SlideShare uma empresa Scribd logo

Dst pronto mesmo2

1 de 56
Baixar para ler offline
DST
Doenças Sexualmente
   Transmissíveis
    8º Período de Enfermagem
        Faculdade Redentor
Candidíase (Candida Albicans) e
     Herpes Genital ( HSV-II )
Candida albicans
Candidíase
CONCEITO: É uma infecção provocada pelo fungo
  Candida Albicans,   que normalmente existe no
  organismo de uma mulher saudável. O problema
  aparece quando ela se multiplica mais do que deveria.

CAUSAS: Pode ser manifestada por baixa imunidade(baixa
  defesa do organismo); podendo estar relacionada ao
  estresse, a doenças como diabetes e Lúpus eritematoso
  sistêmico; uso contínuo de antibióticos, hormônios e
  corticóides; hábitos de higiene inadequados; outros.
Candidíase
SINTOMAS:       Nos órgãos genitais: Mulheres- coceira,
 vermelhidão e inchaço da região exterior da vagina, com
 secreção branca e espessa (semelhante a leite talhado)
 Homens- inchaço, vermelhidão do pênis e prepúcio.
Candidíase

DIAGNÓSTICO:    História   clínica  do
 paciente, exame físico dos genitais e
 laboratorial.

TRATAMENTO: Simples e eficaz com uso
 de medicamentos e com mudança de
 hábitos.
HERPES GENITAL
CONCEITO E CAUSAS:
• Provocado pelo vírus Herpes Simples Tipo II
  -atinge a vulva, vagina e pênis.
• Uma vez infectado o vírus permanece no
  organismo por toda a vida, manifestando-se de
  tempos em tempos, devido a diversos tipos de
  estresses.
• Transmissão : de uma pessoa para outra
  durante contato físico(sexual).
Anúncio

Recomendados

Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)Bio Sem Limites
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)Fernanda Gonçalves
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..tiafer96
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)António Matias
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveiseborges
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsSaúde Hervalense
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiEduarda Gobbi
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & Gonorreia
Doenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & GonorreiaDoenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & Gonorreia
Doenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & GonorreiaRanmes De Oliveira
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesPibid Biologia Cejad
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveislipe98
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)xandaobyte
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoAlexandre Naime Barbosa
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]Cristina0910
 
Quais são as ist's
Quais são as ist'sQuais são as ist's
Quais são as ist'sMarco Silva
 

Mais procurados (20)

Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
 
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DSTO QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
O QUE PRECISAMOS SABER SOBRE DST
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & Gonorreia
Doenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & GonorreiaDoenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & Gonorreia
Doenças Sexualmente Transmissíveis Linfogranuloma & Gonorreia
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Tricomoniase
TricomoniaseTricomoniase
Tricomoniase
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
TRICOMONÍASE 
TRICOMONÍASE TRICOMONÍASE 
TRICOMONÍASE 
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
 
DST
DSTDST
DST
 
Clamídia
ClamídiaClamídia
Clamídia
 
Ist inês e carla
Ist inês e carlaIst inês e carla
Ist inês e carla
 
Quais são as ist's
Quais são as ist'sQuais são as ist's
Quais são as ist's
 

Destaque

Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Anopit
 
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power PoitDoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poitedsaude
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivosjppaco
 
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos AdolescentesMéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos Adolescentesrenalinhares
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisjoao11batista
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivosveronicasilva
 

Destaque (8)

Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Ano
 
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power PoitDoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
 
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos AdolescentesMéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
 
DST
DSTDST
DST
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 

Semelhante a Dst pronto mesmo2

Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Alina del Carmen Cowen
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfHilderlanArajo
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)DEIZYSOUZA
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Marcelo Henrique
 
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]paulinhavelten
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsIvete Campos
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereiraSANTOS Odirley
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Pelo Siro
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a Dst pronto mesmo2 (20)

PALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdfPALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdf
 
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
 
DST
DSTDST
DST
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
2011
20112011
2011
 
DST
DSTDST
DST
 
Dst
DstDst
Dst
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Dst’s
Dst’s Dst’s
Dst’s
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
 

