SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
Mastite dos bovinos:
identificação, controle e
prevenção
Vania Oliveira - Médica Veterinária
Tipos de mastite:
Mastite clínica Mastite subclínica
Mastite ou mamite
Microrganismos que causam mastite contagiosa:
Staphylococcus aureus e
Streptococcus agalactiae
Microrganismos que causam mastite ambiental:
Escherichia coli
Klebsiella
Streptococcus uberis
Streptococcus dysgalactiae
Streptococcus bovis
Enterococcus
Pseudomonas
Leveduras, algas
Mastite ou mamite
E. coli
S. aureus
E. coli
Glândula mamária
Estrutura do úbere
Assim se divide a glândula
mamária, isto é, em quatro partes
conhecidas por quartos mamários.
Como ocorre a infecção da Glândula
mamária
Lesões da Glândula mamária por
Staphylococcus aureus
O que é significa Contagem de Células
Somáticas (CCS)?
•São as células de defesa que o organismo animal produz em
função de alguma inflamação;
•Essas células passam da corrente sanguínea para a mama;
•O teste que avalia a quantidade de células somáticas no leite
é conhecido por CCS.
O que significa CTB?
• É o número total de bactérias contidas no leite (UFC/mL);
• Indica as condições de higiene de ordenha, da ordenhadeira,
dos utensílios de ordenha, etc.
• Estes microrganismos crescem em altas temperaturas.
Principal consequência da CTB alta - Leite Ácido
• Comum em leite com contagem acima de 1.000.000 UFC/ml;
• Leite em temperaturas altas – bactérias transformam lactose
em ácido lático.
• Leite de dois tetos de uma vaca não higienizados:
1.765.000 M.O./ml
• Leite dos demais tetos da mesma vaca após a higienização:
168.000 M.O./ml
•Leite ordenhado em balde mal
lavado: 618.000 germes/ml
•Leite ordenhado em balde bem
lavado: 292 germes/ml
EEfeito da higiene na carga microbiana do leite
Testes para identificar mastite subclínica
1- California Mastitis Test – CMT.
Material necessário
Testes para identificar mastite subclínica
Interpretação do teste de CMT e relação
CMT x CCS
Teste de Contagem de Células Somáticas
• individual: com amostras de leite de cada vaca
• de rebanho: com amostras de leite do tanque de
refrigeração
Rebanho (amostra tanque):
Vacas (amostra individual):
Interpretação e estimativa da influência do
número de células somáticas na produção
de leite de rebanhos
CCS
(x1.000)
Estimativa da gravidade do
problema
Redução na
produção (%)
% Animais
infectados
<250 Pouca ou nenhuma Irrelevante 6
250 – 500 Média 4 10
500 – 750 Acima da média 7 26
750 – 1.000 Ruim 15 ± 42
> 1.000 Muito ruim 18 ± 54
Fonte: Circular Técnica 70 – Embrapa Gado de Leite
Prejuízos devido a mastite
• Diminuição na produção de leite;
• Altos custos com casos clínicos;
• Custos com descarte e morte de animais;
Testes para identificar mastite clínica
1) Teste da caneca de fundo escuro
2) Teste visual
Controle e prevenção da mastite
Esguichar os primeiros jatos de leite em uma caneca de fundo
escuro:
•Detectar mastite clínica
•Redução na contagem bacteriana
1º jato – 16.000 Microorganismos/mL
2º jato – 480 Microorganismos/mL
3º jato – 360 Microorganismos/mL
Mastite Clínica: sinais
Grau 1: forma branda, leite anormal (pode haver
alterações de cor, presença de grumos, pus, sangue,
coágulos)
Grau 2: alterações no leite e na glândula mamária (dor,
edema, rubor, calor)
Grau 3: leite e glândula mamária anormal, vaca pode
apresentar apatia, desidratação, hipertermia
Planilha ocorrência de mastite
Controle e prevenção da mastite
Fatores de risco para novas infecções e
infecções crônicas
• Características relacionadas ao rebanho:
1. Comprar animais de fora
2. Não descartar animais com infecção crônica
3. Não realizar exames microbiológicos
• Características relacionadas a cada vaca
1. Período de lactação
2. Ordem de parto
Medidas essenciais no controle da mastiteMedidas essenciais no controle da mastite
• Conhecer o problema de cada propriedadeConhecer o problema de cada propriedade
• Rotina de ordenhaRotina de ordenha
• Limpeza e manutenção do equipamentoLimpeza e manutenção do equipamento
• Higiene e conforto no ambiente de permanência dos animaisHigiene e conforto no ambiente de permanência dos animais
• Tratamento imediato dos casos clínicosTratamento imediato dos casos clínicos
• Terapia de vaca secaTerapia de vaca seca
• Descarte e segregação de animais crônicosDescarte e segregação de animais crônicos
