Cadeira: Sociedades e Culturas ModernasDiscente: Diogo Alexandre Martins SilvérioDocente: Prof. Andreia FidalgoNúmero: 425...
é de falar de uma história presente que é característica desta época, que gosta doinesperado que quer descobrir o prodígio...
fé renascentista e era um homem também que se caracteriza por ser um homem dopovo. Leonardo era o descobridor, em que o ho...
Capítulo IIIMaquiavelA escolha da perspectiva de Maquiavel, que conduziu ao empirismo e tambémtinha um lado pragmático e u...
interesse por escritores clássicos da Grécia e da Roma. Expresso por exemplo napoesia de Petrarca, onde envolvia poemas de...
Lutero tentou erguer também um dique da autoridade política absoluta para suster asforças políticas, económicas e religios...
este homem, a Terra gira à roda do Sol uma vez por ano e ao mesmo tempo, a Terra giraà volta do seu próprio eixo uma vez p...
forma exagerada, com este mesmo homem seleccionou alguns aspectos de figurascomplexas e retracta-las, como Raleigh, Drake ...
A Royal SocietyFoi fundada a 28 de Novembro de 1660, numa reunião do Gresham College começadacom uma lição de astronomia d...
Galileu e Descartes, tinha uma perspectiva materialista do universo que é a segundamaior contribuição de Hobbes para a fil...
contributo também na matemática e na filosofia, concebeu a ideia de escrever contra osseus amigos libertinos e ateus de ou...
se uma preocupação da virtude e da liberdade. Outra das obras que tiveram umgrande impacto foi o Espirito das Leis, que in...
religião, mas também na literatura, na política e na filosofia. Para além disso era umhomem que defendia a importância do ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sociedades e culturas modernas

176 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
176
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociedades e culturas modernas

  1. 1. Cadeira: Sociedades e Culturas ModernasDiscente: Diogo Alexandre Martins SilvérioDocente: Prof. Andreia FidalgoNúmero: 42514Curso: Património CulturalFicha de leitura do livro: A tradição intelectual do OcidenteEste livro fala-nos de uma história intelectual no sentido mais amplo, onde envolvevários filósofos e cientistas e políticos que mudaram a maneira de ver o mundo e ohomem, a importância que na altura da época clássica e clássica tardia e que com achegada da época medieval essa importância foi por assim dizer adormecida, daí queestes grandes homens fizeram realçar de novo esse saber. Um homem, pode defenderideias que como as de Newton, ou as que mudam entre a juventude e a idade madura,como as de Hobbes, ou então inconscientes como as de Rousseau. Numa comunidade, oconflito de ideias novas e o carácter da comunidade derivada da luta e do equilíbrio.A Era das Luzes, é um complexo de pessoas e de grupos com ideias antagónicas quetêm uma direcção comum e é esse o motivo porque a vemos e apresentamos sob umnovo nome, como a Época da dissensão fundamentada.É de realçar os executores deste grande livro, que foram executados por um matemáticocom interesses na filosofia da ciência e na literatura e por um historiador das ideias comqualificações em filosofia e em literatura. Estes dois autores fizeram um estudo combase nas invenções sobre as quais assenta a respectiva civilização, onde se debateu ométodo indutivo na ciência, as questões filosóficas que levanta, parte natural do modode trabalho da civilização moderna. A invenção das ideias políticas e sociais no mesmoespírito. De realçar também o método político de Maquiavel que é uma invenção damesma espécie de invenções mecânicas de Leonardo e ambas encontram-se noRenascentismo.A intenção de Galileu de colocar a sua crítica da astronomia tradicional em forma dediálogo popular. Método este, o tecer de perguntas e respostas do diálogo, tornando-semétodo da dúvida que Descartes e é o fio que corre de Pascal até ao Cândido deVoltaire. Este livro vai abranger então desde o Renascentismo até ao século XIX.Capítulo ILeonardo e o seu tempoO Renascentismo pôs-se realmente em movimento graças à rapidez de publicaçãoprovocada pela imprensa, introduzida por volta de 1451 e tornada comum cinquentaanos mais tarde. O período que envolve os anos 1450-1500, envolve uma altura detransição entre os começos clássicos do Renascentismo e o seu alastramento popularatravés da imprensa. O Renascentismo aristocrático, como a sua leitura dos manuscritosgregos e romanos e o seu gosto por um curioso idealismo platónico e uma outra espéciede Renascentismo que é popular, empírico, menos tradicional, e hierárquico e maiscientifico e voltado para o futuro.É de realçar a importância de Leonardo no Renascentismo, que viveu de 1452 a 1519 e
  2. 2. é de falar de uma história presente que é característica desta época, que gosta doinesperado que quer descobrir o prodígio da infância e a criança prodigiosa. O géniodeve interromper no mundo ordinário, inato e sem ter sido ensinado e deve convencerinstantaneamente todos os que contemplam. Esta história que fala de pintura, maisprecisamente a obra Baptismo de Verrocchio, com as figuras bastante rígidas e há umadiferente das outras, um anjo encaracolado que nasceu e já não era um anjo mas simuma criança, isto derivado do toque de Leonardo da Vinci. A vida e a obra deLeonardo são caracterizadas por uma espécie de impaciência e auto – afirmação,que tipifica a época de que é uma figura dominante, que era auto-suficiente eindependente. O Renascentismo Clássico é compostopor belas bibliotecas, textos manuscritos do Gregos e