SlideShare uma empresa Scribd logo
A Formação do Reino de Portugal
A história do nosso
país começa com D.
Afonso VI, rei de
Leão e Castela,
sucessor dos
primeiros reis cristãos
que iniciaram a
RECONQUISTA
CRISTÃ das terras
ocupadas pelos
muçulmanos.
O Condado Portucalense e a Reconquista
Quando o rei de Leão e Castela, Afonso VI, teve
dificuldades na luta contra os Muçulmanos, pediu
ajuda aos cavaleiros cristãos da Europa (cruzados).
A formação e alargamento do território português
Entre os cruzados, destacaram-se dois primos
D. Raimundo e D. Henrique.
Como
recompensa dos
serviços
prestados:
- D. Raimundo
casou com a
filha legítima do
rei Afonso VI e
recebeu o
condado da
Galiza.
O Condado Portucalense
• D. Henrique de
Borgonha, um nobre
de origem franca
(francesa) foi um dos
primeiros Cruzados a
chegar à Península
Ibérica na época da
Reconquista Cristã e,
rapidamente, se
destacou no combate
aos mouros.
.
Na época, era costume os reis
cristãos recompensarem estes
cavaleiros, atribuindo-lhes, sob
certas condições, o governo de
extensos territórios.
Deste costume beneficiou
também o Conde D. Henrique.
• D. Henrique
recebeu de D.
Afonso VI, rei de
Leão uma parte do
seu reino – o
Condado
Portucalense –
casando com uma
filha ilegítima (que
quer dizer :
nascida fora do
casamento) do
REI, D. Teresa.
A formação e alargamento do território português
 O novo Conde tinha
a seu cargo o
governo, a defesa, o
desenvolvimento e o
alargamento para o
sul do Condado
Portucalense.
 Senhor do seu
território, D. Henrique
era, no entanto, um
súbdito, obrigado a
prestar lealdade,
auxílio e vassalagem
ao seu legítimo rei, D.
Afonso VI.
A prestação de vassalagem de um nobre ao rei.
D. Afonso VI
D. Urraca
D. Afonso Henriques
D.Teresa
D. Afonso VII
D. Raimundo D. Henrique
O Condado portucalense
• O Condado situava-se entre os rios Minho e
Mondego. O conde D. Henrique, continuava
dependente de D. Afonso VI, devendo-lhe
obediência, lealdade e auxílio militar.
Com a morte de D. Henrique, ficou a
governar D. Teresa. Com 16 anos, D.
Afonso Henriques, arma-se, a si
próprio, cavaleiro, ato próprio só de
reis.
• Quando D. Henrique
morre em 1112, o seu
filho Afonso tem apenas 4
anos.
• O governo do Condado
passa, então, para as
mãos de D. Teresa, sua
mulher.
Desde sempre ligada à
nobreza galega e
leonesa, D. Teresa
cedo se constitui
como obstáculo às
aspirações de
independência de
parte da sociedade
portucalense.
O País divide-se em dois…
• D. Teresa, um
joguete nas mãos
do seu
conselheiro ,Fernão
Peres de Trava ,com
quem virá a casar ,
representa a
nobreza mais antiga
de origem Galega e
Leonesa e pretende
que o condado
continue ligado ao
Reino de Leão e
Castela.
• D. Afonso
Henriques, que
com 16 anos arma
-se a si próprio
Cavaleiro, na
catedral de
Zamora, é apoiado
pelo povo e pela
nobreza
portucalense de
formação mais
recente e nível
mais baixo, na luta
pela
independência.
A Batalha de S. Mamede
Em 1128,D. Afonso Henriques, apoiado por nobres do
condado portucalense, derrotou o exército de sua mãe.
Objectivos: alcançar a independência e alargar o
território.
Egas Moniz, o aio de D. Afonso Henriques, apresenta-
-se com a família perante o rei de Leão, uma vez que tinha dado a
sua palavra de honra ao rei de castela que D. Afonso Henriques
prestaria vassalagem e este não o fez.
• A partir de 1128, com a vitória dos seus partidários sobre os de
sua mãe, D. Teresa, no campo de S. Mamede perto de Guimarães,
D. Afonso Henriques passa a governar de facto o Condado
Portucalense.
• Depois de pôr em causa a autoridade de seu primo e soberano, o
auto-proclamado , Imperador Afonso VII, D. Afonso Henriques vai
mais longe desafiando o Papa, ao nomear para Bispo de
Coimbra, Pires Çoleima, um moçárabe.
• Esta atitude atitude custou-lhe O CASTIGO DO papa que o
PROIBIU de ser cristão, ou seja excomungou-o.
Batalha de
S. Mamede
A luta pela independência foi feita com
avanços e recuos.
D. Afonso Henriques, tendo que dar resposta
aos ataques dos muçulmanos que tentavam
reconquistar os territórios a sul, foi obrigado a
assinar a Paz de Tui (1137) com o
seu primo, o rei D. Afonso VII, rei de Leão e
Castela.
A PAZ de TUI era um acordo, uma trégua
quase uma rendição para conseguir ganhar
tempo. Aí reconheceu novamente, por pouco
