SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
CHARLES ROBERT DARWIN:
BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL

Presidente Prudente
Agosto de 2012
INTRODUÇÃO
A teoria de Charles Robert Darwin (1809-1882) de que evolução ocorreu por
meio de seleção natural mudou a forma de pensar em inúmeros campos de estudo da
Biologia à Antropologia. Seu trabalho estabeleceu que a "evolução" havia ocorrido: não
necessariamente por meio das seleções natural e sexual que, em particular, só foi
comumente reconhecido após a redescoberta do trabalho de Gregor Mendel no início do
século XX e o desenvolvimento da Síntese Moderna. Outros antes dele já haviam
esboçado a ideia de seleção natural: em sua vida, Darwin reconheceu como tal os
trabalhos de William Charles Wells e Patrick Matthew que ele desconhecia quando ele
publicou a sua teoria. Contudo, é claramente reconhecido que Darwin foi o primeiro a
desenvolver e publicar uma teoria científica de Seleção Natural e que trabalhos
anteriores ao seu não contribuíram para o desenvolvimento ou sucesso da Seleção
Natural como uma teoria testável.
Apesar da grande controvérsia que marcou a publicação do trabalho de Darwin,
a evolução por seleção natural provou ser um argumento poderoso contrário às noções
de criação divina e projeto inteligente comuns na ciência do século XIX. A ideia de que
não mais havia uma clara separação entre homens e animais faria com que Darwin fosse
lembrado como aquele que removeu o homem da posição privilegiada que ocupava no
universo. Para alguns de seus críticos, entretanto, ele continuou sendo visto como o
"homem macaco" frequentemente desenhado com um corpo de macaco.

BIOGRAFIA
Os fatores que influenciaram na reprodução da sua teoria.
Os fatores que levaram Darwin a reproduzir sua ideia sobre “A Origem das
Especies”, obra que mudou o modo de pensar da humanidade, é relativamente facil de
se analisar.
A viagem do Beagle (1831-1836) foi de longe o fator mais importante que
determinou sua carreira, foi onde ele passou aproximadamente cinco anos, segundo
Darwin, treinando ou educando a sua mentalidade.
Presidente Prudente
Agosto de 2012
Foi nessa viagem que Darwin se “impressionou com certos fatores referentes á
distribuição dos seres organicos que habitavam a America do Sul e com as relações
geologicas entre o presente e o passado dos habitantes desse continente” que lançaram
luz sobre a questão da origem das especies.
Antes disso, na faculdade de Medicina, Darwin foi indiretamente influenciado
por personalidades que beneficiariam em suas ideias e tecnicas de pesquisa. Um exescravo e professor de Taxodermia, contava-le curiosidades sobre as florestas tropicais
da America do Sul; foi pupilo de um dos pioneiros no desenvolvimento das ideias de
Lamarck. Além da sua quase formação em Medicina, Darwin foi matriculado em
Bacharelado em Artes para se tornar clerigo, Teologia, Botanica, Geologia e Historia
Natural.
Antes disso, quando criança, era colecionador de pedras e conchas, notou
varios tipos de insetos e formou o plano de também coleciona-los. A profissão de
naturalista se tornava cada vez mais sedutora ao passo que crescia em anos.
Foi em 1844, com a saúde fragilizada, que Darwin , a partir dos anos de
estudos e notações, alé da motivação de seus colegas, publicou um esboço das
conclusões que pareciam mais provaveis. O livro A Origem das Especies foi iniciado
em 1856 e publicado em 1859 que desencadeiou violenta polemica.
Não há como falar de Darwin e sua teoria sem mencionar as respectivas
criticas e sua posição na religião. No livro “A Origem das Especies”, Darwin diz que
“esta convencido de que a seleção natural tem sido o meio principal de modificação,
embora não o unico” e que “não vê nenhum motivo para que as ideias expostas neste
livro se choquem com as ideias religiosas de quem quer que seja”
A religião foi indiretamente um fator que influenciou no adiamento, ou não , da
reprodução da sua obra. Isso era uma ferida que Darwin não queria cutucar, porém,
depois da morte de uma de suas filhas, Darwin começou a questionar sobre como Deus
proporciona o equilibrio da natureza de forma em como é brutal o meios da qual um ser
vivo busca a sobrevivencia.
Sobre a Seleção Natural, segundo Darwin, todos os individuos apresentam
pequenas variações anatomicas e fisiologicas. Aquels com caracteristicas mais
adequadas para enfrentar os desafios do ambiente em que vivem têm maior chance de
sobreviver, alcançar a maturidade e se reproduzir, transmitindo a seus descendentes as
memas caracteristicas vantajosas. De outro lado, os que apresentam variações
desfavoraveis tendem a desaparecer rapidamente, por fome, doenças ou ataque de
Presidente Prudente
Agosto de 2012
predadores, sem tempo de se reproduzir. Assim, de geração em geração, lenta e
gradualmente, as caracteristicas que favorecem á sobrevivencia da especie vão se
reforçando.
Considerou o raciocinio de Thomas Malthus, viu nessa ideia uma forma de
explicar as diferentes adaptaçãoes partindo da ideia de que o individuo se adapta, dentre
outras formas, diante a escassez de alimentos.

