SlideShare uma empresa Scribd logo

Tge resumo

Tge resumo

1 de 6
Baixar para ler offline
TGE - Resumo - Introdução
Aluno: Geraldo - Curso de Direito
Visite o Site: www.geraldofadipa.comunidades.net
1. Estado
⇒ Criação mental. Não existe fisicamente.
2. Contexto da Formação do Pensamento Social Brasileiro. ⇒ Elementos
 Oriundos de Portugal: Militares, Clero, Degredados e Aventureiros.
 Nativo: Índio
 Africano: Negro para trabalhar na produção cana-de-açúcar
3. Contexto da Formação do Pensamento Social Brasileiro. ⇒ Dominação
 Inicia-se a celebração da primeira missa. Marco do início do
processo de catequização dos nativos.
4. (Des) Equilíbrios Sociais
 Característica da nova sociedade se centrou na hierarquização o que
acarretou o "jeitinho brasileiro".
 Ao ocupar uma determinada posição o indivíduo não quer mais sair
e aqueles que estão abaixo dão um jeito de obter vantagens.
Atenção. ⇒ Com "amigos" em degraus superiores nesta hierarquia
consegue atingir seus objetivos por outros caminhos que não o
previsto pelas norma (leis).
5. Primeiro Tribunal. ⇒ Estado Português e Igreja eram uno.
 O estado português não era laico. Era um Estado católico. Crime e
pecado se fundiam. Assim o primeiros tribunal instalado na colônia
foi o do Santo Ofício.
Tribunal do Santo Ofício (Inquisição). ⇒ Tribunal da Igreja Católica
que julgava de acordo com o denominado Direito Canônico (regras
estruturais da igreja) aquele que se desviava da doutrina cristã.
Lembramos que neste período crime e pecado estavam num mesmo
patamar diante do Estado.
6. Os modo de mobilidade social criados.
 Mobilidade social: Passagem de um indivíduo ou de um grupo de
uma posição social para outra, de forma ascendente, descendente
ou linear.
7. Estado. ⇒ Viabilidade
 O que torna o Estado viável é o ser humano. O ser humano junto com
as instituições constituem os elementos objetivos.
 Os elementos subjetivos são os valores coletivos que definem o
modelo do Estado. Exemplo: Paternalista, Conservador, etc.
8. Formas de Governo. ⇒ Registro Histórico
 Monarquia. ⇒ Poder hereditário e vitalício.
 República. ⇒ Poder não hereditário e por tempo determinado.
Atenção.
 Existe república que viraram ditaduras.
 Quase todas as monarquias existentes atualmente são
constitucional parlamentar.
Observação 01. ⇒ O Brasil passou pelos dois modelos. Em 1993
houve um plebiscito para escolha da forma de governo do Brasil em
que a monarquia era uma das opções .
Atenção. ⇒ Ideia filosófica de Governo. ⇒ Anarquismo: um conceito
político que prega a eliminação de qualquer forma de governo
compulsório.
9. Formas de Governo. ⇒ Monarquia
Conceito. ⇒ Em regra é um sistema de governo que um monarca (rei,
sultão, etc.) e a transmissão de poder ocorre de forma hereditária (de
pai para filho), portanto não há eleições para a escolha de um monarca.
Este governa de forma vitalícia, ou seja, até morrer ou abdicar.
Formas. ⇒ Absoluta ou Parlamentar
Característica.
 Hereditária. ⇒ De pai para filho.
 Vitalícia. ⇒ Regra a mesma família. Salvo se mudar o modelo.
 Irresponsabilidade Política. ⇒ Validade só nas monarquias absoluta.
 Não deve satisfação pelo que fez.
10.Formas de Governo. ⇒ Monarquia
Vantagens
 Países monárquicos são, na sua maioria, os que têm melhor
Índice de Desenvolvimento Humano.
 O Rei e uma posição sem disputa (vitalício) e portanto, em regra,
não precisa negociar para manter o poder (pode estar isento de
ato de corrupção).
 A maioria das Monarquias Europeias são mais baratas do que a
maioria das República.
 O postulante a coroa é preparado desde a infância para o cargo.
Desvantagens
 Estabilidade e Unidade centrada em uma única pessoa para servir
de exemplo aos seus súditos. Porém, desequilíbrio e escândalos
podem constituir elementos de insegurança.
Observação
 Consideram a monarquia uma ante democracia pelo fato de não
haver escolha popular do monarca.
11.Formas de Governo ⇒ República
 Re (coisa) + pública (de todos). ⇒ Coisa de todos. Pode-se
apresentar no modelo presidencialista e parlamentarista.
