SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
A segunda fase do jornalismo colaborativo e o
uso das bases de dados no jornalismo digital
Yuri Almeida (@herdeirodocaos)
Jornalista, mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação
em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da
Bahia (UFBA), especialista em Jornalismo Contemporâneo (Unijorge).
Atualmente é professor de cursos de pós-graduação, consultor em
jornalismo e mídias sociais e editor do site www.badogada.com.br.
Perguntas que precisamos responder
- Se as bases de dados representam um novo
paradigma, com funcionalidades e rupturas no
jornalismo (Barbosa, 2007), quais seriam as
implicações do uso das bases de dados no jornalismo
colaborativo?
- Quais seriam os usos e funções que as BD’s
desempenhariam na produção colaborativa de
conteúdo?
- Como os usuários se apropriam da abertura dos
dados pelos jornais e como os próprios jornalistas se
relacionam com esse novo processo nas redações?
Hipótese
A abertura das bases de dados pelos jornais
potencializaria a prática colaborativa de produção
de conteúdo e, consequentemente, faria emergir
uma nova geração para o jornalismo colaborativo.
O conceito
A base conceitual da nossa definição operacional
para o Jornalismo Colaborativo é o movimento do
software livre iniciado em 1984, por Richard
Stallman, como contraponto ao software
proprietário, que “aprisionava” e “restringia a
liberdade” dos usuários.
A migração dos mass media para a web;
A liberação do polo emissor (Lemos, 2006);
O desenvolvimento da cultura participativa.
O conceito
Define-se Jornalismo Colaborativo como as atividades
jornalísticas que concedem espaços para veiculação do
conteúdo produzido pelo público, ampliam os
mecanismos de colaboração entre jornais e leitores em
diversos suportes, mecanismos e formatos, seja na
elaboração da pauta, na utilização de imagens
produzidas por cidadãos-repórteres na composição de
matérias, bem como desenvolvem uma estrutura de
produção, edição, circulação e divisão da receita
gerada por produtos baseados em paradigmas
colaborativos.
O conceito
O Jornalismo Colaborativo é uma atividade do setor
criativo e tem como princípios estruturantes a
inovação, a generosidade e o remix e ocorre em
níveis diferentes, a depender do espaço, tempo e
motivações em que os produtos são desenvolvidos.
A Gênese
A análise sobre as primeiras experiências
desenvolvidas pelos mass media no que tange a
colaboração do público pode ser descrita em quatro
ações básicas: a) blog do leitor; b) abrir a notícia
para comentários; c) usar as mídias sociais como
fonte; d) solicitar a participação dos leitores.
Quando os leitores apenas escrevem as
notícias
Ainda que as práticas colaborativas de produção de
conteúdo remontem a própria origem da imprensa
(Shaw, 1959) o campo do jornalismo se dedicou a
compreender o fenômeno, com maior ênfase a
partir da década de 90, período em que coincide
com a expansão da internet comercial,
popularização das Novas Tecnologias de
Informação e Comunicação (NTICs) e ampliação das
conexões banda larga.
Terminologias
Foram analisados 187 artigos nos anais dos
principais encontros e congressos de comunicação
no Brasil, cujas palavras-chaves estavam
relacionadas à temática desta dissertação: 15
trabalhos da (ABCiber), 41 da Compós, 67 da
Intercom, 32 da SBPJor. Além disso, consultamos
32 artigos contidos na base da Biblioteca Online de
Ciências da Comunicação (BOCC), da Universidade
da Beira Interior, Portugal.
Mais aproximação do que distanciamento
Jornalismo Participativo, Jornalismo Colaborativo,
Jornalismo Open Source, Jornalismo Cidadão,
Webjornalismo Colaborativo, Jornalismo Amador,
Comunicação Colaborativa, Pro-Am, Jornalismo de
Fonte Aberta, Jornalismo Cívico, Jornalismo
Público.
Vamos falar de níveis
1- Nível de acesso parcial (As seções O VC no G1
ou Vc Repórter do Terra);
2- Nível de acesso total (O Centro de Mídia
Independente, Slashdot, Brasil Wiki, Portal Software
Brasil e o Wikinews);
3- Nível rizomático/Em rede (Overmundo, Digg,
WikiLeaks e os sites de mídias sociais)
Das mídias de massa para a massa de mídias
Nós saímos de um sistema mídia-cêntrico e entramos
num sistema eu-cêntrico, em que cada internauta
possui o poder de comunicar sons, textos, imagens, de
trocar informações, de redistribuí-las, de misturá-las a
diversos documentos, de realizar suas próprias fotos
ou vídeos e de colocá-los na rede, onde massas de
pessoas vão vê-las e, por sua vez, participar, discutir,
contribuir, fazer circular. O desenvolvimento das redes
sociais renova, assim, o projeto de uma democratização
da informação (RAMONET, 2012, p. 28).
Culto do amador e a mitologia da colaboração
- Colaboração é uma exploração, diz Brown e
Quan-Haase (2012)
- Moretzsohn (2006), por sua vez, argumenta que o
Jornalismo Cidadão é um mito, pois a tecnologia,
por si só, não provoca mudanças sociais.
- Keen (2007) colaboração não passa de uma
perpetuação da desinformação e ignorância
O cidadão como produtor de conteúdo
O termo cidadão-repórter refere-se aos
colaboradores na produção de conteúdo, portanto
não está associado à profissionalização dos
colaboradores ou significa dizer que estes integram
o campo jornalístico.
Por cidadão-repórter entendemos os atores sociais
que reportam informação sobre acontecimentos
locais e globais. Cidadão-repórter diz respeito a
uma prática: reportar informações
Zonas de filtragem e o jornalismo colaborativo
Em ambientes conversacionais e convergentes, o
habitus jornalístico demandará uma reconfiguração
de uma das suas práticas mais tradicionais: a
mediação.
Jane Singer (2013) argumenta que em ambientes
digitais, os usuários tornaram-se secondary
gatekeepers.
Gatekeeping, gatewatching e cartografia da informação
Bruns (2005) revela que o alargamento entre os limites
para publicação na web gerou um novo fenômeno em
paralelo ao gatekeeping: o gatewatching.
A cartografia da informação compreende o processo de
mediação webjornalística como um elemento de ligação
entre diversos agentes ou comunidades virtuais
informacionais em sistemas colaborativos – incluindo
mídias sociais.
Para cada nível, uma mediação
Cabe aqui ressaltar, que a partir dos níveis de
colaboração outrora definidos neste trabalho, em cada
um deles se faz necessário o desenvolvimento de
estratégias específicas para atuação nos respectivos
cenários.
No nível de acesso parcial, onde o crivo dos jornalistas
se manifesta com maior intensidade, o modelo do
gatekeeping é o mais adequado, tendo em vista que o
processo de apuração e validação do conteúdo, bem
como a sua disposição e articulação com outros
elementos informativos no site é de responsabilidade,
somente, da redação.
Convergência e polivalência jornalística
- A convergência é um continuum (Dailey, Demo y
Spillman, 2005) um marco de atuação, assinalado pela
coexistência, promoção combinada, cooperação,
integração e fusão;
