SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
SALA DE OPERAÇÕES: MONTAGEM,
CIRCULAÇÃO E DESMONTAGEM
Teresina (PI), março de 2015
 ACADÊMICOS:
 Alzira Silva
 Francisco Lucas Fontes
 Márcio Barros
 Natana Karen
 Waldennia Veloso
 DOCENTE:
 Rosane Santana
 Sala de operação (SO): local
destinado à realização do ato
anestésico-cirúrgico, possuindo
estrutura física padronizada e
regulamentada.
 A SO é fundamental para o
desenvolvimento de atividades no
centro cirúrgico (CC).
 Protocolos de procedimentos
operacionais padrão (POP) são de
suma importância na montagem,
circulação e desmontagem de uma
SO.
 Para que uma cirurgia ocorra de
maneira correta e segura, alguns
cuidados devem ser tomados e
considerados, como: adequação do
espaço físico, vestimenta
apropriada, utilização adequada do
uniforme privativo e de EPIs,
equipamentos em perfeitas
condições de uso, materiais
apropriados à anestesia e à
cirurgia, manuseio correto dos
materiais esterilizados com
técnicas assépticas, controle do
ambiente e do número de pessoas
durante o procedimento.
 Envolve procedimentos realizados com a finalidade de assegurar condições
funcionais e técnicas necessárias ao bom andamento do ato cirúrgico e à
segurança do paciente.
 Procedimento esse, normalmente, realizado pelo circulante da sala.
 O circulante verifica o procedimento programado antes da chegada do
paciente, consulta as informações contidas no aviso de cirurgia, providencia
materiais permanentes e descartáveis, kits cirúrgicos, pacotes de campos,
opas (aventais cirúrgicos esterilizados), compressas, gazes e demais
materiais.
 Os objetivos da efetiva montagem
de uma SO são: proporcionar a
realização do ato anestésico-
cirúrgico com técnica asséptica,
planejar e disponibilizar materiais e
equipamentos necessários e
adequados para a realização da
anestesia e da cirurgia, bem como
adequar os recursos humanos aos
protocolos assistenciais.
 Segundo a ANVISA, são
equipamentos básicos de uma SO:
 Mesa cirúrgica
 Foco central e focos acessórios
 Duas mesas de instrumentação
 Duas mesas auxiliares
 Um equipamento de anestesia
 Um bisturi elétrico
 Dois hampers
 Dois baldes para lixo
 Um coletor para materiais
perfurocortantes
 Instalações elétricas
 Instalações hidráulicas
 Saídas de gases medicinais
 Sistema de ventilação com ar-
condicionado centralizado
 A SOBECC recomenda que a
montagem da SO siga protocolos
supervisionados pelo enfermeiro,
com lista de materiais,
equipamentos, artigos e
particularidades.
 Os procedimentos e as atividades realizadas pelo
circulante de sala, antes, durante e após o ato
cirúrgico, têm como finalidade propiciar condições
funcionais e técnicas necessárias ao
desenvolvimento do procedimento.
 ALGUMAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO CIRCULANTE:
 Verificar a sua escala de atividades, confirmando a SO sob sua responsabilidade e
se existe alguma informação importante ou adicional.
 Ler o aviso de cirurgia, confirmando os materiais específicos e os equipamentos
solicitados pela equipe médica.
 Verificar o nome e a idade do paciente, o horário da cirurgia, a equipe cirúrgica e o
anestesiologista escalado, bem como o tipo de anestesia e tempo estimado.
 Realizar limpeza preparatória da SO, juntamente com o profissional do serviço de
higiene.
 Verificar as condições de limpeza da SO e dos equipamentos. Checar também
tomadas e equipamentos fixos e móveis, como foco de luz e mesa cirúrgica.
 Trazer para a SO todo material necessário.
 Providenciar equipamentos específicos necessários a cada tipo de intervenção e os
solicitados pela equipe no aviso de cirurgia.
