SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Jessica Amaral
1º Semestre Geografia Matutino/2012
Docente Rosangela Hespanhol
RESUMO
-ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo I). IN: “Brasil: um século de
transformações”. Companhia das Letras, 2001. Vários Autores.

A TRANSIÇÃO DEMOGRAFICA BRASILEIRA
Inicialmente, o texto discute as principais fases e fatores da transição demográfica
brasileira, entre eles, as taxas de imigração que representava aproximadamente 10% do
crescimento populacional no inicio do século XX, passando a ser aproximadamente 6%
40 anos depois. Destaca também os fatores da natalidade e mortalidade, que tem seus
níveis e tendências apresentadas nas variações sociais e regionais.
De modo geral, a população vem sendo marcada por transições decorrentes de
mudanças nos níveis de mortalidade e fecundidade: a diminuição da fecundidade na
época da crise econômica no fim da década de 20; o crescimento da população entre as
décadas de 1940 e 1960 devido ao declínio da mortalidade; o desaceleramento desse
crescimento a partir de 1960 relacionada à redução da fecundidade, transformando
significantemente a estrutura etária da população; a cobertura dos serviços de
saneamento básico e a abrangência do sistema educacional que contribuíram para a
redução sistemática dos níveis da mortalidade infantil a partir da década de 1970.
Ainda com relação à fecundidade, revelou-se em 1986 que 70% das mulheres entre 15 e
54 anos faz uso de algum método contraceptivo, tanto de medicamentos a partir de
programas e políticas como o aborto induzido.
O estudioso Faria mostrou que, embora as políticas governamentais de benefícios
previdenciários, de saúde, e credito ao consumidor e telecomunicações não estivessem
sido formuladas no sentido da demanda por regulação da fecundidade, acabaram por ter
efeitos sobre essa demanda e, conseqüente mente, sobre a redução da fecundidade. O
efeito também é observado, numa analise superficial, na entrada da mulher no mercado
de trabalho.
Numa analise sobre a pirâmide etária da população, se pode dizer que o Brasil passou de
uma população jovem para uma população envelhecida, fruto da queda da fecundidade
iniciada a partir da década de 1960, onde o grupo de jovens passou a decair na estrutura
etária, fenômeno já observado em 1998 nos países mais ricos, no Brasil os idosos
superarão os jovens só por volta de 2040. No decorrer do século XX, o volume da
população idosa aumentou 25 vezes.
Sobre a população idosa, pode se destacar a situação socioeconômica. É fato que essa
população representa os nascidos da década de 1930, que sua média de escolarização é
de três a quatro anos. Como essa geração não foi muito ativa na contribuição da
previdência, é hoje a população com uma condição inferior a das outras gerações, com
uma aposentadoria igual a um salário mínimo. A conseqüência disso é a ocupação no
mercado de trabalho, diminuindo a ocupação pela população economicamente ativa,
gerando uma crise da previdência.
Em ultima analise, a estrutura etária da população passa de uma pirâmide de base larga
e forma triangular (com altas taxas de fecundidade e mortalidade) para outra mais
uniforme e de base reduzida (com grande redução na fecundidade). Vale analisar que a
mortalidade reduziu na década de 1940.
Com relação à nupcialidade e arranjos familiares, ao que se diz das categorias do estado
civil da população, o Brasil apresentou algumas pequenas mudanças como à categoria
dos “divorciados” que foi incluindo no Código Civil em 1980, que em seguida
permitiram que estes pudessem ter um novo casamento.
Nesse sentido, cresceram ao longo do tempo as proporções de casados (legalmente ou
não) e de divorciados ou separados, reduzindo-se, por sua vez, as de solteiros e de
viúvos. A taxa bruta de nupcialidade legal declinou nas ultimas décadas, sofrendo uma
redução de 60% ao passo que houve o grande aumento das uniões não legalizadas ou
consensuais ocorridos no mesmo período. Atualmente, observa-se uma dinâmica de
descontinualidade matrimonial na sociedade brasileira.
A cultura brasileira, apesar das décadas, não mostra alterações significativas com
relação às idades em que homens e mulheres se casam que permanecem os 27 anos para
os homens e variam entre 21 a 24 anos paras as mulheres. A interação de processos
demográficos acaba por determinar estruturas domesticas e familiares, onde cresce as
unidades domiciliares e declina no numero médio de pessoas por unidade domiciliares
que, por sua vez são mais raras os de sete ou mais pessoas, seguidos dos de cinco a seis
componentes, seu maior crescimento deu-se nas unidades de três a quatro pessoas.
MOBILIDADE ESPACIAL DA POPLAÇÃO BRASILEIRA AO LONGO DO SÉCLO XX
A mobilidade espacial da população no território nacional insere-se em contextos
históricos, econômicos, sociais, demográficos e políticos, que tiveram implicações nos
processos de retribuição da população e de urbanização ao longo do século XX:
abolição e a expansão cafeeira do período 1880-1930; entrada de imigrantes
estrangeiros; os deslocamentos populacionais para Belém; do fim do século XIX a
1930, migração de escravos, migração inter-regional de mão-de-obra livre para
produção de borracha na Amazônia e migração de escravos libertos, substituídos por
imigrantes estrangeiros.
Essa mobilidade segue com a crise econômica mundial e a conseqüente crise do café,
causando a transferência da população das áreas cafeeiras rurais para áreas urbanas; as
políticas de desenvolvimento industrial e econômico pós 1930 e pós-1950, que por sua
vez causaram, seqüencialmente, uma migração rural de três milhões e sete milhões;
ainda na segunda metade de 1960 iniciou-se o processo de industrialização do campo e
modernização agrícola, aumentando o êxodo rural, totalizando 12,8 milhões de pessoas
que saíram do campo. De um lado, deslanchava-se o processo de esgotamento de
antigas áreas de fronteiras, ao passo que se diversificava o parque industrial, abrindo
novos empregos após as mudanças ocorridas.

