SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Pathological Grief: Diagnosis and Explanation Docente:  Professor António Barbosa Discentes: Isabel Almeida, nº 8841 Lúcia Pereira, nº 8590 Maria Dias, nº 8583 Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa Ano Lectivo 2011-2012 – U.C. Processo de Luto
PLANO DO TRABALHO  : ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
INTRODUÇÃO: ,[object Object],[object Object]
OBJECTIVO DO ESTUDO
HIPÓTESE  APRESENTADA: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Luto
Como considerar o diagnóstico de luto patológico?
TRANSTORNO DE STRESS PÓS-TRAUMÁTICO ,[object Object],[object Object]
Fases de resposta após acontecimentos causadores de Stress: Acontecimento Clamor Negação Intrusão Elaboração Conclusão
Tabela 1 – Luto normal Vs. Luto patológico Fases de reacção Resposta Normal Intensificação Patológica Clamor Clamor das emoções com noticias da morte e viragem para os outros em busca de ajuda ou isolamento do self em auto-socorro. Pânico, reacções dissociativas, psicoses reactivas. Negação Evitamento de recordações, retiro social, foco noutros aspectos. Embotamento emocional sem pensar nas implicações para o self de certos temas. Evitamentos não adaptativos confrontando as implicações da morte. Abuso de álcool ou drogas, promiscuidade, estados de fuga, evitação fóbica, sentir-se morto ou irreal. Intrusão Experiências intrusivas incluindo recordação de experiências relacionais negativas com o falecido, pesadelos, concentração reduzida. Inundação com imagens e emoções negativas, terrores nocturnos, pesadelos recorrentes, ansiedade, desespero, vergonha ou culpa, exaustão fisiológica devido a excessiva activação. Elaboração Recordação do falecido e contemplações do self com reduzida intrusão de memórias e fantasias. Aceitação racional acrescida, embotamento e evitação reduzidos. Doses mais elevadas de recordações e um sentido de elaboração. Sentido de que impossibilidade de integrar a morte com a continuidade da própria vida. Ansiedade, raiva, vergonha ou culpa, sindromas psicofisiológicos. Conclusão Redução nas mudanças emocionais com um sentido de auto-coerência e aptidão para novas relações. Aptidão para experienciar estados mentais positivos. Falha do completar o luto pode estar associada com incapacidade para trabalhar, criar, sentir emoções ou estados de espírito positivo. Em casos extremos podem ocorrer ideias bizarras.
Como avaliar cada situação de resposta ao Stress? Análise sistemática e casuística de cada situação : Ausência de períodos de dormência e de intrusões na resposta ao stress Dormência e intrusão em simultâneo, sem que ocorram em sequência. Ou
Em que circunstâncias pode ocorrer pedido de ajuda profissional? Pedido de ajuda profissional pode advir de:
Tabela 2 - Respostas normais Vs. Respostas patológicas ao stress  Tempo Resposta Resiliente Resposta normal ao Stress Resposta patológica ao Stress Antes do acontecimento Equilíbrio Equilíbrio Equilíbrio ou turbulência pré-acontecimento. Durante o acontecimento Perturbação emocional Clamor Clamor intenso ou prolongado Depois do acontecimento Equilíbrio Fase de Negação Negação excessiva e prolongada, repressão, dissociação. Fase da Intrusão Intrusão excessiva e prolongada. Combinação de negação e intrusão. Uma fase de elaboração com negação reduzida e equilíbrio da intrusão. Combinação da negação e intrusão sem redução ao longo do tempo. Re-esquematização num equilíbrio patológico (e.g. distorção de carácter).
Explicação da tabela 2
Respostas patológicas ao Stress: Formas possíveis para respostas ao Stress: Perturbações Psicológicas Estados prolongados com inibições que reduzem expressões mentais impedindo processamento de acontecimentos geradores de Stress Ideias intrusivas e sentimentos ou omissões de ideias “ Pontadas de emoção” – têm componentes sensoriais físicos resultantes do aumento de activação autonómica do sistema nervoso.
Luto não resolvido Vs. Hormonas do Stress ,[object Object],[object Object],[object Object]
O que influencia a resposta ao Stress?
Resposta ao Stress Vs. Características Personalitárias Personalidade ,[object Object],[object Object]
Factores de Personalidade – repercussões no processo de luto: ,[object Object],LUTO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Esquemas  do individuo Generalizam, organizam e retêm uma grande quantidade de informação sobre os papéis relativos e os atributos do self e dos outros Estes esquemas são necessários ao processo de luto ( esquemas de relacionamento com o falecido) , sendo necessário modificá-los ou re-esquematizá-los para que se possa continuar a viver com entusiasmo e sentido, apesar da perda e do período de transição dolorosa. «Os laços de vinculação não são “esquecidos”; a relação mantêm-se viva na mente, mas os procedimentos habituais da vivência são modificados de acordo com as novas realidades e mesmo novas oportunidades através do processo de re-esquematização»
