Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011

561 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
561
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Futura trends tec_apliccorp_stavros_09-05-2011

  1. 1. EducaçãoCorporativa e Uso de NovasTecnologias<br />Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos<br />Fortaleza, 09 de maio de 2011<br />
  2. 2. Tópicos<br /> FGV Online e o novo contexto da educação corporativa <br /> Aspectos estruturantes educação corporativa no mundo<br /> Causas do crescimento da educação corporativa<br />TecnologiasEducacionais<br /> Aprendizado organizacional: os novos desafio<br /> Arquitetura, Estrutura e Condução do processo <br />Perigos, ameaças e dificuldaes<br />Contribuição das TecnologiasEducacionais<br />naeducaçãocorporativa<br />Projeto de TE - modelagem e gestão de Ucs<br />Consideraçõesfinais<br />
  3. 3. FGV ONLINE<br />Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas<br />Missão<br />Desenvolver e gerenciar tecnologias, metodologias e soluções específicas de educação a distância, sob a responsabilidade acadêmica das escolas e dos institutos da FGV, no âmbito nacional e internacional, liderando e inovando em serviços educacionais de qualidade. <br />Visão<br />Ser referência internacional na distribuição de produtose serviços educacionais inovadores e de altaqualidade na educação a distância.<br />
  4. 4. FGV Online <br />
  5. 5. Soluções e competências<br />Cursos e Treinamentos Semipresenciais<br />Cursos e Treinamentos Via Web<br />Cursos Via Satélite<br />MBAs a Distância e Blended(MEC – 2003)<br />Linguagem Adequada/ Desenho Instrucional<br />Fábrica de Conteúdos<br />Ambiente Colaborativo<br />Mecanismos de Avaliação On-line<br />Banco de Relatórios Virtual<br />Comunidade de Prática<br />TV <br />Corporativa<br />FGV Online<br />Material Didático Multimídia<br />Suporte técnico e Acadêmico<br />Gestão de Universidades Corporativas<br />Tutoria Especializada<br />Ferramentas de e-Learning<br />Projeto <br />Acadêmico Específico <br />Biblioteca Virtual<br />Cursos e Treinamentos Corporativos<br />Curso Superior em Tecnologia<br />Cursos de Extensão, Atualização e Aperfeiçoamento<br />Grupos de Pesquisa em EAD<br />
  6. 6. Alteração de paradigma: deslocamento do foco em T&D formação de UCs<br />Educação corporativa<br />Alteração de paradigma: deslocamento do foco em T&D <br />Adaptado de MEISTER, J. Educação corporativa: gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. SP: Makron Books, 1999.<br />
  7. 7. Crescimento das universidades corporativas<br />Hoje, as universidades corporativas podem ser consideradas como o setor da educação superior que mais cresce no mundo. Seu número mais do que dobrou na última década e, agora, chegou a mais de 4.000. Mais de 4.000.000 de indivíduos estão estudando em um universidade corporativa. <br />AnnickRenaud-Coulon. Fundadora e Presidente do Global CouncilofCorporateUniversities. <br />
  8. 8. Causas do crescimento da educação corporativa<br />Causas do crescimento da educaçãocorporativa<br /> Reconhecimento do capital humano como fonte de geração de valor;<br /> Investimento em capital humano e retorno em vantagem competitiva<br /> Anacronismo dos currículos regulares de formação nas universidades;<br /> Foco em experiências burocráticas e tecnicistas na graduação e na pós-graduação;<br />Gaps na formação regular dos entrantes no mercado;<br /> Defasagem na formação dos colaboradores mais antigos;<br /> Proteção do capital intelectual das organizações.<br />
  9. 9. Capital humano e geração de valor<br />Importa dizer que o crescimento das UCs está intrinsicamente ligado a um cenário em que a explicitação e a sistematização da gestão do conhecimento e do aprendizado organizacional impõem-nos hoje o desafio da atuação conjunta, em novas frentes, visando ao desenvolvimento, à alavancagem e à proteção do capital intelectual das empresas. <br /> <br />Porque, a cada dia, o fluxo da criação e da utilização do conhecimento torna-se mais importante para empresas que se dedicam a entregar valor aos clientes e se diferenciar da concorrência. Justamente por isso, segundo Michael Stanford, a educação corporativa passou a investir em capital humano para obter retorno em vantagem competitiva por meio das universidades corporativas.<br />