• Ter um plano de biossegurança na propriedade (compraTer um plano de biossegurança na propriedade (compra
animais)animais)
• Capacitar os funcionários (treinamento)Capacitar os funcionários (treinamento)
• Contar com uma adequada assistência técnicaContar com uma adequada assistência técnica
Controle e prevenção da mastite
Principais Fontes de Contaminação
Microbianas• Ordenhar tetos sujos;
• Ordenhador (mãos e roupas sujas);
• Utensílios e equipamentos de ordenha inadequados e
sujos;
• Água, local sujo;
• Glândula mamária infectada;
Controle e prevenção da mastite
Limpeza das instalações
• Medidas diárias de limpeza no espaço de produção e
proximidades.
• Higiene dos equipamentos, instalações e maquinários.
• Higienização com detergente neutro, água potável, escovas,
vassouras, baldes e luvas.
Saúde e higiene do ordenhador
Controle e prevenção da mastite
• Manutenção do equipamento
• Realizar a limpeza e desinfecção diária dos
equipamentos de ordenha
• Usar detergentes e desinfetantes apropriados para
a higienização
• Fazer inspeção visual - resíduos ou depósito nas
superfícies
Capacitar o ordenhador
Controle e prevenção da mastite
Manejo do animal durante a ordenha
Opção 1
Opção 2
Controle e prevenção da mastite
Duas premissas:
•Evitar novas infecções
•Tratar as infecções já existentes
Tratamento da mastite clínica
• Quanto mais cedo o diagnóstico e mais rápido o início do
tratamento, maior é a chance de cura.
• Cuidados com aplicação da bisnaga: podem veicular bactérias
para interior do teto.
• Confirmação de cura clínica: leite normal depois de 5 dias e
sem recidiva até 3 semanas pós tratamento.
• Vacas mais velhas e aquelas com histórico de casos clínicos
podem não responder bem ao tratamento.
Tratamento da mastite
Assegure que o úbere esteja limpo e seco e que a ordenha foi
completa
Terapia de vaca seca
• Previne novas infecções no período seco
• Trata as infecções subclínicas adquiridas durante a
lactação
• Taxa de cura: 70-90%
Taxa de Infecção com o uso ou não da terapia de vaca seca
Semtratamentoparaas
vacassecas
Tratamentodasvacassecas
comcefalosporina
Mastiteclínicanoperíodoseco 12de134vacas(8,96%) 0de117vacas(0%)
Novainfecçãonoparto 42de122vacas(34,4%) 12de117vacas(10,3%)
BERRY e HILLERTON, 2000
Antibióticos no leite
Problemas relacionados aos antibióticos:
•De saúde: tumores malignos, reações alérgicas, seleção de
bactérias resistentes
•Técnicos: Resistência térmica
- Reduz/Inibe a atividade de culturas lácticas.
-Pasteurização (72-75 ºC/15-20s): nenhuma/pouca ação.
-UHT (130-140ºC/2-4s): não elimina.
-Fervura: destroi 50% da penicilina, 66% da estreptomicina e
90% da oxitetraciclina e tetraciclina.
Prevenção de resíduos de antibióticos
no leite
• Ler o rótulo e a bula do antibiótico: período de descarte do leite;
recomendações quanto ao uso e via de aplicação; dosagem
recomendada.
• Identificar os animais tratados e ordenhá-los separadamente
• Descartar o leite dos quatro quartos mamários (conforme
informações da bula)
• Anotar todos os tratamentos realizados, registrando o dia do
início do tratamento, o medicamento administrado e o período
de descarte do leite.
Importância do treinamento prático e
teórico para produtores e ordenhadores
• Manejo Inadequado
Importância do treinamento prático e
teórico para produtores e ordenhadores
• Manejo adequado
Importância do treinamento prático e
teórico para produtores e ordenhadores
• Tornam-se mais responsáveis;
• Põem em prática os ensinamentos;
• Procuram novos conhecimentos.
Profissionais manipulando alimentos
para o consumo humano
Obrigada
vania.oliveira@embrapa.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosMarília Gomes
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
Ectima contagioso
Ectima contagioso Ectima contagioso
Ectima contagioso gecoufba
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosKiller Max
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Agricultura Sao Paulo
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneKiller Max
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃOHenriqueKanada
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaMarília Gomes
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamentoLucas Camilo
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteMarília Gomes
 

