Resumo da matéria para o teste – 1º Teste / 2º Período – Fevereiro 2009 – 5º Ano

Cristãos e Muçulmanos no Período da Reco...
•    Alargamento do território do Condado Portucalense, conquistando terras aos Mouros
   •    Lutando pela independência ...
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resumo da matéria para o teste fevereiro

9.240 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
298
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo da matéria para o teste fevereiro

  1. 1. Resumo da matéria para o teste – 1º Teste / 2º Período – Fevereiro 2009 – 5º Ano Cristãos e Muçulmanos no Período da Reconquista A RECONQUISTA CRISTÃ Os cristãos refugiaram-se no norte da Península Ibérica, na região das ASTÚRIAS. Chefiados por PLÁGIO, alcançaram uma importante vitória, contra os MUÇULMANOS, em 722, na Batalha de Covadonga. Formaram o primeiro reino cristão nas ASTÚRIAS e iniciaram a RECONQUISTA CRISTÃ – Recuperação do território em poder dos Muçulmanos. A partir daqui formaram-se vários reinos cristãos: • Reino de Leão • Reino de Castela • Reino de Navarra • Reino de Aragão • Condado da Catalunha A HERANÇA MUÇULMANA Os Muçulmanos estiveram cerca de 800 anos na Península Ibérica e tiveram grande influência na vida dos povos que aí habitavam. Por exemplo, a língua portuguesa foi influenciada por centenas de palavras de origem árabe: muitas cidades ou regiões (Albufeira, Algarve, Alcácer, Almada, Alvalade, Alverca, etc) – o “AL” quer dizer “o” ou “a” Outras palavras: Aldeia, azenha, chafariz, alcofa, almocreve, almofada, alicate, etc. D. AFONSO HENRIQUES e a LUTA PELA INDEPENDÊNCIA Durante a RECONQUISTA (Voltar a conquistar o território perdido para os Muçulmanos), formaram-se vários reinos no norte da Península. Os REIS desses reinos eram ajudados pelo CAVALEIROS CRUZADOS (que lutavam pela fé cristã) na luta contra os Muçulmanos. Entre os muitos cavaleiros que chegaram à Península Ibérica, vinham D. Henrique e D. Raimundo, que ajudaram o rei de Leão, AFONSO VI. Estes cavaleiros foram recompensados por AFONSO VI: • Deu a D. HENRIQUE, a filha D. TERESA, em casamento e ainda, o CONDADO PORTUCALENSE (ver mapa acima) • Deu a D. RAIMUNDO, a filha D. URRACA, em casamento e ainda, o CONDADO DA GALIZA. D. Henrique lutou para se tornar independente do reino de Leão, mas morreu sem conseguir essa independência, apesar de ter conquistado terras aos MOUROS (ou Muçulmanos). AFONSO HENRIQUES PASSA A GOVERNAR O CONDADO Como o filho de D. Henrique, AFONSO HENRIQUES, era ainda criança quando o pai morreu, o governo do CONDADO PORTUCALENSE, foi entregue a D. TERESA, sua mãe. D. TERESA pretendia uma aliança com a GALIZA, o que provocou o descontentamento de muitos nobres portucalenses. Estes nobres vão, então, apoiar D. AFONSO HENRIQUES na luta contra a sua mãe, D. TERESA. Em 1128, o exército de D. Teresa é derrotado na Batalha de S. Mamede, perto de Guimarães. D. Afonso Henriques passa a governar o Condado Portucalense. AFONSO HENRIQUES, REI DE PORTUGAL D. Afonso Henriques deu continuidade às lutas de seu pai. Lutou em duas frentes:
  2. 2. • Alargamento do território do Condado Portucalense, conquistando terras aos Mouros • Lutando pela independência do Condado Portucalense, contra o primo D. Afonso VII, rei de Leão e Castela (Neto de D. Afonso VI e filho de D. Raimundo e D. Urraca) Derrotou D. Afonso VII em Cerneja, na Galiza e em Arcos de Valdevez, no Minho e derrotou os Mouros na Batalha de Ourique. Em 1143, o rei de Leão e Castela, AFONSO VII, assina o TRATADO DE ZAMORA, onde reconhece a independência do Condado Portucalense. Nasceu, assim um novo reino – PORTUGAL – D. AFONSO HENRIQUES foi o seu primeiro rei. Portugal passou a ser governado por uma MONARQUIA HEREDITÁRIA – Quando o rei morria sucedia-lhe o filho mais velho. A CONQUISTA DA LINHA DO TEJO Após ter sido reconhecido como rei, D. Afonso Henriques partiu à conquista da LINHA DO TEJO (os rios eram uma fronteira importante durante o período da reconquista para segurar o território conquistado aos MOUROS ou MUÇULMANOS). Em 1145 conquista LEIRIA Em 1147 conquista SANTARÉM e LISBOA, onde foi ajudado por cavaleiros cruzados. A linha do Tejo (o Rio Tejo) passou a ser o limite sul do território português. O RECONHECIMENTO DO REINO Nesta Época (século XII e seguintes), o PAPA, principal figura da Igreja e da religião cristã, tinha muito poder sobre os reis cristãos. Ninguém se podia considerar rei sem o seu RECONHECIMENTO. Em 1143, quando o Condado Portucalense se torna independente, o PAPA apenas dá o título de DUX (duque) a D. Afonso Henriques. Entretanto, e para conseguir o titulo de rei, D. Afonso Henriques promete ao PAPA: • 16 onças de ouro todos os anos (mais ou menos meio quilo) • Combater os inimigos da fé cristã – OS MOUROS. • Apoiar o clero, dando-lhe terras conquistadas. Em 1179, o Papa ALEXANDRE III, reconheceu AFONSO HENRIQUES rei de Portugal, através do documento – BULA MANIFESTIS PROBATUM Em 1185, D. Afonso Henriques morre e os Mouros já tinham recuperado grande parte do Alentejo. Reis que governaram depois de D. Afonso Henriques: D. Sancho I, D. Afonso II, D. Sancho II, D. Afonso III… O REINO DE PORTUGAL E DO ALGARVE D. AFONSO III concluiu a conquista do sul do país em 1249. A partir dessa altura, o título dos reis portugueses passou a ser “REI DE PORTUGAL E DO ALGARVE”. Só no reinado de D. DINIS, no TRATADO DE ALCANIZES, em 1297, ficaram definidas as fronteiras portuguesas de um território com 89 000 km2. O alargamento do território, desde o CONDADO PORTUCALENSE ao REINO DE PORTUGAL, fez-se à custa de toda a população: o rei, os senhores poderosos, os monges guerreiros, e o povo, mal treinado e com armas rudimentares, que combatia a pé.

×