SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS
GUIA DE ESTUDO
MÓDULO 3 – A ABERTURA EUROPEIA AO MUNDO – MUTAÇÕES NOS CONHECIMENTOS,
SENSIBILIDADES E VALORES NOS SÉCULOS XV E XVI

O alargamento do conhecimento sobre o mundo e as inovações científicotécnicas possibilitaram grandes progressos materiais e uma evolução na vida
sociocultural.
A fuga de sábios bizantinos para Itália, a imprensa de caracteres móveis e as
viagens dos humanistas, a divulgar as novas ideias por toda a Europa, constituíram
um marco decisivo para a modernidade. Da mesma forma, a empresa dos
Descobrimentos portugueses, tal como a descoberta da América, ajuda a libertar o
Homem do desconhecido e da autoridade dos antigos demonstrando a ideais erróneas
destes.
No campo social, destaca-se a ascensão da burguesia, que desorganizou o
sistema das ordens medievais e implantou um novo tipo de Homem.
No campo cultural, evidenciou-se o Humanismo, corrente que conciliou a
inspiração clássica com a consciência e aceitação da modernidade.
O Renascimento é um movimento cultural e artístico que se desenvolve ao
longo dos séculos XV e XVI, apoiado numa casta de nobres ou burgueses de algumas
cidades italianas e da Flandres, filhos do capitalismo comercial da época, que
partilhavam o seu amor pelas belas artes e rivalizavam uns com os outros no apoio
aos seus artistas preferidos. Os Medici e os próprios Papas tornaram os maiores
mecenas.
Assiste-se a um intenso período de produção cultural em que se escreve,
constrói, pinta e se esculpe tendo por base a inspiração greco-romana.
Nesta sociedade, o homem tem de estar requintadamente. Eles devem ser pessoas de
bem, cultas e dedicadas. O individualismo explica a ascensão de homens providos de
camadas sociais baixas, mas que devido às suas capacidades se impõem na sociedade
moderna. Estes homens são o exemplo da dissolução da condição social imposta pelo
nascimento. O nobre já não é aquele que tem linhagem e domina exclusivamente o
exercício das armas, o nobre é aquele que cultiva o espírito, que empreende acções
esplendorosas para sobressair face à multidão. Assim se compreende porque é o
Renascimento um movimento elitista.
Os homens do Renascimento desprezam a Idade Média, e valorizam a
Antiguidade Clássica mas, na verdade, e apesar do que os homens deste período
pensam sobre si próprios e sobre os que os precederam, não se verificaram rupturas,
vêem-se antes continuidades.
Os humanistas, letrados (escritores, filósofos e professores), laicos e
religiosos, desenvolveram para com o saber uma atitude nova de interpretação crítica,
procurando conciliar o pensamento racional e pragmático com a filosofia cristã.
O pensador dos séculos XV e XVI, o humanista, interpreta e comenta os
textos clássicos à luz da razão e do espírito crítico do seu tempo, consciente da
modernidade. O homem e a sua realização plena são o centro das suas preocupações.
Ao teocentrismo medieval, com a sua mórbida preocupação com Deus, com a morte,
com a salvação ou perdição das almas, contrapõem os humanistas a felicidade
individual, a realização total do homem na terra e não num hipotético além-túmulo
apesar deste antropocentrismo colocar o homem no centro do mundo, e de lhe
reconhecer capacidades quase ilimitadas de evolução individual e social, a maioria
dos humanistas não são ateus nem agnósticos. Criam uma nova consciência de Deus,
recusando o Deus castigador medieval.
Os humanistas procuravam a Antiguidade autêntica nos textos originais. A
busca de manuscritos de autores antigos pelas bibliotecas e mosteiros da Cristandade
daria conhecer as obras de muitos clássicos, então redescobertos, como Platão,
Aristóteles, Cícero, Tácito, Virgílio, etc. Os humanistas procuravam ler, traduzir,
comentar os textos clássicos, mas também imitá-los, recriá-los e divulgá-los. De
Itália, o Humanismo difundiu-se por toda a Europa. A produção literária fez-se quer
em latim quer nas línguas nacionais, contribuindo para o seu aperfeiçoamento. As
obras de Rabelais, Camões, Cervantes e Shakespeare contribuem para o
desenvolvimento das respectivas línguas e revelam as paixões e angústias da alma
humana e fazendo ecoar a modernidade.
O Humanista caracteriza-se pelo seu individualismo, espírito crítico e uso
sistemático da razão. Surgem homens que criticam a sociedade vigente e propõem
modelos sociais centrados no homem e na sua felicidade.
O Renascimento é, pois, uma época optimista, onde impera a alegria de viver,
pelo menos entre as elites. Há, pela primeira vez na era cristã, uma confiança nas
capacidades do homem, que se crêem ilimitadas. Liberto de omnipresença divina, o
homem é aquilo que quiser ser, aquilo que construir.
O optimismo ilimitado nas capacidades humanas e na boa natureza dos
homens está assim na raiz de muitos dos mitos modernos, como o de que todos os
homens são naturalmente bons, e de que é a sociedade que se encarrega de os
transformar. Estes ideais humanistas e utópicos fazem sentir a sua influência nas
sociedades ocidentais desde então – o mito do bom selvagem, adoptado por alguns
iluministas no século XVIII, continua a perpetuar-se na actualidade quando nos
referimos à inocência de alguns povos do mundo subdesenvolvido, por oposição a
uma sociedade predadora e corrupta. Esta maneira algo simplista de analisar a
sociedade é, de certa forma, uma permanência da utopia renascentista.
A valorização da experiência, da Razão, do progresso de descoberta do
Homem e do Mundo encontra-se patente nas obras dos humanistas europeus da época.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Complemento 1 - Sociologia
Complemento 1 - SociologiaComplemento 1 - Sociologia
Complemento 1 - SociologiaIsadora Salvari
 