dos Romanos, a AcademiaPlatónica anteriormente fundada por Cosimo de Medicis. A primeira forma doRenascentismo estava agora a transformar-se noutra e Leonardo personaliza atransição. A transição de um Renascentismo clássico para um popular, de umaadoração, do humanismo antigo para uma fé veemente no presente humano. Osautodidactas do novo Renascentismo, queriam abarcar o homem e a naturezaatravés dos sentidos fisicamente.A natureza de Leonardo, tinha duas paixões, a da exactidão que o virou para asmatemáticas e a do real que levou à experimentação, com duas linhas, a lógia e aexperimentação, com os dois vectores do método científico. O Leonardo era livrepara seguir o seu interesse pela ciência, onde o leque das suas investigações eraprodigioso. É de designar que foram pedidas a realização de máscaras complicadasde artistas a Leonardo da Vinci, com as quais o Renascentismo engalanava umacontecimento público. Em Milão, encontrava-se também a presença de uma dasgrandes obras deste grande autor, que é a Ultima Ceia, que começou a deteriorar-se nasua húmida parede de convento antes da morte de Leonardo. A pintura, foi tantasvezes repintada, que não é concebível que um único traço de tinta de Leonardoainda permaneça, em que esta obra representa a presença de Judas que sentava domesmo lado da mesa de Cristo, onde se verifica uma relação entre o traído e aqueleque traiu. Outra das obras que marcaram este importante artista foi o quadro de MonaLisa, que ainda brilha, através de um mar verde de verniz e o facto é que todas asmulheres sorridentes, que aparecem nas pinturas de Leonardo pretendiam fixar oaspecto peculiar de ternura e humildade que a memória da sua mãe. Este artistatem também nos últimos livros de notas que se encontram cheios de desenhosrodopiantes de tempestades e enchentes, de nuvens e trombas de água, numa visão decatástrofe apocalíptica. Este artista deu áluz as aspirações de uma época e que foi conhecido como o homem do Renascentismo,designa-se como um menino-prodígio com a personificação da crença no génio nato dohomem, é um pintor que ainda adolescente entra na oficina de um artista célebre e quese faz notar como o génio que surge completo no mundo. Para além disso encarnou etornou real o sentimento renascentista de que todo o individuo traz consigopotencialidades infinitas e requer, não uma educação elaborada mas simplesmenteambiente mais indicado como uma flor, que pode desabrochar, com o sentimento de queo caminho de toda a perfeição humana reside no individuo era um elemento principal na
  3. 3. fé renascentista e era um homem também que se caracteriza por ser um homem dopovo. Leonardo era o descobridor, em que o homem que descobriu nospormenores da natureza o significado do que tinha ficado escondido duranteséculos. Abordou o mundo através dos seus desenhos e mostrou os traços danatureza por sob a superfície dos seus pigmentos. É um artista que trouxe umespírito exacto a uma época ainda dominada por categorias tradicionais, destaépoca como Aristóteles e S. Tomás de Aquino. O seu método de pintar tem umainfluência em Rafael e Durer aprenderam com ele e Leonardo era amigo deMaquiavel e de Paccioli e contemporâneo de Matinho Lutero e de CristóvãoColombo.Capítulo IIAs cidades-estado de ItáliaO Renascentismo é o nascer da História moderna e a Península Itálica o lugar dasua naturalidade. No Norte da França era informa pelos hábitos feudais, pela lei daIgreja, pela estratificação, social tradicional. Os velhos costumes e estratos da sociedadetinham desaparecido e o processo de formação de novos caminhos em que cada parte dasociedade acotovelava todas as outras na busca do poder. As concentrações do poderna Itália renascentista constituíam as cidades-estado., que eram elas Milão,Veneza, Florença, Roma e Nápoles. Nestas cidades deixou se de ser dominado pelaautoridade da Igreja, com o próprio papado em que transformou-se num podersecular. As cidades-estado tentavam superar em argúcia em que nasceu assim adiplomacia, que permitia assim designar que havia assim evoluído a modernanação de uma comunidade de Estados. Leonardo e outros artistas podem ter sidochefes do Renascentismo popular, mas a nobreza era aquela pequena aristocraciapara quem eles trabalhavam, em que era constantemente invadida pelos mais bem-sucedidos mercadores e banqueiros. Classe esta ascendente de negociantes estavalogo abaixo da aristocracia e formava a sua reserva e a dos conselhos de governo,abaixo desta ficavam assim as classes mais numerosas dos artesãos dos artesãos e dosoperários. É de realçar também a importância do comércio para estas cidades egerava os banqueiros comerciantes que arriscaram e fizeram a fortuna com oscarregamentos dos navios daí que tornou-se respeitável esta profissão, tal como osoldado profissional. ORenascentismo foi também o começo do capitalismo moderno, com um sistema noqual o individuo procura a sua finalidade, atingindo lucros financeiros por meioseconómicos, ou seja o imperialismo económico que marcou esta nova idade.O facto é que a guerra geria muito dinheiro e também custava muito tanto que omuito do trabalho científico e matemático, na balística era inspirado pelasnecessidades e as grandes cidades-estado já faladas que se encontravam imbricadas coma respectiva guerra na sua estrutura. Tanto que Miguel Ângelo chegava a desviar o seugénio para as fortificações em vez das catedrais. O facto é que tanto Leonardo comoMaquiavel foram testemunhas da forma moderna dos problemas políticos,económicos e éticos.