 Garantir que os lavabos contenham escovas descartáveis esterilizadas, sabão
líquido e antisséptico adequado para a degermação e lavagem das mãos.
 Providenciar bancos, suportes de soro, braçadeiras, arcos, hampers, mesas para o
instrumental, mesas acessórias, além de extensões elétricas.
 Checar a integridade das embalagens e a validade dos materiais.
 Verificar e montar o carro de anestesia, seguindo os POP da instituição.
 ALGUMAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO CIRCULANTE:
 Providenciar os impressos necessários, como ficha de anestesia, folha de débito
(ou gasto), ficha de descrição cirúrgica, requisição de exames laboratoriais, etc.
 Disponibilizar os artigos em mesas auxiliares, de acordo com a anestesia a ser
realizada (geral ou bloqueio).
 Disponibilizar material para ventilação e intubação de vias aéreas difíceis.
 ALGUMAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO CIRCULANTE:
 A circulação de SO é realizada de
acordo com a evolução do ato
anestésico-cirúrgico e dos tempos
cirúrgicos.
 Também é levado em conta a
especificidade do procedimento, as
condições clínicas e a gravidade da
patologia cirúrgica do paciente.
 A circulação da SO é atividade
privativa da equipe de Enfermagem,
em geral realizada pelo técnico ou
pelo auxiliar de Enfermagem, sob
comando e supervisão direta do
enfermeiro.
 A SOBECC recomenda que em
grandes cirurgias, a circulação deva
ser também realizada pelo
enfermeiro, além do técnico ou
auxiliar.
 Em cirurgias complexas
(transplantes, cardíacas,
neurológicas, ortopédicas,
robóticas) também pode haver
necessidade de dois circulantes de
sala e do enfermeiro assistencial.
 Os profissionais que realizam a
circulação devem ter conhecimento
científico específico e treinamento
adequado.
 A SOBECC possui 61
recomendações para circulação em
SO. Citaremos algumas nos próximos
slides...
 RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
 Conduzir o paciente à SO, em maca própria, com os devidos cuidados com sondas,
drenos e cateteres.
 Receber o paciente na SO, apresentar-se e conferir sua identificação.
 Confirmar os dados do prontuário, verificar pulseira de identificação, confirmar o
jejum e verificar se o paciente retirou adornos, próteses e órteses.
 Colocar o paciente em decúbito dorsal horizontal, mantendo o alinhamento corporal e
em posição anatômica.
 Auxiliar na monitorização do paciente, instalando oxímetro de pulso, monitor
cardíaco, aparelho de pressão não invasivo, termômetro.
 Colaborar com o anestesiologista na punção de AVP ou AVC, na infusão venosa, na
indução anestésica e no fornecimento de materiais.
 Auxiliar na oxigenação do paciente, antes da indução anestésica, por meio da
colocação de máscara de O2.
 Realizar a primeira fase da lista de verificação de segurança em cirurgia antes da
indução anestésica (sign in).
 Manter-se atento às etapas da anestesia, atuando em consonância com o
anestesiologista.
 Manter o paciente aquecido com os acessórios disponíveis, preferencialmente manta
térmica.
 Auxiliar a equipe na paramentação cirúrgica.
 Iniciar a abertura dos pacotes em sequência lógica, com técnica asséptica.
 RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
 Ajustar focos de luz sobre o campo operatório.
 Aproximar os hampers e os lixos da equipe, para o desprezo de compressas, gazes,
embalagens, etc.
 Aproximar do cirurgião bancos e pedais dos equipamentos.
 Realizar a segunda fase da lista de verificação de segurança em cirurgia antes da
incisão cirúrgica (timeout).
 Realizar contagem das compressas, agulhas e gazes utilizadas nas cirurgias com