A MISCIGENAÇÃO NO BRASIL
A miscigenação no Brasil, ao que se diz na classificação das categorias, lançava mão de
três: “branco”, “preto” e “amarelo”. Foi “declarado, além das ultimas três, nos censos
dos anos de 1960 e 1980, a categoria „parda‟ e „indígena‟, respectivamente.”
As informações de Berquó (1987), Bercovich (1987), Wood e Webster (1987) e Garcia
Tamburo (1987) permitem lançar algumas suposições sobre a conformação por cor da
população.
A branca esteve exposta a uma menor mortalidade, entrou mais cedo em união conjugal,
teve um menor celibato e maior fecundidade até 1960, o que pode ser responsável por
seu predomínio quantitativo no total populacional. Por outro lado, o aumento da
mestiçagem e o declínio mais acentuado da fecundidade a partir de 1960, devido ao
acesso mais precoce a métodos mais modernos de anticoncepção, podem ser
responsabilizados pela desaceleração de sua taxa de crescimento e redução de seu peso
relativo no total populacional (Berquó, 1988).
Já quanto a população preta, sua maior mortalidade, a entrada mais tardia em união,
com elevado celibato, principalmente o feminino, a mestiçagem e a menor fecundidade
até 1960 traduzem-se em baixas taxas de crescimento e no acentuado declínio de seu
peso relativo no computo geral. As altas taxas de fecundidade durante todo o período
1940-80 e a elevada mestiçagem com a população branca respondem pelo alto e
sistemático crescimento de pardos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 ano plano de aula movimentos sociais
3 ano   plano de aula movimentos sociais3 ano   plano de aula movimentos sociais
3 ano plano de aula movimentos sociaisAlessandra Nascimento
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1orlandoguedess
 
Sociologia direitos humanos e a cidadania
Sociologia   direitos humanos e a cidadaniaSociologia   direitos humanos e a cidadania
Sociologia direitos humanos e a cidadaniaGustavo Soares
 
Aula 1 população
Aula 1 populaçãoAula 1 população
Aula 1 populaçãosukilina
 
Atividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAtividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAlcineia Pires
 