- A mudança mais radical diz respeito ao fluxo de
informação;
- A ampliação do lugar de emissão reforça a
necessidade do jornalista nos processos de apuração
das notícias.;
-Participação implica também na recirculação.
Bases de dados como dispositivo
para o jornalismo colaborativo
O que é dispositivo?
Qualquer coisa que tenha de algum modo a capacidade
de capturar, orientar, determinar, interceptar, modelar,
controlar e assegurar os gestos, as condutas, as
opiniões e os discursos dos seres viventes.
Não somente, portanto, as prisões, os manicômios, o
Panóptico, as escolas, a confissão, as fábricas, as
disciplinas, as medidas jurídicas etc, cuja conexão com
o poder é num certo sentido evidente, mas também a
caneta, a escritura, a literatura, a filosofia, a agricultura,
o cigarro, a navegação, os computadores, os telefones
celulares e – por que não – a própria linguagem, que
talvez é o mais antigo dos dispositivos (AGAMBEN,
2009, p. 40-41)
Ainda sobre dispositivo
A concepção de Agamben para dispositivo se
relaciona com a tese de Lev Manovich (2001) para
as bases de dados como forma cultural, que orienta
o ver, o navegar e o buscar.
As bases de dados – em nosso entendimento –
também podem ser classificadas como
dispositivos, pois têm em si a capacidade de
“capturar, orientar, determinar, interceptar, modelar,
controlar e assegurar os gestos, as condutas, as
opiniões e os discursos dos seres viventes”.
O jornalismo a partir das bases de dados
Nível 1: Dados de entrega;
Nível 2: Busca de dados.;
Nível 3: Exploração de dados;
Nível 4: Visualização de dados;
Nível 5: Dados de experiências e histórias
(GORDON, 2007)
Liberação das API’s e a segunda fase do jornalismo
colaborativo:
A API (Interface de Programação de
Aplicativos) cumpre uma função social de
facilitar a apropriação de softwares e
aplicativos sem envolver-se com a
programação.
Esse processo de liberação da API e dos
bancos de dados implica a geração de valor,
tanto para a comunidade como para os jornais,
como potencializa a inovação, a partir do
momento que em que permite a participação
dos usuários no desenvolvimento dos seus
produtos e por fim, reconfigura também o
jornalismo colaborativo.
Ainda sobre a segunda fase
Machado (2006) pontua que, no jornalismo digital,
as Bases de Dados, assume três funções: “1-de
formato para estruturação da informação; 2- de
suporte para modelos de narrativa multimídia; 3- de
memória dos conteúdos publicados”.
Propomos que as bases de dados desempenham
uma quarta função: a de dispositivo para as
apropriações colaborativas, pois a partir do
momento em que os jornais disponibilizam as
bases de dados para o livre uso dos usuários, essa
função de suporte não é suficiente para
compreender esse processo.
Potencialização da colaboração
No Jornalismo Colaborativo, a BD’s possibilitará a
participação dos usuários em dois novos níveis: 1-
interface/apresentação de conteúdo e 2- na produção
de conteúdo, a partir do manejo com base de dados
disponibilizadas por meio de API´s e resultantes da
Lei de Acesso à Informação.
A liberação das APIs e das bases de dados inaugurou
uma segunda fase do Jornalismo Colaborativo, pois
os cidadãos agora desenvolvem novos formatos de
apresentação de conteúdos que são gerados por
jornais, bem como interfaces para o
consumo/colaboração em dispositivos móveis e
desktops, por exemplo.
Funcionalidades e características do Jornalismo
Colaborativo a partir das Bases de Dados:
1- Organizações jornalísticas que disponibilizam as
bases de dados para consulta/colaboração;
2- Organizações jornalísticas que constroem suas
próprias bases de dados, seja a partir de
informações públicas ou via coleta de informações
primárias;
3- Organizações jornalísticas que liberam suas
API's para apropriação;
Funcionalidades e características do Jornalismo
Colaborativo a partir das Bases de Dados:
4- Organizações jornalísticas que transformam
bases de dados em produtos interativos e
dinâmicos;
5- Organizações jornalísticas que criam conteúdo a
partir dos dados elaborados pelos cidadãos.
1- Organizações jornalísticas que disponibilizam as
bases de dados para consulta/colaboração
2- Organizações jornalísticas que constroem suas próprias bases
de dados, seja a partir de informações públicas ou via coleta de
informações primárias;
2- Organizações jornalísticas que constroem suas próprias bases
de dados, seja a partir de informações públicas ou via coleta de
informações primárias;
3- Organizações jornalísticas que liberam suas API's
para apropriação;
4- Organizações jornalísticas que transformam bases de
dados em produtos interativos e dinâmicos;
5- Organizações jornalísticas que criam conteúdo a partir
dos dados elaborados pelos cidadãos.
Hackeamento como estratégia de inovação das
organizações jornalísticas
O hackeamento não significa apenas a capacidade
e domínio de linguagens e códigos, mas sim, uma
busca por criação de novas formas de ver e se
relacionar com os ambientes.
Defende-se ainda que o hackeamento pode
potencializar o que o Paul Bradshaw (online)
conceitua como Data Driven Journalism.
Hackeamento x jornalismo
Mancini (2011) em seu livro “Hackear el
Periodismo”, diz que hackear o jornalismo é
trabalhar para melhorar os aspectos técnicos,
encontrar alternativas para as questões financeira e
contribuir para otimizar a prática social.
A partir destas experiências mapeadas mediante
observações sistemáticas, é possível pensar que o
hackeamento em organizações jornalísticas em dois
níveis:
Níveis de hackeamento
1- Interno: Quando é desenvolvido a partir das suas
próprias API’s ou a partir de base de dados públicas
(como as experiências desenvolvidas pelo The
Guardian e pelo Estadão);
2- Externo: Quando comunidades de hackers,
jornalistas e demais profissionais criam novos
produtos a partir de bases de dados públicos, API’s dos
jornais, entre outros. Um exemplo do nível externo são
os projetos desenvolvidos a partir de base de dados
públicos do Governo Federal, disponibilizados no site
dados.gov.br
Conclusões
No Jornalismo Colaborativo de segunda geração,
as bases de dados atuam como suporte para a
elaboração de novas narrativas, deixando de ser
apenas um aspecto técnico e tecnológico para
tornar-se matéria-prima para os processos
colaborativos de produção de conteúdo.
Conclusões
A colaboração emerge como um aspecto essencial,
sobretudo na produção, circulação e recirculação
dos produtos jornalísticos, tendo em vista um
ecossistema midiático estruturado na lógica
multiplataforma, de continuum multimídia de cariz
dinâmico (BARBOSA, 2013).
Contatos
Yuri Almeida
@herdeirodocaos
hdocaos@gmail.com
Face: Yuri Almeida (www.facebook.com/herdeirodocaos)
Page: www.facebook.com/yurialmeidajornalismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...
Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...
Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...Viviane de Carvalho
 
Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...
Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...
Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...Ana Claudia Piva
 
Redes sociais e jornalismo
Redes sociais e jornalismoRedes sociais e jornalismo
Redes sociais e jornalismoVal Reis
 
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículosAs mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículosFlávia Lopes
 
Jornalismo e mídias sociais digitais
Jornalismo e mídias sociais digitaisJornalismo e mídias sociais digitais
Jornalismo e mídias sociais digitaisLuciana Carvalho
 
Webjornalismo a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...
Webjornalismo   a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...Webjornalismo   a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...
Webjornalismo a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...Rafael Rodrigues
 
Artigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes SociaisArtigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes SociaisKarina Perussi
 
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...Karina Perussi
 
As Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos Corporativos
As Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos CorporativosAs Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos Corporativos
As Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos CorporativosMarcielly
 
Artigo abrapcorp
Artigo abrapcorpArtigo abrapcorp
Artigo abrapcorpLaís Bueno
 
Políticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicas
Políticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicasPolíticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicas
Políticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicasLaís Bueno
 
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)Talita Moretto
 
A Primavera Árabe e a Revolução Semântica
A Primavera Árabe e a Revolução SemânticaA Primavera Árabe e a Revolução Semântica
A Primavera Árabe e a Revolução SemânticaInês Amaral
 
Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...
Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...
Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...Alex Primo
 
Revistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e Piauí
Revistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e PiauíRevistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e Piauí
Revistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e PiauíTarcízio Silva
 

Mais procurados (19)

Redes Sociais e Jornalismo
Redes Sociais e JornalismoRedes Sociais e Jornalismo
Redes Sociais e Jornalismo
 
Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...
Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...
Quando o virtual transforma-se em real: as Redes Sociais como Ferramentas da ...
 
Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...
Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...
Movimento Maker: Você não acredita o que pode ser feito para atrair clicks ...
 