tempo como era seu costume, a soberania a D.
Afonso VII, rei de Leão e Castela, prestando-
lhe a devida vassalagem.
• Pelo “Tratado de
Zamora , é pela 1ª
vez reconhecida a
independência do
Condado
Portucalense que, a
partir de então, se
passa a chamar
Reino de
Portugal, em 5
de Outubro de
1143.
A formação e alargamento do território português
O Reino de Portugal
Depois de algumas batalhas (Cerneja e Arcos de Valdevez ),
é assinado o tratado de Zamora, em 1143. Neste tratado D.
Afonso VII reconhece a independência do condado que passa
a chamar-se Reino de Portugal, tendo D. Afonso Henriques
como rei.
O “ MILAGRE DE OURIQUE “
O episódio do “ Bispo Negro “ , isolando ainda mais D. Afonso
Henriques a nível externo , serviu, no entanto, para reforçar à
volta do rei a coesão de um reino que nascia contra tudo e
contra todos, mas com” Deus do seu lado”.
Em 1139, a lendária vitória na Batalha de Ourique , alcançada
através da “milagrosa intervenção divina”, ajudará a consolidar
o seu prestígio e autoridade.
O reconhecimento do Papa
Naquele tempo era preciso que o Papa reconhecesse a
independência e confirmasse o título de rei. Em 1179 o
Papa Alexandre III, reconhece D. Afonso Henriques
como rei, através de uma bula, Bula Manifestis
Probatum.
Alargamento do território
Em 1139, vence os Mouros na batalha de Ourique.
.
Em 1147, D. Afonso
Henriques
conquistou Santarém
e Lisboa, aos
mouros.
Em 1158 conquista Alcácer do
Sal e em 1159 conquista Évora
e Beja.
Nestas batalhas destacaram-se
figuras como Gonçalo Mendes
da Maia, o Lidador, D. Fuas
Roupinho e Geraldo Sem Pavor.
O Alargamento do Reino
• Reconhecido como Rei a norte,
a acção de D. Afonso Henriques
centra-se, agora, a sul. Atingir a
linha do Tejo é, agora, o
principal objetivo.
• As conquistas de Leiria, 1145,
Santarém, 1147, e Lisboa,
ainda no mesmo ano, são disto
prova.
• Lisboa, foi tomada pelo cerco,
por mar e por terra , com a
ajuda dos Cruzados
Normandos, Francos e Anglo-
Saxões. Estes dirigiam-se à
Terra Santa, na altura sob
ocupação Muçulmana, para a
reconquistar.
Morte de Martim Moniz
D. Fuas Roupinho
Geraldo Sem Pavor
Gonçalo, Mendes da
Maia
• Em 1185, ano da morte de D. Afonso Henriques e depois
de muitas conquistas no Alentejo, os muçulmanos já
tinham reconquistado muitas terras. Os seus sucessores
, D. Sancho I, D. Afonso II, D. Sancho II e D. Afonso III
irão continuar a sua obra.
• D. Afonso Henriques
( O Conquistador ) morre em
1195, assistindo ainda à
perda de quase todos os
territórios do Alentejo.
A Reconquista Cristã e a
formação do Reino de
Portugal foram, de facto,
feitos de avanços e recuos.
• Finalmente ,Em 1249, no
reinado de D. Afonso III ( O
Bolonhês ), são
conquistadas as últimas e
mais ricas cidades
muçulmanas em território
português – Faro e Silves.
Conquista de Silves
Conquista definitiva do Algarve
Em 1249. com D.
Afonso III, conquista-se
definitivamente o
Algarve, terminando a
Reconquista em território
português.
Em 1279, é assinado,
no reinado de D. Dinis,
o tratado de Alcanizes,
que definiu as fronteiras
de Portugal, sendo um
dos países mais antigos
da Europa.
Participação da população
Rei – Chefiava os exércitos, governava o reino, aplicava a
justiça, decidia da paz e da guerra.
Senhores nobres e monges guerreiros – comandavam
os seus guerreiros e recebiam terras em paga dos
serviços prestados.
Homens do povo – combatiam a pé , e eram a maior parte
dos combatentes,
Reis da Dinastia Afonsina ou
Borgonha
D. Afonso Henriques, O Conquistador
D. Sancho I, O Povoador
D. Afonso II, O Gordo
D. Sancho II, O Capelo
D. Afonso III, O Bolonhês
D. Dinis, O Lavrador
D. Afonso IV, O Bravo
D. Pedro I, O Justiceiro
D. Fernando, O Formoso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. joao i História
D. joao i HistóriaD. joao i História
D. joao i História
Carla Augusto
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
Formação de Portugal
Formação de PortugalFormação de Portugal
Formação de Portugal
Isabel Alves
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
Maria Gomes
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
Luisa Jesus
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
helder33701
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
Carla Gonçalves
 