Dst pronto mesmo2

  • 1. DST Doenças Sexualmente Transmissíveis 8º Período de Enfermagem Faculdade Redentor
  • 2. Candidíase (Candida Albicans) e Herpes Genital ( HSV-II ) Candida albicans
  • 3. Candidíase CONCEITO: É uma infecção provocada pelo fungo Candida Albicans, que normalmente existe no organismo de uma mulher saudável. O problema aparece quando ela se multiplica mais do que deveria. CAUSAS: Pode ser manifestada por baixa imunidade(baixa defesa do organismo); podendo estar relacionada ao estresse, a doenças como diabetes e Lúpus eritematoso sistêmico; uso contínuo de antibióticos, hormônios e corticóides; hábitos de higiene inadequados; outros.
  • 4. Candidíase SINTOMAS: Nos órgãos genitais: Mulheres- coceira, vermelhidão e inchaço da região exterior da vagina, com secreção branca e espessa (semelhante a leite talhado) Homens- inchaço, vermelhidão do pênis e prepúcio.
  • 5. Candidíase DIAGNÓSTICO: História clínica do paciente, exame físico dos genitais e laboratorial. TRATAMENTO: Simples e eficaz com uso de medicamentos e com mudança de hábitos.
  • 6. HERPES GENITAL CONCEITO E CAUSAS: • Provocado pelo vírus Herpes Simples Tipo II -atinge a vulva, vagina e pênis. • Uma vez infectado o vírus permanece no organismo por toda a vida, manifestando-se de tempos em tempos, devido a diversos tipos de estresses. • Transmissão : de uma pessoa para outra durante contato físico(sexual).
  • 7. HERPES GENITAL SINTOMAS: Coceiras e formigamento local aparecendo, a seguir, pequenas bolhas d'água coloridas cheias de fluido transparente ou cor de palha, que estouram podendo deixar uma ferida no local.
  • 8. HERPES GENITAL DIAGNÓSTICO: Exames nas lesões ou bolhas da pele. TRATAMENTO: Não tem cura. Uso de medicamentos para aliviar a dor e desconforto durante as crises, curando as lesões mais rapidamente.
  • 9. HERPES GENITAL • Fatores que desencadeiam as crises : -Fadiga; -irritação genital; -estresse físico ou emocional; -trauma; -outros.
  • 10. Gardnerella vaginalis • O que é? - É uma bactéria comum na flora vaginal de mulheres em fase reprodutiva, estabelecendo, normalmente, um equilíbrio harmônico com o organismo. Entretanto, em casos em que ocorre alguma alteração nessa região, como situações de stress, infecções, gravidez e uso de DIU, essas bactérias podem sofrer uma superpopulação, resultando no que chamamos de vaginose bacteriana.
  • 11. SINAIS E SINTOMAS • Na mulher há presença de corrimento de cor amarelada à acinzentada, odor desagradável (cheiro de peixe em decomposição) e, em algumas pessoas, coceira. É a causa mais frequente de infecção nessa região (vaginal), ocorrendo em aproximadamente 35% dos casos. • No homem pode ser causa de inflamações do prepúcio, glande e/ou uretra, apresentando dor ao urinar, coceira e, mais raramente, secreção. • Há pacientes que não apresentam sintomas.
  • 13. • O período de incubação é de 2 a 21 dias. • O tratamento consiste, na maioria das vezes, no uso de fármacos (METRONIDAZOL) e deve ser estendido ao parceiro.
  • 14. COMO PREVINIR A DOENÇA • Para evitá-la, faça uso da camisinha em todas as relações sexuais, limite o número de parceiros e agende visitas periódicas ao médico especializado, essas são medidas essenciais.
  • 15. SÍFILIS • O que é? • É uma doença infecciosa crônica causada por uma bactéria chamada Treponema pallidum, adquirida, na maior parte das vezes, por contato sexual com outra pessoa contaminada. Se não tratada, progride tornando-se crônica e com manifestações sistêmicas, isto é, comprometendo várias partes do corpo. Sua progressão, de acordo com o grau de comprometimento do corpo, ao longo do tempo, foi dividida em estágios (primária, secundária e terciária).