12.Caminho da República no Brasil
 Republica velha ou primeira república. ⇒ Estende-se até a década
de 1930 e foi marcada pela hegemonia dos cafeicultores, pelo
política dos governadores e pelo coronelismo.
 Elite econômica e militar é que derruba o imperador e impõe a
república. Portanto, a republica surge sem a participação popular.
 A república surge diante do consenso da elite dominante (que
possuía recursos financeiros) e dos militares (que possuía as
armas).
 Período Ditatorial.
 Movimento de redemocratização.
 Início dos governos civis e eleições direta.
 Constituição cidadã
13.Formas de Governo. ⇒ Parlamentarismo
 Primeiro modelo. ⇒ Surge na Inglaterra. ⇒ Através de lutas, com
erros e acertos, para limitar o poder de governo absoluto do rei.
 Separação Chefe de Estado x Chefe de Governo.
 Chefe de Estado. ⇒ Função representativa e protocolar.
 Chefe de Governo. ⇒ Função Administrativa (executiva).
 Nomenclaturas.
⇒ primeiro Ministro: Inglaterra
⇒ Chanceler: Alemanha
⇒ Premier: Luxemburgo
 Características.
⇒ Responsabilidade política.
⇒ Separação Chefe de Estado e Chefe de Governo.
⇒ Possibilidade de afastamento da função.
⇒ Governo de prazo indeterminado.
14.Formas de Governo. ⇒ Presidencialismo
 Conceito. ⇒ Forma de governo, comum nas repúblicas, onde o
poder executivo é liderado pelo Presidente da República.
 Surgimento Histórico. ⇒ Primeiro modelo surge nos Estados
Unidos.
 Características.
 O Presidente exerce as duas posições: Chefe de Governo e Chefe
de Estado.
 Permanência é por tempo limitado. No Brasil 4 anos com direito
a uma possível reeleição.
 Não governa sozinho. Nomeia-se pessoas de sua confiança que
são chamados de ministros.
 Forma de Ingresso. ⇒ Voto popular.
 Forma de desligamento. ⇒ Traumático. Seu desligamento se dá
através do Impeachment que é uma palavra inglesa que significa
"impedimento" ou "impugnação".
15.Burocracia. ⇒ Definições
 Sentido Vulgar. ⇒ Senso comum tem a ideia pejorativa com o intuito
de criar obstáculos. Indica algo negativo que gera entraves a
movimentações, especialmente no setor público.
 Sentido Técnico. ⇒ Criar estruturas organizadas. Especialização
para ganhar eficiência. Indica uma especialização das atividades, de
modo a organizar para gerar maior eficiência e tornar os
procedimentos mais racionais.
 Sentido Correto. ⇒ Promoção da organização de atividades.
Organizar de forma estratégica para ganhar eficiência com a
promoção de racionalização das atividades.
Atenção
 As estruturas especializadas para gerar eficiência funciona
perfeitamente nas organizações privadas e não conseguem o
mesmos nas repartições públicas.
16.Grupos de Interesses x Grupos de Pressão
 Ambos são grupos que atuam de forma coletiva na busca da
satisfação da necessidade, seja de um grupo apenas ou de toda a
coletividade da sociedade. o que qualifica os grupos, não é sua
forma de composição, mas a sua forma de atuação.
 Diferença. ⇒ Está na forma de fazer. Sua atuação para atingir os
resultados
 Grupos de interesses. ⇒ Atuam coletivamente, mas sem
exercer qualquer tipo de influência sobre o poder público ou
sobre o poder político. Procura resolver entre si os problemas
oriundos dos interesses coletivos.
 Grupos de Pressão. ⇒ São grupos que para alcançar os
resultados pretendidos, exercem influência sobre o poder
público ou sobre o poder político.
 Exemplos. ⇒ Centrais sindicais, Igreja católica e
evangélicas, OAB, Banqueiros, etc.
17.Lobista
 Pessoa que faz "lobby", rede de influência, pressão ou campanha
realizada por um grupo organizado que busca exercer influência ou
controlar algo.
No Brasil. ⇒ Em função de falta de regulamentação, está
associado a suborno, crime, tráfico de Influência, gestão
temerária (imprudente, sem fundamento), etc.
No exterior. ⇒ Tem códigos de ética, legitimidade de
propósitos, e ações bem sucedidas. Nos EUA lobista é
profissão regulamentada. No Congresso dos Estados Unidos
entidades registradas atuam regularmente no “lobby”.
Anúncio