  10. 10. Gaps da formação acadêmica<br />Nos países emergentes, apenas 25% dos engenheiros recém-formados, 15% dos novos profissionais de finanças e 10% da totalidade dos profissionais recém-formados em outras áreas de conhecimento estão preparados para atuação em empresas multinacionais.<br />Pesquisa realizada pela McKinsey & Company, 2010. <br />
  11. 11. Gaps da formação acadêmica<br />As pessoas, em mercados emergentes, ainda que frequentemente talentosas, sofrem daquilo que nós poderíamos chamar de ‘last-mileemployability’.<br />(...)<br />Elas carecem de habilidades de comunicação, não sabem como trabalhar em equipe, são extremamente teóricas e são ensinadas a ser excessivamente obedientes. Esses são problemas que as empresas têm de corrigir.<br />VijayGovindarajan. Professor da TuckSchoolof Management, Darthmouth. <br />
  12. 12. Necessidades das organizações<br />Ensinar Matemática e Português não faz parte de nosso negócio principal, mas, por causa das falhas no sistema de educação, nós, frequentemente, encontramo-nos assumindo esse papel.<br />Desiê Ribeiro. Gerente de Educação da Vale. <br />Nós não necessitamos apenas de engenheiros de petróleo, mas de profissionais versados em reservas de carbonato microbiano. E não se conhece muito sobre isso em lugar algum. <br />Ricardo Salomão. Gerente Geral de RH da Universidade Petrobras. <br />
  13. 13. Papel das Universidades Corporativas<br />O que nós fazemos é preencher a lacuna deixada pelas instituições acadêmicas – uma lacuna com a qual as empresas não podem sobreviver.<br />KrisGopalakrishan. CEO da Infosys. <br />
  14. 14. Gestão do conhecimento e criação de valor<br />O conhecimento é um processo constante de movimento e mudança, voltado para o futuro, na medida em que influencia a estrutura do pensar e tomada de decisão e implica ação de significado relevante.<br />Fonte: adaptado de CARBONE, Pedro Paulo et alii. Gestão por competências e gestão do conhecimento. RJ: Editora FGV, 2005.<br />O conhecimento pode levar à criação de valor porque...<br />...está voltado para o futuro, gera inovação e evolução<br />...influencia a estrutura do pensar e a tomada de decisão, gera segurança na ação <br />...implica ação de significado relevante, gera benefícios práticos e qualidade de vida - perspectiva<br />
  15. 15. Novas metodologias e ferramentas<br /><ul><li>Gestão do conhecimento e aprendizagem
  16. 16. plataformasparagerir o ciclo de aprendizagem e aplicação de conhecimento
  17. 17. Internet + Ferramentas WEB 2.0
  18. 18. Wikis, Blogs, RedesSociais …
  19. 19. Mecanismos de comunicação interpessoais, eletrônicos e integrados
  20. 20. Formais e informais
  21. 21. Interaçãopessoal/sistemas
  22. 22. TICs </li></li></ul><li>O papel da internet – novo ciberespaço <br />A Internet, ícone desta revolução, é um meio de comunicação que permitiu pela primeira vez na história da humanidade a “comunicação de muitos com muitos, num momento escolhido, e em escala global” além de ter desconstruído e construído uma nova noção de tempo e espaço, deixando o mundo parecer infinitamente menor e globalmente conectado, não sendo necessários os 80 dias para dar a volta ao mundo, pois isto acontece em questão de segundos (Castells, 2003).<br /><ul><li> Nova dimensão de Comunicação - Ciberespaço
  23. 23. espaço bastante heterogêneo que compreende uma complexidade de formas de interação
  24. 24. funciona como uma extensão das relações que estabelecemos no mundo real</li></li></ul><li>Tecnologia de redes<br />“Não se trata da organização em rede da tecnologia, mas da organização em rede dos seres humanos através da tecnologia. Não se trata de uma era de máquinas inteligentes, mas de seres humanos que, através das redes, podem combinar a sua inteligência”Don Tapscott<br /><ul><li>SociedadeemRede
  25. 25. mediada por computadores e demais tecnologias da informação e comunicação (TICs)
