SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
FAE BUSINESS SCHOOL
O PODER NAS ORGANIZAÇÕES
Carolina de Camargo Hoffmann*
Resumo
Este artigo tem como objetivo principal caracterizar as
relações de poder nas organizações. Para tanto, foram
traçados os seguintes objetivos específicos: definir
poder, levantar as formas existentes de poder nas
organizações, caracterizar o fator dependência em
relação ao poder e mostrar como o poder é utilizado nas
empresas. A metodologia utilizada para este estudo foi o
método exploratório, com base em pesquisas
bibliográficas e documentais. A principal conclusão deste
artigo é a definição de poder como uma relação de
mando e dependência nas organizações que não ocorre
isoladamente, suas formas são mescladas na dinâmica
do ambiente organizacional
Palavras-chave: poder; dependência; organizações;
pessoas
Abstract
This article aims mainly describe the power relations in
the organizations. In doing so the analisys of specific
objectives was: define power, search the kinds of power
that exist in the organizations, describe the dependent
factor in relation to power and show its use in business.
The methodology closen in this study was the
exploratory method based in bibliographic and
documentary research. The main identified conclusion in
this market is the definition of power as a relation of
charge and dependence on people in the organizations
that does not occur separately, its kinds are united at
dinamic of organization environment.
Key words: power; dependence; organizations; people
*Acadêmica do 3º ano do Curso
de Administração da FAE
Business School
2
INTRODUÇÃO
O poder e sua forma de aplicação estão sendo muito discutidos por
estudiosos interessados em entender a dinâmica organizacional.
Este trabalho tem a finalidade principal de caracterizar as relações de poder
nas organizações. Para tanto, foram definidos os seguintes objetivos específicos:
definir poder, levantar as formas existentes de poder nas organizações, caracterizar
o fator dependência em relação ao poder e mostrar como o poder é utilizado nas
empresas.
A metodologia adotada foi a pesquisa exploratória, que se apóia em análises
documentais e bibliográficas, buscando sistematizar o assunto desenvolvido por
outros autores de forma a atingir os objetivos propostos.
1 O SIGNIFICADO DO PODER
Para SROUR (1998, p. 135), a fonte originária do poder encontra-se na
capacidade de coagir ou de estabelecer uma relação de domínio sobre os outros, na
produção de “efeitos desejados” ou no controle das ações dos outros.
O indivíduo ou o grupo dotado de poder pode influenciar o comportamento e
os resultados de outras pessoas. Pode conseguir o que quer de acordo com seus
interesses. “O poder influencia quem consegue o quê, quando e como.” (MORGAN,
1996, p.163).
Para que o poder exista, é necessário que alguém queira algo que está sob
controle de outro. Existe, dessa forma, uma relação de dependência de indivíduos
ou grupos em relação a outros. Para ROBBINS (1999, p. 249), este provavelmente
seja o aspecto mais importante do poder. Quanto maior a dependência de A em
relação a B, maior o poder de B em relação a A. Essa dependência aumenta à
medida que o controle de B sobre o que é desejado por A aumenta.
O poder só poderá ser exercido quando houver consentimento das pessoas
envolvidas na organização. Seu uso “(...) é muito distante da idéia de indivíduos
solitários com lampejos de esplendor; em lugar disso, o poder é parte de um
processo comportamental sistemático, congenitamente ligado à liderança.”
(BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 120).
3
É um fenômeno social e, por isso, consiste numa relação social, não num
bem ou patrimônio unilateral. É uma relação de forças, mesmo que assimétricas.
Nenhum agente está totalmente destituído de alguma parcela de poder.
Mesmo aqueles que ocupam uma posição subalterna nunca deixam de
dispor de algum contrapoder: podem resistir e produzir efeitos sobre seus
superiores e sobre seus colegas de trabalho. (SROUR, 1998, p. 137)
Partindo deste conceito, FARIAS (www.comunicacaoempresarial.com.br, em
06/2004) define poder de uma forma mais abrangente:
(...) é possível entender como poder não só aquilo que se manifesta no
interior da organização, mas também as influências que uma organização
tem sobre outra e ainda como a inter relação destas atua no conjunto e nos
resultados de cada qual. Pode-se citar, desse modo, que a
interdependência aqui citada, seja diretamente ampliada à medida que os
processos de globalização [...] da economia seja ampliado.
As relações de poder têm um significado muito importante dentro da
organização, pois elas fazem parte e levam características da estrutura
organizacional de cada empresa.
Atualmente, proprietários e donos do poder estão dissociando cada vez mais
o exercício do mesmo e repassando-o a pessoas reconhecidas como capazes de
exercê-lo. Esse reconhecimento pode vir pelo conhecimento de atividades e
procedimentos ou pela liderança que a pessoa exerce na empresa, por exemplo.
2 FORMAS DE PODER
Analisando as estruturas organizacionais, o modo como as pessoas se
comportam no ambiente de trabalho e como se relacionam, entendemos que
existem várias formas de se exercitar o poder nas organizações. Compreendendo
estas formas, fica mais claro também o significado da palavra poder.
2.1 PODER DE POSIÇÃO OU DE AUTORIDADE FORMAL
Segundo BOWDITCH e BUONO (1997, p. 118), existem dois tipos de líderes
que exercem poder nas organizações. O primeiro deles é o líder nomeado, que se
refere “àqueles indivíduos que ocupam um papel organizacional específico, tais
como executivo, gerente, supervisor e assim por diante.”, que têm o poder de
4
executar certas tarefas organizacionais. Já os líderes naturais “(...) recebem poder
dos demais membros da organização devido a sua capacidade de conseguir a
realização da tarefa ou a manutenção da rede social do grupo”. Estes não têm o
papel do líder formal, mas foram reconhecidos pelo grupo.
Este último caso citado no parágrafo anterior é o poder de posição ou de
autoridade formal.
Como o sociólogo alemão Max Weber apontou, a legitimidade é uma forma
de aprovação social essencial para a estabilização das relações de poder,
aparecendo quando as pessoas reconhecem que alguém tem direito de
mandar em alguma área da vida humana e quando aquele que é mandado
considera como um dever obedecer. (MORGAN, 1996, p. 164)
Para MORGAN (1996, p. 164), podemos fundamentar a autoridade formal
por três características: carisma, tradição e lei. A autoridade carismática surge
quando as qualidades especiais dos indivíduos são enxergadas. A autoridade
tradicional ocorre quando as pessoas respeitam costumes e práticas do passado,
