SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Profª Bruna azevedo População Brasileira
Conceitos básicos População Absoluta  é o total de habitantes de um certo lugar   a China possui a maior população absoluta entre os países do mundo, com aproximadamente 1 bilhão e 300 milhões de habitantes. Ou seja, de cada cinco habitantes do planeta Terra, um é chinês (cerca de 20% dos 6,5 bilhões de habitantes do planeta). Populoso é o país que apresenta grande população absoluta. 
O Brasil é o quinto país mais populoso do mundo. Dentro dele, os Estados mais populosos, são
População relativa ou densidade demográfica é o total de habitantes dividido pela área que ocupam ou é a média da distribuição da população total pelo território. 190.000.000 8.547.000 km²  =    22.2 Podemos concluir que o Brasil possui uma baixa densidade demográfica, pois está muito abaixo da média mundial. Portanto o Brasil é um país populoso e pouco povoado; isto é, possui uma grande população absoluta, mas uma baixa densidade demográfica. 
Mortalidade Infantil Embora ainda seja alto, o índice de mortalidade infantil diminui a cada ano no Brasil. Em 1995, a taxa de mortalidade infantil era de 66 por mil. Em 2005, este índice caiu para 25,8 por mil. Para termos uma base de comparação, em países desenvolvidos a taxa de mortalidade infantil é de, aproximadamente, 5 por mil. 
Etnias no Brasil Pardos: 42,6%Brancos: 49,7%Negros: 6,9%Indígenas: 0,3%Amarelos: 0,5% Desde o início da colonização do Brasil a miscigenação foi intensa. A maioria dos colonizadores portugueses que vieram ao Brasil eram homens, que mantinham relações com índias ou escravas negras. As mulheres brancas só vieram mais tarde, principalmente a partir da segunda metade do século 19, com a imigração européia e japonesa. 
O estímulo à imigração e a maior qualificação profissional dos imigrantes significou a exclusão do negro e do mestiço do mercado de trabalho brasileiro.No começo do século 20, cerca de 90% dos operários da indústria paulista eram imigrantes de origem européia. Eles formavam a maioria dos trabalhadores do comércio, dos serviços de transporte, das empresas de energia e dos correios e telégrafos.
Onde trabalhavam os negros e os mestiços? Em serviços domésticos, limpeza pública, "bicos" e em uma gama de atividades que não eram disputadas por não oferecerem nenhuma perspectiva de ascensão social.Muitos negros e mestiços continuaram nas lavouras, trabalhando sem salários, em troca de alimentação e abrigo. Outros foram simplesmente excluídos da vida econômica e social. Viviam de esmola ou encontravam alguma saída na marginalidade: jogo do bicho, furtos e prostituição.
Distribuição da população Usamos a expressão "distribuição da população" para designar a maneira pela qual a população de certo lugar está distribuída em seu território. No caso do Brasil, a distribuição populacional é bastante irregular, havendo concentração da população nas zonas litorâneas, especialmente no Sudeste e na Zona da Mata Nordestina - sendo que a região Sul também corresponde a um núcleo muito importante. Juntas, essas três regiões reúnem 82% da população, que se distribui em 36% do território brasileiro. Ocorre o contrário quando analisamos a densidade demográfica das regiões Norte e Centro-Oeste: ela pode chegar a ser inferior a 2 habitantes/km2, sendo que a área dessas duas regiões corresponde a 64% do território nacional.
Migrações Há décadas prevalece no território brasileiro o deslocamento populacional do Nordeste para o Sudeste, sendo que esse fluxo migratório se dirige principalmente para o Estado de São Paulo.  A migração de nordestinos para São Paulo manteve-se em níveis semelhantes nos períodos de 1986-1991 e 1995-2000, verificando-se, inclusive, um aumento da participação relativa dos nordestinos no total de migrantes do estado: de 51,7%, entre 1986-1991, para 57,7%, entre 1995-2000.
Apesar desses números, as correntes migratórias no Brasil estão se diversificando. Os movimentos populacionais estão mais intensos dentro do próprio estado ou da região de origem. Contribuem para isso: (a) a falta de oportunidades de emprego no Sudeste, o que causa o retorno de parte dos migrantes às regiões de onde vieram, e (b) o surgimento de novos pólos de desenvolvimento, o que atrai mão-de-obra de outras regiões.
Segundo os números da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios) de 2006, realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 40% da população brasileira (ou 74.935 milhões) não vive no município onde nasceu. Além disso, 16% (ou 29.892 milhões) da população não é natural do estado em que reside.  A região com mais migrantes é o Centro-Oeste, onde 35,8% da população é proveniente de outros estados. A região Nordeste é a que apresenta menor número de migrantes, com 7,6% da população originária de outras unidades da federação
De acordo com os dados do IBGE, os deslocamentos populacionais no Brasil, no período 1995/2000, totalizaram 5.196.093 pessoas, cifra que é 3,7% superior aos 5.012.251 observados entre 1986/1991. Cerca de 65% desse total é composto por deslocamentos ocorridos entre as regiões brasileiras (migração inter-regional) e 35% no interior destas regiões (migração intra-regional).