Redes sociais e jornalismo
Redes sociais e jornalismoRedes sociais e jornalismo
Redes sociais e jornalismo
 
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículosAs mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
As mídias sociais colocando em xeque o monopólio da fala dos grandes veículos
 
Jornalismo e mídias sociais digitais
Jornalismo e mídias sociais digitaisJornalismo e mídias sociais digitais
Jornalismo e mídias sociais digitais
 
Webjornalismo a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...
Webjornalismo   a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...Webjornalismo   a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...
Webjornalismo a sobrevivãªncia dos jornais digitais frente ã  aplicativos c...
 
Artigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes SociaisArtigo Científico - Redes Sociais
Artigo Científico - Redes Sociais
 
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais...
 
Midia do eu
Midia do euMidia do eu
Midia do eu
 
As Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos Corporativos
As Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos CorporativosAs Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos Corporativos
As Mídias Sociais no Processo de Gestão de Relacionamentos Corporativos
 
Artigo abrapcorp
Artigo abrapcorpArtigo abrapcorp
Artigo abrapcorp
 
Clicar, arrastar, girar
Clicar, arrastar, girarClicar, arrastar, girar
Clicar, arrastar, girar
 
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
 
Políticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicas
Políticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicasPolíticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicas
Políticas de conduta em mídias sociais: atribuição de relações públicas
 
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
 
A Primavera Árabe e a Revolução Semântica
A Primavera Árabe e a Revolução SemânticaA Primavera Árabe e a Revolução Semântica
A Primavera Árabe e a Revolução Semântica
 
Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...
Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...
Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e org...
 
Revistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e Piauí
Revistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e PiauíRevistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e Piauí
Revistas na web - uma análise dos casos Bravo!, Carta Capital, Época, e Piauí
 

Semelhante a Bases de dados e jornalismo colaborativo

Jornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornais
Jornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornaisJornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornais
Jornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornaisYuri Almeida
 
Artigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacional
Artigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacionalArtigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacional
Artigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacionalLaís Bueno
 
Mídias Sociais e Jornalismo Colaborativo
Mídias Sociais e Jornalismo ColaborativoMídias Sociais e Jornalismo Colaborativo
Mídias Sociais e Jornalismo ColaborativoYuri Almeida
 
Jornalismo: Muito Além do Tempo Real
Jornalismo: Muito Além do Tempo RealJornalismo: Muito Além do Tempo Real
Jornalismo: Muito Além do Tempo RealBruno Cardoso
 
A Democratização da Informação na Internet
A Democratização da Informação na InternetA Democratização da Informação na Internet
A Democratização da Informação na InternetFernando Bombassaro
 
Biblioteca 1892 (1)
Biblioteca 1892 (1)Biblioteca 1892 (1)
Biblioteca 1892 (1)Ronaldo Henn
 
O blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade pública
O blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade públicaO blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade pública
O blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade públicaNina Santos
 
As três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internetAs três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internetClaudio Toldo
 
Distribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da Internet
Distribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da InternetDistribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da Internet
Distribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da InternetCelestino Joanguete
 
Midias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresas
Midias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresasMidias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresas
Midias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresasFelipe Castro
 
Crowdsourcing no Jornalismo
Crowdsourcing no JornalismoCrowdsourcing no Jornalismo
Crowdsourcing no JornalismoRui Miguel
 
Planejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terra
Planejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terraPlanejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terra
Planejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terraCarolina Terra
 
Distribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da Internet
Distribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da InternetDistribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da Internet
Distribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da InternetCelestino Joanguete
 
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...Universidade Federal do Paraná
 
PPJ programa jornalismo digital - 11.04.2013
PPJ   programa jornalismo digital - 11.04.2013PPJ   programa jornalismo digital - 11.04.2013
PPJ programa jornalismo digital - 11.04.2013claudiocpaiva
 
Jornalismo digital de terceira geração suzana barbosa
Jornalismo digital de terceira geração   suzana barbosaJornalismo digital de terceira geração   suzana barbosa
Jornalismo digital de terceira geração suzana barbosaLuara Schamó
 
A Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito Nordestino
A Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito NordestinoA Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito Nordestino
A Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito NordestinoJornal De Fato
 
Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...
Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...
Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...Tarcízio Silva
 

Semelhante a Bases de dados e jornalismo colaborativo (20)

Jornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornais
Jornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornaisJornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornais
Jornalismo em bases de dados e o hackeamento dos jornais
 
Artigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacional
Artigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacionalArtigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacional
Artigo - Os microblogs como ferramenta de comunicação organizacional
 
Mídias Sociais e Jornalismo Colaborativo
Mídias Sociais e Jornalismo ColaborativoMídias Sociais e Jornalismo Colaborativo
Mídias Sociais e Jornalismo Colaborativo
 
Jornalismo: Muito Além do Tempo Real
Jornalismo: Muito Além do Tempo RealJornalismo: Muito Além do Tempo Real
Jornalismo: Muito Além do Tempo Real
 
A Democratização da Informação na Internet
A Democratização da Informação na InternetA Democratização da Informação na Internet
A Democratização da Informação na Internet
 
Biblioteca 1892 (1)
Biblioteca 1892 (1)Biblioteca 1892 (1)
Biblioteca 1892 (1)
 
O blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade pública
O blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade públicaO blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade pública
O blog Fatos e Dados e sua articulação com a esfera de visibilidade pública
 
As três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internetAs três gerações do jornalismo na internet
As três gerações do jornalismo na internet
 
Distribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da Internet
Distribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da InternetDistribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da Internet
Distribuicao conteudos radiofónicos para as redes sociais da Internet
 