conferindo autoridade a quem simboliza e encarna tais valores. A burocrática ou
legal-racional ocorre quando as pessoas acreditam que, para se exercer o poder, é
preciso a aplicação correta de regras formais e procedimentos.
Este tipo de autoridade torna-se eficaz somente à medida que seja
legitimada pelos níveis hierárquicos mais baixos na empresa. Portanto, se
constituirmos uma pirâmide demonstrando o poder nas organizações, ele estará
parte no topo da pirâmide e parte em sua base, pois o topo o exercitará se a base
assim consentir.
2.2 PODER COERCITIVO
O Poder Coercitivo é utilizado para se conseguir o que quer com base em
ameaças e punições. Por exemplo, se um indivíduo não desempenhar seu trabalho
adequadamente ou se não acatar as ordens de seu superior, ele pode ser
ameaçado de demissão.
Alguém reage a este poder por medo dos resultados negativos que possam
ocorrer se falhar na concordância. Ele se apóia na aplicação ou na ameaça
de aplicação de sanções físicas como inflingir dor, geração de frustração
através de restrições de movimento ou de controle à força de necessidades
básicas fisiológicas ou de segurança. (ROBBINS, 1999, p. 249)
5
Esta é a forma de poder mais condenada, pois quase não se utiliza da
negociação e da ética na organização, mas sim da imposição de vontades, da
punição e da ameaça.
2.3 PODER DE RECOMPENSA
O poder de Recompensa é o oposto do Coercitivo, pois “as pessoas
concordam com os desejos ou orientações de outrem porque fazer isso produz
benefícios positivos” (ROBBINS, 1999, p. 249). O indivíduo que oferecer
recompensas consideradas valiosas pelas outras pessoas em troca de favores
estará exercendo poder sobre elas.
Essas recompensas podem ser qualquer coisa que as pessoas desejam,
como dinheiro, tarefas de trabalho interessantes, promoções, aumento de mérito,
informações importantes, colegas amigáveis, aceitação no grupo e posições de
trabalho preferidas.
Tanto este poder como o coercitivo não precisam ser, necessariamente,
exercidos por alguém de alto nível hierárquico na empresa, pois recompensas como
aceitação e elogio ou punições podem ser oferecidas por qualquer um.
2.4 PODER DE COMPETÊNCIA
O Poder de Competência “(...) é baseado no domínio de um indivíduo sobre
certos assuntos, se isso for percebido como um recurso valioso” (BOWDITCH e
BUONO, 1997, P. 118). O domínio de especializações, habilidades especiais ou
conhecimentos está se tornando uma das fontes mais poderosas de influência à
medida que o mundo está mais orientado à tecnologia. Os empregos estão se
tornando mais especializados e exigem mais conhecimentos específicos.
Devido a isso, pessoas especializadas em determinadas tarefas não
transmitem seu conhecimento para outros membros da organização para não
perderem sua indispensabilidade e seu “status de especialista”. Dessa forma, as
empresas tendem a rotinizar aptidões e habilidades de valor para não se tornarem
dependentes de alguns empregados.
Pela posse da informação certa, no momento certo, tendo acesso exclusivo
a dados-chaves, ou simplesmente demonstrando a habilidade de ordenar e
sistematizar fatos de maneira eficaz, os membros da organização podem
aumentar o poder que detêm dentro dela. (MORGAM, 1996, p. 174)
6
Indivíduos que detém conhecimentos e informações conseguem fazer com
que estas cheguem às outras pessoas da maneira que lhes convém. Disseminam o
conhecimento de acordo com a visão de mundo que favoreça os seus interesses.
A tecnologia pode ser usada para aumentar os poderes daqueles que estão
em posições estratégicas. As pessoas responsáveis pelo controle do sistema de
informações das empresas, por exemplo, cada vez mais centralizados, têm acesso a
diversas informações importantes que lhes dão poder diante dos outros.
2.5 PODER DE REFERÊNCIA
“O Poder de Referência é baseado no magnetismo ou carisma pessoal. Em
muitos casos, as pessoas se identificam com uma outra devido a certos traços
pessoais ou características de personalidade.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p.
119).
Ele se desenvolve da admiração por alguém ou de um desejo de ser como
aquela pessoa. Esse carisma pode influenciar até mesmo pessoas que não se
encontrem sob controle direto ou formal daquela.
Segundo ROBBINS (1999, p. 251), na organização, quem é articulador,
dominador, impõe-se fisicamente ou é carismático tem características pessoais que
podem ser usadas para conseguir que os outros façam suas vontades.
3 OUTRAS FORMAS DE PODER
Os indivíduos ou grupos podem, ainda, exercer outras formas de poder com
base em outros fatores, considerados por BOWDITCH e BUONO (1997, p. 119)
como variáveis dependentes ou situacionais. Elas dão poder a partir de uma
situação específica dentro da organização. São elas:
3.1 CAPACIDADE DE LIDAR COM A INCERTEZA
A habilidade de lidar com incertezas que surgem no dia-a-dia das empresas
é uma grande fonte de poder.
7
Organização implica certo grau de interdependência de tal forma que
situações descontínuas ou imprevisíveis em algum lugar da empresa têm
consideráveis implicações para o funcionamento das demais partes. Uma
habilidade em lidar com essas incertezas dá ao indivíduo, grupo ou
subunidades considerável poder no todo organizacional. (MORGAN, 1996,
p. 176)
As empresas buscam meios de reduzir suas incertezas, mas algumas
sempre permanecem. Por isso, quem sabe lidar com elas exerce forte influência
sobre a organização.
Para MORGAN (1996, p. 177), quando se compreende o impacto da
incerteza sobre a maneira como uma organização opera, têm-se meios importantes
de compreender as relações de poder entre os diferentes grupos ou departamentos.
Também se chega à melhor compreensão das condições sob as quais o poder do
especialista e de quem resolve problemas são levados em conta.
3.1 SUBSTITUBILIDADE
“A dificuldade de uma pessoa ser substituída por qualquer outra da
organização dá poder à primeira” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). Quanto
mais insubstituível for a pessoa, maior poder ela exerce.
Com a disseminação do conhecimento e das informações, conforme citado
anteriormente, as empresas conseguem fazer com que as pessoas se tornem
menos insubstituíveis.
3.2 CENTRALIDADE ORGANIZACIONAL
“Quanto mais central uma pessoa ou um grupo for para os trabalhos ou
processos da organização, maior será o seu poder.” (BOWDITCH e BUONO, 1997,
p. 119).
O processo decisório, dessa forma, também fica centralizado. “(...) o
indivíduo ou grupo que possa agir de modo claro no processo de tomada de decisão
tem o poder de exercer uma grande influência nos negócios da organização à qual
pertence.” (MORGAN, 1996, p. 171)
8
3.4 INTERDEPENDÊNCIA DO PAPEL E DA TAREFA