O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
guest6298af
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
cattonia
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
Isa Alves
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
Professores História
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
Carlos Vieira
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
HistN
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independência
xicao97
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Álvaro Maurício
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 

Mais procurados (20)

D. joao i História
D. joao i HistóriaD. joao i História
D. joao i História
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Formação de Portugal
Formação de PortugalFormação de Portugal
Formação de Portugal
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
 
O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independência
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 

Destaque

O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
cruchinho
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
cruchinho
 
Portugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIPortugal No Século XIII
Portugal No Século XIII
Ana Luísa
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
cruchinho
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibérica
Anabela Sobral
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Anabela Sobral
 
Para que conste as dívidas da alemanha
Para que conste   as dívidas da alemanhaPara que conste   as dívidas da alemanha
Para que conste as dívidas da alemanha
Anabela Sobral
 
1820
18201820
As primeiras comunidades
As primeiras comunidadesAs primeiras comunidades
As primeiras comunidades
Isabel Mendinhos
 
Fe&razão
Fe&razãoFe&razão
Fe&razão
Guilherme Marin
 
Expansão Marítima Européia
Expansão Marítima EuropéiaExpansão Marítima Européia
Expansão Marítima Européia
Ana Alice Monteiro Alencar
 
Expansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaExpansão marítima europeia
Expansão marítima europeia
Elton Zanoni
 
Cristãos e muçulmanos na peninsula ibérica
Cristãos e muçulmanos na peninsula ibéricaCristãos e muçulmanos na peninsula ibérica
Cristãos e muçulmanos na peninsula ibérica
hugoseverino7ab
 
Das sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA Editora
Das sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA EditoraDas sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA Editora
Das sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA Editora
Escoladocs
 
Formação do reino de Portugal
Formação do reino de PortugalFormação do reino de Portugal
Formação do reino de Portugal
AnaGomes40
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
Carla Freitas
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
Anabela Sobral
 

Destaque (18)

O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
Portugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIPortugal No Século XIII
Portugal No Século XIII
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
 
Os muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibéricaOs muçulmanos na península ibérica
Os muçulmanos na península ibérica
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Para que conste as dívidas da alemanha
Para que conste   as dívidas da alemanhaPara que conste   as dívidas da alemanha
Para que conste as dívidas da alemanha
 
