pois eu os representei, tomei o lugar deles e transmiti sua imagem por meio de visões. É a psique que fala!!” Oskar Kokoschka, 1912.
  36. 36. O expressionismo, nascido na Alemanha no final do século XIX, é maior que a idéia de um movimento de arte, e antes de tudo, uma negação ao mundo burguês. Seu surgimento contribuiu para refletir posições contrárias ao racionalismo moderno e ao trabalho mecânico, através de obras que combatiam a razão com a fantasia. Influenciados pela filosofia de Nietzsche e pela teoria do inconsciente de Freud, os artistas alemães do início do século fizeram a arte ultrapassar os limites da realidade, tornando-se expressão pura da subjetividade psicológica e emocional.
  37. 37. Kirchener, Auto retrato com modelo.1910.
  38. 38. Egon Schiele. Sala de estar, 1911.
  39. 39. Egon Schiele. Com armas levantadas, 1914.
  40. 40. Egon Schiele. Retrato do Dr. Hugo Koller. 1919.
  41. 41. Nu feminino sentado, com braço direito vertical 1910
  42. 42. Egon Schiele. Jovem nua de braços cruzados, 1910.
  43. 43. Wassily Kandinski. Improvisação número 31. 1913.
  44. 44. Eduard Munch. A madona 1894. Óleo sobre tela, 91 x 71 cm.
  45. 45. Eduard Munch. O Grito. 1893.
  46. 46. Amedeo Modigliane. Nu, 1912. Óleo sobre tela 92,1 x60 cm.
  47. 47. Franz Marc - The Blue Horse, 1911
  48. 48. Franz Marc - Long yellow Horse, 1913
  49. 49. Franz Marc - Yellow Cow (Gelbe Kuh) - 1911
  50. 50. Interesse pelo movimento, velocidade, máquinas, tudo que desperte um espírito de futuro. Rompem com a arte do passado, arte dos museus, só existe um caminhar para o futuro. Futurismo
  51. 51. FUTURISMO O futurismo é um movimento artístico e literário, que surgiu oficialmente em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do Manifesto Futurista, pelo poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal francês Le Figaro. Os adeptos do movimento rejeitavam o moralismo e o passado, e suas obras baseavam-se fortemente na velocidade e nos desenvolvimentos tecnológicos do final do século XIX. Os primeiros futuristas europeus também exaltavam a guerra e a violência. O futurismo influenciou diversos artistas que depois fundaram outros movimentos modernistas, como Oswald de Andrade e Anita Malfatti, foi certamente uma das influências da Semana de Arte Moderna de 1922, e seus conceitos de desprezo o passado para criar o futuro e não à cópia e veneração pela originalidade caiu como uma luva no desejo dos jovens artistas de parar de copiar os modelos europeus e criar uma arte brasileira.
  52. 52. Elasticidade de Umberto Boccioni, Manifestação de patriotismo de Carlo Carrà e Velocidade do Automóvel de Giacomo Balla
  53. 53. Grupo Futurista. Carrà, Russolo, Marinetti, Boccioni, Severini.
  54. 54. Revista Der Sturm. (A tempestade)1910-32. Max Beckman, Lyonel Feininger, Barlach, Oskar Kokoschka e Egon Schiele. Der Sturm, foi uma influente revista fundada por Herwarth Walden em 1910, abrindo mais tarde uma galeria de arte em 1912 que mostrou no seu primeiro ano o grupo Blau Reiter de Munique e os Futuristas italianos.
  55. 55. Carlo Carrà. Cavalo e cavaleiro ou Cavaleiro vermelho, 1913. Umberto Boccioni. Formas únicas de continuidade, 1913.
  56. 56. Umberto Boccioni, Development of a Bottle in Space, 1912
  57. 57. Giacomo Balla. Vôo das andorinhas, 1913. Têmpera sobre papel, 50,8 x 76,2 cm.
  58. 58. Giacomo Balla. O violinista, 1912.
  59. 59. Umberto Boccioni. Marcha das lanças. Têmpera e colagem sobre papel cartão. 1915.
  60. 60. “Que coisa definiria nossa época? Os homens atacam o espaço e o tempo acelerando sem trégua os meios para atravessa-los. A velocidade nada mais é do que medida de tempo que emprega o homem para salvar uma distância. E talvez se trate da distância que o separa da morte.” Constantin Brancusi
  61. 61. Movimento, simultaneidade, simplificação das formas, tendência a geometrização. Inserem pela primeira vez na história da arte um elemento do cotidiano anexado, colado a uma obra de arte. Cubismo
  62. 62. Cubismo Analítico - (1909) caracterizado pela desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, o artista registra todos os seus elementos em planos sucessivos e superpostos, procurando a visão total da figura, examinado-a em todos os ângulos no mesmo instante, através da fragmentação dela. Essa fragmentação dos seres foi tão grande, que se tornou impossível o reconhecimento de qualquer figura nas pinturas cubistas. A cor se reduz aos tons de castanho, cinza e bege.