Quando se considera esse número total de migrantes, constata-se que o Sudeste ainda é o destino preferido dos brasileiros (1.404.873) A região Centro-Oeste, embora tenha registrado uma variação negativa da imigração em apenas 0,3%, apresentou um aumento da emigração de quase 8%. Já as regiões Nordeste e Sul apresentaram comportamentos diferentes das demais regiões, principalmente o Sul, onde se registrou um aumento de quase 16% dos fluxos imigratórios, juntamente com uma redução de 25,7% do volume de emigrantes. 
Com relação à região Nordeste, observou-se um crescimento expressivo do fluxo de imigrantes (a maioria proveniente do Sudeste), chegando a 35,5% no período de 1995/2000. Mas continua sendo a região que mais perde população para as demais.
Deslocamentos pendulares o aparecimento de conglomerados de cidades deu origem a um novo tipo de movimento migratório: um movimento diário, que podemos chamar de deslocamentos pendulares: pessoas que residem em um município e trabalham ou estudam em outro, deslocando-se diariamente. 
Esses deslocamentos se ampliam e tornam-se mais complexos a cada dia, devido ao surgimento e à consolidação de novos pólos secundários de atração populacional. A incorporação de novas áreas residenciais, a busca por emprego ou serviços e a oferta de transportes mais eficientes em alguns pontos das metrópoles: todos esses elementos favorecem a consolidação desse fenômeno. No Brasil, com base nos resultados do Censo de 2000, tínhamos 7,4 milhões de pessoas trabalhando ou estudando fora do município de residência. 
No último século a população brasileira multiplicou por dez: em 1900 residiam no Brasil cerca de 17 milhões de pessoas, no ano 2000 quase 170 milhões. Desde o primeiro recenseamento (1872) ocorreram várias mudanças no padrão da evolução demográfica brasileira. 
Até o início da década de 1930 o crescimento da população do Brasil contou com forte contribuição da imigração. A partir de 1934, com a adoção da "Lei de Cotas" que estabelecia limites à entrada de imigrantes, o aumento da população dependeu, principalmente, do crescimento vegetativo (cv), isto é, a diferença entre as taxas de natalidade e a de mortalidade expressa em % (por cem) ou %0 ( por mil) habitantes.
No entanto, foi depois da Segunda Guerra Mundial (1939-45) que o crescimento tornou-se acelerado, devido à diminuição das taxas de mortalidade. Isso é explicado por fatores como a expansão da rede de esgoto, acesso à água encanada, campanhas de vacinação em massa, acesso a medicamentos básicos, etc. Entre 1940 a 1960 foi registrada a maior evolução das taxas de crescimento populacional, atingindo em 1960 a taxa de 2,9% a.a. (ao ano - ou 29%0 a.a.). Este período marcou a primeira fase de transição demográfica brasileira.
A partir da década de 1960, começou a ocorrer uma desaceleração demográfica contínua: a diminuição das taxas de natalidade passou a ser maior que a das taxas de mortalidade, registrando em 2000 um crescimento demográfico de 1,6% a.a., com tendência à queda. Essa mudança no padrão do crescimento populacional brasileiro mostra uma situação típica da segunda fase de transição demográfica.
Mudanças das taxas de fecundidade A razão fundamental da queda das taxas de crescimento populacional no Brasil foi a diminuição da taxa de fecundidade (média de número de filhos por mulher em idade de procriar, entre 15 a 49 anos), que caiu de 6,3 filhos, em 1960, para 2,0 filhos, em 2006, o que significa que as famílias brasileiras estão diminuindo.
Crescimento populacional e estrutura etária Nos países desenvolvidos, a estrutura etária é caracterizada pela presença marcante da população adulta e de uma porcentagem expressiva de idosos, conseqüência do baixo crescimento vegetativo e da elevada expectativa de vida. Essa situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no sistema previdenciário em diversos países do mundo, já que o envelhecimento da população obriga o Estado a destinar boa parte de seus recursos econômicos para a aposentadoria.
Nos países subdesenvolvidos os jovens superam os adultos e os idosos, conseqüência do alto crescimento vegetativo e da baixa expectativa de vida. Essa situação coloca os países subdesenvolvidos numa situação de desvantagem, particularmente os pobres que possuem famílias mais numerosas: sustentar um número maior de filhos limita as possibilidades do Estado e da família em oferecer uma formação de boa qualidade, coloca a criança no mercado de trabalho e reproduz o círculo vicioso da pobreza e da miséria ao dificultar a possibilidade de ascensão social futura.
Pirâmides etárias A pirâmides etárias são representações gráficas da população classificada por sexo e idade. No eixo vertical (y) estão indicadas as diversas faixas etárias, enquanto que no eixo horizontal (x) está indicada a quantidade de população: as barras da esquerda representam a população masculina e as barras da direita representam a população feminina. Observe duas pirâmides etárias correspondentes a dois países que apresentam um perfil sócio-econômico bastante diferente. 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