1820
18201820
1820
 
As primeiras comunidades
As primeiras comunidadesAs primeiras comunidades
As primeiras comunidades
 
Fe&razão
Fe&razãoFe&razão
Fe&razão
 
Expansão Marítima Européia
Expansão Marítima EuropéiaExpansão Marítima Européia
Expansão Marítima Européia
 
Expansão marítima europeia
Expansão marítima europeiaExpansão marítima europeia
Expansão marítima europeia
 
Cristãos e muçulmanos na peninsula ibérica
Cristãos e muçulmanos na peninsula ibéricaCristãos e muçulmanos na peninsula ibérica
Cristãos e muçulmanos na peninsula ibérica
 
Das sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA Editora
Das sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA EditoraDas sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA Editora
Das sociedades recoletoras às primeiras comunidades ASA Editora
 
Formação do reino de Portugal
Formação do reino de PortugalFormação do reino de Portugal
Formação do reino de Portugal
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
 

Semelhante a A formação e alargamento do território português

Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
Maria José Oliveira
 
1.ª Dinastia
1.ª Dinastia1.ª Dinastia
1.ª Dinastia
Helena Rocha
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal
R C
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
patriciacanico
 
hp_6_7.pdf
hp_6_7.pdfhp_6_7.pdf
hp_6_7.pdf
Daniel Pires
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Daniel Leitão
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
belinhas
 
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal  e estilos arquitetonicosAs dinastias em portugal  e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
SoniaCabeleira
 
Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
Carla Teixeira
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9
profribeiro
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
Maria Gomes
 
A reconquista
A reconquistaA reconquista
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaEubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Numeric Contadores
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Carolina Magalhães
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
jose_santinha
 
Afonso Henriques
Afonso Henriques Afonso Henriques
Afonso Henriques
Jorge Almeida
 

Semelhante a A formação e alargamento do território português (20)

Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
 
1.ª Dinastia
1.ª Dinastia1.ª Dinastia
1.ª Dinastia
 
4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal4 aformaodoreinodeportugal
4 aformaodoreinodeportugal
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
hp_6_7.pdf
hp_6_7.pdfhp_6_7.pdf
hp_6_7.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
 
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal  e estilos arquitetonicosAs dinastias em portugal  e estilos arquitetonicos
As dinastias em portugal e estilos arquitetonicos
 
Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
A reconquista
A reconquistaA reconquista
A reconquista
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaEubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
Afonso Henriques
Afonso Henriques Afonso Henriques
Afonso Henriques
 

Mais de Anabela Sobral

Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º impérioUnidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Anabela Sobral
 
Os pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novoOs pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novo
Anabela Sobral
 
O hino nacional e a bandeira portuguesa
O hino nacional e a bandeira portuguesaO hino nacional e a bandeira portuguesa
O hino nacional e a bandeira portuguesa
Anabela Sobral
 
Palácio nacional de Queluz
Palácio nacional de QueluzPalácio nacional de Queluz
Palácio nacional de Queluz
Anabela Sobral
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
Anabela Sobral
 
Facebook inês gonçalves
Facebook inês gonçalvesFacebook inês gonçalves
Facebook inês gonçalves
Anabela Sobral
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
Anabela Sobral
 
O estado novo e a educação primária
O estado novo e a educação primáriaO estado novo e a educação primária
O estado novo e a educação primária
Anabela Sobral
 
Fotos del recuerdo_1950_-_1960
Fotos del recuerdo_1950_-_1960Fotos del recuerdo_1950_-_1960
Fotos del recuerdo_1950_-_1960
Anabela Sobral
 
Rio minho
Rio minhoRio minho
Rio minho
Anabela Sobral
 
Exposição do mundo português
Exposição do mundo portuguêsExposição do mundo português
Exposição do mundo português
Anabela Sobral
 
Escuela museo virtual2
Escuela museo virtual2Escuela museo virtual2
Escuela museo virtual2
Anabela Sobral
 
Biografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazarBiografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazar
Anabela Sobral
 
A queda da república
A queda da repúblicaA queda da república
A queda da república
Anabela Sobral
 
Aeroportodelisboa anos50
Aeroportodelisboa anos50Aeroportodelisboa anos50
Aeroportodelisboa anos50
Anabela Sobral
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
Anabela Sobral
 
Malhoa
MalhoaMalhoa
Oldtimers
OldtimersOldtimers
Oldtimers
Anabela Sobral
 
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xixOs transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
Anabela Sobral
 
Ociclo do açúcar e o ciclo do ouro
Ociclo do açúcar e o ciclo do ouroOciclo do açúcar e o ciclo do ouro
Ociclo do açúcar e o ciclo do ouro
Anabela Sobral
 

Mais de Anabela Sobral (20)

Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º impérioUnidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
Unidade zero da união ibérica à restauração e o nascer do 2º império
 
Os pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novoOs pilares dos estado novo
Os pilares dos estado novo
 
O hino nacional e a bandeira portuguesa
O hino nacional e a bandeira portuguesaO hino nacional e a bandeira portuguesa
O hino nacional e a bandeira portuguesa
 
Palácio nacional de Queluz
Palácio nacional de QueluzPalácio nacional de Queluz
Palácio nacional de Queluz
 
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
 
Facebook inês gonçalves
Facebook inês gonçalvesFacebook inês gonçalves
Facebook inês gonçalves
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
O estado novo e a educação primária
O estado novo e a educação primáriaO estado novo e a educação primária
O estado novo e a educação primária
 
Fotos del recuerdo_1950_-_1960
Fotos del recuerdo_1950_-_1960Fotos del recuerdo_1950_-_1960
Fotos del recuerdo_1950_-_1960
 
Rio minho
Rio minhoRio minho
Rio minho
 
Exposição do mundo português
Exposição do mundo portuguêsExposição do mundo português
Exposição do mundo português
 
Escuela museo virtual2
Escuela museo virtual2Escuela museo virtual2
Escuela museo virtual2
 
Biografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazarBiografia de antónio salazar
Biografia de antónio salazar
 
A queda da república
A queda da repúblicaA queda da república
A queda da república
 
Aeroportodelisboa anos50
Aeroportodelisboa anos50Aeroportodelisboa anos50
Aeroportodelisboa anos50
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
Malhoa
MalhoaMalhoa
Malhoa
 
Oldtimers
OldtimersOldtimers
Oldtimers
 
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xixOs transportes e as comunicações em portugal no século xix
Os transportes e as comunicações em portugal no século xix
 
Ociclo do açúcar e o ciclo do ouro
Ociclo do açúcar e o ciclo do ouroOciclo do açúcar e o ciclo do ouro
Ociclo do açúcar e o ciclo do ouro
 

