SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
ROTEIRO
8 Princípios Orientadores para a
Implementação do Ensino a Distância (E@D)
nas Escolas
Com o objetivo de garantir que todas as crianças e todos os alunos continuam a aprender no presente
contexto, este roteiro consubstancia um instrumento de apoio às Escolas, na conceção da melhor
estratégia e Plano de Ensino a Distância (E@D), tendo em conta a sua realidade e o curto espaço de
tempo de que dispõem.
O processo constitutivo e a respetiva implementação de um Plano de E@D preveem diferentes fases de
preparação, debate interno, reflexão, levantamento e definição dos meios tecnológicos, entre muitos
outros fatores, assumindo-se como um processo dinâmico e de melhoria constante.
A estrutura deste roteiro segue uma lógica sequencial de implementação do Plano E@D, apresentando
um conjunto de orientações e recomendações, para um contexto único, nunca antes perspetivado.
Cabe a cada Escola, em função da fase em que se encontre e da sua realidade, refletir sobre os princípios
apresentados e desenvolver o seu Plano E@D, encontrando as respostas mais adequadas e
potenciadoras do sucesso educativo dos alunos.
Trabalhamos todos com a certeza de que a escola não está sozinha e pode sempre contar com o apoio
das equipas de proximidade e dos serviços centrais, através do email apoioescolas@dge.mec.pt.
http://apoioescolas.dge.mec.pt
1. Mobilizar para a mudança
1.1. Envolver a comunidade educativa na procura do Plano E@D mais adequado à Escola.
No processo de mudança para o ensino a distância, o envolvimento de todos os atores educativos na
tomada de decisão – direção, conselho pedagógico, coordenadores dos diretores de turma, de
estabelecimento, de educação pré-escolar, de educação para a cidadania, coordenadores de
departamento, diretores de turma, professores, diretores de curso, centros de recursos para a inclusão,
entidades promotoras de atividades de enriquecimento curricular, pais/encarregados de educação,
representantes de alunos - levá-los-á a uma melhor apropriação das ações a desenvolver.
1.2. Definir um Plano de E@D adequado aos recursos disponíveis e ao público-alvo.
O desenvolvimento de um plano de E@D é um processo em constante construção, alicerçado na
procura permanente das melhores respostas às características de cada comunidade escolar, quer ao
nível tecnológico quer das suas competências digitais.
Um Plano de E@D poderá conter as seguintes etapas:
a) Definição das estratégias de gestão e liderança;
b) Estratégia e circuito de comunicação;
c) Modelo de ensino a distância;
d) Plano de monitorização e avaliação.
Independentemente da sua estrutura e modos de ação, o plano E@D deve ter como intenções chegar a
todas as crianças e a todos os alunos, bem como a boa prossecução dos objetivos estabelecidos no
Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e nas Aprendizagens Essenciais, recorrendo aos
meios necessários para tal. Quando se concebe o plano para todos os alunos, este deve ter em conta os
princípios já existentes no desenho de medidas universais, seletivas e adicionais que já tinham sido
adotadas no âmbito da educação inclusiva.
1.3. Mobilizar parceiros disponíveis para colaborar.
A articulação com a edilidade e/ou com outros parceiros, por exemplo, as Juntas de Freguesia, as
Bibliotecas, as Associações de Pais, as Associações de Solidariedade Social, os Bombeiros, os
http://apoioescolas.dge.mec.pt
mediadores do Programa Escolhas, os mediadores de ONG, as organizações da Economia Social, entre
outros, podem ser uma forma para chegar a todas as crianças e a todos os alunos.
Esta dimensão assume principal relevância para os alunos com problemas de conectividade e
infraestrutura e/ou menor acompanhamento familiar.
1.4. Definir um papel para as lideranças intermédias na definição e concretização das
orientações pedagógicas.
As lideranças intermédias assumem um papel essencial no E@D, designadamente:
a) os coordenadores de ciclo/departamento e os diretores de curso, nas questões do
acompanhamento e da concretização das orientações pedagógicas;
b) os diretores de turma, na organização e gestão do trabalho do conselho de turma/equipas
pedagógicas.
O diretor de turma desempenha uma função central ao nível da articulação entre professores e alunos.
Organiza o trabalho semanalmente, centraliza a função de distribuir as tarefas aos alunos e garante o
contacto com os pais/encarregados de educação.
Para apoiarem os docentes, os coordenadores devem demonstrar confiança no seu trabalho em curso,
bem como transmitir tranquilidade e disponibilidade para esclarecimentos.
1.5. Constituir uma equipa de apoio para dar resposta/organizar questões emergentes.
No sentido de agilizar o processo de decisão e a concretização das ações previstas, sugere-se a criação
