SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
LITERATURA



MODERNISMO
  NO BRASIL

    3ª. Geração
O modernismo brasileiro foi um amplo movimento cultural que repercutiu fortemente
           sobre a cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do séc. XX,
                                   sobretudo no campo da literatura e das artes plásticas.


    Comparado a outros movimentos modernistas, o brasileiro foi
desencadeado tardiamente, na década de 20. Foi resultado, em grande parte,
da assimilação de tendências culturais e artísticas lançadas pelas vanguardas
européias no período que antecedeu a 1ª. Guerra Mundial e refletiu na procura
da abolição de todas as regras anteriores e a procura da novidade e da
velocidade.

    Considera-se a Semana de Arte Moderna,
Realizada em São Paulo, em 1922, como ponto de
partida do modernismo no Brasil. Não sendo
dominante desde o início, o modernismo, com o
tempo, suplantou os anteriores. Foi marcado, pela
liberdade de estilo e aproximação com a linguagem
falada, sendo os da primeira fase mais radicais em
relação a esse marco.
Divide-se o Modernismo em três fases:

1ª. geração: mais radical e fortemente oposta a tudo que foi
  anterior,cheia de irreverência e escândalo;

2ª. geração: mais amena, que formou grandes romancistas e
  poetas;


3ª. geração: também chamada por vários autores
  de NeoModernismo ou Pós-Modernismo, que se
  opunha de certo modo a primeira e era por isso
  ridicularizada com o apelido de
                           neoparnasianismo.
Terceira geração (1945 - 1960)
também chamada de NeoModernismo ou Pos-Modernismo




A partir da década de 1940, observa-se um processo de renovação artística por
dois motivos: aproveitou-se melhor a liberdade conquistada pela 1ª. Geração
(22 a 30) e houve um aprofundamento das preocupações criticas e documentais
da 2ª. Geração (30 a 45).

Poesia: surge um grupo de poetas que procurava a inspiração poética sem
compromisso com os pressupostos modernistas anteriores: rejeitavam o verso
livre, a irreverência, os poema-piada e outros entusiasmos modernistas.
Propunham um acentuado rigor formal, o que lembra muito o Parnasianismo.
Adotam uma linguagem mais erudita e uma temática mais universal.

Prosa: tanto no romance quanto nos contos existe a busca uma literatura
intimista, de sondagem psicológica, introspectiva e ao mesmo tempo, o
regionalismo adquire uma nova dimensão. A recriação dos costumes e da fala
sertaneja penetra fundo na psicologia do jagunço do Brasil central.
Terceira geração (1945 - 1960)


                          Principais Autores – Poesia
                           Péricles Eugenio da Silva Ramos
                           Ledo Ivo
                           Geir Campos
                           Marcos Konder Reis
                           João Cabral de Melo Neto


Principais Autores – Prosa
     Guimarães Rosa
     Clarice Lispector
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                       JOÃO CABRAL DE MELO NETO
Estreou em 1942 com Pedra do Sono de forte influência de Carlos Drummond de Andrade e Murilo
Mendes. Ao publicar O Engenheiro, em 1945, traça os rumos definitivos de sua obra.

Em 1956, escreve o poema dramático Morte e Vida Severina, que, encenado em 1966, com
músicas de Chico Buarque, consagra-o definitivamente.

Características de sua produção literária: no início da carreira, apresenta um tendência à
objetividade, convivendo com imagens surrealistas e relativas aos sonhos:aos poucos, afasta-se
da influência surrealista e aprofunda a tendência à substantivação, à economia da linguagem,
submetendo as palavras a um processo crescente de depuração, com uso de metáforas,
personificações e alegorias; a partir de 1945, influenciado por uma concepção arquitetônica,
procede à geometrização do poema, aproximando a arte do Poeta à do Engenheiro; o repúdio ao
sentimentalismo e ao irracionalismo leva-o à elaboração do poema objeto.