Recomendados

O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado NovoRui Neto
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoRui Nobre
 
A Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoA Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoAna Batista
 
Políticas Educacionais Globais - PISA
Políticas Educacionais Globais - PISAPolíticas Educacionais Globais - PISA
Políticas Educacionais Globais - PISAPaulo Ferreira
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismoacmramos
 
Historia tema10-estadonovo intervencionismo
Historia tema10-estadonovo intervencionismoHistoria tema10-estadonovo intervencionismo
Historia tema10-estadonovo intervencionismoAna Cristina F
 
Estado Novo
Estado NovoEstado Novo
Estado Novoblog-eic
 
Estado novo ana machado
Estado novo  ana machadoEstado novo  ana machado
Estado novo ana machadoAnaRquel
 
Estado novo- introduçao
Estado novo- introduçaoEstado novo- introduçao
Estado novo- introduçaoFrederico
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Laboratório de História
 
Protestos e manifestações
Protestos e manifestaçõesProtestos e manifestações
Protestos e manifestaçõesFilipe Matos
 
Poder, política e Estado no Brasil
Poder, política e Estado no BrasilPoder, política e Estado no Brasil
Poder, política e Estado no BrasilBarbarah Duzzioni
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo010693
 
O Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLvia
O Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLviaO Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLvia
O Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLviaTchuca
 
Estado novo e censura
Estado novo e censuraEstado novo e censura
Estado novo e censuraSlviaFazTudo
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novocattonia
 

Mais procurados (19)

O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Estado Novo 1
Estado Novo 1Estado Novo 1
Estado Novo 1
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
 
Historia tema10-estadonovo intervencionismo
Historia tema10-estadonovo intervencionismoHistoria tema10-estadonovo intervencionismo
Historia tema10-estadonovo intervencionismo
 
Estado Novo
Estado NovoEstado Novo
Estado Novo
 
Estado novo ana machado
Estado novo  ana machadoEstado novo  ana machado
Estado novo ana machado
 
Estado novo- introduçao
Estado novo- introduçaoEstado novo- introduçao
Estado novo- introduçao
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
 
Web 4
Web 4Web 4
Web 4
 
Protestos e manifestações
Protestos e manifestaçõesProtestos e manifestações
Protestos e manifestações
 
Poder, política e Estado no Brasil
Poder, política e Estado no BrasilPoder, política e Estado no Brasil
Poder, política e Estado no Brasil
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo
 
O Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLvia
O Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLviaO Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLvia
O Estado Novo E Mocidade Portuguesa SíLvia
 
Estado novo e censura
Estado novo e censuraEstado novo e censura
Estado novo e censura
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Populismo
PopulismoPopulismo
Populismo
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 

Semelhante a Tge resumo

A organização política no planeta
A organização política no planetaA organização política no planeta
A organização política no planetaProfessor
 
Aorganizao poltica no planeta
Aorganizao poltica no planetaAorganizao poltica no planeta
Aorganizao poltica no planetaProfessor
 
Monitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e Rousseau
Monitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e RousseauMonitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e Rousseau
Monitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e RousseauDaniela Etiene
 
Unidade 2 como exercer a cidadania
Unidade 2   como exercer a cidadaniaUnidade 2   como exercer a cidadania
Unidade 2 como exercer a cidadaniaMarisa Barbosa
 
SociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelSociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelMatheus Lima
 
Os 100 anos da República Monárquica
Os 100 anos da República Monárquica Os 100 anos da República Monárquica
Os 100 anos da República Monárquica Joao Fernandes
 
O Estado e a Constituição
O Estado e a ConstituiçãoO Estado e a Constituição
O Estado e a ConstituiçãoPaulo Alexandre
 
O Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsO Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsPaulo Alexandre
 
Democracia em Crise? - Nicholas Merlone
Democracia em Crise? - Nicholas MerloneDemocracia em Crise? - Nicholas Merlone
Democracia em Crise? - Nicholas MerloneNicholas Merlone
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxFrederico Marques Sodré
 

Semelhante a Tge resumo (20)

Estado 02
Estado 02Estado 02
Estado 02
 
A organização política no planeta
A organização política no planetaA organização política no planeta
A organização política no planeta
 
