SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Escola Secundária de Carregal do Sal

           Área de Projecto
              20062007




                              Sigmund Freud




                                              1
2
Sigmund Freud
•   1856-----------------Nasceu em Freiberg
•   1881-----------------Licenciatura em Medicina
•   1885-----------------Estuda em Paris com o professor Jean Charcot
•   1887-1896---------Estuda com Breuer
•   obras publicadas:
•        1900------------------“A Interpretação dos Sonhos”
•        1901------------------“Psicopatologia da vida quotidiana”
•        1905------------------“3 Ensaios sobre a teoria da sexualidade”
•        1912------------------“Totem e tabu”
•        1915------------------“Pulsões e destino das pulsões”
•        1923------------------“Ensaios de Psicanálise”
•        1930------------------“Mal-estar na civilização”
•   Continua as suas pesquisas ao nível psíquico ate á data da sua
    morte-1939

                                                                           3
Charcot                              Freud
Hipnose Utilizada no tratamento
da histeria (perturbação nervosa)

                                    Convicção de que a histeria não
                                    tinha origem no sistema nervoso


                                    No seu trabalho coloca a
                                    hipótese da existência de uma
                                    instância do psiquismo -
                                    Inconsciente


                                                                      4
Breuer                             Freud

Manifestação dos sintomas orgânicos da histeria

                                   Este trabalho em conjunto
                                   traduziu-se na realização da obra
                                   “ Estudos Sobre a Histeria”
                                   Freud, após alguns anos de
                                   estudo concluiu que a hipnose não
                                   era o método adequado para a
                                   cura da histeria
Breuer não concorda com Freud
no que diz respeito á origem da
histeria
                                                                       5
Para Freud a histeria era de
                     origem sexual




Sozinho, Freud vai desenvolver um conjunto de concepções
que vão constituir uma teoria sobre o psiquismo humano e
uma técnica terapêutica: a psicanálise
                                                      6
Psicanálise – o que é?

• Método de investigação do inconsciente

• Processo terapêutico para o tratamento
  de neuroses

• Nova interpretação do homem e da sua
  posição no mundo

                                           7
Psicanálise como se desenvolve?
          A importância da palavra?
            “o tratamento psicanalítico não comporta senão
Citando Freud
uma troca de palavras entre o analisado e o analista. O
analisado fala, conta os acontecimentos da sua vida
passada e as suas emoções. O analista esforça-se para
dirigir a marcha das ideias do paciente, desperta
recordações, orienta a sua atenção em certos sentidos,
dá-lhe explicações e observa as reacções de
compreensão ou incompreensão que provoca no
analisado. (…) As palavras faziam primitivamente parte da
magia e nos nossos dias, a palavra guarda muito do seu
poder de outrora. Com palavras um Homem pode tornar o
seu semelhante feliz ou leva-lo ao desespero, e é com a
ajuda das palavras que o mestre transmite o seu saber
aos alunos, que o orador empolga os auditores e
determina os seus juízos e decisões.”
                                                       8
Representação topográfica do psiquismo


                         Parte conhecida do ser humano




                           É uma espécie de antecâmara
                           da consciência. Serve também
                           como uma espécie de censura
                           do inconsciente
                              É tudo aquilo que não é
                              conhecido, mas influencia e
                              afecta o comportamento.
                              Aqui encontram-se todos
                              os impulsos, os desejos,
                              toda a desordem. Todas
                              estas forças só de um
                              modo disfarçado, através
                              do sonho é que conseguem
                              atingir o consciente          9
Recalcamento

               Recalcamento é o “pilar” de
               sustentação sobre a qual
               repousa todo o edifício da
               psicanálise. Este conceito é
               referenciado como um
               mecanismo de defesa.
               Recalcamento dá-se a partir
               do momento em que uma
               satisfação pulsional é
               incompatível com qualquer
               outra exigência. Desta
               dinâmica, tanto pode a pulsão
               reprimida, reaparecer como
               afecto ou transformar-se
               como angústia, reveladora do
               conflito
                                               10
A função e a importância do Sonho
• O que é?
      O comportamento essencial para a
  libertação das energias contidas no
  inconsciente.
      É também o mecanismo que permite a
  satisfação de todos os desejos recalcados



