Inovar na Educação: o aluno e a família no centro

3.325 visualizações

Publicada em

Moderado por Roberto Carneiro, Professor da Universidade Católica, Presidente do CEPCEP e do Instituto de Ensino e de Formação a Distância.

Estamos numa encruzilhada da Educação em Portugal. Depois de se terem dotado as escolas de tecnologia e infra-estruturas, há que definir uma nova política educativa, com uma nova visão. Apostando-se numa escola que promova a diversidade, a inclusão e a inovação. Uma nova escola, que tenha em conta todos os stakeholders do sistema de ensino.

12 de Novembro de 2010

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.325
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.052
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inovar na Educação: o aluno e a família no centro

  1. 1. As TIC e a Inovação emAs TIC e a Inovação em EducaçãoEducação Cinco Controvérsias e um DesafioCinco Controvérsias e um Desafio Roberto Carneiro, UCPRoberto Carneiro, UCP Webinar INA, 12 de Novembro de 2010 Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010
  2. 2. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Controvérsia nº 1:Controvérsia nº 1: Centralismo Burocrático vs. Inovação DescentralizadaCentralismo Burocrático vs. Inovação Descentralizada A visão padronizadora e uniformizadora do EstadoA visão padronizadora e uniformizadora do Estado A tradição da modernidade e dos “sistemas nacionais deA tradição da modernidade e dos “sistemas nacionais de ensino” como máquinas centralmente administradasensino” como máquinas centralmente administradas A ditadura das mega-burocracias na gestão educacionalA ditadura das mega-burocracias na gestão educacional A falência das “grandes” reformas educativasA falência das “grandes” reformas educativas vs.vs. A emergência das comunidades como força renovadoraA emergência das comunidades como força renovadora das escolasdas escolas O valor da inovação local e da pluralidade de iniciativasO valor da inovação local e da pluralidade de iniciativas A diversidade de projectos educativosA diversidade de projectos educativos A criatividade e o empreendorismo como motores daA criatividade e o empreendorismo como motores da renovação capilar das instituições educativasrenovação capilar das instituições educativas
  3. 3. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Cenários 2000-2020Cenários 2000-2020 Uniformizado Segmentado Personalizado Indústria Globalização Burocracia + Corporativismo Mercado Comunidades Laranja Mecânica Idade do Conhecimento Sociedade Educativa Novo Humanismo
  4. 4. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Controversia nº 2:Controversia nº 2: Tecnologias Informacionais vs. Tecnologias RelacionaisTecnologias Informacionais vs. Tecnologias Relacionais As TIC como instrumento de reforço dosAs TIC como instrumento de reforço dos métodos tradicionais de ensinométodos tradicionais de ensino ouou As TIC como alavanca de renovação dasAs TIC como alavanca de renovação das oportunidades de aprendizagemoportunidades de aprendizagem
  5. 5. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 THORNDIKE – “TEORIATHORNDIKE – “TEORIA ASSOCIACIONISTA”ASSOCIACIONISTA” • O conhecimento consiste numa série de associações (ligações entre “pares” de objectos mentais ou entre estímulo “externo” e resposta mental “interna”) • A aprendizagem ocorre pelo fortalecimento das “boas” ligações e enfraquecimento das “más” ligações, através da prática “reiterada” • “The Psychology of Arithmetic” (1922) – a tradução de uma “engenharia da educação” pelo método do “drill and practice” • A pedagogia é tanto mais eficaz quanto maior for o tempo dedicado ao exercício e à prática sob a direcção do instrutor • Extrapolação para o presente: as novas tecnologias são úteis para acentuar o paradigma “informacional” e mecanicista do ensino, como plataformas de distribuição maciça de nova informação e conhecimento