América Latina
América LatinaAmérica Latina
América LatinaFURG
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º anoSimone Aguiar
 
Geografia geopolitica mundial atual
Geografia   geopolitica mundial atualGeografia   geopolitica mundial atual
Geografia geopolitica mundial atualGustavo Soares
 
A nova china
A nova chinaA nova china
A nova chinaProfessor
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da PopulaçãoEduardo Mendes
 
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentesPaíses Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentesCintia Cristina Souza Pereira
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)profacacio
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Camila Brito
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRODANUBIA ZANOTELLI
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilguiodrumond
 
Europa sociedade
Europa   sociedadeEuropa   sociedade
Europa sociedadeProfessor
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialMarco Santos
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicosArtur Lara
 

Mais procurados (20)

AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
América Latina
América LatinaAmérica Latina
América Latina
 
Revisão de geografia europa - 9º ano
Revisão de geografia   europa - 9º anoRevisão de geografia   europa - 9º ano
Revisão de geografia europa - 9º ano
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
Geografia geopolitica mundial atual
Geografia   geopolitica mundial atualGeografia   geopolitica mundial atual
Geografia geopolitica mundial atual
 
A nova china
A nova chinaA nova china
A nova china
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentesPaíses Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
Países Desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes
 
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
Cap. 3 - População brasileira (7º ano)
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
 
Geopolítica e ordens mundiais I
Geopolítica e ordens mundiais IGeopolítica e ordens mundiais I
Geopolítica e ordens mundiais I
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
 