                                         11
Sonho




Conteúdo manifesto, que se
                                Conteúdo latente, é o
conserva na memória e
                                verdadeiro   sentido    do
portanto é passível de contar
                                sonho, que tem um fundo
no estado de vigília.
                                simbólico pessoal e que
                                permanece no inconsciente.

                                                        12
Constituição da Personalidade

                                   Ego – especificamente
                                          corporal
Nascimento
                                    Id – reservatório Libidinal
   Oral
                                       satisfação imediata dos
                                       desejos
  Anal

  Fálica

 Latência

 Genital




                                                                  13
  Morte
Fase Oral
             A fase oral primitiva que
              abrange os primeiros 6
            meses de vida. Nesta fase
            a sucção completa-se com
                uma actividade de
               mordedura ligada ao
                aparecimento dos
                 primeiros dentes.




                                     14
Fase Anal
            Abrange aproximadamente o
            segundo ano de vida, a zona
              erógena é a região anal, e
             pode- se dizer que é um ano
             consagrado ao controlo e ao
               domínio. A criança obtém
              prazer pela estimulação do
              ânus ao reter e expulsar a
                  fezes, o que gere
            simultaneamente sentimentos
            de prazer e de dor. (educação
                     esfincteriana)




                                            15
Fase Fálica


                Aproximadamente o terceiro ano de
              vida é de alguma forma um período de
                   afirmação de si. Manifesta-se a
               curiosidade sexual infantil, e a criança
                  toma consciência das diferenças
                 anatómicas dos sexos, ou seja, da
                 presença ou da ausência de pénis.
                Desde então, a fase fálica vai ser de
                 alguma forma uma fase de recusa
                desta diferença tanto no rapaz como
                             na rapariga            16
Complexo:
• Freud recorreu à mitologia grega para
  explicar a atracção da criança pelo
  progenitor do sexo oposto e agressividade
  para com o progenitor do mesmo sexo,
  que só mais tarde serve de modelo. Esta
  identificação leva a criança a adoptar
  comportamentos, valores e atitudes.


                                         17
Complexo   Electra
    Édipo

Este episódio mitológico
permitiu a Freud explicar,
as tendências instintivas e
atractivas dos rapazes, em
relação a mãe, e repulsivas
em relação ao pai, que
consideram um rival.
                                             18
Fase da Latência
              Situa entre os sete e os doze anos,
             menos conflitual que a fase anterior,
             devido a uma modificação estrutural
               das pulsões sexuais. Nesta fase a
                 criança aprende a reprimir no
              inconsciente as experiências que a
            perturbaram na fase fálica. Surgem os
             sentimentos de ternura e de respeito
             para com as imagens parentais, que
                  correspondem a inversão da
            agressividade em relação ao progenitor
             do mesmo sexo, e remetem para um
            processo de sublimação em relação ao
                   progenitor do sexo oposto.


                                                     19
Fase Genital
       A partir da puberdade a zona erógena é a região genital.
        É a última fase do desenvolvimento da personalidade,
          havendo uma activação da sexualidade que estava
        latente na fase anterior. O processo de autonomia em
        relação aos pais torna-se mais efectivo, encarando-os
           da forma mais realista. No final da adolescência a
        escolha do objecto sexual encontra-se definitivamente
                                 fixada.