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Esforços adoptados pelo individuo no sentido de tentar afastar essas emoções fortes
Modelação de uma mudança de estado de calma para alarme Self Outro Reciprocidade Self Outro Necessidade Ajuda Self Outro Self Outro Reciprocidade Reciprocidade Eventos Relações Comuns com o Outro Notícias da Morte do Outro Modelo Actual de Trabalho Relacional     Esquema Duradouro de Relação     Acordo de Esquemas de Trabalho e Esquemas Duradouros Correspondência Não Correspondência Sistemas Emocionais Equilíbrio Taxa de Alarme de Excitação Estados de Espírito Calma Clamor Receoso
Esquemas Pessoais e Emoções inerentes ao luto ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Processo de re-esquematização Psicológica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Revisão de representações esquemáticas no luto: ,[object Object],[object Object],Consistentes com esta hipótese são sentimentos ambivalentes em relação ao falecido (e.g. dependência psicológica, culpa, raiva)  são citados como factores importantes na reacção de luto patológico. ,[object Object],[object Object],Autores do artigo  propõem que reconciliação de representações não resolvidas ou conflituosas com o falecido serão mais difíceis para indivíduos que habitualmente evitam tópicos dolorosos e pensamentos contrários a emoções que sentem alarmantes e dificilmente controláveis.
Redução dos Estados de Alarme com o desenvolvimento de esquemas dos outros como “perdidos” Self Outro Ausente Necessidade Self Outro Ausente Necessidade Self Outro Self Outro Ausente Reciprocidade Necessidade Eventos Situações Vazias Situações Vazias Modelo Actual de Trabalho Relacional     Esquema Duradouro de Relação     Acordo de Esquemas de Trabalho e Esquemas Duradouros Não Correspondência Correspondência Sistemas Emocionais Taxa de Alarme de excitação Equilíbrio Estados de Espírito Tristeza Agitada Tristeza Pungente ou Resignação
Ansiedade e Evitação Cognitiva ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Estilos de Personalidade Evitante ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Processos de atenção e controlo  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Luto bem  sucedido Regulação: modelar a emoção Situação Externa Estruturas e Processos Experiências Conscientes Modelo de funcionamento interno da situação externa, correspondente aos esquemas de si e do (s) outro (s). Modelo de trabalho interno de uma nova situação externa, não corresponde ao esquema do “self” e do outro (s). Reavaliação da situação para revisão de esquemas. Reportório de esquemas do “self” e do (s) outro (s) modificado, correspondendo a uma nova situação externa e novas oportunidades. . Bem-estar Alarmes emocionais Esforços emotivos e relacionais para a restauração; tentativa e prática de novos comportamentos e reconhecimentos; possível turbulência que requer resistência e esperança. Bem-estar (conclusão do luto normal) Perda Suportes Pressões
Luto mal  sucedido Controlo Excessivo: Evitar estados emocionais desorientados Situação Externa Estruturas e Processos Experiências Conscientes Modelos de funcionamento interno de situações externas são instáveis devido a esquemas contraditórios. Modelo de funcionamento interno da nova situação externa, não corresponde ao esquema de si e dos outros; activação de esquemas latentes contraditórios. Processamento de informação inibido ou distorcido impede reavaliações de situações e modificação de esquemas. Reportório de esquemas permanece contraditório e não corresponde à situação externa e novas oportunidades. Abordagem de evitar dilemas, problemas no relacionamento e contusões ou contradições nos sentimentos. Alarmes emocionais, humor grave, estados congelados. Repetições compulsivas e reconhecimento emocional negativo de que os comportamentos são inapropriados, excesso de indiferença ou inundação de emoções. Dilemas mais graves, sintomas, problemas ou evitações extremas (luto patológico). Perda Suportes Pressões
Di agnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Perdas susceptíveis de acontecer a todos
Diagnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Intrusão Negação
Diagnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Adaptação Disfuncional
Diagnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diagnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],A componente mal adaptativa deste fenómeno é a incapacidade de tomar decisões de acordo com a realidade, no aqui e agora, dando origem, muitas vezes, a sentimentos de culpa, vergonha ou tristeza.
Diagnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diagnóstico de Luto Patológico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diagnóstico Diferencial ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Estudo em curso:
Diagnóstico Diferencial ,[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.pptEMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
 