abertura de cavidades.
 Manter a sala em ordem após o início da cirurgia e ao longo de todo o procedimento.
 Evitar sair da sala durante o processo anestésico-cirúrgico.
 RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
 Evitar aberturas desnecessárias da porta da SO, a fim de evitar a penetração de
particular presentes no corredor.
 Manter certa distância da mesa do instrumentador, a fim de não atrapalhá-lo e/ou
confundi-lo.
 Realizar a terceira e última fase da lista de verificação de segurança em cirurgia antes
da saída do paciente da SO (sign out).
 Solicitar ajuda de outro profissional quando for transportar equipamentos pesados e
de alto valor.
 Retirar campos e instrumentos cirúrgicos que estejam sobre o paciente, utilizando
sempre EPIs.
 Remover excesso de antisséptico, sangue e secreções da pele do paciente.
 RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
 Vestir a camisola no paciente e cobri-lo com lençóis e cobertores.
 Organizar o prontuário com impressos, pertences e exames e encaminhá-lo,
juntamente com o paciente.
 Auxiliar no processo de transporte do paciente para a SRPA.
 Passar o plantão para a equipe de Enfermagem da SRPA.
 Retornar à SO, a fim de iniciar a desmontagem.
 RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
 Consiste na retirada de materiais e
equipamentos utilizados no
procedimento, bem como dos que
não foram utilizados.
 Giro de sala: equipe (auxiliares de
Enfermagem) responsável pela
retirada e pelo encaminhamento de
todo o material e equipamento ao
final de um procedimento, bem
como a limpeza concorrente da SO.
 A proposta do “giro de sala” reduz
consideravelmente o tempo de
espera entre o término de uma
cirurgia e o início de outra na
mesma SO, auxiliando também no
desempenho do circulante.
 O “giro de sala” é algo ainda em
expansão no Brasil.
 RECOMENDAÇÕES PARA DESMONTAGEM DA SO:
 Reunir em um carro limpo, produtos e instrumentais não utilizados para devolução
ao local destinado à sua guarda.
 Seguir rotina de desmontagem e limpeza da SO determinada pela instituição.
 Descartar o material perfurocortante em recipiente rígido específico.
 Reunir e retirar os instrumentais da mesa, acondicionando-os na caixa em que
vieram e observando sua integridade e seu número de identificação.
 Agrupar as peças de aço inoxidável, assim como instrumentais avulsos.
 Revisar e desprezar os campos e os lençóis sujos em hampers após contagem dos
instrumentais.
 RECOMENDAÇÕES PARA DESMONTAGEM DA SO:
 Acondicionar os materiais e/ou instrumentais sujos, encaminhando-os para o
expurgo da CME.
 Remover da sala equipamentos que não serão utilizados na cirurgia seguinte.
 Informar aos profissionais do serviço de higiene sobre a necessidade da retirada do
lixo, da troca dos sacos plásticos e da limpeza do chão.
 Proceder a limpeza concorrente e à montagem do próximo procedimento.
 A montagem da SO é imprescindível para o bom andamento do procedimento
anestésico-cirúrgico. É também, uma forma de o enfermeiro estabelecer e
quantificar os indicadores de qualidade assistenciais.
 A circulação da SO envolve conhecimentos especiais da equipe de
Enfermagem sobre técnicas assépticas, espaço físico, manuseio de
materiais/equipamentos e assistência ao paciente e equipe cirúrgica.
 A desmontagem da SO também proporciona condições de atendimento ideal ao
paciente cirúrgico, de moro a remover os itens após o término de cada
procedimento e deixar a sala limpa e organizada para receber o próximo
paciente.
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
resenfe2013
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 