Segundo BOWDITCH e BUONO (1997, p. 119), se as atividades de uma
pessoa ou grupo dependerem das atividades de outra pessoa ou grupo, supõe-se
que o segundo terá um controle maior sobre diversas contingências.
Isto pode ocorrer entre setores diferentes dentro da organização.
4 O FATOR DEPENDÊNCIA
Para compreendermos melhor e conseguirmos identificar as formas de
poder citadas acima, é fundamental entendermos a dependência que existe nessas
relações.
“Quando você possui alguma coisa que outros exigem mas que você
sozinho controla, você os torna dependentes de você e, portanto, você ganha poder
sobre eles.” (ROBBINS, 1999, p. 251). Se conseguirmos monopólio sobre algo,
exerceremos poder sobre quem quer obter isto que temos. A dependência, então,
não ocorre quando alguém possui alguma coisa que várias outras pessoas
possuem, mas quando possui algo considerado muito importante e valioso.
A partir deste conceito, as empresas procuram não se tornar dependentes
de um único fornecedor, por exemplo, ou dos conhecimentos de uma pessoa ou
grupo. Elas tentam sempre expandir suas opções.
O poder de uma organização sobre o mercado aumenta quando ela controla
um recurso que é importante, escasso e insubstituível. Assim, o mercado torna-se
dependente destes recursos.
4.1 RECURSO IMPORTANTE
Segundo ROBBINS (1999, p. 252), para criar dependência, os recursos
controlados têm que ser considerados importantes. Por exemplo, “uma organização
como a Intel, fortemente orientada tecnologicamente, é altamente dependente de
seus engenheiros para manter as vantagens técnicas e a qualidade de seus
produtos” (ROBBINS, 1999, p. 252).
Esses profissionais citados têm a capacidade de lidar com as incertezas em
seu trabalho e são muito valorizados na organização. Eles exercem poder sobre ela.
Mas o que é muito importante hoje para a empresa pode não ser daqui a algum
9
tempo. Por isso, podemos dizer que a importância é situacional e depende dos
momentos pelos quais a empresa passa.
4.2 RECURSOS ESCASSOS
“(...) o poder repousa sobre o controle daqueles recursos dos quais a
organização depende para dar continuidade às suas operações correntes, ou para
criar novas iniciativas.” (MORGAN, 1996, p. 167).
Para ROBBINS (1999, p. 252), os recursos precisam também ser escassos
para causar dependência. Eles podem ser conhecimentos, informações ou dinheiro,
por exemplo. Se membros de uma posição mais baixa na organização detêm
conhecimentos importantes, não-disponíveis para membros de posições mais altas,
eles podem exercer poder sobre estes.
4.3 RECURSOS INSUBSTITUÍVEIS
Da mesma forma que pessoas podem ser insubstituíveis nas organizações,
os recursos também podem.
“Quanto mais um recurso não tem substitutos viáveis, mais poder do
controle deste recurso é fornecido.” (ROBBINS, 1999, p. 252).
5 O USO DO PODER
As pessoas ou grupos utilizam as formas de poder citadas acima de acordo
com seus objetivos.
Podemos dividir o poder, conforme sua utilização, em basicamente dois
tipos: o Poder Aberto e o Poder Reservado.
O primeiro é utilizado para conquista de resultados a partir de conflitos entre
as partes. “Controlando as fontes de poder relevante, tais como acesso a
informações, arenas políticas, recompensas e castigos, e conhecimentos
especializados, os gerentes freqüentemente tentam triunfar face à competição e
conflito.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119).
O segundo é utilizado “(...) para assegurar que não ocorram conflitos.”
(BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). É empregado antes que surja um confronto
direto entre as partes.
10
MORGAN (1996, p. 190) acredita que o poder “é uma via para o poder e,
com freqüência, é possível usá-lo para adquirir mais poder ainda”. Algumas pessoas
podem fazer isso para conseguir benefícios futuros próprios, através de trocas de
favores. “O poder usado de forma judiciosa toma a forma de um investimento e
como o dinheiro, na maioria das vezes, torna-se útil nos dias tempestuosos.”
(MORGAN, 1996, p. 190)
O poder pode servir, ainda, para aproximar pessoas, na medida em que
quem tem interesse em adquirir poder, aproxima-se de quem já o tem. “A presença
do poder atrai e mantém pessoas que desejam alimentar aquele poder e, na
realidade, serve para aumentar o poder dos próprios detentores de poder.”
(MORGAN, 1996, p. 190).
Segundo MORGAN (1996, p. 190), o poder também tem um aspecto
estimulante. “Quando uma pessoa vivencia progresso ou sucesso, está
freqüentemente energizada para chegar a um progresso e sucesso ainda maior.
Dessa forma, um sentimento de poder pode levar realmente a mais poder.” Depois
de atingir uma vitória e conseguir poder, o indivíduo sente-se estimulado a buscar
outras vitórias.
Na maioria das vezes, as pessoas precisam mesclar várias formas de uso
do poder. Isso ocorre porque, devido a circunstâncias organizacionais, como divisão
do trabalho e limitação dos recursos, os detentores do mesmo terão que se adaptar
e ser capazes de “adquirir e manter um poder suficiente para administrar de maneira
positiva os conflitos inevitáveis que surgirão entre grupos tão diversos porém
interdependentes.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 120).
CONCLUSÃO
A partir deste estudo, pode-se afirmar que o poder é uma relação de mando e
dependência entre pessoas ou grupos nas organizações. Embora seja possível
separar suas diversas formas, elas não são utilizadas isoladamente pois o poder é
um fenômeno que envolve todas as pessoas nas organizações e que só pode ser
exercido se houver consentimento dos envolvidos.
O poder não está presente somente nos altos níveis gerenciais, ele pode ser
conquistado e aparecer também em níveis hierárquicos mais baixos das
organizações. Pode vir como forma de conhecimentos, informações ou habilidades
11
adquiridas. Ou ainda através de chantagens ou ameaças em prol de benefícios
próprios.
Conclui-se, então, que todas as pessoas estão sujeitas a alguma forma de
poder, seja de superiores, seja de colegas de trabalho. Da mesma forma que todos
exercem algum poder sobre outra pessoa.
12
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
SROUR, Robert Henry. Poder, Cultura e Ética nas Organizações. Rio de Janeiro:
Campus, 1998.
MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.
ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. Rio de Janeiro: LTC,
1999.
BOWDITCH, James L.; BUONO, Anthony F. Elementos de Comportamento
Organizacional. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1997.
FARIAS, Luiz Alberto B. Poder e Cultura nas Organizações Contemporâneas.
Disponível em: www.comunicacaoempresarial.com.br. Acesso em: junho 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacionalCorreios
 
