SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
O INCONSCIENTE
A História do Movimento Psicanalítico, Artigos sobre a Metapsicologia e Outros
Trabalhos (1914-1916) (Volume XIV)
Auricélio Goió*
Darciane Brito *
Kelvia Lages*
Tátila Cardoso*
Graduandas do Curso de Psicologia da
UFPI.
 Artigo que deu o ponta pé inicial para o estudo
do Inconsciente;
 Foi no livro Afasia que Freud usou o termo pela 1ª
vez;
 Embora a teoria ostensiva pudesse ser
neurológica, a psicologia já se insinuava
firmemente.
 Foi no livro A Interpretação de Sonhos (1900) que o
termo Inconsciente estabeleceu-se de vez;
 A essência do processo de repressão não visa a
destruição da idéia que representa um instinto, mas
em evitar que se torne consciente;
• Enquanto inconsciente, pode produzir efeitos, até
mesmo atingir a consciência;
• O reprimido não abrange tudo o que é
inconsciente;
 Só tomamos conhecimento de algo inconsciente
através da tradução para algo consciente;
• O trabalho psicanalítico, que lida com as
resistências;
 Os dados da consciência apresentam um grande número
de lacunas;
• Parapraxias, sonhos, sintomas e comportamentos
obsessivos
• Idéias estranhas e conclusões inesperadas
 Não se sustenta a idéia de que tudo que acontece na mente
deve ser conhecido pela consciência;
 O conteúdo da consciência é muito pequeno;
• A existência de ideias latentes;
• Não se sustenta a idéia de que o que é psíquico é
consciente;
• Essa idéia rompe as continuidades psíquicas;
 O atributo de ser inconsciente é apenas
um dos aspectos do elemento psíquico;
 Um ato psíquico passa por duas
fases, entre as quais se interpõe uma
censura;
 O sistema Pcs. participa das
características do sistema Cs.
 Além das idéias, haverá também instintos, emoções e
sentimentos inconscientes
• Um instinto nunca pode tornar-se objeto da consciência, só
a idéia que o representa pode ser;
• Mesmo no inconsciente, um instinto só pode ser
representado por uma idéia;
• Se um instinto não for representado por uma idéia ou
manifestado através de um estado afetivo, nada
saberemos sobre ele;
 Faz parte da natureza de uma emoção que ela se torne
conhecida pela consciência;
 Um afeto pode sofrer três diferentes tratamentos:
• Ou ele permanece, no topo ou em parte, como
é;
• Ou é transformado (sobretudo em ansiedade) ;
• Ou é suprimido, impedindo de se desenvolver.
 Suprimir o desenvolvimento do afeto constitui a
verdadeira finalidade da repressão
• Os afetos reprimidos é que são chamados de
inconscientes.
 Repressão primeva
 Repressão propriamente dita
 Histeria da ansiedade
 Possuem características próprias;
 O núcleo do inconsciente consiste em representações
instintuais que procuram descarregar sua catexia;
 Não há nesse sistema lugar para negação, dúvida ou certeza;
 Os processos do sistema Ics. são intemporais:
• Não se alteram com o tempo
• Não são ordenados temporalmente
 Os processos Ics. Só se tornam conhecidos sob as condições
de sonho ou neurose
 O Ics. não permanece em repouso ou é algo liquidado, nem um
resíduo do processo de desenvolvimento;
 O Ics. influencia e é influenciado pelo Pcs.;
 Existem no Ics. derivados de características do sistema Cs., altamente
organizados: as fantasias inconscientes;
 Derivados do Ics. Se tornam conscientes na qualidade de formação e
sintomas substitutivos;
 A distinção mais importante encontra-se entre o Pcs. e Ics.;
 Uma total separação dos sistemas é o que caracteriza uma condição
de doença;
 Uma divisão acentuada e final entre o conteúdo dos dois sistemas não
ocorre até a puberdade;
 Processo de repressão no esquizofrênico
 A fala do órgão
O Inconciente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaDeisiane Cazaroto
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE09108303
 
