SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Quem vive no Brasil?
     PROFº. NILBERTE LIMA
Como podemos definir população?



 O conceito de população faz referência ao conjunto
 de pessoas que habitam a Terra ou qualquer
 divisão          geográfica         desta.
Distribuição da População no mundo
Conceitos Básicos de População

   População Absoluta x População Relativa


População Absoluta        População Relativa

 É o total de
                                  • É o total de
                            habitantes dividido
habitantes de                     pela área que
um certo lugar.                        ocupam.
População Absoluta

Populoso é o país que           A China possui a maior população
apresenta grande população      absoluta entre os países do mundo,
absoluta.                       com aproximadamente 1 bilhão e 300
                                milhões de habitantes. Ou seja, de
O Brasil é o quinto país mais   cada cinco habitantes do planeta
                                Terra, um é chinês (cerca de 20% dos
populoso do mundo. Dentro
                                6,5 bilhões de habitantes do planeta).
dele,   os    Estados    mais
populosos, são:

                                     1. São Paulo (SP) 37.000.000 hab.
                                  2. Minas Gerais (MG) 17.800.000 hab.
                                  3. Rio de Janeiro (RJ) 14.400.000 hab.
                                       4. Bahia (BA) 13.000.000 hab.
                                5. Rio Grande do Sul (RS) 10.200.000 hab
                                        6. Paraná (PR) 9.500.000 hab
Distribuição Populacional
População Reletiva ou Densidade
              Demográfica

No caso do Brasil, a distribuição populacional é bastante
irregular, havendo concentração da população nas zonas
litorâneas, especialmente no Sudeste e na Zona da Mata
Nordestina - sendo que a região Sul também corresponde a
um núcleo muito importante. Juntas, essas três regiões
reúnem 82% da população, que se distribui em 36% do
território brasileiro.
Ocorre o contrário quando analisamos a densidade
demográfica das regiões Norte e Centro-Oeste: ela pode
chegar a ser inferior a 2 habitantes/km2, sendo que a área
dessas duas regiões corresponde a 64% do território
nacional.
População Reletiva ou Densidade
             Demográfica



Logo, podemos concluir que o Brasil possui uma baixa
densidade demográfica, pois está muito abaixo da média
mundial. Portanto o Brasil é um país populoso e pouco
povoado; isto é, possui uma grande população absoluta,
mas uma baixa densidade demográfica.
Pirâmides Etárias




As pirâmides etárias são representações gráficas da população
classificada por sexo e idade. No eixo vertical (y) estão indicadas as
diversas faixas etárias, enquanto que no eixo horizontal (x) está indicada
a quantidade de população: as barras da esquerda representam a
população masculina e as barras da direita representam a população
feminina
Transição demográfica
Os dados fornecidos pelo último censo demográfico indicam que o Brasil continua realizando
sua transição demográfica.

Transição demográfica é a fase intermediária que se caracteriza pelo máximo
crescimento populacional dentro do ciclo evolutivo demográfico.

                             Fases do ciclo demográfico:

Primeira fase: caracterizada por elevadas taxas de natalidade e mortalidade, originando
baixo crescimento populacional. O Brasil abandonou essa fase no início do século XX.

Segunda fase: caracterizada por elevadas taxas de natalidade e declínio das taxas de
mortalidade, gerando elevado crescimento populacional. É a transição demográfica
propriamente dita que antecede a última etapa do ciclo, a da estabilidade. Os países
desenvolvidos concluíram essa fase nas primeiras décadas do século XX. O Brasil atingiu o auge
dessa fase na década de 50, quando as taxas de crescimento populacional se aproximaram de
3% ao ano.

Terceira fase: caracterizada por baixas taxas de natalidade e de mortalidade, gerando
baixíssimo crescimento populacional, estagnação e até mesmo taxas negativas de crescimento.
O Brasil só deverá ingressar nessa fase no início do século XXI. Por volta do ano 2050, o Brasil
estará completando o seu ciclo demográfico, como mostra as pirâmides a seguir:
Evolução da população do Brasil
Observe a modificação nas pirâmides etárias brasileiras:
Transição demográfica
O novo padrão demográfico trará profundas implicações e determinará mudanças
importantes principalmente nas áreas de saúde, educação, habitação, saneamento,
expansão urbana, transporte e previdência.

Esse padrão demográfico, que vem mudando desde fins da década de 60, é
conseqüência especialmente do declínio da mortalidade a partir da década de
40, que fez a esperança de vida subir de 41 anos em 1930 para 54 anos em 1960,
associado também ao declínio da natalidade:
Taxas de mortalidade
Mortalidade total é o número de pessoas que morrem a cada 1000 habitantes
durante 1 ano.

