SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Higiene do
úbere
Após a
ordenha
Produção Leiteira
As mastites
problema N°1
da produção leiteira
Produção leiteira :
os principais problemas sanitários e seus custos
Mastites e CCS R$ 210,00
+
Problemas reprodutivos R$ 110,00
+
Problemas metabólicos R$ 86,00
+
Partos R$ 73,00
+
Problemas de saúde do bezerro R$67,00
+
Problemas locomotores R$ 30,00
+
Outros R$ 49,00
Total
=
R$ 625,00/Vaca/ano
VALORES CONVERTIDOS DE
€/R$
Cálculos realizados sobre o modelo de budget parcial – estudo inra/envn – 197 fazendas da
região de Loire - C. Fourichon, H. Seegers, N. Bareille, F. Baudeau 2001
Estimativa anual das perdas com mastites
Fonte das Perdas Perdas por vaca %
Queda na produção R$ 212,00 66%
Leite descartado R$ 18,00 5.7%
Custos de reposição R$ 73,00 22.6%
Mão de obra R$ 2,00 0.1%
Tratamento R$ 13,00 4.1%
Serviço veterinário R$ 4,80 1.5%
Total R$ 323,00 100%
Perdas estimadas: 1 U$D = R$ 1,75
-184 U$ por vaca
-18 400 U$ por 100 vacas
-28 milhões de U$ no estado do Kentucky
-1.7 bilhões de U$ dos Estados Unidos
– estudo realizado pela Escola de Agricultura do kentucky –
W. Crist, R. Harmon, J. O’Leary, A. McAllister.
TABELA COM VALORES CONVERTIDOS DE U$ / R$
Mastite : diferentes formas
 Se classificam como:
 Mastites clínicas: identificadas por
sintomas aparentes tanto na vaca como
no leite.
 Mastites subclínicas: sem sinais visíveis
porém revelados somente por testes
individuais e pela análise da qualidade
do leite (CCS)
As mastites são caracterizadas pela inflamação do úbere
devido a invasão de germes patogênicos vindos do
ambiente
Mastite: as consequências
Promovem modificações na composição do leite:
 Modificação na taxa de proteína,gordura,
açúcares, minerais, etc…
 Aumento na Contagem de Células Somáticas –
CCS- ( consequente aumento da Lipólise e Proteólise).
 Presença de germes patogênicos.
Mastite : as consequências
* Seegers H. Fournichon C., Beaudeau F. 2003. Production effects related to
mastitis ans mastitis economics in dairy cattle herds. Vet Res. 34, 475-491.
Provocam uma redução no volume de leite produzido *
 mastites clínicas : perdas estimadas em torno 5% por
lactação (raça holandesa, mastite no 2° mês de
lactação).
 mastites subclínicas: perdas estimadas em torno de 0,5
kgs de leite cada vez que a CCS se multiplica por 2 a
partir de 50.000 células/ml
Mastite: processo de contaminação
Normalmente ocorre quando:
• o equipamento ou o teto estão contaminados e durante a
ordenha ocorre entrada ar carreando germes para dentro dos
tetos .
• antes do fechamento do esfincter do teto – após a ordenha.
•A contaminação ocorre pela entrada
de germes patogênicos através do canal
do teto.
Os tetos
O teto é a passagem obrigatória de toda a
produção de leite das vacas.
Estes apresentam 2 áreas de risco:
•O esfincter
•A pele
O esfincter em bom estado é uma verdadeira barreira natural:
 Finalizada a ordenha a musculatura do
esfincter permitirá o fechamento
progressivo do canal do teto.
 Este estará totalmente fechado em
aproximadamente 1 hora após a
ordenha.
A pele dos tetos
Pele seca Pele hidratada
A PELE DEBILITADA É
UM RESERVATÓRIO DE
GERMES PATOGÊNICOS.
•Uma grande quantidade de germes colonizam a pele sobretudo
quando está rachada e seca.
•Certas bactérias tem uma particularidade de incrustar-se na pele
(Staphylococos aureus).
•Certos agentes patogênicos, como o poxvírus , podem causar grande
ressecamento dificultando a limpeza dos tetos fazendo com que a
ordenha seja quase impossível.
O conceito HYPRED
Após a ordenha promover uma proteção eficaz dos tetos
contra todas as formas de agressão externa:
 agentes patogênicos (Bactérias, vírus…)
 agressões ligadas as más condições de produção ( alta
concentração de animais, ambiente sujo, umidade,
moscas, equipamentos desregulados etc..-).
 agressões ligadas as condições climáticas ( frio, chuva,
sol …)
A importância de selar os tetos
O produto utilizado deverá cumprir 2 funções essenciais:
 Ação desinfetante
 Ação cosmética
A desinfecção
Ao final da ordenha, uma certa quantidade de
microorganismos ( patogênicos ou não ) estão presentes
sobre a pele dos tetos:
 Alguns porque possuem a particularidade de incrustar-se
na pele ( staphylococuc aureus)
 outros por terem sido transmitidos pelas teteiras no
momento da ordenha
O produto utilizado deverá destruir todos os microorganismos,
o mais rápido possível:
E deverá ser bactericida e viricida
A ação cosmética
 condicões de produção,
 estágio de lactação,
 condições climáticas,
 qualidade da ordenha
 Possuem grande influência sobre o estado da pele dos tetos.
O produto utilizado deverá possuir características cosméticas
adaptadas:
• condicões de produção.
• condições climáticas.
• estágio de lactação dos animais
Ordenhar um animal com a pele dos tetos rachada e
ressecada, é mais delicado e apresenta maior riscos de
contaminação ( butíricos no leite, contaminação cruzada, etc…)
Produto Formulado X Princípio Ativo
•A porcentagem de moléculas desinfetantes
dentro de um produto não pode ser
considerado como o único fator de eficácia
•Mais de 20 matérias primas estão presentes
na formulação de um produto completo,
com diversas finalidades ( germicida /
cosmético/ estabilizantes....)
•Somente testes realizados sobre as fórmulas
nos garantem a sua eficácia
Laboratório de Microbiologia HYPRED
Normativa de Biocidas UE
Pontos chaves
Custo da mastite :
- por vaca R$ 323,00 ( USA)
Dois pontos de risco:
- Esfincter
- Pele do teto.
 Duas qualidades essenciais do selador
- Desinfecção
- Ação cosmética
Um selador é um produto completo e sua eficácia
não deve ser baseada apenas no poder de
desinfecção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Utilização de Própolis no Controle da Mastite Bovina
Utilização de Própolis no Controle da Mastite BovinaUtilização de Própolis no Controle da Mastite Bovina
Utilização de Própolis no Controle da Mastite BovinaJúlia Gazzoni Jardim
 