Midias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresas
Midias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresasMidias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresas
Midias Sociais como canal de comunicação em pequenas empresas
 
Crowdsourcing no Jornalismo
Crowdsourcing no JornalismoCrowdsourcing no Jornalismo
Crowdsourcing no Jornalismo
 
Planejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terra
Planejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terraPlanejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terra
Planejamento de comunicação aplicado às mídias sociais prof carolina terra
 
Distribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da Internet
Distribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da InternetDistribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da Internet
Distribuição de conteúdos jornalísticos em Redes Sociais da Internet
 
Assessoria de imprensa 2 0 - workshop tubarão
Assessoria de imprensa 2 0 - workshop tubarãoAssessoria de imprensa 2 0 - workshop tubarão
Assessoria de imprensa 2 0 - workshop tubarão
 
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
Blogs e jornalismo no Brasil: um estudo da relação entre instituições e profi...
 
As Mídias Sociais Como Instrumentos de Relações Públicas no
As Mídias Sociais Como Instrumentos de Relações Públicas noAs Mídias Sociais Como Instrumentos de Relações Públicas no
As Mídias Sociais Como Instrumentos de Relações Públicas no
 
PPJ programa jornalismo digital - 11.04.2013
PPJ   programa jornalismo digital - 11.04.2013PPJ   programa jornalismo digital - 11.04.2013
PPJ programa jornalismo digital - 11.04.2013
 
Jornalismo digital de terceira geração suzana barbosa
Jornalismo digital de terceira geração   suzana barbosaJornalismo digital de terceira geração   suzana barbosa
Jornalismo digital de terceira geração suzana barbosa
 
A Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito Nordestino
A Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito NordestinoA Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito Nordestino
A Integração das Redações Digital e Impressa no Âmbito Nordestino
 
Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...
Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...
Web 2.0,Vigilância e Monitoramento: entre funções pós-massivas e classificaçã...
 

Mais de Yuri Almeida

O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?
O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?
O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?Yuri Almeida
 
Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018
Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018
Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018Yuri Almeida
 
Zumbi e o Dia da Consciência negra
Zumbi e o Dia da Consciência negraZumbi e o Dia da Consciência negra
Zumbi e o Dia da Consciência negraYuri Almeida
 
Live: a vida acontece agora!
Live: a vida acontece agora!Live: a vida acontece agora!
Live: a vida acontece agora!Yuri Almeida
 
Gestão pública, aberta e participativa
Gestão pública, aberta e participativaGestão pública, aberta e participativa
Gestão pública, aberta e participativaYuri Almeida
 
O futuro do jornalismo digital
O futuro do jornalismo digitalO futuro do jornalismo digital
O futuro do jornalismo digitalYuri Almeida
 
Cultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internet
Cultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internetCultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internet
Cultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internetYuri Almeida
 
Mídias sociais e assessoria de comunicação governamental
Mídias sociais e assessoria de comunicação governamentalMídias sociais e assessoria de comunicação governamental
Mídias sociais e assessoria de comunicação governamentalYuri Almeida
 
Como fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociais
Como fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociaisComo fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociais
Como fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociaisYuri Almeida
 
Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais
 Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais
Engajamento de Públicos Internos nas Mídias SociaisYuri Almeida
 
Mídias sociais nas organizações
Mídias sociais nas organizaçõesMídias sociais nas organizações
Mídias sociais nas organizaçõesYuri Almeida
 
Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...
Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...
Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...Yuri Almeida
 
Crowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da cultura
Crowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da culturaCrowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da cultura
Crowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da culturaYuri Almeida
 
Atrás das redes sociais só não vai quem já morreu
Atrás das redes sociais só não vai quem já morreuAtrás das redes sociais só não vai quem já morreu
Atrás das redes sociais só não vai quem já morreuYuri Almeida
 
Jornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativo
Jornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativoJornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativo
Jornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativoYuri Almeida
 
O uso das redes sociais na comunicação organizacional
O uso das redes sociais na comunicação organizacionalO uso das redes sociais na comunicação organizacional
O uso das redes sociais na comunicação organizacionalYuri Almeida
 
#ciberativismo: da rua para as redes
#ciberativismo: da rua para as redes#ciberativismo: da rua para as redes
#ciberativismo: da rua para as redesYuri Almeida
 
Redes sociaise e ciberativismo
Redes sociaise e ciberativismoRedes sociaise e ciberativismo
Redes sociaise e ciberativismoYuri Almeida
 
Jornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociaisJornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociaisYuri Almeida
 
Desafio dos jornalistas no século XXI
Desafio dos jornalistas no século XXIDesafio dos jornalistas no século XXI
Desafio dos jornalistas no século XXIYuri Almeida
 

Mais de Yuri Almeida (20)

O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?
O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?
O que Deus pode nos ensinar sobre as redes sociais?
 
Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018
Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018
Fact-cheking: como identificar fake news nas eleições 2018
 
Zumbi e o Dia da Consciência negra
Zumbi e o Dia da Consciência negraZumbi e o Dia da Consciência negra
Zumbi e o Dia da Consciência negra
 
Live: a vida acontece agora!
Live: a vida acontece agora!Live: a vida acontece agora!
Live: a vida acontece agora!
 