A taxa de mortalidade total no Brasil apresentou um grande declínio de 1950 a 1970,
e desde então vem caindo em pequenas proporções.

Mortalidade infantil é o número de crianças menores de 1 ano de idade que
morrem por 1000 nascidos vivos durante o período de 1 ano.
A taxa de mortalidade infantil durante os últimos dez anos do século XX
apresentou uma tendência de queda em todas as regiões.


Evolução          da       Mortalidade          Infantil       no       Brasil
As causas de mortalidade infantil no Brasil se alteraram ao longo das últimas
                                    décadas.
Nos anos 80, as principais causas de óbitos estavam relacionadas às doenças
infecto-contagiosas, que sofreram um declínio nas décadas seguintes, crescendo
em importância as causas perinatais, que são decorrentes de problemas durante a
gravidez, parto e nascimento, respondendo por mais de 50 % das causas de óbitos
no primeiro ano de vida.
A taxa de fecundidade
                     A taxa de fecundidade é o número médio de filhos
que uma mulher teria ao final de sua idade reprodutiva.

                       Em 1970, a mulher brasileira tinha, em média, 5,8
filhos. Trinta anos depois, esta média era de 2,3 filhos.

A combinação dos dois fatores - fecundidade alta e mortalidade em
declínio - determinou um aumento sensível na taxa média de crescimento da
população nesse período. Ela passou de 2,4% ao ano na década de 40 para 3,0% na
década de 50 e 2,9% na década de 60.

A distribuição por faixas de idade permaneceu constante e jovem entre 1940 e
1970, apesar do rápido declínio da mortalidade e de aceleração do ritmo de
crescimento populacional.

Durante todo esse período, cerca de 52% da população tinham menos de
20 anos.
Evolução da taxa de fecundidade no Brasil
Queda na taxa de fecundidade
No final da década de 60, começou
um processo rápido e generalizado
de queda da fecundidade, que até ali
estava limitado aos grupos sociais
mais privilegiados das regiões mais
desenvolvidas e se estendeu a todas
as classes sociais e todas as regiões.

A taxa de fecundidade caiu de 5,8
filhos por mulher em 1970 para 4,3
em 1975 e para 3,6 em 1984 - o que
corresponde a um declínio superior a
37% em apenas 15 anos, bastante
rápido se comparado a qualquer
experiência em outro país.
O uso de anticoncepcionais
Informações sobre o uso de anticoncepcionais no país reforçam essa certeza. Em
1986, estavam adotando algum método anticoncepcional 70% das mulheres
casadas com idade entre 15 e 44 anos, 42% das mulheres já estavam esterilizadas
(método irreversível) e 38% tomavam pílulas anticoncepcionais. São métodos
muito eficientes, que pressupõem o desejo de ter famílias menores.
Causas da queda da                 Causas da queda da
taxa de mortalidade                taxa de natalidade
                                 Urbanização:
• Descoberta de antibióticos e
vacinas;                         • Entrada da mulher no mercado
                                 de trabalho;
• Assistência médica e
hospitalar foi estendida;        • Custo de vida nas cidades;
• Ampliação dos sistemas de      • Acesso ao uso de métodos
água e esgoto, diminuindo a      contraceptivos;
insalubridade dos lugares;




                                 Consequência: diminuição do
Consequência: aumento do
                                 índice de crescimento natural
índice de crescimento natural
                                 da população.
da população.
Etnias no Brasil

        Desde           o          início
        da colonização do Brasil a
        miscigenação foi intensa. A
        maioria                       dos
        colonizadores portugueses que
        vieram ao Brasil eram homens,
        que mantinham relações com
        índias ou escravas negras. As
        mulheres brancas só vieram mais
        tarde, principalmente a partir da
        segunda metade do século 19,
        com a imigração européia e
        japonesa.
Migrações