  • 16. O que se sente? • As primeiras manifestações ocorrem após um período de incubação (da contaminação até apresentar o primeiro sintoma) de duração média de 21 dias, podendo variar de 3 até 90 dias. • A doença apresenta, como foi dito anteriormente, três fases distintas, com manifestações características em cada uma e um período de latência (sem sintomas) entre a segunda e a terceira fase. • Na fase primária, ocorre a lesão clássica nos genitais, porta de entrada do Treponema, chamada de cancro. É uma ferida com bordas endurecidas e profundas com o fundo macio e pouco dolorida. Esta lesão pode não estar presente ou oculta no caso das mulheres. Pode, ainda, ocorrer de maneira múltipla, mais freqüente naqueles indivíduos com a imunidade comprometida, como nos portadores de AIDS. Tais lesões são muito variáveis e freqüentemente atípicas, por esta razão, toda lesão nos genitais deve sofrer avaliação médica. Pode ocorrer o que os médicos chamam de linfoadenomegalias (ínguas) na região inguinal, concomitante, com a lesão primária. O cancro leva em média 3 a 6 semanas para se curar, podendo não deixar marca alguma.
  • 17. •A fase secundária ocorre após 4 a 8 semanas do surgimento do cancro, podendo inclusive esta lesão, ainda, estar presente. Nesta fase, ocorre a maior quantidade de Treponemas circulantes. O indivíduo contaminado apresenta sintomas genéricos como mal-estar, febre, dor-de- cabeça, dor-de-garganta, perda de apetite e peso e, em muitos casos, ínguas (linfoadenomegalias) pelo corpo todo. Em 80% dos casos, ocorrem lesões na pele do corpo todo, “poupando” o rosto, embora possam ocorrer nos lábios e comprometer a planta dos pés e palma das mãos (característico desta fase). São manchas pequenas com 3-10mm de diâmetro, róseas ou violáceas e planas, que não coçam ou doem.
  • 18. •Como o que ocorre nesta segunda fase é uma disseminação da bactéria pelo corpo todo, as manifestações podem variar de acordo com o grau de comprometimento de um ou outro órgão. Podem estar comprometidos cérebro, rins, fígado, tubo digestivo, olhos, ossos, tendões, cartilagens e articulações. Apesar de nesta fase os sintomas serem confundíveis com um grande número de doenças, felizmente, o principal teste diagnóstico é positivo em 99% dos casos. Desta fase, o indivíduo pode ir para sífilis latente, onde não há evolução para a fase terciária e fica livre de sintomas, embora possa recair tendo sintomas da fase secundária e seja potencialmente contaminante, sobretudo mulheres no caso de transmissão intra-útero para o feto. O indivíduo pode permanecer por tempo indeterminado nesta fase, podendo durar a vida toda.
  • 19. A fase terciária é a fase de inflamação progressiva e lenta (crônica) com sintomas relacionados aos órgãos predominantemente comprometidos, é destrutiva e incapacitante. Assim, no caso do cérebro, teremos a neurosífilis, com sintomas de meningite e paralisia de nervos ou o comprometimento de vasos cerebrais causando obstruções de artérias, com sintomas de trombose ou derrames cerebrais. Quando compromete a medula, leva à perda de reflexos e sensibilidade dos membros com progressiva deterioração do controle dos esfíncteres e da capacidade de andar. O espectro de sintomas neurológicos é muito grande, podendo ocorrer quadros mais relacionados à sensibilidade: dores abdominais e/ou em membros até cegueira. Outra apresentação dominante é a cardiovascular, onde ocorre comprometimento de válvulas cardíacas (insuficiência e estenose) e dos grandes vasos principalmente do maior deles: a Aorta, levando à dilatação da mesma (aneurisma). Os sintomas são falta-de-ar e fadiga aos esforços cada vez menores. As conseqüências da fase terciária da sífilis ainda constituem em graves problemas médicos na atualidade, embora o surgimento de casos novos venha apresentando constante diminuição nas sociedades ocidentais desenvolvidas.