06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da BurocraciaDebora Miceli
 
ADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalGabriel Faustino
 
Conflito organizacional
Conflito organizacional Conflito organizacional
Conflito organizacional Lukas Oliveira
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisRafael Evans
 
Resenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e Especialização
Resenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e EspecializaçãoResenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e Especialização
Resenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e Especializaçãoadmetz01
 
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8   recursos, níveis e ambiente organizacionalAula 8   recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacionalCorreios
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialCelia Carvalho
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacionalNiloar Bissani
 
Poder nas Organizações.ppt
Poder nas Organizações.pptPoder nas Organizações.ppt
Poder nas Organizações.pptPerissonDantas
 

Mais procurados (20)

Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
 
06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia06. Teoria da Burocracia
06. Teoria da Burocracia
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
 
ADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacional
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Teoria da burocracia 2012_01
Teoria da burocracia 2012_01Teoria da burocracia 2012_01
Teoria da burocracia 2012_01
 
Teoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocraciaTeoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocracia
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Conflito organizacional
Conflito organizacional Conflito organizacional
Conflito organizacional
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 
Resenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e Especialização
Resenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e EspecializaçãoResenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e Especialização
Resenha - Teoria Clássica: Divisão de Trabalho e Especialização
 
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8   recursos, níveis e ambiente organizacionalAula 8   recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacional
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencial
 
A teoria de sistemas
A teoria de sistemasA teoria de sistemas
A teoria de sistemas
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
 
Poder nas Organizações.ppt
Poder nas Organizações.pptPoder nas Organizações.ppt
Poder nas Organizações.ppt
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 

Destaque

Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poderLucas Paula
 
Teroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da InfluênciaTeroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da InfluênciaAdm Unime
 
Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1
Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1
Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1luciaguaranys
 
Conceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeConceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeElicio Lima
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poderJosé Amaral
 
Coletanea de dinâmicas de grupo
Coletanea de dinâmicas de grupoColetanea de dinâmicas de grupo
Coletanea de dinâmicas de grupoSoraia Santana
 
Liderança, poder e comportamento organizacional
Liderança, poder e comportamento organizacionalLiderança, poder e comportamento organizacional
Liderança, poder e comportamento organizacionalWillian Fellipe
 
2 Cultura nas Organizações
2 Cultura nas Organizações2 Cultura nas Organizações
2 Cultura nas Organizaçõesprdfelix
 
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridadeO papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridadeFabrício Silva Assumpção
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoInstituto Santa Teresa
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoMaira Conde
 
Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1
Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1
Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1luisadr
 

Destaque (20)

Autoridade e poder
Autoridade e poderAutoridade e poder
Autoridade e poder
 
Teroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da InfluênciaTeroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da Influência
 
Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1
Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1
Apresentação Maria Teresa Leme Fleury cap. 1
 
Slides Relações de poder
Slides Relações de poderSlides Relações de poder
Slides Relações de poder
 
Conceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridadeConceito de poder e autoridade
Conceito de poder e autoridade
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poder
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
 
Coletanea de dinâmicas de grupo
Coletanea de dinâmicas de grupoColetanea de dinâmicas de grupo
Coletanea de dinâmicas de grupo
 