BRICS
BRICSBRICS
BRICS
 
Localização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasilLocalização geográfica do brasil
Localização geográfica do brasil
 
Europa sociedade
Europa   sociedadeEuropa   sociedade
Europa sociedade
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 

Destaque

Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)terceirob
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileiraamaroviana
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoroseni
 
Populacao Brasileira
Populacao BrasileiraPopulacao Brasileira
Populacao Brasileiramartallbo
 
2ano populaçao brasil
2ano populaçao brasil2ano populaçao brasil
2ano populaçao brasilCarla Matos
 
População brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da populaçãoPopulação brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da populaçãoRodrigo Baglini
 
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕESPOPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕESAlice Barros
 
Migrações internas e emigração
Migrações internas e emigraçãoMigrações internas e emigração
Migrações internas e emigraçãodiariohistoria
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilCarson Souza
 
População brasil
População brasilPopulação brasil
População brasilisraelfrois
 
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula 4 população brasileira
Aula 4   população brasileiraAula 4   população brasileira
Aula 4 população brasileiralaramaldita
 

Destaque (20)

Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
A população brasileira
A população brasileiraA população brasileira
A população brasileira
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
 
Populacao Brasileira
Populacao BrasileiraPopulacao Brasileira
Populacao Brasileira
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
2ano populaçao brasil
2ano populaçao brasil2ano populaçao brasil
2ano populaçao brasil
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
População brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da populaçãoPopulação brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da população
 
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕESPOPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Mod05 demografia
Mod05 demografiaMod05 demografia
Mod05 demografia
 
Migrações internas e emigração
Migrações internas e emigraçãoMigrações internas e emigração
Migrações internas e emigração
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
 
População brasil
População brasilPopulação brasil
População brasil
 
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
Modulo 15 - População brasileira: estudo de caso (Apostila Sistema Anglo)
 
Aula 4 população brasileira
Aula 4   população brasileiraAula 4   população brasileira
Aula 4 população brasileira
 

Semelhante a População brasileira

População e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptxPopulação e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptxKelvin Sousa
 
A dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptA dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptJaneteMaura1
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoDébora Sales
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoDébora Sales
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoNilberte Correia
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularArtur Lara
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil populaçãoAlexandre Alves
 
Cópia de população
Cópia de populaçãoCópia de população
Cópia de populaçãoCOSMO ALVES
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraPedro Neves
 
Cap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca TrabalhoCap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca TrabalhoDavi Carvalho
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Carson Souza
 
Geografia: a população brasileira
Geografia: a população brasileiraGeografia: a população brasileira
Geografia: a população brasileiraDorinha Matias
 

Semelhante a População brasileira (20)

População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
 
População e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptxPopulação e aspectos sociais demográficos.pptx
População e aspectos sociais demográficos.pptx
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 
A dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptA dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.ppt
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No Mundo
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de população
 
7º ano (caps.5)
7º ano (caps.5)7º ano (caps.5)
7º ano (caps.5)
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
 
Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
 
Cópia de população
Cópia de populaçãoCópia de população
Cópia de população
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Cap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca TrabalhoCap2 Oferta Forca Trabalho
Cap2 Oferta Forca Trabalho
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
 
Geografia: a população brasileira
Geografia: a população brasileiraGeografia: a população brasileira
Geografia: a população brasileira
 

Mais de Bruna Azevedo

Introdução a geopolitica
Introdução a geopoliticaIntrodução a geopolitica
Introdução a geopoliticaBruna Azevedo
 
Atualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos InternacionaisAtualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos InternacionaisBruna Azevedo
 
Atualidade meio ambiente
Atualidade meio ambienteAtualidade meio ambiente
Atualidade meio ambienteBruna Azevedo
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilBruna Azevedo
 
A natureza brasileira - GEO PM 2011
A natureza brasileira - GEO PM 2011A natureza brasileira - GEO PM 2011
A natureza brasileira - GEO PM 2011Bruna Azevedo
 
