SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Artigo 1º- Os homens nascem e são livres e iguais em
 direitos. As distinções sociais só podem fundar-se na
 utilidade comum.

Artigo 2º- O fim de toda a associação política é a
 conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do
 homem. Esses Direitos são a liberdade, a
 propriedade, a segurança e a resistência à opressão.
Artigo 3º- O princípio de toda a soberania reside
 essencialmente na Nação. Nenhuma
 corporação, nenhum indivíduo pode exercer
 autoridade que aquela não emane expressamente.

Artigo 4º- A liberdade consiste em poder fazer tudo
 aquilo que não prejudique outrem: assim, o exercício
 dos direitos naturais de cada homem não tem por
 limites senão os que asseguram aos outros membros
 da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites
 apenas podem ser determinados pela Lei.
Artigo 5º- A Lei não proíbe senão as ações prejudiciais à
 sociedade. Tudo aquilo que não pode ser impedido, e
 ninguém pode ser constrangido a fazer o que ela não
 ordene.
Artigo 6º- A Lei é a expressão da vontade geral. Todos os
 cidadãos têm o direito de concorrer, pessoalmente ou
 através dos seus representantes, para a sua formação.
 Ela deve ser a mesma para todos, quer se destine a
 proteger quer a punir. Todos os cidadãos são iguais a
 seus olhos, são igualmente admissíveis a todas as
 dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a
 sua capacidade, e sem outra distinção que não seja a
 das suas virtudes e dos seus talentos.
Artigo 7º- Ninguém pode ser acusado, preso ou detido
 senão nos casos determinados pela Lei e de acordo
 com as formas por esta prescritas. Os que solicitam,
 expedem, executam ou mandam executar ordens
 arbitrárias devem ser castigados; mas qualquer
 cidadão convocado ou detido em virtude da Lei deve
 obedecer imediatamente, senão torna-se culpado de
 resistência.
Artigo 8º- A Lei apenas deve estabelecer penas estrita e
 evidentemente necessárias, e ninguém pode ser
 punido senão em virtude de uma lei estabelecida e
 promulgada antes do delito e legalmente aplicada.
Artigo 9º- Todo o acusado se presume inocente até ser
 declarado culpado e, se julgar indispensável prendê-
 lo, todo o rigor não necessário à guarda da sua
 pessoa, deverá ser severamente reprimido pela Lei.
Artigo 10º- Ninguém pode ser inquietado pelas suas
 opiniões, incluindo opiniões religiosas, contando que a
 manifestação delas não perturbe a ordem pública
 estabelecida ela Lei.
Artigo 11º- A livre comunicação dos pensamentos e das
 opiniões é um dos mais preciosos direitos do Homem;
 todo o cidadão pode, portanto, falar, escrever,imprimir
 livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta
 liberdade nos termos previstos na Lei.
Artigo 12º- A garantia dos direitos do Homem e do
 Cidadão carece de uma força pública; esta força
 é, pois, instituída para vantagem de todos, e não para
 utilidade particular daqueles a quem é confiada.
Artigo 13º- Para a manutenção da força pública e para as
 despesas de administração é indispensável uma
 contribuição comum, que deve ser repartida entre os
 cidadãos de acordo com as suas possibilidades.
Artigo 14º- Todos os cidadãos têm o direito de
 verificar, por si ou pelos seus representantes, a
 necessidade da contribuição pública, de consenti-la
 livremente, de observar o seu emprego e de lhe fixar a
 repartição, a coleta, a cobrança e a duração.
Artigo 15º- A sociedade tem o direito de pedir contas a
 todo o agente público pela sua administração.
Artigo 16º- Qualquer sociedade em que não esteja
 assegurada a garantia dos direitos, nem estabelecida a
 separação dos poderes não tem Constituição.
Artigo 17º- Como a propriedade é um direito inviolável e
 sagrado, ninguém dela pode ser privado, a não ser
 quando a necessidade pública legalmente comprovada
 o exigir evidentemente e sob condição de justa e
 prévia indemnização.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
marcosfm32
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
eiprofessor
 
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no BrasilOs Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Janayna Lira
 