A migração de nordestinos para São Paulo manteve-se em
níveis semelhantes nos períodos de 1986-1991 e 1995-2000,
verificando-se, inclusive, um aumento da participação
relativa dos nordestinos no total de migrantes do estado: de
51,7%, entre 1986-1991, para 57,7%, entre 1995-2000.
Há décadas prevalece no território brasileiro
o deslocamento populacional do Nordeste para o
Sudeste, sendo que esse fluxo migratório se dirige
principalmente para o Estado de São Paulo.
Apesar desses números, as correntes migratórias no Brasil estão
se diversificando. Os movimentos populacionais estão mais
intensos dentro do próprio estado ou da região de origem.
Contribuem para isso: (a) a falta de oportunidades de emprego no
Sudeste, o que causa o retorno de parte dos migrantes às regiões
de onde vieram, e (b) o surgimento de novos pólos de
desenvolvimento, o que atrai mão-de-obra de outras regiões.
Segundo os números
da Pnad (Pesquisa
Nacional por Amostras
de    Domicílios)      de
2006, realizada pelo
IBGE           (Instituto
Brasileiro de Geografia
e Estatística), 40% da
população      brasileira
(ou 74.935 milhões)
não vive no município
onde nasceu. Além
disso, 16% (ou 29.892
milhões) da população
não é natural do estado
em que reside.
De acordo com os dados do
IBGE, os deslocamentos
populacionais no Brasil, no
período 1995/2000,
totalizaram 5.196.093
pessoas, cifra que é 3,7%
superior aos 5.012.251
observados entre 1986/1991.
                               A região com mais migrantes é o
                               Centro-Oeste, onde 35,8% da
Cerca de 65% desse total é
                               população é proveniente de
composto por deslocamentos
                               outros    estados.    A   região
ocorridos entre as regiões
                               Nordeste é a que apresenta
brasileiras (migração inter-
                               menor número de migrantes,
regional) e 35% no interior
                               com     7,6%    da     população
destas regiões (migração
                               originária de outras unidades da
intra-regional).
                               federação
Quando se considera esse número total de migrantes, constata-se
que o Sudeste ainda é o destino preferido dos brasileiros
(1.404.873)

                             A região Centro-Oeste, embora
                             tenha registrado uma variação
                             negativa da imigração em apenas
                             0,3%, apresentou um aumento da
                             emigração de quase 8%. Já as
                             regiões    Nordeste     e      Sul
                             apresentaram     comportamentos
                             diferentes das demais regiões,
                             principalmente o Sul, onde se
                             registrou um aumento de quase
                             16% dos fluxos imigratórios,
                             juntamente com uma redução de
                             25,7% do volume de emigrantes.
Com relação à região Nordeste, observou-se um
crescimento expressivo do fluxo de imigrantes (a maioria
proveniente do Sudeste), chegando a 35,5% no período de
1995/2000. Mas continua sendo a região que mais perde
população para as demais
Deslocamentos pendulares



O aparecimento de conglomerados de cidades deu origem a
um novo tipo de movimento migratório: um movimento
diário, que podemos chamar de deslocamentos pendulares:
pessoas que residem em um município e trabalham ou
estudam em outro, deslocando-se diariamente.
Esses deslocamentos se ampliam e tornam-se mais
complexos a cada dia, devido ao surgimento e à
consolidação de novos pólos secundários de atração
populacional. A incorporação de novas áreas
residenciais, a busca por emprego ou serviços e a oferta
de transportes mais eficientes em alguns pontos das
metrópoles: todos esses elementos favorecem a
consolidação               desse            fenômeno.

No Brasil, com base nos resultados do Censo de 2000,
tínhamos 7,4 milhões de pessoas trabalhando ou
estudando fora do município de residência.
Até o início da década de 1930 o crescimento da população
do Brasil contou com forte contribuição da imigração. A
partir de 1934, com a adoção da "Lei de Cotas" que
estabelecia limites à entrada de imigrantes, o aumento da
população dependeu, principalmente, do crescimento
vegetativo (cv), isto é, a diferença entre as taxas de
natalidade e a de mortalidade expressa em % (por cem) ou
%0 ( por mil) habitantes.
No entanto, foi depois da Segunda Guerra Mundial (1939-45)
que o crescimento tornou-se acelerado, devido à diminuição
das taxas de mortalidade. Isso é explicado por fatores como a
expansão da rede de esgoto, acesso à água encanada,
campanhas de vacinação em massa, acesso a medicamentos
básicos, etc. Entre 1940 a 1960 foi registrada a maior evolução
das taxas de crescimento populacional, atingindo em 1960 a
taxa de 2,9% a.a. (ao ano - ou 29%0 a.a.). Este período marcou
a primeira fase de transição demográfica brasileira.
Crescimento populacional e estrutura
                etária