Liderança, poder e comportamento organizacional
Liderança, poder e comportamento organizacionalLiderança, poder e comportamento organizacional
Liderança, poder e comportamento organizacional
 
Organizações vistas como Cérebros
Organizações vistas como CérebrosOrganizações vistas como Cérebros
Organizações vistas como Cérebros
 
2 Cultura nas Organizações
2 Cultura nas Organizações2 Cultura nas Organizações
2 Cultura nas Organizações
 
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridadeO papel das formas de representação para o controle de autoridade
O papel das formas de representação para o controle de autoridade
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
 
6 fases evolução - apresentação 01
6 fases   evolução - apresentação 016 fases   evolução - apresentação 01
6 fases evolução - apresentação 01
 
Apt02
Apt02Apt02
Apt02
 
Conflito
ConflitoConflito
Conflito
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
 
Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1
Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1
Plano de Aula Duncan PO1 CAP 1
 
Cultura Organizacional 2
Cultura Organizacional 2Cultura Organizacional 2
Cultura Organizacional 2
 

Semelhante a O poder nas organizações

O Poder nas Oranizações
O Poder nas Oranizações O Poder nas Oranizações
O Poder nas Oranizações Alanice Brïtö
 
Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5Cris Lanferdini
 
Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...
Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...
Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...Amarildo Ferreira
 
Tga abordagem estruturalista
Tga   abordagem estruturalistaTga   abordagem estruturalista
Tga abordagem estruturalistaAmandaDias58
 
Características básicas das organizações formais modernas apostila
Características básicas das organizações formais modernas   apostilaCaracterísticas básicas das organizações formais modernas   apostila
Características básicas das organizações formais modernas apostilaDébora Soares Teodoro
 
Grupos e organizações
Grupos e organizaçõesGrupos e organizações
Grupos e organizaçõesSATAFE2508
 
Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...
Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...
Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...Emídio Estêvão Mangal
 
Comunicação e influência
Comunicação e influênciaComunicação e influência
Comunicação e influênciaAdão Ladeira
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaCésar de Souza
 

Semelhante a O poder nas organizações (20)

O Poder nas Oranizações
O Poder nas Oranizações O Poder nas Oranizações
O Poder nas Oranizações
 
Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5Ciência política nota-de-aula-5
Ciência política nota-de-aula-5
 
Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...
Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...
Artigo "Relações de poder em uma empresa de serviços na cidade de Belém: infl...
 
Aula ii unidade
Aula ii unidadeAula ii unidade
Aula ii unidade
 
Tga abordagem estruturalista
Tga   abordagem estruturalistaTga   abordagem estruturalista
Tga abordagem estruturalista
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Características básicas das organizações formais modernas apostila
Características básicas das organizações formais modernas   apostilaCaracterísticas básicas das organizações formais modernas   apostila
Características básicas das organizações formais modernas apostila
 
Grupos e organizações
Grupos e organizaçõesGrupos e organizações
Grupos e organizações
 
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇAEXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
 
A tomada de poder numa empresa
A tomada de poder numa empresaA tomada de poder numa empresa
A tomada de poder numa empresa
 
Organização Contremporânea 2
Organização Contremporânea 2Organização Contremporânea 2
Organização Contremporânea 2
 
Organização Contremporânea 4
Organização Contremporânea 4Organização Contremporânea 4
Organização Contremporânea 4
 
INTERESSES CONFLITOS E PODER
INTERESSES CONFLITOS E PODERINTERESSES CONFLITOS E PODER
INTERESSES CONFLITOS E PODER
 
Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...
Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...
Reflexão Sobre a Liderança e Tarefas do Gestor Público na Mudança das Organiz...
 
Comunicação e influência
Comunicação e influênciaComunicação e influência
Comunicação e influência
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
MotivaçãO
MotivaçãOMotivaçãO
MotivaçãO
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
 
Aula 7 teoria da burocracia
Aula 7   teoria da burocraciaAula 7   teoria da burocracia
Aula 7 teoria da burocracia
 