  26. 26. estabelece novas sociabilidades construídas em um ambiente de comunicação integrado</li></li></ul><li>Redes Sociais na Educação Corporativa<br />INTERATIVO + COLABORATIVO = EDUCATIVO<br />redes sociais não são apenas um grupo de pessoas aleatórias, mas sim o elo entre elas, essas redes são feitas por diferentes capitais sociais, ou seja, é onde cada um dos integrantes aplica seus próprios conhecimentos em prol de algo ou algum tema que os une , a própria rede social<br />Fonte: CTAE/FGV<br />
  27. 27. Contribuições datecnologiana educação (TE) corporativa<br />A TE aplicada à educação corporativa possibilita:<br />Processo baseado em novos paradigmas educacionais;<br />ótima relação custo/eficiência;<br /> atendimento a sujeitos/grupos não favorecidos por outras modalidades de ensino;<br />Fomenta o uso de ferramentas de integração - intenso envolvimento dos alunos/profissionais ;<br />combinação de tipos diferentes de informações com redução do esforço de compreensão;<br /> abertura a diferentes estilos de aprendizagem;<br /> favorecimento da interface acadêmico-organizacional:<br />na produção, registro, construção, uso e reuso de conteúdos; e <br />na avaliação da aprendizagem.<br />
  28. 28. Aprendizagem organizacional: Os novos desafios <br /> Cidadania Digital<br />O futuro é agora. A todo momento, a história das relações humanas, sociais, de trabalho e, consequentemente, as de aprendizagem não param de ser reescritas, sendo reeditadas e atualizadas colaborativamente em um novo mundo digital.<br />Fonte: MURASHIMA, Mary; XANTHOPOYLOS, Stavros. O novo conceito de cidadania: A distância apenas virtual entre nós e nosso futuro. (Whitepaper), março 2010.<br />Construindo o cidadão digital...<br />...Imigrante Digital Gera inovação e melhorias para produtos e serviços de forma reativa<br />...Nativo Digital Possui grande domínio das tecnologias com pouco foco <br />...Cidadão Digital Condição básica para ser competitivo no mercado de trabalho <br />
  29. 29. Cidadania Digital<br />Criação da cidadânia digital – processoeducacionalparacompetitividadepessoal<br /><ul><li>Os Imigrantes Digitais
  30. 30. avessosaouso de tecnologia
  31. 31. desenvolver a competência digital
  32. 32. Os NativosDigitais
  33. 33. tecnologiacomo parte integrante
  34. 34. aprimorar o uso das ferramentas – foco</li></li></ul><li>Aprendizagem organizacional: Os novos desafios <br />O conectivismoconstrucionista – contribuição das ferramentasemrede<br /><ul><li>Construçãode conhecimentoporpares
  35. 35. Participaçãomaior de todososprofissionais – com ospares
  36. 36. Conhecimentoproduzidoemrede, criticamente com debate e não consensual necessariamente
  37. 37. Maior tempo paracolaborar e elaborarrespostas
  38. 38. Criação do “mercado” interno de conhecimento e idéias</li></li></ul><li>Aprendizagem organizacional: Os novos desafios <br />As redessociais – algunsfatos<br /><ul><li> Para atingir 50 milhões de usuários o rádio demorou 38 anos; a TV 13 anos; a internet 4 anos; o Ipod 3 anos; o Facebook atingiu 100 milhões em apenas 9 meses, tempo que também foram feitos mais de 1 bilhão de dowloads de aplicativos para Ipod/Iphone
  39. 39. Em pesquisa feita pelo Instituto Nielsen, constatou-se que 86% dos usuários brasileiros de internet passam em média cinco horas mensais conectados a alguma rede social. O país recordista é a Austrália, onde os usuários passam 7 horas e 20 minutos (abril/2010)
  40. 40. Qualman afirma que a evolução social causada pela internet pode ser considerada a maior mudança desde a Revolução Industrial. Em 2010 a chamada Geração Y já pode ser considerada maior que os BabyBoomers e 96% dela já está nas redes sociais</li></ul>Fonte: CTAE/FGV<br />
  41. 41. Aprendizagem organizacional: Os novos desafios <br />As redessociais – algunsfatos<br /><ul><li> Na Wikipédia, enciclopédia de construção colaborativa, estão mais de 13 milhões de artigos, suas informações são tão precisas quanto ou até mais precisas do que a Enciclopédia Britânica
  42. 42. O marketing das empresas é feito agora primeiro pensando em ouvir o cliente e depois em vender. 34% postam nas redes sociais opiniões sobre marcas e produtos. 78% dos consumidores confiam mais no que é dito on-line por “ pessoas comuns” do que em anúncios pagos.