CONCLUSÃO
Contudo, Darwin e sua mentalidade são, de certa forma, singulares. Ou seja, a
sua tragetoria até a reprodução da sua teoria deveu-se, em grande parte, a sua vivencia
na sociedade da elite inglesa inelectual que lhe permitiu conhecer varios celebres da
ciencia, ter contato com boa educação e financiar pesquisas e viagens como a do H.M.S
Beagle.
Tudo o que lia ou pensava estava destinado a apoiar aquilo que viriaa ser sua
teoria. Com seu amplo conhecimento sobre as varias areas da ciencia, Darwin refletia
sobre as afinidades mutuas dos seres organicos, suas relações embriologicas, sucessão
geologica e outros fatores semelhantes. Então chegou a conclusão de que as especies
não foram criadas independentemente, mas que descendem, como variedades, de outras
especies.

BIBLIOGRAFIA
CLARET, Martin (corrdenação editorial). O Pensamento Vivo de Darwin.
Coleção, volume 4. São Paulo: Martin Claret Editores, 1986.
VENTUROLI, Thereza. Darwin. IN: Guia do Estudante: Atualidades. São
Paulo: Eitora Abril, 2010.

Presidente Prudente
Agosto de 2012
Jessica Amaral
Daniele Carobina Santos
Laiane de Souza Barros
Pablo Muryllo de Oliveira
Luis Fernado Lourenço
Gertrudes Abigail Ribeiro
Patrícia Santos de Medeiros Samuel
Docente Ruth Künzli
Disciplina de Antropologia Cultural

Presidente Prudente
Agosto de 2012

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL

Charles Darwin - Professor Bruce Colombi
Charles Darwin - Professor Bruce ColombiCharles Darwin - Professor Bruce Colombi
Charles Darwin - Professor Bruce ColombiBruce Colombi
 
CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...
CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...
CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...Jerbialdo
 
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)Nefer19
 
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja CatólicaMódulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja CatólicaBernardo Motta
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)Nefer19
 
Claudia aparecida alves criação x evolução
Claudia aparecida alves   criação x evoluçãoClaudia aparecida alves   criação x evolução
Claudia aparecida alves criação x evoluçãoAristoteles Rocha
 
A ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espécies
A ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espéciesA ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espécies
A ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espéciesFernando Alcoforado
 
Evolução das Espécies
Evolução das EspéciesEvolução das Espécies
Evolução das Espéciesmarco :)
 
Trabalho v2010 cnz darwin 08022012
Trabalho v2010 cnz darwin 08022012Trabalho v2010 cnz darwin 08022012
Trabalho v2010 cnz darwin 08022012ZP Ferreira
 
