SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
AUTO DA BARCA DO
INFERNO
GIL VICENTE
Prof. Me. Flávio Maia
AUTO DA BARCA DO
INFERNO
 Análise através:
• Texto
• Contexto
AUTO DA BARCA DO
INFERNO – O AUTOR
 Escrito por Gil Vicente
 É o primeiro de uma trilogia de Barcas
• Auto da Barca do Inferno (1517)
• Auto da Barca do Purgatório (1518)
• Auto da Barca da Glória (1519)
 Humanismo: transição da Idade média para o renascimento
AUTO DA BARCA DO
INFERNO – A ÉPOCA
 Sistema feudal entra em
declínio;
 Início da expansão
ultramarina;
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
 O que é um auto?
• O Auto é uma composição dramática que surge durante a Idade
Média entre os séculos XIII e XV, na Península Ibérica, e tem como
expoente o espanhol Juan Del Encina (1468-1529), seguido do
exemplo maior de Gil Vicente.
• A principal marca desse modelo de texto teatral é a presença da
alegoria. Entendemos por alegoria a representação de uma ideia ou
conceito abstrato por meio de um elemento concreto.
 Caronte, na mitologia grega
era o barqueiro de Hades, que
carreava a alma dos recém-
mortos sobre o rio que dividia o
mundo dos mortos do mundo
dos vivos
E O MITO?
E AS ALEGORIAS?
 Cada personagem no Auto de Gil Vicente representa algo.
• O nome não é importante
• E sim a classe (casta) social
FIDALGO
 Argumentos de acusação do diabo: acusa-o de
ter vivido uma vida imoral e de prazeres.
 Argumentos de acusação do anjo : acusa-o de
ser vaidoso,desumano e desprezar os mais
desfavorecidos.
 Argumentos de defesa: diz que deixa na outra
vida quem reze sempre por ele.; diz que é nobre
“Fidalgo de solar” e que por isso tem direito ao
céu.
Argumentos de acusação do anjo : acusa-o de ser vaidoso,desumano e desprezar os mais desfavorecidos.
Argumentos de acusação do diabo: acusa-o de ter vivido uma vida imoral e de prazeres.
.
ONZENEIRO
 Argumentos de acusação do diabo: O onzeneiro é
acusado de ser parente do Diabo;
 Argumentos de acusação do anjo: usar de maldade
para explorar os mais pobres; de ser ganancioso e
materialista.
 Argumentos de defesa: O onzeneiro usa como
argumentos de defesa o facto de ter tido uma morte
súbita; Ser pobre e de Satanás o ter cegado.
PARVO
Argumento de defesa: Joane, o parvo não se defende a
si próprio, é o anjo que pronuncia os seus argumentos
de defesa.
 Diz que é simples e não foi malicioso e que isso basta
para ir para o paraíso.
SAPATEIRO
Argumentos de acusação do diabo: Acusado de
roubo, desonestidade, mentira e falsa religiosidade.
Argumentos de acusação do anjo: Acusa-o de
roubo e desonestidade.
Argumentos de defesa: Diz que ouviu missas, se
confessou , comungou e deu ofertas ao santos.
FRADE
 Argumentos de acusação do diabo: acusa-o
de ter vivido a vida a gozar ser temer a Deus.
(o anjo nao fala com o frade pois este pecou sob a
capa da religiao católica.)
 Argumentos de defesa: O Frade usa como
defesa o facto de ser da corte; de usar o hábito e de
ter rezado os salmos.
ALCOVITEIRA
 Argumentos de defesa: Diz ser uma benfeitora,
pois “salvou” muitas moças e compara-se a
apóstolos, anjos e mártires por ter feito coisas
divinas e ter deixado bem as moças, pois arranjou
dono para todas.
 (A alcoviteira condena-se a ela própria ao falar
com o diabo e o anjo e estes nem chegam a
acusá-la)
JUDEU
 Argumento de acusação do Parvo: acusado de
ter comido carne em dia de jejum e desrespeitado os
lugares sagrados.
 (Não há argumentos de acusação do diabo nem
do anjo, pois ao diabo só interessavam aqueles que
pertenciam à religião católica, que pecassem contra
ela; O anjo nem sequer falou com a personagem)
CORREGEDOR
 Argumento de acusação do diabo: usar o poder
do judiciário em benefício próprio, deixando-se
corromper e recebendo subornos.
 Argumentos de acusação do anjo: Diz que está
carregado de pecados e que levou uma vida que o
conduzirá ao inferno.
 Argumentos de defesa: Diz que apenas encobria
os pecados e que era a mulher que recebia as ofertas
dadas.
PROCURADOR
 Argumentos de acusação do diabo: são os mesmos
argumentos que fez corregedor, pois são ambos corruptos
por isso o diabo apenas lhe pergunta se ele se confessou.
 Argumentos de acusação do anjo : Diz que está carregado
de pecados e que levou uma vida que o conduzirá ao inferno.
 Argumentos de defesa: o procurador diz que não se
confessou, pois pensava que não ia morrer e achava que isso
não era necessário.
QUATRO CAVALEIROS
O fato de morrerem pelo triunfo do
Cristianismo garante a esses personagens
uma espécie de passaporte para a
glorificação. Assim, não precisam de se
defender, pois não são acusados de nada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Delfina Vernuccio
 