 Nos  países desenvolvidos, a estrutura etária é
 caracterizada pela presença marcante da população
 adulta e de uma porcentagem expressiva de idosos,
 conseqüência do baixo crescimento vegetativo e da
 elevada expectativa de vida. Essa situação tem levado a
 reformas    sociais,   particularmente,    no   sistema
 previdenciário em diversos países do mundo, já que
 o envelhecimento da população obriga o Estado a
 destinar boa parte de seus recursos econômicos para a
 aposentadoria.
Nos países subdesenvolvidos os jovens superam os adultos e
os idosos, conseqüência do alto crescimento vegetativo e da
baixa expectativa de vida. Essa situação coloca os países
subdesenvolvidos numa situação de desvantagem,
particularmente os pobres que possuem famílias mais
numerosas: sustentar um número maior de filhos limita as
possibilidades do Estado e da família em oferecer uma
formação de boa qualidade, coloca a criança no mercado de
trabalho e reproduz o círculo vicioso da pobreza e da miséria
ao dificultar a possibilidade de ascensão social futura.
Quanto ganha o trabalhador brasileiro?
                Rendimento mensal das pessoas ocupadas

Rendimento mensal é a soma dos rendimentos mensais de todos os trabalhos das
pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas.
                                                  Em 2003, 23% dos
                                                  brasileiros       ocupados
                                                  viviam com 1 salário
                                                  mínimo (SM) ou menos.
                                                  Apenas        0,9%       da
                                                  população recebia mais de
                                                  20 salários mínimos.
Qualidade de vida do brasileiro
No período de 1991 a 2000 houve um
aumento da proporção de domicílios
ligados à rede geral de água em todas
as grandes regiões.

 Esse aumento, entretanto, foi muito
maior no Nordeste do que nas outras
regiões (de 53 para 66).

Apesar da melhoria do Nordeste no
período considerado, o Sudeste e o Sul
ainda     apresentam    as     maiores
proporções de domicílios ligados à rede
geral de abastecimento de água.

E, se forem considerados apenas os
domicílios urbanos, essas proporções
são ainda maiores.
Confira nos gráficos.
Referências

 http://www.geografiaparatodos.com.br
 http://www.google.com
 BRETON, Roland. Geografia das Civilizações. São
  Paulo: Ática, 1990.
 DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia.
  São Paulo: Contexto, 1998.
 http://www.slideshare.net/Isabelegeografia/populao
  -8027891
 http://www.slideshare.net

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográficaApresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográficaZeca B.
 
Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...
Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...
Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...Marco Aurélio Gondim
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileiraBruna Azevedo
 
População Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etária
População Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etáriaPopulação Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etária
População Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etáriaWagner Brito de Jesus
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileiraFernanda Lopes
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoroseni
 
A evolução demográfica brasileira 2
A evolução demográfica brasileira 2A evolução demográfica brasileira 2
A evolução demográfica brasileira 2Walyson Vëras
 
A evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileiraA evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileiraWalyson Vëras
 
Populacao Brasileira
Populacao BrasileiraPopulacao Brasileira
Populacao Brasileiramartallbo
 
Território e população brasileira
Território e população brasileiraTerritório e população brasileira
Território e população brasileiraCBM
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoDébora Sales
 
Dinâmicas populacionais
Dinâmicas populacionaisDinâmicas populacionais
Dinâmicas populacionaisisraelfrois
 
População
PopulaçãoPopulação
Populaçãogoogle
 

Mais procurados (20)

A Populacao Brasileira
A Populacao BrasileiraA Populacao Brasileira
A Populacao Brasileira
 
Apresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográficaApresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográfica
 
Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...
Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...
Atualidade Brasil - Populacao brasileira - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim...
 
População brasileira dinâmica e desenvolvimento humano
População brasileira dinâmica e desenvolvimento humanoPopulação brasileira dinâmica e desenvolvimento humano
População brasileira dinâmica e desenvolvimento humano
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
População Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etária
População Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etáriaPopulação Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etária
População Brasileira - Transição demográfica e pirâmide etária
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
 
A população brasileira
A população brasileiraA população brasileira
A população brasileira
 
A evolução demográfica brasileira 2
A evolução demográfica brasileira 2A evolução demográfica brasileira 2
A evolução demográfica brasileira 2
 
A evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileiraA evolução demográfica brasileira
A evolução demográfica brasileira
 
Populacao Brasileira
Populacao BrasileiraPopulacao Brasileira
Populacao Brasileira
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Território e população brasileira
Território e população brasileiraTerritório e população brasileira
Território e população brasileira
 
População do Brasil
População do BrasilPopulação do Brasil
População do Brasil
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No Mundo
 
Dinâmicas populacionais
Dinâmicas populacionaisDinâmicas populacionais
Dinâmicas populacionais
 