filosofia da renascentista
filosofia da renascentista filosofia da renascentista
filosofia da renascentista Niane Pereira
 
Filosofia no renascimento
Filosofia no renascimentoFilosofia no renascimento
Filosofia no renascimentoJoão Silva
 
Nietzsche e a história
Nietzsche e a históriaNietzsche e a história
Nietzsche e a históriaFrei Ofm
 
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNTTrabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNTCamila Roberta Silva
 
Apresentação Renascimento Cultural
Apresentação  Renascimento  CulturalApresentação  Renascimento  Cultural
Apresentação Renascimento Culturalricardoheverton
 
Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)
Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)
Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)Alexandre Misturini
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesastcnsaidjv
 
Arte Literária 2) Humanismo
Arte Literária 2) HumanismoArte Literária 2) Humanismo
Arte Literária 2) HumanismoAna Luiza Panzera
 
Marx Deuses E ArtesãOs
Marx Deuses E ArtesãOsMarx Deuses E ArtesãOs
Marx Deuses E ArtesãOsFelix
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseauAlan
 
Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2Alt Bandeira
 

Mais procurados (20)

Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Complemento 1 - Sociologia
Complemento 1 - SociologiaComplemento 1 - Sociologia
Complemento 1 - Sociologia
 
filosofia da renascentista
filosofia da renascentista filosofia da renascentista
filosofia da renascentista
 
Filosofia no renascimento
Filosofia no renascimentoFilosofia no renascimento
Filosofia no renascimento
 
Nietzsche e a história
Nietzsche e a históriaNietzsche e a história
Nietzsche e a história
 
História
HistóriaHistória
História
 
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNTTrabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Apresentação Renascimento Cultural
Apresentação  Renascimento  CulturalApresentação  Renascimento  Cultural
Apresentação Renascimento Cultural
 
Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)
Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)
Idade moderna sara importante nao mexer sociologia (1)
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
Classes sociais
Classes sociaisClasses sociais
Classes sociais
 
Arte Literária 2) Humanismo
Arte Literária 2) HumanismoArte Literária 2) Humanismo
Arte Literária 2) Humanismo
 
Marx Deuses E ArtesãOs
Marx Deuses E ArtesãOsMarx Deuses E ArtesãOs
Marx Deuses E ArtesãOs
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
 
Friedrich nietzsche
Friedrich  nietzscheFriedrich  nietzsche
Friedrich nietzsche
 
1.globalizacao e direito (2)
1.globalizacao e direito (2)1.globalizacao e direito (2)
1.globalizacao e direito (2)
 
Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2Idade média hist e filos da educação 2
Idade média hist e filos da educação 2
 
Atividades Renascimento
Atividades   RenascimentoAtividades   Renascimento
Atividades Renascimento
 