Nele, o Poeta questiona o próprio ato de escrever e a função da
poesia; na década de 50, surge e amadurece a preocupação
política e principalmente a denúncia social do Nordeste e sua
gente: os retirantes, as tradições e o folclore regional, a
estrutura agrária canavieira, injusta e desigual. Aparece ainda a
paisagem da Espanha, que apresenta pontos em comum com o
cenário nordestino. Mantém viva e atuante a reflexão sobre a
Arte em suas várias manifestações, como a pintura e a literatura.
Terceira geração (1945 - 1960)

                                          JOÃO CABRAL DE MELO NETO

                        ASPECTOS CENTRAIS DE SUA OBRA

                         Objetividade
                         Concisão e precisão
                         Metalirismo
                         Engajamento e denúncia


              PRINCIPAL OBRA – MORTE E VIDA SEVERINA
                              (Auto de Natal Pernambucano)

Sua linha narrativa segue dois movimentos que aparecem no título: “morte” e
“vida”. No primeiro movimento, há o trajeto de Severino, personagem-
protagonista, que segue do sertão para Recife, em face da opressão econômico-
social. Severino tem a força coletiva de um personagem típico: representa o
retirante nordestino. No segundo movimento, o da “vida”, o autor chama a
atenção para a confiança no homem e em sua capacidade de resolver
problemas.
Terceira geração (1945 - 1960)

 GUIMARÃES ROSA          VIDA
                         Mineiro, formou-se em Medicina e clinicou pelo
                         interior, foi ministro e pela carreira diplomática
                         esteve em Hamburgo, Bogotá e Paris.
                          OBRA
                          Sua obra extremamente inovadora e original. Seu livro,
                          Sagarana (1946), vem colocar uma espécie de marco
                          divisor na literatura moderna do Brasil: é uma obra que
                          se pode chamar de renovadora da linguagem literária.
                          Seu experimentalismo estético, aliando narrativas de
                          cunho regionalista a uma linguagem inovadora e
                          transfigurada, veio transformar completamente o
                          panorama da nossa literatura.

Sagarana é um livro de contos cujo nome é formado por: "saga", radical de
origem germânica que significa "canto heróico", "lenda"; e "rana" palavra de
origem tupi que significa "que exprime semelhança ". Assim Sagarana seria algo
próximo a: "parecido a uma saga". Guimaraes Rosa combina e recombina
habilmente as informações do meio, confundindo lugares e paisagens,
mesclando o real, o imaginário e o lendário em sua obra. Não é um livro
regionalista já que não se limita a uma localidade especifica.
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                             GUIMARÃES ROSA
         GRANDE SERTÃO: VEREDAS
         CONSIDERADO OBRA PRIMA DO AUTOR


O sertão criado por Guimarães Rosa é uma
realidade geográfica, social, política e psicológica.
Nesse espaço (sertão-mundo), o sertanejo não é
apenas o homem de uma região e de uma época
específicas, mas homem universal defrontando-se
com problemas eternos: o bem e o mal; o amor;
a violência; a existência ou não de Deus e do
Diabo etc. Por isso classifica-se seu regionalismo
como regionalismo universalista.


O livro narra as memórias de Riobaldo,
                                                             "o sertão é o mundo"
personagem principal, ex-jagunço, que assume
a liderança do grupo após a morte do chefe Joca Ramiro. Conta a um doutor que
nunca aparece, através de seu caráter insólito e ambíguo; na primeira parte do
livro, Riobaldo faz um relato "caótico" e desconexo de vários fatos sempre
expondo suas inquietações filosóficas enquanto que na segunda parte as idéias
de Riobaldo são mais organizadas. A ambigüidade e o caráter ambivalente de
Riobaldo, assim como o de outros personagens, dominam o romance.
Terceira geração (1945 - 1960)
                                              GUIMARÃES ROSA

                 Principais Obras:

                  Sagarana

                  Corpo de baile

                  Grande sertão: veredas

                  Primeiras histórias

                 Tutaméia (Terceiras histórias)

                  Estas histórias

                  Ave, palavra
Terceira geração (1945 - 1960)
                                       CLARICE LISPECTOR
VIDA
Ucraniana, veio para o Brasil ainda bebê. Formou-se em
Direito mas viveu muito fora do Brasil pela carreira
diplomática do marido, dedicando-se assim aos filhos e à
literatura. Voltou ao Brasil separada e lançou vários livros.