de uma equipa de apoio com diferentes valências, designadamente ao nível das decisões pedagógicas e
do apoio tecnológico.
2. Comunicar em rede
2.1. Estabelecer um circuito de comunicação eficaz, dirigido a todos os intervenientes da
comunidade escolar.
Todas as ações e atividades de comunicação deverão:
http://apoioescolas.dge.mec.pt
a) nortear-se por uma mensagem central;
b) adequar-se aos destinatários;
c) seguir uma estratégia;
d) ser transmitidas nos momentos e através dos meios/canais mais adequados.
Deve ser claramente definido o papel de cada um, neste processo, bem como as formas de organização
de reuniões/encontros/esclarecimentos.
3. Decidir o modelo de E@D
3.1. Decidir qual a mancha horária semanal a cumprir pelos alunos: fixa ou flexível, incluindo os
necessários tempos de pausa.
Na conceção do horário dos alunos no E@D, deverão ser equacionados os seguintes aspetos:
• mancha horária semanal fixa ou flexível;
• adaptação da carga horária semanal de cada disciplina/UFCD;
• definição do tempo de intervalo entre cada tarefa proposta (tarefas com um máximo de 20/30
minutos, conforme as faixas etárias);
• flexibilidade temporal na execução das tarefas;
• diferentes ritmos de aprendizagem.
3.2. Organizar as equipas pedagógicas/os conselhos de turma para conceber o plano de trabalho
dos alunos.
Em alinhamento com as orientações pedagógicas da escola, as equipas pedagógicas/os conselhos de
turma concebem um plano de trabalho semanal para cada grupo/turma, sob a orientação do
coordenador de estabelecimento/diretor de turma ou do diretor de curso.
3.3. Equacionar a realização de modos de trabalho a distância, recorrendo com ponderação às
sessões síncronas.
O E@D pode desenvolver-se através da realização de sessões síncronas e assíncronas, para:
http://apoioescolas.dge.mec.pt
• orientação educativa dos alunos (o que se pretende com cada tarefa, quais as páginas do
manual a consultar, de que modo podem colaborar com os colegas, onde podem pesquisar
informação adicional, como autorregularem o seu trabalho, por exemplo, através de um
portefólio);
• esclarecimento de dúvidas, com horário fixo semanal, para o estabelecimento de rotinas e
conferir segurança aos alunos.
4. Colaborar e articular
4.1. Promover a interajuda entre professores.
Neste momento de rápidas mudanças, a partilha e colaboração entre pares assume particular
importância. Importa, pois, incentivar a colaboração e o espírito de equipa, conferindo, assim,
segurança aos professores, num momento de experimentação de novos modos de ensinar.
5. Metodologias de Ensino
5.1. As metodologias de ensino desenvolvidas no E@D devem ser apelativas e mobilizadoras dos
alunos para a ação.
As metodologias de ensino a distância deverão ser diversificadas, enquadradoras, propiciar a
apresentação de exemplos e fomentar a autorreflexão e o trabalho autónomo.
No equilíbrio articulado entre as diferentes disciplinas, deve ser equacionado o tempo global que se
prevê que os alunos dediquem à aprendizagem, prevendo um equilíbrio dado a diferentes estratégias e
ponderando o trabalho que pode ser feito síncrona e assincronamente, tendo em conta que as
atividades e métodos a desenvolver não podem depender do papel e competências dos encarregados
de educação, considerando as suas diferentes possibilidades e capacidades.
5.2. Desenvolver metodologias de ensino que promovem um papel ativo dos alunos na procura
de novas aprendizagens.
A mobilização dos alunos para as aprendizagens poderá passar pelo desenvolvimento de projetos
interdisciplinares, que levem os alunos a mobilizar as aprendizagens de várias disciplinas/componentes
http://apoioescolas.dge.mec.pt
de formação/UFCD. Por exemplo, poderão ser apresentadas tarefas centradas em questões-problema,
estudos de caso, projetos, entre outros.
5.3. Fomentar o desenvolvimento das áreas de competências do Perfil dos Alunos.
No E@D, adquire particular relevância o desenvolvimento das competências do Perfil dos Alunos à
Saída da Escolaridade Obrigatória, alicerçado nos valores e princípios que apresenta.
A título exemplificativo, poderão ser desenvolvidas as seguintes áreas de competências:
informação e comunicação; relacionamento interpessoal; pensamento crítico e criativo;
desenvolvimento pessoal e autonomia; bem-estar, saúde e ambiente. A este propósito, é de referir que
o E@D é uma modalidade que permite que competências transversais e interdisciplinares sejam
trabalhadas de forma integrada e articulada, através da diversificação de formas de trabalho.
6. Selecionar os meios tecnológicos de E@D
6.1. Encontrar os meios tecnológicos que auxiliam o ensino a distância sem inundar os alunos de
múltiplas soluções de comunicação.
Para o desenvolvimento das atividades de E@D, deve ser criada uma equipa de apoio tecnológico que
organiza os meios, dá orientações e capacita os professores, sobre soluções de comunicação. Deve,