  • 20. Como é feito o diagnóstico? • Como se viu anteriormente, esta doença pode se assemelhar com muitas outras, por esta razão o diagnóstico deve primeiro passar pela suspeita clínica. Na maioria das vezes, esta suspeita é levantada pelo médico através da avaliação da exposição às formas de contaminação, principalmente, sexo desprotegido e dos sintomas lesões genitais e manifestações na pele. O diagnóstico de outras doenças sexualmente transmissíveis, como AIDS e gonorréia praticamente obriga a se fazer testes para sífilis. • Após a suspeita clínica, o médico dispõe de duas vias para a confirmação do diagnóstico. Ou detecta a bactéria na lesão (menos frequente), ou, mais frequentemente, testa a presença de anticorpos anti-Treponema no sangue.
  • 21. Como se trata? • O antibiótico mais indicado para a infecção por Treponema pallidum é justamente o mais antigo e de preço mais acessível dentre todos: a penicilina. Esta é uma das principais razões para a observação do decréscimo de novos casos de complicações mais tardias da doença (fase terciária) nos países desenvolvidos. Além, é claro, de eficiente controle de saúde pública. • Tratar sífilis parece ser muito fácil pelo custo e acesso ao tratamento. O maior problema continua sendo o diagnóstico, visto que pode ser confundida com muitas outras doenças.
  • 22. Como se previne? • Não há perspectiva de desenvolvimento de vacina para breve, por isso, a prevenção recai sobre a educação em saúde para suspeita e diagnóstico precoce e tratamento, além da promoção da prática de sexo seguro com o uso de preservativos.
  • 24. Gonorréia • Conceito Doença infecto-contagiosa que se caracteriza pela presença de abundante secreção purulenta (corrimento) pela uretra no homem e vagina e/ou uretra na mulher. Este quadro frequentemente é precedido por prurido (coceira) na uretra e disúria (ardência miccional).
  • 26. • Agente Neisseria gonorrhoeae • Como é uma DST (doença sexualmente transmissível), a prática sexual desprevenida - inclusive anal e oral. A probabilidade de contaminação após o relacionamento com um parceiro doente é de 90%. Bebês correm o risco de serem infectados por suas mães, no momento do parto, apresentando danos oculares. • Período de Incubação 2 a 10 dias • Diagnóstico Exame das secreções coradas pelo Gram e/ou cultura do mesmo material. • Tratamento Antibióticos. • Prevenção O uso da camisinha (ou abstinência sexual) e o pré-natal são as únicas formas de evitar a gonorreia.
  • 28. CONCEITO E AGENTE ETIOLÓGICO • É uma infecção causada pelo Trichomonas vaginalis (protozoário flagelado), tendo como reservatório o órgão genital feminino e a uretra. Sua principal forma de transmissão é a sexual. Pode permanecer assintomática no homem e, na mulher, principalmente após a menopausa. Na mulher, pode acometer a vulva, a uretra e a cérvice uterina, causando cervicovaginite.
  • 29. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Sinais e sintomas:corrimento abundante, amarelado ou amarelo esverdeado, bolhoso, com mau-cheiro; prurido e/ou irritação vulvar; dor pélvica (ocasionalmente); sintomas urinários (disúria, polaciúria); e hiperemia da mucosa, com placas avermelhadas (colpite difusa e/ou focal, com aspecto de framboesa; teste de Schiller "onçóide").
  • 30. Observações:Mais da metade das mulheres portadoras de tricomoníase vaginal são completamente assintomáticas. O simples achado de Trichomonas vaginalis em uma citologia oncótica de rotina impõe o tratamento da mulher e também do seu parceiro sexual, já que se trata de uma DST. A tricomoníase vaginal pode alterar a classe da citologia oncótica. Por isso, nos casos em que houver alterações morfológicas celulares, estas podem estar associadas à tricomoníase. Nesses casos, deve-se realizar o tratamento e repetir a citologia após 2 a 3 meses, para avaliar se há persistência dessas alterações.