Mais procurados (20)

Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 

Semelhante a Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes

ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ssuser80ae40
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
232609
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Karolina Azevedo
 

Semelhante a Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes (20)

Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
AULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptxAULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptx
 
Katia
KatiaKatia
Katia
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
 
AULA INTRODUAÇÃO CENTRO CIRURGICO.pptx
AULA INTRODUAÇÃO CENTRO CIRURGICO.pptxAULA INTRODUAÇÃO CENTRO CIRURGICO.pptx
AULA INTRODUAÇÃO CENTRO CIRURGICO.pptx
 
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmfDiretrizes da disciplina de cirurgia bmf
Diretrizes da disciplina de cirurgia bmf
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
 
U.27 - Bloco Operatório
U.27 -  Bloco OperatórioU.27 -  Bloco Operatório
U.27 - Bloco Operatório
 
ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO equipes.pptx
ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO equipes.pptxENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO equipes.pptx
ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO equipes.pptx
 

Mais de Lucas Fontes

O que é cidadania
O que é cidadaniaO que é cidadania
O que é cidadania
Lucas Fontes
 

Mais de Lucas Fontes (20)

Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas FontesDiabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas FontesPancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas FontesA criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
 
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
 
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Sulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinasSulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinas
 
Apoptose
ApoptoseApoptose
Apoptose
 
O que é adrenoleucodistrofia?
O que é adrenoleucodistrofia?O que é adrenoleucodistrofia?
O que é adrenoleucodistrofia?
 
O que é cidadania
O que é cidadaniaO que é cidadania
O que é cidadania
 
Aconselhamento genético
Aconselhamento genéticoAconselhamento genético
Aconselhamento genético
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 

Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes

  • 1. SALA DE OPERAÇÕES: MONTAGEM, CIRCULAÇÃO E DESMONTAGEM Teresina (PI), março de 2015
  • 2.  ACADÊMICOS:  Alzira Silva  Francisco Lucas Fontes  Márcio Barros  Natana Karen  Waldennia Veloso  DOCENTE:  Rosane Santana
  • 3.  Sala de operação (SO): local destinado à realização do ato anestésico-cirúrgico, possuindo estrutura física padronizada e regulamentada.  A SO é fundamental para o desenvolvimento de atividades no centro cirúrgico (CC).  Protocolos de procedimentos operacionais padrão (POP) são de suma importância na montagem, circulação e desmontagem de uma SO.  Para que uma cirurgia ocorra de maneira correta e segura, alguns cuidados devem ser tomados e considerados, como: adequação do espaço físico, vestimenta apropriada, utilização adequada do uniforme privativo e de EPIs, equipamentos em perfeitas condições de uso, materiais apropriados à anestesia e à cirurgia, manuseio correto dos materiais esterilizados com técnicas assépticas, controle do ambiente e do número de pessoas durante o procedimento.
  • 4.  Envolve procedimentos realizados com a finalidade de assegurar condições funcionais e técnicas necessárias ao bom andamento do ato cirúrgico e à segurança do paciente.  Procedimento esse, normalmente, realizado pelo circulante da sala.  O circulante verifica o procedimento programado antes da chegada do paciente, consulta as informações contidas no aviso de cirurgia, providencia materiais permanentes e descartáveis, kits cirúrgicos, pacotes de campos, opas (aventais cirúrgicos esterilizados), compressas, gazes e demais materiais.
  • 5.  Os objetivos da efetiva montagem de uma SO são: proporcionar a realização do ato anestésico- cirúrgico com técnica asséptica, planejar e disponibilizar materiais e equipamentos necessários e adequados para a realização da anestesia e da cirurgia, bem como adequar os recursos humanos aos protocolos assistenciais.
  • 6.  Segundo a ANVISA, são equipamentos básicos de uma SO:  Mesa cirúrgica  Foco central e focos acessórios  Duas mesas de instrumentação  Duas mesas auxiliares  Um equipamento de anestesia  Um bisturi elétrico  Dois hampers  Dois baldes para lixo  Um coletor para materiais perfurocortantes  Instalações elétricas  Instalações hidráulicas  Saídas de gases medicinais  Sistema de ventilação com ar- condicionado centralizado
  • 7.  A SOBECC recomenda que a montagem da SO siga protocolos supervisionados pelo enfermeiro, com lista de materiais, equipamentos, artigos e particularidades.  Os procedimentos e as atividades realizadas pelo circulante de sala, antes, durante e após o ato cirúrgico, têm como finalidade propiciar condições funcionais e técnicas necessárias ao desenvolvimento do procedimento.
  • 8.  ALGUMAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO CIRCULANTE:  Verificar a sua escala de atividades, confirmando a SO sob sua responsabilidade e se existe alguma informação importante ou adicional.  Ler o aviso de cirurgia, confirmando os materiais específicos e os equipamentos solicitados pela equipe médica.  Verificar o nome e a idade do paciente, o horário da cirurgia, a equipe cirúrgica e o anestesiologista escalado, bem como o tipo de anestesia e tempo estimado.  Realizar limpeza preparatória da SO, juntamente com o profissional do serviço de higiene.  Verificar as condições de limpeza da SO e dos equipamentos. Checar também tomadas e equipamentos fixos e móveis, como foco de luz e mesa cirúrgica.
  • 9.  Trazer para a SO todo material necessário.  Providenciar equipamentos específicos necessários a cada tipo de intervenção e os solicitados pela equipe no aviso de cirurgia.  Garantir que os lavabos contenham escovas descartáveis esterilizadas, sabão líquido e antisséptico adequado para a degermação e lavagem das mãos.  Providenciar bancos, suportes de soro, braçadeiras, arcos, hampers, mesas para o instrumental, mesas acessórias, além de extensões elétricas.  Checar a integridade das embalagens e a validade dos materiais.  Verificar e montar o carro de anestesia, seguindo os POP da instituição.  ALGUMAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO CIRCULANTE:
  • 10.  Providenciar os impressos necessários, como ficha de anestesia, folha de débito (ou gasto), ficha de descrição cirúrgica, requisição de exames laboratoriais, etc.  Disponibilizar os artigos em mesas auxiliares, de acordo com a anestesia a ser realizada (geral ou bloqueio).  Disponibilizar material para ventilação e intubação de vias aéreas difíceis.  ALGUMAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO CIRCULANTE:
  • 11.  A circulação de SO é realizada de acordo com a evolução do ato anestésico-cirúrgico e dos tempos cirúrgicos.  Também é levado em conta a especificidade do procedimento, as condições clínicas e a gravidade da patologia cirúrgica do paciente.  A circulação da SO é atividade privativa da equipe de Enfermagem, em geral realizada pelo técnico ou pelo auxiliar de Enfermagem, sob comando e supervisão direta do enfermeiro.  A SOBECC recomenda que em grandes cirurgias, a circulação deva ser também realizada pelo enfermeiro, além do técnico ou auxiliar.
  • 12.  Em cirurgias complexas (transplantes, cardíacas, neurológicas, ortopédicas, robóticas) também pode haver necessidade de dois circulantes de sala e do enfermeiro assistencial.  Os profissionais que realizam a circulação devem ter conhecimento científico específico e treinamento adequado.  A SOBECC possui 61 recomendações para circulação em SO. Citaremos algumas nos próximos slides...