Gestão pública, aberta e participativa
Gestão pública, aberta e participativaGestão pública, aberta e participativa
Gestão pública, aberta e participativa
 
O futuro do jornalismo digital
O futuro do jornalismo digitalO futuro do jornalismo digital
O futuro do jornalismo digital
 
Cultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internet
Cultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internetCultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internet
Cultura digital: desafios e oportunidades para o jornalismo na era da internet
 
Mídias sociais e assessoria de comunicação governamental
Mídias sociais e assessoria de comunicação governamentalMídias sociais e assessoria de comunicação governamental
Mídias sociais e assessoria de comunicação governamental
 
Como fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociais
Como fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociaisComo fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociais
Como fazer amigos e influenciar pessoas nas mídias sociais
 
Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais
 Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais
Engajamento de Públicos Internos nas Mídias Sociais
 
Mídias sociais nas organizações
Mídias sociais nas organizaçõesMídias sociais nas organizações
Mídias sociais nas organizações
 
Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...
Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...
Colaboração e interação em dispositivos móveis: um estudo dos aplicativos jor...
 
Crowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da cultura
Crowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da culturaCrowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da cultura
Crowdfunding: as possibilidades de financiamento colaborativo da cultura
 
Atrás das redes sociais só não vai quem já morreu
Atrás das redes sociais só não vai quem já morreuAtrás das redes sociais só não vai quem já morreu
Atrás das redes sociais só não vai quem já morreu
 
Jornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativo
Jornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativoJornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativo
Jornalismo em bases de dados e a segunda fase do jornalismo colaborativo
 
O uso das redes sociais na comunicação organizacional
O uso das redes sociais na comunicação organizacionalO uso das redes sociais na comunicação organizacional
O uso das redes sociais na comunicação organizacional
 
#ciberativismo: da rua para as redes
#ciberativismo: da rua para as redes#ciberativismo: da rua para as redes
#ciberativismo: da rua para as redes
 
Redes sociaise e ciberativismo
Redes sociaise e ciberativismoRedes sociaise e ciberativismo
Redes sociaise e ciberativismo
 
Jornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociaisJornalismo e mídias sociais
Jornalismo e mídias sociais
 
Desafio dos jornalistas no século XXI
Desafio dos jornalistas no século XXIDesafio dos jornalistas no século XXI
Desafio dos jornalistas no século XXI
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