  4. 4. Capítulo IIIMaquiavelA escolha da perspectiva de Maquiavel, que conduziu ao empirismo e tambémtinha um lado pragmático e um método racional e á priori, para além dissoconcordou também com a natureza humana e constitui um tipo de ciência que sepretendia fundar obrigando a ignorar o efeito da cultura sobre os homens e aencará-los como fora da história. Maquiavel tal como Rousseau, tentou construirum sistema de política sobre o postulado da bondade do homem, mas em vez dissotornou como pressuposição teórica a maldade humana. Para além disso Maquiavelcaptou o núcleo do modero método científico, e defendia o laicismo e eraanticlerical. Este homem defendia o individualismo, que era uma característicadominante no século XVI, aceitava também a ideia de necessidade vital que seestabeleceu no pressuposto mais vasto de que o fim mais relevante do Estado épersistir e ser poderoso. Maquiavel era um homem político prático, humanistaastuto, e cientista.Capítulo IVThomas MoreA tradição de More, na literatura inglesa e caracteriza-se em dois traços, numa íntimarelação como sofrimento do povo comum e o sentimento de que o Estado existe para osseus membros e para além disso designava que este mesmo Estado era como que deuma obra de arte se trata-se. Este homem designa-se por ser um advogado sucesso, comuma forte propensão ascética, e era de tal maneira religioso que designava que a suaverdadeira missão era espiritual que pensou em entrar para um mosteiro, tendo assimuma nostalgia monástica. Mas o facto de Thomas More, ter esta adoração pela religiãocristã, o facto é que este não fixava todos os seus pontos de vista exclusivamentemedievais. Foi um escritor humanista erudito, em que na juventude escrevera poesia etentou uma réplica ao Tiranicídio de Luciano e escreveu também uma vida de JohnPicus, Conde de Mirandola, o grande prodígio do saber em Itália e uma História deRicardo III.Capítulo VErasmo e os HumanistasDesiderus Erasmo é um símbolo do humanismo, tendo sido um movimento começadono Renascentismo que culminou assim no Erasmo, que nasceu em 1466, na Holandacom o espírito da era cosmopolita, designa-se por um movimento liberal, que tem um
  5. 5. interesse por escritores clássicos da Grécia e da Roma. Expresso por exemplo napoesia de Petrarca, onde envolvia poemas de acasalamento característico de ideias nohumanismo, que era um movimento pagão. Os humanistas designavam-se comocríticos dos clérigos e dos filósofos escolásticos, em que o seu objectivo era emendaros erros que a Igreja Medieval introduzira. É de realçar a magnificência dosmonumentos arquitecturais do Renascentismo que são as igrejas, e que derivado dassuas ideologias em que designou que o homem era fraco, que resultou numa revolta daparte do humanismo que tinha que atacar assim as virtudes monásticas, apresentando-ascom doutrinas falsas impostas á verdadeira estrutura do Cristianismo. Surgindo assim aobra emblemática do Erasmo que foi O Elogio da Loucura , na qual troçava da vidamonástica e das indulgências e abusos da igreja. O cristianismo era verdadeiramenteuma expressão do espírito e do espírito clássico, para além disso é de referir que oS.Jerónimo traduzira a Bíblia de grego para latim e esta tradução era a Vulgata aceite.Martinho Lutero afixou as suas Noventa e Cinco Teses sobre as indulgências à porta daigreja de Wittenberg, na Véspera de Todos os Santos, que levou ao descontentamentodesta acção. Lutero estudara as obras de Erasmo e guiara-se por elas, pelos Ditados,pelo Elogio da Loucura e pela edição de Erasmo do Novo Testamento em grego. Estemesmo homem era um nacionalista germânico, onde continha um fanatismo, umatolerância, a sua fé na dependência do homem perante o bel-prazer divino, derivadoLutero acreditar no Calvinismo em que deixava lugar para a fé humanista na bondadedo homem.Capítulo VIA ReformaAs consequências da Reforma, religiosamente dividiram a Europa e conferiu à menteeuropeia um novo espírito, de novas ideias políticas, sociais e económicas. A Reformatem como características o aspecto puramente religioso, o protesto contra a riqueza e aopulência e a solução política. A Reforma foi dominada pela figura de Martinho Lutero,e é de referir que esta alma encontrava-se num constante tormento e em que este mesmodizia, duvidar-se de si mesmo e valorizava também a consciência e a liberdade. Aindaao encontro do que se tinha passado entre os humanistas e a igreja Lutero, comohumanista ao atacar as indulgências atacava também a estrutura eclesiástica que asuportava, crer que apenas a fé sem necessitar de boas acções, mas a verdade é que esteacabou por entrar num convento, onde