População
PopulaçãoPopulação
População
 

Destaque

Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marceloSione Leiras
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoAndré Fidelis
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoNilberte Correia
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idosoidaval_1
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimentoagemais
 
Seminário 03 Parte II: Mecanismos do Envelhecimento
Seminário 03 Parte II: Mecanismos do EnvelhecimentoSeminário 03 Parte II: Mecanismos do Envelhecimento
Seminário 03 Parte II: Mecanismos do EnvelhecimentoAlexandre H.P. Ferreira
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoAnabelazita
 
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 0223433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02Sander Santiago
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileiraamaroviana
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceLigia Coppetti
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º anoProfessor
 

Destaque (14)

Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marcelo
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Seminário 03 Parte II: Mecanismos do Envelhecimento
Seminário 03 Parte II: Mecanismos do EnvelhecimentoSeminário 03 Parte II: Mecanismos do Envelhecimento
Seminário 03 Parte II: Mecanismos do Envelhecimento
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do Envelhecimento
 
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 0223433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 

Semelhante a Quem vive no brasil

Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Carson Souza
 
2 o crescimento da população humana
2 o crescimento da população humana2 o crescimento da população humana
2 o crescimento da população humanaPelo Siro
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoDébora Sales
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficosProfessor
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacionalDébora Sales
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacionalDébora Sales
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraPedro Neves
 
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptxMiriamCamily
 
Geografia cn2
Geografia cn2Geografia cn2
Geografia cn22marrow
 
Conceitos demográficos.pptx
Conceitos demográficos.pptxConceitos demográficos.pptx
Conceitos demográficos.pptxAmanda Mesquita
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularArtur Lara
 
5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileira5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileiraLucas Cechinel
 

Semelhante a Quem vive no brasil (20)

População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
2 o crescimento da população humana
2 o crescimento da população humana2 o crescimento da população humana
2 o crescimento da população humana
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
 
Geografia cn2
Geografia cn2Geografia cn2
Geografia cn2
 
Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)
 
Aula1.8a
Aula1.8aAula1.8a
Aula1.8a
 
Conceitos demográficos.pptx
Conceitos demográficos.pptxConceitos demográficos.pptx
Conceitos demográficos.pptx
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
 
5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileira5 formacao da-populacao_brasileira
5 formacao da-populacao_brasileira
 

Mais de Nilberte Correia

Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismoAula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismoNilberte Correia
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeNilberte Correia
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeNilberte Correia
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Nilberte Correia
 
Slide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaSlide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaNilberte Correia
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Nilberte Correia
 
Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Nilberte Correia
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoNilberte Correia
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoNilberte Correia
 
Regras para a criação do blog
Regras para a criação do blogRegras para a criação do blog
Regras para a criação do blogNilberte Correia
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoNilberte Correia
 

Mais de Nilberte Correia (14)

Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismoAula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo
 
Resultado final
Resultado finalResultado final
Resultado final
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
 
Slide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaSlide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapa
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
 
Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013
 
Regionalizando o brasil
Regionalizando o brasilRegionalizando o brasil
Regionalizando o brasil
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º ano
 
Regras para a criação do blog
Regras para a criação do blogRegras para a criação do blog
Regras para a criação do blog
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Assedio moral
Assedio moralAssedio moral
Assedio moral
 