Aulas 1 e 2 esparta e atenas
Aulas 1 e 2   esparta e atenasAulas 1 e 2   esparta e atenas
Aulas 1 e 2 esparta e atenas
Lú Carvalho
 

Mais procurados (20)

Apresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução RussaApresentação Revolução Russa
Apresentação Revolução Russa
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial3° ano - Revoltas do Período Regencial
3° ano - Revoltas do Período Regencial
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
 
Aula 17 - Democracia e ditadura
Aula 17 - Democracia e ditaduraAula 17 - Democracia e ditadura
Aula 17 - Democracia e ditadura
 
A Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do BrasilA Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do Brasil
 
Brasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
Brasil Contemporâneo - Prof. MedeirosBrasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
Brasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
 
África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)
 
O Antigo Egito
O Antigo EgitoO Antigo Egito
O Antigo Egito
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
 
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no BrasilOs Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
Os Atos Institucionais e a Ditadura Militar no Brasil
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
Sociedades africanas
Sociedades africanasSociedades africanas
Sociedades africanas
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadãoDeclaração dos direitos do homem e do cidadão
Declaração dos direitos do homem e do cidadão
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Aulas 1 e 2 esparta e atenas
Aulas 1 e 2   esparta e atenasAulas 1 e 2   esparta e atenas
Aulas 1 e 2 esparta e atenas
 

Destaque

Declaração de direitos do homem e do cidadão
Declaração de direitos do homem e do cidadãoDeclaração de direitos do homem e do cidadão
Declaração de direitos do homem e do cidadão
GabrielaMansur
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789
direitoturmamanha
 
Declaração dos Direitos do Homem
Declaração dos Direitos do HomemDeclaração dos Direitos do Homem
Declaração dos Direitos do Homem
MINV
 
O trabalho e a declaração dos direitos do homem
O trabalho e a declaração dos direitos do homemO trabalho e a declaração dos direitos do homem
O trabalho e a declaração dos direitos do homem
Roman Vasylyev
 
O poder nas organizações
O poder nas organizaçõesO poder nas organizações
O poder nas organizações
Elaine Barbosa
 
Teroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da InfluênciaTeroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da Influência
Adm Unime
 
Processos sócio culturais - Aculturação
Processos sócio culturais - AculturaçãoProcessos sócio culturais - Aculturação
Processos sócio culturais - Aculturação
Luciano Carvalho
 
Trabalho sobre direitos humanos
Trabalho sobre direitos humanosTrabalho sobre direitos humanos
Trabalho sobre direitos humanos
grazivig
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 
A Democracia
A DemocraciaA Democracia
A Democracia
Phyllipa
 

Destaque (20)

Declaração de direitos do homem e do cidadão
Declaração de direitos do homem e do cidadãoDeclaração de direitos do homem e do cidadão
Declaração de direitos do homem e do cidadão
 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789
 
Declaração dos Direitos do Homem
Declaração dos Direitos do HomemDeclaração dos Direitos do Homem
Declaração dos Direitos do Homem
 
O trabalho e a declaração dos direitos do homem
O trabalho e a declaração dos direitos do homemO trabalho e a declaração dos direitos do homem
O trabalho e a declaração dos direitos do homem
 
5.. formas do poder político
5.. formas do poder político5.. formas do poder político
5.. formas do poder político
 
O poder nas organizações
O poder nas organizaçõesO poder nas organizações
O poder nas organizações
 
Cidadania da União Europeia
Cidadania da União EuropeiaCidadania da União Europeia
Cidadania da União Europeia
 
Revolução Liberal Americana
Revolução Liberal AmericanaRevolução Liberal Americana
Revolução Liberal Americana
 
4. poder, poder social e poder político
4. poder, poder social e poder político4. poder, poder social e poder político
4. poder, poder social e poder político
 
Teroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da InfluênciaTeroia do Poder e da Influência
Teroia do Poder e da Influência
 
Processos sócio culturais - Aculturação
Processos sócio culturais - AculturaçãoProcessos sócio culturais - Aculturação
Processos sócio culturais - Aculturação
 
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos HumanosDeclaraçãO Dos Direitos Humanos
DeclaraçãO Dos Direitos Humanos
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
Pessoa E Cultura MóDulo 1
Pessoa E Cultura   MóDulo 1Pessoa E Cultura   MóDulo 1
Pessoa E Cultura MóDulo 1
 