Características de suas OBRAS

 sondagem dos mecanismos mais profundos da mente
humana; técnica “impressionista” de apreensão da realidade
interior (predominância de impressões, de sensações); introdução da técnica do fluxo da
consciência; quebra os limites espaço x temporais e o conceito de verossimilhança, fundindo
presente e passado, realidade e desejo na mente dos personagens, cruzando vários eixos e
planos narrativos sem ordem ou lógica aparente;

 suas principais personagens são mulheres, mas não se limitam ao espaço do ambiente
familiar, visa a atingir valores essenciais humanos e universais tais como a falsidade das
relações humanas, o jogo das aparências, o esvaziamento do mundo familiar, as carências
afetivas e as inseguranças delas decorrentes, a alienação, a condição da mulher, a
coexistência dos contrastes, das ambigüidades, das contradições do ser; características
físicas das personagens diluem-se: muitas nem nome apresentam;
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                               CLARICE LISPECTOR
                   Características de suas OBRAS
                    predomínio do tempo psicológico e, portanto, subversão do tempo
                   cronológico;
                    as ações passam a ter importância secundária, servindo
                   principalmente como ilustração de características psicológicas das
                   personagens (introspecção psicológica);
                    presença da epifania (“revelação”): aparentemente equilibradas e bem
                   ajustadas, subitamente as personagens sentem um estranhamento frente
                   a um fato banal da realidade. Nesse momento, mergulham num fluxo de
                   consciência, do qual emergem sentindo-se diferentes em relação a si
                   mesmas e ao mundo que as rodeia; esse desequilíbrio momentâneo por
                   certo mudará sua vida definitivamente;

 fusão de prosa e poesia, com emprego de figuras de linguagem: metáforas, antíteses (eu x
não-eu, ser x não ser), paradoxos, símbolos e alegorias, aliterações e sinestesias;
 uso de metalinguagem em associação com os processos intimistas e psicológicos,
político-sociais, filosóficos e existenciais (A Hora da Estrela, 1977).
Terceira geração (1945 - 1960)
                                             CLARICE LISPECTOR
        Principais Obras:

         Perto do coraçao selvagem
         Laços de familia
         A maça no escuro
         A legiao estrangeira
         A paixao segundo G. H.
         Felicidade clandestina
         A hora da estrela

                Infanto Juvenil
                 O mistério do coelhinho pensante
                 A mulher que matou os peixes
Terceira geração (1945 - 1960)
«  um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci
 Sou
  menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de




                                                                   « 
  ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico (desde menino).
                                                              NELSON RODRIGUES

                            VIDA

                            Teatrólogo nascido em Recife, considerado criador de
                            uma obra revolucionária, um divisor de águas para o
                            teatro brasileiro.

                            Sua vida pessoal foi marcada por tragédias, como o
                            assassinato do irmão e o choque por saber que seu filho
                            fora torturado pela ditadura militar, regime que Nelson
                            apoiou.

                            É considerado pela crítica o fundador do
                            moderno teatro brasileiro.
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                               NELSON RODRIGUES
Características da obra

O teatro entrou em sua vida quando se encontrava em dificuldades
financeiras, achando uma possibilidade de sair da situação difícil em
que estava. Assim, escreveu "Vestido de Noiva", sua primeira peça.
Segundo fontes, Nelson tinha o romance como gênero literário predileto,
e suas peças seguiram essa predileção, pois as mesmas são como
romances em forma de texto teatral.

Nelson é um originalíssimo realista. Não é à toa que foi considerado
um novo Eça. De fato a prosa de Nelson era realista e, tal como os
realistas do século XIX, criticou a sociedade e suas instituições,
sobretudo o casamento. Sendo esteticamente realista em pleno
Modernismo, Nelson não deixou de inovar tal como fizeram os
modernos. O autor transpôs a tragédia grega para o sociedade
carioca do início do século XX, e dessa transposição surgiu a
tragédia carioca, com as mesmas regras daquela, mas com um tom contemporâneo.

O erotismo está muito presente na obra de Nelson Rodrigues, o que lhe garante o título de
realista. Ele não hesitou em denunciar a sordidez da sociedade tal como o fez Eça de
Queirós em suas obras.
Em síntese, Nelson foi um grande escritor, dramaturgo e cronista, e está imortalizado na
literatura brasileira
Terceira geração (1945 - 1960)
  NELSON RODRIGUES - OBRA

Romances                           Peças
•Meu destino é pecar (1944)        A mulher sem pecado (1941)
•Escravas do amor (1946)           Vestido de noiva (1943)
•Minha vida (1946)                 Álbum de família (1946)
•Núpcias de fogo (1948)            Anjo negro (19470
•A mulher que amou demais (1949)   Senhora dos afogados (1947)
•O homem proibido (1981)           Dorotéia (1949)
•A mentira (1953)                  Valsa nº.6 (1951)
•Asfalto selvagem (1960)           A falecida (1953)
•O casamento (1966)                Perdoa-me por me traíres (1957)
•Núpcias de fogo (1948)            Viúva, porém honesta (1957)
                                   Os sete gatinhos (1958)
                                   Boca de Ouro (1959)
 Ainda possui diversos:            Beijo no asfalto (1960)
 Contos e Crônicas,                Bonitinha, mas ordinária (1962)
                                   Toda nudez será castigada (1965)
 Telenovelas e Filmes baseados     Anti-Nelson Rodrigues (1973)
 em suas obras.                    A serpente (1978)
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                            ARIANO SUASSUNA
VIDA

Ariano Suassuna nasceu em João Pessoa em 16 de
junho de 1927, formou-se em Direito e em Filosofia.