  63. 63. 2 - Características Utilização de formas geométricas Não utiliza a perspectiva O claro-escuro perde sua função Representação do volume colorido sobre superfícies planas Sensação de uma pintura esculpida Cores austeras, do branco ao negro passando pelo cinza ou um castanho suave Multiplicidade de planos. Cor quase monocromática. Pablo Picasso
  64. 64. 3 – Principais pintores  Os principais pintores são: - Pablo Picasso - Georges Braque -Fernand Léger -Alexandra Nechita -Diego Rivera -Jacques Villon les demoiselles d'avignon Retrato de Picasso
  65. 65. "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças". Picasso
  66. 66. Braque. Mulher lendo. 1911.óleo sobre tela. 130 x 81.
  67. 67. Pablo Picasso. Tocador de bandolim 1911. Óleo sobre tela 100,5 x 69.
  68. 68. Pablo Picasso. Mulher nua. Óleo sobre tela 1910
  69. 69. Ma Jolie – Pablo Picasso
  70. 70. Pablo Picasso, Project for a Monument of Apollinaire, 1960
  71. 71. Cubismo Sintético - (1911) reagindo à excessiva fragmentação dos objetos e à destruição de sua estrutura. Basicamente, essa tendência procurou tornar as figuras novamente reconhecíveis. Também chamado de Colagem porque introduz letras, palavras, números, pedaços de madeira, vidro, metal e até objetos inteiros nas pinturas. Essa inovação pode ser explicada pela intenção do artistas em criar efeitos plásticos e de ultrapassar os limites das sensações visuais que a pintura sugere, despertando também no observador as sensações táteis.
  72. 72. Paul Cézanne. A ponte de Mancy 1879-80. Óleo sobre tela 60 x 73cm.
  73. 73. Picasso. Auto-retrato, 1907. 50x46cm.
  74. 74. Picasso. Les Demoiselles d’ Avignon, 1907.
  75. 75. A crucificação – Pablo Ruiz Picasso (1930)
  76. 76. Pablo Picasso – Marie Therese Walter
  77. 77. Pablo Picasso - Um jovem fauno tocando uma serenata para uma jovem.
  78. 78. Pablo Picasso, Picasso‘s Daughter with Maya.
  79. 79. Pablo Picasso- Retrato do homem com chapéu
  80. 80. Picasso.Natureza morta com cadeira de palhinha. Paris maio de 1912.
  81. 81. Picasso. Guitarra 1913. Papel colado, carvão, giz e nanquim sobre papel montado em tela.
  82. 82. Picasso. Cachimbo, Garrafa-bass, dado. 1914.
  83. 83. Georges Braque Violão. 1913. Gesso papéis colados, carvão, lápis e guache sobre tela.99,7 x 65,1
  84. 84. O DADAÍSMO • Formado em 1916 em Zurique por jovens franceses e alemães que, se tivessem permanecido em seus respectivos países, teriam sido convocados para o serviço militar, o Dada foi um movimento de negação. Durante a Primeira Guerra Mundial, artistas de várias nacionalidades, exilados na Suíça, eram contrários ao envolvimento dos seus próprios países na guerra. • Fundaram um movimento literário para expressar suas decepções em relação a incapacidade da ciências, religião, filosofia que se revelaram pouco eficazes em evitar a destruição da Europa. A palavra Dada foi descoberta acidentalmente por Hugo Ball e por Tzara Tristan num dicionário alemão-francês. Dada é uma palavra francesa que significa na linguagem infantil "cavalo de pau". Esse nome escolhido não fazia sentido, assim como a arte que perdera todo o sentido diante da irracionalidade da guerra. • Sua proposta é que a arte ficasse solta das amarras racionalista, sendo a negação total da cultura, o Dadaísmo defende o absurdo, a incoerência, a desordem, o caos. Politicamente , firma-se como um protesto contra uma civilização que não conseguiria evitar a guerra.