Trabalho sobre direitos humanos
Trabalho sobre direitos humanosTrabalho sobre direitos humanos
Trabalho sobre direitos humanos
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
A Democracia
A DemocraciaA Democracia
A Democracia
 

Semelhante a Declaração dos direitos do homem e do cidadão

Declar dir homem_cidadao
Declar dir homem_cidadaoDeclar dir homem_cidadao
Declar dir homem_cidadao
Inês Sagula
 
Sociologia – 2 ° ano
Sociologia – 2 ° anoSociologia – 2 ° ano
Sociologia – 2 ° ano
myri2000
 
Aulão MPU - Direito Constitucional - Roberto Silva
Aulão MPU - Direito Constitucional - Roberto SilvaAulão MPU - Direito Constitucional - Roberto Silva
Aulão MPU - Direito Constitucional - Roberto Silva
Canal Dos Concursos
 
éticana administração pública
éticana administração públicaéticana administração pública
éticana administração pública
Márcio De Araújo
 
Direitoshumanos3
Direitoshumanos3Direitoshumanos3
Direitoshumanos3
Julio Rocha
 
Direitoshumanos3
Direitoshumanos3Direitoshumanos3
Direitoshumanos3
Julio Rocha
 

Semelhante a Declaração dos direitos do homem e do cidadão (20)

Declaração dos Direitos Humanos
Declaração dos Direitos HumanosDeclaração dos Direitos Humanos
Declaração dos Direitos Humanos
 
Declar dir homem_cidadao
Declar dir homem_cidadaoDeclar dir homem_cidadao
Declar dir homem_cidadao
 
Declar dir homem_cidadao
Declar dir homem_cidadaoDeclar dir homem_cidadao
Declar dir homem_cidadao
 
Sociologia – 2 ° ano
Sociologia – 2 ° anoSociologia – 2 ° ano
Sociologia – 2 ° ano
 
Constituiçâo do brasil
Constituiçâo do brasilConstituiçâo do brasil
Constituiçâo do brasil
 
Iniciando o trabalho
Iniciando o trabalhoIniciando o trabalho
Iniciando o trabalho
 
Resumao Etica
Resumao EticaResumao Etica
Resumao Etica
 
Aulão MPU - Direito Constitucional - Roberto Silva
Aulão MPU - Direito Constitucional - Roberto SilvaAulão MPU - Direito Constitucional - Roberto Silva
Aulão MPU - Direito Constitucional - Roberto Silva
 
Funenseg apresentação noções de direito do seguro
Funenseg   apresentação noções de direito do seguroFunenseg   apresentação noções de direito do seguro
Funenseg apresentação noções de direito do seguro
 
éticana administração pública
éticana administração públicaéticana administração pública
éticana administração pública
 
Constituição estadual rj
Constituição estadual rjConstituição estadual rj
Constituição estadual rj
 
Lei organica do municipio do rj
Lei organica do municipio do rjLei organica do municipio do rj
Lei organica do municipio do rj
 
Direitoshumanos3
Direitoshumanos3Direitoshumanos3
Direitoshumanos3
 
Direitoshumanos3
Direitoshumanos3Direitoshumanos3
Direitoshumanos3
 
Direitoshumanos3
Direitoshumanos3Direitoshumanos3
Direitoshumanos3
 
Lei organica municipal_de_marica
Lei organica municipal_de_maricaLei organica municipal_de_marica
Lei organica municipal_de_marica
 
Direito constitucional resumo
Direito constitucional resumoDireito constitucional resumo
Direito constitucional resumo
 
Brasil uma nova ordem política e social
Brasil uma nova ordem política e socialBrasil uma nova ordem política e social
Brasil uma nova ordem política e social
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Etica
EticaEtica
Etica
 

Mais de Instituto Santa Teresa (9)

A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
 
Paisagem cultural e paisagem natural
Paisagem cultural e paisagem naturalPaisagem cultural e paisagem natural
Paisagem cultural e paisagem natural
 