O Fenómeno da Globalização
O Fenómeno da GlobalizaçãoO Fenómeno da Globalização
O Fenómeno da GlobalizaçãoMichele Pó
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialTurma Olímpica
 
O movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiroO movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiroEdenilson Morais
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Geografia o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologias
Geografia   o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologiasGeografia   o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologias
Geografia o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologiasGustavo Soares
 
Aula exodo rural - urbanização
Aula   exodo rural - urbanizaçãoAula   exodo rural - urbanização
Aula exodo rural - urbanizaçãoLUIS ABREU
 
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimentoModulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimentoClaudio Henrique Ramos Sales
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoPaulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Sociologia ENEM / 2018
Sociologia ENEM / 2018Sociologia ENEM / 2018
Sociologia ENEM / 2018
 
Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)Prova de sociologia eo gabarito (1)
Prova de sociologia eo gabarito (1)
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
 
3 ano plano de aula movimentos sociais
3 ano   plano de aula movimentos sociais3 ano   plano de aula movimentos sociais
3 ano plano de aula movimentos sociais
 
Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1Desigualdade segregação espacial 1
Desigualdade segregação espacial 1
 
Sociologia direitos humanos e a cidadania
Sociologia   direitos humanos e a cidadaniaSociologia   direitos humanos e a cidadania
Sociologia direitos humanos e a cidadania
 
Aula 1 população
Aula 1 populaçãoAula 1 população
Aula 1 população
 
Atividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismoAtividades sobre o iluminismo
Atividades sobre o iluminismo
 
O Fenómeno da Globalização
O Fenómeno da GlobalizaçãoO Fenómeno da Globalização
O Fenómeno da Globalização
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade SocialSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Desigualdade Social
 
O movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiroO movimento operário brasileiro
O movimento operário brasileiro
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Geografia o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologias
Geografia   o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologiasGeografia   o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologias
Geografia o desemprego estrutural com base no desenvolvimento das tecnologias
 
China
ChinaChina
China
 
Atividade rev francesa
Atividade rev francesaAtividade rev francesa
Atividade rev francesa
 
Aula exodo rural - urbanização
Aula   exodo rural - urbanizaçãoAula   exodo rural - urbanização
Aula exodo rural - urbanização
 
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimentoModulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
Modulo 01 - Principais caracteristicas do subdesenvolvimento
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Atividade populismo 01
Atividade populismo 01Atividade populismo 01
Atividade populismo 01
 

Destaque

Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Jessica Amaral
 
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...Jessica Amaral
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimentoJessica Amaral
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Jessica Amaral
 
A evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileiraA evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileiraWalyson Vëras
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Jessica Amaral
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurançaJessica Amaral
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalSociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalJessica Amaral
 

Destaque (15)

Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
Geografia do Brasil - 1. O Continente Brasileiro, Jean Demageot. Capitulo III...
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
 
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 3. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
 
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
Geografia do Brasil - 2. Território e Historia no Brasil, Antônio Carlos Robe...
 
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
Gografia do Brasil - 5. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século X...
 
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
Geografia do Brasil - 4. Brasil – Território e Sociedade no Inicio do Século ...
 
9 somos um pais jovem
9   somos um pais jovem9   somos um pais jovem
9 somos um pais jovem
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
 
A evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileiraA evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileira
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurança
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalSociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
 

Semelhante a Evolução Demográfica Brasileira Século XX

Cap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca TrabalhoCap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca TrabalhoDavi Carvalho
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraPedro Neves
 
A dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptA dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptJaneteMaura1
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileiraBruna Azevedo
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoDébora Sales
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoDébora Sales
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraAtividades Diversas Cláudia
 
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)Nefer19
 
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)Nefer19
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoNilberte Correia
 
5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileira5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileiraLucas Cechinel
 

Semelhante a Evolução Demográfica Brasileira Século XX (20)

Cap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca TrabalhoCap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca Trabalho
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
A dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptA dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.ppt
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No Mundo
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
 
