1
Escola Estadual XXX
Humanismo
Betim
2015
3
Autores
XXXXXXXXXX.
Humanismo
Betim
2015
A pesquisa será apresentada à professora de
Língua Portuguesa, XX, no dia 11 de...
4
Sumário
Introdução.........................................................................................................
5
Introdução
O presente trabalha trata-se do tema humanismo, mais concretamente sobre a exaltação dos
valores humanos que ...
6
Humanismo
O movimento Humanista surgiu no final do século XIV, durante o período da Renascença, como
um movimento intele...
7
Características do Humanismo
Entre as principais características do humanismo destaca-se:
 Período de transição entre I...
8
Humanismo e Renascimento
O humanismo estabeleceu os fundamentos ideológicos do renascimento europeu. O humanismo
renasce...
9
Revolução Científica
O humanismo e o renascimento também influenciaram as mentes de cientistas e pesquisadores
da época,...
10
Humanismo na educação
O humanismo destacou-se pela forma como reformou a educação. Aos métodos escolásticos
das univers...
11
O Humanismo, a imprensa e as Línguas
Empenharam-se em editar e traduzir todos os textos antigos a partir dos testemunho...
12
Fatores que favoreceram o humanismo
A partir do século XV, o movimento humanista foi impulsionado por vários fatores:
...
13
Humanismo e Literatura
O Humanismo também corresponde a uma escola literária que teve preponderância nos séculos
XIV e ...
14
Humanismo Secular
O Humanismo Secular, também conhecido como Humanismo Laico, é uma corrente filosófica
que aborda a ju...
15
econômico torna-se mais importante que a nobreza de origem.
16
Gil Vicente
Gil Vicente foi um poeta e dramaturgo português. É considerado, por muitos estudiosos, como
o pioneiro do t...
17
Um dia, Lianor Vaz, a casamenteira, chega na casa de Inês dizendo que havia sido atacada por
um clérigo, mas que conseg...
18
dois. Ela aceita e os dois marcam um encontro.
No dia marcado, Inês pede a Pero Marques que a levasse à ermida dizendo ...
19
Auto da Compadecida
Auto da Compadecida é uma peça teatral em forma de auto, em três atos escrita em 1955 pelo
autor br...
20
Sacristão: o sacristão da paróquia é um homem desconfiado e conservador. Antônio Morais:
Antônio é um major ignorante e...
21
Conclusão
Neste trabalho, nós, seletos alunos da turma X, abordamos o tema humanismo, que foi a
exaltação dos valores h...
22
Referências bibliográficas
http://www.brasilescola.com/literatura/humanismo.htm
http://www.significados.com.br/humanism...
23
Anexos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT

4.317 visualizações

Publicada em

Trabalho completo do primeiro ano do ensino médio sobre humanismo, nas normas da ABNT com restrições.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT

  1. 1. 1
  2. 2. Escola Estadual XXX Humanismo Betim 2015
  3. 3. 3 Autores XXXXXXXXXX. Humanismo Betim 2015 A pesquisa será apresentada à professora de Língua Portuguesa, XX, no dia 11 de junho de 2015, 1º ano do ensino médio, turma X, Escola Estadual XXX, Belo Horizonte-MG.