A formação e alargamento do território português

  • 1. A Formação do Reino de Portugal
  • 2. A história do nosso país começa com D. Afonso VI, rei de Leão e Castela, sucessor dos primeiros reis cristãos que iniciaram a RECONQUISTA CRISTÃ das terras ocupadas pelos muçulmanos.
  • 3. O Condado Portucalense e a Reconquista Quando o rei de Leão e Castela, Afonso VI, teve dificuldades na luta contra os Muçulmanos, pediu ajuda aos cavaleiros cristãos da Europa (cruzados).
  • 5. Entre os cruzados, destacaram-se dois primos D. Raimundo e D. Henrique. Como recompensa dos serviços prestados: - D. Raimundo casou com a filha legítima do rei Afonso VI e recebeu o condado da Galiza.
  • 6. O Condado Portucalense • D. Henrique de Borgonha, um nobre de origem franca (francesa) foi um dos primeiros Cruzados a chegar à Península Ibérica na época da Reconquista Cristã e, rapidamente, se destacou no combate aos mouros. .
  • 7. Na época, era costume os reis cristãos recompensarem estes cavaleiros, atribuindo-lhes, sob certas condições, o governo de extensos territórios. Deste costume beneficiou também o Conde D. Henrique.
  • 8. • D. Henrique recebeu de D. Afonso VI, rei de Leão uma parte do seu reino – o Condado Portucalense – casando com uma filha ilegítima (que quer dizer : nascida fora do casamento) do REI, D. Teresa.
  • 10.  O novo Conde tinha a seu cargo o governo, a defesa, o desenvolvimento e o alargamento para o sul do Condado Portucalense.  Senhor do seu território, D. Henrique era, no entanto, um súbdito, obrigado a prestar lealdade, auxílio e vassalagem ao seu legítimo rei, D. Afonso VI.
  • 11. A prestação de vassalagem de um nobre ao rei.
  • 12. D. Afonso VI D. Urraca D. Afonso Henriques D.Teresa D. Afonso VII D. Raimundo D. Henrique
  • 13. O Condado portucalense • O Condado situava-se entre os rios Minho e Mondego. O conde D. Henrique, continuava dependente de D. Afonso VI, devendo-lhe obediência, lealdade e auxílio militar. Com a morte de D. Henrique, ficou a governar D. Teresa. Com 16 anos, D. Afonso Henriques, arma-se, a si próprio, cavaleiro, ato próprio só de reis.
  • 14. • Quando D. Henrique morre em 1112, o seu filho Afonso tem apenas 4 anos. • O governo do Condado passa, então, para as mãos de D. Teresa, sua mulher.
  • 15. Desde sempre ligada à nobreza galega e leonesa, D. Teresa cedo se constitui como obstáculo às aspirações de independência de parte da sociedade portucalense.
  • 16. O País divide-se em dois… • D. Teresa, um joguete nas mãos do seu conselheiro ,Fernão Peres de Trava ,com quem virá a casar , representa a nobreza mais antiga de origem Galega e Leonesa e pretende que o condado continue ligado ao Reino de Leão e Castela.
  • 17. • D. Afonso Henriques, que com 16 anos arma -se a si próprio Cavaleiro, na catedral de Zamora, é apoiado pelo povo e pela nobreza portucalense de formação mais recente e nível mais baixo, na luta pela independência.
  • 18. A Batalha de S. Mamede Em 1128,D. Afonso Henriques, apoiado por nobres do condado portucalense, derrotou o exército de sua mãe. Objectivos: alcançar a independência e alargar o território.
  • 19. Egas Moniz, o aio de D. Afonso Henriques, apresenta- -se com a família perante o rei de Leão, uma vez que tinha dado a sua palavra de honra ao rei de castela que D. Afonso Henriques prestaria vassalagem e este não o fez.
  • 20. • A partir de 1128, com a vitória dos seus partidários sobre os de sua mãe, D. Teresa, no campo de S. Mamede perto de Guimarães, D. Afonso Henriques passa a governar de facto o Condado Portucalense. • Depois de pôr em causa a autoridade de seu primo e soberano, o auto-proclamado , Imperador Afonso VII, D. Afonso Henriques vai mais longe desafiando o Papa, ao nomear para Bispo de Coimbra, Pires Çoleima, um moçárabe. • Esta atitude atitude custou-lhe O CASTIGO DO papa que o PROIBIU de ser cristão, ou seja excomungou-o. Batalha de S. Mamede