O poder nas organizações

  • 1. FAE BUSINESS SCHOOL O PODER NAS ORGANIZAÇÕES Carolina de Camargo Hoffmann* Resumo Este artigo tem como objetivo principal caracterizar as relações de poder nas organizações. Para tanto, foram traçados os seguintes objetivos específicos: definir poder, levantar as formas existentes de poder nas organizações, caracterizar o fator dependência em relação ao poder e mostrar como o poder é utilizado nas empresas. A metodologia utilizada para este estudo foi o método exploratório, com base em pesquisas bibliográficas e documentais. A principal conclusão deste artigo é a definição de poder como uma relação de mando e dependência nas organizações que não ocorre isoladamente, suas formas são mescladas na dinâmica do ambiente organizacional Palavras-chave: poder; dependência; organizações; pessoas Abstract This article aims mainly describe the power relations in the organizations. In doing so the analisys of specific objectives was: define power, search the kinds of power that exist in the organizations, describe the dependent factor in relation to power and show its use in business. The methodology closen in this study was the exploratory method based in bibliographic and documentary research. The main identified conclusion in this market is the definition of power as a relation of charge and dependence on people in the organizations that does not occur separately, its kinds are united at dinamic of organization environment. Key words: power; dependence; organizations; people *Acadêmica do 3º ano do Curso de Administração da FAE Business School
  • 2. 2 INTRODUÇÃO O poder e sua forma de aplicação estão sendo muito discutidos por estudiosos interessados em entender a dinâmica organizacional. Este trabalho tem a finalidade principal de caracterizar as relações de poder nas organizações. Para tanto, foram definidos os seguintes objetivos específicos: definir poder, levantar as formas existentes de poder nas organizações, caracterizar o fator dependência em relação ao poder e mostrar como o poder é utilizado nas empresas. A metodologia adotada foi a pesquisa exploratória, que se apóia em análises documentais e bibliográficas, buscando sistematizar o assunto desenvolvido por outros autores de forma a atingir os objetivos propostos. 1 O SIGNIFICADO DO PODER Para SROUR (1998, p. 135), a fonte originária do poder encontra-se na capacidade de coagir ou de estabelecer uma relação de domínio sobre os outros, na produção de “efeitos desejados” ou no controle das ações dos outros. O indivíduo ou o grupo dotado de poder pode influenciar o comportamento e os resultados de outras pessoas. Pode conseguir o que quer de acordo com seus interesses. “O poder influencia quem consegue o quê, quando e como.” (MORGAN, 1996, p.163). Para que o poder exista, é necessário que alguém queira algo que está sob controle de outro. Existe, dessa forma, uma relação de dependência de indivíduos ou grupos em relação a outros. Para ROBBINS (1999, p. 249), este provavelmente seja o aspecto mais importante do poder. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação a A. Essa dependência aumenta à medida que o controle de B sobre o que é desejado por A aumenta. O poder só poderá ser exercido quando houver consentimento das pessoas envolvidas na organização. Seu uso “(...) é muito distante da idéia de indivíduos solitários com lampejos de esplendor; em lugar disso, o poder é parte de um processo comportamental sistemático, congenitamente ligado à liderança.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 120).
  • 3. 3 É um fenômeno social e, por isso, consiste numa relação social, não num bem ou patrimônio unilateral. É uma relação de forças, mesmo que assimétricas. Nenhum agente está totalmente destituído de alguma parcela de poder. Mesmo aqueles que ocupam uma posição subalterna nunca deixam de dispor de algum contrapoder: podem resistir e produzir efeitos sobre seus superiores e sobre seus colegas de trabalho. (SROUR, 1998, p. 137) Partindo deste conceito, FARIAS (www.comunicacaoempresarial.com.br, em 06/2004) define poder de uma forma mais abrangente: (...) é possível entender como poder não só aquilo que se manifesta no interior da organização, mas também as influências que uma organização tem sobre outra e ainda como a inter relação destas atua no conjunto e nos resultados de cada qual. Pode-se citar, desse modo, que a interdependência aqui citada, seja diretamente ampliada à medida que os processos de globalização [...] da economia seja ampliado. As relações de poder têm um significado muito importante dentro da organização, pois elas fazem parte e levam características da estrutura organizacional de cada empresa. Atualmente, proprietários e donos do poder estão dissociando cada vez mais o exercício do mesmo e repassando-o a pessoas reconhecidas como capazes de exercê-lo. Esse reconhecimento pode vir pelo conhecimento de atividades e procedimentos ou pela liderança que a pessoa exerce na empresa, por exemplo. 2 FORMAS DE PODER Analisando as estruturas organizacionais, o modo como as pessoas se comportam no ambiente de trabalho e como se relacionam, entendemos que existem várias formas de se exercitar o poder nas organizações. Compreendendo estas formas, fica mais claro também o significado da palavra poder. 2.1 PODER DE POSIÇÃO OU DE AUTORIDADE FORMAL Segundo BOWDITCH e BUONO (1997, p. 118), existem dois tipos de líderes que exercem poder nas organizações. O primeiro deles é o líder nomeado, que se refere “àqueles indivíduos que ocupam um papel organizacional específico, tais como executivo, gerente, supervisor e assim por diante.”, que têm o poder de
  • 4. 4 executar certas tarefas organizacionais. Já os líderes naturais “(...) recebem poder dos demais membros da organização devido a sua capacidade de conseguir a realização da tarefa ou a manutenção da rede social do grupo”. Estes não têm o papel do líder formal, mas foram reconhecidos pelo grupo. Este último caso citado no parágrafo anterior é o poder de posição ou de autoridade formal. Como o sociólogo alemão Max Weber apontou, a legitimidade é uma forma de aprovação social essencial para a estabilização das relações de poder, aparecendo quando as pessoas reconhecem que alguém tem direito de mandar em alguma área da vida humana e quando aquele que é mandado considera como um dever obedecer. (MORGAN, 1996, p. 164) Para MORGAN (1996, p. 164), podemos fundamentar a autoridade formal por três características: carisma, tradição e lei. A autoridade carismática surge quando as qualidades especiais dos indivíduos são enxergadas. A autoridade tradicional ocorre quando as pessoas respeitam costumes e práticas do passado, conferindo autoridade a quem simboliza e encarna tais valores. A burocrática ou legal-racional ocorre quando as pessoas acreditam que, para se exercer o poder, é preciso a aplicação correta de regras formais e procedimentos. Este tipo de autoridade torna-se eficaz somente à medida que seja legitimada pelos níveis hierárquicos mais baixos na empresa. Portanto, se constituirmos uma pirâmide demonstrando o poder nas organizações, ele estará parte no topo da pirâmide e parte em sua base, pois o topo o exercitará se a base assim consentir. 