se salvara a si mesmo das dúvidas e angústiasacerca da sua salvação por pôr em Deus toda a sua fé. Lutero queria então reformar aigreja por dentro, e é de realçar que o apoio que teve veio dos humanistas e osnacionalistas e o facto é que este homem começou com um ideal cristão e universal eterminou como um nacionalista germânico. Lutero passou de reformador da IgrejaUniversal a fundador da Igreja Germânica, o seu Discurso à Nobreza Cristã da NaçãoAlemã em que este mesmo homem conduziu a luta contra Roma. Lutero começara aReforma rejeitando a hierarquia papal e privilegiando a Palavra de Deus, que seencontrava nas Escrituras e acreditava que a fé de um cristão não tinha nada a ver com apolítica, o dever de um cristão era simplesmente obedecer a uma autoridade constituída.
  6. 6. Lutero tentou erguer também um dique da autoridade política absoluta para suster asforças políticas, económicas e religiosas que tinha deixado perder originando oprotestantismo, ou seja com o direito a protesto.Calvinismo, nascido em 1509, algo diferente de Lutero, fora preparado para as leis, mastornara-se monge e estava então destinado à Igreja e trocou a teologia pela lei e paraalém disso liga-se mais ao Renascentismo clássico do que á Reforma Luterana. Calvino,renunciava então ao catolicismo e estabeleceu o seu primeiro esboço da sua InstituiçãoReligião Cristã em 1536. Calvino é o homem e é um ser sem esperança perante umDeus omnipotente. É de realçar também a importância da chegada a Genebra, em quecomo um Leitor das Sagradas Escrituras, a população de Genebra sentia orgulho comoministro o autor da Instituição e o chefe da Igreja Reformadora. Calvino aceitou a NovaEconomia, em que detinha um sistema económico capitalista para a sociedade. EmGenebra o Calvino, rejeitou quer o individualismo religioso, quer o político.Henrique de Navarra ajudou a acabar com as longas guerras de religião. A Reforma,como um movimento religioso teve consequências importantes em que foram o facto deterem conseguido fortalecer o Estado territorial, encorajou a ascensão das classesmédias e foi também um movimento originado no desejo de purificar a Igreja unificadae restaura-la, tal como Lutero pretendia fazer.Capítulo VIIA Revolução CientíficaO Renascentismo foi a evolução do método científico de investigação. A RevoluçãoCientífica brilha sobre tudo desde o aparecimento do Cristianismo que teve um elevadoimpacto em relação ao Renascimento e á Reforma. O desenvolvimento do pensamentocientífico foi entre 1500 e 1700 que foi decisivo para a criação da civilização moderna.A Revolução Científica entre 1500 e 1700 foi em primeiro lugar, uma revoluçãointelectual e mais tarde esse pensamento foi transferido para um novo uso prático naRevolução Industrial, por volta de 1800.Aristóteles aceitara, quatro elementos muito importantes, que era o fogo, o ar, a água e aterra. Estes mesmos elementos seguiam leis mas seria errado pensar o seu respectivopadrão de movimento como se ele tivesse, tanto como exprimiam e seguiam as suaspróprias naturezas ideais. Os elementos da água e da terra moviam-se para abaixoquando podiam, esforçavam-se por terra moviam-se para baixo quando podiam eesforçavam-se para alcançar os seus centros naturais. Os elementos do ar e do fogomoviam-se para cima no sentido de atingir os seus centros naturais.A representação medieval do movimento dos corpos celestes era tirada dos Gregos, dePtolomeu, astrónomo que pertencia à escola de cientistas gregos de Alexandria noséculo II. Ptolomeu descreveu as órbitras dos planetas, com as suas curvas estranhas,pela rotação de um círculo sobre um ou mais círculos. Para alguns seguidores medievaisde Aristóteles, o círculo tinha um sentido místico, de órbita perfeita e era naturalconstruir outras órbitas a partir dos círculos. O facto é que este sistema de Ptolomeu nãopodia ser derrubado só com uma crítica, tanto que o sistema foi reformulado porNicolau Copérnico com uma precisão admirável por este astrónomo polaco. Segundo
