SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Refluxo Gastroesofágico
» A junção esôfago-gástrica possui
mecanismos musculares de abertura
e fechamento que funcionam como
um sistema natural anti-refluxo.
» Estes mecanismos são imaturos em
bebês e crianças muito jovens,
permitindo que o conteúdo gástrico
reflua para o esôfago.
JUNÇÃO ESÔFAGO-GÁSTRICA
» Refluxo Gastroesofágico (RGE): é o
retorno involuntário repetitivo do conteúdo
gástrico para o esôfago.
É um processo comum no primeiro ano de vida. Pode ocorrer várias
vezes por dia em crianças saudáveis, sobretudo em recém-
nascidos (RN) e lactentes e manifesta-se, sobretudo, por
regurgitação ou vômitos e não se associa a complicações.
RGE versus DRGE
(a importância do D)
NORMAL REFLUXO
» Doença do Refluxo Gastroesofágico
(DRGE): é o retorno do conteúdo gástrico
para o esôfago associado a doença
respiratória, esofagite, estenose, hemorragia,
anemia, e/ou atraso no crescimento.
O RGE fisiológico torna-se patológico (DRGE) quando aumenta em
frequência, intensidade e quando está associado a sinais e sintomas
e/ou complicações que envolvem o sistema digestivo, ou outros,
nomeadamente o respiratório.
RGE versus DRGE
(a importância do D)
NORMAL REFLUXO
» Os sintomas de DRGE em crianças são muito
inespecíficos.
» Sintomas gástricos: regurgitação, vômito, tosse e
dor de estômago;
» Sintomas respiratórios: apneia, tosse crônica,
laringite, otite serosa e sinusite;
» Sintomas gerais: recusa alimentar, movimentos
posturais específicos (Síndrome de Sandifer)
SINTOMAS
» O diagnóstico da Doença do Refluxo
gastroesofágico (DRGE) depende da (1)
história clínica, (2) exame físico mais (3)
os achados dos exames complementares.
» Nenhum exame complementar
isoladamente é capaz de confirmar ou
afastar o diagnóstico.
DIAGNÓSTICO
NORMAL REFLUXO
» Um pequeno sensor é inserido pelo
nariz da criança e posicionado na
junção esofago-gástrica para
monitorar o pH por 24 horas.
» Por muitos anos foi considerado
o melhor exame para diagnóstico de
DRGE.
» Até 29% dos pacientes com esofagite
podem ter este exame NORMAL!!.
pHmetria
» Um tubo contendo uma câmera é
introduzido pela boca do paciente.
Visualiza esôfago, estômago e primeira
porção do duodeno.
» Permite avaliar lesões e fazer
biópsias direcionadas.
» Exige sedação e equipe preparada
para o atendimento.
Endoscopia Digestiva Alta
» Barato e bastante acessível;
» É possível quantificar as ondas de
refluxo durante o exame.
» Exige cooperação do paciente.
» Não diferencia refluxo normal do
patológico.
Ultrasonografia
» Barato e bastante acessível;
» É possível detectar alterações anatômicas.
» Possui baixa sensibilidade para detecção de
refluxo tardio.
Radiografia contrastada do
Esôfago, Estômago e Duodeno
» As medicações para DRGE tem
dois objetivos:
(1) aumentar o tônus dos
mecanismos anti-refluxo da
junção esofago-gástica;
(2) reduzir a acidez do suco gástrico
para evitar lesões à mucosa do
esôfago.
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
» Tem como objetivo evitar situações que favoreçam o
refluxo:
• Ofereça mamadas frequente e em pequenas quantidades
para não distender excessivamente o abdome;
• Não se esqueça de colocar o bebê para arrotar após as
mamadas;
• Quando deitado, mantenha a cabeceira elevada acima de
30 graus.
TRATAMENTO
NÃO-FARMACOLÓGICO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.AlambertNáuseas e vômitos-Prof.Alambert
Náuseas e vômitos-Prof.Alambert
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
Colecistite aguda e crônica
Colecistite aguda e crônicaColecistite aguda e crônica
Colecistite aguda e crônica
 
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicasPatologias gastrointestinais e intervenções clínicas
Patologias gastrointestinais e intervenções clínicas
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufop
 
PANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDAPANCREATITE AGUDA
PANCREATITE AGUDA
 
Aula 4 gastrite
Aula 4 gastriteAula 4 gastrite
Aula 4 gastrite
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Colelitíase
ColelitíaseColelitíase
Colelitíase
 
Gastrite
GastriteGastrite
Gastrite
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Constipação intestinal
Constipação intestinalConstipação intestinal
Constipação intestinal
 
Diarreia apresentação
Diarreia apresentaçãoDiarreia apresentação
Diarreia apresentação
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato Urinário
 

Semelhante a RGE DRGE sintomas diagnóstico tratamento

Cintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagicoCintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagicoJoao Bruno Oliveira
 
Pós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalísticaPós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalísticaCBPortfolio
 
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago VargasGastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargasfetalufpr
 
Disfagia
DisfagiaDisfagia
Disfagiauhgeri
 
patologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfpatologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfRobertJnior
 
EED - Seriografia do Esôfago Estomago e Duodeno
EED - Seriografia do Esôfago Estomago e DuodenoEED - Seriografia do Esôfago Estomago e Duodeno
EED - Seriografia do Esôfago Estomago e DuodenoAline Gonçalves Silva
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralnatybortoletto
 
Exposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criançaExposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criançaAntonio Souto
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Mariana Andrade
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralAlexandra Caetano
 