Atualidade sobre política brasileira
Atualidade sobre política brasileiraAtualidade sobre política brasileira
Atualidade sobre política brasileiraBruna Azevedo
 
Brasil, panorama geral
Brasil, panorama geralBrasil, panorama geral
Brasil, panorama geralBruna Azevedo
 

Mais de Bruna Azevedo (9)

Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Introdução a geopolitica
Introdução a geopoliticaIntrodução a geopolitica
Introdução a geopolitica
 
Atualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos InternacionaisAtualidade Conflitos Internacionais
Atualidade Conflitos Internacionais
 
Atualidade meio ambiente
Atualidade meio ambienteAtualidade meio ambiente
Atualidade meio ambiente
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
A natureza brasileira - GEO PM 2011
A natureza brasileira - GEO PM 2011A natureza brasileira - GEO PM 2011
A natureza brasileira - GEO PM 2011
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Atualidade sobre política brasileira
Atualidade sobre política brasileiraAtualidade sobre política brasileira
Atualidade sobre política brasileira
 
Brasil, panorama geral
Brasil, panorama geralBrasil, panorama geral
Brasil, panorama geral
 

População brasileira

  • 1. Profª Bruna azevedo População Brasileira
  • 2. Conceitos básicos População Absoluta  é o total de habitantes de um certo lugar   a China possui a maior população absoluta entre os países do mundo, com aproximadamente 1 bilhão e 300 milhões de habitantes. Ou seja, de cada cinco habitantes do planeta Terra, um é chinês (cerca de 20% dos 6,5 bilhões de habitantes do planeta). Populoso é o país que apresenta grande população absoluta. 
  • 3. O Brasil é o quinto país mais populoso do mundo. Dentro dele, os Estados mais populosos, são
  • 4. População relativa ou densidade demográfica é o total de habitantes dividido pela área que ocupam ou é a média da distribuição da população total pelo território. 190.000.000 8.547.000 km² = 22.2 Podemos concluir que o Brasil possui uma baixa densidade demográfica, pois está muito abaixo da média mundial. Portanto o Brasil é um país populoso e pouco povoado; isto é, possui uma grande população absoluta, mas uma baixa densidade demográfica. 
  • 5. Mortalidade Infantil Embora ainda seja alto, o índice de mortalidade infantil diminui a cada ano no Brasil. Em 1995, a taxa de mortalidade infantil era de 66 por mil. Em 2005, este índice caiu para 25,8 por mil. Para termos uma base de comparação, em países desenvolvidos a taxa de mortalidade infantil é de, aproximadamente, 5 por mil. 
  • 6. Etnias no Brasil Pardos: 42,6%Brancos: 49,7%Negros: 6,9%Indígenas: 0,3%Amarelos: 0,5% Desde o início da colonização do Brasil a miscigenação foi intensa. A maioria dos colonizadores portugueses que vieram ao Brasil eram homens, que mantinham relações com índias ou escravas negras. As mulheres brancas só vieram mais tarde, principalmente a partir da segunda metade do século 19, com a imigração européia e japonesa. 
  • 7. O estímulo à imigração e a maior qualificação profissional dos imigrantes significou a exclusão do negro e do mestiço do mercado de trabalho brasileiro.No começo do século 20, cerca de 90% dos operários da indústria paulista eram imigrantes de origem européia. Eles formavam a maioria dos trabalhadores do comércio, dos serviços de transporte, das empresas de energia e dos correios e telégrafos.
  • 8. Onde trabalhavam os negros e os mestiços? Em serviços domésticos, limpeza pública, "bicos" e em uma gama de atividades que não eram disputadas por não oferecerem nenhuma perspectiva de ascensão social.Muitos negros e mestiços continuaram nas lavouras, trabalhando sem salários, em troca de alimentação e abrigo. Outros foram simplesmente excluídos da vida econômica e social. Viviam de esmola ou encontravam alguma saída na marginalidade: jogo do bicho, furtos e prostituição.