Tratamento do transtorno do pânico
Tratamento do transtorno do pânicoTratamento do transtorno do pânico
Tratamento do transtorno do pânico
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 
TRANSTORNO BIPOLAR
TRANSTORNO BIPOLARTRANSTORNO BIPOLAR
TRANSTORNO BIPOLAR
 
Transtorno de personalidade borderline
Transtorno de personalidade borderlineTranstorno de personalidade borderline
Transtorno de personalidade borderline
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
 
Como Fazer o Diagnóstico de Transtorno de Personalidade Borderline?
Como Fazer o Diagnóstico de Transtorno de Personalidade Borderline?Como Fazer o Diagnóstico de Transtorno de Personalidade Borderline?
Como Fazer o Diagnóstico de Transtorno de Personalidade Borderline?
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Trabalho suicidio.
Trabalho suicidio.Trabalho suicidio.
Trabalho suicidio.
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Emergências Psiquiátricas
Emergências PsiquiátricasEmergências Psiquiátricas
Emergências Psiquiátricas
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Transtornos.pptx
Transtornos.pptxTranstornos.pptx
Transtornos.pptx
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
 

Destaque

A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerEliane Santos
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Daniela Azevedo
 
ApresentaçãO Morte
ApresentaçãO MorteApresentaçãO Morte
ApresentaçãO Morteguestb58853
 
Sobre A Morte E O Morrer
Sobre A Morte E O MorrerSobre A Morte E O Morrer
Sobre A Morte E O Morrerkack
 
Morte e luto
Morte e lutoMorte e luto
Morte e lutonu9000
 

Destaque (9)

Orientaçã..
Orientaçã..Orientaçã..
Orientaçã..
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
SOBRE A MORTE E O MORRER
SOBRE A MORTE E O MORRERSOBRE A MORTE E O MORRER
SOBRE A MORTE E O MORRER
 
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e LutoInstituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
 
Luto normal
Luto normalLuto normal
Luto normal
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
 
ApresentaçãO Morte
ApresentaçãO MorteApresentaçãO Morte
ApresentaçãO Morte
 
Sobre A Morte E O Morrer
Sobre A Morte E O MorrerSobre A Morte E O Morrer
Sobre A Morte E O Morrer
 
Morte e luto
Morte e lutoMorte e luto
Morte e luto
 

Semelhante a Pathological Grief; luto complicado

SOBRE AS NEUROSES.pdf
SOBRE AS NEUROSES.pdfSOBRE AS NEUROSES.pdf
SOBRE AS NEUROSES.pdfssuser6647d3
 
41 autoimagem e resiliência no tratamento oncológico
41   autoimagem e resiliência no tratamento oncológico41   autoimagem e resiliência no tratamento oncológico
41 autoimagem e resiliência no tratamento oncológicoONCOcare
 
Desenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da Depressão
Desenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da DepressãoDesenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da Depressão
Desenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da DepressãoFelipe de Souza
 
Aspectos psicologicos em doencas ocupacionais
Aspectos psicologicos em doencas ocupacionaisAspectos psicologicos em doencas ocupacionais
Aspectos psicologicos em doencas ocupacionaisColégio Elisa Andreoli
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSilviaLouro2
 
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamentalResumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamentalCarina Fonseca
 
O manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdf
O manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdfO manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdf
O manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdfProfCesarPinheiro
 