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfaulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfKalianeValente
 

Semelhante a RGE DRGE sintomas diagnóstico tratamento (20)

Cintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagicoCintilografia do refluxo gastro esofagico
Cintilografia do refluxo gastro esofagico
 
Gastroenterologia completa
Gastroenterologia   completaGastroenterologia   completa
Gastroenterologia completa
 
Folder gastrosquise
Folder gastrosquiseFolder gastrosquise
Folder gastrosquise
 
Pós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalísticaPós DDW - cobertura jornalística
Pós DDW - cobertura jornalística
 
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago VargasGastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
Gastrosquise UpToDate - Beatriz Santiago Vargas
 
atresia esofgica
atresia esofgicaatresia esofgica
atresia esofgica
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
Disfagia
DisfagiaDisfagia
Disfagia
 
patologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdfpatologia-esofagica.pdf
patologia-esofagica.pdf
 
EED - Seriografia do Esôfago Estomago e Duodeno
EED - Seriografia do Esôfago Estomago e DuodenoEED - Seriografia do Esôfago Estomago e Duodeno
EED - Seriografia do Esôfago Estomago e Duodeno
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
Prolapso retal
Prolapso retalProlapso retal
Prolapso retal
 
Exposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criançaExposição tóxica na criança
Exposição tóxica na criança
 
Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.Trabalho semiologia do abdome.
Trabalho semiologia do abdome.
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Doenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinalDoenças do trato intestinal
Doenças do trato intestinal
 
Radiologianota10 Enema opaco
Radiologianota10 Enema opacoRadiologianota10 Enema opaco
Radiologianota10 Enema opaco
 
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfaulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
 
Contrastado eed
Contrastado eedContrastado eed
Contrastado eed
 
Alimentação.pdf
Alimentação.pdfAlimentação.pdf
Alimentação.pdf
 

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 

Último

AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 

Último (15)

AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 

RGE DRGE sintomas diagnóstico tratamento

  • 2. » A junção esôfago-gástrica possui mecanismos musculares de abertura e fechamento que funcionam como um sistema natural anti-refluxo. » Estes mecanismos são imaturos em bebês e crianças muito jovens, permitindo que o conteúdo gástrico reflua para o esôfago. JUNÇÃO ESÔFAGO-GÁSTRICA
  • 3. » Refluxo Gastroesofágico (RGE): é o retorno involuntário repetitivo do conteúdo gástrico para o esôfago. É um processo comum no primeiro ano de vida. Pode ocorrer várias vezes por dia em crianças saudáveis, sobretudo em recém- nascidos (RN) e lactentes e manifesta-se, sobretudo, por regurgitação ou vômitos e não se associa a complicações. RGE versus DRGE (a importância do D) NORMAL REFLUXO
  • 4. » Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE): é o retorno do conteúdo gástrico para o esôfago associado a doença respiratória, esofagite, estenose, hemorragia, anemia, e/ou atraso no crescimento. O RGE fisiológico torna-se patológico (DRGE) quando aumenta em frequência, intensidade e quando está associado a sinais e sintomas e/ou complicações que envolvem o sistema digestivo, ou outros, nomeadamente o respiratório. RGE versus DRGE (a importância do D) NORMAL REFLUXO
  • 5. » Os sintomas de DRGE em crianças são muito inespecíficos. » Sintomas gástricos: regurgitação, vômito, tosse e dor de estômago; » Sintomas respiratórios: apneia, tosse crônica, laringite, otite serosa e sinusite; » Sintomas gerais: recusa alimentar, movimentos posturais específicos (Síndrome de Sandifer) SINTOMAS
  • 6. » O diagnóstico da Doença do Refluxo gastroesofágico (DRGE) depende da (1) história clínica, (2) exame físico mais (3) os achados dos exames complementares. » Nenhum exame complementar isoladamente é capaz de confirmar ou afastar o diagnóstico. DIAGNÓSTICO NORMAL REFLUXO
  • 7. » Um pequeno sensor é inserido pelo nariz da criança e posicionado na junção esofago-gástrica para monitorar o pH por 24 horas. » Por muitos anos foi considerado o melhor exame para diagnóstico de DRGE. » Até 29% dos pacientes com esofagite podem ter este exame NORMAL!!. pHmetria
  • 8. » Um tubo contendo uma câmera é introduzido pela boca do paciente. Visualiza esôfago, estômago e primeira porção do duodeno. » Permite avaliar lesões e fazer biópsias direcionadas. » Exige sedação e equipe preparada para o atendimento. Endoscopia Digestiva Alta
  • 9. » Barato e bastante acessível; » É possível quantificar as ondas de refluxo durante o exame. » Exige cooperação do paciente. » Não diferencia refluxo normal do patológico. Ultrasonografia
  • 10. » Barato e bastante acessível; » É possível detectar alterações anatômicas. » Possui baixa sensibilidade para detecção de refluxo tardio. Radiografia contrastada do Esôfago, Estômago e Duodeno
  • 11. » As medicações para DRGE tem dois objetivos: (1) aumentar o tônus dos mecanismos anti-refluxo da junção esofago-gástica; (2) reduzir a acidez do suco gástrico para evitar lesões à mucosa do esôfago. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
  • 12. » Tem como objetivo evitar situações que favoreçam o refluxo: • Ofereça mamadas frequente e em pequenas quantidades para não distender excessivamente o abdome; • Não se esqueça de colocar o bebê para arrotar após as mamadas; • Quando deitado, mantenha a cabeceira elevada acima de 30 graus. TRATAMENTO NÃO-FARMACOLÓGICO