  6. 6. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 VYGOTSKY, PIAGET, NEWELL & SIMON –VYGOTSKY, PIAGET, NEWELL & SIMON – “TEORIA CONSTRUTIVISTA”“TEORIA CONSTRUTIVISTA” • O conhecimento é construído por cada pessoa. A aprendizagem fundamenta- se na “construção” de sentido • São as representações mentais que “impõem” ordem e coerência sobre a experiência e a informação • O acto de aprender é sempre interpretativo e inferencial: ele envolve processos activos de raciocínio e de “conversação” com o mundo • Os aprendentes competentes são os que dominam aptidões metacognitivas (na autoregulação das “cargas cognitivas”) • A aprendizagem é o resultado de esforço pessoal e menos de aptidões naturais • A inteligência humana é expansível pelo esforço e pelo estímulo • A aprendizagem duradoura sustenta-se na dimensão social do conhecimento • As novas tecnologias podem ser poderosos instrumentos “construtivistas” da aprendizagem se forem potenciadas nas suas vertentes eminentemente “relacional” e “motivacional”
  7. 7. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Sete potencialidades das TICs para aSete potencialidades das TICs para a renovação da paisagem educativarenovação da paisagem educativa (Carneiro, Educação 2020) (Carneiro, Educação 2020)  1. A promoção de um sistema aberto de saberes. 2. A evolução para tecnologias de aprendizagem ao invés da persistência em meras tecnologias de ensino. 3. A capacidade de catapultar cada estudante para a condição de “investigador”. 4. A plena disseminação de avaliações e testes interactivos em formato digital, com possibilidades de personalização e de classificação em tempo real. 5. A formação de novas redes distributivas compreendendo o potencial de dinamização de comunidades virtuais de aprendizagem. 6. A alavanca para produzir um desmantelamento eficaz do regime massificado de ensino, ou seja, para acelerar o colapso do “ciclo longo” e esclerosado da educação centralizada, mantida pelo modelo industrial. 7. A oportunidade para a aprendizagem intergeracional coligando pais e filhos, professores e alunos, em torno de objectivos comuns de progresso e de realização de uma nova dimensão solidária da aprendizagem inclusiva.
  8. 8. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Escolas Virtuais: Novos RumosEscolas Virtuais: Novos Rumos WikisWikis WeblogsWeblogs Portfolios DigitaisPortfolios Digitais Metáforas e Discursos MultimodaisMetáforas e Discursos Multimodais Web Semântica (Grokker)Web Semântica (Grokker) Auto-Regulação da AprendizagemAuto-Regulação da Aprendizagem Objectos e Viagens de AprendizagemObjectos e Viagens de Aprendizagem LMS “invisíveis”LMS “invisíveis” Data MiningData Mining Tablet PCs e SmartboardsTablet PCs e Smartboards Comunidades de PráticaComunidades de Prática Networking socialNetworking social ......
  9. 9. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 ExclusãoExclusão Fragmentação disciplinarFragmentação disciplinar Saberes codificadosSaberes codificados Objectos de conhecimentoObjectos de conhecimento vs.vs. InclusãoInclusão Síntese holísticaSíntese holística Saberes tácitos e experienciaisSaberes tácitos e experienciais Sujeitos de conhecimentoSujeitos de conhecimento Controversia nº 3:Controversia nº 3: Velho Conhecimento vs. Novo ConhecimentoVelho Conhecimento vs. Novo Conhecimento