  4. 4. 4 Sumário Introdução...................................................................................................................................5 Humanismo.................................................................................................................................6 Características do Humanismo...................................................................................................7 Humanismo e Renascimento ......................................................................................................8 Revolução Científica ..................................................................................................................9 Humanismo na educação..........................................................................................................10 O Humanismo, a imprensa e as Línguas ..................................................................................11 Fatores que favoreceram o humanismo....................................................................................12 Humanismo e Literatura...........................................................................................................13 8.1 Teatro..........................................................................................................................13 8.2 Poesia..........................................................................................................................13 8.3 Prosa ...........................................................................................................................13 Humanismo Secular..................................................................................................................14 Gil Vicente................................................................................................................................16 Nascimento e Morte..........................................................................................................16 Principais obras ................................................................................................................16 Resumo d'A farsa de Inês Pereira .....................................................................................16 Lista de personagens d'A Farsa de Inês Pereira................................................................18 Auto da Compadecida ..............................................................................................................19 Personagens ......................................................................................................................19 Adaptações para o cinema e televisão ..............................................................................20 Conclusão .................................................................................................................................21 Referências bibliográficas ........................................................................................................22 Anexos......................................................................................................................................23
  5. 5. 5 Introdução O presente trabalha trata-se do tema humanismo, mais concretamente sobre a exaltação dos valores humanos que se expandiu a partir de 1460, com a fundação de academias, bibliotecas e teatros em vários países da Europa. O principal objetivo deste trabalho é apurar os conhecimentos dos integrantes gerais da turma X do primeiro ano, não somente dos integrantes deste trabalho, de forma fácil de se entender e criativa, usando de maneiras mais criativas o entendimento geral da turma. O trabalho está organizado em 11 capítulos que descrevem o humanismo como um todo e como ele [humanismo] vem perdurando através dos anos e suas consequências. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica em sites online, enriquecida com a apresentação teatral do Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, à turma.
  6. 6. 6 Humanismo O movimento Humanista surgiu no final do século XIV, durante o período da Renascença, como um movimento intelectual, rompendo com a forte influência da Igreja e do pensamento religioso da Idade Média. O fundador do movimento Humanista foi o poeta italiano Francesco Petrarca (1304-1374), o seu pensamento baseava-se no antropocentrismo (homem como centro de interesse), se antes Deus e a igreja eram o centro e guiavam o homem e seus passos, agora é o homem por si só através das mais aprofundadas reflexões filosóficas, que posteriormente acabou desencadeando no período do Iluminismo. O humanismo procura o melhor nos seres humanos e para os seres humanos sem se servir da religião. Humanismo, no sentido amplo, significa valorizar o ser humano e a condição humana acima de tudo. Está relacionado com generosidade, compaixão e preocupação em valorizar os atributos e realizações humanas. A filosofia humanista oferecia novas formas de reflexão sobre as artes, as ciências e a política, revolucionando o campo cultural e marcando a transição entre a Idade Média e a Idade Moderna. Através das suas obras, os intelectuais e artistas passaram a explorar temas que tivessem relação com a figura humana, inspirados pelos clássicos da Antiguidade greco-romana como modelos de verdade, beleza e perfeição. Alguns autores humanistas mais conhecidos são: Gianozzo Manetti, Marsílio Ficino, Erasmo de Roterdão, Guilherme de Ockham, Carlos Bernardo González Pecotche, Francesco Petrarca, François Rabelais, Pico de La Mirandola, Thomas Morus, Andrea Alciati, Auguste Comte. Nas artes plásticas e na medicina, o humanismo esteve representado em obras e estudos sobre anatomia e funcionamento do corpo humano. Nas ciências, houve grandes descobertas em vários ramos do saber como a física, matemática, engenharia, medicina e etc., que contribuíram para um levantamento concreto da história da humanidade.
  7. 7. 7 Características do Humanismo Entre as principais características do humanismo destaca-se:  Período de transição entre Idade Média e Renascimento;  Valorização do ser humano;  Surgimento da burguesia;  Nascimento do antropocentrismo;  As emoções humanas começaram a ser mais valorizadas pelos artistas.
  8. 8. 8 Humanismo e Renascimento O humanismo estabeleceu os fundamentos ideológicos do renascimento europeu. O humanismo renascentista surgiu com uma nova postura em relação às doutrinas religiosas em vigor na época, ocorrendo um afastamento para que fosse possível uma avaliação mais racional dessas mesmas doutrinas. Durante o renascimento, o humanismo também foi caracterizado por tentativas de libertar o ser humano das regras rígidas do cristianismo da era medieval. Em sentido lato, o humanismo nesta época serviu como uma luta contra a obscuridade medieval, e levou à criação de um comportamento científico livre de normas teológicas.
