SlideShare uma empresa Scribd logo

Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.

Conhecimentos socioculturais e linguísticos necessários a serem disseminados,

1 de 23
Baixar para ler offline
6ª aula
Dilaina Maria Araújo da Costa
Professora e Intérprete Educacional.
Em relação a Libras e seus usuários Surdos.
QUE LÍNGUA É
ESSA????
 Decreto nº5.626
de 22 de dezembro de 2005.
A LÍNGUA DE SINAIS.
 A língua de sinais é universal?
É possível expressar conceitos abstratos na língua
de sinais?
 Sim, a pressuposição de que não se
consegue expressar ideias ou
conceitos abstratos esta firmado na
crença de que a língua de sinais é
limitada e não passa de um código
primitivo. Com a língua de sinais é
possível expressar sentimentos,
emoções e quaisquer ideias ou
conceitos abstratos sem perda
nenhuma de conteúdo.

Recomendados

LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaprofamiriamnavarro
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia profamiriamnavarro
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLene Reis
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essamarciaorion
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Librasunidadebetinho
 
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosLIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicos
LIBRAS AULA 11: Aspectos Linguísticos da língua de sinais - Aspectos fonológicosprofamiriamnavarro
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaValdemar Júnior
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completaLiseteLima
 
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções profamiriamnavarro
 
L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011Karen Araki
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1David Santos
 
1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a librasValeria Nunes
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deMaísa Allana
 
Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?Ana Paula Arja
 
Categorias de Classificadores em Libras
Categorias de Classificadores em LibrasCategorias de Classificadores em Libras
Categorias de Classificadores em LibrasJoseane Maciel Viana
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Librasprofamiriamnavarro
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em ContextoJorge Santos
 
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo profamiriamnavarro
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdosprofamiriamnavarro
 
5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da librasNelinha Soares
 

Mais procurados (20)

2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística2 sobre a libras e a linguística
2 sobre a libras e a linguística
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
 
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
 
L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011L ingua, linguagem e fonologia 2011
L ingua, linguagem e fonologia 2011
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1
 
1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras1. curiosidades sobre a libras
1. curiosidades sobre a libras
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
 
Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?Libras língua ou linguagem de sinais?
Libras língua ou linguagem de sinais?
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
 
Apresentação literatura surda
Apresentação literatura surdaApresentação literatura surda
Apresentação literatura surda
 
Parâmetros da libras
Parâmetros da librasParâmetros da libras
Parâmetros da libras
 
Categorias de Classificadores em Libras
Categorias de Classificadores em LibrasCategorias de Classificadores em Libras
Categorias de Classificadores em Libras
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
 
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
 
5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras
 

Destaque

Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...
Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...
Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...andrea giovanella
 
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdosJean Rodrigo
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoMaryanne Monteiro
 
Cultura identidades surda
Cultura identidades surdaCultura identidades surda
Cultura identidades surdaJuca Junior
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surdammorigami
 
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para SurdosEnsino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para SurdosWania Ap. Boer
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Oralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicaçãoOralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicaçãoMichelli Assis
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleDaniele Silva
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila librasJana Bento
 
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOLÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOJaqueline Souza
 

Destaque (20)

Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...
Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...
Oficina - Analise Sintática em LIBRAS e Língua portuguesa para o ensino aos a...
 
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
 
Enquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quêEnquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quê
 
Sintaxe da libras
Sintaxe da librasSintaxe da libras
Sintaxe da libras
 
Tradutor libras
Tradutor librasTradutor libras
Tradutor libras
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
 
Cultura identidades surda
Cultura identidades surdaCultura identidades surda
Cultura identidades surda
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
 
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para SurdosEnsino de Língua Portuguesa para Surdos
Ensino de Língua Portuguesa para Surdos
 
Identidade surda
Identidade surdaIdentidade surda
Identidade surda
 
Mundo Surdo
Mundo SurdoMundo Surdo
Mundo Surdo
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
 
Oralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicaçãoOralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicação
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Apostila: libras básico
Apostila: libras básicoApostila: libras básico
Apostila: libras básico
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
 
LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2
 
Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
 
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDOLÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
LÍNGUA DE SINAIS PELO MUNDO
 

Semelhante a Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.

Lingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisLingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisColegio Éthicos
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&LVanessa Dagostim
 
Linguagens diversas
Linguagens diversasLinguagens diversas
Linguagens diversasHELENICEAN
 
Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1Fernando Alves
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Bia Crispim
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdezCris-Pasquali
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdezCris-Pasquali
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdezCris-Pasquali
 
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüePessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüeVanessa Dagostim
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)Taty Cruz
 

Semelhante a Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo. (20)

Quelnguaessa 110218105038-phpapp01
Quelnguaessa 110218105038-phpapp01Quelnguaessa 110218105038-phpapp01
Quelnguaessa 110218105038-phpapp01
 
Quelnguaessa 110218105038-phpapp01
Quelnguaessa 110218105038-phpapp01Quelnguaessa 110218105038-phpapp01
Quelnguaessa 110218105038-phpapp01
 
Trabalho cas
Trabalho casTrabalho cas
Trabalho cas
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Lingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisLingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinais
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Apresentação fórum ines 2012 10
Apresentação   fórum ines 2012 10Apresentação   fórum ines 2012 10
Apresentação fórum ines 2012 10
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
 
Andréia cristina de lima
Andréia cristina de limaAndréia cristina de lima
Andréia cristina de lima
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
 
Linguagens diversas
Linguagens diversasLinguagens diversas
Linguagens diversas
 
Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1Material de Apoio - Português 1
Material de Apoio - Português 1
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
Arquivo 1
Arquivo 1Arquivo 1
Arquivo 1
 
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüePessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
Pessoas Surdas, bilingüismo e educação bilíngüe
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 

Mais de dilaina maria araujo maria

Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhardilaina maria araujo maria
 
Educação inclusiva compreende a educação especial
Educação inclusiva compreende a educação  especialEducação inclusiva compreende a educação  especial
Educação inclusiva compreende a educação especialdilaina maria araujo maria
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhardilaina maria araujo maria
 
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...dilaina maria araujo maria
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...dilaina maria araujo maria
 
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancoHistoria dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancodilaina maria araujo maria
 

Mais de dilaina maria araujo maria (19)

Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.
 
Lei complementar nº274, de 9 de janeiro
Lei complementar nº274, de 9 de janeiroLei complementar nº274, de 9 de janeiro
Lei complementar nº274, de 9 de janeiro
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
 
Educação inclusiva compreende a educação especial
Educação inclusiva compreende a educação  especialEducação inclusiva compreende a educação  especial
Educação inclusiva compreende a educação especial
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
 
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
 
Lei complementar
Lei complementarLei complementar
Lei complementar
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
 
Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
 
Municipio do Acre em libras
Municipio do Acre em librasMunicipio do Acre em libras
Municipio do Acre em libras
 
Corpo humano
Corpo humanoCorpo humano
Corpo humano
 
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancoHistoria dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
 
Calendário no contexto da libras
Calendário  no contexto da librasCalendário  no contexto da libras
Calendário no contexto da libras
 
Sistema de transcrição da Libras
Sistema de transcrição da LibrasSistema de transcrição da Libras
Sistema de transcrição da Libras
 
Familia e Identidade Surda
Familia e Identidade SurdaFamilia e Identidade Surda
Familia e Identidade Surda
 
Eu não sei Libras e agora?
Eu não sei Libras e agora?Eu não sei Libras e agora?
Eu não sei Libras e agora?
 
Eu não sei Libras, e agora ?
Eu não sei Libras, e agora ?Eu não sei Libras, e agora ?
Eu não sei Libras, e agora ?
 
Sistema de transcrição em libras
Sistema de transcrição em librasSistema de transcrição em libras
Sistema de transcrição em libras
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 

Último

Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...apoioacademicoead
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 

Último (20)

Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 

Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.

