SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
Biosseguridade em
suínos e aves
Prof. Msc. Marília Gomes
Biossegurança
Indica normas e procedimentos relacionados a
saúde humana, estes são permanentes e
normalmente inflexíveis, a não ser para se
tornarem ainda mais restritivos (Sesti, 2004).
Biosseguridade
Conjunto de procedimentos técnicos imprescindíveis
que visa de forma direta e, indireta prevenir, diminuir
ou controlar os desafios gerados na produção de
animais frente aos agentes patogênicos que possam ter
impacto na produtividade destes rebanhos e/ou na
saúde dos consumidores de produtos (Sesti, 2004).
• Definida como a prática de medidas que visam
minimizar riscos e impactos de enfermidades ou
presença de resíduos (biológicos, químicos ou físicos)
em populações animais ou nos produtos derivados
destes (Soncini, 2007).
BIOSSEGURIDADE
• Saúde animal
• Normas flexíveis
• Riscos assumidos
• Prevenção e seguridade
• Medicina veterinária preventiva
BIOSSEGURANÇA
• Saúde humana
• Normas permanentes
• 0% de riscos
• 100% proteção
• Princípios da precaução
Aumento da população mundial
Maior demanda de alimentos
Crescimento da comercialização de
animais e seus produtos
Aumento da produtividade
(melhoramento em genética e tecnologia)
A única maneira de se manterem
livres ou controlados os sistemas de
produção e seus rebanhos, no que diz
respeito à presença de agentes de
enfermidades de impacto econômico
na produtividade e/ou perigosos para
a saúde pública (zoonoses), é através
da utilização de um efetivo programa
de biosseguridade.
• Deverá contemplar todos os aspectos gerais da medicina
veterinária preventiva bem como, conter aspectos
direcionados a cada sistema de produção em particular.
NA PRÁTICA DA PRODUÇÃO
• Significa a implantação e
desenvolvimento de um conjunto de
políticas e normas operacionais
rígidas que terão a função de
proteger os rebanhos contra a
introdução de quaisquer tipos de
agentes infecciosos (Moretti, 2007).
• Significa o estabelecimento de um nível de
segurança de seres vivos por meio da diminuição do
risco de ocorrência de enfermidades agudas e
crônicas em uma população (Moretti, 2007).
• É um conjunto de medidas e procedimentos de cuidados
com a saúde do plantel, aplicados em todas as etapas da
criação, interagindo com os diversos setores que compõe o
sistema produtivo (Jaenisch, 2004)
E PORQUE ISSO???
Zoonoses
• Doenças infecciosas naturalmente transmitidas entre
animais e seres humanos
• Microrganismos como bactérias, fungos, vírus, helmintos
e rickettsias
• Antropozoonoses: animal --> homem
• Zooantroponoses: homem --> animal
• Saúde animal sempre foi, e sempre será, uma das
principais, senão a principal barreira não tarifária para
embargo de nossas exportações ao resto do mundo.
Porque
biosseguridade
e
não
biossegurança?
• Um programa que adotasse os princípios de
biossegurança inviabilizaria a produção
animal, ou seja, “engessaria” de tal forma a
estrutura de produção que inviabilizaria o
fluxo normal de produção e a
disponibilidade de alimentos aos
consumidores.
Afinal, o que
precisamos?
Viabilizar uma
produção rentável
De alta qualidade
Protegendo a saúde
humana
Sesti, 2000
Tenham em mente!
• As medidas de biosseguridade funcionam integradas, requer
muita disciplina e são caras
• É um investimento que preserva a saúde do
rebanho, prioridade de um sistema de produção
• Prevenir sempre foi e sempre será mais
viável do que qualquer tipo de perdas
causadas por enfermidades
• Um programa planejado permite uma
cultura de higiene dentro do setor de
produção animal, cujos benefícios
obtidos se evidenciam na melhor
conversão alimentar, melhor ganho de
peso diário, redução do uso de vacinas
e medicamentos e, consequentemente
redução da mortalidade e garantindo
assim, bem estar animal.
• As boas práticas contempladas no programa de
biosseguridade devem ser revisadas rotineiramente e
modificadas de acordo com mudanças nos objetivos
econômicos, legais e de produtividade do sistema de
produção animal em questão.
Por onde começa um bom projeto de
biosseguridade?
•Projeto ambiental
•Projeto técnico
•Escolha e preparo do terreno
•Planejamento da produção
•Estudo da viabilidade econômica
Planejamento da atividade
Gestão do
estabelecimento
Visão estratégica
do negócio
Receitas do
suinocultor
Custo de
produção
Análise de
resultados
Aspectos
financeiros
Associativismo e
cooperativismo
Registro e
documentação
Biossegurança e
biosseguridade
8 PONTOS CRÍTICOS
Localização e isolamento das granjas