  9. 9. 9 Revolução Científica O humanismo e o renascimento também influenciaram as mentes de cientistas e pesquisadores da época, dando início ao chamado Renascimento Científico. Este movimento surgiu para questionar as conclusões prontas, desenvolvidas por sábios da Antiguidade e absorvidas por teólogos cristãos. Os novos cientistas, valorizando a razão, apresentavam uma atitude crítica que os fazia observar os fenômenos naturais, realizar experiências, formular hipóteses e buscar sua comprovação. Claro que essa nova mentalidade científica enfrentou resistências principalmente da Igreja, presa às tradições medievais. Alguns eventos merecem destaque, como o trabalho de Miguel de Servet, médico e teólogo espanhol que descobriu o funcionamento da circulação sanguínea dissecando cadáveres. Mas essa prática foi condenada pelos cristãos e Servet acabou morto na fogueira, na Suíça, pelo governo de Calvino. Nicolau Copérnico, sacerdote católico e astrônomo, desenvolveu uma das mais importantes teorias científicas da sua época, o heliocentrismo (diz que a Terra e os demais planetas se movimentam ao redor do Sol), que se contrapôs à teoria geocêntrica (afirmava que o Sol e os planetas se movimentavam ao redor da Terra). Despertou severas críticas, principalmente de religiosos. Vários cientistas foram igualmente importantes como Galileu Galilei, astrônomo italiano que aprofundou os estudos de Copérnico; Johannes Kepler, discorrendo sobre os eclipses lunar e solar; Francis Bacon, criador do “método científico”; René Descartes, “pai do racionalismo”; Isaac Newton, “pai da física e da mecânica modernas”. O humanismo, o renascimento e a revolução científica do século XVII mudaram o mundo para sempre, desenvolvendo uma nova mentalidade, crítica, racional e ativa diante da passividade e tradicionalismo remanescentes do medievalismo. A partir desse momento, as transformações no mundo começariam a se acelerar e as estruturas político-sociais a sofrer forte abalo.
  10. 10. 10 Humanismo na educação O humanismo destacou-se pela forma como reformou a educação. Aos métodos escolásticos das universidades medievais, centrados no treino estrito de profissionais médicos, juristas e teólogos a partir de manuais aprovados, os humanistas contrapuseram uma educação voltada para a prática, centrada nos estudos pré-profissionais, procurando o desenvolvimento universal das capacidades humanas. Acreditando que o homem estava na posse de capacidade intelectual ilimitada, consideravam a busca de saber essencial para o uso adequado dessas faculdades. A educação humanista devia habilitar o homem a descobrir o seu verdadeiro destino e conceber através da imitação de modelos clássicos uma humanidade ideal. Preparando para falar e escrever com eloquência e clareza, para melhor se envolver na vida cívica. O Humanismo italiano inicial continuou a tradição de ensino das artes liberais da Idade Média, mas enfatizou e renomeou os estudos iniciais, o trivium, aumentando a sua abrangência, conteúdo e significado no currículo de escolas e universidades, sob o ambicioso nome de Studia humanitatis. Precursores das atuais humanidades, os Studia humanitatis mantinham o estudo da gramática e da retórica mas excluíam a lógica, e acrescentavam o estudo do grego, da filosofia moral e da poesia, tornada a matéria mais importante do grupo. As ideias humanistas na educação levaram à reforma das universidades e criação de colégios para os estudos iniciais em toda a Europa.