Mais procurados (20)

Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Ectima contagioso
Ectima contagioso Ectima contagioso
Ectima contagioso
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 

Destaque

QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23equipeagroplus
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastiteAgriPoint
 
Catalogo tropical genetica e produção
Catalogo tropical genetica e produçãoCatalogo tropical genetica e produção
Catalogo tropical genetica e produçãoAgriPoint
 
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...PIFOZ
 
Senar produção de leite conforme in 62
Senar   produção de leite conforme in 62Senar   produção de leite conforme in 62
Senar produção de leite conforme in 62Jane Domingues
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1UTAD
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaPatrícia Oliver
 
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Jéssica Da Silva
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroRafael Soares Dias
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasMarcia Azevedo
 

Destaque (17)

Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
QualiLeiteFunarbe_2016.05.23
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastite
 
Catalogo tropical genetica e produção
Catalogo tropical genetica e produçãoCatalogo tropical genetica e produção
Catalogo tropical genetica e produção
 
José guilherme tollstadius leal
José guilherme tollstadius lealJosé guilherme tollstadius leal
José guilherme tollstadius leal
 
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
 
Epamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalvesEpamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalves
 
Senar produção de leite conforme in 62
Senar   produção de leite conforme in 62Senar   produção de leite conforme in 62
Senar produção de leite conforme in 62
 
Emater mg alimentacao_gado_leiteiro
Emater mg alimentacao_gado_leiteiroEmater mg alimentacao_gado_leiteiro
Emater mg alimentacao_gado_leiteiro
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamaria
 
Boas praticas de manejo na ordenha
Boas praticas de manejo na ordenhaBoas praticas de manejo na ordenha
Boas praticas de manejo na ordenha
 
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
 
Glandula mamaria
Glandula mamariaGlandula mamaria
Glandula mamaria
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
 
Manual de Ordenha
Manual de OrdenhaManual de Ordenha
Manual de Ordenha
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 

Semelhante a Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção

Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite LarissaFerreira258
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaAlice Melo Candido
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidadefelipesoaresdesouza2
 
Zoetis material pdf_300317
Zoetis material pdf_300317Zoetis material pdf_300317
Zoetis material pdf_300317MilkPoint
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emClaysson Xavier
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraanarosapovoa
 
Imunização e Controle de Doenças
Imunização e Controle de DoençasImunização e Controle de Doenças
Imunização e Controle de Doençascolegioicj
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueFábio Baía
 
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...AgriPoint
 
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da HipraTopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da HipraAgriPoint
 
Zoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas iZoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas iRenata Fuverki
 
Aula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_pisciculturaAula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_pisciculturaAdimar Cardoso Junior
 
Medidas e ferramentas de prevenção das DTAs
Medidas e ferramentas de prevenção das DTAsMedidas e ferramentas de prevenção das DTAs
Medidas e ferramentas de prevenção das DTAsKetlenBatista
 

Semelhante a Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção (20)

Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
Curso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenhaCurso de boas praticas na ordenha
Curso de boas praticas na ordenha
 
Encarte 6º ponto_af
Encarte 6º ponto_afEncarte 6º ponto_af
Encarte 6º ponto_af
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
 
Zoetis material pdf_300317
Zoetis material pdf_300317Zoetis material pdf_300317
Zoetis material pdf_300317
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
 
Imunização e Controle de Doenças
Imunização e Controle de DoençasImunização e Controle de Doenças
Imunização e Controle de Doenças
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
 
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
Hipra apresenta primeira vacina registrada na EMEA (Agência Européia de Medic...
 