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoTeoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoThiago de Almeida
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoAlexandre Simoes
 
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"Tacio Aguiar
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaAlexandre Simoes
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)andrea cristina
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálisefaculdadeteologica
 

Mais procurados (20)

Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
 
Jung
JungJung
Jung
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoTeoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
A interpretação dos sonhos
A interpretação dos sonhosA interpretação dos sonhos
A interpretação dos sonhos
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
Power point do Curso "Vida e Obra de Sigmund Freud"
 
GESTALT
GESTALTGESTALT
GESTALT
 
Sonhos
SonhosSonhos
Sonhos
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a naturezaCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 3: A pulsão e sua ruptura com a natureza
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
 
Freud Ppt
Freud PptFreud Ppt
Freud Ppt
 

Semelhante a O Inconciente

Freud ppt682
Freud ppt682Freud ppt682
Freud ppt68227101992
 
Freud, o Inconsciente e Edward Hopper
Freud, o Inconsciente e Edward HopperFreud, o Inconsciente e Edward Hopper
Freud, o Inconsciente e Edward HopperZelia Lopes
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Caio Grimberg
 
A hipnose é um estado de consciência
A hipnose é um estado de consciênciaA hipnose é um estado de consciência
A hipnose é um estado de consciênciaRui Francisco
 
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfAna Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfJordanPrazeresFreita
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Jordano Santos Cerqueira
 
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptxjung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptxFabioBahia2
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Caio Grimberg
 

Semelhante a O Inconciente (20)

Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
Freud ppt682
Freud ppt682Freud ppt682
Freud ppt682
 
Freud, o Inconsciente e Edward Hopper
Freud, o Inconsciente e Edward HopperFreud, o Inconsciente e Edward Hopper
Freud, o Inconsciente e Edward Hopper
 
Carl gustav jung
Carl gustav jungCarl gustav jung
Carl gustav jung
 
Minha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanáliseMinha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanálise
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
A hipnose é um estado de consciência
A hipnose é um estado de consciênciaA hipnose é um estado de consciência
A hipnose é um estado de consciência
 
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfAna Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
 
Cap 5 - Psicanalise.pdf
Cap 5 - Psicanalise.pdfCap 5 - Psicanalise.pdf
Cap 5 - Psicanalise.pdf
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 
Psicanalise
PsicanalisePsicanalise
Psicanalise
 
PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
 
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptxjung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
 
NEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdfNEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdf
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 

Mais de Darciane Brito

Sexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idadeSexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idadeDarciane Brito
 
Retardo mental em crianças e adolescentes
Retardo mental em crianças e adolescentesRetardo mental em crianças e adolescentes
Retardo mental em crianças e adolescentesDarciane Brito
 
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTESDarciane Brito
 
Slide sobre o teste Escalas Beck
Slide sobre o teste Escalas Beck Slide sobre o teste Escalas Beck
Slide sobre o teste Escalas Beck Darciane Brito
 
O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)
O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)
O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)Darciane Brito
 
Comportamento criminoso
Comportamento criminosoComportamento criminoso
Comportamento criminosoDarciane Brito
 

Mais de Darciane Brito (6)

Sexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idadeSexualidade e erotismo na terceira idade
Sexualidade e erotismo na terceira idade
 
Retardo mental em crianças e adolescentes
Retardo mental em crianças e adolescentesRetardo mental em crianças e adolescentes
Retardo mental em crianças e adolescentes
 
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 
Slide sobre o teste Escalas Beck
Slide sobre o teste Escalas Beck Slide sobre o teste Escalas Beck
Slide sobre o teste Escalas Beck
 
O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)
O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)
O juízo da realidade e suas alterações (o delírio)
 
Comportamento criminoso
Comportamento criminosoComportamento criminoso
Comportamento criminoso
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 