  • 31. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Para o diagnóstico das infecções genitais baixas, utiliza-se comumente o exame direto (a fresco) do conteúdo vaginal. Colhe-se uma gota do corrimento, coloca-se sobre a lâmina com uma gota de solução fisiológica, e observa-se ao microscópio, com o condensador baixo. Exame do conteúdo vaginal a fresco: observam-se os parasitas flagelados movimentando-se ativamente entre as células epiteliais e os leucócitos. Esfregaço do conteúdo vaginal corado pelos métodos de Gram, ou Giemsa, ou Papanicolaou. Cultura: valiosa apenas em crianças, em casos suspeitos e com exame a fresco e esfregaço repetidamente negativos. É muito difícil de ser realizada pois requer meio específico e condições de anaerobiose (meio de Diamond).
  • 32. HPV (Papilomavírus humano) DEFINIÇÃO: O HPV (papilomavírus humano), é um grupo de vírus que engloba mais de cem tipos diferentes, pode provocar a formação de verrugas na pele, e nas regiões oral (lábios, boca, cordas vocais, etc.), anal, genital e da uretra. •As lesões genitais podem ser: •De alto risco, porque podem causar tumores malignos, especialmente do câncer do colo do útero e do pênis; •De baixo risco não relacionadas ao aparecimento de câncer.
  • 34. Transmissão •Por via sexual; •Transmissão vertical (mãe/feto); •Auto-inoculação; •Inoculação através de objetos que alberguem o HPV. (fazer penetrar) Diagnóstico Homens: permitem que as lesões sejam mais facilmente reconhecíveis. Nas mulheres: Papanicolaou; a colposcopia. (exames mais comuns)
  • 36. Sintomas •Assintomática •Aparecimento de verrugas com aspecto parecido ao de uma pequena couve-flor na pele e nas mucosas. •Se a alteração nos genitais for discreta, será percebida apenas através de exames específicos. Se forem mais graves, as células infectadas pelo vírus podem perder os controles naturais sobre o processo de multiplicação, invadir os tecidos vizinhos e formar um tumor maligno como o câncer do colo do útero e do pênis.
  • 38. Tratamento •O vírus do HPV pode ser eliminado espontaneamente, sem que a pessoa sequer saiba que estava infectada. •Uma vez feito o diagnóstico, porém, o tratamento pode ser clínico (com medicamentos) •Cirúrgico: cauterização química, eletrocauterização, crioterapia, laser ou cirurgia convencional em casos de câncer instalado.
  • 39. Recomendações * Uso do preservativo – previne o HPV e outras doenças sexualmente transmissíveis; * Saiba que o HPV pode ser transmitido na prática de sexo oral; * Multiplicidade de parceiros - exigem maiores cuidados preventivos; * Informe seu parceiro/a se o resultado de seu exame para HPV for positivo. Ambos precisam de tratamento; * Parto normal não é indicado para gestantes portadoras do HPV com lesões genitais em atividade; * Consulte regularmente o ginecologista e faça os exames prescritos a partir do início da vida sexual. Não se descuide. Diagnóstico e tratamento precoce sempre contam pontos a favor do paciente.
  • 41. Definição e Causa • Doença infecciosa que provoca inflamação no fígado. • Podem ser do tipo A, B,C,D e E • Podem ser causadas por vírus, infecções, drogas, álcool, medicamentos, doenças auto-imunes, entre outros. .
  • 42. Hepatite B e C • Transmitida pelo contato sanguíneo, exemplos: contato sexual, agulha , materiais de manicure, tatuagens e piercings. • Podem apresentar sintomas, ou NÃO.
  • 43. Sintomas • Icterícia • Acolia fecal ( fezes quase branca) • Fraqueza • Náuseas • Dor no fígado • Febre • Perda de apetite • Colúria (urina cor de mate)
  • 45. AIDS Muitos pensam que a AIDS acontece apenas em drogados, homossexuais e prostitutas, que eram os chamados “grupos de risco”. Não se engane; isso ocorreu apenas no início da descoberta da doença. Portanto, podemos fazer parte de um comportamento de risco, pois não existe mais grupo de risco.