É professor universitário, advogado, dramaturgo,
romancista e poeta brasileiro.

Ariano foi o idealizador do Movimento Armorial, que
tem como objetivo criar uma arte erudita a partir de
elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro.
Tal movimento procura orientar para esse fim todas as
formas de expressões artísticas: música, dança,
literatura, artes plásticas, teatro, cinema, arquitetura,
entre outras expressões.


 Suas obras já foram traduzidas para inglês, francês, espanhol, alemão,
 holandês, italiano e polonês.
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                          ARIANO SUASSUNA
Características de suas Obras

A concepção do texto teatral baseia-se na finalidade do mesmo: a representação
por atores. Já o texto literário é concebido para ser lido e meditado pelo leitor,
assumindo, portanto, outra feição. Feita essa observação, vamos reparar que sua
obra procura definir a forma final do texto através dos seguintes elementos:

                               Não propõe, nas indicações que servem de
                              base para a representação, nenhuma atitude de
                              linguagem oral que seja regionalista.

                               Busca encontrar uma expressão uniforme para
                              todas as personagens, na presunção de que a
                              diferença entre os atores estabeleça a diferença
                              nos chamados registros da fala.

                               A composição da linguagem é a mais próxima
                              possível da oralidade, isto é, o texto serve de
                              caminho para uma via oral de expressão.
Terceira geração (1945 - 1960)
                                                  ARIANO SUASSUNA - OBRA
                                    TEATRO
                                    Uma mulher vestida de Sol (1947)
                                    O desertor de princesa (1948)
                                    Os homens de barro (1949)
                                    Auto de João da Cruz (1950)
                                    Torturas de um coração (1951)
                                    O arco desolado (1952)
                                    O castigo da soberba (1953)
                                    O Auto da Compadecida (1955)
                                    O casamento suspeitoso (1957)
                                    O santo e a porca (1957)
                                    A pena e a lei (1959)
Poesia                              Farsa da boa preguiça (1960)
O pasto incendiado, (1945-1970)     As cochambranças de Quaderna (1988)
Ode, (1955)                         A história de amor de Romeu e Julieta (1996)
Sonetos com mote alheio, (1980)
Sonetos de Albano Cervonegro, (1985)
Poemas (antologia), (1999)
Romance
A História de amor de Fernando e Isaura (1956)
O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1971).
História d'O Rei Degolado nas caatingas do sertão/Ao sol da Onça Caetana, (1976).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Barroco e arcadismo
Barroco e arcadismoBarroco e arcadismo
Barroco e arcadismo
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
A terceira geração modernista brasileira (1945 1980)
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
3ª fase do modernismo no brasil
3ª fase do modernismo no brasil3ª fase do modernismo no brasil
3ª fase do modernismo no brasil
 

Semelhante a Terceira Geração do Modernismo Brasileiro

Terceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no BrasilTerceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no Brasileeadolpho
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoNádia França
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxVivianeSilva230677
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxVivianeSilva230677
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasilggmota93
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasilWilliam Marques
 
3 fase - modernismo.pdf
3 fase - modernismo.pdf3 fase - modernismo.pdf
3 fase - modernismo.pdfdenisesousa39
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faserillaryalvesj
 
A Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
A Moreninha - Joaquim Manoel de MacedoA Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
A Moreninha - Joaquim Manoel de MacedoGeovanna Alves
 
Prosa 2º geração modernista
Prosa 2º geração modernistaProsa 2º geração modernista
Prosa 2º geração modernistaSamila Salen
 

Semelhante a Terceira Geração do Modernismo Brasileiro (20)

Panorama do modernismo no brasil
Panorama do modernismo no brasilPanorama do modernismo no brasil
Panorama do modernismo no brasil
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Terceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no BrasilTerceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no Brasil
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasil
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
3 fase - modernismo.pdf
3 fase - modernismo.pdf3 fase - modernismo.pdf
3 fase - modernismo.pdf
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii fase
 
A Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
A Moreninha - Joaquim Manoel de MacedoA Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
A Moreninha - Joaquim Manoel de Macedo
 
Prosa 2º geração modernista
Prosa 2º geração modernistaProsa 2º geração modernista
Prosa 2º geração modernista
 

Mais de claudia murta

Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidadesclaudia murta
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeclaudia murta
 
A importância da leitura
A importância da leitura A importância da leitura
A importância da leitura claudia murta
 
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosInstrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosclaudia murta
 
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)claudia murta
 
O que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarO que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarclaudia murta
 
Escrita semplagio final
Escrita semplagio finalEscrita semplagio final
Escrita semplagio finalclaudia murta
 
Colecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisColecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisclaudia murta
 
Metodologia pesquisa
Metodologia pesquisaMetodologia pesquisa
Metodologia pesquisaclaudia murta
 
Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico claudia murta
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeiasclaudia murta
 

Mais de claudia murta (20)

Competências e habilidades
Competências e habilidadesCompetências e habilidades
Competências e habilidades
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidade
 
A importância da leitura
A importância da leitura A importância da leitura
A importância da leitura
 
Ideias de Maturana
Ideias de MaturanaIdeias de Maturana
Ideias de Maturana
 
Diários todos
Diários todosDiários todos
Diários todos
 
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticosInstrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
Instrumento e grade de avaliação estudos sintáticos
 
Texto alvarez
Texto alvarezTexto alvarez
Texto alvarez
 
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)Apresentação disciplina avaliação   03-10 (1)
Apresentação disciplina avaliação 03-10 (1)
 
Autoavaliação
AutoavaliaçãoAutoavaliação
Autoavaliação
 
Autoavaliação
AutoavaliaçãoAutoavaliação
Autoavaliação
 
O que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliarO que é mesmo o ato de avaliar
O que é mesmo o ato de avaliar
 
Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)
 
Escrita semplagio final
Escrita semplagio finalEscrita semplagio final
Escrita semplagio final
 
Colecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituaisColecao de mapas_conceituais
Colecao de mapas_conceituais
 
Figuras linguagem2
Figuras linguagem2Figuras linguagem2
Figuras linguagem2
 
Figuras linguagem
Figuras linguagemFiguras linguagem
Figuras linguagem
 
Metodologia pesquisa
Metodologia pesquisaMetodologia pesquisa
Metodologia pesquisa
 
Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico Romantismo contexto histórico
Romantismo contexto histórico
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 