Destaque

Prgrama de distancia
Prgrama de distanciaPrgrama de distancia
Prgrama de distanciaisraelp41
 
As 100 redes de franquias mais baratas do Brasil
As 100 redes de franquias mais baratas do BrasilAs 100 redes de franquias mais baratas do Brasil
As 100 redes de franquias mais baratas do BrasilONGestão
 
Gabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivoGabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivoIsaquel Silva
 
Gabarito seriado 3º 2º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º  2º dia.definitivoGabarito seriado 3º  2º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º 2º dia.definitivoIsaquel Silva
 
Recursos ssa 3 . dia 1
Recursos ssa 3 . dia 1Recursos ssa 3 . dia 1
Recursos ssa 3 . dia 1Isaquel Silva
 
Hino da horta 2013 2014
Hino da horta 2013 2014Hino da horta 2013 2014
Hino da horta 2013 2014mvaznunes
 
Apostila de recuperação Gebrim
Apostila de recuperação GebrimApostila de recuperação Gebrim
Apostila de recuperação Gebrimrafaelcef3
 
Nota à imprensa versão final - 19.11.13
Nota à imprensa   versão final - 19.11.13Nota à imprensa   versão final - 19.11.13
Nota à imprensa versão final - 19.11.13Hélio Júnior
 
Saia das dividas com a internet entrevista
Saia das dividas com a internet   entrevistaSaia das dividas com a internet   entrevista
Saia das dividas com a internet entrevistaElaine Cecília Gatto
 
Saia das dividas com a internet entrevista parte 2
Saia das dividas com a internet   entrevista parte 2Saia das dividas com a internet   entrevista parte 2
Saia das dividas com a internet entrevista parte 2Elaine Cecília Gatto
 
Artigo Automação de testes funcionais com Demoiselle Behave
Artigo Automação de testes funcionais com Demoiselle BehaveArtigo Automação de testes funcionais com Demoiselle Behave
Artigo Automação de testes funcionais com Demoiselle BehaveJulian Cesar
 
Agendamento 3 dialogos
Agendamento 3 dialogosAgendamento 3 dialogos
Agendamento 3 dialogosSilvia Sória
 
O cuidado com o natural
O cuidado com o naturalO cuidado com o natural
O cuidado com o naturalBio Fontes
 

Destaque (20)

Prgrama de distancia
Prgrama de distanciaPrgrama de distancia
Prgrama de distancia
 
As 100 redes de franquias mais baratas do Brasil
As 100 redes de franquias mais baratas do BrasilAs 100 redes de franquias mais baratas do Brasil
As 100 redes de franquias mais baratas do Brasil
 
239 008-035(2)
239 008-035(2)239 008-035(2)
239 008-035(2)
 
Postos de venda
Postos de vendaPostos de venda
Postos de venda
 
PAFO 07
PAFO 07PAFO 07
PAFO 07
 
Gabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivoGabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º ano 1º dia.definitivo
 
Gabarito seriado 3º 2º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º  2º dia.definitivoGabarito seriado 3º  2º dia.definitivo
Gabarito seriado 3º 2º dia.definitivo
 
Recursos ssa 3 . dia 1
Recursos ssa 3 . dia 1Recursos ssa 3 . dia 1
Recursos ssa 3 . dia 1
 
Hino da horta 2013 2014
Hino da horta 2013 2014Hino da horta 2013 2014
Hino da horta 2013 2014
 
Incendio
IncendioIncendio
Incendio
 
Apostila de recuperação Gebrim
Apostila de recuperação GebrimApostila de recuperação Gebrim
Apostila de recuperação Gebrim
 
Nota à imprensa versão final - 19.11.13
Nota à imprensa   versão final - 19.11.13Nota à imprensa   versão final - 19.11.13
Nota à imprensa versão final - 19.11.13
 
Cómo me autorregulo
Cómo me autorreguloCómo me autorregulo
Cómo me autorregulo
 
PAFO 08
PAFO 08PAFO 08
PAFO 08
 
Saia das dividas com a internet entrevista
Saia das dividas com a internet   entrevistaSaia das dividas com a internet   entrevista
Saia das dividas com a internet entrevista
 
Saia das dividas com a internet entrevista parte 2
Saia das dividas com a internet   entrevista parte 2Saia das dividas com a internet   entrevista parte 2
Saia das dividas com a internet entrevista parte 2
 