  • 46. AIDS CONCEITO Vírus HIV A AIDS é o resultado da contaminação causada pelo vírus HIV que ataca e destrói as defesas naturais do corpo, deixando as pessoas sem condições imunológicas para protegerem-se contra outras doenças. Enfraquecida, a pessoa começa a apresentar várias doenças chamadas de Infecções oportunistas. Após contrair o HIV, o vírus pode permanecer no corpo por meses ou anos sem nenhum sinal aparente de doença, mesmo assim a pessoa já está contaminada, só que a doença ainda não se manifestou. Nesse caso, a pessoa é portadora do vírus HIV. Vírus HIV atacando células de defesas
  • 48. AIDS COMO SE PEGA? A pessoa pode estar sujeita ao contágio do HIV através das seguintes maneiras: Nas relações sexuais: qualquer tipo de relação sexual(oral, vaginal ou anal) entre heterossexuais e homossexuais, feitas “SEM O USO DE CAMISINHA”. Transmissão vertical: que significa a transmissão do HIV da mãe grávida para o seu bebê, durante a gravidez, na hora do parto ou na amamentação. Através de sangue contaminado: através do uso de seringas e agulhas contaminadas pelo HIV(drogas injetáveis). Em acidentes de trabalho com materiais cortantes. CONCLUSÃO: o vírus do HIV pode ser transmitido através do contato direto com sangue,esperma,secreção vaginal,leite materno que já estejam contaminados e na hora do parto.
  • 49. AIDS COMO NÃO SE PEGA? Na convivência do dia-a-dia com a família, amigos, na escola ou no ambiente do trabalho, não existe a possibilidade de transmissão do HIV. Não se pega o HIV visitando uma pessoa contaminada. Não se pega HIV através do contato com saliva, suor, lágrimas, espirros ou urina de outra pessoa. Você pode beijar no rosto, na boca, fazer carinhos, usar copos, talheres e pratos usados por outras pessoas, apertar a mão, sentar em banco de ônibus e assim por diante. Pode usar o mesmo vaso sanitário, piscina, toalhas e lençóis. Não se pega HIV sendo picado por qualquer inseto ou doando sangue.
  • 50. Quais os sintomas da AIDS ? A AIDS propriamente dita não possui sintomas, porém, as doenças chamadas “oportunistas” aproveitam as condições de debilidade do corpo para se desenvolver. As doenças mais comuns são: infecção pulmonar, infecção no cérebro (meningites e encefalites), infecções intestinais, câncer, pneumonia, tuberculose, toxoplasmose, etc.
  • 53. Como saber se você foi contaminado pelo HIV? A única maneira de afirmar se a pessoa está ou não infectada pelo HIV é realizando o teste anti-HIV, que é realizado gratuitamente e o resultado é totalmente sigiloso. Quanto tempo leva para o vírus aparecer no exame e para uma pessoa soropositiva apresentar, sinais da AIDS? Para saber se está infectado ou não, o indivíduo deve esperar, em média, três meses após a exposição a uma situação de risco, para só depois submeter-se ao teste anti-HIV. Este período é chamado pelos médicos de “janela imunológica”, tempo necessário para que o organismo produza quantidade suficiente de anticorpos contra o vírus, a ponto de ser detectada pelos exames de sangue. Para os sintomas, não existe qualquer prazo definido. O teste não detecta o vírus, ele identifica os anticorpos para este vírus e deverá ser repetido seis meses após a exposição.
  • 54. Quem deve fazer o teste? • Homens e mulheres que têm ou tiveram vários parceiros sexuais. • Pessoas que não usam camisinha nas relações sexuais. • Pessoas que pelo menos uma vez compartilharam seringas ou agulhas em uso de drogas injetáveis. • Pessoas que têm ou tiveram alguma DST. • Todas as mulheres grávidas.
  • 55. Prevenção é o melhor remédio!

Notas do Editor

  1. Como é uma DST (doença sexualmente transmissível), a prática sexual desprevenida - inclusive anal e oral