SlideShare uma empresa Scribd logo
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A luta pela independência
O Condado Portucalense
Durante a Reconquista
Cristã da Península
Ibérica...
...quando os reis
cristãos tinham
dificuldades em vencer
os Muçulmanos,
pediam auxílio aos
outros reinos cristãos
da Europa...
A luta pela independência
Em 1086...
Uma investida dos Muçulmanos pôs em perigo o REINO DE
LEÃO e CASTELA.
Para travar esta investida, chegaram vários cavaleiros
franceses, entre os quais se destacaram dois nobres da
família do duque da Borgonha:
D. Raimundo
D. Henrique
Como recompensa pelos serviços prestados...
D. Afonso VI, rei de Leão e Castela, concedeu:
A D. Henrique
A D. Raimundo
O governo da Galiza
E a sua filha D.Urraca
O governo do
Condado
Portucalense
E a sua filha D.Teresa
...tinha a seu cargo o governo e defesa do Condado Portucalense...
D. Afonso VI
...mas o seu legítimo rei continuava a ser o rei de Leão e Castela...
Por essa razão...
...D. Henrique estava na dependência de
D. Afonso VI...
Quando, em 1112, D. Henrique
morreu...
...o seu filho, D. Afonso Henriques, ainda
não tinha 4 anos de idade.
Por isso...
...ficou a governar o Condado
Portucalense...
D. Teresa, sua mãe.
...e tinha de lhe prestar
obediência
lealdade
e auxílio militar.
Em 1125, ao completar 16 anos...
O jovem Afonso Henriques armou-se a si próprio cavaleiro,
como só o faziam os reis...
Por esta altura...
D. Teresa ... Mantinha uma ligação
amorosa com um
fidalgo galego...
...o conde Fernão
Peres de Trava
Esta ligação prejudicava o desejo de independência do Condado Portucalense.
 Apoiado pelos nobres portucalenses...
velhos companheiros de armas de seu pai...
 D. Afonso Henriques revoltou-se contra a mãe.
O confronto
entre
Os partidários de D. Afonso Henriques
E os de D. Teresa
Deu-se na...
Batalha de S. Mamede
perto de Guimarães
em 24 de junho de 1128
Nesta batalha, D. Teresa sai derrotada.
D. Teresa acabou por se refugiar na Galiza, onde morreu dois anos depois.
A partir de 1128, D. Afonso Henriques, ainda muito novo, passou a governar o
Condado Portucalense.
D. Afonso Henriques tinha dois objetivos...
Lutar contra
D. Afonso VII
Para conseguir a
independência do
Condado Portucalense
Lutar contra
os Muçulmanos
Para aumentar o
território para sul
1130 D. Afonso Henriques invade a Galiza.
D. Afonso Henriques invade
novamente a Galiza.
D. Afonso Henriques vence forças
galegas em Cerneja (Galiza).
D. Afonso Henriques vence um
exército muçulmano em Ourique.
Os cavaleiros de D. Afonso
Henriques vencem os de D. Afonso
VII num torneio, em Arcos de
Valdevez (Minho).
1135
1136
1139
1140
As vitórias dos portugueses em:
 Cerneja
 e em Arcos de Valdevez
...obrigaram D. Afonso VII...
...a fazer um acordo de paz com D. Afonso
Henriques...
Tratado de Zamora
...assinado em 5 de outubro de 1143
E o que é que ficou estabelecido neste tratado?
 Afonso VII reconhece a independência do Condado
Portucalense...
 O Condado Portucalense passou, então, a chamar-
se REINO DE PORTUGAL
 E D. Afonso Henriques foi o seu primeiro rei.
Por esta altura...
...o rei era a autoridade máxima do Reino...
...e era ao Rei que competia governar o País.
Era o Rei quem...
Fazia as leis Administrava
o Reino
Aplicava a
justiça
Decidia da
paz e da
guerra
Chefiava os
exércitos
A partir de 1143, e até 1910...
Portugal foi uma monarquia
porque à frente do governo do Reino estava um monarca - rei ou rainha.
A monarquia portuguesa era “hereditária”.
Quando o monarca morria...
...Sucedia-lhe o filho mais velho (o príncipe herdeiro).
Nesta época...
...o Papa, chefe supremo da Igreja Católica, tinha
muitos poderes.
Todos os reis e imperadores cristãos lhe deviam total...
 obediência
 e fidelidade
Quando se formava um novo reino cristão...
...era necessário que o Papa:
 reconhecesse a sua independência
 e confirmasse o título de rei ao seu primeiro monarca.
Para provar que era um bom rei cristão...
D. Afonso Henriques
 mandou reconstruir sés e igrejas
 e deu algumas propriedades e regalias aos mosteiros
Apesar de todos os serviços prestados à Igreja...
...Só em 1179...
...é que o Papa Alexandre III reconheceu D. Afonso
Henriques como rei de Portugal.
Selo de D. Afonso Henriques com a
palavra “Portugal”, no centro, e o
título “Afonso rei”.
A conquista da linha do Tejo
A reconquista portuguesa fez-se
aos avanços e recuos.
Algumas povoações foram
várias vezes conquistadas
e perdidas...
Até ser possível aos Portugueses
ocupá-las definitivamente.
Em 1143...
Feita a paz com o rei de Leão e
Castela...
...instalou-se com a sua corte na cidade
de Coimbra.
Em 1145...
...conquistou definitivamente Leiria.
Essa conquista garatiu:
 a segurança de Coimbra
 e permitiu que os cavaleiros portugueses
se deslocassem com segurança para
atacar Santarém e Lisboa.
...que eram ricas e poderosas
cidades mouras da Linha do
Tejo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª DinastiaReis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª Dinastiakhistoria
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)mari_punk
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalHistN
 