Regulação emocional
Regulação emocionalRegulação emocional
Regulação emocionalElisa Tinoco
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)Ricardo Akerman
 
Somatoformes
SomatoformesSomatoformes
SomatoformesAna Lopes
 
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581-   Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581-   Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de SaúdeNome Sobrenome
 
UFCD - 6581 - Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581 - Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581 - Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581 - Stress em Profissionais de SaúdeNome Sobrenome
 
Seminario saude mental
Seminario saude mentalSeminario saude mental
Seminario saude mentalmorganal13
 
O modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - LippO modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - LippGitana Torres
 

Semelhante a Pathological Grief; luto complicado (20)

SOBRE AS NEUROSES.pdf
SOBRE AS NEUROSES.pdfSOBRE AS NEUROSES.pdf
SOBRE AS NEUROSES.pdf
 
AULA ESPECIAL.pdf
AULA ESPECIAL.pdfAULA ESPECIAL.pdf
AULA ESPECIAL.pdf
 
41 autoimagem e resiliência no tratamento oncológico
41   autoimagem e resiliência no tratamento oncológico41   autoimagem e resiliência no tratamento oncológico
41 autoimagem e resiliência no tratamento oncológico
 
Desenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da Depressão
Desenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da DepressãoDesenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da Depressão
Desenvolvimento da depressão - Curso Psicologia da Depressão
 
Aspectos psicologicos em doencas ocupacionais
Aspectos psicologicos em doencas ocupacionaisAspectos psicologicos em doencas ocupacionais
Aspectos psicologicos em doencas ocupacionais
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
 
Como lidar estresse_cronico_enfermagem_enaf
Como lidar estresse_cronico_enfermagem_enafComo lidar estresse_cronico_enfermagem_enaf
Como lidar estresse_cronico_enfermagem_enaf
 
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamentalResumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedade
 
Trabalho de rtn
Trabalho de rtnTrabalho de rtn
Trabalho de rtn
 
O manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdf
O manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdfO manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdf
O manejo do TEPT na criança. adolescente e adulto.pdf
 
Regulação emocional
Regulação emocionalRegulação emocional
Regulação emocional
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
 
Somatoformes
SomatoformesSomatoformes
Somatoformes
 
Panico
PanicoPanico
Panico
 
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581-   Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581-   Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581- Stress em Profissionais de Saúde
 
UFCD - 6581 - Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581 - Stress em Profissionais de SaúdeUFCD - 6581 - Stress em Profissionais de Saúde
UFCD - 6581 - Stress em Profissionais de Saúde
 
Seminario saude mental
Seminario saude mentalSeminario saude mental
Seminario saude mental
 
O modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - LippO modelo quadrifasico do stress - Lipp
O modelo quadrifasico do stress - Lipp
 
Transtornos de ansiedade e estresse | Espaço Holos
Transtornos de ansiedade e estresse | Espaço HolosTranstornos de ansiedade e estresse | Espaço Holos
Transtornos de ansiedade e estresse | Espaço Holos
 

Mais de Isabel Alexandra

rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptxrapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptxIsabel Alexandra
 
Estudo do Meio - 2º ano - ficha 2
Estudo do Meio - 2º ano -   ficha 2Estudo do Meio - 2º ano -   ficha 2
Estudo do Meio - 2º ano - ficha 2Isabel Alexandra
 
Distribuição da água e sua importância para os seres vivos
Distribuição da água e sua importância para os seres vivosDistribuição da água e sua importância para os seres vivos
Distribuição da água e sua importância para os seres vivosIsabel Alexandra
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teóricaIsabel Alexandra
 
Hist 9 ficha 1 colonialismo
Hist 9 ficha 1 colonialismoHist 9 ficha 1 colonialismo
Hist 9 ficha 1 colonialismoIsabel Alexandra
 

Mais de Isabel Alexandra (11)

rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptxrapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
 
Estudo do Meio - 2º ano - ficha 2
Estudo do Meio - 2º ano -   ficha 2Estudo do Meio - 2º ano -   ficha 2
Estudo do Meio - 2º ano - ficha 2
 
Cestpas (2)
Cestpas (2)Cestpas (2)
Cestpas (2)
 