  • 9. Distribuição da população Usamos a expressão "distribuição da população" para designar a maneira pela qual a população de certo lugar está distribuída em seu território. No caso do Brasil, a distribuição populacional é bastante irregular, havendo concentração da população nas zonas litorâneas, especialmente no Sudeste e na Zona da Mata Nordestina - sendo que a região Sul também corresponde a um núcleo muito importante. Juntas, essas três regiões reúnem 82% da população, que se distribui em 36% do território brasileiro. Ocorre o contrário quando analisamos a densidade demográfica das regiões Norte e Centro-Oeste: ela pode chegar a ser inferior a 2 habitantes/km2, sendo que a área dessas duas regiões corresponde a 64% do território nacional.
  • 10.
  • 11. Migrações Há décadas prevalece no território brasileiro o deslocamento populacional do Nordeste para o Sudeste, sendo que esse fluxo migratório se dirige principalmente para o Estado de São Paulo.  A migração de nordestinos para São Paulo manteve-se em níveis semelhantes nos períodos de 1986-1991 e 1995-2000, verificando-se, inclusive, um aumento da participação relativa dos nordestinos no total de migrantes do estado: de 51,7%, entre 1986-1991, para 57,7%, entre 1995-2000.
  • 12. Apesar desses números, as correntes migratórias no Brasil estão se diversificando. Os movimentos populacionais estão mais intensos dentro do próprio estado ou da região de origem. Contribuem para isso: (a) a falta de oportunidades de emprego no Sudeste, o que causa o retorno de parte dos migrantes às regiões de onde vieram, e (b) o surgimento de novos pólos de desenvolvimento, o que atrai mão-de-obra de outras regiões.
  • 13. Segundo os números da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios) de 2006, realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 40% da população brasileira (ou 74.935 milhões) não vive no município onde nasceu. Além disso, 16% (ou 29.892 milhões) da população não é natural do estado em que reside.  A região com mais migrantes é o Centro-Oeste, onde 35,8% da população é proveniente de outros estados. A região Nordeste é a que apresenta menor número de migrantes, com 7,6% da população originária de outras unidades da federação
  • 14. De acordo com os dados do IBGE, os deslocamentos populacionais no Brasil, no período 1995/2000, totalizaram 5.196.093 pessoas, cifra que é 3,7% superior aos 5.012.251 observados entre 1986/1991. Cerca de 65% desse total é composto por deslocamentos ocorridos entre as regiões brasileiras (migração inter-regional) e 35% no interior destas regiões (migração intra-regional).
  • 15. Quando se considera esse número total de migrantes, constata-se que o Sudeste ainda é o destino preferido dos brasileiros (1.404.873) A região Centro-Oeste, embora tenha registrado uma variação negativa da imigração em apenas 0,3%, apresentou um aumento da emigração de quase 8%. Já as regiões Nordeste e Sul apresentaram comportamentos diferentes das demais regiões, principalmente o Sul, onde se registrou um aumento de quase 16% dos fluxos imigratórios, juntamente com uma redução de 25,7% do volume de emigrantes. 
  • 16. Com relação à região Nordeste, observou-se um crescimento expressivo do fluxo de imigrantes (a maioria proveniente do Sudeste), chegando a 35,5% no período de 1995/2000. Mas continua sendo a região que mais perde população para as demais.
  • 17. Deslocamentos pendulares o aparecimento de conglomerados de cidades deu origem a um novo tipo de movimento migratório: um movimento diário, que podemos chamar de deslocamentos pendulares: pessoas que residem em um município e trabalham ou estudam em outro, deslocando-se diariamente. 