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosVerminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosNatália Borges
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaAlice Melo Candido
 
Controle de verminose de ovinos
Controle de verminose de ovinosControle de verminose de ovinos
Controle de verminose de ovinosThiago Abdo
 
Apresentação monografia
Apresentação monografiaApresentação monografia
Apresentação monografiaguest4f4d85f
 
Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointBeefPoint
 
Sanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoSanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoadelmosantana
 
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...AgriPoint
 
Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...
Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...
Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...Rural Pecuária
 
Filippsen et al. 1999 prevalência da mastite bovina causada por prototheca...
Filippsen et al. 1999   prevalência da mastite bovina causada por  prototheca...Filippsen et al. 1999   prevalência da mastite bovina causada por  prototheca...
Filippsen et al. 1999 prevalência da mastite bovina causada por prototheca...AgriPoint
 
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovinaA importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovinaRural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Rural Pecuária
 
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaApresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaFernando Alzamora
 

Mais procurados (19)

Utilização de Própolis no Controle da Mastite Bovina
Utilização de Própolis no Controle da Mastite BovinaUtilização de Própolis no Controle da Mastite Bovina
Utilização de Própolis no Controle da Mastite Bovina
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosVerminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e Ovinos
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenha
 
Controle de verminose de ovinos
Controle de verminose de ovinosControle de verminose de ovinos
Controle de verminose de ovinos
 
Topvac
TopvacTopvac
Topvac
 
Apresentação monografia
Apresentação monografiaApresentação monografia
Apresentação monografia
 
Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpoint
 
Sanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoSanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovino
 
Tuberculose bovina
Tuberculose bovinaTuberculose bovina
Tuberculose bovina
 
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
 
Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...
Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...
Avaliação da Eficiência de vermífugos comerciais e microrganismos probióticos...
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Parte escrita mastite
Parte escrita mastiteParte escrita mastite
Parte escrita mastite
 
Filippsen et al. 1999 prevalência da mastite bovina causada por prototheca...
Filippsen et al. 1999   prevalência da mastite bovina causada por  prototheca...Filippsen et al. 1999   prevalência da mastite bovina causada por  prototheca...
Filippsen et al. 1999 prevalência da mastite bovina causada por prototheca...
 
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovinaA importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
A importância do diagnóstico no controle da mastite bovina
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaApresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
 

Destaque

Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Alarindo Salvador Dos Santos
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastiteAgriPoint
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAlvaro Galdos
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaPatrícia Oliver
 
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Jéssica Da Silva
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1UTAD
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.Nágela Magave
 
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosFatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosGleyson Costa
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leitegarciagotaeficiente
 
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosBoas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosSafia Naser
 
Treinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de AlimentosTreinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de AlimentosLetícia Gonzaga
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosDeisi Colombo
 
Slide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentosSlide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentosMírian de Moura
 
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADOREScagsiqueira
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSDennis Moliterno
 

Destaque (20)

Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
Doenca de Carbúnculo Hemático e Sintomático de Animal.
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastite
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamaria
 
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
 
Glandula mamaria
Glandula mamariaGlandula mamaria
Glandula mamaria
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1
 
Qualidade do leite 25
Qualidade do leite 25Qualidade do leite 25
Qualidade do leite 25
 
Inspeção de Leite
Inspeção de LeiteInspeção de Leite
Inspeção de Leite
 
Manual de Ordenha
Manual de OrdenhaManual de Ordenha
Manual de Ordenha
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosFatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecos
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para AlimentosBoas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
Boas Praticas e Procedimentos Operacionais Padrão para Alimentos
 
Treinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de AlimentosTreinamento Manipuladores de Alimentos
Treinamento Manipuladores de Alimentos
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
 
Slide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentosSlide higienização e manipulação dos alimentos
Slide higienização e manipulação dos alimentos
 
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
 
Bpf Treinamento
Bpf TreinamentoBpf Treinamento
Bpf Treinamento
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
 

Semelhante a Higiene do úbere e mastite: a importância de selar os tetos

Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointBeefPoint
 
Pós dipping milkpoint (1)
Pós dipping milkpoint (1)Pós dipping milkpoint (1)
Pós dipping milkpoint (1)BeefPoint
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesMarília Gomes
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.pptGUILHERMEERNANDES1
 
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptxAula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptxMirianFernandes15
 
Manejo sanitario-Patricia Maciel.pdf
Manejo sanitario-Patricia Maciel.pdfManejo sanitario-Patricia Maciel.pdf
Manejo sanitario-Patricia Maciel.pdfRobertoLima242838
 
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da HipraTopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da HipraAgriPoint
 
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentosMicrobiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentosAmanda Fraga
 
curso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.pptcurso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.pptssuser2b53fe
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfDeborah689757
 
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...Spraying Systems do Brasil
 
Caminhos Do Leite
Caminhos Do LeiteCaminhos Do Leite
Caminhos Do LeiteJoão Felix
 
Controle de qualidade jean paul ducroquet
Controle de qualidade   jean paul ducroquetControle de qualidade   jean paul ducroquet
Controle de qualidade jean paul ducroquetCooplantio
 

Semelhante a Higiene do úbere e mastite: a importância de selar os tetos (20)

Pós dipping milkpoint
Pós dipping milkpointPós dipping milkpoint
Pós dipping milkpoint
 
Pós dipping milkpoint (1)
Pós dipping milkpoint (1)Pós dipping milkpoint (1)
Pós dipping milkpoint (1)
 
Leite
LeiteLeite
Leite
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
Introduçã1
Introduçã1Introduçã1
Introduçã1
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e aves
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
 