                                                        20
Trabalho realizado por:
Paulo Campos Nº15 12ºB
Ricardo Morais Nº8 12ºC
                          21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Alexandre Simoes
 

Mais procurados (20)

Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoTeoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise HojePsicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhosPsicanálise e a interpretação dos sonhos
Psicanálise e a interpretação dos sonhos
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Histórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialHistórico da psicologia social
Histórico da psicologia social
 

Destaque (8)

Aula 3 desenvolvimento humano_vygotsky e freud
Aula 3 desenvolvimento humano_vygotsky e freudAula 3 desenvolvimento humano_vygotsky e freud
Aula 3 desenvolvimento humano_vygotsky e freud
 
Dicotomias
DicotomiasDicotomias
Dicotomias
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - Psicanálise
 
Sigmund Freud
Sigmund FreudSigmund Freud
Sigmund Freud
 
Sigmund Freud
Sigmund FreudSigmund Freud
Sigmund Freud
 
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicosNormas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
Normas ABNT Apresentação de trabalhos acadêmicos
 
Slides prontos
Slides prontosSlides prontos
Slides prontos
 
Sigmund freud biografia ppt
Sigmund freud biografia pptSigmund freud biografia ppt
Sigmund freud biografia ppt
 

Semelhante a Freud Ppt

Freud ppt682
Freud ppt682Freud ppt682
Freud ppt682
27101992
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
John Wainwright
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
faculdadeteologica
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
Caio Grimberg
 
Freud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatdaFreud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatda
gcz2dp7sff
 

Semelhante a Freud Ppt (20)

Freud ppt682
Freud ppt682Freud ppt682
Freud ppt682
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
 
Palestra - "Um Caso de Histeria, Três Ensaios sobre Sexualidade e outros trab...
Palestra - "Um Caso de Histeria, Três Ensaios sobre Sexualidade e outros trab...Palestra - "Um Caso de Histeria, Três Ensaios sobre Sexualidade e outros trab...
Palestra - "Um Caso de Histeria, Três Ensaios sobre Sexualidade e outros trab...
 
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdfAna Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
Ana Mercês Bahia Bock & Outros - Psicologias (pdf)(rev).pdf
 
Cap 5 - Psicanalise.pdf
Cap 5 - Psicanalise.pdfCap 5 - Psicanalise.pdf
Cap 5 - Psicanalise.pdf
 
59481781 resenha-as-cinco-licoes-de-psicanalise-de-freud
59481781 resenha-as-cinco-licoes-de-psicanalise-de-freud59481781 resenha-as-cinco-licoes-de-psicanalise-de-freud
59481781 resenha-as-cinco-licoes-de-psicanalise-de-freud
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
AULA 02- 03 DE JUNHO DE 2023 -ADEPSI.pptx
AULA 02-      03 DE JUNHO DE 2023 -ADEPSI.pptxAULA 02-      03 DE JUNHO DE 2023 -ADEPSI.pptx
AULA 02- 03 DE JUNHO DE 2023 -ADEPSI.pptx
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
 
Psicanálise Freudiana
Psicanálise FreudianaPsicanálise Freudiana
Psicanálise Freudiana
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Freud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatdaFreud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatda
 

Mais de José A. Moreno

Mais de José A. Moreno (20)

Organizacao formal ana_matos
Organizacao formal ana_matosOrganizacao formal ana_matos
Organizacao formal ana_matos
 
experiencia gil
experiencia gilexperiencia gil
experiencia gil
 
Bicicleta cs
Bicicleta csBicicleta cs
Bicicleta cs
 
Estudante Digital
Estudante DigitalEstudante Digital
Estudante Digital
 
Pp Luz Cor M5 Cga
Pp Luz Cor M5 CgaPp Luz Cor M5 Cga
Pp Luz Cor M5 Cga
 
O Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãOO Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãO
 
Sistema Imunitário
Sistema ImunitárioSistema Imunitário
Sistema Imunitário
 
Comportamentos Sexuais na Adolescência
Comportamentos Sexuais na AdolescênciaComportamentos Sexuais na Adolescência
Comportamentos Sexuais na Adolescência
 
Qualidade aa água
Qualidade aa águaQualidade aa água
Qualidade aa água
 
Mulher e Cancro da Mama
Mulher e Cancro da MamaMulher e Cancro da Mama
Mulher e Cancro da Mama
 