Artigo Automação de testes funcionais com Demoiselle Behave
Artigo Automação de testes funcionais com Demoiselle BehaveArtigo Automação de testes funcionais com Demoiselle Behave
Artigo Automação de testes funcionais com Demoiselle Behave
 
PAFO 11
PAFO 11PAFO 11
PAFO 11
 
Agendamento 3 dialogos
Agendamento 3 dialogosAgendamento 3 dialogos
Agendamento 3 dialogos
 
O cuidado com o natural
O cuidado com o naturalO cuidado com o natural
O cuidado com o natural
 

Semelhante a Guia de estudo Humanismo 1314

Trabalho do Renascimente
Trabalho do RenascimenteTrabalho do Renascimente
Trabalho do Renascimenterebeccabishop
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaJosPedroSilva11
 
Seminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneoSeminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneoGian Vargas
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento Alan
 
Sociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernasSociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernasDanilson Danny
 
Sociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernasSociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernasDanilson Danny
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...Silvana
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaSilvana
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Bruno Marques
 
O livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente que
O livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente queO livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente que
O livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente queandre barbosa
 
O Renascimento Cultural e Científico
O Renascimento Cultural e CientíficoO Renascimento Cultural e Científico
O Renascimento Cultural e CientíficoJoão Medeiros
 
Pesquisa antropologia
Pesquisa antropologiaPesquisa antropologia
Pesquisa antropologiaClaudia
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O RenascimentoJoão Lima
 

Semelhante a Guia de estudo Humanismo 1314 (20)

Trabalho do Renascimente
Trabalho do RenascimenteTrabalho do Renascimente
Trabalho do Renascimente
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
Seminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneoSeminario mundo contemporaneo
Seminario mundo contemporaneo
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2Filosofia clássica 2
Filosofia clássica 2
 
Sociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernasSociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernas
 
Sociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernasSociedades e culturas modernas
Sociedades e culturas modernas
 
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão  social. filo. filos...
Aulão.soc.ideologia e cultura. mudança e transforma ç ão social. filo. filos...
 
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e TecnologiaMudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
Mudanças e Transformações Sociais - Ciência e Tecnologia
 
Renascimento joão pedro - 20130802
Renascimento   joão pedro - 20130802Renascimento   joão pedro - 20130802
Renascimento joão pedro - 20130802
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
 
O livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente que
O livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente queO livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente que
O livro intitulado o mundo de sofia é um romance envolvente que
 
O Renascimento Cultural e Científico
O Renascimento Cultural e CientíficoO Renascimento Cultural e Científico
O Renascimento Cultural e Científico
 
A volta ao Mundo
A volta ao MundoA volta ao Mundo
A volta ao Mundo
 
Pesquisa antropologia
Pesquisa antropologiaPesquisa antropologia
Pesquisa antropologia
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
3 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp023 120731130823-phpapp02
3 120731130823-phpapp02
 
camoes
camoescamoes
camoes
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 

Último

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 

Último (20)