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de PortugalReconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugalceliaricardo234
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalenseLuisa Jesus
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugalgracindacasais
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Álvaro Maurício
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesMaria Gomes
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugalCarla Freitas
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVCátia Botelho
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiropatriciacanico
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinasticacattonia
 
Reis de Portugal 4ª Dinastia
Reis de Portugal 4ª DinastiaReis de Portugal 4ª Dinastia
Reis de Portugal 4ª Dinastiakhistoria
 

Mais procurados (20)

Reis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª DinastiaReis de Portugal 1ª Dinastia
Reis de Portugal 1ª Dinastia
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
D Afonso Henriques
D Afonso Henriques   D Afonso Henriques
D Afonso Henriques
 
Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
 
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de PortugalReconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Reis de Portugal 4ª Dinastia
Reis de Portugal 4ª DinastiaReis de Portugal 4ª Dinastia
Reis de Portugal 4ª Dinastia
 
A história de Portugal
A história de PortugalA história de Portugal
A história de Portugal
 

Destaque

Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01
Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01
Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01beatriz9911
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeiavictorjunio82
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIINiela Tuani
 
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugalcristianoperinpissolato
 
Expansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaExpansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaElton Zanoni
 
História de portugal 1
História de portugal 1História de portugal 1
História de portugal 1bibbaixo
 
A Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de PortugalA Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de PortugalNelson Faustino
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européiaPROFºWILTONREIS
 
Uma viagem ao tempo dos castelos
Uma viagem ao tempo dos castelosUma viagem ao tempo dos castelos
Uma viagem ao tempo dos castelosEDP28
 
Expansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaExpansão marítima europeia
Expansão marítima europeiarobson30
 
A prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoA prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoMaria Gomes
 
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.khistoria
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques20014
 

Destaque (18)

Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01
Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01
Osdescobrimentosportugueses parteii-130426164154-phpapp01
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
 
1ª dinastia
1ª dinastia1ª dinastia
1ª dinastia
 
Reis da 1ª e 2ª dinastia
  Reis da 1ª e 2ª dinastia  Reis da 1ª e 2ª dinastia
Reis da 1ª e 2ª dinastia
 
Fe&razão
Fe&razãoFe&razão
Fe&razão
 
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
 
Expansão Marítima Européia
Expansão Marítima EuropéiaExpansão Marítima Européia
Expansão Marítima Européia
 
Expansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaExpansão marítima europeia
Expansão marítima europeia
 
História de portugal 1
História de portugal 1História de portugal 1
História de portugal 1
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de PortugalA Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de Portugal
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Uma viagem ao tempo dos castelos
Uma viagem ao tempo dos castelosUma viagem ao tempo dos castelos
Uma viagem ao tempo dos castelos
 
Expansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaExpansão marítima europeia
Expansão marítima europeia
 
A prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoA prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansão
 
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
[E1] Portugal: pioneiro na expansão europeia.
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques
 

Semelhante a Formação reino--portugal.ppt_

A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã DinisStudios
 
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal  e estilos arquitetonicosAs dinastias em portugal  e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicosSoniaCabeleira
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OSílvia Mendonça
 
A formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptxA formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptxMariana Neves
 
A formação de portugal
A formação de portugalA formação de portugal
A formação de portugalandrepaiva7a
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugalbelinhas
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugalR C
 
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaEubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaNumeric Contadores
 
A formação de portugal
A formação de portugalA formação de portugal
A formação de portugalandrepaiva7a
 
re82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdf
re82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdfre82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdf
re82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdfngelaMendes10
 
B4 a formacao de portugal
B4 a formacao de portugal B4 a formacao de portugal
B4 a formacao de portugal Carlos Vaz
 

Semelhante a Formação reino--portugal.ppt_ (20)

A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal  e estilos arquitetonicosAs dinastias em portugal  e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
 
A formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptxA formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptx
 
A formação de portugal
A formação de portugalA formação de portugal
A formação de portugal
 
Afonsohenriques 110706071735-phpapp01
Afonsohenriques 110706071735-phpapp01Afonsohenriques 110706071735-phpapp01
Afonsohenriques 110706071735-phpapp01
 
Reis 5º Ano
Reis 5º AnoReis 5º Ano
Reis 5º Ano
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
 
hp_6_7.pdf
hp_6_7.pdfhp_6_7.pdf
hp_6_7.pdf
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal
 
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaEubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
 
A formação de portugal
A formação de portugalA formação de portugal
A formação de portugal
 
re82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdf
re82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdfre82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdf
re82121_euvez5_pp_formacao_reino.pdf
 
2ª dinastia trabalho marco2012
2ª dinastia   trabalho marco20122ª dinastia   trabalho marco2012
2ª dinastia trabalho marco2012
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
B4 a formacao de portugal
B4 a formacao de portugal B4 a formacao de portugal
B4 a formacao de portugal
 

Último

22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Formação reino--portugal.ppt_