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaAuto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
FJDOliveira
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Beatriz Campos
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Rita Galrito
 
Auto da barca do inferno enforcado
Auto da barca do inferno enforcadoAuto da barca do inferno enforcado
Auto da barca do inferno enforcado
Joao Sousa
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Maria Rodrigues
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Vanda Marques
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
António Fernandes
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoQuestões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
 
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaAuto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
 
O Enforcado - Gil Vicente
O Enforcado - Gil VicenteO Enforcado - Gil Vicente
O Enforcado - Gil Vicente
 
Auto da barca do inferno enforcado
Auto da barca do inferno enforcadoAuto da barca do inferno enforcado
Auto da barca do inferno enforcado
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do infernoQuestões fechadas sobre auto da barca do inferno
Questões fechadas sobre auto da barca do inferno
 
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - PersonagensO Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
 

Destaque (13)

Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno -  Gil VicenteAuto da Barca do Inferno -  Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil VicenteO Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
 
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do InfernoPara Compreender o Auto da Barca do Inferno
Para Compreender o Auto da Barca do Inferno
 
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do InfernoEstudo da obra - Auto da Barca do Inferno
Estudo da obra - Auto da Barca do Inferno
 
Power Point Portugues
Power Point PortuguesPower Point Portugues
Power Point Portugues
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Obras de vanda furtado marques 4ºa sofia e luís
Obras de vanda furtado marques 4ºa sofia e luísObras de vanda furtado marques 4ºa sofia e luís
Obras de vanda furtado marques 4ºa sofia e luís
 
Cena 1
Cena 1Cena 1
Cena 1
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
 
Humanismo - Gil Vicente
Humanismo  - Gil VicenteHumanismo  - Gil Vicente
Humanismo - Gil Vicente
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
 

Semelhante a Auto da barca do inferno

Auto da barca argumentos
Auto da barca   argumentosAuto da barca   argumentos
Auto da barca argumentos
William Ferraz
 
Simbologia das barcas
Simbologia das barcasSimbologia das barcas
Simbologia das barcas
esomalucos
 
Simbologia das barcas
Simbologia das barcasSimbologia das barcas
Simbologia das barcas
esomalucos
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Marco Gomes
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Marco Gomes
 

Semelhante a Auto da barca do inferno (20)

Auto da barca argumentos
Auto da barca   argumentosAuto da barca   argumentos
Auto da barca argumentos
 
Argumento A Barca
Argumento A BarcaArgumento A Barca
Argumento A Barca
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
 
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
 
O auto da barca do inferno de Gil Vicente
O auto da barca do inferno de Gil VicenteO auto da barca do inferno de Gil Vicente
O auto da barca do inferno de Gil Vicente
 
Projeto de releitura de O Auto da Barca do Inferno - Parte III
Projeto de releitura de O Auto da Barca do Inferno - Parte IIIProjeto de releitura de O Auto da Barca do Inferno - Parte III
Projeto de releitura de O Auto da Barca do Inferno - Parte III
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
 
Simbologia das barcas
Simbologia das barcasSimbologia das barcas
Simbologia das barcas
 
Simbologia das barcas
Simbologia das barcasSimbologia das barcas
Simbologia das barcas
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 

Mais de Flavio Maia Custodio

Mais de Flavio Maia Custodio (12)

Roteiro de peregrinação
Roteiro de peregrinaçãoRoteiro de peregrinação
Roteiro de peregrinação
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
O alienista
O alienistaO alienista
O alienista
 
Machado de assis obras
Machado de assis   obrasMachado de assis   obras
Machado de assis obras
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Realismo no Brasil
Realismo no BrasilRealismo no Brasil
Realismo no Brasil
 
Gêneros e elementos literários
Gêneros e elementos literáriosGêneros e elementos literários
Gêneros e elementos literários
 
Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literatura
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 