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 

Guia de estudo Humanismo 1314

  • 1. CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GUIA DE ESTUDO MÓDULO 3 – A ABERTURA EUROPEIA AO MUNDO – MUTAÇÕES NOS CONHECIMENTOS, SENSIBILIDADES E VALORES NOS SÉCULOS XV E XVI O alargamento do conhecimento sobre o mundo e as inovações científicotécnicas possibilitaram grandes progressos materiais e uma evolução na vida sociocultural. A fuga de sábios bizantinos para Itália, a imprensa de caracteres móveis e as viagens dos humanistas, a divulgar as novas ideias por toda a Europa, constituíram um marco decisivo para a modernidade. Da mesma forma, a empresa dos Descobrimentos portugueses, tal como a descoberta da América, ajuda a libertar o Homem do desconhecido e da autoridade dos antigos demonstrando a ideais erróneas destes. No campo social, destaca-se a ascensão da burguesia, que desorganizou o sistema das ordens medievais e implantou um novo tipo de Homem. No campo cultural, evidenciou-se o Humanismo, corrente que conciliou a inspiração clássica com a consciência e aceitação da modernidade. O Renascimento é um movimento cultural e artístico que se desenvolve ao longo dos séculos XV e XVI, apoiado numa casta de nobres ou burgueses de algumas cidades italianas e da Flandres, filhos do capitalismo comercial da época, que partilhavam o seu amor pelas belas artes e rivalizavam uns com os outros no apoio aos seus artistas preferidos. Os Medici e os próprios Papas tornaram os maiores mecenas. Assiste-se a um intenso período de produção cultural em que se escreve, constrói, pinta e se esculpe tendo por base a inspiração greco-romana. Nesta sociedade, o homem tem de estar requintadamente. Eles devem ser pessoas de bem, cultas e dedicadas. O individualismo explica a ascensão de homens providos de camadas sociais baixas, mas que devido às suas capacidades se impõem na sociedade moderna. Estes homens são o exemplo da dissolução da condição social imposta pelo nascimento. O nobre já não é aquele que tem linhagem e domina exclusivamente o exercício das armas, o nobre é aquele que cultiva o espírito, que empreende acções esplendorosas para sobressair face à multidão. Assim se compreende porque é o Renascimento um movimento elitista. Os homens do Renascimento desprezam a Idade Média, e valorizam a Antiguidade Clássica mas, na verdade, e apesar do que os homens deste período pensam sobre si próprios e sobre os que os precederam, não se verificaram rupturas, vêem-se antes continuidades. Os humanistas, letrados (escritores, filósofos e professores), laicos e religiosos, desenvolveram para com o saber uma atitude nova de interpretação crítica, procurando conciliar o pensamento racional e pragmático com a filosofia cristã. O pensador dos séculos XV e XVI, o humanista, interpreta e comenta os textos clássicos à luz da razão e do espírito crítico do seu tempo, consciente da modernidade. O homem e a sua realização plena são o centro das suas preocupações. Ao teocentrismo medieval, com a sua mórbida preocupação com Deus, com a morte, com a salvação ou perdição das almas, contrapõem os humanistas a felicidade individual, a realização total do homem na terra e não num hipotético além-túmulo apesar deste antropocentrismo colocar o homem no centro do mundo, e de lhe
  • 2. reconhecer capacidades quase ilimitadas de evolução individual e social, a maioria dos humanistas não são ateus nem agnósticos. Criam uma nova consciência de Deus, recusando o Deus castigador medieval. Os humanistas procuravam a Antiguidade autêntica nos textos originais. A busca de manuscritos de autores antigos pelas bibliotecas e mosteiros da Cristandade daria conhecer as obras de muitos clássicos, então redescobertos, como Platão, Aristóteles, Cícero, Tácito, Virgílio, etc. Os humanistas procuravam ler, traduzir, comentar os textos clássicos, mas também imitá-los, recriá-los e divulgá-los. De Itália, o Humanismo difundiu-se por toda a Europa. A produção literária fez-se quer em latim quer nas línguas nacionais, contribuindo para o seu aperfeiçoamento. As obras de Rabelais, Camões, Cervantes e Shakespeare contribuem para o desenvolvimento das respectivas línguas e revelam as paixões e angústias da alma humana e fazendo ecoar a modernidade. O Humanista caracteriza-se pelo seu individualismo, espírito crítico e uso sistemático da razão. Surgem homens que criticam a sociedade vigente e propõem modelos sociais centrados no homem e na sua felicidade. O Renascimento é, pois, uma época optimista, onde impera a alegria de viver, pelo menos entre as elites. Há, pela primeira vez na era cristã, uma confiança nas capacidades do homem, que se crêem ilimitadas. Liberto de omnipresença divina, o homem é aquilo que quiser ser, aquilo que construir. O optimismo ilimitado nas capacidades humanas e na boa natureza dos homens está assim na raiz de muitos dos mitos modernos, como o de que todos os homens são naturalmente bons, e de que é a sociedade que se encarrega de os transformar. Estes ideais humanistas e utópicos fazem sentir a sua influência nas sociedades ocidentais desde então – o mito do bom selvagem, adoptado por alguns iluministas no século XVIII, continua a perpetuar-se na actualidade quando nos referimos à inocência de alguns povos do mundo subdesenvolvido, por oposição a uma sociedade predadora e corrupta. Esta maneira algo simplista de analisar a sociedade é, de certa forma, uma permanência da utopia renascentista. A valorização da experiência, da Razão, do progresso de descoberta do Homem e do Mundo encontra-se patente nas obras dos humanistas europeus da época.