entre outros aspetos, evitar-se uma dispersão por plataformas e formas de cooperação.
6.2. Recorrer aos meios tecnológicos já utilizados anteriormente pelos professores e pelos
alunos.
Independentemente de uma seleção de plataforma específica de apoio ao ensino e à aprendizagem por
cada Escola, deverão ser rentabilizados os meios tecnológicos com os quais todos estão familiarizados,
tais como email, programa de gestão de alunos, blogues, entre outros.
6.3. Disponibilizar apoio técnico e pedagógico aos professores, tendo em vista a utilização dos
meios tecnológicos.
Para o desenvolvimento das atividades de E@D, deve ser criada uma equipa de apoio tecnológico e
pedagógico que organiza os meios e, posteriormente, apoia de forma personalizada os professores.
http://apoioescolas.dge.mec.pt
6.4. Capacitar os professores para a utilização dos meios tecnológicos selecionados.
A partir do diagnóstico das necessidades de cada Escola, a equipa de apoio tecnológico pode dinamizar
pequenas sessões de capacitação/esclarecimento ou realizar tutoriais, webcasts, entre outras.
Adicionalmente, deve ser incentivada a partilha de práticas entre professores.
7. Cuidar da comunidade escolar
7.1. Desenvolver atividades promotoras do sentimento de pertença à turma.
Manter a ligação à escola e ao grupo/à turma implica construir espaços em plataformas digitais, para
divulgação dos trabalhos efetuados pelas crianças/pelos alunos, bem como fomentar o
estabelecimento de comunicações regulares entre professores e alunos e entre alunos. Na educação
pré-escolar e no 1.º ciclo, este aspeto assume particular importância.
7.2. Pensar no desenvolvimento do bem-estar emocional dos alunos e na promoção da
confiança face à escola, enquanto se aprende a partir de casa.
O desenvolvimento de atividades a distância com os alunos deve centrar-se na criação de rotinas de
trabalho, que confiram segurança aos alunos, e que são diferentes das presenciais. Paralelamente,
deverão ser desenvolvidas atividades de carácter lúdico, que promovam o bem-estar emocional do
aluno, tais como o envio de mensagens em suporte vídeo, sms ou papel.
7.3. Prevenir situações de isolamento de alunos
O contacto entre alunos através de espaços digitais, ou outros meios tecnológicos, é essencial para a
manutenção das interações sociais e da sua motivação para a realização das tarefas. As atividades
propostas deverão contemplar espaços de interação e de convívio, promovendo o trabalho de grupo e
quebrando o isolamento em que os alunos se encontram. É importante prever o papel a desempenhar
pelos psicólogos e pelos professores que apoiavam os alunos no apoio tutorial específico, mobilizando
todos os recursos disponíveis.
7.4 Incentivar a interajuda entre os alunos.
Nesta fase, a interajuda é primordial, devendo ser promovidas técnicas de colaboração entre alunos,
quer ao nível da realização das tarefas quer ao nível da regulação interpares.
http://apoioescolas.dge.mec.pt
Poderão ser atribuídas funções específicas aos alunos de uma turma, mediante as suas competências.
Exemplos: consultores digitais, que auxiliam os seus colegas na utilização dos meios tecnológicos;
delegado de turma, que fomenta a participação dos colegas na execução das tarefas propostas e ajuda
a monitorizá-las, entre outros.
8. Acompanhar e monitorizar
8.1. Prever formas de monitorização.
No sentido de permitir a monitorização e a regulação do plano E@D em cada escola, importa:
1. Criar uma equipa responsável por este trabalho (sugere-se um máximo de 3 pessoas), com
consulta regular aos alunos;
2. Definir indicadores de qualidade e de quantidade, bem como de periodicidade de recolha.
Como indicadores de qualidade, poderão optar pela monitorização do grau de satisfação dos docentes,
dos alunos e dos pais/EE, bem como a qualidade do feedback dado a alunos, visando a monitorização
das aprendizagens.
Como indicadores de quantidade, poderão optar, por exemplo:
- taxa de concretização das tarefas propostas pelos professores; - n.º de tarefas enviadas pelos
professores, em função do plano de trabalho elaborado; - disponibilização de meios tecnológicos de
E@D; - apoio ao desenvolvimento de competências digitais de professores e de alunos;
- desenvolvimento de mecanismos de apoio, dirigidos aos alunos sem computador e ligação à internet
em casa.
Informação adicional
Sítio de Apoio às Escolas - https://apoioescolas.dge.mec.pt/
10 Recomendações sobre o ensino a distância da Unesco
OCDE, Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration, 23 de
março de 2020
meDe, Missão Estratégica Digital da Escola, ANPRI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Sala de Educador
Projeto Sala de EducadorProjeto Sala de Educador
Projeto Sala de Educadorcefaprodematupa
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...cefaprodematupa
 
PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.
PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.
PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.Jovert Freire
 
Organização inicial 2013
Organização inicial 2013Organização inicial 2013
Organização inicial 2013vivianelima
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na Educação
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na EducaçãoMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na Educação
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na EducaçãoInstituto Unibanco
 
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc spFormacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc spRenata Aquino
 
Projeto de ensino manual de elaboração pedagogia
Projeto de ensino manual de elaboração   pedagogiaProjeto de ensino manual de elaboração   pedagogia
Projeto de ensino manual de elaboração pedagogiaZairaLessa
 
Apresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoApresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoFernando Rui Campos
 
Tcc pedagogia
Tcc pedagogiaTcc pedagogia
Tcc pedagogiaArleno
 
Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese João Piedade
 
Tutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaúTutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaúGigi Sergio
 
Defesa da tese 09 12-2010
Defesa da tese 09 12-2010Defesa da tese 09 12-2010
Defesa da tese 09 12-2010João Piedade
 

Mais procurados (20)

Projeto Sala de Educador
Projeto Sala de EducadorProjeto Sala de Educador
Projeto Sala de Educador
 
Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Ead Joao Jose Saraiva Da FonsecaEad Joao Jose Saraiva Da Fonseca
Ead Joao Jose Saraiva Da Fonseca
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
 
PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.
PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.
PIGEAD - STCD - Tarefa 3: Sistemas de tutoria.
 
Organização inicial 2013
Organização inicial 2013Organização inicial 2013
Organização inicial 2013
 
Defesa da tese na UCP
Defesa da tese na UCPDefesa da tese na UCP
Defesa da tese na UCP
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na Educação
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na EducaçãoMetodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na Educação
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Valor do Amanhã na Educação
 
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc spFormacao projeto uca modulo 3 puc sp
Formacao projeto uca modulo 3 puc sp
 
Apresentação defesa tese
Apresentação defesa teseApresentação defesa tese
Apresentação defesa tese
 
Projeto de ensino manual de elaboração pedagogia
Projeto de ensino manual de elaboração   pedagogiaProjeto de ensino manual de elaboração   pedagogia
Projeto de ensino manual de elaboração pedagogia
 
Modulo tutor conteudo
Modulo tutor conteudoModulo tutor conteudo
Modulo tutor conteudo
 
Simulado
SimuladoSimulado
Simulado
 
Apresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoApresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de Doutoramento
 
Tcc pedagogia
Tcc pedagogiaTcc pedagogia
Tcc pedagogia
 
Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese Apresentação Pré- projeto tese
Apresentação Pré- projeto tese
 
TutorPDFonline
TutorPDFonlineTutorPDFonline
TutorPDFonline
 
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
64470 olimpio camargo prof 2014630 (1)
 
Tutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaúTutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaú
 
Defesa da tese 09 12-2010
Defesa da tese 09 12-2010Defesa da tese 09 12-2010
Defesa da tese 09 12-2010
 
trabalho fp114.docx
trabalho fp114.docxtrabalho fp114.docx
trabalho fp114.docx
 

Semelhante a ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distância (E@D) nas Escolas

5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptxMatheusSimoesMasuoka1
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015jeffcezanne
 
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxApresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxlaraamaral26
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...Pedro França
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAgostinho NSilva
 
Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva Fabio Batista
 
Rede ead
Rede eadRede ead
Rede eadjcmerij
 
CAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distancia
CAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distanciaCAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distancia
CAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distanciaJOAO AURELIANO
 
Produção de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxogramaProdução de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxogramalpereirapoa
 
Produção de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxogramaProdução de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxogramalpereirapoa
 
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?Agrupamento de Escolas da Batalha
 
Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03
Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03
Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03Kelly Christine
 

Semelhante a ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distância (E@D) nas Escolas (20)

5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
 
EAD - Aula 1
EAD - Aula 1EAD - Aula 1
EAD - Aula 1
 
Primeira Aula
Primeira AulaPrimeira Aula
Primeira Aula
 
EAD - Aula 1
EAD - Aula 1EAD - Aula 1
EAD - Aula 1
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxApresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
 
Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva
 
Rede ead
Rede eadRede ead
Rede ead
 
Ensino remoto desafios para EMRC
Ensino remoto   desafios para EMRCEnsino remoto   desafios para EMRC
Ensino remoto desafios para EMRC
 