Quem vive no brasil

  • 1. Quem vive no Brasil? PROFº. NILBERTE LIMA
  • 2. Como podemos definir população?  O conceito de população faz referência ao conjunto de pessoas que habitam a Terra ou qualquer divisão geográfica desta.
  • 4. Conceitos Básicos de População  População Absoluta x População Relativa População Absoluta População Relativa  É o total de • É o total de habitantes dividido habitantes de pela área que um certo lugar. ocupam.
  • 5. População Absoluta Populoso é o país que A China possui a maior população apresenta grande população absoluta entre os países do mundo, absoluta. com aproximadamente 1 bilhão e 300 milhões de habitantes. Ou seja, de O Brasil é o quinto país mais cada cinco habitantes do planeta Terra, um é chinês (cerca de 20% dos populoso do mundo. Dentro 6,5 bilhões de habitantes do planeta). dele, os Estados mais populosos, são: 1. São Paulo (SP) 37.000.000 hab. 2. Minas Gerais (MG) 17.800.000 hab. 3. Rio de Janeiro (RJ) 14.400.000 hab. 4. Bahia (BA) 13.000.000 hab. 5. Rio Grande do Sul (RS) 10.200.000 hab 6. Paraná (PR) 9.500.000 hab
  • 7. População Reletiva ou Densidade Demográfica No caso do Brasil, a distribuição populacional é bastante irregular, havendo concentração da população nas zonas litorâneas, especialmente no Sudeste e na Zona da Mata Nordestina - sendo que a região Sul também corresponde a um núcleo muito importante. Juntas, essas três regiões reúnem 82% da população, que se distribui em 36% do território brasileiro. Ocorre o contrário quando analisamos a densidade demográfica das regiões Norte e Centro-Oeste: ela pode chegar a ser inferior a 2 habitantes/km2, sendo que a área dessas duas regiões corresponde a 64% do território nacional.
  • 8. População Reletiva ou Densidade Demográfica Logo, podemos concluir que o Brasil possui uma baixa densidade demográfica, pois está muito abaixo da média mundial. Portanto o Brasil é um país populoso e pouco povoado; isto é, possui uma grande população absoluta, mas uma baixa densidade demográfica.
  • 9. Pirâmides Etárias As pirâmides etárias são representações gráficas da população classificada por sexo e idade. No eixo vertical (y) estão indicadas as diversas faixas etárias, enquanto que no eixo horizontal (x) está indicada a quantidade de população: as barras da esquerda representam a população masculina e as barras da direita representam a população feminina
  • 10. Transição demográfica Os dados fornecidos pelo último censo demográfico indicam que o Brasil continua realizando sua transição demográfica. Transição demográfica é a fase intermediária que se caracteriza pelo máximo crescimento populacional dentro do ciclo evolutivo demográfico. Fases do ciclo demográfico: Primeira fase: caracterizada por elevadas taxas de natalidade e mortalidade, originando baixo crescimento populacional. O Brasil abandonou essa fase no início do século XX. Segunda fase: caracterizada por elevadas taxas de natalidade e declínio das taxas de mortalidade, gerando elevado crescimento populacional. É a transição demográfica propriamente dita que antecede a última etapa do ciclo, a da estabilidade. Os países desenvolvidos concluíram essa fase nas primeiras décadas do século XX. O Brasil atingiu o auge dessa fase na década de 50, quando as taxas de crescimento populacional se aproximaram de 3% ao ano. Terceira fase: caracterizada por baixas taxas de natalidade e de mortalidade, gerando baixíssimo crescimento populacional, estagnação e até mesmo taxas negativas de crescimento. O Brasil só deverá ingressar nessa fase no início do século XXI. Por volta do ano 2050, o Brasil estará completando o seu ciclo demográfico, como mostra as pirâmides a seguir:
  • 11. Evolução da população do Brasil Observe a modificação nas pirâmides etárias brasileiras:
  • 12. Transição demográfica O novo padrão demográfico trará profundas implicações e determinará mudanças importantes principalmente nas áreas de saúde, educação, habitação, saneamento, expansão urbana, transporte e previdência. Esse padrão demográfico, que vem mudando desde fins da década de 60, é conseqüência especialmente do declínio da mortalidade a partir da década de 40, que fez a esperança de vida subir de 41 anos em 1930 para 54 anos em 1960, associado também ao declínio da natalidade:
  • 13. Taxas de mortalidade Mortalidade total é o número de pessoas que morrem a cada 1000 habitantes durante 1 ano. A taxa de mortalidade total no Brasil apresentou um grande declínio de 1950 a 1970, e desde então vem caindo em pequenas proporções. Mortalidade infantil é o número de crianças menores de 1 ano de idade que morrem por 1000 nascidos vivos durante o período de 1 ano. A taxa de mortalidade infantil durante os últimos dez anos do século XX apresentou uma tendência de queda em todas as regiões. Evolução da Mortalidade Infantil no Brasil As causas de mortalidade infantil no Brasil se alteraram ao longo das últimas décadas. Nos anos 80, as principais causas de óbitos estavam relacionadas às doenças infecto-contagiosas, que sofreram um declínio nas décadas seguintes, crescendo em importância as causas perinatais, que são decorrentes de problemas durante a gravidez, parto e nascimento, respondendo por mais de 50 % das causas de óbitos no primeiro ano de vida.