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da HipraTopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
TopVac, a vacina inativada contra a mastite bovina da Hipra
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Zoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas iZoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas i
 
Aula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_pisciculturaAula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
Aula 04 manejo_sanitario_na_piscicultura
 
Topvac
TopvacTopvac
Topvac
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Encarte 3º ponto_af
Encarte 3º ponto_afEncarte 3º ponto_af
Encarte 3º ponto_af
 
Medidas e ferramentas de prevenção das DTAs
Medidas e ferramentas de prevenção das DTAsMedidas e ferramentas de prevenção das DTAs
Medidas e ferramentas de prevenção das DTAs
 

Mais de Leonardo Gravina

Palestra 7: Empreendendo na produção de leite
Palestra 7: Empreendendo na produção de leitePalestra 7: Empreendendo na produção de leite
Palestra 7: Empreendendo na produção de leiteLeonardo Gravina
 
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...Leonardo Gravina
 
Palestra 9: Experiências de um jovem empreendedor
Palestra 9: Experiências de um jovem empreendedorPalestra 9: Experiências de um jovem empreendedor
Palestra 9: Experiências de um jovem empreendedorLeonardo Gravina
 
Palestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campo
Palestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campoPalestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campo
Palestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campoLeonardo Gravina
 
Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...
Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...
Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...Leonardo Gravina
 
Apresentação lançamento edital - agosto 2016
Apresentação lançamento edital - agosto 2016Apresentação lançamento edital - agosto 2016
Apresentação lançamento edital - agosto 2016Leonardo Gravina
 
Produção de leite com qualidade - SIT
Produção de leite com qualidade - SITProdução de leite com qualidade - SIT
Produção de leite com qualidade - SITLeonardo Gravina
 
Administrando o custo de produção da atividade leiteira
Administrando o custo de produção da atividade leiteiraAdministrando o custo de produção da atividade leiteira
Administrando o custo de produção da atividade leiteiraLeonardo Gravina
 
Produção de leite com vacas F1 Holandês x Zebu
Produção de leite com vacas F1 Holandês x ZebuProdução de leite com vacas F1 Holandês x Zebu
Produção de leite com vacas F1 Holandês x ZebuLeonardo Gravina
 

Mais de Leonardo Gravina (12)

Palestra 7: Empreendendo na produção de leite
Palestra 7: Empreendendo na produção de leitePalestra 7: Empreendendo na produção de leite
Palestra 7: Empreendendo na produção de leite
 
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
Palestra 4: Estratégias que auxiliam o processo de sucessão nos empreendiment...
 
Palestra 9: Experiências de um jovem empreendedor
Palestra 9: Experiências de um jovem empreendedorPalestra 9: Experiências de um jovem empreendedor
Palestra 9: Experiências de um jovem empreendedor
 
Palestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campo
Palestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campoPalestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campo
Palestra 8: Experiências do Senar Minas – Minas Jovem Rural: sucessão no campo
 
Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...
Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...
Palestra 6: O papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e sua participaçã...
 
Chamada publica
Chamada publicaChamada publica
Chamada publica
 
Apresentação lançamento edital - agosto 2016
Apresentação lançamento edital - agosto 2016Apresentação lançamento edital - agosto 2016
Apresentação lançamento edital - agosto 2016
 
Produção de leite com qualidade - SIT
Produção de leite com qualidade - SITProdução de leite com qualidade - SIT
Produção de leite com qualidade - SIT
 
Minas Pecuária
Minas PecuáriaMinas Pecuária
Minas Pecuária
 
Administrando o custo de produção da atividade leiteira
Administrando o custo de produção da atividade leiteiraAdministrando o custo de produção da atividade leiteira
Administrando o custo de produção da atividade leiteira
 
Produção de leite com vacas F1 Holandês x Zebu
Produção de leite com vacas F1 Holandês x ZebuProdução de leite com vacas F1 Holandês x Zebu
Produção de leite com vacas F1 Holandês x Zebu
 