Auto da barca do inferno

  • 1. AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE Prof. Me. Flávio Maia
  • 2.
  • 3. AUTO DA BARCA DO INFERNO  Análise através: • Texto • Contexto
  • 4. AUTO DA BARCA DO INFERNO – O AUTOR  Escrito por Gil Vicente  É o primeiro de uma trilogia de Barcas • Auto da Barca do Inferno (1517) • Auto da Barca do Purgatório (1518) • Auto da Barca da Glória (1519)  Humanismo: transição da Idade média para o renascimento
  • 5. AUTO DA BARCA DO INFERNO – A ÉPOCA  Sistema feudal entra em declínio;  Início da expansão ultramarina;
  • 6. CONSIDERAÇÕES INICIAIS  O que é um auto? • O Auto é uma composição dramática que surge durante a Idade Média entre os séculos XIII e XV, na Península Ibérica, e tem como expoente o espanhol Juan Del Encina (1468-1529), seguido do exemplo maior de Gil Vicente. • A principal marca desse modelo de texto teatral é a presença da alegoria. Entendemos por alegoria a representação de uma ideia ou conceito abstrato por meio de um elemento concreto.
  • 7.  Caronte, na mitologia grega era o barqueiro de Hades, que carreava a alma dos recém- mortos sobre o rio que dividia o mundo dos mortos do mundo dos vivos E O MITO?
  • 8. E AS ALEGORIAS?  Cada personagem no Auto de Gil Vicente representa algo. • O nome não é importante • E sim a classe (casta) social
  • 9. FIDALGO  Argumentos de acusação do diabo: acusa-o de ter vivido uma vida imoral e de prazeres.  Argumentos de acusação do anjo : acusa-o de ser vaidoso,desumano e desprezar os mais desfavorecidos.  Argumentos de defesa: diz que deixa na outra vida quem reze sempre por ele.; diz que é nobre “Fidalgo de solar” e que por isso tem direito ao céu. Argumentos de acusação do anjo : acusa-o de ser vaidoso,desumano e desprezar os mais desfavorecidos. Argumentos de acusação do diabo: acusa-o de ter vivido uma vida imoral e de prazeres. .
  • 10. ONZENEIRO  Argumentos de acusação do diabo: O onzeneiro é acusado de ser parente do Diabo;  Argumentos de acusação do anjo: usar de maldade para explorar os mais pobres; de ser ganancioso e materialista.  Argumentos de defesa: O onzeneiro usa como argumentos de defesa o facto de ter tido uma morte súbita; Ser pobre e de Satanás o ter cegado.
  • 11. PARVO Argumento de defesa: Joane, o parvo não se defende a si próprio, é o anjo que pronuncia os seus argumentos de defesa.  Diz que é simples e não foi malicioso e que isso basta para ir para o paraíso.
  • 12. SAPATEIRO Argumentos de acusação do diabo: Acusado de roubo, desonestidade, mentira e falsa religiosidade. Argumentos de acusação do anjo: Acusa-o de roubo e desonestidade. Argumentos de defesa: Diz que ouviu missas, se confessou , comungou e deu ofertas ao santos.
  • 13. FRADE  Argumentos de acusação do diabo: acusa-o de ter vivido a vida a gozar ser temer a Deus. (o anjo nao fala com o frade pois este pecou sob a capa da religiao católica.)  Argumentos de defesa: O Frade usa como defesa o facto de ser da corte; de usar o hábito e de ter rezado os salmos.
  • 14. ALCOVITEIRA  Argumentos de defesa: Diz ser uma benfeitora, pois “salvou” muitas moças e compara-se a apóstolos, anjos e mártires por ter feito coisas divinas e ter deixado bem as moças, pois arranjou dono para todas.  (A alcoviteira condena-se a ela própria ao falar com o diabo e o anjo e estes nem chegam a acusá-la)
  • 15. JUDEU  Argumento de acusação do Parvo: acusado de ter comido carne em dia de jejum e desrespeitado os lugares sagrados.  (Não há argumentos de acusação do diabo nem do anjo, pois ao diabo só interessavam aqueles que pertenciam à religião católica, que pecassem contra ela; O anjo nem sequer falou com a personagem)
  • 16. CORREGEDOR  Argumento de acusação do diabo: usar o poder do judiciário em benefício próprio, deixando-se corromper e recebendo subornos.  Argumentos de acusação do anjo: Diz que está carregado de pecados e que levou uma vida que o conduzirá ao inferno.  Argumentos de defesa: Diz que apenas encobria os pecados e que era a mulher que recebia as ofertas dadas.
  • 17. PROCURADOR  Argumentos de acusação do diabo: são os mesmos argumentos que fez corregedor, pois são ambos corruptos por isso o diabo apenas lhe pergunta se ele se confessou.  Argumentos de acusação do anjo : Diz que está carregado de pecados e que levou uma vida que o conduzirá ao inferno.  Argumentos de defesa: o procurador diz que não se confessou, pois pensava que não ia morrer e achava que isso não era necessário.
  • 18. QUATRO CAVALEIROS O fato de morrerem pelo triunfo do Cristianismo garante a esses personagens uma espécie de passaporte para a glorificação. Assim, não precisam de se defender, pois não são acusados de nada.

Notas do Editor

  1. Um dos maiores teatrólogos portugueses Também escreveu peças líricas e satíricas Por isso nas peças de Gil Vicente podemos encontrar traços do medievalismo, extremamente teocêntrico, como do humanismo, antropocêntrico. Há um embate entre essas duas corretes de pensamento
  2. O declinio do sistema feudal favoreceu a centralização do peder nas mãos de um único rei. Em Portugal o reinado de D. João, o reflexo do mercantilismo ocorreu sobretudo na expansão ultramarina, a partir de 1415 com a tomada de Ceuta
  3. Na mitologia grega, Caronte é o barqueiro do Hades, que carrega as almas dos recém-mortos sobre as águas do rio Estige e Aqueronte, que dividiam o mundo dos vivos do mundo dos mortos. Uma moeda para pagá-lo pelo trajeto, geralmente um óbolo ou danake, era por vezes colocado dentro ou sobre a boca dos cadáveres, de acordo com a tradição funerária da Grécia Antiga.1