  11. 11. 11 O Humanismo, a imprensa e as Línguas Empenharam-se em editar e traduzir todos os textos antigos a partir dos testemunhos sobreviventes, alguns redescobertos (como Quintiliano) ou encontrados e trazidos do ex- Império Romano do Oriente por gregos bizantinos. Procuravam publicar (no sentido científico) e explicar os textos, limitando-se a uma abordagem filológica, para os depurar e corrigir a mitos e lendas posteriores. O ideal humanista de expansão de todo o conhecimento foi impulsionado pelo desenvolvimento da imprensa em c.1455 por Johannes Gutenberg em Mogúncia. A publicação e divulgação de textos acelerou, com um enorme crescimento do número de livros em circulação. No século XV o movimento espalhou-se por todo o continente. O desenvolvimento da imprensa multiplicou as edições em línguas nativas (vernáculas) exigindo uma padronização. O tratamento de vernáculos floresceu e tornou-se influente no Renascimento. Embora a gramática fosse ensinada como uma disciplina nuclear durante a Idade Média, seguindo a influência de autores como Prisciano, a primeira gramática conhecida de uma língua românica é um manuscrito do humanista Leon Battista Alberti, escrito entre 1437 e 1441, intitulado Grammatica della lingua toscana. Nele Alberti procurou demonstrar que o vernáculo (aqui o dialeto toscano, origem do italiano moderno) era tão estruturado como o Latim. Para isso fez o mapeamento estruturas vernáculas contrapondo-as ao latim. Entre 1437 e 1586 foram escritas, embora nem sempre imediatamente publicadas, as primeiras gramáticas de Francês, Português, Espanhol, Holandês, Alemão e Inglês. Com a imprensa desenvolveram-se as fontes tipográficas. Tipógrafos venezianos adotaram o alfabeto romano em substituição da escrita gótica, inspirado nas inscrições em pedra. No recriar entusiasta da cultura clássica, estudiosos humanistas italianos do início do século XV procuram fontes minúsculas para combinar com as capitais romanas. Como os manuscritos clássicos disponíveis haviam sido reescritos durante a renascença carolíngia, confundiram a minúscula carolíngia inspirada na escrita uncial, apelidando a lettera antica. Redesenhada, com serifas para integrá-la com as capitais romanas, desenvolveram uma família tipográfica consistente hoje conhecida como humanista. Entre os tipógrafo que a desenvolveram estão o italiano Aldo Manúcio e o editor francês Claude Garamond.
  12. 12. 12 Fatores que favoreceram o humanismo A partir do século XV, o movimento humanista foi impulsionado por vários fatores:  A migração de eruditos bizantinos. Com o Império Bizantino progressivamente sitiado pelos otomanos, muitos procuraram refúgio na Europa Ocidental, especialmente na península itálica. Traziam com eles textos gregos e promoveram a difusão da cultura, valores e linguagem gregos. Foi o caso de Manuel Crisolaras, estudioso de Constantinopla, que ensinou grego em Florença desde 1396-1400, que escreveu para os seus discípulos a obra questões de língua grega baseada na Gramática de Dionísio, o Trácio. O seu discípulo Leonardo Bruni (1370-1444) foi o primeiro a fazer traduções do grego para latim em grande escala, tal como Ambrose Traversari, que recomendou a Cosimo de Medici adquirir 200 códices gregos de Bizâncio, ou Francesco Filelfo que transportou muitos outros.  A invenção da prensa móvel. A invenção de Gutenberg permitiu a produção e distribuição de livros a custo reduzido, assegurando a ampla disseminação das ideias humanistas e o desenvolvimento do sentido crítico contra o magister dixit, o argumento de autoridade medieval.  A ação dos mecenas (os patronos). Com a sua proteção política, o apreço pelo conhecimento antigo, o afã colecionista e a remuneração financeira aos humanistas pelo seu trabalho na imprensa, promoveram o desenvolvimento do humanismo. Entre os mecenas mais importantes do renascimento destacam-se os Médici de Florença, Lorenzo de Medici, o Magnífico, e seu irmão Giuliano de Medici, ou os papas Júlio II e Leão X.  A criação de universidades, escolas e faculdades. A multiplicação de universidades e escolas como Lovaina, Siena, Alcalá de Henares, Coimbra e as escolas do século XV, contribuiu largamente para a expansão do humanismo em toda a Europa.