Montanha Russa Txt
Montanha Russa TxtMontanha Russa Txt
Montanha Russa Txt
 
Montanha Russa
Montanha RussaMontanha Russa
Montanha Russa
 
Lançamento de Projécteis
Lançamento de ProjécteisLançamento de Projécteis
Lançamento de Projécteis
 
Galinhas
GalinhasGalinhas
Galinhas
 
Influência da Alimentação no Desenvolvimento de Cobb
Influência da Alimentação no Desenvolvimento de CobbInfluência da Alimentação no Desenvolvimento de Cobb
Influência da Alimentação no Desenvolvimento de Cobb
 
Freud1
Freud1Freud1
Freud1
 
Trissomia21
Trissomia21Trissomia21
Trissomia21
 
Doenças Cromossómicas
Doenças CromossómicasDoenças Cromossómicas
Doenças Cromossómicas
 
Consumidor
ConsumidorConsumidor
Consumidor
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (6)

From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfConcurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
 

Freud Ppt

  • 1. Escola Secundária de Carregal do Sal Área de Projecto 20062007 Sigmund Freud 1
  • 2. 2
  • 3. Sigmund Freud • 1856-----------------Nasceu em Freiberg • 1881-----------------Licenciatura em Medicina • 1885-----------------Estuda em Paris com o professor Jean Charcot • 1887-1896---------Estuda com Breuer • obras publicadas: • 1900------------------“A Interpretação dos Sonhos” • 1901------------------“Psicopatologia da vida quotidiana” • 1905------------------“3 Ensaios sobre a teoria da sexualidade” • 1912------------------“Totem e tabu” • 1915------------------“Pulsões e destino das pulsões” • 1923------------------“Ensaios de Psicanálise” • 1930------------------“Mal-estar na civilização” • Continua as suas pesquisas ao nível psíquico ate á data da sua morte-1939 3
  • 4. Charcot Freud Hipnose Utilizada no tratamento da histeria (perturbação nervosa) Convicção de que a histeria não tinha origem no sistema nervoso No seu trabalho coloca a hipótese da existência de uma instância do psiquismo - Inconsciente 4
  • 5. Breuer Freud Manifestação dos sintomas orgânicos da histeria Este trabalho em conjunto traduziu-se na realização da obra “ Estudos Sobre a Histeria” Freud, após alguns anos de estudo concluiu que a hipnose não era o método adequado para a cura da histeria Breuer não concorda com Freud no que diz respeito á origem da histeria 5
  • 6. Para Freud a histeria era de origem sexual Sozinho, Freud vai desenvolver um conjunto de concepções que vão constituir uma teoria sobre o psiquismo humano e uma técnica terapêutica: a psicanálise 6
  • 7. Psicanálise – o que é? • Método de investigação do inconsciente • Processo terapêutico para o tratamento de neuroses • Nova interpretação do homem e da sua posição no mundo 7
  • 8. Psicanálise como se desenvolve? A importância da palavra? “o tratamento psicanalítico não comporta senão Citando Freud uma troca de palavras entre o analisado e o analista. O analisado fala, conta os acontecimentos da sua vida passada e as suas emoções. O analista esforça-se para dirigir a marcha das ideias do paciente, desperta recordações, orienta a sua atenção em certos sentidos, dá-lhe explicações e observa as reacções de compreensão ou incompreensão que provoca no analisado. (…) As palavras faziam primitivamente parte da magia e nos nossos dias, a palavra guarda muito do seu poder de outrora. Com palavras um Homem pode tornar o seu semelhante feliz ou leva-lo ao desespero, e é com a ajuda das palavras que o mestre transmite o seu saber aos alunos, que o orador empolga os auditores e determina os seus juízos e decisões.” 8