Evolução biológica apostila
Evolução biológica apostilaEvolução biológica apostila
Evolução biológica apostilaMara de Andrade
 

Semelhante a Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL (20)

Darwin Info
Darwin InfoDarwin Info
Darwin Info
 
Charles Darwin - Professor Bruce Colombi
Charles Darwin - Professor Bruce ColombiCharles Darwin - Professor Bruce Colombi
Charles Darwin - Professor Bruce Colombi
 
Charles darwin
Charles darwinCharles darwin
Charles darwin
 
CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...
CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...
CHARLES DARWIN: Ateísmo e Evolucionismo no Século XIX (Ricardo Oliveira da Si...
 
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
A Origem do Ser Humano - 6º Ano (2018)
 
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja CatólicaMódulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
Módulo VIII - Darwin e a Igreja Católica
 
A Darwin o que é de Darwin ....pdf
A Darwin o que é de Darwin ....pdfA Darwin o que é de Darwin ....pdf
A Darwin o que é de Darwin ....pdf
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
 
Claudia aparecida alves criação x evolução
Claudia aparecida alves   criação x evoluçãoClaudia aparecida alves   criação x evolução
Claudia aparecida alves criação x evolução
 
Charles darwin
Charles darwinCharles darwin
Charles darwin
 
Darwin
DarwinDarwin
Darwin
 
darwin-140525125914-phpapp01.pdf
darwin-140525125914-phpapp01.pdfdarwin-140525125914-phpapp01.pdf
darwin-140525125914-phpapp01.pdf
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
A ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espécies
A ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espéciesA ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espécies
A ciência e os avanços no conhecimento sobre a evolução das espécies
 
Evolução das Espécies
Evolução das EspéciesEvolução das Espécies
Evolução das Espécies
 
A origem da humanidade
A origem da humanidadeA origem da humanidade
A origem da humanidade
 
Trabalho v2010 cnz darwin 08022012
Trabalho v2010 cnz darwin 08022012Trabalho v2010 cnz darwin 08022012
Trabalho v2010 cnz darwin 08022012
 
Evolução biológica apostila
Evolução biológica apostilaEvolução biológica apostila
Evolução biológica apostila
 
Darwin - 200 anos
Darwin - 200 anosDarwin - 200 anos
Darwin - 200 anos
 
Darwin
DarwinDarwin
Darwin
 

Mais de Jessica Amaral

Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalSociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalJessica Amaral
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Jessica Amaral
 
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Jessica Amaral
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Jessica Amaral
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurançaJessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICASJessica Amaral
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISJessica Amaral
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIAJessica Amaral
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasJessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEOJessica Amaral
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...Jessica Amaral
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Jessica Amaral
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimentoJessica Amaral
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livroJessica Amaral
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Jessica Amaral
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Jessica Amaral
 

Mais de Jessica Amaral (20)

Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O CapitalSociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
Sociologia - Fichamento MARX, Karl. “A Mercadoria” (Capitulo I). IN: O Capital
 
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
Sociologia - MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. “A ideologia em geral e particula...
 
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
Sociologia - Fichamento DURKHEIM, Émile. “As Regras do Método Sociológico” (p...
 
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...Sociologia - Fichamento de artigo  - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
Sociologia - Fichamento de artigo - MARX, Karl Heinrich; ENGELS, Friedrich. ...
 
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
Sociologia - Relatorio ASSENTAMENTOS PRIMAVERA E TUPÃCIRETÃ. Unesp, 2012.
 
Relatorio regras e normas de segurança
Relatorio   regras e normas de segurançaRelatorio   regras e normas de segurança
Relatorio regras e normas de segurança
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIAAntropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA  E BIOLOGIA
Antropologia - Relatorio RELAÇÕES ENTRE ANTROPOLOGIA E BIOLOGIA
 
Pesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicasPesquisas arqueológicas
Pesquisas arqueológicas
 
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEOAntropologia - Relatorio HABITAÇÕES  DO PRÉ-HISTORICO  AO CONTEMPORÂNEO
Antropologia - Relatorio HABITAÇÕES DO PRÉ-HISTORICO AO CONTEMPORÂNEO
 
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
CENTRO DE MUSEOLOGIA, ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA / CEMAARQ DA FCT/UNESP DE PR...
 