  13. 13. 13 Humanismo e Literatura O Humanismo também corresponde a uma escola literária que teve preponderância nos séculos XIV e XV. Na literatura, destaca-se a poesia palaciana (que surge dentro dos palácios), escrita por nobres que retratavam os usos e costumes da corte. Alguns escritores italianos que mais impacto causaram foram: Dante Alighieri (Divina Comédia), Petrarca (Cancioneiro) e Bocaccio (Decameron). Teatro O teatro foi a manifestação literária onde ficavam mais claras as características desse período. Gil Vicente foi o nome que mais se destacou, ele escreveu mais de 40 peças. Sua obra pode ser dividida em 2 blocos: Autos: peças teatrais cujo assunto principal é a religião. “Auto da alma” e “Trilogia das barcas” são alguns exemplos. Farsas: peças cômicas curtas. Enredo baseado no cotidiano. “Farsa de Inês Pereira”, “Farsa do velho da horta”, “Quem tem farelos?” são alguns exemplos. Poesia Em 1516 foi publicada a obra “Cancioneiro Geral”, uma coletânea de poemas de época. O cancioneiro geral resume 2865 autores que tratam de diversos assuntos em poemas amorosos, satíricos, religiosos entre outros. Prosa Crônicas: registravam a vida dos personagens e acontecimentos históricos. Fernão Lopes foi o mais importante cronista (historiador) da época, tendo sido considerado o “Pai da História de Portugal”. Foi também o 1º cronista que atribuiu ao povo um papel importante nas mudanças da história, essa importância era, anteriormente atribuída somente à nobreza. Suas obras são: “Crônica de el-rei D. Pedro” “Crônica de el-rei D. Fernando” “Crônica de el-rei D. João I”
  14. 14. 14 Humanismo Secular O Humanismo Secular, também conhecido como Humanismo Laico, é uma corrente filosófica que aborda a justiça social, a razão humana e a ética. Seguidores do Naturalismo, os humanistas seculares são normalmente ateus ou agnósticos, renegando a doutrina religiosa, a pseudociência, a superstição e o conceito de sobrenatural. Para os humanistas seculares, estas áreas não são vistas como alicerce da moralidade e da tomada de decisões. Ao contrário, um humanista secular tem como base a razão, a ciência, a aprendizagem através de relatos históricos e da experiência pessoal, sendo que estes constituem suportes éticos e morais, podendo dar sentido à vida. O humanismo se desenvolveu e se manifestou em vários momentos da história e em vários campos do conhecimento e das artes. Humanismo na antiguidade clássica (Grécia e Roma): manifestou-se principalmente na filosofia e nas artes plásticas. As obras de arte, por exemplo, valorizavam muito o corpo humano e os sentimentos. Humanismo no Renascimento: nos séculos XV e XVI, os escritores e artistas plásticos renascentistas resgataram os valores humanistas da cultura greco-romana. O antropocentrismo (homem é o centro de tudo) norteou o desenvolvimento intelectual e artístico desta fase. Positivismo: desenvolveu-se na segunda metade do século XIX. Valorizava o pensamento científico, destacando-o como única forma de progresso. Teve em Auguste Comte seu principal idealizador. O Humanismo não é uma estética literária, e sim um período de transição entre a Idade Média e a Idade Moderna, caracterizado por profundas transformações políticas, econômicas e sociais (inclusive religiosas). Politicamente, o século XIV é marcado pela decadência do sistema feudal, consequência da Peste Negra (entre 1347 e 1350 esta peste devasta a Europa, causando milhares de vítimas; só em Portugal eliminou mais de 1/3 da população); da Guerra dos Cem Anos (entre Inglaterra e França, mas com repercussões em toda a Europa entre 1346 e 1450); a consequente escassez de mão de obra para as pequenas indústrias artesanais emergentes. Com o advento do século XV, diminuem as guerras, as crises, as revoltas, seguindo-se uma recuperação política e econômica conhecida como mercantilismo. Com o enfraquecimento do poder dos senhores feudais e o surgimento da burguesia, classe concentradora de riquezas, fortalece-se o poder real. Alteram-se as relações sociais. Os nobres empobrecem e os burgueses enriquecem com o comércio, provocando o surgimento das cidades (burgos). O "status"
  15. 15. 15 econômico torna-se mais importante que a nobreza de origem.
