SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Auto da Barca do Inferno Trabalho realizado por : Inês Santos nº5 Inês Peixoto nº6 Susana Martins nº16 Tatiana Morais nº18 Anita  Barsanº19
Corregedor e Procurador Elementos Caracterizadores : Corregedor : apresenta-se de feitos e com uma vara na mão , que simbolizam o seu estatuto social. A aplicação da justiça- Procurador : chega carregado de livros  Percurso cénico : Cais -» Diabo -» Anjo -» Diabo O Corregedor chega ao cais, dirige-se  à barca do Diabo e acaba por ser gozado pelo mesmo. Chega entretanto o seu amigo Procurador . Juntos dirigem-se àbarca do Anjo, é também nessa altura que o anjo os critica e condena e ambos regressam à barca do Diabo onde partem para o Inferno e encontram a Brisida Vaz .
Evolução  Psicólogica : - No início, o Corregedor entra confiante sem consciência dos seus pecados e seguro do seu estatuto social. - Preocupado  o Corregedor pergunta ao procurador se se confessou, assumindo estatuto de pecador e má prática religiosa.  - No final , dirigem-se àbarca do diabo, mostrando já um pouco de consciência dos seus actos  e humilhadospedem clemência e piedade. Relação com os arrais : - O Diabo dirige-se ao Corregedor, gozando e ridicularizando-o, porque já sabe os seus pecados e o corregedor fala de uma forma autoritária, usando o latim de forma a demonstrar cultura; - Por sua vez o anjo é irónico com o Corregedor e com o Procurador ao dizer : “ como  vides preciosos, sendo filhos da ciência “(v.730) , e estes falam, apesar de já  terem entrado no processo de consciência  continuam a exibir o seu estatuto social , como forma de defesa.
Argumentos de Defesa :   - Defende-se dizendo que sempre procedeu de acordo com a justiça (V.668)   - que os lucros não eram seus , quem pecou foi a sua mulher não ele (Corregedor) ((V.675)  - usam o seu estatuto social. (v. 623) Argumento de  Acusação : O Diabo acusa-o  e o Parvo ajuda nesta função: - (corregedor) de ter roubado e enriquecido à custa dos lavradores ingénuos (V.693)   - (corregedor) que julgou com pouca honestidade(V.667)   - (corregedor) e receber subornos (V.670)  - (corregedor) má pratica religiosa, pois confessou-se mal. ( V. 715) O Procurador assume as acusações de que é alvo o corregedor, pois os dois simbolizam, caricaturam a situação da justiça.
Critica Social Gil Vicente aproveita para criticar (através do Crregedor e do Procurador) os comportamentos da justiça: eram corruptos, desonestos e roubavam os mais ingénuos e necessitados. Recursos estilísticos  Metáfora -»“ Oh, pragas pera papel…” Ironia -» “ Como vindes preciosos, …”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoToninho Mata
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoMargarida Ramos
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoCaroline Gouveia
 
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptsin3stesia
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeBeatriz Campos
 
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaAuto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaFJDOliveira
 
Auto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuAuto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuBeatrizMarques25
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroRita Galrito
 
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeDelfina Vernuccio
 
O Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º Ano
O Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º AnoO Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º Ano
O Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º Anojoaoalmeiida
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasClaudia Lazarini
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosTeresa Cabrita
 
O Enforcado - Gil Vicente
O Enforcado - Gil VicenteO Enforcado - Gil Vicente
O Enforcado - Gil VicenteJoão Almeida
 
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeAuto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeDelfina Vernuccio
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSaraegli
 

Mais procurados (20)

Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaAuto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
 
Auto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuAuto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeu
 
Judeu
JudeuJudeu
Judeu
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
 
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
 
O Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º Ano
O Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º AnoO Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º Ano
O Enforcado - Auto da Barca do Inferno - 9º Ano
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Onzeneiro
 
O Enforcado - Gil Vicente
O Enforcado - Gil VicenteO Enforcado - Gil Vicente
O Enforcado - Gil Vicente
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
 
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeAuto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
 

Destaque (7)

Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_CavaleirosAuto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Gil vicente
Gil vicenteGil vicente
Gil vicente
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Argumento A Barca
Argumento A BarcaArgumento A Barca
Argumento A Barca
 

Mais de Lurdes Augusto

10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte CLurdes Augusto
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte BLurdes Augusto
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoLurdes Augusto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoLurdes Augusto
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasLurdes Augusto
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasLurdes Augusto
 
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)Lurdes Augusto
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosLurdes Augusto
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoLurdes Augusto
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoLurdes Augusto
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettLurdes Augusto
 

Mais de Lurdes Augusto (20)

10ºano camões parte C
10ºano camões parte C10ºano camões parte C
10ºano camões parte C
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções SintáticasGrupos frásicos e Funções Sintáticas
Grupos frásicos e Funções Sintáticas
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
A Aia - Trabalhos de grupo (alunos)
 
Tempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostosTempos verbais simples e compostos
Tempos verbais simples e compostos
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 
Texto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicaçãoTexto dramático - exercício de aplicação
Texto dramático - exercício de aplicação
 
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida GarrettFalar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
Falar Verdade a Mentir, de Almeida Garrett
 

Cena do Corregedor e Procurador.

  • 1. Auto da Barca do Inferno Trabalho realizado por : Inês Santos nº5 Inês Peixoto nº6 Susana Martins nº16 Tatiana Morais nº18 Anita Barsanº19
  • 2. Corregedor e Procurador Elementos Caracterizadores : Corregedor : apresenta-se de feitos e com uma vara na mão , que simbolizam o seu estatuto social. A aplicação da justiça- Procurador : chega carregado de livros Percurso cénico : Cais -» Diabo -» Anjo -» Diabo O Corregedor chega ao cais, dirige-se à barca do Diabo e acaba por ser gozado pelo mesmo. Chega entretanto o seu amigo Procurador . Juntos dirigem-se àbarca do Anjo, é também nessa altura que o anjo os critica e condena e ambos regressam à barca do Diabo onde partem para o Inferno e encontram a Brisida Vaz .
  • 3. Evolução Psicólogica : - No início, o Corregedor entra confiante sem consciência dos seus pecados e seguro do seu estatuto social. - Preocupado o Corregedor pergunta ao procurador se se confessou, assumindo estatuto de pecador e má prática religiosa. - No final , dirigem-se àbarca do diabo, mostrando já um pouco de consciência dos seus actos e humilhadospedem clemência e piedade. Relação com os arrais : - O Diabo dirige-se ao Corregedor, gozando e ridicularizando-o, porque já sabe os seus pecados e o corregedor fala de uma forma autoritária, usando o latim de forma a demonstrar cultura; - Por sua vez o anjo é irónico com o Corregedor e com o Procurador ao dizer : “ como vides preciosos, sendo filhos da ciência “(v.730) , e estes falam, apesar de já terem entrado no processo de consciência continuam a exibir o seu estatuto social , como forma de defesa.
  • 4. Argumentos de Defesa : - Defende-se dizendo que sempre procedeu de acordo com a justiça (V.668) - que os lucros não eram seus , quem pecou foi a sua mulher não ele (Corregedor) ((V.675) - usam o seu estatuto social. (v. 623) Argumento de Acusação : O Diabo acusa-o e o Parvo ajuda nesta função: - (corregedor) de ter roubado e enriquecido à custa dos lavradores ingénuos (V.693) - (corregedor) que julgou com pouca honestidade(V.667) - (corregedor) e receber subornos (V.670) - (corregedor) má pratica religiosa, pois confessou-se mal. ( V. 715) O Procurador assume as acusações de que é alvo o corregedor, pois os dois simbolizam, caricaturam a situação da justiça.
  • 5. Critica Social Gil Vicente aproveita para criticar (através do Crregedor e do Procurador) os comportamentos da justiça: eram corruptos, desonestos e roubavam os mais ingénuos e necessitados. Recursos estilísticos Metáfora -»“ Oh, pragas pera papel…” Ironia -» “ Como vindes preciosos, …”