Aorganizao poltica no planeta
Aorganizao poltica no planetaAorganizao poltica no planeta
Aorganizao poltica no planeta
 
Monitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e Rousseau
Monitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e RousseauMonitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e Rousseau
Monitoria ciência política - Arendt, Maquiavel e Rousseau
 
Unidade 2 como exercer a cidadania
Unidade 2   como exercer a cidadaniaUnidade 2   como exercer a cidadania
Unidade 2 como exercer a cidadania
 
Aula estado dominação_poder
Aula estado dominação_poderAula estado dominação_poder
Aula estado dominação_poder
 
Sistemas de governo republica-cidadania
Sistemas de governo republica-cidadaniaSistemas de governo republica-cidadania
Sistemas de governo republica-cidadania
 
Sistemas de governo republica-cidadania
Sistemas de governo republica-cidadaniaSistemas de governo republica-cidadania
Sistemas de governo republica-cidadania
 
Sistemas de governo republica-cidadania
Sistemas de governo republica-cidadaniaSistemas de governo republica-cidadania
Sistemas de governo republica-cidadania
 
Brasil estado
Brasil estadoBrasil estado
Brasil estado
 
SociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelSociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavel
 
Ciência política5
Ciência política5Ciência política5
Ciência política5
 
Os 100 anos da República Monárquica
Os 100 anos da República Monárquica Os 100 anos da República Monárquica
Os 100 anos da República Monárquica
 
Estados modernos e cidadania
Estados modernos e cidadaniaEstados modernos e cidadania
Estados modernos e cidadania
 
O Estado e a Constituição
O Estado e a ConstituiçãoO Estado e a Constituição
O Estado e a Constituição
 
O Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHsO Estado, a leis e os DHs
O Estado, a leis e os DHs
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
Democracia em Crise? - Nicholas Merlone
Democracia em Crise? - Nicholas MerloneDemocracia em Crise? - Nicholas Merlone
Democracia em Crise? - Nicholas Merlone
 
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptxESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
ESTADO, NAÇÃO, TERRITÓRIO - 2ª SÉRIE.pptx
 
Aula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e GovernoAula 15 - Estado e Governo
Aula 15 - Estado e Governo
 

Mais de Pitágoras

Arbitragem resumo
Arbitragem resumoArbitragem resumo
Arbitragem resumoPitágoras
 
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaViagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaPitágoras
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoPitágoras
 
Estorias do vo jaco
Estorias do vo jacoEstorias do vo jaco
Estorias do vo jacoPitágoras
 
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Bom jesus nos meus  tempos de criancaBom jesus nos meus  tempos de crianca
Bom jesus nos meus tempos de criancaPitágoras
 
Familia batista
Familia batistaFamilia batista
Familia batistaPitágoras
 
Meus avos maternos
Meus avos maternosMeus avos maternos
Meus avos maternosPitágoras
 
Familia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosFamilia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosPitágoras
 
As terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobAs terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobPitágoras
 
Curso de direito penal
Curso de direito penalCurso de direito penal
Curso de direito penalPitágoras
 
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaAtividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaPitágoras
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockePitágoras
 
Atividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalAtividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalPitágoras
 
Direito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasDireito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasPitágoras
 
Direito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoDireito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoPitágoras
 
Perspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPerspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPitágoras
 
Previdenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPrevidenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPitágoras
 
Processo penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalProcesso penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalPitágoras
 

Mais de Pitágoras (20)

Arbitragem resumo
Arbitragem resumoArbitragem resumo
Arbitragem resumo
 
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaViagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomeno
 
Tio Altivo
Tio AltivoTio Altivo
Tio Altivo
 
Bom crioulo
Bom criouloBom crioulo
Bom crioulo
 
Estorias do vo jaco
Estorias do vo jacoEstorias do vo jaco
Estorias do vo jaco
 
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Bom jesus nos meus  tempos de criancaBom jesus nos meus  tempos de crianca
Bom jesus nos meus tempos de crianca
 
Familia batista
Familia batistaFamilia batista
Familia batista
 
Meus avos maternos
Meus avos maternosMeus avos maternos
Meus avos maternos
 
Familia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosFamilia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinos
 
As terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobAs terras de francisco jacob
As terras de francisco jacob
 
Curso de direito penal
Curso de direito penalCurso de direito penal
Curso de direito penal
 
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaAtividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john locke
 
Atividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalAtividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parental
 
Direito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasDireito constitucional competencias
Direito constitucional competencias
 