Referenciaisde ead
Referenciaisde eadReferenciaisde ead
Referenciaisde ead
 
CAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distancia
CAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distanciaCAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distancia
CAPITULO 4 - Tecnologia na educação de professores a distancia
 
Produção de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxogramaProdução de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxograma
 
Produção de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxogramaProdução de material para ead fluxograma
Produção de material para ead fluxograma
 
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
 
Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03
Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03
Guia metodologia formaç¦o 19 e 20.03
 
10º encontro
10º encontro10º encontro
10º encontro
 
97
9797
97
 

Mais de Carlos Ferreira

Contratação de Escola - 510 (Física e Química)
Contratação de Escola - 510 (Física e Química)Contratação de Escola - 510 (Física e Química)
Contratação de Escola - 510 (Física e Química)Carlos Ferreira
 
Educação Física - Módulo 11
Educação Física - Módulo 11Educação Física - Módulo 11
Educação Física - Módulo 11Carlos Ferreira
 
Animação e Lazer - Módulo 9459
Animação e Lazer - Módulo 9459Animação e Lazer - Módulo 9459
Animação e Lazer - Módulo 9459Carlos Ferreira
 
Animação e Lazer - Módulo 7245
Animação e Lazer - Módulo 7245Animação e Lazer - Módulo 7245
Animação e Lazer - Módulo 7245Carlos Ferreira
 
Desportos Coletivos - Módulo 9441
Desportos Coletivos - Módulo 9441Desportos Coletivos - Módulo 9441
Desportos Coletivos - Módulo 9441Carlos Ferreira
 
Desportos Coletivos - Módulo 9439
Desportos Coletivos - Módulo 9439Desportos Coletivos - Módulo 9439
Desportos Coletivos - Módulo 9439Carlos Ferreira
 
Educação Física - Módulo 16
Educação Física - Módulo 16Educação Física - Módulo 16
Educação Física - Módulo 16Carlos Ferreira
 
Desportos individuais - Módulo 9445
Desportos individuais - Módulo 9445Desportos individuais - Módulo 9445
Desportos individuais - Módulo 9445Carlos Ferreira
 
História e cultura das artes - modulo 8
História e cultura das artes - modulo 8História e cultura das artes - modulo 8
História e cultura das artes - modulo 8Carlos Ferreira
 

Mais de Carlos Ferreira (20)

Contratação de Escola - 510 (Física e Química)
Contratação de Escola - 510 (Física e Química)Contratação de Escola - 510 (Física e Química)
Contratação de Escola - 510 (Física e Química)
 
Português - módulo 9
Português - módulo 9Português - módulo 9
Português - módulo 9
 
Português - módulo 6
Português - módulo 6Português - módulo 6
Português - módulo 6
 
Português - módulo 4
Português - módulo 4Português - módulo 4
Português - módulo 4
 
Educação Física - Módulo 11
Educação Física - Módulo 11Educação Física - Módulo 11
Educação Física - Módulo 11
 
Animação e Lazer - Módulo 9459
Animação e Lazer - Módulo 9459Animação e Lazer - Módulo 9459
Animação e Lazer - Módulo 9459
 
Animação e Lazer - Módulo 7245
Animação e Lazer - Módulo 7245Animação e Lazer - Módulo 7245
Animação e Lazer - Módulo 7245
 
Psicologia - Módulo 3
Psicologia - Módulo 3Psicologia - Módulo 3
Psicologia - Módulo 3
 
Psicologia - Módulo 2
Psicologia - Módulo 2Psicologia - Módulo 2
Psicologia - Módulo 2
 
Psicologia - Módulo 1
Psicologia - Módulo 1Psicologia - Módulo 1
Psicologia - Módulo 1
 
Português - Módulo 3
Português - Módulo 3Português - Módulo 3
Português - Módulo 3
 
Português - Módulo 2
Português - Módulo 2Português - Módulo 2
Português - Módulo 2
 
Português - Módulo 1
Português - Módulo 1Português - Módulo 1
Português - Módulo 1
 
Desportos Coletivos - Módulo 9441
Desportos Coletivos - Módulo 9441Desportos Coletivos - Módulo 9441
Desportos Coletivos - Módulo 9441
 
Desportos Coletivos - Módulo 9439
Desportos Coletivos - Módulo 9439Desportos Coletivos - Módulo 9439
Desportos Coletivos - Módulo 9439
 
Educação Física - Módulo 16
Educação Física - Módulo 16Educação Física - Módulo 16
Educação Física - Módulo 16
 
Desportos individuais - Módulo 9445
Desportos individuais - Módulo 9445Desportos individuais - Módulo 9445
Desportos individuais - Módulo 9445
 
TIC - módulo 2
TIC - módulo 2TIC - módulo 2
TIC - módulo 2
 
História e cultura das artes - modulo 8
História e cultura das artes - modulo 8História e cultura das artes - modulo 8
História e cultura das artes - modulo 8
 