  • 21. A luta pela independência foi feita com avanços e recuos. D. Afonso Henriques, tendo que dar resposta aos ataques dos muçulmanos que tentavam reconquistar os territórios a sul, foi obrigado a assinar a Paz de Tui (1137) com o seu primo, o rei D. Afonso VII, rei de Leão e Castela.
  • 22. A PAZ de TUI era um acordo, uma trégua quase uma rendição para conseguir ganhar tempo. Aí reconheceu novamente, por pouco tempo como era seu costume, a soberania a D. Afonso VII, rei de Leão e Castela, prestando- lhe a devida vassalagem.
  • 23. • Pelo “Tratado de Zamora , é pela 1ª vez reconhecida a independência do Condado Portucalense que, a partir de então, se passa a chamar Reino de Portugal, em 5 de Outubro de 1143.
  • 25. O Reino de Portugal Depois de algumas batalhas (Cerneja e Arcos de Valdevez ), é assinado o tratado de Zamora, em 1143. Neste tratado D. Afonso VII reconhece a independência do condado que passa a chamar-se Reino de Portugal, tendo D. Afonso Henriques como rei.
  • 26. O “ MILAGRE DE OURIQUE “ O episódio do “ Bispo Negro “ , isolando ainda mais D. Afonso Henriques a nível externo , serviu, no entanto, para reforçar à volta do rei a coesão de um reino que nascia contra tudo e contra todos, mas com” Deus do seu lado”. Em 1139, a lendária vitória na Batalha de Ourique , alcançada através da “milagrosa intervenção divina”, ajudará a consolidar o seu prestígio e autoridade.
  • 27. O reconhecimento do Papa Naquele tempo era preciso que o Papa reconhecesse a independência e confirmasse o título de rei. Em 1179 o Papa Alexandre III, reconhece D. Afonso Henriques como rei, através de uma bula, Bula Manifestis Probatum.
  • 28. Alargamento do território Em 1139, vence os Mouros na batalha de Ourique. .
  • 29. Em 1147, D. Afonso Henriques conquistou Santarém e Lisboa, aos mouros.
  • 30. Em 1158 conquista Alcácer do Sal e em 1159 conquista Évora e Beja. Nestas batalhas destacaram-se figuras como Gonçalo Mendes da Maia, o Lidador, D. Fuas Roupinho e Geraldo Sem Pavor.
  • 31. O Alargamento do Reino • Reconhecido como Rei a norte, a acção de D. Afonso Henriques centra-se, agora, a sul. Atingir a linha do Tejo é, agora, o principal objetivo. • As conquistas de Leiria, 1145, Santarém, 1147, e Lisboa, ainda no mesmo ano, são disto prova. • Lisboa, foi tomada pelo cerco, por mar e por terra , com a ajuda dos Cruzados Normandos, Francos e Anglo- Saxões. Estes dirigiam-se à Terra Santa, na altura sob ocupação Muçulmana, para a reconquistar.
  • 32. Morte de Martim Moniz D. Fuas Roupinho Geraldo Sem Pavor Gonçalo, Mendes da Maia
  • 33. • Em 1185, ano da morte de D. Afonso Henriques e depois de muitas conquistas no Alentejo, os muçulmanos já tinham reconquistado muitas terras. Os seus sucessores , D. Sancho I, D. Afonso II, D. Sancho II e D. Afonso III irão continuar a sua obra.
  • 34. • D. Afonso Henriques ( O Conquistador ) morre em 1195, assistindo ainda à perda de quase todos os territórios do Alentejo. A Reconquista Cristã e a formação do Reino de Portugal foram, de facto, feitos de avanços e recuos. • Finalmente ,Em 1249, no reinado de D. Afonso III ( O Bolonhês ), são conquistadas as últimas e mais ricas cidades muçulmanas em território português – Faro e Silves. Conquista de Silves
  • 35. Conquista definitiva do Algarve Em 1249. com D. Afonso III, conquista-se definitivamente o Algarve, terminando a Reconquista em território português. Em 1279, é assinado, no reinado de D. Dinis, o tratado de Alcanizes, que definiu as fronteiras de Portugal, sendo um dos países mais antigos da Europa.
  • 36. Participação da população Rei – Chefiava os exércitos, governava o reino, aplicava a justiça, decidia da paz e da guerra. Senhores nobres e monges guerreiros – comandavam os seus guerreiros e recebiam terras em paga dos serviços prestados. Homens do povo – combatiam a pé , e eram a maior parte dos combatentes,
  • 37. Reis da Dinastia Afonsina ou Borgonha D. Afonso Henriques, O Conquistador D. Sancho I, O Povoador D. Afonso II, O Gordo D. Sancho II, O Capelo D. Afonso III, O Bolonhês D. Dinis, O Lavrador D. Afonso IV, O Bravo D. Pedro I, O Justiceiro D. Fernando, O Formoso