• Local tranquilo
• Distante de outras propriedades do mesmo setor
• Distante de frigoríficos e abatedouros
• Protegida por barreiras naturais e físicas
• Obedecida a direção do vento
• Cerca periférica com
entrada única
• Sistema de desinfecção
de pessoas e veículos
• Embarcadouro junto
à cerca periférica
Desinfecções
• Sem arco de desinfecção
- aspersão manual
• Algumas granjas exigem
desinfecção manual com
jato antes do arco
• 3km/h
• Desinfecção para a
introdução de materiais
e equipamentos
• Fumigador ou solução
de formaldeído (10%) ou
glutaraldeído
• Dispor de livro de registro de visitas:
Identificando a última data e local de visitas a outras
granjas de suídeos, laboratórios, matadouros, frigoríficos ou
outros locais com presença de suídeos
Vazio sanitário: mínimo de 48 horas – 72 horas
Microrganismos são carreados por longas distâncias
Controle de fluxo
Conduta do
visitante
Manter-se apresentável, com cabelos
aparados, barba feita, unhas
cortadas, uniforme limpo
Receber recomendações de como é o
funcionamento da empresa e o que
acontecerá durante a visita
Ser acompanhado, por um
encarregado ou proprietário, gerente
ou médico veterinário responsável
Conduta do
visitante
As recomendações durante a visita são
dirigidas pelo responsável da granja
juntamente com os responsáveis pelas
diferentes unidades
Obedecer rigorosamente o grau de
sanidade e idade dos animais nos
diferentes setores da granja
Antes de entrar em um local devem-se
desinfetar as botas em pedilúvios,
evitando assim a contaminação dos
diferentes ambientes
• Vestiário - paredes e pisos impermeáveis, banheiro,
chuveiro e vestuário
• Água de fonte conhecida
• Reservatórios protegidos, limpos e desinfetados (seis
meses)
Área interna - higienização
Certeza que isso aqui
todo mundo sabe fazer
depois de 2020
Clique para adicionar texto
• Higienização das instalações e equipamentos:
Limpeza seca: remoção do material orgânico (cama,
ração, fezes, penas, ovos quebrados) com vassoura e
espátulas para raspar torrões de cama, de ração ou
outros resíduos
Os animais já devem ter sido retirados
• Higienização das instalações e equipamentos:
Limpeza úmida: limpeza com água e sabão ou
detergente (dispersam e removem a matéria orgânica
das superfícies)
• Higienização das instalações e equipamentos:
Desinfecção: agentes químicos que eliminam os
patógenos por contato, garantindo a máxima eficiência.
Deve ser realizado sempre na direção do teto para o
chão, distribuído por toda superfície. Durante esse
processo, as cortinas devem estar fechadas, para não
ocorrer correntes de ar e dispersar o desinfetante.
• Comedouros
e bebedouros
• Produtos utilizados:
1. Combinação de amônias
quaternária + aldeídos (Um
potencializa a ação do outro)
2. Base de fenóis
3. Cloreto de benzalcônio
*Eficazes para bactérias, leveduras
e alguns fungos e vírus
Importante
usar um
produto:
De amplo espectro
Eficiente diante de
matéria orgânica
Com poder residual
prolongado
Relação custo/benefício
favorável
Em estabelecimentos avícolas, a desinfecção deve ser
feita em todo o aviário, com combinação de produtos
à base de formaldeído e ácidos orgânicos,
por nebulização, um dia antes de alojar e, ao longo de
vida do lote, para diminuir a carga bacteriana do aviário.
Aplicou veneno para controle de pragas antes do processo de limpeza
Retirou toda matéria orgânica e restos de ração
Realizou lavagem com bomba de alta pressão e água fria
Realizou lavagem com bomba de alta pressão e água quente
Utilizou detergente para remoção de sujidades e gorduras
Enxaguo com água limpa
Esperou secar para aplicar desinfetante
Foi dado vazio preconizado
.
.
.
.
.
.
.
.
• Controle de pragas rigoroso, especializado e semanal
PROPRIEDADE SIM NÃO QUANTIDADE
Pragas mortas
Pragas vivas
• Proibido animais de estimação
• Certificado qualquer produção animal, atestadas suas
vacinações
• Compostagem*
• Diques de oxidação
• Bioesterqueira
• Biodigestor
• Lagoas de estabilização (aeróbias, anaeróbias e
facultativas)
Descartes de cadáveres, restos
de parto e dejetos
AERÓBIO
ANAERÓBIO
Programa de
vacinação
Deve ter foco no controle
dos desafios sanitários
intercorrentes na região e
basear-se em resultados
técnicos e laboratoriais.
• Alguns pontos principais para o êxito da vacinação:
Seguir o cronograma proposto;
Respeitar prazos de validade, vias de aplicação e diluições;
Realizar treinamento sistemático e educação contínua;
Manusear e conservar as vacinas de forma adequada;