  • 1. A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
  • 2. A luta pela independência O Condado Portucalense Durante a Reconquista Cristã da Península Ibérica... ...quando os reis cristãos tinham dificuldades em vencer os Muçulmanos, pediam auxílio aos outros reinos cristãos da Europa...
  • 3. A luta pela independência Em 1086... Uma investida dos Muçulmanos pôs em perigo o REINO DE LEÃO e CASTELA. Para travar esta investida, chegaram vários cavaleiros franceses, entre os quais se destacaram dois nobres da família do duque da Borgonha: D. Raimundo D. Henrique
  • 4.
  • 5. Como recompensa pelos serviços prestados... D. Afonso VI, rei de Leão e Castela, concedeu: A D. Henrique A D. Raimundo O governo da Galiza E a sua filha D.Urraca O governo do Condado Portucalense E a sua filha D.Teresa
  • 6. ...tinha a seu cargo o governo e defesa do Condado Portucalense... D. Afonso VI ...mas o seu legítimo rei continuava a ser o rei de Leão e Castela... Por essa razão... ...D. Henrique estava na dependência de D. Afonso VI... Quando, em 1112, D. Henrique morreu... ...o seu filho, D. Afonso Henriques, ainda não tinha 4 anos de idade. Por isso... ...ficou a governar o Condado Portucalense... D. Teresa, sua mãe. ...e tinha de lhe prestar obediência lealdade e auxílio militar.
  • 7. Em 1125, ao completar 16 anos... O jovem Afonso Henriques armou-se a si próprio cavaleiro, como só o faziam os reis... Por esta altura... D. Teresa ... Mantinha uma ligação amorosa com um fidalgo galego... ...o conde Fernão Peres de Trava Esta ligação prejudicava o desejo de independência do Condado Portucalense.  Apoiado pelos nobres portucalenses... velhos companheiros de armas de seu pai...  D. Afonso Henriques revoltou-se contra a mãe.
  • 8. O confronto entre Os partidários de D. Afonso Henriques E os de D. Teresa Deu-se na... Batalha de S. Mamede perto de Guimarães em 24 de junho de 1128
  • 9. Nesta batalha, D. Teresa sai derrotada. D. Teresa acabou por se refugiar na Galiza, onde morreu dois anos depois. A partir de 1128, D. Afonso Henriques, ainda muito novo, passou a governar o Condado Portucalense.
  • 10.
  • 11. D. Afonso Henriques tinha dois objetivos... Lutar contra D. Afonso VII Para conseguir a independência do Condado Portucalense Lutar contra os Muçulmanos Para aumentar o território para sul
  • 12.
  • 13. 1130 D. Afonso Henriques invade a Galiza. D. Afonso Henriques invade novamente a Galiza. D. Afonso Henriques vence forças galegas em Cerneja (Galiza). D. Afonso Henriques vence um exército muçulmano em Ourique. Os cavaleiros de D. Afonso Henriques vencem os de D. Afonso VII num torneio, em Arcos de Valdevez (Minho). 1135 1136 1139 1140 As vitórias dos portugueses em:  Cerneja  e em Arcos de Valdevez ...obrigaram D. Afonso VII... ...a fazer um acordo de paz com D. Afonso Henriques... Tratado de Zamora ...assinado em 5 de outubro de 1143 E o que é que ficou estabelecido neste tratado?  Afonso VII reconhece a independência do Condado Portucalense...  O Condado Portucalense passou, então, a chamar- se REINO DE PORTUGAL  E D. Afonso Henriques foi o seu primeiro rei.
  • 14. Por esta altura... ...o rei era a autoridade máxima do Reino... ...e era ao Rei que competia governar o País. Era o Rei quem... Fazia as leis Administrava o Reino Aplicava a justiça Decidia da paz e da guerra Chefiava os exércitos A partir de 1143, e até 1910... Portugal foi uma monarquia porque à frente do governo do Reino estava um monarca - rei ou rainha. A monarquia portuguesa era “hereditária”. Quando o monarca morria... ...Sucedia-lhe o filho mais velho (o príncipe herdeiro).
  • 15. Nesta época... ...o Papa, chefe supremo da Igreja Católica, tinha muitos poderes. Todos os reis e imperadores cristãos lhe deviam total...  obediência  e fidelidade Quando se formava um novo reino cristão... ...era necessário que o Papa:  reconhecesse a sua independência  e confirmasse o título de rei ao seu primeiro monarca.
  • 16. Para provar que era um bom rei cristão... D. Afonso Henriques  mandou reconstruir sés e igrejas  e deu algumas propriedades e regalias aos mosteiros Apesar de todos os serviços prestados à Igreja... ...Só em 1179... ...é que o Papa Alexandre III reconheceu D. Afonso Henriques como rei de Portugal. Selo de D. Afonso Henriques com a palavra “Portugal”, no centro, e o título “Afonso rei”.
  • 17.
  • 18. A conquista da linha do Tejo A reconquista portuguesa fez-se aos avanços e recuos. Algumas povoações foram várias vezes conquistadas e perdidas... Até ser possível aos Portugueses ocupá-las definitivamente. Em 1143... Feita a paz com o rei de Leão e Castela... ...instalou-se com a sua corte na cidade de Coimbra. Em 1145... ...conquistou definitivamente Leiria. Essa conquista garatiu:  a segurança de Coimbra  e permitiu que os cavaleiros portugueses se deslocassem com segurança para atacar Santarém e Lisboa. ...que eram ricas e poderosas cidades mouras da Linha do Tejo.