  • 1. 6ª aula Dilaina Maria Araújo da Costa Professora e Intérprete Educacional.
  • 2. Em relação a Libras e seus usuários Surdos.
  • 4.  Decreto nº5.626 de 22 de dezembro de 2005.
  • 5. A LÍNGUA DE SINAIS.  A língua de sinais é universal?
  • 6. É possível expressar conceitos abstratos na língua de sinais?  Sim, a pressuposição de que não se consegue expressar ideias ou conceitos abstratos esta firmado na crença de que a língua de sinais é limitada e não passa de um código primitivo. Com a língua de sinais é possível expressar sentimentos, emoções e quaisquer ideias ou conceitos abstratos sem perda nenhuma de conteúdo.
  • 7. A língua de sinais é uma versão sinalizada da língua oral?  Não, A língua de sinais tem estrutura própria e é autônoma ou seja, independe de qualquer língua oral em sua concepção linguística. A língua de sinais tem suas origens históricas na língua oral?  Há poucos registros que possam fornecer informações sobre a origem e o desenvolvimento das línguas de sinais entre os surdos. Na história da evolução do homem, constata-se que o uso de sinais pelas mãos como forma de comunicação é anterior a comunicação vocal.
  • 8. A língua de sinais é ágrafa?  Não, Até pouco tempo a língua de sinais era considerada uma língua sem escrita, no entanto, estudos recentes tem indicado as possibilidades da escrita própria da língua de sinais.
  • 9. A língua de sinais é o alfabeto manual?  Não, O alfabeto manual, utilizado para soletrar manualmente as palavras é apenas um recurso utilizado por falantes da língua de sinais, não é uma língua e sim um código de representação das letras alfabéticas.
  • 10. A língua de sinais é um código secreto dos surdos?  Não, Apesar dos surdos terem sido privados de se comunicarem em sua língua natural por séculos, por causa de sua proibição a língua era usada as escondidas, sendo considerada exótica, obscena e extremamente agressiva, já que o surdo expunha de mais o corpo ao sinalizar.
  • 11. É uma língua exclusivamente icônica [ Não, A uma tendência em pensar assim, e essa visão relaciona-se com o fato de que a língua de sinais é uma língua de espaço visual. Embora exista um grau elevado de sinais icônicos(bebê, árvore, casa avião) é importante destacar que essa característica também é comum nas línguas orais.
  • 12.  A língua dos surdos é mímica?  Não, está implícito nessa pergunta um preconceito muito grave, sobre a legitimidade linguística da língua de sinais e na capacidade de comunicação dos surdos.
  • 13.  A língua de sinais tem gramática?  Sim, O reconhecimento linguístico tem marcas nos estudos descritivos do linguista americano William Stokoe em 1960. A partir da década de 1970 conduziram estudos mais aprofundados da ASL, dando a língua de sinais o reconhecimento gramatical de uma língua.
  • 14. A língua de sinais é artificial? A língua de sinais dos surdos é natural, pois evolui como parte de um grupo cultural. Considera-se artificiais línguas construídas por um grupo de indivíduos com algum propósito específico exemplo: gestuno ( língua de sinais) e o esperanto( língua oral).
  • 15.  Surdo Art. 2o Para os fins deste Decreto, considera-se pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Língua Brasileira de Sinais - Libras. DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.
  • 16. deficiente auditivo? Parágrafo único. Considera-se deficiência auditiva a perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz.
  • 17. Surd@-mud@: termo obsoleto, inadequado e incorreto, pois o déficit auditivo, em nenhum momento prejudica as pregas vocais (não mais cordas vocais). É possível aprender a falar (oralizar) mesmo não ouvindo!
  • 18. O intérprete é a ‘voz’ do surdo? Não.  O intérprete tem sim uma IMPORTANCIA VALIOSA na vivencia comunicacional dos surdos e ouvintes. O que cria uma certa confusão é pelo fato de alguns ouvintes ( que não sabem LIBRAS) acreditarem que para se comunicarem com os surdos precisam sempre do intérprete. Não! Os surdos podem e devem se comunicar com os ouvintes da forma que acharem necessário. Lembre-se surdos em muitas situações fazem leitura labial e uso de outros instrumentos de comunicação que são funcionais.
  • 19.  O intérprete se faz necessário nas faculdades, escolas, cursos, palestras, reuniões, ou seja, quando pretende passar informações para aprendizados específicos.  Além disso o interprete não pode ser visto e nem tampouco tratado como a bengala dos Surdos. Nós intérpretes devemos ser mais uma possibilidade comunicacional para os surdos de
  • 20. O surdo tem dificuldade de escrever porque não sabe falar a língua oral?  Não! a compreensão da leitura, assim como as de produção da escrita, eram tão frequentemente observadas que muitas pessoas passaram a atribuí-las à surdez. Como consequência, os surdos foram considerados pessoas que, por não ouvirem, não entendem o que leem e apresentam dificuldades acentuadas no uso da Língua Majoritária. Práticas mecânicas e não funcionais para surdos e não surdos.
  • 21.  A prioridade do professor deve ser inicialmente o uso da língua pelo aluno e não só o conhecimento das regras. A gramática é trabalhada não com o objetivo de que os alunos memorizem as regras, mas como ferramenta para que compreendam o funcionamento da língua. Uma vez que entendam o funcionamento da Língua Portuguesa, o professor poderá sistematizar a gramática, o que deverá se dar sempre com base no texto. Ai o ensino da Língua por sí mesma será uma construção interacional e positiva , além de dinâmica e agradável.
  • 22. O uso de pontuação é peculiar da língua oral auditiva (escrita). E mais especifica ainda na língua de modalidade visual espacial.(Libras)
  • 23. Referencias:  https://www.google.com.br  "ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ALUNOS SURDOS M. Cristina da Cunha Pereira DERDIC - PUCSP.“  Decreto nº5.626.  Lei nº 10.436.