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptxAula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
Aula - Sistemas de Cria+º+úo de Aves.pptx
 
02pt06
02pt0602pt06
02pt06
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
 
Manejo sanitario-Patricia Maciel.pdf
Manejo sanitario-Patricia Maciel.pdfManejo sanitario-Patricia Maciel.pdf
Manejo sanitario-Patricia Maciel.pdf
 
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da HipraTopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
 
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentosMicrobiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
 
curso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.pptcurso de açucar e alcool Fermentação.ppt
curso de açucar e alcool Fermentação.ppt
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
 
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
Melhorando a qualidade na produção de biscoitos, massas alimentícias, pães & ...
 
1318 microbiologia dos alimentos(1)
1318 microbiologia dos alimentos(1)1318 microbiologia dos alimentos(1)
1318 microbiologia dos alimentos(1)
 
Caminhos Do Leite
Caminhos Do LeiteCaminhos Do Leite
Caminhos Do Leite
 
Controle de qualidade jean paul ducroquet
Controle de qualidade   jean paul ducroquetControle de qualidade   jean paul ducroquet
Controle de qualidade jean paul ducroquet
 

Mais de BeefPoint

Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011BeefPoint
 
Doença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundial
Doença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundialDoença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundial
Doença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundialBeefPoint
 
Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011
Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011
Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011BeefPoint
 
JBS - resultados do 2º trimestre de 2011
JBS - resultados do 2º trimestre de 2011JBS - resultados do 2º trimestre de 2011
JBS - resultados do 2º trimestre de 2011BeefPoint
 
Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011
Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011
Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011BeefPoint
 
A mais invejada da Amazônia
A mais invejada da AmazôniaA mais invejada da Amazônia
A mais invejada da AmazôniaBeefPoint
 
Imea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato Grosso
Imea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato GrossoImea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato Grosso
Imea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato GrossoBeefPoint
 
Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011
Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011 Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011
Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011 BeefPoint
 
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011BeefPoint
 
BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...
BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...
BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...BeefPoint
 
Mataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicialMataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicialBeefPoint
 
Mataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicialMataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicialBeefPoint
 
CNA - A verdade sobre o desmatamento
CNA - A verdade sobre o desmatamentoCNA - A verdade sobre o desmatamento
CNA - A verdade sobre o desmatamentoBeefPoint
 
CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011
CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011
CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011BeefPoint
 
Marfrig Alimentos S.A. - Resultados do 1º trimestre de 2011
Marfrig Alimentos S.A. -  Resultados do 1º trimestre de 2011Marfrig Alimentos S.A. -  Resultados do 1º trimestre de 2011
Marfrig Alimentos S.A. - Resultados do 1º trimestre de 2011BeefPoint
 
Zootecnistas
ZootecnistasZootecnistas
ZootecnistasBeefPoint
 
Programação do I curso do EMBRAPA INVERNADA
Programação do I curso do EMBRAPA INVERNADAProgramação do I curso do EMBRAPA INVERNADA
Programação do I curso do EMBRAPA INVERNADABeefPoint
 
JBS - resultados do 1º trimestre de 2011
JBS - resultados do 1º trimestre de 2011JBS - resultados do 1º trimestre de 2011
JBS - resultados do 1º trimestre de 2011BeefPoint
 
ICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva Legal
ICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva LegalICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva Legal
ICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva LegalBeefPoint
 
Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...
Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...
Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...BeefPoint
 

Mais de BeefPoint (20)

Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
Relatório Top 50 Beef Point de Confinamentos 2010-2011
 
Doença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundial
Doença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundialDoença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundial
Doença Respiratória Bovina – Uma preocupação mundial
 
Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011
Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011
Marfrig - resultados do 2º trimestre de 2011
 
JBS - resultados do 2º trimestre de 2011
JBS - resultados do 2º trimestre de 2011JBS - resultados do 2º trimestre de 2011
JBS - resultados do 2º trimestre de 2011
 
Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011
Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011
Minerva - Resultados do 2º trimestre de 2011
 
A mais invejada da Amazônia
A mais invejada da AmazôniaA mais invejada da Amazônia
A mais invejada da Amazônia
 
Imea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato Grosso
Imea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato GrossoImea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato Grosso
Imea - 2°Levantamento das intenções de confinamento em Mato Grosso
 
Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011
Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011 Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011
Abiec: resultados das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2011
 
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
 
BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...
BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...
BM&FBovespa - Ofício Circular sobre alterações no Indicador e nos Contratos F...
 
Mataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicialMataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
 
Mataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicialMataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
Mataboi Alimentos S.A. - Proposta aos credores do plano de recuperação judicial
 
CNA - A verdade sobre o desmatamento
CNA - A verdade sobre o desmatamentoCNA - A verdade sobre o desmatamento
CNA - A verdade sobre o desmatamento
 
CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011
CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011
CNA - Cartilha da Contribuição Sindical Rural 2011
 
Marfrig Alimentos S.A. - Resultados do 1º trimestre de 2011
Marfrig Alimentos S.A. -  Resultados do 1º trimestre de 2011Marfrig Alimentos S.A. -  Resultados do 1º trimestre de 2011
Marfrig Alimentos S.A. - Resultados do 1º trimestre de 2011
 
Zootecnistas
ZootecnistasZootecnistas
Zootecnistas
 
Programação do I curso do EMBRAPA INVERNADA
Programação do I curso do EMBRAPA INVERNADAProgramação do I curso do EMBRAPA INVERNADA
Programação do I curso do EMBRAPA INVERNADA
 
JBS - resultados do 1º trimestre de 2011
JBS - resultados do 1º trimestre de 2011JBS - resultados do 1º trimestre de 2011
JBS - resultados do 1º trimestre de 2011
 
ICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva Legal
ICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva LegalICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva Legal
ICONE - O Novo Código Florestal e a proteção das APPs e da Reserva Legal
 
Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...
Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...
Independência - Edital de Alienação Judicial de Unidades Produtivas Isoladas ...
 

Último

Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Higiene do úbere e mastite: a importância de selar os tetos