Distribuição da água e sua importância para os seres vivos
Distribuição da água e sua importância para os seres vivosDistribuição da água e sua importância para os seres vivos
Distribuição da água e sua importância para os seres vivos
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
 
Ficha de leitura 4º ano
Ficha de leitura   4º anoFicha de leitura   4º ano
Ficha de leitura 4º ano
 
P si arte ii ppt final
P si arte ii ppt finalP si arte ii ppt final
P si arte ii ppt final
 
Passé composé 3
Passé composé 3Passé composé 3
Passé composé 3
 
Hist 9 ficha 1 colonialismo
Hist 9 ficha 1 colonialismoHist 9 ficha 1 colonialismo
Hist 9 ficha 1 colonialismo
 
Freud files
Freud filesFreud files
Freud files
 
Atençao-FPC
Atençao-FPCAtençao-FPC
Atençao-FPC
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 

Pathological Grief; luto complicado

  • 1. Pathological Grief: Diagnosis and Explanation Docente: Professor António Barbosa Discentes: Isabel Almeida, nº 8841 Lúcia Pereira, nº 8590 Maria Dias, nº 8583 Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa Ano Lectivo 2011-2012 – U.C. Processo de Luto
  • 2.
  • 3.
  • 5.
  • 7. Como considerar o diagnóstico de luto patológico?
  • 8.
  • 9. Fases de resposta após acontecimentos causadores de Stress: Acontecimento Clamor Negação Intrusão Elaboração Conclusão
  • 10. Tabela 1 – Luto normal Vs. Luto patológico Fases de reacção Resposta Normal Intensificação Patológica Clamor Clamor das emoções com noticias da morte e viragem para os outros em busca de ajuda ou isolamento do self em auto-socorro. Pânico, reacções dissociativas, psicoses reactivas. Negação Evitamento de recordações, retiro social, foco noutros aspectos. Embotamento emocional sem pensar nas implicações para o self de certos temas. Evitamentos não adaptativos confrontando as implicações da morte. Abuso de álcool ou drogas, promiscuidade, estados de fuga, evitação fóbica, sentir-se morto ou irreal. Intrusão Experiências intrusivas incluindo recordação de experiências relacionais negativas com o falecido, pesadelos, concentração reduzida. Inundação com imagens e emoções negativas, terrores nocturnos, pesadelos recorrentes, ansiedade, desespero, vergonha ou culpa, exaustão fisiológica devido a excessiva activação. Elaboração Recordação do falecido e contemplações do self com reduzida intrusão de memórias e fantasias. Aceitação racional acrescida, embotamento e evitação reduzidos. Doses mais elevadas de recordações e um sentido de elaboração. Sentido de que impossibilidade de integrar a morte com a continuidade da própria vida. Ansiedade, raiva, vergonha ou culpa, sindromas psicofisiológicos. Conclusão Redução nas mudanças emocionais com um sentido de auto-coerência e aptidão para novas relações. Aptidão para experienciar estados mentais positivos. Falha do completar o luto pode estar associada com incapacidade para trabalhar, criar, sentir emoções ou estados de espírito positivo. Em casos extremos podem ocorrer ideias bizarras.
  • 11. Como avaliar cada situação de resposta ao Stress? Análise sistemática e casuística de cada situação : Ausência de períodos de dormência e de intrusões na resposta ao stress Dormência e intrusão em simultâneo, sem que ocorram em sequência. Ou
  • 12. Em que circunstâncias pode ocorrer pedido de ajuda profissional? Pedido de ajuda profissional pode advir de:
  • 13. Tabela 2 - Respostas normais Vs. Respostas patológicas ao stress Tempo Resposta Resiliente Resposta normal ao Stress Resposta patológica ao Stress Antes do acontecimento Equilíbrio Equilíbrio Equilíbrio ou turbulência pré-acontecimento. Durante o acontecimento Perturbação emocional Clamor Clamor intenso ou prolongado Depois do acontecimento Equilíbrio Fase de Negação Negação excessiva e prolongada, repressão, dissociação. Fase da Intrusão Intrusão excessiva e prolongada. Combinação de negação e intrusão. Uma fase de elaboração com negação reduzida e equilíbrio da intrusão. Combinação da negação e intrusão sem redução ao longo do tempo. Re-esquematização num equilíbrio patológico (e.g. distorção de carácter).