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E  VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
Antropologia - Relatorio XIII SEMANA DA GEOGRAFIA E VIII ENCONTRO DE ESTUDAN...
 
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...Geografia Humana - 10. RESUMO   - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
Geografia Humana - 10. RESUMO - PATARRA, Neide. “Tendências e Modalidades R...
 
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...Geografia Humana - 8. RESUMO  -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
Geografia Humana - 8. RESUMO -ELZA BERQUÓ. “Evolução Demográfica” (Capitulo ...
 
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
7   população, meio ambiente e desenvolvimento7   população, meio ambiente e desenvolvimento
7 população, meio ambiente e desenvolvimento
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
 
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
Geografia Humana - 5. CARLOS, Ana Fani Alessandri. Os caminhos da geografia h...
 
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
Geografia Humana - 2. MORAES, A. C. R. Geografia: Pequena Historia Critica. P...
 

Último

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Antropologia - Relatório CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL

  • 1. CHARLES ROBERT DARWIN: BIOGRAFIA E A SELEÇÃO NATURAL Presidente Prudente Agosto de 2012
  • 2. INTRODUÇÃO A teoria de Charles Robert Darwin (1809-1882) de que evolução ocorreu por meio de seleção natural mudou a forma de pensar em inúmeros campos de estudo da Biologia à Antropologia. Seu trabalho estabeleceu que a "evolução" havia ocorrido: não necessariamente por meio das seleções natural e sexual que, em particular, só foi comumente reconhecido após a redescoberta do trabalho de Gregor Mendel no início do século XX e o desenvolvimento da Síntese Moderna. Outros antes dele já haviam esboçado a ideia de seleção natural: em sua vida, Darwin reconheceu como tal os trabalhos de William Charles Wells e Patrick Matthew que ele desconhecia quando ele publicou a sua teoria. Contudo, é claramente reconhecido que Darwin foi o primeiro a desenvolver e publicar uma teoria científica de Seleção Natural e que trabalhos anteriores ao seu não contribuíram para o desenvolvimento ou sucesso da Seleção Natural como uma teoria testável. Apesar da grande controvérsia que marcou a publicação do trabalho de Darwin, a evolução por seleção natural provou ser um argumento poderoso contrário às noções de criação divina e projeto inteligente comuns na ciência do século XIX. A ideia de que não mais havia uma clara separação entre homens e animais faria com que Darwin fosse lembrado como aquele que removeu o homem da posição privilegiada que ocupava no universo. Para alguns de seus críticos, entretanto, ele continuou sendo visto como o "homem macaco" frequentemente desenhado com um corpo de macaco. BIOGRAFIA Os fatores que influenciaram na reprodução da sua teoria. Os fatores que levaram Darwin a reproduzir sua ideia sobre “A Origem das Especies”, obra que mudou o modo de pensar da humanidade, é relativamente facil de se analisar. A viagem do Beagle (1831-1836) foi de longe o fator mais importante que determinou sua carreira, foi onde ele passou aproximadamente cinco anos, segundo Darwin, treinando ou educando a sua mentalidade. Presidente Prudente Agosto de 2012