  16. 16. 16 Gil Vicente Gil Vicente foi um poeta e dramaturgo português. É considerado, por muitos estudiosos, como o pioneiro do teatro português. Sua obra mais conhecida é "A farsa de Inês Pereira". Suas obras marcam a fase histórica da passagem da Idade Média para o Renascimento (século XVI). Nascimento e Morte Gil Vicente nasceu na cidade de Guimarães (Portugal) em 1466 e Gil Vicente morreu em 1536. Estas datas são hipotéticas. (mais prováveis de acordo com estudos recentes) Principais obras - Auto Pastoril Castelhano (1502) - Auto da Visitação (1502) - Auto dos Reis Magos (1503) - Auto da Índia (1509) - Auto da Sibila Cassandra (1513) - Auto da Barca do Inferno (1516) - Auto da Barca do Purgatório (1518) - Auto da Barca da Glória (1519) - Farsa de Inês Pereira (1523) Tendo como moto um ditado popular, “mais vale asno que me leve que cavalo que me derrube”, Gil Vicente escreveu esta comédia de costumes retratando o comportamento amoral da degradante sociedade da época. Resumo d'A farsa de Inês Pereira Inês Pereira é uma moça bonita e solteira que se vê obrigada a passar o dia em meio às tarefas domésticas. Inês sempre fica se queixando e vê no casamento a chance de se livrar dessa vida. Ela idealiza o noivo como sendo um moço bem-educado, cavalheiro, que soubesse cantar e dançar, enfim, que fosse um fidalgo capaz de lhe dar uma vida feliz.
  17. 17. 17 Um dia, Lianor Vaz, a casamenteira, chega na casa de Inês dizendo que havia sido atacada por um clérigo, mas que conseguira escapar. Lianor, porém, foi à casa da moça para relatar que Pero Marques, um rico camponês, quer se casar com Inês. Amoça, então, lê a carta que Pero escreveu com suas intenções de casamento, mas ela não se conforma com a rusticidade do moço e concorda em recebê-lo só para rir da cara dele. Lianor vai então buscar Pero e, enquanto isso, a mãe de Inês a aconselha a receber bem o pretendente. Quando o moço chega, ele se comporta de modo ridículo e demonstra não ter nenhum traquejo social. Vendo-se a sós com Pero, Inês o desencoraja quanto ao casamento e o moço vai embora. Nisso, ela informa à mãe que havia contratado dois judeus casamenteiros para encontrar um noive que tivesse boas maneiras. Entra em cena Latão e Vidal, os dois judeus casamenteiros, que vieram oferecer Brás da Mata, um escudeiro. Armado o encontro entre os dois jovens, Brás da Mata planeja ir à casa de Inês acompanhado de seu criado, o Moço, e os dois combinam contar uma série de mentiras para enganar a moça e conseguirem dar o “golpe do baú”. Já na casa de Inês, Brás da Mata age conforme ela queria: a trata de modo distinto com belas palavras, pega a viola e canta. Ele a pede em casamento, mas a mãe diz que a moça não deve fazê-lo, ao que os judeus contra- argumentam elogiando Brás de todas as formas. Os dois se casam e a mãe presenteia os noivos com a casa. A sós com Brás, Inês começa a cantar de felicidade, mas ele se irrita e manda que ela fique quieta. Brás começa, então, a impor uma série de regras e exige que a moça fique trancada o dia inteiro em casa, proibindo-a até mesmo de olhar pela janela e de ir à missa. Pouco tempo depois, Brás informa ao Moço que partiria para a guerra, ordenando que ele vigiasse Inês e que ela deveria ficar trancada às chaves dentro de casa. Trancada em casa e não fazendo nada além de costurar, Inês lamenta e sua sorte e deseja a morte do marido para que pudesse mudar seu destino. Passado algum tempo, Moço aparece com uma carta do irmão de Inês onde ele informa que Brás havia morrido covardemente tentando fugir do combate. Feliz, Inês despede Moço, que vai embora lamentando seu azar. Então, sabendo que Inês havia ficado viúva, Lianor Vaz retorna oferecendo novamente Pero Marques como novo marido. Dessa vez Inês aceita e os dois se casam. Com a ampla liberdade que o marido lhe dava, Inês parecia levar a vida que sempre desejou. Um dia, chega em sua casa um Ermitão a pedir esmola e Inês vai atendê-lo. Porém, este é um falso padre e o deus que ele venerava, na realidade, ela o Cupido. Inês reconhece o moço, que havia sido um antigo namorado seu. Ele diz que só havia se tornado ermitão porque ela o havia abandonado e começa a se insinuar para Inês, acariciando-a e pedindo um encontro entre os