O Inconciente

  • 1. O INCONSCIENTE A História do Movimento Psicanalítico, Artigos sobre a Metapsicologia e Outros Trabalhos (1914-1916) (Volume XIV) Auricélio Goió* Darciane Brito * Kelvia Lages* Tátila Cardoso* Graduandas do Curso de Psicologia da UFPI.
  • 2.  Artigo que deu o ponta pé inicial para o estudo do Inconsciente;  Foi no livro Afasia que Freud usou o termo pela 1ª vez;  Embora a teoria ostensiva pudesse ser neurológica, a psicologia já se insinuava firmemente.  Foi no livro A Interpretação de Sonhos (1900) que o termo Inconsciente estabeleceu-se de vez;
  • 3.  A essência do processo de repressão não visa a destruição da idéia que representa um instinto, mas em evitar que se torne consciente; • Enquanto inconsciente, pode produzir efeitos, até mesmo atingir a consciência; • O reprimido não abrange tudo o que é inconsciente;  Só tomamos conhecimento de algo inconsciente através da tradução para algo consciente; • O trabalho psicanalítico, que lida com as resistências;
  • 4.  Os dados da consciência apresentam um grande número de lacunas; • Parapraxias, sonhos, sintomas e comportamentos obsessivos • Idéias estranhas e conclusões inesperadas  Não se sustenta a idéia de que tudo que acontece na mente deve ser conhecido pela consciência;  O conteúdo da consciência é muito pequeno; • A existência de ideias latentes; • Não se sustenta a idéia de que o que é psíquico é consciente; • Essa idéia rompe as continuidades psíquicas;
  • 5.  O atributo de ser inconsciente é apenas um dos aspectos do elemento psíquico;  Um ato psíquico passa por duas fases, entre as quais se interpõe uma censura;  O sistema Pcs. participa das características do sistema Cs.
  • 6.  Além das idéias, haverá também instintos, emoções e sentimentos inconscientes • Um instinto nunca pode tornar-se objeto da consciência, só a idéia que o representa pode ser; • Mesmo no inconsciente, um instinto só pode ser representado por uma idéia; • Se um instinto não for representado por uma idéia ou manifestado através de um estado afetivo, nada saberemos sobre ele;  Faz parte da natureza de uma emoção que ela se torne conhecida pela consciência;
  • 7.  Um afeto pode sofrer três diferentes tratamentos: • Ou ele permanece, no topo ou em parte, como é; • Ou é transformado (sobretudo em ansiedade) ; • Ou é suprimido, impedindo de se desenvolver.  Suprimir o desenvolvimento do afeto constitui a verdadeira finalidade da repressão • Os afetos reprimidos é que são chamados de inconscientes.
  • 8.  Repressão primeva  Repressão propriamente dita  Histeria da ansiedade
  • 9.  Possuem características próprias;  O núcleo do inconsciente consiste em representações instintuais que procuram descarregar sua catexia;  Não há nesse sistema lugar para negação, dúvida ou certeza;  Os processos do sistema Ics. são intemporais: • Não se alteram com o tempo • Não são ordenados temporalmente  Os processos Ics. Só se tornam conhecidos sob as condições de sonho ou neurose
  • 10.  O Ics. não permanece em repouso ou é algo liquidado, nem um resíduo do processo de desenvolvimento;  O Ics. influencia e é influenciado pelo Pcs.;  Existem no Ics. derivados de características do sistema Cs., altamente organizados: as fantasias inconscientes;  Derivados do Ics. Se tornam conscientes na qualidade de formação e sintomas substitutivos;  A distinção mais importante encontra-se entre o Pcs. e Ics.;  Uma total separação dos sistemas é o que caracteriza uma condição de doença;  Uma divisão acentuada e final entre o conteúdo dos dois sistemas não ocorre até a puberdade;
  • 11.  Processo de repressão no esquizofrênico  A fala do órgão