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2017)
 
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
 
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de população
 
5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileira5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileira
 
1º Mb Grupo 04
1º Mb   Grupo 041º Mb   Grupo 04
1º Mb Grupo 04
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 

Mais de Jessica Amaral

Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Jessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICASJessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISJessica Amaral
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIAJessica Amaral
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasJessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEOJessica Amaral
 
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALAntropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALJessica Amaral
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Jessica Amaral
 
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...Jessica Amaral
 

Mais de Jessica Amaral (12)

Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
 
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicas
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
 
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURALAntropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
 
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
Geografia do Brasil - Aula - Brasil integração do território e a articulação ...
 

Último

activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 

Último (20)

activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Evolução Demográfica Brasileira Século XX

  • 1. Jessica Amaral 1º Semestre Geografia Matutino/2012 Docente Rosangela Hespanhol RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo I). IN: “Brasil: um século de transformações”. Companhia das Letras, 2001. Vários Autores. A TRANSIÇÃO DEMOGRAFICA BRASILEIRA Inicialmente, o texto discute as principais fases e fatores da transição demográfica brasileira, entre eles, as taxas de imigração que representava aproximadamente 10% do crescimento populacional no inicio do século XX, passando a ser aproximadamente 6% 40 anos depois. Destaca também os fatores da natalidade e mortalidade, que tem seus níveis e tendências apresentadas nas variações sociais e regionais. De modo geral, a população vem sendo marcada por transições decorrentes de mudanças nos níveis de mortalidade e fecundidade: a diminuição da fecundidade na época da crise econômica no fim da década de 20; o crescimento da população entre as décadas de 1940 e 1960 devido ao declínio da mortalidade; o desaceleramento desse crescimento a partir de 1960 relacionada à redução da fecundidade, transformando significantemente a estrutura etária da população; a cobertura dos serviços de saneamento básico e a abrangência do sistema educacional que contribuíram para a redução sistemática dos níveis da mortalidade infantil a partir da década de 1970. Ainda com relação à fecundidade, revelou-se em 1986 que 70% das mulheres entre 15 e 54 anos faz uso de algum método contraceptivo, tanto de medicamentos a partir de programas e políticas como o aborto induzido. O estudioso Faria mostrou que, embora as políticas governamentais de benefícios previdenciários, de saúde, e credito ao consumidor e telecomunicações não estivessem sido formuladas no sentido da demanda por regulação da fecundidade, acabaram por ter efeitos sobre essa demanda e, conseqüente mente, sobre a redução da fecundidade. O efeito também é observado, numa analise superficial, na entrada da mulher no mercado de trabalho. Numa analise sobre a pirâmide etária da população, se pode dizer que o Brasil passou de uma população jovem para uma população envelhecida, fruto da queda da fecundidade iniciada a partir da década de 1960, onde o grupo de jovens passou a decair na estrutura etária, fenômeno já observado em 1998 nos países mais ricos, no Brasil os idosos superarão os jovens só por volta de 2040. No decorrer do século XX, o volume da população idosa aumentou 25 vezes. Sobre a população idosa, pode se destacar a situação socioeconômica. É fato que essa população representa os nascidos da década de 1930, que sua média de escolarização é