2.2 PODER COERCITIVO O Poder Coercitivo é utilizado para se conseguir o que quer com base em ameaças e punições. Por exemplo, se um indivíduo não desempenhar seu trabalho adequadamente ou se não acatar as ordens de seu superior, ele pode ser ameaçado de demissão. Alguém reage a este poder por medo dos resultados negativos que possam ocorrer se falhar na concordância. Ele se apóia na aplicação ou na ameaça de aplicação de sanções físicas como inflingir dor, geração de frustração através de restrições de movimento ou de controle à força de necessidades básicas fisiológicas ou de segurança. (ROBBINS, 1999, p. 249)
  • 5. 5 Esta é a forma de poder mais condenada, pois quase não se utiliza da negociação e da ética na organização, mas sim da imposição de vontades, da punição e da ameaça. 2.3 PODER DE RECOMPENSA O poder de Recompensa é o oposto do Coercitivo, pois “as pessoas concordam com os desejos ou orientações de outrem porque fazer isso produz benefícios positivos” (ROBBINS, 1999, p. 249). O indivíduo que oferecer recompensas consideradas valiosas pelas outras pessoas em troca de favores estará exercendo poder sobre elas. Essas recompensas podem ser qualquer coisa que as pessoas desejam, como dinheiro, tarefas de trabalho interessantes, promoções, aumento de mérito, informações importantes, colegas amigáveis, aceitação no grupo e posições de trabalho preferidas. Tanto este poder como o coercitivo não precisam ser, necessariamente, exercidos por alguém de alto nível hierárquico na empresa, pois recompensas como aceitação e elogio ou punições podem ser oferecidas por qualquer um. 2.4 PODER DE COMPETÊNCIA O Poder de Competência “(...) é baseado no domínio de um indivíduo sobre certos assuntos, se isso for percebido como um recurso valioso” (BOWDITCH e BUONO, 1997, P. 118). O domínio de especializações, habilidades especiais ou conhecimentos está se tornando uma das fontes mais poderosas de influência à medida que o mundo está mais orientado à tecnologia. Os empregos estão se tornando mais especializados e exigem mais conhecimentos específicos. Devido a isso, pessoas especializadas em determinadas tarefas não transmitem seu conhecimento para outros membros da organização para não perderem sua indispensabilidade e seu “status de especialista”. Dessa forma, as empresas tendem a rotinizar aptidões e habilidades de valor para não se tornarem dependentes de alguns empregados. Pela posse da informação certa, no momento certo, tendo acesso exclusivo a dados-chaves, ou simplesmente demonstrando a habilidade de ordenar e sistematizar fatos de maneira eficaz, os membros da organização podem aumentar o poder que detêm dentro dela. (MORGAM, 1996, p. 174)
  • 6. 6 Indivíduos que detém conhecimentos e informações conseguem fazer com que estas cheguem às outras pessoas da maneira que lhes convém. Disseminam o conhecimento de acordo com a visão de mundo que favoreça os seus interesses. A tecnologia pode ser usada para aumentar os poderes daqueles que estão em posições estratégicas. As pessoas responsáveis pelo controle do sistema de informações das empresas, por exemplo, cada vez mais centralizados, têm acesso a diversas informações importantes que lhes dão poder diante dos outros. 2.5 PODER DE REFERÊNCIA “O Poder de Referência é baseado no magnetismo ou carisma pessoal. Em muitos casos, as pessoas se identificam com uma outra devido a certos traços pessoais ou características de personalidade.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). Ele se desenvolve da admiração por alguém ou de um desejo de ser como aquela pessoa. Esse carisma pode influenciar até mesmo pessoas que não se encontrem sob controle direto ou formal daquela. Segundo ROBBINS (1999, p. 251), na organização, quem é articulador, dominador, impõe-se fisicamente ou é carismático tem características pessoais que podem ser usadas para conseguir que os outros façam suas vontades. 3 OUTRAS FORMAS DE PODER Os indivíduos ou grupos podem, ainda, exercer outras formas de poder com base em outros fatores, considerados por BOWDITCH e BUONO (1997, p. 119) como variáveis dependentes ou situacionais. Elas dão poder a partir de uma situação específica dentro da organização. São elas: 3.1 CAPACIDADE DE LIDAR COM A INCERTEZA A habilidade de lidar com incertezas que surgem no dia-a-dia das empresas é uma grande fonte de poder.
  • 7. 7 Organização implica certo grau de interdependência de tal forma que situações descontínuas ou imprevisíveis em algum lugar da empresa têm consideráveis implicações para o funcionamento das demais partes. Uma habilidade em lidar com essas incertezas dá ao indivíduo, grupo ou subunidades considerável poder no todo organizacional. (MORGAN, 1996, p. 176) As empresas buscam meios de reduzir suas incertezas, mas algumas sempre permanecem. Por isso, quem sabe lidar com elas exerce forte influência sobre a organização. Para MORGAN (1996, p. 177), quando se compreende o impacto da incerteza sobre a maneira como uma organização opera, têm-se meios importantes de compreender as relações de poder entre os diferentes grupos ou departamentos. Também se chega à melhor compreensão das condições sob as quais o poder do especialista e de quem resolve problemas são levados em conta. 3.1 SUBSTITUBILIDADE “A dificuldade de uma pessoa ser substituída por qualquer outra da organização dá poder à primeira” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). Quanto mais insubstituível for a pessoa, maior poder ela exerce. Com a disseminação do conhecimento e das informações, conforme citado anteriormente, as empresas conseguem fazer com que as pessoas se tornem menos insubstituíveis. 3.2 CENTRALIDADE ORGANIZACIONAL “Quanto mais central uma pessoa ou um grupo for para os trabalhos ou processos da organização, maior será o seu poder.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). O processo decisório, dessa forma, também fica centralizado. “(...) o indivíduo ou grupo que possa agir de modo claro no processo de tomada de decisão tem o poder de exercer uma grande influência nos negócios da organização à qual pertence.” (MORGAN, 1996, p. 171)