  18. 18. 18 dois. Ela aceita e os dois marcam um encontro. No dia marcado, Inês pede a Pero Marques que a levasse à ermida dizendo que era por devoção religiosa. O marido consente e os dois partem de imediato. Para atravessar um rio que havia no meio do caminho, Pero Marques carrega a mulher nas costas e essa vai cantando uma canção alusiva à infidelidade dela ao marido e à mansidão dele. Pero segue cantando o refrão, terminando como um tolo enganado. Lista de personagens d'A Farsa de Inês Pereira As personagens do teatro vicentino não têm profundidade psicológica e são tipos ou alegorias, ou seja, são como representações de grupos, instituições ou ideias abstratas. Servem, assim, a uma finalidade moral preconcebida pelo autor. O modo de falar das personagens reproduz a maneira típica com que as camadas sociais e profissões que essas personagens representam falavam. Inês Pereira: moça bonita e solteira, que para se livrar dos afazeres domésticos sonhava em se casar com um fidalgo. Mãe: típica dona de casa preocupada com a educação e o futuro da filha. Lianor Vaz: casamenteira que só respeita a opinião pública quando lhe convém. Latão e Vidal: caricaturas do judeu espertalhão e hábil no comércio. Pero Marques: camponês rico, porém, ignorante e sem nenhum traquejo social. Brás da Mata (Escudeiro): escudeiro pobre que mal tinha dinheiro para se sustentar. Moço (Fernando): criado de Brás da Mata, é humilde e se deixa explorar pelo patrão, sempre acreditando nas mentiras que ele conta. Ermitão: falso monge que declara ter se tornado ermitão por desilusão amorosa.
  19. 19. 19 Auto da Compadecida Auto da Compadecida é uma peça teatral em forma de auto, em três atos escrita em 1955 pelo autor brasileiro Ariano Suassuna. Sua primeira encenação foi em 1956, em Recife, Pernambuco. Posteriormente houve nova encenação em 1974, com direção de João Cândido. É um drama do Nordeste do Brasil. Insere elementos da tradição da literatura de cordel, de gênero comédia apresenta traços do barroco católico brasileiro, mistura cultura popular e tradição religiosa. Apresenta na escrita, traços de linguagem oral por demonstrar na fala do personagem sua classe social, apresenta também regionalismos pelo fato de a história se passar no nordeste e o autor ter nascido lá. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”. A peça foi adaptada para o cinema pela primeira vez em 1969 com o filme “A Compadecida”. Foi apresentada em 1999 na Rede Globo de televisão como minissérie, O Auto da Compadecida (em que há um acréscimo do artigo “o” antes do nome original). Na segunda e mais conhecida adaptação feita para o cinema em 2000, é chamada também de O Auto da Compadecida, nela aparecem alguns personagens como o Cabo Setenta, Rosinha e Vicentão. Eles não fazem parte da peça original, e sim de A Inconveniência de Ter Coragem, também de Ariano Suassuna. Personagens O Palhaço: o palhaço, já que a peça é escrita em pantomima (teatro de rua), atua como um apresentador, entrando e saindo da trama e conversando com o público. João Grilo: é um homem pobre e aproveitador. Vive arranjando confusões. Trabalha para o Padeiro e é o melhor amigo de Chicó. Chicó: é um homem covarde, e gosta de contar mentiras. Trabalha para o Padeiro e é o melhor amigo de João. O padeiro: homem avarento, dono da padaria de Taperoá. Esposo de uma mulher infiel. A mulher do padeiro: uma mulher adúltera que se diz santa. Vive agradando seu marido. Assim como seu cônjuge, é muito avarenta. Padre João: padre que chefia a paróquia de Taperoá. Muito racista e avarento, visando somente o lucro material. Bispo: assim como o padre, ele é muito avarento, e vive difamando seu colega, o Frade. Frade: um homem honesto e de bom coração. Não sabe que vive sendo difamado pelo Bispo.