  10. 10. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 O CÂNONE OCIDENTAL O CANÔNE GLOBAL Funcionalismo cognitivo A mente gestalt Saberes fragmentários Correlações espácio-temporais Ensino por componentes desintegrados Conhecimento codificado e objectivado Aprendizagem por valores geradores de sentido Modos auto-organizados de conhecimento tácito Padronização Imposição da uniformidade e do conformismo Autonomia Libertação da diversidade e da generatividade Linearidade Complexidade Conhecer a Conhecer – Dois CânonesConhecer a Conhecer – Dois Cânones
  11. 11. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 "É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer" Aristóteles UM NOVO CÂNONE DE SABERES SABERES TÁCITOS E EXPERIENCIAIS
  12. 12. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Controversia nº 4:Controversia nº 4: TIC para todos vs. TIC para algunsTIC para todos vs. TIC para alguns Tecnologia e desigualdadeTecnologia e desigualdade O desenvolvimento polarizadoO desenvolvimento polarizado Acesso e usoAcesso e uso O papel das competênciasO papel das competências Sociedade Industrial e SociedadeSociedade Industrial e Sociedade CognocráticaCognocrática A produção e disseminação dos saberesA produção e disseminação dos saberes As TIC e a fractura digitalAs TIC e a fractura digital
  13. 13. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 EDUCACIÓN MUNDIAL:PANORAMA GENERALEDUCACIÓN MUNDIAL:PANORAMA GENERAL Grupo de edad 6-11 700 millones 150 millones sin escuela Grupo de edad 12-17 640 millones 300 millones sin escuela Grupo de edad 15-64 3,900 millones 3,000 millones en países en desarrollo 900 millones en países industrializados. Analfabetas mundialmente 850 millones 200 millones en Asia del Este (20% población, 2/3 F) 400 millones en Asia del Sur 40 millones en América Latina/Caribe 145 millones en Africa del Sur 65 millones en los Países Arabes Matrícula universitaria 90 millones Maestros 60 millones Gasto Público en Educación. US$ 2 trillones (80% en países desarrollados)
  14. 14. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 WORLD INTERNET USAGE AND POPULATION STATISTICSWORLD INTERNET USAGE AND POPULATION STATISTICS World RegionsWorld Regions PopulationPopulation (2005 Est.)(2005 Est.) PopulationPopulation % of World% of World Internet Usage,Internet Usage, Latest DataLatest Data Usage GrowthUsage Growth 2000-20052000-2005 % Population% Population (Internet(Internet Penetration)Penetration) WorldWorld Users %Users % AfricaAfrica 896,721,874896,721,874 14.0 %14.0 % 16,174,60016,174,600 258.3 %258.3 % 1.8 %1.8 % 1.7 %1.7 % AsiaAsia 3,622,994,1303,622,994,130 56.4 %56.4 % 323,756,956323,756,956 183.2 %183.2 % 8.9 %8.9 % 34.5 %34.5 % EuropeEurope 731,018,523731,018,523 11.4 %11.4 % 269,036,096269,036,096 161.0 %161.0 % 36.8 %36.8 % 28.7 %28.7 % Middle EastMiddle East 260,814,179260,814,179 4.1 %4.1 % 21,770,70021,770,700 311.9 %311.9 % 8.3 %8.3 % 2.3 %2.3 % North AmericaNorth America 328,387,059328,387,059 5.1 %5.1 % 223,392,807223,392,807 106.7 %106.7 % 68.0 %68.0 % 23.8 %23.8 % Latin America/CaribbeanLatin America/Caribbean 546,723,509546,723,509 8.5 %8.5 % 68,130,80468,130,804 277.1 %277.1 % 12.5 %12.5 % 7.3 %7.3 % Oceania / AustraliaOceania / Australia 33,443,44833,443,448 0.5 %0.5 % 16,448,96616,448,966 115.9 %115.9 % 49.2 %49.2 % 1.8 %1.8 % WORLD TOTALWORLD TOTAL 6,420,102,7226,420,102,722 100.0 %100.0 % 938,710,929938,710,929 160.0 %160.0 % 14.6 %14.6 % 100.0 %100.0 % ©Copyright 2005, www.InternetWorldStats.com A FRACTURA DIGITAL NO MUNDO