  • 2. de três a quatro anos. Como essa geração não foi muito ativa na contribuição da previdência, é hoje a população com uma condição inferior a das outras gerações, com uma aposentadoria igual a um salário mínimo. A conseqüência disso é a ocupação no mercado de trabalho, diminuindo a ocupação pela população economicamente ativa, gerando uma crise da previdência. Em ultima analise, a estrutura etária da população passa de uma pirâmide de base larga e forma triangular (com altas taxas de fecundidade e mortalidade) para outra mais uniforme e de base reduzida (com grande redução na fecundidade). Vale analisar que a mortalidade reduziu na década de 1940. Com relação à nupcialidade e arranjos familiares, ao que se diz das categorias do estado civil da população, o Brasil apresentou algumas pequenas mudanças como à categoria dos “divorciados” que foi incluindo no Código Civil em 1980, que em seguida permitiram que estes pudessem ter um novo casamento. Nesse sentido, cresceram ao longo do tempo as proporções de casados (legalmente ou não) e de divorciados ou separados, reduzindo-se, por sua vez, as de solteiros e de viúvos. A taxa bruta de nupcialidade legal declinou nas ultimas décadas, sofrendo uma redução de 60% ao passo que houve o grande aumento das uniões não legalizadas ou consensuais ocorridos no mesmo período. Atualmente, observa-se uma dinâmica de descontinualidade matrimonial na sociedade brasileira. A cultura brasileira, apesar das décadas, não mostra alterações significativas com relação às idades em que homens e mulheres se casam que permanecem os 27 anos para os homens e variam entre 21 a 24 anos paras as mulheres. A interação de processos demográficos acaba por determinar estruturas domesticas e familiares, onde cresce as unidades domiciliares e declina no numero médio de pessoas por unidade domiciliares que, por sua vez são mais raras os de sete ou mais pessoas, seguidos dos de cinco a seis componentes, seu maior crescimento deu-se nas unidades de três a quatro pessoas. MOBILIDADE ESPACIAL DA POPLAÇÃO BRASILEIRA AO LONGO DO SÉCLO XX A mobilidade espacial da população no território nacional insere-se em contextos históricos, econômicos, sociais, demográficos e políticos, que tiveram implicações nos processos de retribuição da população e de urbanização ao longo do século XX: abolição e a expansão cafeeira do período 1880-1930; entrada de imigrantes estrangeiros; os deslocamentos populacionais para Belém; do fim do século XIX a 1930, migração de escravos, migração inter-regional de mão-de-obra livre para produção de borracha na Amazônia e migração de escravos libertos, substituídos por imigrantes estrangeiros. Essa mobilidade segue com a crise econômica mundial e a conseqüente crise do café, causando a transferência da população das áreas cafeeiras rurais para áreas urbanas; as políticas de desenvolvimento industrial e econômico pós 1930 e pós-1950, que por sua vez causaram, seqüencialmente, uma migração rural de três milhões e sete milhões; ainda na segunda metade de 1960 iniciou-se o processo de industrialização do campo e
  • 3. modernização agrícola, aumentando o êxodo rural, totalizando 12,8 milhões de pessoas que saíram do campo. De um lado, deslanchava-se o processo de esgotamento de antigas áreas de fronteiras, ao passo que se diversificava o parque industrial, abrindo novos empregos após as mudanças ocorridas. A MISCIGENAÇÃO NO BRASIL A miscigenação no Brasil, ao que se diz na classificação das categorias, lançava mão de três: “branco”, “preto” e “amarelo”. Foi “declarado, além das ultimas três, nos censos dos anos de 1960 e 1980, a categoria „parda‟ e „indígena‟, respectivamente.” As informações de Berquó (1987), Bercovich (1987), Wood e Webster (1987) e Garcia Tamburo (1987) permitem lançar algumas suposições sobre a conformação por cor da população. A branca esteve exposta a uma menor mortalidade, entrou mais cedo em união conjugal, teve um menor celibato e maior fecundidade até 1960, o que pode ser responsável por seu predomínio quantitativo no total populacional. Por outro lado, o aumento da mestiçagem e o declínio mais acentuado da fecundidade a partir de 1960, devido ao acesso mais precoce a métodos mais modernos de anticoncepção, podem ser responsabilizados pela desaceleração de sua taxa de crescimento e redução de seu peso relativo no total populacional (Berquó, 1988). Já quanto a população preta, sua maior mortalidade, a entrada mais tardia em união, com elevado celibato, principalmente o feminino, a mestiçagem e a menor fecundidade até 1960 traduzem-se em baixas taxas de crescimento e no acentuado declínio de seu peso relativo no computo geral. As altas taxas de fecundidade durante todo o período 1940-80 e a elevada mestiçagem com a população branca respondem pelo alto e sistemático crescimento de pardos.