  • 9. Representação topográfica do psiquismo Parte conhecida do ser humano É uma espécie de antecâmara da consciência. Serve também como uma espécie de censura do inconsciente É tudo aquilo que não é conhecido, mas influencia e afecta o comportamento. Aqui encontram-se todos os impulsos, os desejos, toda a desordem. Todas estas forças só de um modo disfarçado, através do sonho é que conseguem atingir o consciente 9
  • 10. Recalcamento Recalcamento é o “pilar” de sustentação sobre a qual repousa todo o edifício da psicanálise. Este conceito é referenciado como um mecanismo de defesa. Recalcamento dá-se a partir do momento em que uma satisfação pulsional é incompatível com qualquer outra exigência. Desta dinâmica, tanto pode a pulsão reprimida, reaparecer como afecto ou transformar-se como angústia, reveladora do conflito 10
  • 11. A função e a importância do Sonho • O que é? O comportamento essencial para a libertação das energias contidas no inconsciente. É também o mecanismo que permite a satisfação de todos os desejos recalcados 11
  • 12. Sonho Conteúdo manifesto, que se Conteúdo latente, é o conserva na memória e verdadeiro sentido do portanto é passível de contar sonho, que tem um fundo no estado de vigília. simbólico pessoal e que permanece no inconsciente. 12
  • 13. Constituição da Personalidade Ego – especificamente corporal Nascimento Id – reservatório Libidinal Oral satisfação imediata dos desejos Anal Fálica Latência Genital 13 Morte
  • 14. Fase Oral A fase oral primitiva que abrange os primeiros 6 meses de vida. Nesta fase a sucção completa-se com uma actividade de mordedura ligada ao aparecimento dos primeiros dentes. 14
  • 15. Fase Anal Abrange aproximadamente o segundo ano de vida, a zona erógena é a região anal, e pode- se dizer que é um ano consagrado ao controlo e ao domínio. A criança obtém prazer pela estimulação do ânus ao reter e expulsar a fezes, o que gere simultaneamente sentimentos de prazer e de dor. (educação esfincteriana) 15
  • 16. Fase Fálica Aproximadamente o terceiro ano de vida é de alguma forma um período de afirmação de si. Manifesta-se a curiosidade sexual infantil, e a criança toma consciência das diferenças anatómicas dos sexos, ou seja, da presença ou da ausência de pénis. Desde então, a fase fálica vai ser de alguma forma uma fase de recusa desta diferença tanto no rapaz como na rapariga 16
  • 17. Complexo: • Freud recorreu à mitologia grega para explicar a atracção da criança pelo progenitor do sexo oposto e agressividade para com o progenitor do mesmo sexo, que só mais tarde serve de modelo. Esta identificação leva a criança a adoptar comportamentos, valores e atitudes. 17
  • 18. Complexo Electra Édipo Este episódio mitológico permitiu a Freud explicar, as tendências instintivas e atractivas dos rapazes, em relação a mãe, e repulsivas em relação ao pai, que consideram um rival. 18
  • 19. Fase da Latência Situa entre os sete e os doze anos, menos conflitual que a fase anterior, devido a uma modificação estrutural das pulsões sexuais. Nesta fase a criança aprende a reprimir no inconsciente as experiências que a perturbaram na fase fálica. Surgem os sentimentos de ternura e de respeito para com as imagens parentais, que correspondem a inversão da agressividade em relação ao progenitor do mesmo sexo, e remetem para um processo de sublimação em relação ao progenitor do sexo oposto. 19
  • 20. Fase Genital A partir da puberdade a zona erógena é a região genital. É a última fase do desenvolvimento da personalidade, havendo uma activação da sexualidade que estava latente na fase anterior. O processo de autonomia em relação aos pais torna-se mais efectivo, encarando-os da forma mais realista. No final da adolescência a escolha do objecto sexual encontra-se definitivamente fixada. 20
  • 21. Trabalho realizado por: Paulo Campos Nº15 12ºB Ricardo Morais Nº8 12ºC 21