Sulfonamidas e tetraciclinas

907 visualizações

Publicada em

Slide sobre a tetraciclinas e sulfonamidas apresentado por um grupo de graduandos do curso de Enfermagem da Faculdade Aliança - Maurício de Nassau. Lucas Fontes.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
907
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sulfonamidas e tetraciclinas

  1. 1. Faculdade Aliança – Maurício de Nassau Enfermagem – 3º bloco  DOCENTE:  Denis Romulo Furtado  COMPONENTES:  Francisco Lucas Fontes  Francisco Rafael  Deusimar Alves Teresina (PI), novembro de 2014.
  2. 2. SULFONAMIDAS
  3. 3. SULFONAMIDAS  Primeiros agentes quimioterápicos eficazes a serem utilizados na prevenção e na cura de infecções bacterianas em seres humanos.  O advento da penicilina e outros antibióticos diminuiu a utilidade das sulfonamidas.
  4. 4. SULFONAMIDAS  Em meados de 1970, as sulfonamidas passaram a ter uma maior utilização na profilaxia e/ou tratamento de infecções microbianas específicas.  Só exercem efeito bacteriostático.  Tornou-se comum o aparecimento de cepas resistentes às sulfonamidas.
  5. 5. SULFONAMIDAS  MECANISMO DE AÇÃO:  São análogos estruturais e antagonistas competitivos do ácido para-aminobenzóico (PABA).  Impedem a utilização normal pelas bactérias para a síntese de ácido fólico.  São inibidores competitivos da diidropteroato-sintase.
  6. 6. SULFONAMIDAS  SINERGISMO DAS SULFONAMIDAS:  O trimetoprim é o agente mais ativo que exerce efeito sinérgico quando utilizado com uma sulfonamida.  A combinação produz efeitos antimicrobianos sinérgicos tanto in vitro quanto in vivo.
  7. 7. SULFONAMIDAS  RESISTÊNCIA BACTERIANA ADQUIRIDA:  Bactérias resistentes se originam por mutação e seleção randômicas.  Transferência da resistência através de plasmídios.  Persistente e irreversível.
  8. 8. SULFONAMIDAS  ABSORÇÃO, DESTINO E EXCREÇÃO:  Rápida absorção pelo trato gastrointestinal.  70/100% são absorvidos por via oral.  Parte absorvida no estômago, porém intestino delgado constitui o principal local de absorção.  Distribuem-se por todos os tecidos do corpo.  São eliminados em parte na forma de fármaco inalterado e em parte como produtos metabólicos.
  9. 9. SULFONAMIDAS  PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS:  Com base na rapidez com que são absorvidas e excretadas, as sulfonamidas são classificadas em quatro grupos:  1: agentes absorvidos e excretados rapidamente, como o sulfissoxazol e a sulfadiazina;  2: agentes de pouca absorção oral, como a sulfassalazina;  3: de uso tópico, como sulfacetamidas e sulfadiazina de prata.  4: de longa ação, como a sulfadoxina.
  10. 10. SULFONAMIDAS  REAÇÕES ADVERSAS:  Podem causar distúrbios no trato urinário.  Distúrbios no sistema hematopoiético.  Reações de hipersensibilidade.  Reações diversas: anorexia, náuseas e vômitos. Kernicterus em recém-nascidos.
  11. 11. TETRACICLINAS
  12. 12. TETRACICLINAS  Altamente eficazes contra riquétsias, gram-positivas e gram-negativas e contra Chlamydia.  Conhecidas como antibióticos de “amplo espectro”.  Muitas tetraciclinas sofrem absorção incompleta pelo trato gastrointestinal.
  13. 13. TETRACICLINAS  MECANISMO DE AÇÃO:  Inibem a síntese de proteínas bacterianas.
  14. 14. TETRACICLINAS  RESISTÊNCIA ÀS TETRACICLINAS:  Desenvolvida pela Escherichia coli.  Diminuição do acúmulo da tetraciclina em consequência de uma redução do influxo do antibiótico.  Acesso reduzido ao ribossoma.  Inativação enzimática.
  15. 15. TETRACICLINAS  ABSORÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E EXCREÇÃO:  A absorção pelo trato gastrointestinal é incompleta.  Há maior absorção em jejum.  Distribuem-se amplamente por todo o organismo.  Rins constituem a principal via de eliminação das tetraciclinas.
  16. 16. TETRACICLINAS  USOS TERAPÊUTICOS:  Úteis no tratamento de doenças causadas por riquétsias, micoplasmas e clamídias.  Infecções por riquétsias: uso de tetraciclinas e cloranfenicol.  Infecções por micoplasmas: Mycoplasma pneumoniae é sensível às tetraciclinas.  Clamídias: uso de doxiciclina.
  17. 17. TETRACICLINAS  EFEITOS ADVERSOS:  Efeitos tóxicos.  Fotossensibilidade.  Toxicidade hepática e renal.  Efeitos sobre os dentes.  Efeitos diversos: redução do crescimento ósseo, tromboflebite e elevação da pressão intracraniana.
  18. 18. AGRADECEMOS A ATENÇÃO!

×