Bases de dados e jornalismo colaborativo

  • 1. A segunda fase do jornalismo colaborativo e o uso das bases de dados no jornalismo digital Yuri Almeida (@herdeirodocaos) Jornalista, mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (UFBA), especialista em Jornalismo Contemporâneo (Unijorge). Atualmente é professor de cursos de pós-graduação, consultor em jornalismo e mídias sociais e editor do site www.badogada.com.br.
  • 2. Perguntas que precisamos responder - Se as bases de dados representam um novo paradigma, com funcionalidades e rupturas no jornalismo (Barbosa, 2007), quais seriam as implicações do uso das bases de dados no jornalismo colaborativo? - Quais seriam os usos e funções que as BD’s desempenhariam na produção colaborativa de conteúdo? - Como os usuários se apropriam da abertura dos dados pelos jornais e como os próprios jornalistas se relacionam com esse novo processo nas redações?
  • 3. Hipótese A abertura das bases de dados pelos jornais potencializaria a prática colaborativa de produção de conteúdo e, consequentemente, faria emergir uma nova geração para o jornalismo colaborativo.
  • 4. O conceito A base conceitual da nossa definição operacional para o Jornalismo Colaborativo é o movimento do software livre iniciado em 1984, por Richard Stallman, como contraponto ao software proprietário, que “aprisionava” e “restringia a liberdade” dos usuários. A migração dos mass media para a web; A liberação do polo emissor (Lemos, 2006); O desenvolvimento da cultura participativa.
  • 5. O conceito Define-se Jornalismo Colaborativo como as atividades jornalísticas que concedem espaços para veiculação do conteúdo produzido pelo público, ampliam os mecanismos de colaboração entre jornais e leitores em diversos suportes, mecanismos e formatos, seja na elaboração da pauta, na utilização de imagens produzidas por cidadãos-repórteres na composição de matérias, bem como desenvolvem uma estrutura de produção, edição, circulação e divisão da receita gerada por produtos baseados em paradigmas colaborativos.
  • 6. O conceito O Jornalismo Colaborativo é uma atividade do setor criativo e tem como princípios estruturantes a inovação, a generosidade e o remix e ocorre em níveis diferentes, a depender do espaço, tempo e motivações em que os produtos são desenvolvidos.
  • 7. A Gênese A análise sobre as primeiras experiências desenvolvidas pelos mass media no que tange a colaboração do público pode ser descrita em quatro ações básicas: a) blog do leitor; b) abrir a notícia para comentários; c) usar as mídias sociais como fonte; d) solicitar a participação dos leitores.
  • 8. Quando os leitores apenas escrevem as notícias Ainda que as práticas colaborativas de produção de conteúdo remontem a própria origem da imprensa (Shaw, 1959) o campo do jornalismo se dedicou a compreender o fenômeno, com maior ênfase a partir da década de 90, período em que coincide com a expansão da internet comercial, popularização das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs) e ampliação das conexões banda larga.
  • 9. Terminologias Foram analisados 187 artigos nos anais dos principais encontros e congressos de comunicação no Brasil, cujas palavras-chaves estavam relacionadas à temática desta dissertação: 15 trabalhos da (ABCiber), 41 da Compós, 67 da Intercom, 32 da SBPJor. Além disso, consultamos 32 artigos contidos na base da Biblioteca Online de Ciências da Comunicação (BOCC), da Universidade da Beira Interior, Portugal.
  • 10. Mais aproximação do que distanciamento Jornalismo Participativo, Jornalismo Colaborativo, Jornalismo Open Source, Jornalismo Cidadão, Webjornalismo Colaborativo, Jornalismo Amador, Comunicação Colaborativa, Pro-Am, Jornalismo de Fonte Aberta, Jornalismo Cívico, Jornalismo Público.
  • 11. Vamos falar de níveis 1- Nível de acesso parcial (As seções O VC no G1 ou Vc Repórter do Terra); 2- Nível de acesso total (O Centro de Mídia Independente, Slashdot, Brasil Wiki, Portal Software Brasil e o Wikinews); 3- Nível rizomático/Em rede (Overmundo, Digg, WikiLeaks e os sites de mídias sociais)
  • 12. Das mídias de massa para a massa de mídias Nós saímos de um sistema mídia-cêntrico e entramos num sistema eu-cêntrico, em que cada internauta possui o poder de comunicar sons, textos, imagens, de trocar informações, de redistribuí-las, de misturá-las a diversos documentos, de realizar suas próprias fotos ou vídeos e de colocá-los na rede, onde massas de pessoas vão vê-las e, por sua vez, participar, discutir, contribuir, fazer circular. O desenvolvimento das redes sociais renova, assim, o projeto de uma democratização da informação (RAMONET, 2012, p. 28).
  • 13.
  • 14. Culto do amador e a mitologia da colaboração - Colaboração é uma exploração, diz Brown e Quan-Haase (2012) - Moretzsohn (2006), por sua vez, argumenta que o Jornalismo Cidadão é um mito, pois a tecnologia, por si só, não provoca mudanças sociais. - Keen (2007) colaboração não passa de uma perpetuação da desinformação e ignorância
  • 15. O cidadão como produtor de conteúdo O termo cidadão-repórter refere-se aos colaboradores na produção de conteúdo, portanto não está associado à profissionalização dos colaboradores ou significa dizer que estes integram o campo jornalístico. Por cidadão-repórter entendemos os atores sociais que reportam informação sobre acontecimentos locais e globais. Cidadão-repórter diz respeito a uma prática: reportar informações
  • 16. Zonas de filtragem e o jornalismo colaborativo Em ambientes conversacionais e convergentes, o habitus jornalístico demandará uma reconfiguração de uma das suas práticas mais tradicionais: a mediação. Jane Singer (2013) argumenta que em ambientes digitais, os usuários tornaram-se secondary gatekeepers.
  • 17.
  • 18. Gatekeeping, gatewatching e cartografia da informação Bruns (2005) revela que o alargamento entre os limites para publicação na web gerou um novo fenômeno em paralelo ao gatekeeping: o gatewatching. A cartografia da informação compreende o processo de mediação webjornalística como um elemento de ligação entre diversos agentes ou comunidades virtuais informacionais em sistemas colaborativos – incluindo mídias sociais.
  • 19. Para cada nível, uma mediação Cabe aqui ressaltar, que a partir dos níveis de colaboração outrora definidos neste trabalho, em cada um deles se faz necessário o desenvolvimento de estratégias específicas para atuação nos respectivos cenários. No nível de acesso parcial, onde o crivo dos jornalistas se manifesta com maior intensidade, o modelo do gatekeeping é o mais adequado, tendo em vista que o processo de apuração e validação do conteúdo, bem como a sua disposição e articulação com outros elementos informativos no site é de responsabilidade, somente, da redação.
  • 20. Convergência e polivalência jornalística - A convergência é um continuum (Dailey, Demo y Spillman, 2005) um marco de atuação, assinalado pela coexistência, promoção combinada, cooperação, integração e fusão; - A mudança mais radical diz respeito ao fluxo de informação; - A ampliação do lugar de emissão reforça a necessidade do jornalista nos processos de apuração das notícias.; -Participação implica também na recirculação.