  7. 7. este homem, a Terra gira à roda do Sol uma vez por ano e ao mesmo tempo, a Terra giraà volta do seu próprio eixo uma vez por dia. O sistema de Copérnico ofendia osentimento de que o Universo era uma questão entre Deus e o homem e em que a Bíbliao representava no sexto dia da Criação. O medo de ofender a tradição religiosa fez comque Copérnico adiasse a sua publicação das Revoluções dos Corpos Celestes, para maistarde mais precisamente na altura da sua morte em 1543, tal como aconteceu comCharles Darwin em que adiou a sua leitura de A Origem das Espécies por muitos anosderivado do mesmo motivo do medo de ofender essa respectiva religião. Copérnicodirigiu-se aos matemáticos, em que estes apreciaram a ordem e a simplicidade da suaperspectiva, em que traduzia o número de círculos que giravam nos epiciclos dePtolomeu, tal como a simplicidade de como o sistema dava às órbitas celestes e é derealçar que Copérnico tinha tido uma educação humanista.Kepler descobriu três leis para descrever os movimentos dos planetas, publicando-as em1609 e 1919, onde a primeira é a mais revolucionária, pois rompe com a tradição domovimento circular que fora tomada como certa desde o tempo dos Gregos, este mesmoautor descobriu que todos os planetas se movem segundo uma elipse e que o sol é umdos focos dessa elipse. A segunda lei descreve a velocidade variada a que um planetadescre as sua elipse. A terceira lei está relacionada no movimento de um planeta com odo outro.A obra de Galileu começa com uma descoberta, de como medir intervalos pequenos detempo. O primeiro orientador da ciência prática e o pioneiro do método empírico, emque Copérnico e Kepler eram espíritos teóricos, onde Kepler para o interesse palacianoapelava pela astronomia que guiava então os homens cultos. Galileu era capaz de medira queda de objectos em distâncias muito pequenas e em que usava o telescópio paraobservar o céu com olhos novos e penetrantes, em que este mesmo instrumento foisaudado na Roma. Em 1625, Galileu começou a escrever um Diálogo sobre os DoisPrincipais Sistemas do Mundo, no qual os seus méritos tratados à maneira de umtribunal renascentista. Não advogava abertamente o sistema de Copérnico, mas punhaos argumentos em favor do sistema de Ptolomeu na boca de um homem que era umaforma subtilmente ofensiva de se colocar do lado de Copérnico. A humilhação deGalileu é um ponto culminante na Revolução Científica, em que a revolução acabou emItália e o desprezo de Lutero pelo sistema de Copérnico, matou a revolução naAlemanha. Com o sistema que Copérnico publicou que foi também o seu último,permitiu que a palavra revolução começasse a ser usada no sentido social, político e eastronómico.Capítulo VIIIÉpoca IsabelinaLeonardo, Maquiavel e Galileu, designaram os Estados do Norte de Itália, no centro douniverso intelectual. A sua supremacia, porém começou a decair para o fim do séculoXVI. As razões deste deslocamento têm mais resposta, na importância do deslocamentodo Mediterrâneo para o Atlântico, em direcção ao continente americano.Marlowe, com a sua poesia tumultuosa e bombástica, captou o espírito da época na sua
  8. 8. forma exagerada, com este mesmo homem seleccionou alguns aspectos de figurascomplexas e retracta-las, como Raleigh, Drake e Hariot, na ânsia de glória, de saber e deriqueza, com absoluta simplicidade.Na época isabelina, verificava-se um desabrochar da actividade industrial, merecendoassim o nome de primeira revolução industrial, que se designou num movimento deimplementação da actividade industrial evidencia uma mistura da atitude isabelina epuritana, que era um movimento de transição, quer do pensamento quer da acção.A peça Shakespeare acreditava num mundo no qual tudo tinha o seu lugar certo e cadaum com a sua posição exacta na sociedade. O puritanismo, encontrava-se ligado aocomércio e à indústria isabelinos em expansão, que rejeitava e criticava o fomento daprodução e o monopólio de artigos de luxo sob Isabel e os Stuart, em que um dessesluxos era o teatro e o outro era a cultura da corte.Capítulo IXA Revolução PuritanaNesta revolução é de destacar um dos principais motivos, foi o facto de ter falado comohomem de Estado e o facto de ter dado oportunidade aos chefes de oposição puritana àsua política para se identificarem com a defesa da constituição e dos direitos dossúbditos. Outro rei, com uma personalidade ou uma concepção diferentes da sua. Estarevolução designa-se como a primeira entre as revoluções modernas que foi a menosconsciente, por qualquer corpo sistemático de ideias, políticas, religiosas ou sociais.Tanto que os puritanos se viram sem ter para onde se virar para saber que governoinstaurar na ausência do rei. Não tinham pretendido uma revolução e tinham sempreadmitido a existência do rei e do Parlamento, por causa desta característica daRevolução Puritana. O seu domínio religioso tinha uma organização centralizada, eficaze poderosa, ou seja a Igreja Anglicana, em que era a pretensão de direitos que provocoutambém esta revolução e o facto é que esta igreja era produto da Reforma. Esta mesmaRevolução fez uma Petição de Direitos de 1628 e com as Três Resoluções de 1629. Aaversão geral desta Revolução nos 150 anos seguintes escandalizou mesmo aqueles quea realizaram, a sua importância