  • 15. Respostas patológicas ao Stress: Formas possíveis para respostas ao Stress: Perturbações Psicológicas Estados prolongados com inibições que reduzem expressões mentais impedindo processamento de acontecimentos geradores de Stress Ideias intrusivas e sentimentos ou omissões de ideias “ Pontadas de emoção” – têm componentes sensoriais físicos resultantes do aumento de activação autonómica do sistema nervoso.
  • 16.
  • 17. O que influencia a resposta ao Stress?
  • 18.
  • 19.
  • 20. Esquemas do individuo Generalizam, organizam e retêm uma grande quantidade de informação sobre os papéis relativos e os atributos do self e dos outros Estes esquemas são necessários ao processo de luto ( esquemas de relacionamento com o falecido) , sendo necessário modificá-los ou re-esquematizá-los para que se possa continuar a viver com entusiasmo e sentido, apesar da perda e do período de transição dolorosa. «Os laços de vinculação não são “esquecidos”; a relação mantêm-se viva na mente, mas os procedimentos habituais da vivência são modificados de acordo com as novas realidades e mesmo novas oportunidades através do processo de re-esquematização»
  • 21.
  • 22. Modelação de uma mudança de estado de calma para alarme Self Outro Reciprocidade Self Outro Necessidade Ajuda Self Outro Self Outro Reciprocidade Reciprocidade Eventos Relações Comuns com o Outro Notícias da Morte do Outro Modelo Actual de Trabalho Relacional     Esquema Duradouro de Relação     Acordo de Esquemas de Trabalho e Esquemas Duradouros Correspondência Não Correspondência Sistemas Emocionais Equilíbrio Taxa de Alarme de Excitação Estados de Espírito Calma Clamor Receoso
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Redução dos Estados de Alarme com o desenvolvimento de esquemas dos outros como “perdidos” Self Outro Ausente Necessidade Self Outro Ausente Necessidade Self Outro Self Outro Ausente Reciprocidade Necessidade Eventos Situações Vazias Situações Vazias Modelo Actual de Trabalho Relacional     Esquema Duradouro de Relação     Acordo de Esquemas de Trabalho e Esquemas Duradouros Não Correspondência Correspondência Sistemas Emocionais Taxa de Alarme de excitação Equilíbrio Estados de Espírito Tristeza Agitada Tristeza Pungente ou Resignação
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Luto bem sucedido Regulação: modelar a emoção Situação Externa Estruturas e Processos Experiências Conscientes Modelo de funcionamento interno da situação externa, correspondente aos esquemas de si e do (s) outro (s). Modelo de trabalho interno de uma nova situação externa, não corresponde ao esquema do “self” e do outro (s). Reavaliação da situação para revisão de esquemas. Reportório de esquemas do “self” e do (s) outro (s) modificado, correspondendo a uma nova situação externa e novas oportunidades. . Bem-estar Alarmes emocionais Esforços emotivos e relacionais para a restauração; tentativa e prática de novos comportamentos e reconhecimentos; possível turbulência que requer resistência e esperança. Bem-estar (conclusão do luto normal) Perda Suportes Pressões
  • 32. Luto mal sucedido Controlo Excessivo: Evitar estados emocionais desorientados Situação Externa Estruturas e Processos Experiências Conscientes Modelos de funcionamento interno de situações externas são instáveis devido a esquemas contraditórios. Modelo de funcionamento interno da nova situação externa, não corresponde ao esquema de si e dos outros; activação de esquemas latentes contraditórios. Processamento de informação inibido ou distorcido impede reavaliações de situações e modificação de esquemas. Reportório de esquemas permanece contraditório e não corresponde à situação externa e novas oportunidades. Abordagem de evitar dilemas, problemas no relacionamento e contusões ou contradições nos sentimentos. Alarmes emocionais, humor grave, estados congelados. Repetições compulsivas e reconhecimento emocional negativo de que os comportamentos são inapropriados, excesso de indiferença ou inundação de emoções. Dilemas mais graves, sintomas, problemas ou evitações extremas (luto patológico). Perda Suportes Pressões
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.

Notas do Editor

  1. -