  • 2. Produção Leiteira As mastites problema N°1 da produção leiteira
  • 3. Produção leiteira : os principais problemas sanitários e seus custos Mastites e CCS R$ 210,00 + Problemas reprodutivos R$ 110,00 + Problemas metabólicos R$ 86,00 + Partos R$ 73,00 + Problemas de saúde do bezerro R$67,00 + Problemas locomotores R$ 30,00 + Outros R$ 49,00 Total = R$ 625,00/Vaca/ano VALORES CONVERTIDOS DE €/R$ Cálculos realizados sobre o modelo de budget parcial – estudo inra/envn – 197 fazendas da região de Loire - C. Fourichon, H. Seegers, N. Bareille, F. Baudeau 2001
  • 4. Estimativa anual das perdas com mastites Fonte das Perdas Perdas por vaca % Queda na produção R$ 212,00 66% Leite descartado R$ 18,00 5.7% Custos de reposição R$ 73,00 22.6% Mão de obra R$ 2,00 0.1% Tratamento R$ 13,00 4.1% Serviço veterinário R$ 4,80 1.5% Total R$ 323,00 100% Perdas estimadas: 1 U$D = R$ 1,75 -184 U$ por vaca -18 400 U$ por 100 vacas -28 milhões de U$ no estado do Kentucky -1.7 bilhões de U$ dos Estados Unidos – estudo realizado pela Escola de Agricultura do kentucky – W. Crist, R. Harmon, J. O’Leary, A. McAllister. TABELA COM VALORES CONVERTIDOS DE U$ / R$
  • 5. Mastite : diferentes formas  Se classificam como:  Mastites clínicas: identificadas por sintomas aparentes tanto na vaca como no leite.  Mastites subclínicas: sem sinais visíveis porém revelados somente por testes individuais e pela análise da qualidade do leite (CCS) As mastites são caracterizadas pela inflamação do úbere devido a invasão de germes patogênicos vindos do ambiente
  • 6. Mastite: as consequências Promovem modificações na composição do leite:  Modificação na taxa de proteína,gordura, açúcares, minerais, etc…  Aumento na Contagem de Células Somáticas – CCS- ( consequente aumento da Lipólise e Proteólise).  Presença de germes patogênicos.
  • 7. Mastite : as consequências * Seegers H. Fournichon C., Beaudeau F. 2003. Production effects related to mastitis ans mastitis economics in dairy cattle herds. Vet Res. 34, 475-491. Provocam uma redução no volume de leite produzido *  mastites clínicas : perdas estimadas em torno 5% por lactação (raça holandesa, mastite no 2° mês de lactação).  mastites subclínicas: perdas estimadas em torno de 0,5 kgs de leite cada vez que a CCS se multiplica por 2 a partir de 50.000 células/ml
  • 8. Mastite: processo de contaminação Normalmente ocorre quando: • o equipamento ou o teto estão contaminados e durante a ordenha ocorre entrada ar carreando germes para dentro dos tetos . • antes do fechamento do esfincter do teto – após a ordenha. •A contaminação ocorre pela entrada de germes patogênicos através do canal do teto.
  • 9. Os tetos O teto é a passagem obrigatória de toda a produção de leite das vacas. Estes apresentam 2 áreas de risco: •O esfincter •A pele O esfincter em bom estado é uma verdadeira barreira natural:  Finalizada a ordenha a musculatura do esfincter permitirá o fechamento progressivo do canal do teto.  Este estará totalmente fechado em aproximadamente 1 hora após a ordenha.
  • 10. A pele dos tetos Pele seca Pele hidratada A PELE DEBILITADA É UM RESERVATÓRIO DE GERMES PATOGÊNICOS. •Uma grande quantidade de germes colonizam a pele sobretudo quando está rachada e seca. •Certas bactérias tem uma particularidade de incrustar-se na pele (Staphylococos aureus). •Certos agentes patogênicos, como o poxvírus , podem causar grande ressecamento dificultando a limpeza dos tetos fazendo com que a ordenha seja quase impossível.
  • 11. O conceito HYPRED Após a ordenha promover uma proteção eficaz dos tetos contra todas as formas de agressão externa:  agentes patogênicos (Bactérias, vírus…)  agressões ligadas as más condições de produção ( alta concentração de animais, ambiente sujo, umidade, moscas, equipamentos desregulados etc..-).  agressões ligadas as condições climáticas ( frio, chuva, sol …)
  • 12. A importância de selar os tetos O produto utilizado deverá cumprir 2 funções essenciais:  Ação desinfetante  Ação cosmética
  • 13. A desinfecção Ao final da ordenha, uma certa quantidade de microorganismos ( patogênicos ou não ) estão presentes sobre a pele dos tetos:  Alguns porque possuem a particularidade de incrustar-se na pele ( staphylococuc aureus)  outros por terem sido transmitidos pelas teteiras no momento da ordenha O produto utilizado deverá destruir todos os microorganismos, o mais rápido possível: E deverá ser bactericida e viricida
  • 14. A ação cosmética  condicões de produção,  estágio de lactação,  condições climáticas,  qualidade da ordenha  Possuem grande influência sobre o estado da pele dos tetos. O produto utilizado deverá possuir características cosméticas adaptadas: • condicões de produção. • condições climáticas. • estágio de lactação dos animais Ordenhar um animal com a pele dos tetos rachada e ressecada, é mais delicado e apresenta maior riscos de contaminação ( butíricos no leite, contaminação cruzada, etc…)
  • 15. Produto Formulado X Princípio Ativo •A porcentagem de moléculas desinfetantes dentro de um produto não pode ser considerado como o único fator de eficácia •Mais de 20 matérias primas estão presentes na formulação de um produto completo, com diversas finalidades ( germicida / cosmético/ estabilizantes....) •Somente testes realizados sobre as fórmulas nos garantem a sua eficácia Laboratório de Microbiologia HYPRED Normativa de Biocidas UE
  • 16. Pontos chaves Custo da mastite : - por vaca R$ 323,00 ( USA) Dois pontos de risco: - Esfincter - Pele do teto.  Duas qualidades essenciais do selador - Desinfecção - Ação cosmética Um selador é um produto completo e sua eficácia não deve ser baseada apenas no poder de desinfecção