excede os limites dos anos 1640-1669, o seu impactoprofundo na história subsequente da América e da Inglaterra quase não precisa de sersublinhado, em que o seu efeito no continente europeu, ao contrário dos jacobinos naRevolução Francesa, os puritanos não universalizaram a sua mensagem. A RevoluçãoPuritana foi um dos movimentos mais influentes e arrojados da história moderna e poráalém disso contem também o primeiro Exército popular e democrático, ou seja combasnas origens do New Model Army. Este Revolução Puritana, foi domínio da religião mastambém arrastou consequências, políticas maiores, com a ideia de uma Igreja livre, obrasomente de um pequeno grupo de puritanos, ou seja os independentistas. A RevoluçãoPuritana foi rejeitada em 1660 por quase todo o povo inglês. E foi uma revolução quedifundiu estas convicções, de individualismo religioso, político e económico desde asorigens na Reforma.Capítulo X
  9. 9. A Royal SocietyFoi fundada a 28 de Novembro de 1660, numa reunião do Gresham College começadacom uma lição de astronomia de Christopher Wren e a Sociedade continuou a reunir-seno Gresham College até 1703. O facto é que Carlos deu nome á nova Soceidade de TheRoyal Society of London, por insistência de John Evelyn, que pertencia a um pequenogrupo de cientistas que permaneciam Realistas e os primeiros presidentes das Sociedadesaíram deste grupo. A ciência tinha assim um encanto novo e os cientistas um novoprestígio. Nesta sociedade não se confinava apenas na observação sistemática daastronomia e a problemas de navegação. Um dos primeiros membros da Sociedade, SirWiliam Petty, foi um pioneiro dos métodos, estatísticos, que era professor de Anatomiaem Oxford e estudioso de medicina. Em 1662, publicou o Tratado de Impostos eContribuições que foi uma das primeiras obras a compreenderem que os valores básicosde uma economia não derivam de uma reserva de riqueza mas da sua capacidade deprodução. John Graunt outro dos primeiros membros desta sociedade tornava-se a basedas primeiras tabelas de seguros de vida. Este interesse pela economia deve-se a muitada riqueza provir do comércio. Alguns outros membros desta mesma sociedade comoChristpher Wren, Wiliam Petry, Robert Boyle, John Evelyn. Os objectivos práticosdesta sociedade estão presentes no trabalho experimental e que os seus membrosinfluenciaram-se em Francis Bacon, que apresentava continuamente a ciência comouma actividade destinada servir a humanidade e defendia o método científico moderno,como uma experimentação, extracção da experimentação conclusões gerais e testaressas generalizações com novas experimentações. O facto é que esta sociedade nãotinha qualquer tipo de apoio do governo , ou seja encontrava-se constantemente emdificuldades financeiras, de maneiras que para se pagar o seu próprio trabalhopublicava-se uma série de relatórios e torna-los propriedade do secretário, em queganhava assim o seu sustento imprimindo e vendendo as Philosophical Transactions daSoceidade. A Sociedade trazia para a ciência a mesma simplicade e ruptura com o estilobravio e metafórico do passado, em que para os fundadores da Royal Society, Deusoperava através da Natureza e sempre do modo mais simples.Capítulo XIHobbes e LockeThomas Hobbes publicou em 1651 o seu Leviatã e John Locke, no prefácio aos seusDois Tratados da Governação publicado em 1690, declarou abertamente que a sua obrase destinava a dar razão continuação em 1688. Tanto Hobbes como Locke vão muitoalém das exigências da política contemporânea e apresentam afirmações clássicas deduas posições, Hobbes defende a causa da soberania absolutista e do Estado Leviatã,enquanto Locke avança a defesa do governo parlamentar e do Estado limitado e liberal.Dois dos grandes livros sobre os quais a questão política girou mais. Tanto numa obracomo noutra é usada a filosofia complexa e cuidadosamente articulada e umacompreensiva visão da ciência.Hobbes, quando jovem trabalhou para o grande Francis Bacon e relacionou-se com