Desporto - módulo 9437
Desporto - módulo 9437Desporto - módulo 9437
Desporto - módulo 9437
 

Último

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

ROTEIRO - 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distância (E@D) nas Escolas

  • 1. ROTEIRO 8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distância (E@D) nas Escolas Com o objetivo de garantir que todas as crianças e todos os alunos continuam a aprender no presente contexto, este roteiro consubstancia um instrumento de apoio às Escolas, na conceção da melhor estratégia e Plano de Ensino a Distância (E@D), tendo em conta a sua realidade e o curto espaço de tempo de que dispõem. O processo constitutivo e a respetiva implementação de um Plano de E@D preveem diferentes fases de preparação, debate interno, reflexão, levantamento e definição dos meios tecnológicos, entre muitos outros fatores, assumindo-se como um processo dinâmico e de melhoria constante. A estrutura deste roteiro segue uma lógica sequencial de implementação do Plano E@D, apresentando um conjunto de orientações e recomendações, para um contexto único, nunca antes perspetivado. Cabe a cada Escola, em função da fase em que se encontre e da sua realidade, refletir sobre os princípios apresentados e desenvolver o seu Plano E@D, encontrando as respostas mais adequadas e potenciadoras do sucesso educativo dos alunos. Trabalhamos todos com a certeza de que a escola não está sozinha e pode sempre contar com o apoio das equipas de proximidade e dos serviços centrais, através do email apoioescolas@dge.mec.pt.
  • 2. http://apoioescolas.dge.mec.pt 1. Mobilizar para a mudança 1.1. Envolver a comunidade educativa na procura do Plano E@D mais adequado à Escola. No processo de mudança para o ensino a distância, o envolvimento de todos os atores educativos na tomada de decisão – direção, conselho pedagógico, coordenadores dos diretores de turma, de estabelecimento, de educação pré-escolar, de educação para a cidadania, coordenadores de departamento, diretores de turma, professores, diretores de curso, centros de recursos para a inclusão, entidades promotoras de atividades de enriquecimento curricular, pais/encarregados de educação, representantes de alunos - levá-los-á a uma melhor apropriação das ações a desenvolver. 1.2. Definir um Plano de E@D adequado aos recursos disponíveis e ao público-alvo. O desenvolvimento de um plano de E@D é um processo em constante construção, alicerçado na procura permanente das melhores respostas às características de cada comunidade escolar, quer ao nível tecnológico quer das suas competências digitais. Um Plano de E@D poderá conter as seguintes etapas: a) Definição das estratégias de gestão e liderança; b) Estratégia e circuito de comunicação; c) Modelo de ensino a distância; d) Plano de monitorização e avaliação. Independentemente da sua estrutura e modos de ação, o plano E@D deve ter como intenções chegar a todas as crianças e a todos os alunos, bem como a boa prossecução dos objetivos estabelecidos no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e nas Aprendizagens Essenciais, recorrendo aos meios necessários para tal. Quando se concebe o plano para todos os alunos, este deve ter em conta os princípios já existentes no desenho de medidas universais, seletivas e adicionais que já tinham sido adotadas no âmbito da educação inclusiva. 1.3. Mobilizar parceiros disponíveis para colaborar. A articulação com a edilidade e/ou com outros parceiros, por exemplo, as Juntas de Freguesia, as Bibliotecas, as Associações de Pais, as Associações de Solidariedade Social, os Bombeiros, os
  • 3. http://apoioescolas.dge.mec.pt mediadores do Programa Escolhas, os mediadores de ONG, as organizações da Economia Social, entre outros, podem ser uma forma para chegar a todas as crianças e a todos os alunos. Esta dimensão assume principal relevância para os alunos com problemas de conectividade e infraestrutura e/ou menor acompanhamento familiar. 1.4. Definir um papel para as lideranças intermédias na definição e concretização das orientações pedagógicas. As lideranças intermédias assumem um papel essencial no E@D, designadamente: a) os coordenadores de ciclo/departamento e os diretores de curso, nas questões do acompanhamento e da concretização das orientações pedagógicas; b) os diretores de turma, na organização e gestão do trabalho do conselho de turma/equipas pedagógicas. O diretor de turma desempenha uma função central ao nível da articulação entre professores e alunos. Organiza o trabalho semanalmente, centraliza a função de distribuir as tarefas aos alunos e garante o contacto com os pais/encarregados de educação. Para apoiarem os docentes, os coordenadores devem demonstrar confiança no seu trabalho em curso, bem como transmitir tranquilidade e disponibilidade para esclarecimentos. 1.5. Constituir uma equipa de apoio para dar resposta/organizar questões emergentes. No sentido de agilizar o processo de decisão e a concretização das ações previstas, sugere-se a criação de uma equipa de apoio com diferentes valências, designadamente ao nível das decisões pedagógicas e do apoio tecnológico. 2. Comunicar em rede 2.1. Estabelecer um circuito de comunicação eficaz, dirigido a todos os intervenientes da comunidade escolar. Todas as ações e atividades de comunicação deverão:
  • 4. http://apoioescolas.dge.mec.pt a) nortear-se por uma mensagem central; b) adequar-se aos destinatários; c) seguir uma estratégia; d) ser transmitidas nos momentos e através dos meios/canais mais adequados. Deve ser claramente definido o papel de cada um, neste processo, bem como as formas de organização de reuniões/encontros/esclarecimentos. 3. Decidir o modelo de E@D 3.1. Decidir qual a mancha horária semanal a cumprir pelos alunos: fixa ou flexível, incluindo os necessários tempos de pausa. Na conceção do horário dos alunos no E@D, deverão ser equacionados os seguintes aspetos: • mancha horária semanal fixa ou flexível; • adaptação da carga horária semanal de cada disciplina/UFCD; • definição do tempo de intervalo entre cada tarefa proposta (tarefas com um máximo de 20/30 minutos, conforme as faixas etárias); • flexibilidade temporal na execução das tarefas; • diferentes ritmos de aprendizagem. 3.2. Organizar as equipas pedagógicas/os conselhos de turma para conceber o plano de trabalho dos alunos. Em alinhamento com as orientações pedagógicas da escola, as equipas pedagógicas/os conselhos de turma concebem um plano de trabalho semanal para cada grupo/turma, sob a orientação do coordenador de estabelecimento/diretor de turma ou do diretor de curso. 3.3. Equacionar a realização de modos de trabalho a distância, recorrendo com ponderação às sessões síncronas. O E@D pode desenvolver-se através da realização de sessões síncronas e assíncronas, para:
  • 5. http://apoioescolas.dge.mec.pt • orientação educativa dos alunos (o que se pretende com cada tarefa, quais as páginas do manual a consultar, de que modo podem colaborar com os colegas, onde podem pesquisar informação adicional, como autorregularem o seu trabalho, por exemplo, através de um portefólio); • esclarecimento de dúvidas, com horário fixo semanal, para o estabelecimento de rotinas e conferir segurança aos alunos. 4. Colaborar e articular 4.1. Promover a interajuda entre professores. Neste momento de rápidas mudanças, a partilha e colaboração entre pares assume particular importância. Importa, pois, incentivar a colaboração e o espírito de equipa, conferindo, assim, segurança aos professores, num momento de experimentação de novos modos de ensinar. 5. Metodologias de Ensino 5.1. As metodologias de ensino desenvolvidas no E@D devem ser apelativas e mobilizadoras dos alunos para a ação. As metodologias de ensino a distância deverão ser diversificadas, enquadradoras, propiciar a apresentação de exemplos e fomentar a autorreflexão e o trabalho autónomo. No equilíbrio articulado entre as diferentes disciplinas, deve ser equacionado o tempo global que se prevê que os alunos dediquem à aprendizagem, prevendo um equilíbrio dado a diferentes estratégias e ponderando o trabalho que pode ser feito síncrona e assincronamente, tendo em conta que as atividades e métodos a desenvolver não podem depender do papel e competências dos encarregados de educação, considerando as suas diferentes possibilidades e capacidades. 5.2. Desenvolver metodologias de ensino que promovem um papel ativo dos alunos na procura de novas aprendizagens. A mobilização dos alunos para as aprendizagens poderá passar pelo desenvolvimento de projetos interdisciplinares, que levem os alunos a mobilizar as aprendizagens de várias disciplinas/componentes
  • 6. http://apoioescolas.dge.mec.pt de formação/UFCD. Por exemplo, poderão ser apresentadas tarefas centradas em questões-problema, estudos de caso, projetos, entre outros. 5.3. Fomentar o desenvolvimento das áreas de competências do Perfil dos Alunos. No E@D, adquire particular relevância o desenvolvimento das competências do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, alicerçado nos valores e princípios que apresenta. A título exemplificativo, poderão ser desenvolvidas as seguintes áreas de competências: informação e comunicação; relacionamento interpessoal; pensamento crítico e criativo; desenvolvimento pessoal e autonomia; bem-estar, saúde e ambiente. A este propósito, é de referir que o E@D é uma modalidade que permite que competências transversais e interdisciplinares sejam trabalhadas de forma integrada e articulada, através da diversificação de formas de trabalho. 