  • 3. Foi nessa viagem que Darwin se “impressionou com certos fatores referentes á distribuição dos seres organicos que habitavam a America do Sul e com as relações geologicas entre o presente e o passado dos habitantes desse continente” que lançaram luz sobre a questão da origem das especies. Antes disso, na faculdade de Medicina, Darwin foi indiretamente influenciado por personalidades que beneficiariam em suas ideias e tecnicas de pesquisa. Um exescravo e professor de Taxodermia, contava-le curiosidades sobre as florestas tropicais da America do Sul; foi pupilo de um dos pioneiros no desenvolvimento das ideias de Lamarck. Além da sua quase formação em Medicina, Darwin foi matriculado em Bacharelado em Artes para se tornar clerigo, Teologia, Botanica, Geologia e Historia Natural. Antes disso, quando criança, era colecionador de pedras e conchas, notou varios tipos de insetos e formou o plano de também coleciona-los. A profissão de naturalista se tornava cada vez mais sedutora ao passo que crescia em anos. Foi em 1844, com a saúde fragilizada, que Darwin , a partir dos anos de estudos e notações, alé da motivação de seus colegas, publicou um esboço das conclusões que pareciam mais provaveis. O livro A Origem das Especies foi iniciado em 1856 e publicado em 1859 que desencadeiou violenta polemica. Não há como falar de Darwin e sua teoria sem mencionar as respectivas criticas e sua posição na religião. No livro “A Origem das Especies”, Darwin diz que “esta convencido de que a seleção natural tem sido o meio principal de modificação, embora não o unico” e que “não vê nenhum motivo para que as ideias expostas neste livro se choquem com as ideias religiosas de quem quer que seja” A religião foi indiretamente um fator que influenciou no adiamento, ou não , da reprodução da sua obra. Isso era uma ferida que Darwin não queria cutucar, porém, depois da morte de uma de suas filhas, Darwin começou a questionar sobre como Deus proporciona o equilibrio da natureza de forma em como é brutal o meios da qual um ser vivo busca a sobrevivencia. Sobre a Seleção Natural, segundo Darwin, todos os individuos apresentam pequenas variações anatomicas e fisiologicas. Aquels com caracteristicas mais adequadas para enfrentar os desafios do ambiente em que vivem têm maior chance de sobreviver, alcançar a maturidade e se reproduzir, transmitindo a seus descendentes as memas caracteristicas vantajosas. De outro lado, os que apresentam variações desfavoraveis tendem a desaparecer rapidamente, por fome, doenças ou ataque de Presidente Prudente Agosto de 2012
  • 4. predadores, sem tempo de se reproduzir. Assim, de geração em geração, lenta e gradualmente, as caracteristicas que favorecem á sobrevivencia da especie vão se reforçando. Considerou o raciocinio de Thomas Malthus, viu nessa ideia uma forma de explicar as diferentes adaptaçãoes partindo da ideia de que o individuo se adapta, dentre outras formas, diante a escassez de alimentos. CONCLUSÃO Contudo, Darwin e sua mentalidade são, de certa forma, singulares. Ou seja, a sua tragetoria até a reprodução da sua teoria deveu-se, em grande parte, a sua vivencia na sociedade da elite inglesa inelectual que lhe permitiu conhecer varios celebres da ciencia, ter contato com boa educação e financiar pesquisas e viagens como a do H.M.S Beagle. Tudo o que lia ou pensava estava destinado a apoiar aquilo que viriaa ser sua teoria. Com seu amplo conhecimento sobre as varias areas da ciencia, Darwin refletia sobre as afinidades mutuas dos seres organicos, suas relações embriologicas, sucessão geologica e outros fatores semelhantes. Então chegou a conclusão de que as especies não foram criadas independentemente, mas que descendem, como variedades, de outras especies. BIBLIOGRAFIA CLARET, Martin (corrdenação editorial). O Pensamento Vivo de Darwin. Coleção, volume 4. São Paulo: Martin Claret Editores, 1986. VENTUROLI, Thereza. Darwin. IN: Guia do Estudante: Atualidades. São Paulo: Eitora Abril, 2010. Presidente Prudente Agosto de 2012
  • 5. Jessica Amaral Daniele Carobina Santos Laiane de Souza Barros Pablo Muryllo de Oliveira Luis Fernado Lourenço Gertrudes Abigail Ribeiro Patrícia Santos de Medeiros Samuel Docente Ruth Künzli Disciplina de Antropologia Cultural Presidente Prudente Agosto de 2012