  10. 10. Galileu e Descartes, tinha uma perspectiva materialista do universo que é a segundamaior contribuição de Hobbes para a filosofia moderna e caracterizava-se como muitocrítico relativamente ao seu sistema.Já a contribuição de Locke para o desenvolvimento das ideias filosóficas foramempregues no seu talento como um operário dos fundos. Para este mesmo autor oespírito através da experiência sofre do exterior impressões sensíveis. Estas mesmasimpressões são organizadas pelo entendimento derivando assim para uma reflexão.Hobbes e Locke viam o mundo constituído por corpos em movimento, organizadossegundo um modelo ordenado e seguindo leis causais bem definidas, onde a sua visãodo mundo reflectia-se na sua visão da sociedade humana. Para Hobbes a presença de umEstado era essencial para que a sociedade se mante-se organizada, apoiando assim aautoridade absolutista, baseado numa justificação laica. Este homem era também contraa teologia e a tradição tal como se verificou em Locke que defendia também odesenvolvimento do liberalismo. Hobbes apesar de uma perspectiva autoritária eratambém conservadora. O facto é que estes dois são parcialmente partidários e tentaramlibertar o pensamento político de considerações estranhas para se torna-se científico,tendo tratado assim de modo excessivo mecânico e atomista.Capítulo XIIO método de DescartesA educação de René Descartes levou a conversão á matemática e a tornar uma formamais dramática do que a de Galileu ou de Hobbes. Este homem designa também que oúnico simbolismo inventado pelo espírito humano resiste inquebrantavelmente àstentativas constantes do espírito para reflectir e encobrir o sentido. Descartes pretendiaentão descrever as figuras geométricas com fórmulas de álgebra e queria descrever ouniverso e a matemática sendo assim a única linguagem que podia construir umadescrição intelectualmente satisfatória. Descartes trabalhou em astronomia, óptica efísica geral. Para além disso constrói também um pequeno livro sob o título de Discursodo Método, em que revela o interesse de raciocinar acerca do Universo. Este homemformula quatro regras de lógia, que são: a não-aceitação do verdadeiro nada que nãoreconhecesse claramente como tal. A segunda é a divisão de cada problema oudificuldades em tantas partes quanto possível, a terceira parte começava pelas reflexõespelos objectos mais simples e fáceis de compreender. Já a última era fazer enumeraçõestão complexas e análises tão gerais que pudesse ter a certeza de não ser omitindo nada.Descartes era também um homem que defendia a Deus e a sua Natureza. Descartesdefendia também a perspectiva de duvidar de tudo e foi este o homem que marcou oRenascentismo, com a palavra tão conhecida, como “Penso logo existo”.Capítulo XIIIO contributo de Pascal e BaylePascal não se fixava apenas na geometria, este fixava-se também na física, ondepublicou as Novas experiências relativas ao vazio. Para além disso este homem deu um
  11. 11. contributo também na matemática e na filosofia, concebeu a ideia de escrever contra osseus amigos libertinos e ateus de outrora, não só para os confundir mas também para osconverter. Fez a distinção, onde afirmou o espírito geométrico e o espírito intuitivo.Pascal defendia assim a existência de Deus também derivado também da persuasão quetentou submeter os seus amigos libertinos. Para Pascal não existe resposta racional paraa questão epistemológica.Bayle estudou num colégio e o facto é que tornou-se católica renunciando assim a suanova fé. Este foi o primeiro dos pensadores a criticarem em nome da razão, que a éticafosse fundada na Bíblia. Este mesmo homem recusou o conhecimento matemático, quefosse o único atingível pela dúvida, para além disso libertou a história das algemas dateologia. Este grande filosofo tinha um método dialéctico da dúvida que servia doispropósitos principais, onde tinha o propósito cartesiano de criticar a tradição e opropósito não cartesiano de desbravar o terreno para uma ciência da história e derrubar aestrutura da religião revelada.Capítulo XIVVoltaire: Ciência e SátiraVoltaire reuniu as ideias de Descartes com as ideias de Newton e Locke. O facto é queeste homem fez uma visita a de três anos a Inglaterra, onde se encontrava Newton queera presidente da Royal Society e este presidente tinha um interesse pela obra deVoltaire com o seu fundamento filosófico. Voltaire foi influenciado não só pelo seusucessor Montesquieu mas também marcado pela sátira Social. A religião de Voltaire éo que se chama de deísmo, em que este acreditava num Deus pessoal, em que era ummundo criado pelo Deus de Voltaire onde operava segundo as leis naturais como asdescobertas por Newton, em que designava o seu Deus como alguém fazia parte domundo natural e não do mundo sobrenatural. O espírito de Voltaire, o mundo existentenão era de modo nenhum o melhor dos mundos possíveis. Voltaire interessou-se pelaHistória, derivado do espírito da época. Voltaire, usava então uma abordagem laica,crítica e empírica a um assunto como sendo a cultura e a civilização totais do homem,nos seus respectivos trabalhos. Este homem foi uma mistura de empirismo inglês e dedúvida francesa.Capítulo XVMontesquieuMontesquieu, publicou as Cartas Persas aos 32 anos, pela qual teve um sucessoderivado do aproveitamento do momento exacto para publicar, que coincidiu com aaltura em que sucedeu a morte Luís XIV na Regência, que reagia assim contra oreinado de absolutismo e hipocrisia religiosa do Rei-Sol e preparava-se para se rir dasfraquezas do antigo regime. A escrita de Montesquieu era por excelência conhecidopelo uso de parágrafos curtos, aforísticos e a sua linguagem cortante e incisiva queajudavam a um efeito imediato. Esta mesma obra realizada por este homem verifica-