  • 18. Esses deslocamentos se ampliam e tornam-se mais complexos a cada dia, devido ao surgimento e à consolidação de novos pólos secundários de atração populacional. A incorporação de novas áreas residenciais, a busca por emprego ou serviços e a oferta de transportes mais eficientes em alguns pontos das metrópoles: todos esses elementos favorecem a consolidação desse fenômeno. No Brasil, com base nos resultados do Censo de 2000, tínhamos 7,4 milhões de pessoas trabalhando ou estudando fora do município de residência. 
  • 19. No último século a população brasileira multiplicou por dez: em 1900 residiam no Brasil cerca de 17 milhões de pessoas, no ano 2000 quase 170 milhões. Desde o primeiro recenseamento (1872) ocorreram várias mudanças no padrão da evolução demográfica brasileira. 
  • 20. Até o início da década de 1930 o crescimento da população do Brasil contou com forte contribuição da imigração. A partir de 1934, com a adoção da "Lei de Cotas" que estabelecia limites à entrada de imigrantes, o aumento da população dependeu, principalmente, do crescimento vegetativo (cv), isto é, a diferença entre as taxas de natalidade e a de mortalidade expressa em % (por cem) ou %0 ( por mil) habitantes.
  • 21. No entanto, foi depois da Segunda Guerra Mundial (1939-45) que o crescimento tornou-se acelerado, devido à diminuição das taxas de mortalidade. Isso é explicado por fatores como a expansão da rede de esgoto, acesso à água encanada, campanhas de vacinação em massa, acesso a medicamentos básicos, etc. Entre 1940 a 1960 foi registrada a maior evolução das taxas de crescimento populacional, atingindo em 1960 a taxa de 2,9% a.a. (ao ano - ou 29%0 a.a.). Este período marcou a primeira fase de transição demográfica brasileira.
  • 22. A partir da década de 1960, começou a ocorrer uma desaceleração demográfica contínua: a diminuição das taxas de natalidade passou a ser maior que a das taxas de mortalidade, registrando em 2000 um crescimento demográfico de 1,6% a.a., com tendência à queda. Essa mudança no padrão do crescimento populacional brasileiro mostra uma situação típica da segunda fase de transição demográfica.
  • 23. Mudanças das taxas de fecundidade A razão fundamental da queda das taxas de crescimento populacional no Brasil foi a diminuição da taxa de fecundidade (média de número de filhos por mulher em idade de procriar, entre 15 a 49 anos), que caiu de 6,3 filhos, em 1960, para 2,0 filhos, em 2006, o que significa que as famílias brasileiras estão diminuindo.
  • 24. Crescimento populacional e estrutura etária Nos países desenvolvidos, a estrutura etária é caracterizada pela presença marcante da população adulta e de uma porcentagem expressiva de idosos, conseqüência do baixo crescimento vegetativo e da elevada expectativa de vida. Essa situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no sistema previdenciário em diversos países do mundo, já que o envelhecimento da população obriga o Estado a destinar boa parte de seus recursos econômicos para a aposentadoria.
  • 25. Nos países subdesenvolvidos os jovens superam os adultos e os idosos, conseqüência do alto crescimento vegetativo e da baixa expectativa de vida. Essa situação coloca os países subdesenvolvidos numa situação de desvantagem, particularmente os pobres que possuem famílias mais numerosas: sustentar um número maior de filhos limita as possibilidades do Estado e da família em oferecer uma formação de boa qualidade, coloca a criança no mercado de trabalho e reproduz o círculo vicioso da pobreza e da miséria ao dificultar a possibilidade de ascensão social futura.
  • 26. Pirâmides etárias A pirâmides etárias são representações gráficas da população classificada por sexo e idade. No eixo vertical (y) estão indicadas as diversas faixas etárias, enquanto que no eixo horizontal (x) está indicada a quantidade de população: as barras da esquerda representam a população masculina e as barras da direita representam a população feminina. Observe duas pirâmides etárias correspondentes a dois países que apresentam um perfil sócio-econômico bastante diferente.