  • 14. A taxa de fecundidade A taxa de fecundidade é o número médio de filhos que uma mulher teria ao final de sua idade reprodutiva. Em 1970, a mulher brasileira tinha, em média, 5,8 filhos. Trinta anos depois, esta média era de 2,3 filhos. A combinação dos dois fatores - fecundidade alta e mortalidade em declínio - determinou um aumento sensível na taxa média de crescimento da população nesse período. Ela passou de 2,4% ao ano na década de 40 para 3,0% na década de 50 e 2,9% na década de 60. A distribuição por faixas de idade permaneceu constante e jovem entre 1940 e 1970, apesar do rápido declínio da mortalidade e de aceleração do ritmo de crescimento populacional. Durante todo esse período, cerca de 52% da população tinham menos de 20 anos.
  • 15. Evolução da taxa de fecundidade no Brasil
  • 16. Queda na taxa de fecundidade No final da década de 60, começou um processo rápido e generalizado de queda da fecundidade, que até ali estava limitado aos grupos sociais mais privilegiados das regiões mais desenvolvidas e se estendeu a todas as classes sociais e todas as regiões. A taxa de fecundidade caiu de 5,8 filhos por mulher em 1970 para 4,3 em 1975 e para 3,6 em 1984 - o que corresponde a um declínio superior a 37% em apenas 15 anos, bastante rápido se comparado a qualquer experiência em outro país.
  • 17. O uso de anticoncepcionais Informações sobre o uso de anticoncepcionais no país reforçam essa certeza. Em 1986, estavam adotando algum método anticoncepcional 70% das mulheres casadas com idade entre 15 e 44 anos, 42% das mulheres já estavam esterilizadas (método irreversível) e 38% tomavam pílulas anticoncepcionais. São métodos muito eficientes, que pressupõem o desejo de ter famílias menores.
  • 18. Causas da queda da Causas da queda da taxa de mortalidade taxa de natalidade Urbanização: • Descoberta de antibióticos e vacinas; • Entrada da mulher no mercado de trabalho; • Assistência médica e hospitalar foi estendida; • Custo de vida nas cidades; • Ampliação dos sistemas de • Acesso ao uso de métodos água e esgoto, diminuindo a contraceptivos; insalubridade dos lugares; Consequência: diminuição do Consequência: aumento do índice de crescimento natural índice de crescimento natural da população. da população.
  • 19. Etnias no Brasil Desde o início da colonização do Brasil a miscigenação foi intensa. A maioria dos colonizadores portugueses que vieram ao Brasil eram homens, que mantinham relações com índias ou escravas negras. As mulheres brancas só vieram mais tarde, principalmente a partir da segunda metade do século 19, com a imigração européia e japonesa.
  • 20. Migrações A migração de nordestinos para São Paulo manteve-se em níveis semelhantes nos períodos de 1986-1991 e 1995-2000, verificando-se, inclusive, um aumento da participação relativa dos nordestinos no total de migrantes do estado: de 51,7%, entre 1986-1991, para 57,7%, entre 1995-2000.
  • 21. Há décadas prevalece no território brasileiro o deslocamento populacional do Nordeste para o Sudeste, sendo que esse fluxo migratório se dirige principalmente para o Estado de São Paulo.
  • 22. Apesar desses números, as correntes migratórias no Brasil estão se diversificando. Os movimentos populacionais estão mais intensos dentro do próprio estado ou da região de origem. Contribuem para isso: (a) a falta de oportunidades de emprego no Sudeste, o que causa o retorno de parte dos migrantes às regiões de onde vieram, e (b) o surgimento de novos pólos de desenvolvimento, o que atrai mão-de-obra de outras regiões.
  • 23. Segundo os números da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios) de 2006, realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 40% da população brasileira (ou 74.935 milhões) não vive no município onde nasceu. Além disso, 16% (ou 29.892 milhões) da população não é natural do estado em que reside.
  • 24. De acordo com os dados do IBGE, os deslocamentos populacionais no Brasil, no período 1995/2000, totalizaram 5.196.093 pessoas, cifra que é 3,7% superior aos 5.012.251 observados entre 1986/1991. A região com mais migrantes é o Centro-Oeste, onde 35,8% da Cerca de 65% desse total é população é proveniente de composto por deslocamentos outros estados. A região ocorridos entre as regiões Nordeste é a que apresenta brasileiras (migração inter- menor número de migrantes, regional) e 35% no interior com 7,6% da população destas regiões (migração originária de outras unidades da intra-regional). federação