  15. 15. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 SABERES QUE EXCLUEM SABERES QUE INCLUEM Que ensinar Como ensinar Educação inicial para toda a vida Conhecimento conferente de estatuto social Conhecimento Inclusivo Aprendizagem flexível ao longo da vida Onde aprender Quando aprender “Alguns têm, muitos não” “Todos têm” POR UM CONHECIMENTO INCLUSIVO
  16. 16. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 O CONTRATO DIALÓGICO SEGUNDOO CONTRATO DIALÓGICO SEGUNDO PAULO FREIRE – BASE DA INCLUSÃOPAULO FREIRE – BASE DA INCLUSÃO “O diálogo pertence à natureza do ser humano, enquanto ser de comunicação. O diálogo sela o acto de aprender, que nunca é individual, embora tenha uma dimensão individual”
  17. 17. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Controversia nº 5:Controversia nº 5: Auto ou Hetero-Regulação da AprendizagemAuto ou Hetero-Regulação da Aprendizagem Aprendizagem e Cognição: a auto-Aprendizagem e Cognição: a auto- regulação metacognitivaregulação metacognitiva Aprendizagem e Emoção: a auto-Aprendizagem e Emoção: a auto- regulação metaemocionalregulação metaemocional Aprendizagem e Motivação: a auto-Aprendizagem e Motivação: a auto- regulação metamotivacionalregulação metamotivacional Aprendizagem e Sociabilidade: a auto-Aprendizagem e Sociabilidade: a auto- regulação socialregulação social
  18. 18. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 SELF-REGULATION: A SOCIAL COGNITIVE PERSPECTIVE ZIMMERMANN (2000) (1)Forethought task analysis, self-motivation beliefs (2) Performance or volitional control self-observation, self-control (3) Self-reflection self-judgment, self-reaction
  19. 19. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Valle, A. et al. (2003). Cognitive, motivational, and volitional dimensions of learning: An empirical test of a hypothetical model. Research in Higher Education, 44(5): 557-580. As dimensões básicas do desempenho: motivacional-afectiva, cognitiva, volitiva
  20. 20. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 A Auto-Regulação da AprendizagemA Auto-Regulação da Aprendizagem (SRL) na formação de professores(SRL) na formação de professores http://www.ascilite.org.au/conferences/perth04/procs/neville.htmlhttp://www.ascilite.org.au/conferences/perth04/procs/neville.html
  21. 21. Os professores sãoOs professores são necessáriosnecessários As utopias negativas: da educaçãoAs utopias negativas: da educação sem escola à escola sem professoressem escola à escola sem professores A falácia tecnológicaA falácia tecnológica O Atelier do Livro (1455)O Atelier do Livro (1455) Três constatações da ComissãoTrês constatações da Comissão Delors:Delors: 1.1. O século XXI não será possível sem professoresO século XXI não será possível sem professores 2.2. O futuro da educação passa por professores competentes eO futuro da educação passa por professores competentes e motivadosmotivados 3.3. As funções e o estatuto social dos professores deve serAs funções e o estatuto social dos professores deve ser repensadorepensado CopyrightCopyright © Roberto Carneiro, 2010© Roberto Carneiro, 2010
  22. 22. OS SABERES DOSOS SABERES DOS PROFESSORESPROFESSORES S. sobre área disciplinarS. sobre área disciplinar S. sobre desenvolvimentoS. sobre desenvolvimento humanohumano S. sobre modos deS. sobre modos de aprenderaprender S. sobre recursos curricularesS. sobre recursos curriculares S. sobre tecnologiasS. sobre tecnologias educativaseducativas S. sobre trabalho colaborativoS. sobre trabalho colaborativo ESTRATÉGIAS DE ENSINO REFLEXIVIDADE CopyrightCopyright © Roberto Carneiro, 2010© Roberto Carneiro, 2010