Terceira Geração do Modernismo Brasileiro

  • 1. LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL 3ª. Geração
  • 2. O modernismo brasileiro foi um amplo movimento cultural que repercutiu fortemente sobre a cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do séc. XX, sobretudo no campo da literatura e das artes plásticas.  Comparado a outros movimentos modernistas, o brasileiro foi desencadeado tardiamente, na década de 20. Foi resultado, em grande parte, da assimilação de tendências culturais e artísticas lançadas pelas vanguardas européias no período que antecedeu a 1ª. Guerra Mundial e refletiu na procura da abolição de todas as regras anteriores e a procura da novidade e da velocidade.  Considera-se a Semana de Arte Moderna, Realizada em São Paulo, em 1922, como ponto de partida do modernismo no Brasil. Não sendo dominante desde o início, o modernismo, com o tempo, suplantou os anteriores. Foi marcado, pela liberdade de estilo e aproximação com a linguagem falada, sendo os da primeira fase mais radicais em relação a esse marco.
  • 3. Divide-se o Modernismo em três fases: 1ª. geração: mais radical e fortemente oposta a tudo que foi anterior,cheia de irreverência e escândalo; 2ª. geração: mais amena, que formou grandes romancistas e poetas; 3ª. geração: também chamada por vários autores de NeoModernismo ou Pós-Modernismo, que se opunha de certo modo a primeira e era por isso ridicularizada com o apelido de neoparnasianismo.
  • 4. Terceira geração (1945 - 1960) também chamada de NeoModernismo ou Pos-Modernismo A partir da década de 1940, observa-se um processo de renovação artística por dois motivos: aproveitou-se melhor a liberdade conquistada pela 1ª. Geração (22 a 30) e houve um aprofundamento das preocupações criticas e documentais da 2ª. Geração (30 a 45). Poesia: surge um grupo de poetas que procurava a inspiração poética sem compromisso com os pressupostos modernistas anteriores: rejeitavam o verso livre, a irreverência, os poema-piada e outros entusiasmos modernistas. Propunham um acentuado rigor formal, o que lembra muito o Parnasianismo. Adotam uma linguagem mais erudita e uma temática mais universal. Prosa: tanto no romance quanto nos contos existe a busca uma literatura intimista, de sondagem psicológica, introspectiva e ao mesmo tempo, o regionalismo adquire uma nova dimensão. A recriação dos costumes e da fala sertaneja penetra fundo na psicologia do jagunço do Brasil central.
  • 5. Terceira geração (1945 - 1960) Principais Autores – Poesia  Péricles Eugenio da Silva Ramos  Ledo Ivo  Geir Campos  Marcos Konder Reis  João Cabral de Melo Neto Principais Autores – Prosa  Guimarães Rosa  Clarice Lispector
  • 6. Terceira geração (1945 - 1960) JOÃO CABRAL DE MELO NETO Estreou em 1942 com Pedra do Sono de forte influência de Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes. Ao publicar O Engenheiro, em 1945, traça os rumos definitivos de sua obra. Em 1956, escreve o poema dramático Morte e Vida Severina, que, encenado em 1966, com músicas de Chico Buarque, consagra-o definitivamente. Características de sua produção literária: no início da carreira, apresenta um tendência à objetividade, convivendo com imagens surrealistas e relativas aos sonhos:aos poucos, afasta-se da influência surrealista e aprofunda a tendência à substantivação, à economia da linguagem, submetendo as palavras a um processo crescente de depuração, com uso de metáforas, personificações e alegorias; a partir de 1945, influenciado por uma concepção arquitetônica, procede à geometrização do poema, aproximando a arte do Poeta à do Engenheiro; o repúdio ao sentimentalismo e ao irracionalismo leva-o à elaboração do poema objeto. Nele, o Poeta questiona o próprio ato de escrever e a função da poesia; na década de 50, surge e amadurece a preocupação política e principalmente a denúncia social do Nordeste e sua gente: os retirantes, as tradições e o folclore regional, a estrutura agrária canavieira, injusta e desigual. Aparece ainda a paisagem da Espanha, que apresenta pontos em comum com o cenário nordestino. Mantém viva e atuante a reflexão sobre a Arte em suas várias manifestações, como a pintura e a literatura.
  • 7. Terceira geração (1945 - 1960) JOÃO CABRAL DE MELO NETO ASPECTOS CENTRAIS DE SUA OBRA  Objetividade  Concisão e precisão  Metalirismo  Engajamento e denúncia PRINCIPAL OBRA – MORTE E VIDA SEVERINA (Auto de Natal Pernambucano) Sua linha narrativa segue dois movimentos que aparecem no título: “morte” e “vida”. No primeiro movimento, há o trajeto de Severino, personagem- protagonista, que segue do sertão para Recife, em face da opressão econômico- social. Severino tem a força coletiva de um personagem típico: representa o retirante nordestino. No segundo movimento, o da “vida”, o autor chama a atenção para a confiança no homem e em sua capacidade de resolver problemas.