  43. 43. Conclusão :</li></ul>As redes sociais não podem mais ser consideradas como um modismo, mas sim forma básica de comunicação. O novo meio de ligação entre as pessoas<br />Fonte: CTAE/FGV<br />
  44. 44. Redes Sociais na Educação Corporativa<br /><ul><li>As redes sociais já existem na Educação Corporativa e nas Escolas, Universidades ... No mundo
  45. 45. As plataformas sociais visam expandir essas redes
  46. 46. Gera-se outra perspectiva no processo de aprendizagem
  47. 47. Perspectiva de Gestão do Conhecimento e da aprendizagemefetiva – construção de competências</li></ul>Fonte: CTAE/FGV<br />
  48. 48. Compromissos e desafios<br />Nossa influência, não importam os meios, deve almejar que nossos alunos sejam capazes de lidar crítica e criativamente com o conhecimento, indo em direção a um processo de aprendizagem como formação da competência humana para viver em ambientes abertos, desenhando futuros que não se completam.<br />Pedro Demo. Professor da UnB.<br />
  49. 49. conhecimento prévio<br />reflexão<br />discussão<br />avaliação<br />(re)construção do conhecimento<br />aprendizagem<br />aprendizado organizacional<br />
  50. 50. A arquitetura do processo <br /><ul><li>Premissas
  51. 51. Estabelecer como política de inovação, com processo de governança e change management
  52. 52. Definirmodelopedagógicocoerente – ferramentasnãofaltam – continuum entre presencial e a distância, puros
  53. 53. Expandiralém da captação de capital intelectual, incluir o capital cultural</li></li></ul><li>estratégia primária<br /> criarei meu próprio caminho<br /> ajude-me a achar o que preciso<br />conhecedor<br /> ajude-me a fazer melhor<br /> mostre-me como fazer<br />especialista<br />ser<br />compartilhar<br />experiente<br />fazer<br />conhecer<br />iniciante<br />pilares da educação UNESCO<br />convergências de iniciativasROSENBERG<br />referenciais educacionais<br />
  54. 54. referenciais educacionais<br />Iniciante<br />novo no trabalho<br />conhece pouco<br />Conhecedor<br />pode executar os padrões básicos<br />Experiente<br />capaz de variar o <br />desempenho em situações específicas<br />Especialista<br />capaz de inventar novas <br />formas de executar o <br />trabalho ensina outros<br />mais comuns<br />necessidades de aprendizagem<br />mais específicas<br />mais formal (treinamento estruturado)<br />mais informal (treinamento on the job)<br />currículo comum (programas)<br />aprendizado personalizado (desempenho)<br />sala de aula, treinamento on-line ou ambos<br />GC, colaboração e suporte desempenho<br />estratégia primária<br />treinamento<br />(sala de aula e on-line)<br />Mostre-me como.<br />estratégia primária<br />prática/coaching<br />Ajude-me a fazer melhor.<br />estratégia primária<br />Acesso informação e<br /> suporte desempenho<br />Ajude-me a encontrar<br /> o que preciso.<br />estratégia primária<br />colaboração e resolução de problemas<br />Criarei meu próprio caminho.<br />
  55. 55. trilhas de desenvolvimento<br />Conjunto integrado e sistemático de dinâmicas e soluções de desenvolvimento, recorrendo a múltiplas formas de aprendizagem, que visam à aquisição e ao desenvolvimento de competências (conhecimentos, habilidades, atitudes e compartilhamento) requeridas para o desempenho das pessoas no dia-a-dia, e ao fortalecimento dos eixos estratégicos que viabilizarão o alcance dos objetivos estratégicos da organização.<br />
  56. 56. dimensões da aprendizagem<br />
  57. 57. Estruturação do processo<br /><ul><li>Foco na demanda dos profissionais e objetivos da aprendizagem
  58. 58. Equipe de educadores e técnicos
  59. 59. Definição dos papeis de cada um narede de aprendizagem
  60. 60. Estabelecerestratégia de uso dos elementos da tecnologia</li></li></ul><li>Estruturação do processo<br />Características das Ferramentas de aprendizagem <br /><ul><li> Ambiente:
  61. 61. livre, aberto, desestruturado (parametrizavel)
  62. 62. Proporciona flexibilidade e liberdade na adoção de estratégias de aprendizado do indivíduo e do coletivo</li></ul>Fonte: CTAE/FGV<br />
  63. 63. Definição das ferramentas<br /><ul><li>comunicação