  12. 12. se uma preocupação da virtude e da liberdade. Outra das obras que tiveram umgrande impacto foi o Espirito das Leis, que insistirá que a virtude seja o princípiodominante duma forma republicana de governo, onde falta a virtude, a liberdade quedesaparece entre as mãos de um monarca ou de um déspota. As ideias deMontesquieu, foram apresentadas nas suas duas grandes obras. As ideias surgiramentão a partir da preparação de uma viagem em busca das instituições políticas esociais de muitos países europeus. O principal interesse deste homem era aconstituição política inglesa e o facto é que ficou impressionado com a posição dearistocracia inglesa do que com o estatuto dos cientistas e dos homens de negócios.Visto ele ser um nobre, primeiro presidente do Parlamento de Bordéus, queafeiçoou-se de imediato aos seus pares aristocratas ingleses. Montesquieu tentouinstruir a França com os exemplos do Romanos e pretendia então que o povo francêsaprendesse com o povo inglês. Para além disto referido Montesquieu pôs emevidência três formas de governo, onde se verificava, a monarquia, a república e adespótica. A Republicana é aquele que o povo governa. A Monarquia que é quandoum homem governa segundo leis fixas e estabelecidas. Despotismo é quando há umgoverno sem leis de um homem. Montesquieu escolheu a constituição inglesa comoobjecto de estudo derivado, que tinha como objecto imediato a liberdade política.Montesquieu dividiu também o poder em executivo, legislativo e judicial, em queafirmava que toda a liberdade se perde quando o mesmo homem ou o mesmo corpoexerce estes três poderes só em si mesmo. Este grande político, não pertenceuverdadeiramente ao círculo da Encyclopédie mas punha a sua última obra, ou seja oEspíritos das Leis, que punha em causa as ideias novas e universais dos própriosfilósofos. Os contemporâneos de Montesquieu experimentaram um sentimento deapreensão. As realizações de Montesquieu puderam ser reavaliadas como sendo nãomeros panegíricos de liberdade e virtudes políticas, mas passos sólidos para umacompreensão mais adequada da história e para a nova ciência da sociologia.Capítulo XVIRousseauJean-Jacques-Roussau, foi um revolucionário que tinha um carácter estranho ecomplexo, que se verificava divido em três quadros, como moralista que atacou anoção de que o progresso resulta do avanço na ciência e na tecnologia, comomarginal que patrocinou a sensibilidade romântica e opôs ao racionalismo dominantee como pensador e revolucionário foi o primeiro a inscrever nas insígnias políticasdos tempos modernos os lemas opostos da democracia e do governo totalitário.Rousseau pretendia uma renovação radical política e ética em lugar do uniformeespirito humano. Este homem desempenhou também o papel de emoções não só na
  13. 13. religião, mas também na literatura, na política e na filosofia. Para além disso era umhomem que defendia a importância do Estado e o respeito pela sua unidade, recusavatambém a fidelidade separada à Igreja e do respectivo Estado, ou seja pretendia umareligião civil, em que a fé é obrigatória e o cidadão que a recusar deve ser banido doEstado e para além disso era um homem que defendia também o patriotismo.Capítulo XXVIKant e Hegel: O emergir da históriaO pensamento alemão da época que aparece como grande característica, quecomeçava uma tradição de filosofia, em que Immanuel Kant continua a ser o filósofoteórico mais importante que a Alemanha já gerou. Kant era um dos que tentavaencontrar os fundamentos para a nova ciência, onde pretendia preencher umaruptura nos fundamentos da ciência que fora aberta na época da sua juventude. Kantteve preparação matemática e física e durante muito tempo e ganhou a vida comoprofessor de Física. Um contributo original para a ciência, em 1775, em que pelaprimeira vez a teoria de que os planetas era condensações de uma massa de gás e queLaplace formulou mais rigorosamente, em 1796. O caso da investigação Kantiana dosproblemas do conhecimento é de que o homem e a natureza estão profundamente deacordo e neste acordo não fazia menção a Deus. O conhecimento racional á priori damoralidade era também inato. Kant era também um homem idealista.

×