  • 21. Bases de dados como dispositivo para o jornalismo colaborativo
  • 22. O que é dispositivo? Qualquer coisa que tenha de algum modo a capacidade de capturar, orientar, determinar, interceptar, modelar, controlar e assegurar os gestos, as condutas, as opiniões e os discursos dos seres viventes. Não somente, portanto, as prisões, os manicômios, o Panóptico, as escolas, a confissão, as fábricas, as disciplinas, as medidas jurídicas etc, cuja conexão com o poder é num certo sentido evidente, mas também a caneta, a escritura, a literatura, a filosofia, a agricultura, o cigarro, a navegação, os computadores, os telefones celulares e – por que não – a própria linguagem, que talvez é o mais antigo dos dispositivos (AGAMBEN, 2009, p. 40-41)
  • 23. Ainda sobre dispositivo A concepção de Agamben para dispositivo se relaciona com a tese de Lev Manovich (2001) para as bases de dados como forma cultural, que orienta o ver, o navegar e o buscar. As bases de dados – em nosso entendimento – também podem ser classificadas como dispositivos, pois têm em si a capacidade de “capturar, orientar, determinar, interceptar, modelar, controlar e assegurar os gestos, as condutas, as opiniões e os discursos dos seres viventes”.
  • 24.
  • 25. O jornalismo a partir das bases de dados Nível 1: Dados de entrega; Nível 2: Busca de dados.; Nível 3: Exploração de dados; Nível 4: Visualização de dados; Nível 5: Dados de experiências e histórias (GORDON, 2007)
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. Liberação das API’s e a segunda fase do jornalismo colaborativo: A API (Interface de Programação de Aplicativos) cumpre uma função social de facilitar a apropriação de softwares e aplicativos sem envolver-se com a programação. Esse processo de liberação da API e dos bancos de dados implica a geração de valor, tanto para a comunidade como para os jornais, como potencializa a inovação, a partir do momento que em que permite a participação dos usuários no desenvolvimento dos seus produtos e por fim, reconfigura também o jornalismo colaborativo.
  • 30. Ainda sobre a segunda fase Machado (2006) pontua que, no jornalismo digital, as Bases de Dados, assume três funções: “1-de formato para estruturação da informação; 2- de suporte para modelos de narrativa multimídia; 3- de memória dos conteúdos publicados”. Propomos que as bases de dados desempenham uma quarta função: a de dispositivo para as apropriações colaborativas, pois a partir do momento em que os jornais disponibilizam as bases de dados para o livre uso dos usuários, essa função de suporte não é suficiente para compreender esse processo.
  • 31. Potencialização da colaboração No Jornalismo Colaborativo, a BD’s possibilitará a participação dos usuários em dois novos níveis: 1- interface/apresentação de conteúdo e 2- na produção de conteúdo, a partir do manejo com base de dados disponibilizadas por meio de API´s e resultantes da Lei de Acesso à Informação. A liberação das APIs e das bases de dados inaugurou uma segunda fase do Jornalismo Colaborativo, pois os cidadãos agora desenvolvem novos formatos de apresentação de conteúdos que são gerados por jornais, bem como interfaces para o consumo/colaboração em dispositivos móveis e desktops, por exemplo.
  • 32. Funcionalidades e características do Jornalismo Colaborativo a partir das Bases de Dados: 1- Organizações jornalísticas que disponibilizam as bases de dados para consulta/colaboração; 2- Organizações jornalísticas que constroem suas próprias bases de dados, seja a partir de informações públicas ou via coleta de informações primárias; 3- Organizações jornalísticas que liberam suas API's para apropriação;
  • 33. Funcionalidades e características do Jornalismo Colaborativo a partir das Bases de Dados: 4- Organizações jornalísticas que transformam bases de dados em produtos interativos e dinâmicos; 5- Organizações jornalísticas que criam conteúdo a partir dos dados elaborados pelos cidadãos.
  • 34. 1- Organizações jornalísticas que disponibilizam as bases de dados para consulta/colaboração
  • 35. 2- Organizações jornalísticas que constroem suas próprias bases de dados, seja a partir de informações públicas ou via coleta de informações primárias;
  • 36.
  • 37. 2- Organizações jornalísticas que constroem suas próprias bases de dados, seja a partir de informações públicas ou via coleta de informações primárias;
  • 38. 3- Organizações jornalísticas que liberam suas API's para apropriação;
  • 39. 4- Organizações jornalísticas que transformam bases de dados em produtos interativos e dinâmicos;
  • 40. 5- Organizações jornalísticas que criam conteúdo a partir dos dados elaborados pelos cidadãos.
  • 41.
  • 42. Hackeamento como estratégia de inovação das organizações jornalísticas O hackeamento não significa apenas a capacidade e domínio de linguagens e códigos, mas sim, uma busca por criação de novas formas de ver e se relacionar com os ambientes. Defende-se ainda que o hackeamento pode potencializar o que o Paul Bradshaw (online) conceitua como Data Driven Journalism.
  • 43.
  • 44. Hackeamento x jornalismo Mancini (2011) em seu livro “Hackear el Periodismo”, diz que hackear o jornalismo é trabalhar para melhorar os aspectos técnicos, encontrar alternativas para as questões financeira e contribuir para otimizar a prática social. A partir destas experiências mapeadas mediante observações sistemáticas, é possível pensar que o hackeamento em organizações jornalísticas em dois níveis:
  • 45. Níveis de hackeamento 1- Interno: Quando é desenvolvido a partir das suas próprias API’s ou a partir de base de dados públicas (como as experiências desenvolvidas pelo The Guardian e pelo Estadão); 2- Externo: Quando comunidades de hackers, jornalistas e demais profissionais criam novos produtos a partir de bases de dados públicos, API’s dos jornais, entre outros. Um exemplo do nível externo são os projetos desenvolvidos a partir de base de dados públicos do Governo Federal, disponibilizados no site dados.gov.br
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50. Conclusões No Jornalismo Colaborativo de segunda geração, as bases de dados atuam como suporte para a elaboração de novas narrativas, deixando de ser apenas um aspecto técnico e tecnológico para tornar-se matéria-prima para os processos colaborativos de produção de conteúdo.
  • 51. Conclusões A colaboração emerge como um aspecto essencial, sobretudo na produção, circulação e recirculação dos produtos jornalísticos, tendo em vista um ecossistema midiático estruturado na lógica multiplataforma, de continuum multimídia de cariz dinâmico (BARBOSA, 2013).
  • 52. Contatos Yuri Almeida @herdeirodocaos hdocaos@gmail.com Face: Yuri Almeida (www.facebook.com/herdeirodocaos) Page: www.facebook.com/yurialmeidajornalismo