6. Selecionar os meios tecnológicos de E@D 6.1. Encontrar os meios tecnológicos que auxiliam o ensino a distância sem inundar os alunos de múltiplas soluções de comunicação. Para o desenvolvimento das atividades de E@D, deve ser criada uma equipa de apoio tecnológico que organiza os meios, dá orientações e capacita os professores, sobre soluções de comunicação. Deve, entre outros aspetos, evitar-se uma dispersão por plataformas e formas de cooperação. 6.2. Recorrer aos meios tecnológicos já utilizados anteriormente pelos professores e pelos alunos. Independentemente de uma seleção de plataforma específica de apoio ao ensino e à aprendizagem por cada Escola, deverão ser rentabilizados os meios tecnológicos com os quais todos estão familiarizados, tais como email, programa de gestão de alunos, blogues, entre outros. 6.3. Disponibilizar apoio técnico e pedagógico aos professores, tendo em vista a utilização dos meios tecnológicos. Para o desenvolvimento das atividades de E@D, deve ser criada uma equipa de apoio tecnológico e pedagógico que organiza os meios e, posteriormente, apoia de forma personalizada os professores.
  • 7. http://apoioescolas.dge.mec.pt 6.4. Capacitar os professores para a utilização dos meios tecnológicos selecionados. A partir do diagnóstico das necessidades de cada Escola, a equipa de apoio tecnológico pode dinamizar pequenas sessões de capacitação/esclarecimento ou realizar tutoriais, webcasts, entre outras. Adicionalmente, deve ser incentivada a partilha de práticas entre professores. 7. Cuidar da comunidade escolar 7.1. Desenvolver atividades promotoras do sentimento de pertença à turma. Manter a ligação à escola e ao grupo/à turma implica construir espaços em plataformas digitais, para divulgação dos trabalhos efetuados pelas crianças/pelos alunos, bem como fomentar o estabelecimento de comunicações regulares entre professores e alunos e entre alunos. Na educação pré-escolar e no 1.º ciclo, este aspeto assume particular importância. 7.2. Pensar no desenvolvimento do bem-estar emocional dos alunos e na promoção da confiança face à escola, enquanto se aprende a partir de casa. O desenvolvimento de atividades a distância com os alunos deve centrar-se na criação de rotinas de trabalho, que confiram segurança aos alunos, e que são diferentes das presenciais. Paralelamente, deverão ser desenvolvidas atividades de carácter lúdico, que promovam o bem-estar emocional do aluno, tais como o envio de mensagens em suporte vídeo, sms ou papel. 7.3. Prevenir situações de isolamento de alunos O contacto entre alunos através de espaços digitais, ou outros meios tecnológicos, é essencial para a manutenção das interações sociais e da sua motivação para a realização das tarefas. As atividades propostas deverão contemplar espaços de interação e de convívio, promovendo o trabalho de grupo e quebrando o isolamento em que os alunos se encontram. É importante prever o papel a desempenhar pelos psicólogos e pelos professores que apoiavam os alunos no apoio tutorial específico, mobilizando todos os recursos disponíveis. 7.4 Incentivar a interajuda entre os alunos. Nesta fase, a interajuda é primordial, devendo ser promovidas técnicas de colaboração entre alunos, quer ao nível da realização das tarefas quer ao nível da regulação interpares.
  • 8. http://apoioescolas.dge.mec.pt Poderão ser atribuídas funções específicas aos alunos de uma turma, mediante as suas competências. Exemplos: consultores digitais, que auxiliam os seus colegas na utilização dos meios tecnológicos; delegado de turma, que fomenta a participação dos colegas na execução das tarefas propostas e ajuda a monitorizá-las, entre outros. 8. Acompanhar e monitorizar 8.1. Prever formas de monitorização. No sentido de permitir a monitorização e a regulação do plano E@D em cada escola, importa: 1. Criar uma equipa responsável por este trabalho (sugere-se um máximo de 3 pessoas), com consulta regular aos alunos; 2. Definir indicadores de qualidade e de quantidade, bem como de periodicidade de recolha. Como indicadores de qualidade, poderão optar pela monitorização do grau de satisfação dos docentes, dos alunos e dos pais/EE, bem como a qualidade do feedback dado a alunos, visando a monitorização das aprendizagens. Como indicadores de quantidade, poderão optar, por exemplo: - taxa de concretização das tarefas propostas pelos professores; - n.º de tarefas enviadas pelos professores, em função do plano de trabalho elaborado; - disponibilização de meios tecnológicos de E@D; - apoio ao desenvolvimento de competências digitais de professores e de alunos; - desenvolvimento de mecanismos de apoio, dirigidos aos alunos sem computador e ligação à internet em casa. Informação adicional Sítio de Apoio às Escolas - https://apoioescolas.dge.mec.pt/ 10 Recomendações sobre o ensino a distância da Unesco OCDE, Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration, 23 de março de 2020 meDe, Missão Estratégica Digital da Escola, ANPRI