Framework Miolo
Framework MioloFramework Miolo
Framework Miolo
 

Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção

  • 1. Mastite dos bovinos: identificação, controle e prevenção Vania Oliveira - Médica Veterinária
  • 2. Tipos de mastite: Mastite clínica Mastite subclínica Mastite ou mamite
  • 3. Microrganismos que causam mastite contagiosa: Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae Microrganismos que causam mastite ambiental: Escherichia coli Klebsiella Streptococcus uberis Streptococcus dysgalactiae Streptococcus bovis Enterococcus Pseudomonas Leveduras, algas Mastite ou mamite E. coli S. aureus E. coli
  • 4. Glândula mamária Estrutura do úbere Assim se divide a glândula mamária, isto é, em quatro partes conhecidas por quartos mamários.
  • 5. Como ocorre a infecção da Glândula mamária
  • 6. Lesões da Glândula mamária por Staphylococcus aureus
  • 7. O que é significa Contagem de Células Somáticas (CCS)? •São as células de defesa que o organismo animal produz em função de alguma inflamação; •Essas células passam da corrente sanguínea para a mama; •O teste que avalia a quantidade de células somáticas no leite é conhecido por CCS.
  • 8. O que significa CTB? • É o número total de bactérias contidas no leite (UFC/mL); • Indica as condições de higiene de ordenha, da ordenhadeira, dos utensílios de ordenha, etc. • Estes microrganismos crescem em altas temperaturas.
  • 9. Principal consequência da CTB alta - Leite Ácido • Comum em leite com contagem acima de 1.000.000 UFC/ml; • Leite em temperaturas altas – bactérias transformam lactose em ácido lático. • Leite de dois tetos de uma vaca não higienizados: 1.765.000 M.O./ml • Leite dos demais tetos da mesma vaca após a higienização: 168.000 M.O./ml •Leite ordenhado em balde mal lavado: 618.000 germes/ml •Leite ordenhado em balde bem lavado: 292 germes/ml EEfeito da higiene na carga microbiana do leite
  • 10. Testes para identificar mastite subclínica 1- California Mastitis Test – CMT. Material necessário
  • 11. Testes para identificar mastite subclínica
  • 12. Interpretação do teste de CMT e relação CMT x CCS
  • 13. Teste de Contagem de Células Somáticas • individual: com amostras de leite de cada vaca • de rebanho: com amostras de leite do tanque de refrigeração Rebanho (amostra tanque): Vacas (amostra individual):
  • 14. Interpretação e estimativa da influência do número de células somáticas na produção de leite de rebanhos CCS (x1.000) Estimativa da gravidade do problema Redução na produção (%) % Animais infectados <250 Pouca ou nenhuma Irrelevante 6 250 – 500 Média 4 10 500 – 750 Acima da média 7 26 750 – 1.000 Ruim 15 ± 42 > 1.000 Muito ruim 18 ± 54 Fonte: Circular Técnica 70 – Embrapa Gado de Leite
  • 15. Prejuízos devido a mastite • Diminuição na produção de leite; • Altos custos com casos clínicos; • Custos com descarte e morte de animais;
  • 16. Testes para identificar mastite clínica 1) Teste da caneca de fundo escuro 2) Teste visual
  • 17. Controle e prevenção da mastite Esguichar os primeiros jatos de leite em uma caneca de fundo escuro: •Detectar mastite clínica •Redução na contagem bacteriana 1º jato – 16.000 Microorganismos/mL 2º jato – 480 Microorganismos/mL 3º jato – 360 Microorganismos/mL
  • 18. Mastite Clínica: sinais Grau 1: forma branda, leite anormal (pode haver alterações de cor, presença de grumos, pus, sangue, coágulos) Grau 2: alterações no leite e na glândula mamária (dor, edema, rubor, calor) Grau 3: leite e glândula mamária anormal, vaca pode apresentar apatia, desidratação, hipertermia
  • 20. Controle e prevenção da mastite Fatores de risco para novas infecções e infecções crônicas • Características relacionadas ao rebanho: 1. Comprar animais de fora 2. Não descartar animais com infecção crônica 3. Não realizar exames microbiológicos • Características relacionadas a cada vaca 1. Período de lactação 2. Ordem de parto