  64. 64. compartilhamento/interação
  65. 65. disseminação
  66. 66. colaboração
  67. 67. coletivismo</li></ul>Estabelecerflexibilidadenasformas de acessoparaadequação de cadaindivíduo<br />
  68. 68. Condução do Processo<br />arquitetartarefas<br />utilizarmeiosdinâmicos de obtenção/provocação do conhecimento e aprendizagem<br />estabelecerprocessoeducativoparausoefetivo da rede e ferramentas<br />promoveroshábitos de pensar, analisar, serconcisocom profundidade e de ler<br />gerir o processo de aprendizagem<br />
  69. 69. Perigos , ameaças e dificuldades<br /><ul><li> Evitar a superficialidade de contexto e conteudo
  70. 70. Desistir antes da consolidação da comunidade de aprendizagem
  71. 71. Processo de mudança cultural - paradigma
  72. 72. Buscarelementos de aprendizagem com qualidade, no caso dos professores
  73. 73. Aspectos de responsabilidade e ética</li></li></ul><li>Contribuição das TEs na educação corporativa<br /> estendam-se a todos os membros da organização;<br /> sustentem-se na realidade;<br /> descartem a uniformidade a favor da diversificação;<br /> auxiliem a criação de uma mentalidade científica;<br /> possibilitem a plena formação;<br /> dêem suporte à formação profissional;<br /> auxiliem o participante a compreender as bases econômicas da comunidade em que vive;<br /> disponibilizem atividades que possibilitem desenvolver o espírito de grupo;<br /> atendam à necessidade de educação continuada;<br /> propiciem o pleno desenvolvimento do participante enquanto ser social;<br /> desenvolvam o espírito crítico;<br /> contribuam para a construção de pessoas cientes e conscientes de suas próprias limitações e dos mistérios que as envolvem.<br />
  74. 74. Modelagem e gestão de UCs<br />missão <br /> desenvolver soluções customizadas, visando...<br />agregar valor à organização por meio do desenvolvimento de seu capital humano<br />facilitar os processos de aprendizagem organizacional<br />alinhar os programas à visão estratégica da organização<br />
  75. 75. Modelagem e gestão de UCs<br />etapas<br />identificação das necessidades atuais e futuras de conhecimento da organização<br />gerenciamento da oferta do programa na organização<br />avaliação do programa, dos processos e do desempenho dos participantes<br />
  76. 76. Etapa 1 – identificação de necessidades<br />construção de trilhas de desenvolvimento profissional e indicação de múltiplas formas de aprendizagem, a partir do mapeamento de competências<br />seleção/desenvolvimento de treinamentos, para atender à demanda de conhecimento teórico, técnico ou ético-normativo<br />oferta de conteúdos da FGV ou customização de conteúdos da organização<br />
  77. 77. Etapa 2 – gerenciamento da oferta<br />criação e manutenção de Portal de Navegação com informações sobre o programa<br />gerenciamento da oferta das trilhas de desenvolvimento<br />inscrição automática dos participantes nos cursos<br />criação de comunidade de prática<br />formação de multiplicadores de conhecimento<br />certificação de competências<br />
  78. 78. Etapa 3 – avaliação do programa<br />elaboração e aplicação de instrumentos de avaliação<br />geração de relatórios de turmas, participantes e multiplicadores<br />revisão e atualização das propostas de aprendizagem <br />atualização de mapa de oportunidades<br />
  79. 79. Considerações Finais<br /><ul><li>Maiormovimento de democratização de conhecimento da história – no dia a dia, naeducação e nasorganizações
  80. 80. Processosemvolta – nova dimensão de comunicação
  81. 81. Novosmodelos de cadeias de valor naeducaçãocorporativa e geral
  82. 82. Um processosemfim…</li></li></ul><li>Considerações finais<br />“O único capital insubstituível que uma organização possui é o conhecimento de seus colaboradores e sua capacitação. A produtividade deste capital depende da relação de eficácia, entre o compartilhamento do conhecimento de cada um com aqueles que possam utilizá-lo”<br />Adaptado de Andrew Carnegie<br />
  83. 83. Obrigado!<br />Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos<br />Diretor Executivo – FGV Online<br />stavros@fgv.br<br />www.fgv.br/fgvonline<br />

×