  • 8. Terceira geração (1945 - 1960) GUIMARÃES ROSA VIDA Mineiro, formou-se em Medicina e clinicou pelo interior, foi ministro e pela carreira diplomática esteve em Hamburgo, Bogotá e Paris. OBRA Sua obra extremamente inovadora e original. Seu livro, Sagarana (1946), vem colocar uma espécie de marco divisor na literatura moderna do Brasil: é uma obra que se pode chamar de renovadora da linguagem literária. Seu experimentalismo estético, aliando narrativas de cunho regionalista a uma linguagem inovadora e transfigurada, veio transformar completamente o panorama da nossa literatura. Sagarana é um livro de contos cujo nome é formado por: "saga", radical de origem germânica que significa "canto heróico", "lenda"; e "rana" palavra de origem tupi que significa "que exprime semelhança ". Assim Sagarana seria algo próximo a: "parecido a uma saga". Guimaraes Rosa combina e recombina habilmente as informações do meio, confundindo lugares e paisagens, mesclando o real, o imaginário e o lendário em sua obra. Não é um livro regionalista já que não se limita a uma localidade especifica.
  • 9. Terceira geração (1945 - 1960) GUIMARÃES ROSA GRANDE SERTÃO: VEREDAS CONSIDERADO OBRA PRIMA DO AUTOR O sertão criado por Guimarães Rosa é uma realidade geográfica, social, política e psicológica. Nesse espaço (sertão-mundo), o sertanejo não é apenas o homem de uma região e de uma época específicas, mas homem universal defrontando-se com problemas eternos: o bem e o mal; o amor; a violência; a existência ou não de Deus e do Diabo etc. Por isso classifica-se seu regionalismo como regionalismo universalista. O livro narra as memórias de Riobaldo, "o sertão é o mundo" personagem principal, ex-jagunço, que assume a liderança do grupo após a morte do chefe Joca Ramiro. Conta a um doutor que nunca aparece, através de seu caráter insólito e ambíguo; na primeira parte do livro, Riobaldo faz um relato "caótico" e desconexo de vários fatos sempre expondo suas inquietações filosóficas enquanto que na segunda parte as idéias de Riobaldo são mais organizadas. A ambigüidade e o caráter ambivalente de Riobaldo, assim como o de outros personagens, dominam o romance.
  • 10. Terceira geração (1945 - 1960) GUIMARÃES ROSA Principais Obras:  Sagarana  Corpo de baile  Grande sertão: veredas  Primeiras histórias Tutaméia (Terceiras histórias)  Estas histórias  Ave, palavra
  • 11. Terceira geração (1945 - 1960) CLARICE LISPECTOR VIDA Ucraniana, veio para o Brasil ainda bebê. Formou-se em Direito mas viveu muito fora do Brasil pela carreira diplomática do marido, dedicando-se assim aos filhos e à literatura. Voltou ao Brasil separada e lançou vários livros. Características de suas OBRAS  sondagem dos mecanismos mais profundos da mente humana; técnica “impressionista” de apreensão da realidade interior (predominância de impressões, de sensações); introdução da técnica do fluxo da consciência; quebra os limites espaço x temporais e o conceito de verossimilhança, fundindo presente e passado, realidade e desejo na mente dos personagens, cruzando vários eixos e planos narrativos sem ordem ou lógica aparente;  suas principais personagens são mulheres, mas não se limitam ao espaço do ambiente familiar, visa a atingir valores essenciais humanos e universais tais como a falsidade das relações humanas, o jogo das aparências, o esvaziamento do mundo familiar, as carências afetivas e as inseguranças delas decorrentes, a alienação, a condição da mulher, a coexistência dos contrastes, das ambigüidades, das contradições do ser; características físicas das personagens diluem-se: muitas nem nome apresentam;
  • 12. Terceira geração (1945 - 1960) CLARICE LISPECTOR Características de suas OBRAS  predomínio do tempo psicológico e, portanto, subversão do tempo cronológico;  as ações passam a ter importância secundária, servindo principalmente como ilustração de características psicológicas das personagens (introspecção psicológica);  presença da epifania (“revelação”): aparentemente equilibradas e bem ajustadas, subitamente as personagens sentem um estranhamento frente a um fato banal da realidade. Nesse momento, mergulham num fluxo de consciência, do qual emergem sentindo-se diferentes em relação a si mesmas e ao mundo que as rodeia; esse desequilíbrio momentâneo por certo mudará sua vida definitivamente;  fusão de prosa e poesia, com emprego de figuras de linguagem: metáforas, antíteses (eu x não-eu, ser x não ser), paradoxos, símbolos e alegorias, aliterações e sinestesias;  uso de metalinguagem em associação com os processos intimistas e psicológicos, político-sociais, filosóficos e existenciais (A Hora da Estrela, 1977).
  • 13. Terceira geração (1945 - 1960) CLARICE LISPECTOR Principais Obras:  Perto do coraçao selvagem  Laços de familia  A maça no escuro  A legiao estrangeira  A paixao segundo G. H.  Felicidade clandestina  A hora da estrela Infanto Juvenil  O mistério do coelhinho pensante  A mulher que matou os peixes