  • 21. Medidas essenciais no controle da mastiteMedidas essenciais no controle da mastite • Conhecer o problema de cada propriedadeConhecer o problema de cada propriedade • Rotina de ordenhaRotina de ordenha • Limpeza e manutenção do equipamentoLimpeza e manutenção do equipamento • Higiene e conforto no ambiente de permanência dos animaisHigiene e conforto no ambiente de permanência dos animais • Tratamento imediato dos casos clínicosTratamento imediato dos casos clínicos • Terapia de vaca secaTerapia de vaca seca • Descarte e segregação de animais crônicosDescarte e segregação de animais crônicos • Ter um plano de biossegurança na propriedade (compraTer um plano de biossegurança na propriedade (compra animais)animais) • Capacitar os funcionários (treinamento)Capacitar os funcionários (treinamento) • Contar com uma adequada assistência técnicaContar com uma adequada assistência técnica
  • 22. Controle e prevenção da mastite Principais Fontes de Contaminação Microbianas• Ordenhar tetos sujos; • Ordenhador (mãos e roupas sujas); • Utensílios e equipamentos de ordenha inadequados e sujos; • Água, local sujo; • Glândula mamária infectada;
  • 23. Controle e prevenção da mastite Limpeza das instalações • Medidas diárias de limpeza no espaço de produção e proximidades. • Higiene dos equipamentos, instalações e maquinários. • Higienização com detergente neutro, água potável, escovas, vassouras, baldes e luvas. Saúde e higiene do ordenhador
  • 24. Controle e prevenção da mastite • Manutenção do equipamento • Realizar a limpeza e desinfecção diária dos equipamentos de ordenha • Usar detergentes e desinfetantes apropriados para a higienização • Fazer inspeção visual - resíduos ou depósito nas superfícies Capacitar o ordenhador
  • 25. Controle e prevenção da mastite Manejo do animal durante a ordenha Opção 1 Opção 2
  • 26. Controle e prevenção da mastite Duas premissas: •Evitar novas infecções •Tratar as infecções já existentes
  • 27. Tratamento da mastite clínica • Quanto mais cedo o diagnóstico e mais rápido o início do tratamento, maior é a chance de cura. • Cuidados com aplicação da bisnaga: podem veicular bactérias para interior do teto. • Confirmação de cura clínica: leite normal depois de 5 dias e sem recidiva até 3 semanas pós tratamento. • Vacas mais velhas e aquelas com histórico de casos clínicos podem não responder bem ao tratamento.
  • 28. Tratamento da mastite Assegure que o úbere esteja limpo e seco e que a ordenha foi completa
  • 29. Terapia de vaca seca • Previne novas infecções no período seco • Trata as infecções subclínicas adquiridas durante a lactação • Taxa de cura: 70-90% Taxa de Infecção com o uso ou não da terapia de vaca seca Semtratamentoparaas vacassecas Tratamentodasvacassecas comcefalosporina Mastiteclínicanoperíodoseco 12de134vacas(8,96%) 0de117vacas(0%) Novainfecçãonoparto 42de122vacas(34,4%) 12de117vacas(10,3%) BERRY e HILLERTON, 2000
  • 30. Antibióticos no leite Problemas relacionados aos antibióticos: •De saúde: tumores malignos, reações alérgicas, seleção de bactérias resistentes •Técnicos: Resistência térmica - Reduz/Inibe a atividade de culturas lácticas. -Pasteurização (72-75 ºC/15-20s): nenhuma/pouca ação. -UHT (130-140ºC/2-4s): não elimina. -Fervura: destroi 50% da penicilina, 66% da estreptomicina e 90% da oxitetraciclina e tetraciclina.
  • 31. Prevenção de resíduos de antibióticos no leite • Ler o rótulo e a bula do antibiótico: período de descarte do leite; recomendações quanto ao uso e via de aplicação; dosagem recomendada. • Identificar os animais tratados e ordenhá-los separadamente • Descartar o leite dos quatro quartos mamários (conforme informações da bula) • Anotar todos os tratamentos realizados, registrando o dia do início do tratamento, o medicamento administrado e o período de descarte do leite.
  • 32. Importância do treinamento prático e teórico para produtores e ordenhadores • Manejo Inadequado
  • 33. Importância do treinamento prático e teórico para produtores e ordenhadores • Manejo adequado
  • 34. Importância do treinamento prático e teórico para produtores e ordenhadores • Tornam-se mais responsáveis; • Põem em prática os ensinamentos; • Procuram novos conhecimentos.