Direito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoDireito constitucional introducao
Direito constitucional introducao
 
Perspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPerspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicas
 
Previdenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPrevidenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadorias
 
Processo penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalProcesso penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penal
 

Tge resumo

  • 1. TGE - Resumo - Introdução Aluno: Geraldo - Curso de Direito Visite o Site: www.geraldofadipa.comunidades.net 1. Estado ⇒ Criação mental. Não existe fisicamente. 2. Contexto da Formação do Pensamento Social Brasileiro. ⇒ Elementos  Oriundos de Portugal: Militares, Clero, Degredados e Aventureiros.  Nativo: Índio  Africano: Negro para trabalhar na produção cana-de-açúcar 3. Contexto da Formação do Pensamento Social Brasileiro. ⇒ Dominação  Inicia-se a celebração da primeira missa. Marco do início do processo de catequização dos nativos. 4. (Des) Equilíbrios Sociais  Característica da nova sociedade se centrou na hierarquização o que acarretou o "jeitinho brasileiro".  Ao ocupar uma determinada posição o indivíduo não quer mais sair e aqueles que estão abaixo dão um jeito de obter vantagens. Atenção. ⇒ Com "amigos" em degraus superiores nesta hierarquia consegue atingir seus objetivos por outros caminhos que não o previsto pelas norma (leis). 5. Primeiro Tribunal. ⇒ Estado Português e Igreja eram uno.  O estado português não era laico. Era um Estado católico. Crime e pecado se fundiam. Assim o primeiros tribunal instalado na colônia foi o do Santo Ofício. Tribunal do Santo Ofício (Inquisição). ⇒ Tribunal da Igreja Católica que julgava de acordo com o denominado Direito Canônico (regras estruturais da igreja) aquele que se desviava da doutrina cristã. Lembramos que neste período crime e pecado estavam num mesmo patamar diante do Estado.
  • 2. 6. Os modo de mobilidade social criados.  Mobilidade social: Passagem de um indivíduo ou de um grupo de uma posição social para outra, de forma ascendente, descendente ou linear. 7. Estado. ⇒ Viabilidade  O que torna o Estado viável é o ser humano. O ser humano junto com as instituições constituem os elementos objetivos.  Os elementos subjetivos são os valores coletivos que definem o modelo do Estado. Exemplo: Paternalista, Conservador, etc. 8. Formas de Governo. ⇒ Registro Histórico  Monarquia. ⇒ Poder hereditário e vitalício.  República. ⇒ Poder não hereditário e por tempo determinado. Atenção.  Existe república que viraram ditaduras.  Quase todas as monarquias existentes atualmente são constitucional parlamentar. Observação 01. ⇒ O Brasil passou pelos dois modelos. Em 1993 houve um plebiscito para escolha da forma de governo do Brasil em que a monarquia era uma das opções . Atenção. ⇒ Ideia filosófica de Governo. ⇒ Anarquismo: um conceito político que prega a eliminação de qualquer forma de governo compulsório. 9. Formas de Governo. ⇒ Monarquia Conceito. ⇒ Em regra é um sistema de governo que um monarca (rei, sultão, etc.) e a transmissão de poder ocorre de forma hereditária (de pai para filho), portanto não há eleições para a escolha de um monarca. Este governa de forma vitalícia, ou seja, até morrer ou abdicar. Formas. ⇒ Absoluta ou Parlamentar
  • 3. Característica.  Hereditária. ⇒ De pai para filho.  Vitalícia. ⇒ Regra a mesma família. Salvo se mudar o modelo.  Irresponsabilidade Política. ⇒ Validade só nas monarquias absoluta.  Não deve satisfação pelo que fez. 10.Formas de Governo. ⇒ Monarquia Vantagens  Países monárquicos são, na sua maioria, os que têm melhor Índice de Desenvolvimento Humano.  O Rei e uma posição sem disputa (vitalício) e portanto, em regra, não precisa negociar para manter o poder (pode estar isento de ato de corrupção).  A maioria das Monarquias Europeias são mais baratas do que a maioria das República.  O postulante a coroa é preparado desde a infância para o cargo. Desvantagens  Estabilidade e Unidade centrada em uma única pessoa para servir de exemplo aos seus súditos. Porém, desequilíbrio e escândalos podem constituir elementos de insegurança. Observação  Consideram a monarquia uma ante democracia pelo fato de não haver escolha popular do monarca. 11.Formas de Governo ⇒ República  Re (coisa) + pública (de todos). ⇒ Coisa de todos. Pode-se apresentar no modelo presidencialista e parlamentarista.