  • 13.  RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:  Conduzir o paciente à SO, em maca própria, com os devidos cuidados com sondas, drenos e cateteres.  Receber o paciente na SO, apresentar-se e conferir sua identificação.  Confirmar os dados do prontuário, verificar pulseira de identificação, confirmar o jejum e verificar se o paciente retirou adornos, próteses e órteses.  Colocar o paciente em decúbito dorsal horizontal, mantendo o alinhamento corporal e em posição anatômica.  Auxiliar na monitorização do paciente, instalando oxímetro de pulso, monitor cardíaco, aparelho de pressão não invasivo, termômetro.  Colaborar com o anestesiologista na punção de AVP ou AVC, na infusão venosa, na indução anestésica e no fornecimento de materiais.
  • 14.  Auxiliar na oxigenação do paciente, antes da indução anestésica, por meio da colocação de máscara de O2.  Realizar a primeira fase da lista de verificação de segurança em cirurgia antes da indução anestésica (sign in).  Manter-se atento às etapas da anestesia, atuando em consonância com o anestesiologista.  Manter o paciente aquecido com os acessórios disponíveis, preferencialmente manta térmica.  Auxiliar a equipe na paramentação cirúrgica.  Iniciar a abertura dos pacotes em sequência lógica, com técnica asséptica.  RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
  • 15.  Ajustar focos de luz sobre o campo operatório.  Aproximar os hampers e os lixos da equipe, para o desprezo de compressas, gazes, embalagens, etc.  Aproximar do cirurgião bancos e pedais dos equipamentos.  Realizar a segunda fase da lista de verificação de segurança em cirurgia antes da incisão cirúrgica (timeout).  Realizar contagem das compressas, agulhas e gazes utilizadas nas cirurgias com abertura de cavidades.  Manter a sala em ordem após o início da cirurgia e ao longo de todo o procedimento.  Evitar sair da sala durante o processo anestésico-cirúrgico.  RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
  • 16.  Evitar aberturas desnecessárias da porta da SO, a fim de evitar a penetração de particular presentes no corredor.  Manter certa distância da mesa do instrumentador, a fim de não atrapalhá-lo e/ou confundi-lo.  Realizar a terceira e última fase da lista de verificação de segurança em cirurgia antes da saída do paciente da SO (sign out).  Solicitar ajuda de outro profissional quando for transportar equipamentos pesados e de alto valor.  Retirar campos e instrumentos cirúrgicos que estejam sobre o paciente, utilizando sempre EPIs.  Remover excesso de antisséptico, sangue e secreções da pele do paciente.  RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
  • 17.  Vestir a camisola no paciente e cobri-lo com lençóis e cobertores.  Organizar o prontuário com impressos, pertences e exames e encaminhá-lo, juntamente com o paciente.  Auxiliar no processo de transporte do paciente para a SRPA.  Passar o plantão para a equipe de Enfermagem da SRPA.  Retornar à SO, a fim de iniciar a desmontagem.  RECOMENDAÇÕES PARA CIRCULAÇÃO EM SO:
  • 18.  Consiste na retirada de materiais e equipamentos utilizados no procedimento, bem como dos que não foram utilizados.  Giro de sala: equipe (auxiliares de Enfermagem) responsável pela retirada e pelo encaminhamento de todo o material e equipamento ao final de um procedimento, bem como a limpeza concorrente da SO.  A proposta do “giro de sala” reduz consideravelmente o tempo de espera entre o término de uma cirurgia e o início de outra na mesma SO, auxiliando também no desempenho do circulante.  O “giro de sala” é algo ainda em expansão no Brasil.
  • 19.  RECOMENDAÇÕES PARA DESMONTAGEM DA SO:  Reunir em um carro limpo, produtos e instrumentais não utilizados para devolução ao local destinado à sua guarda.  Seguir rotina de desmontagem e limpeza da SO determinada pela instituição.  Descartar o material perfurocortante em recipiente rígido específico.  Reunir e retirar os instrumentais da mesa, acondicionando-os na caixa em que vieram e observando sua integridade e seu número de identificação.  Agrupar as peças de aço inoxidável, assim como instrumentais avulsos.  Revisar e desprezar os campos e os lençóis sujos em hampers após contagem dos instrumentais.
  • 20.  RECOMENDAÇÕES PARA DESMONTAGEM DA SO:  Acondicionar os materiais e/ou instrumentais sujos, encaminhando-os para o expurgo da CME.  Remover da sala equipamentos que não serão utilizados na cirurgia seguinte.  Informar aos profissionais do serviço de higiene sobre a necessidade da retirada do lixo, da troca dos sacos plásticos e da limpeza do chão.  Proceder a limpeza concorrente e à montagem do próximo procedimento.
  • 21.  A montagem da SO é imprescindível para o bom andamento do procedimento anestésico-cirúrgico. É também, uma forma de o enfermeiro estabelecer e quantificar os indicadores de qualidade assistenciais.  A circulação da SO envolve conhecimentos especiais da equipe de Enfermagem sobre técnicas assépticas, espaço físico, manuseio de materiais/equipamentos e assistência ao paciente e equipe cirúrgica.  A desmontagem da SO também proporciona condições de atendimento ideal ao paciente cirúrgico, de moro a remover os itens após o término de cada procedimento e deixar a sala limpa e organizada para receber o próximo paciente.