  23. 23. Carlos Fuentes: Por un Progreso Incluyente “LA EDUCACIÓN Y EL MAGISTERIO SON EL PRESAGIO DE LA NOCHE ETERNA O EL ETERNO AMANECER DEL PAÍS” CopyrightCopyright © Roberto Carneiro, 2010© Roberto Carneiro, 2010
  24. 24. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 APRENDER DIFERENTEMENTEAPRENDER DIFERENTEMENTE DE UMA APRENDIZAGEM TOTALMENTE ENSINADA A ALGUMA APRENDIZAGEM ENSINADA MUITA APRENDIZAGEM SOCIAL BASTANTE AUTO-APRENDIZAGEM CRESCENTE APRENDIZAGEM ASSISTIDA OS MODOS DE APRENDER E DE ENSINAR ESTÃO EM ACELERADA TRANSFORMAÇÃO. AS NOVAS TECNOLOGIAS SÃO FORTES INDUTORAS DE TRANSFORMAÇÕES NA RELAÇÃO PEDAGÓGICA
  25. 25. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 AS COMUNIDADES DE PRÁTICA E DEAS COMUNIDADES DE PRÁTICA E DE APRENDIZAGEM E OS 7 PRINCÍPIOSAPRENDIZAGEM E OS 7 PRINCÍPIOS (E.Wenger(E.Wenger et alet al)) 1. Desenhar “comunidades vivas” e evolutivas 2. Desenvolver “diálogos de descoberta” (internos e externos) 3. Gerir níveis diferenciados de participação 4. Fomentar espaços comunitários públicos e privados 5. Centrar sobre a criação de valor 6. Combinar familiaridade e excitação (conforto e aventura, rotina e novidade) 7. Criar e sustentar “ritmo comunitário”
  26. 26. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Desafio:Desafio: As TIC e um Novo Paradigma deAs TIC e um Novo Paradigma de Aprendizagem ao Longo da VidaAprendizagem ao Longo da Vida Os dados de 2003 mostram que mais de metade daOs dados de 2003 mostram que mais de metade da população na Europa dos 25 não fez uma única acçãopopulação na Europa dos 25 não fez uma única acção de formação. Esta conclusão, retirada de um estudo dode formação. Esta conclusão, retirada de um estudo do Eurostat, mostra uma realidade preocupante numaEurostat, mostra uma realidade preocupante numa altura em que a Europa tenta recuperar do atraso noaltura em que a Europa tenta recuperar do atraso no cumprimento dos objectivos da Estratégia de Lisboa. Acumprimento dos objectivos da Estratégia de Lisboa. A Áustria destaca-se com a mais elevada taxa deÁustria destaca-se com a mais elevada taxa de participação em acções de formação. Portugal estáparticipação em acções de formação. Portugal está perto da média europeia com 44 por cento.perto da média europeia com 44 por cento. Podem as TIC motivar as populações a aprender aPodem as TIC motivar as populações a aprender a aprender e a relacionarem-se mais intensamente com oaprender e a relacionarem-se mais intensamente com o mundo vertiginoso dos saberes?mundo vertiginoso dos saberes?
  27. 27. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Casa Casa Mobilidade Local de TrabalhoEscola Escola Local de Trabalho Mobilidade OS DIFERENTES LOCAIS DA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA
  28. 28. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 Aprender a Conhecer Saberes cognitivos Aprender a Viver Juntos Saberes relacionais Aprender a Fazer Saberes resolutivos Aprender a Ser Saberes interpretativos APRENDER – UM NOVO PUZZLE
  29. 29. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 NOVA CIDADANIA: DIREITOSNOVA CIDADANIA: DIREITOS E OBRIGAÇÕESE OBRIGAÇÕES EDUCAÇÃOEDUCAÇÃO COMOCOMO DIREITODIREITO APRENDERAPRENDER COMOCOMO DEVERDEVER MORALMORAL CRÉDITOS INDIVIDUAIS CONTRATOS DE TRABALHO- APRENDIZAGEM
  30. 30. Copyright © Roberto Carneiro, 2010Copyright © Roberto Carneiro, 2010 MUITO OBRIGADO! rc@cepcep.ucp.pt

×