  • 4. 12.Caminho da República no Brasil  Republica velha ou primeira república. ⇒ Estende-se até a década de 1930 e foi marcada pela hegemonia dos cafeicultores, pelo política dos governadores e pelo coronelismo.  Elite econômica e militar é que derruba o imperador e impõe a república. Portanto, a republica surge sem a participação popular.  A república surge diante do consenso da elite dominante (que possuía recursos financeiros) e dos militares (que possuía as armas).  Período Ditatorial.  Movimento de redemocratização.  Início dos governos civis e eleições direta.  Constituição cidadã 13.Formas de Governo. ⇒ Parlamentarismo  Primeiro modelo. ⇒ Surge na Inglaterra. ⇒ Através de lutas, com erros e acertos, para limitar o poder de governo absoluto do rei.  Separação Chefe de Estado x Chefe de Governo.  Chefe de Estado. ⇒ Função representativa e protocolar.  Chefe de Governo. ⇒ Função Administrativa (executiva).  Nomenclaturas. ⇒ primeiro Ministro: Inglaterra ⇒ Chanceler: Alemanha ⇒ Premier: Luxemburgo  Características. ⇒ Responsabilidade política. ⇒ Separação Chefe de Estado e Chefe de Governo. ⇒ Possibilidade de afastamento da função. ⇒ Governo de prazo indeterminado.
  • 5. 14.Formas de Governo. ⇒ Presidencialismo  Conceito. ⇒ Forma de governo, comum nas repúblicas, onde o poder executivo é liderado pelo Presidente da República.  Surgimento Histórico. ⇒ Primeiro modelo surge nos Estados Unidos.  Características.  O Presidente exerce as duas posições: Chefe de Governo e Chefe de Estado.  Permanência é por tempo limitado. No Brasil 4 anos com direito a uma possível reeleição.  Não governa sozinho. Nomeia-se pessoas de sua confiança que são chamados de ministros.  Forma de Ingresso. ⇒ Voto popular.  Forma de desligamento. ⇒ Traumático. Seu desligamento se dá através do Impeachment que é uma palavra inglesa que significa "impedimento" ou "impugnação". 15.Burocracia. ⇒ Definições  Sentido Vulgar. ⇒ Senso comum tem a ideia pejorativa com o intuito de criar obstáculos. Indica algo negativo que gera entraves a movimentações, especialmente no setor público.  Sentido Técnico. ⇒ Criar estruturas organizadas. Especialização para ganhar eficiência. Indica uma especialização das atividades, de modo a organizar para gerar maior eficiência e tornar os procedimentos mais racionais.  Sentido Correto. ⇒ Promoção da organização de atividades. Organizar de forma estratégica para ganhar eficiência com a promoção de racionalização das atividades. Atenção  As estruturas especializadas para gerar eficiência funciona perfeitamente nas organizações privadas e não conseguem o mesmos nas repartições públicas.
  • 6. 16.Grupos de Interesses x Grupos de Pressão  Ambos são grupos que atuam de forma coletiva na busca da satisfação da necessidade, seja de um grupo apenas ou de toda a coletividade da sociedade. o que qualifica os grupos, não é sua forma de composição, mas a sua forma de atuação.  Diferença. ⇒ Está na forma de fazer. Sua atuação para atingir os resultados  Grupos de interesses. ⇒ Atuam coletivamente, mas sem exercer qualquer tipo de influência sobre o poder público ou sobre o poder político. Procura resolver entre si os problemas oriundos dos interesses coletivos.  Grupos de Pressão. ⇒ São grupos que para alcançar os resultados pretendidos, exercem influência sobre o poder público ou sobre o poder político.  Exemplos. ⇒ Centrais sindicais, Igreja católica e evangélicas, OAB, Banqueiros, etc. 17.Lobista  Pessoa que faz "lobby", rede de influência, pressão ou campanha realizada por um grupo organizado que busca exercer influência ou controlar algo. No Brasil. ⇒ Em função de falta de regulamentação, está associado a suborno, crime, tráfico de Influência, gestão temerária (imprudente, sem fundamento), etc. No exterior. ⇒ Tem códigos de ética, legitimidade de propósitos, e ações bem sucedidas. Nos EUA lobista é profissão regulamentada. No Congresso dos Estados Unidos entidades registradas atuam regularmente no “lobby”.