Página no facebook utilizada como ferramenta de apoio
Página no facebook utilizada como ferramenta de apoioPágina no facebook utilizada como ferramenta de apoio
Página no facebook utilizada como ferramenta de apoio
 
1822
18221822
1822
 
Juventude Participativa
Juventude ParticipativaJuventude Participativa
Juventude Participativa
 
Principais bacias hidrográficas
Principais bacias hidrográficasPrincipais bacias hidrográficas
Principais bacias hidrográficas
 
Higiene bucal
Higiene bucalHigiene bucal
Higiene bucal
 
Unificação da itália
Unificação da itáliaUnificação da itália
Unificação da itália
 
A unificação alemã
A unificação alemãA unificação alemã
A unificação alemã
 

Declaração dos direitos do homem e do cidadão

  • 1.
  • 2. Artigo 1º- Os homens nascem e são livres e iguais em direitos. As distinções sociais só podem fundar-se na utilidade comum. Artigo 2º- O fim de toda a associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Esses Direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão.
  • 3. Artigo 3º- O princípio de toda a soberania reside essencialmente na Nação. Nenhuma corporação, nenhum indivíduo pode exercer autoridade que aquela não emane expressamente. Artigo 4º- A liberdade consiste em poder fazer tudo aquilo que não prejudique outrem: assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem não tem por limites senão os que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites apenas podem ser determinados pela Lei.
  • 4. Artigo 5º- A Lei não proíbe senão as ações prejudiciais à sociedade. Tudo aquilo que não pode ser impedido, e ninguém pode ser constrangido a fazer o que ela não ordene. Artigo 6º- A Lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de concorrer, pessoalmente ou através dos seus representantes, para a sua formação. Ela deve ser a mesma para todos, quer se destine a proteger quer a punir. Todos os cidadãos são iguais a seus olhos, são igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua capacidade, e sem outra distinção que não seja a das suas virtudes e dos seus talentos.
  • 5. Artigo 7º- Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela Lei e de acordo com as formas por esta prescritas. Os que solicitam, expedem, executam ou mandam executar ordens arbitrárias devem ser castigados; mas qualquer cidadão convocado ou detido em virtude da Lei deve obedecer imediatamente, senão torna-se culpado de resistência. Artigo 8º- A Lei apenas deve estabelecer penas estrita e evidentemente necessárias, e ninguém pode ser punido senão em virtude de uma lei estabelecida e promulgada antes do delito e legalmente aplicada.
  • 6. Artigo 9º- Todo o acusado se presume inocente até ser declarado culpado e, se julgar indispensável prendê- lo, todo o rigor não necessário à guarda da sua pessoa, deverá ser severamente reprimido pela Lei. Artigo 10º- Ninguém pode ser inquietado pelas suas opiniões, incluindo opiniões religiosas, contando que a manifestação delas não perturbe a ordem pública estabelecida ela Lei.
  • 7. Artigo 11º- A livre comunicação dos pensamentos e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do Homem; todo o cidadão pode, portanto, falar, escrever,imprimir livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta liberdade nos termos previstos na Lei. Artigo 12º- A garantia dos direitos do Homem e do Cidadão carece de uma força pública; esta força é, pois, instituída para vantagem de todos, e não para utilidade particular daqueles a quem é confiada.
  • 8. Artigo 13º- Para a manutenção da força pública e para as despesas de administração é indispensável uma contribuição comum, que deve ser repartida entre os cidadãos de acordo com as suas possibilidades. Artigo 14º- Todos os cidadãos têm o direito de verificar, por si ou pelos seus representantes, a necessidade da contribuição pública, de consenti-la livremente, de observar o seu emprego e de lhe fixar a repartição, a coleta, a cobrança e a duração.
  • 9. Artigo 15º- A sociedade tem o direito de pedir contas a todo o agente público pela sua administração. Artigo 16º- Qualquer sociedade em que não esteja assegurada a garantia dos direitos, nem estabelecida a separação dos poderes não tem Constituição. Artigo 17º- Como a propriedade é um direito inviolável e sagrado, ninguém dela pode ser privado, a não ser quando a necessidade pública legalmente comprovada o exigir evidentemente e sob condição de justa e prévia indemnização.