  85. 85. Fonte, Roda de Bicicleta e Monalisa de Bigode de Marcel Duchamp,
  86. 86. Retrato de Tristan Tzara (Sami Rosenstock), um dos criadores do Dadaísmo • PARA FAZER UM POEMA DADAÍSTA • Pegue num jornal. Pegue numa tesoura. Escolha no jornal um artigo com o comprimento que pretende dar ao seu poema. Recorte o artigo. Em seguida, recorte cuidadosamente as palavras que compõem o artigo e coloque-as num saco. Agite suavemente. Depois, retire os recortes uns a seguir aos outros. Transcreva-os escrupulosamente pela ordem que eles saíram do saco. O poema parecer-se-á consigo. E você será um escritor infinitamente original, de uma encantadora sensibilidade, ainda que incompreendido pelas pessoas vulgares
  87. 87. A noiva-Francis Picaiba (XX)
  88. 88. Parada amorosa Francis Picabia
  89. 89. Mulher Hans Arp
  90. 90. Tábua com ovos Hans Arp
  91. 91. Merzbild 1 A, O psiquiatra Kurt Schwitters
  92. 92. Dadaísmo no Brasil – Ismael Nery A Cortesã Ateliê
  93. 93. Surrealismo • O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primariamente em Paris dos anos 20, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo, reunindo artistas anteriormente ligados ao Dadaísmo e posteriormente expandido para outros países. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud (1856-1939), o surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. Seus representantes mais conhecidos são Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas e André Breton na literatura. • Segundo os surrealistas, a arte deve se libertar das exigências da lógica e da razão e ir além da consciência quotidiana, expressando o inconsciente e os sonhos. O principal teórico e líder do movimento é o poeta, escritor, crítico e psiquiatra francês André Breton (1896-1966), que em 1924 publica o primeiro Manifesto Surrealista
  94. 94. • As características do surrealismo: uma combinação do representativo, do abstracto e do psicológico. Segundo os surrealistas, a arte deve-se libertar das exigências da lógica e da razão e ir além da consciência quotidiana, expressando o inconsciente e os sonhos. • O principal teórico e líder do movimento é o poeta, escritor, crítico e psiquiatra francês André Breton (1896-1966). • No manifesto e nos textos teóricos posteriores, os surrealistas rejeitam a chamada ditadura da razão e os valores burgueses como pátria, família, religião, trabalho e honra. • Humor, sonho e a contra lógica são recursos a serem utilizados para libertar o homem da existência utilitária. Segundo a nova ordem, as ideias de bom gosto e decoro devem ser subvertidas.
  95. 95. • A palavra surrealismo havia sido criada em 1917 pelo poeta Guillaume Apollinaire (1886-1918), ligado ao Cubismo, para identificar expressões artísticas que se esboçavam e é adoptada pelos surrealistas por reflectir a ideia de algo além do realismo. • O Surrealismo destacou-se nas artes, principalmente por quadros ou esculturas que expressavam os sonhos dos artistas. Porém não bastavam ser sonhos comuns, deveriam ser aqueles que tem formas variadas e confusas, como um boi com asas ou peixes andando nas nuvens. MOVIMENTO ARTÍSTICO CARACTERÍSTICAS ARTISTAS OBRAS Surrealismo Imagens surpreendentes, que reflectem situações normalmente impossíveis e irracionais. Gradação cromática. Explora o mundo do sonho, da alucinação, do subconsciente. Salvador Dali; René Magritte A persistência de memória
  96. 96. • Surrealismo como movimento visual tinha encontrado um método: expor a verdade psicológica ao despir objectos ordinários de sua significância normal. • Em 1932 vários pintores Surrealistas produziram obras que foram marcos da evolução da estética do movimento: La Voix des Airs de Magritte é um exemplo desse processo. • Outra paisagem Surrealista deste mesmo ano é Palais Promontoire de Tanguy, com as suas formas líquidas. Formas como estas se tornaram a marca registada de Dali, particularmente com sua obra A Persistência da Memória, onde relógios de bolso derretem como se fossem líquidos. La Voix des Airs de Magritte A Persistência da Memória
  97. 97. • A Segunda Guerra Mundial provou ser disruptiva para o Surrealismo. • O trabalho de Magritte tornou-se mais realista na sua representação de objectos reais, enquanto mantinha o elemento de justaposição, como na sua obra Valores Pessoais (1951) e Império da Luz (1954). • Magritte continuou a produzir obras que entraram para o vocabulário artístico, como Castelo nos Pirenéus, que faz uma referência a Voix de 1931, na sua suspensão sobre a paisagem. ValoresPessoais Impérioda Luz
  98. 98. Tentação de Max Ernst
  99. 99. Reunião de Amigos de Marx Ernst
  100. 100. Homem de Chapéu de René Magritte
  101. 101. A Tentação de São Francisco de Assis de Salvador Dali
  102. 102. Cristo de San Juan de La Cruz, Salvador Dali
  103. 103. Surrealismo no Brasil • As idéias do surrealismo foram absorvidas na década de 1920 e 1930 pelo movimento modernista no Brasil. Podemos observar características surrealistas nas pinturas Nu e Abaporu de Ismael Nery e da artista Tarsila do Amaral respectivamente. A obra Eu Vi o Mundo, Ele Começava no Recife, do artista pernambucano Cícero Dias, apresenta muitas características do surrealismo. As esculturas de Maria Martins também caminham nesta direção.
  104. 104. Nu de Ismael Nery
  105. 105. Abaporu de Tarsila do Amaral

×