  20. 20. 20 Sacristão: o sacristão da paróquia é um homem desconfiado e conservador. Antônio Morais: Antônio é um major ignorante e autoritário, que usa seu poder para amedrontar os mais pobres. Severino: é um cangaceiro que encontrou no crime uma forma de sobrevivência, já que seus pais foram mortos pela Polícia. Cangaceiro: é um dos capangas de Severino. Vive fazendo de tudo para agradar seu chefe, a quem idolatra. A Compadecida: é a própria Nossa Senhora. Bondosa e cândida, ela intercede por todos no Julgamento. Manuel: é o próprio Jesus Cristo, e também o juiz do povo, julgando sempre com sabedoria e imparcialidade, mas tem o dom da misericórdia. Nesta versão, ele possui a pele negra, o que causa espanto em alguns. Encourado: é a encarnação do Diabo. Vive tentando imitar Manuel, por isso exige reverências pelos lugares onde passa. É o justo promotor do Julgamento, mas diferentemente de Manuel e da Compadecida, não possui misericórdia. Satanás: é o fiel servo do Encourado. Vive fazendo de tudo para agradá-lo, porém é desprezado pelo mesmo. Adaptações para o cinema e televisão  O Auto da Compadecida (minissérie)  O Auto da Compadecida (filme)  Auto Compadecida (filme de 1969)  Os Trapalhões no Auto da Compadecida (filme) Nós, os que estão designados com o tema humanismo, representaremos de forma teatral.
  21. 21. 21 Conclusão Neste trabalho, nós, seletos alunos da turma X, abordamos o tema humanismo, que foi a exaltação dos valores humanos dando uma nova dimensão ao homem. O humanismo se expandiu a partir de 1460, com a fundação de academias, bibliotecas e teatros em Roma, Florença, Nápoles, Paris e Londres. O humanista era o indivíduo que traduzia e estudava os textos antigos, principalmente gregos e romanos. Foi dessa inspiração clássica que nasceu a valorização do ser humano e a necessidade de encontrar a verdade por meio da razão (observação e experiência). Portanto, concluímos que os humanistas eram todos os intelectuais que criticavam a mentalidade medieval e uma de suas características principais era a abrangência de conhecimentos (não se especializavam em só uma área de conhecimento).
  22. 22. 22 Referências bibliográficas http://www.brasilescola.com/literatura/humanismo.htm http://www.significados.com.br/humanismo/ http://www.10emtudo.com.br/aula/vestibular/humanismoconceito/ http://www.suapesquisa.com/oque/humanismo.htm http://www.infoescola.com/literatura/humanismo/ http://www.debatesculturais.com.br/origem-e-breve-historia-do-movimento-humanista/ http://educacao.globo.com/historia/assunto/modernidade-na-europa/humanismo- renascimento-e-revolucao-cientifica.html
  23. 23. 23 Anexos

×