  • 14. Terceira geração (1945 - 1960) «  um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci Sou menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de «  ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico (desde menino). NELSON RODRIGUES VIDA Teatrólogo nascido em Recife, considerado criador de uma obra revolucionária, um divisor de águas para o teatro brasileiro. Sua vida pessoal foi marcada por tragédias, como o assassinato do irmão e o choque por saber que seu filho fora torturado pela ditadura militar, regime que Nelson apoiou. É considerado pela crítica o fundador do moderno teatro brasileiro.
  • 15. Terceira geração (1945 - 1960) NELSON RODRIGUES Características da obra O teatro entrou em sua vida quando se encontrava em dificuldades financeiras, achando uma possibilidade de sair da situação difícil em que estava. Assim, escreveu "Vestido de Noiva", sua primeira peça. Segundo fontes, Nelson tinha o romance como gênero literário predileto, e suas peças seguiram essa predileção, pois as mesmas são como romances em forma de texto teatral. Nelson é um originalíssimo realista. Não é à toa que foi considerado um novo Eça. De fato a prosa de Nelson era realista e, tal como os realistas do século XIX, criticou a sociedade e suas instituições, sobretudo o casamento. Sendo esteticamente realista em pleno Modernismo, Nelson não deixou de inovar tal como fizeram os modernos. O autor transpôs a tragédia grega para o sociedade carioca do início do século XX, e dessa transposição surgiu a tragédia carioca, com as mesmas regras daquela, mas com um tom contemporâneo. O erotismo está muito presente na obra de Nelson Rodrigues, o que lhe garante o título de realista. Ele não hesitou em denunciar a sordidez da sociedade tal como o fez Eça de Queirós em suas obras. Em síntese, Nelson foi um grande escritor, dramaturgo e cronista, e está imortalizado na literatura brasileira
  • 16. Terceira geração (1945 - 1960) NELSON RODRIGUES - OBRA Romances Peças •Meu destino é pecar (1944) A mulher sem pecado (1941) •Escravas do amor (1946) Vestido de noiva (1943) •Minha vida (1946) Álbum de família (1946) •Núpcias de fogo (1948) Anjo negro (19470 •A mulher que amou demais (1949) Senhora dos afogados (1947) •O homem proibido (1981) Dorotéia (1949) •A mentira (1953) Valsa nº.6 (1951) •Asfalto selvagem (1960) A falecida (1953) •O casamento (1966) Perdoa-me por me traíres (1957) •Núpcias de fogo (1948) Viúva, porém honesta (1957) Os sete gatinhos (1958) Boca de Ouro (1959) Ainda possui diversos: Beijo no asfalto (1960) Contos e Crônicas, Bonitinha, mas ordinária (1962) Toda nudez será castigada (1965) Telenovelas e Filmes baseados Anti-Nelson Rodrigues (1973) em suas obras. A serpente (1978)
  • 17. Terceira geração (1945 - 1960) ARIANO SUASSUNA VIDA Ariano Suassuna nasceu em João Pessoa em 16 de junho de 1927, formou-se em Direito e em Filosofia. É professor universitário, advogado, dramaturgo, romancista e poeta brasileiro. Ariano foi o idealizador do Movimento Armorial, que tem como objetivo criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro. Tal movimento procura orientar para esse fim todas as formas de expressões artísticas: música, dança, literatura, artes plásticas, teatro, cinema, arquitetura, entre outras expressões. Suas obras já foram traduzidas para inglês, francês, espanhol, alemão, holandês, italiano e polonês.
  • 18. Terceira geração (1945 - 1960) ARIANO SUASSUNA Características de suas Obras A concepção do texto teatral baseia-se na finalidade do mesmo: a representação por atores. Já o texto literário é concebido para ser lido e meditado pelo leitor, assumindo, portanto, outra feição. Feita essa observação, vamos reparar que sua obra procura definir a forma final do texto através dos seguintes elementos:  Não propõe, nas indicações que servem de base para a representação, nenhuma atitude de linguagem oral que seja regionalista.  Busca encontrar uma expressão uniforme para todas as personagens, na presunção de que a diferença entre os atores estabeleça a diferença nos chamados registros da fala.  A composição da linguagem é a mais próxima possível da oralidade, isto é, o texto serve de caminho para uma via oral de expressão.
  • 19. Terceira geração (1945 - 1960) ARIANO SUASSUNA - OBRA TEATRO Uma mulher vestida de Sol (1947) O desertor de princesa (1948) Os homens de barro (1949) Auto de João da Cruz (1950) Torturas de um coração (1951) O arco desolado (1952) O castigo da soberba (1953) O Auto da Compadecida (1955) O casamento suspeitoso (1957) O santo e a porca (1957) A pena e a lei (1959) Poesia Farsa da boa preguiça (1960) O pasto incendiado, (1945-1970) As cochambranças de Quaderna (1988) Ode, (1955) A história de amor de Romeu e Julieta (1996) Sonetos com mote alheio, (1980) Sonetos de Albano Cervonegro, (1985) Poemas (antologia), (1999) Romance A História de amor de Fernando e Isaura (1956) O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1971). História d'O Rei Degolado nas caatingas do sertão/Ao sol da Onça Caetana, (1976).