  • 25. Quando se considera esse número total de migrantes, constata-se que o Sudeste ainda é o destino preferido dos brasileiros (1.404.873) A região Centro-Oeste, embora tenha registrado uma variação negativa da imigração em apenas 0,3%, apresentou um aumento da emigração de quase 8%. Já as regiões Nordeste e Sul apresentaram comportamentos diferentes das demais regiões, principalmente o Sul, onde se registrou um aumento de quase 16% dos fluxos imigratórios, juntamente com uma redução de 25,7% do volume de emigrantes.
  • 26. Com relação à região Nordeste, observou-se um crescimento expressivo do fluxo de imigrantes (a maioria proveniente do Sudeste), chegando a 35,5% no período de 1995/2000. Mas continua sendo a região que mais perde população para as demais
  • 27. Deslocamentos pendulares O aparecimento de conglomerados de cidades deu origem a um novo tipo de movimento migratório: um movimento diário, que podemos chamar de deslocamentos pendulares: pessoas que residem em um município e trabalham ou estudam em outro, deslocando-se diariamente.
  • 28. Esses deslocamentos se ampliam e tornam-se mais complexos a cada dia, devido ao surgimento e à consolidação de novos pólos secundários de atração populacional. A incorporação de novas áreas residenciais, a busca por emprego ou serviços e a oferta de transportes mais eficientes em alguns pontos das metrópoles: todos esses elementos favorecem a consolidação desse fenômeno. No Brasil, com base nos resultados do Censo de 2000, tínhamos 7,4 milhões de pessoas trabalhando ou estudando fora do município de residência.
  • 29. Até o início da década de 1930 o crescimento da população do Brasil contou com forte contribuição da imigração. A partir de 1934, com a adoção da "Lei de Cotas" que estabelecia limites à entrada de imigrantes, o aumento da população dependeu, principalmente, do crescimento vegetativo (cv), isto é, a diferença entre as taxas de natalidade e a de mortalidade expressa em % (por cem) ou %0 ( por mil) habitantes.
  • 30. No entanto, foi depois da Segunda Guerra Mundial (1939-45) que o crescimento tornou-se acelerado, devido à diminuição das taxas de mortalidade. Isso é explicado por fatores como a expansão da rede de esgoto, acesso à água encanada, campanhas de vacinação em massa, acesso a medicamentos básicos, etc. Entre 1940 a 1960 foi registrada a maior evolução das taxas de crescimento populacional, atingindo em 1960 a taxa de 2,9% a.a. (ao ano - ou 29%0 a.a.). Este período marcou a primeira fase de transição demográfica brasileira.
  • 31. Crescimento populacional e estrutura etária  Nos países desenvolvidos, a estrutura etária é caracterizada pela presença marcante da população adulta e de uma porcentagem expressiva de idosos, conseqüência do baixo crescimento vegetativo e da elevada expectativa de vida. Essa situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no sistema previdenciário em diversos países do mundo, já que o envelhecimento da população obriga o Estado a destinar boa parte de seus recursos econômicos para a aposentadoria.
  • 32. Nos países subdesenvolvidos os jovens superam os adultos e os idosos, conseqüência do alto crescimento vegetativo e da baixa expectativa de vida. Essa situação coloca os países subdesenvolvidos numa situação de desvantagem, particularmente os pobres que possuem famílias mais numerosas: sustentar um número maior de filhos limita as possibilidades do Estado e da família em oferecer uma formação de boa qualidade, coloca a criança no mercado de trabalho e reproduz o círculo vicioso da pobreza e da miséria ao dificultar a possibilidade de ascensão social futura.
  • 33. Quanto ganha o trabalhador brasileiro? Rendimento mensal das pessoas ocupadas Rendimento mensal é a soma dos rendimentos mensais de todos os trabalhos das pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas. Em 2003, 23% dos brasileiros ocupados viviam com 1 salário mínimo (SM) ou menos. Apenas 0,9% da população recebia mais de 20 salários mínimos.
  • 34. Qualidade de vida do brasileiro No período de 1991 a 2000 houve um aumento da proporção de domicílios ligados à rede geral de água em todas as grandes regiões. Esse aumento, entretanto, foi muito maior no Nordeste do que nas outras regiões (de 53 para 66). Apesar da melhoria do Nordeste no período considerado, o Sudeste e o Sul ainda apresentam as maiores proporções de domicílios ligados à rede geral de abastecimento de água. E, se forem considerados apenas os domicílios urbanos, essas proporções são ainda maiores. Confira nos gráficos.
  • 35. Referências  http://www.geografiaparatodos.com.br  http://www.google.com  BRETON, Roland. Geografia das Civilizações. São Paulo: Ática, 1990.  DAMIANI, Amélia Luisa. População e Geografia. São Paulo: Contexto, 1998.  http://www.slideshare.net/Isabelegeografia/populao -8027891  http://www.slideshare.net