  • 8. 8 3.4 INTERDEPENDÊNCIA DO PAPEL E DA TAREFA Segundo BOWDITCH e BUONO (1997, p. 119), se as atividades de uma pessoa ou grupo dependerem das atividades de outra pessoa ou grupo, supõe-se que o segundo terá um controle maior sobre diversas contingências. Isto pode ocorrer entre setores diferentes dentro da organização. 4 O FATOR DEPENDÊNCIA Para compreendermos melhor e conseguirmos identificar as formas de poder citadas acima, é fundamental entendermos a dependência que existe nessas relações. “Quando você possui alguma coisa que outros exigem mas que você sozinho controla, você os torna dependentes de você e, portanto, você ganha poder sobre eles.” (ROBBINS, 1999, p. 251). Se conseguirmos monopólio sobre algo, exerceremos poder sobre quem quer obter isto que temos. A dependência, então, não ocorre quando alguém possui alguma coisa que várias outras pessoas possuem, mas quando possui algo considerado muito importante e valioso. A partir deste conceito, as empresas procuram não se tornar dependentes de um único fornecedor, por exemplo, ou dos conhecimentos de uma pessoa ou grupo. Elas tentam sempre expandir suas opções. O poder de uma organização sobre o mercado aumenta quando ela controla um recurso que é importante, escasso e insubstituível. Assim, o mercado torna-se dependente destes recursos. 4.1 RECURSO IMPORTANTE Segundo ROBBINS (1999, p. 252), para criar dependência, os recursos controlados têm que ser considerados importantes. Por exemplo, “uma organização como a Intel, fortemente orientada tecnologicamente, é altamente dependente de seus engenheiros para manter as vantagens técnicas e a qualidade de seus produtos” (ROBBINS, 1999, p. 252). Esses profissionais citados têm a capacidade de lidar com as incertezas em seu trabalho e são muito valorizados na organização. Eles exercem poder sobre ela. Mas o que é muito importante hoje para a empresa pode não ser daqui a algum
  • 9. 9 tempo. Por isso, podemos dizer que a importância é situacional e depende dos momentos pelos quais a empresa passa. 4.2 RECURSOS ESCASSOS “(...) o poder repousa sobre o controle daqueles recursos dos quais a organização depende para dar continuidade às suas operações correntes, ou para criar novas iniciativas.” (MORGAN, 1996, p. 167). Para ROBBINS (1999, p. 252), os recursos precisam também ser escassos para causar dependência. Eles podem ser conhecimentos, informações ou dinheiro, por exemplo. Se membros de uma posição mais baixa na organização detêm conhecimentos importantes, não-disponíveis para membros de posições mais altas, eles podem exercer poder sobre estes. 4.3 RECURSOS INSUBSTITUÍVEIS Da mesma forma que pessoas podem ser insubstituíveis nas organizações, os recursos também podem. “Quanto mais um recurso não tem substitutos viáveis, mais poder do controle deste recurso é fornecido.” (ROBBINS, 1999, p. 252). 5 O USO DO PODER As pessoas ou grupos utilizam as formas de poder citadas acima de acordo com seus objetivos. Podemos dividir o poder, conforme sua utilização, em basicamente dois tipos: o Poder Aberto e o Poder Reservado. O primeiro é utilizado para conquista de resultados a partir de conflitos entre as partes. “Controlando as fontes de poder relevante, tais como acesso a informações, arenas políticas, recompensas e castigos, e conhecimentos especializados, os gerentes freqüentemente tentam triunfar face à competição e conflito.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). O segundo é utilizado “(...) para assegurar que não ocorram conflitos.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 119). É empregado antes que surja um confronto direto entre as partes.
  • 10. 10 MORGAN (1996, p. 190) acredita que o poder “é uma via para o poder e, com freqüência, é possível usá-lo para adquirir mais poder ainda”. Algumas pessoas podem fazer isso para conseguir benefícios futuros próprios, através de trocas de favores. “O poder usado de forma judiciosa toma a forma de um investimento e como o dinheiro, na maioria das vezes, torna-se útil nos dias tempestuosos.” (MORGAN, 1996, p. 190) O poder pode servir, ainda, para aproximar pessoas, na medida em que quem tem interesse em adquirir poder, aproxima-se de quem já o tem. “A presença do poder atrai e mantém pessoas que desejam alimentar aquele poder e, na realidade, serve para aumentar o poder dos próprios detentores de poder.” (MORGAN, 1996, p. 190). Segundo MORGAN (1996, p. 190), o poder também tem um aspecto estimulante. “Quando uma pessoa vivencia progresso ou sucesso, está freqüentemente energizada para chegar a um progresso e sucesso ainda maior. Dessa forma, um sentimento de poder pode levar realmente a mais poder.” Depois de atingir uma vitória e conseguir poder, o indivíduo sente-se estimulado a buscar outras vitórias. Na maioria das vezes, as pessoas precisam mesclar várias formas de uso do poder. Isso ocorre porque, devido a circunstâncias organizacionais, como divisão do trabalho e limitação dos recursos, os detentores do mesmo terão que se adaptar e ser capazes de “adquirir e manter um poder suficiente para administrar de maneira positiva os conflitos inevitáveis que surgirão entre grupos tão diversos porém interdependentes.” (BOWDITCH e BUONO, 1997, p. 120). CONCLUSÃO A partir deste estudo, pode-se afirmar que o poder é uma relação de mando e dependência entre pessoas ou grupos nas organizações. Embora seja possível separar suas diversas formas, elas não são utilizadas isoladamente pois o poder é um fenômeno que envolve todas as pessoas nas organizações e que só pode ser exercido se houver consentimento dos envolvidos. O poder não está presente somente nos altos níveis gerenciais, ele pode ser conquistado e aparecer também em níveis hierárquicos mais baixos das organizações. Pode vir como forma de conhecimentos, informações ou habilidades
  • 11. 11 adquiridas. Ou ainda através de chantagens ou ameaças em prol de benefícios próprios. Conclui-se, então, que todas as pessoas estão sujeitas a alguma forma de poder, seja de superiores, seja de colegas de trabalho. Da mesma forma que todos exercem algum poder sobre outra pessoa.
  • 12. 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SROUR, Robert Henry. Poder, Cultura e Ética nas Organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998. MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996. ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. Rio de Janeiro: LTC, 1999. BOWDITCH, James L.; BUONO, Anthony F. Elementos de Comportamento Organizacional. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1997. FARIAS, Luiz Alberto B. Poder e Cultura nas Organizações Contemporâneas. Disponível em: www.comunicacaoempresarial.com.br. Acesso em: junho 2004.