Manter a qualidade da água na vacinação (T°C e pH);
Limpar e desinfetar utensílios utilizados
Monitoramento de biosseguridade e
erradicação de doenças
• O monitoramento sorológico e bacteriano tem a função de
avaliar e reajustar o programa de vacinação, determinar
os níveis de imunidade, diagnosticar surtos de doença e
avaliar a biossegurança na granja.
• São utilizados métodos de suabes estéreis e
plaqueamentos para avaliação dos desafios e da
eficiência de um programa de limpeza e desinfecção.
• Monitoram a carga microbiológica de enterobactérias e
presença de salmonela (aves).
• Com esses resultados é possível fazer um plano de ação
na tentativa de erradicação dessas doenças.
• Exames realizados por laboratório do MAPA (oficial)
• Como são feitas as coletas em produção de aves?
Do 1° ao 5° dia de vida – iniciam as coletas;
12 semanas - realizam-se coletas de 300 soros (por lote ou
núcleos) e um pro pé por aviário em recrias;
25 semanas - coletas de 150 soros (por lote ou núcleos) e um
pro pé por aviário na produção;
• Exames solicitados: SAR-MG, SAR-MS e ISL-SALM
Controle de procedimentos
• Checam o programa de biosseguridade
• Aplicação de programas de 5S e auditorias
• Mensal ou bimestralmente
• Se existirem erros: plano de ação e ajustes
• Os princípios do 5S auxiliam na obtenção de padrões
operacionais que contribuem para maior eficiência e
excelência na realização das tarefas de biosseguridade
Educação continuada
Contratação
Período
probatório
Necessidade
extra
SUÍNOS
4° maior produtor de carne suína do mundo
4° maior exportador
• Recomenda-se distância mínima de 3-5km entre granjas
• Distantes de centros urbanos
• Entre a barreira natural e a primeira instalação +-25
metros para evitar problemas de ventilação
• Quarentenério localizado distante da granja (vazio de 3-
4 dias)
• Por receber animais de alto valor genético e financeiro
de outra granja, que estarão em período de observação e
adaptação, recomenda-se que o quarentenário
tenha instalações com banho, troca de roupas e calçado
separados daqueles da granja.
PROGRAMA NACIONAL DE
SANIDADE SUÍDEA (PNSS)
• O PNSS é atualmente coordenado pela Divisão de
Sanidade das Aves do MAPA, foi instituído no âmbito da
Secretaria de Defesa Agropecuária pela Portaria nº 193,
de 19 de setembro de 1994.
AVES
2° maior produtor de carne de frango do mundo
Maior exportador
• Instrução Normativa nº 4/1998 (MAPA) - distâncias mínimas entre a
granja de matriz e outros estabelecimentos:
• Distância entre Granja e Abatedouro: 5.000m
• Distância entre Bisavozeiro e Avozeiro: 5.000m
• Distância entre Matrizeiros: 3.000m
• Distância entre Núcleos e Limites Periféricos da Propriedade: 100m
• Distância entre Núcleo e Estrada Vicinal: 500m
• Distância entre Núcleos de Diferentes Idades: 500m
• Distância entre Recria e Produção: 500m
• A distância mínima entre aviários do mesmo núcleo, é o dobro da largura
dos aviários.
• Cobb-Vantress é líder
mundial no fornecimento de
aves de produção para
frangos de corte
• Práticas sustentáveis
• Em 10 anos -6,5% em
gastos com energia elétrica
PROGRAMA NACIONAL DE
SANIDADE AVÍCOLA (PNSA)
• O PNSA é atualmente coordenado pela Divisão de
Sanidade das Aves do MAPA, foi instituído no âmbito da
Secretaria de Defesa Agropecuária pela Portaria nº 193,
de 19 de setembro de 1994.
Principais
objetivos
dos
programas
de
sanidade
(PNSS
e
PNSA):
• Prevenir e controlar as enfermidades de
interesse em avicultura e saúde pública
• Definir ações que possibilitem a certificação
sanitária do plantel avícola e suídeo
nacional
• Favorecer a elaboração de
produtos saudáveis para o mercado interno
e externo
Conclusão
• A biosseguridade é uma ferramenta
indispensável para assegurar a saúde dos
plantéis, dando condições aos animais de
expressarem o seu potencial genético. Esse
programa exige o comprometimento de todos,
com o objetivo de impedir o risco a entrada de
agentes na unidade de produção, garantido não
só a qualidade sanitária do plantel como
também a rentabilidade do setor produtivo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaKiller Max
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Raquel Jóia
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaUFSC
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃOHenriqueKanada
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012Universidade de São Paulo
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalMarília Gomes
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Agricultura Sao Paulo
 
Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesMarília Gomes
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturavelton12
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEMarília Gomes
 
Proteínas na alimentação animal
 Proteínas na alimentação animal Proteínas na alimentação animal
Proteínas na alimentação animalwellison nascimento
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalPortal Canal Rural
 

Mais procurados (20)

Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
 
Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Gado leite
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 
Vacinação Animal
Vacinação AnimalVacinação Animal
Vacinação Animal
 
Proteínas na alimentação animal
 Proteínas na alimentação animal Proteínas na alimentação animal
Proteínas na alimentação animal
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina final
 

Semelhante a Biosseguridade em suínos e aves

Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765EvertonMonteiro19
 
Implementação do Sistema HACCP numa Queijaria
Implementação do Sistema HACCP numa QueijariaImplementação do Sistema HACCP numa Queijaria
Implementação do Sistema HACCP numa QueijariaLara Amorim
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfssuserf1aeac2
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biossegurancaojcn
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIAKarineRibeiro57
 
frigorificos higienização
frigorificos higienizaçãofrigorificos higienização
frigorificos higienizaçãoCarlos Maciel
 
biossegurança e Organismos Geneticamente Modificados
biossegurança e Organismos Geneticamente Modificadosbiossegurança e Organismos Geneticamente Modificados
biossegurança e Organismos Geneticamente Modificadosrodrigosett40
 
Aula - Princípios básicos de higiene.pdf
Aula - Princípios básicos de higiene.pdfAula - Princípios básicos de higiene.pdf
Aula - Princípios básicos de higiene.pdfReneLeoneCarvalhodos
 
Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32SonynhaRegis
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensMarília Gomes
 
Higienização e haccp na indústria agro alimentar
Higienização e haccp na indústria agro alimentarHigienização e haccp na indústria agro alimentar
Higienização e haccp na indústria agro alimentarTiago Faisca
 
Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02
Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02
Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02Pelo Siro
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxBrunoaguiar97
 

Semelhante a Biosseguridade em suínos e aves (20)

Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
Biossegurança de OGMs_2015.pptx099978765
 
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptxAula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
Aula 1_Biosseg_2020_Nelma.pptx
 
Aula boas praticas fabricação
Aula boas praticas fabricaçãoAula boas praticas fabricação
Aula boas praticas fabricação
 
Implementação do Sistema HACCP numa Queijaria
Implementação do Sistema HACCP numa QueijariaImplementação do Sistema HACCP numa Queijaria
Implementação do Sistema HACCP numa Queijaria
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdfCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pdf
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIAAULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM  E FARMÁCIA
AULA DE BISSEGURANÇA TURMA DE ENFERMAGEM E FARMÁCIA
 
frigorificos higienização
frigorificos higienizaçãofrigorificos higienização
frigorificos higienização
 
biossegurança e Organismos Geneticamente Modificados
biossegurança e Organismos Geneticamente Modificadosbiossegurança e Organismos Geneticamente Modificados
biossegurança e Organismos Geneticamente Modificados
 
Aula - Princípios básicos de higiene.pdf
Aula - Princípios básicos de higiene.pdfAula - Princípios básicos de higiene.pdf
Aula - Princípios básicos de higiene.pdf
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32Norma regulamentadora 32
Norma regulamentadora 32
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Higienização e haccp na indústria agro alimentar
Higienização e haccp na indústria agro alimentarHigienização e haccp na indústria agro alimentar
Higienização e haccp na indústria agro alimentar
 
Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02
Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02
Higienizacaoehaccpnaindustriaagro alimentar-130504160847-phpapp02
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
 

Mais de Marília Gomes

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaMarília Gomes
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorMarília Gomes
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioMarília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaMarília Gomes
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisMarília Gomes
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoMarília Gomes
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMarília Gomes
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMarília Gomes
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensMarília Gomes
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesMarília Gomes
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosMarília Gomes
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioMarília Gomes
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularMarília Gomes
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenMarília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxMarília Gomes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesMarília Gomes
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicasMarília Gomes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Marília Gomes
 

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 

Último

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 

Último (20)

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 

Biosseguridade em suínos e aves

  • 1. Biosseguridade em suínos e aves Prof. Msc. Marília Gomes
  • 3. Indica normas e procedimentos relacionados a saúde humana, estes são permanentes e normalmente inflexíveis, a não ser para se tornarem ainda mais restritivos (Sesti, 2004).
  • 5. Conjunto de procedimentos técnicos imprescindíveis que visa de forma direta e, indireta prevenir, diminuir ou controlar os desafios gerados na produção de animais frente aos agentes patogênicos que possam ter impacto na produtividade destes rebanhos e/ou na saúde dos consumidores de produtos (Sesti, 2004).
  • 6. • Definida como a prática de medidas que visam minimizar riscos e impactos de enfermidades ou presença de resíduos (biológicos, químicos ou físicos) em populações animais ou nos produtos derivados destes (Soncini, 2007).
  • 7. BIOSSEGURIDADE • Saúde animal • Normas flexíveis • Riscos assumidos • Prevenção e seguridade • Medicina veterinária preventiva BIOSSEGURANÇA • Saúde humana • Normas permanentes • 0% de riscos • 100% proteção • Princípios da precaução
  • 8. Aumento da população mundial Maior demanda de alimentos Crescimento da comercialização de animais e seus produtos Aumento da produtividade (melhoramento em genética e tecnologia)
  • 9. A única maneira de se manterem livres ou controlados os sistemas de produção e seus rebanhos, no que diz respeito à presença de agentes de enfermidades de impacto econômico na produtividade e/ou perigosos para a saúde pública (zoonoses), é através da utilização de um efetivo programa de biosseguridade.
  • 10. • Deverá contemplar todos os aspectos gerais da medicina veterinária preventiva bem como, conter aspectos direcionados a cada sistema de produção em particular.
  • 11. NA PRÁTICA DA PRODUÇÃO • Significa a implantação e desenvolvimento de um conjunto de políticas e normas operacionais rígidas que terão a função de proteger os rebanhos contra a introdução de quaisquer tipos de agentes infecciosos (Moretti, 2007).
  • 12. • Significa o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos por meio da diminuição do risco de ocorrência de enfermidades agudas e crônicas em uma população (Moretti, 2007).
  • 13. • É um conjunto de medidas e procedimentos de cuidados com a saúde do plantel, aplicados em todas as etapas da criação, interagindo com os diversos setores que compõe o sistema produtivo (Jaenisch, 2004) E PORQUE ISSO???
  • 14. Zoonoses • Doenças infecciosas naturalmente transmitidas entre animais e seres humanos • Microrganismos como bactérias, fungos, vírus, helmintos e rickettsias • Antropozoonoses: animal --> homem • Zooantroponoses: homem --> animal
  • 15. • Saúde animal sempre foi, e sempre será, uma das principais, senão a principal barreira não tarifária para embargo de nossas exportações ao resto do mundo.
  • 16. Porque biosseguridade e não biossegurança? • Um programa que adotasse os princípios de biossegurança inviabilizaria a produção animal, ou seja, “engessaria” de tal forma a estrutura de produção que inviabilizaria o fluxo normal de produção e a disponibilidade de alimentos aos consumidores.
  • 17. Afinal, o que precisamos? Viabilizar uma produção rentável De alta qualidade Protegendo a saúde humana Sesti, 2000
  • 18. Tenham em mente! • As medidas de biosseguridade funcionam integradas, requer muita disciplina e são caras • É um investimento que preserva a saúde do rebanho, prioridade de um sistema de produção • Prevenir sempre foi e sempre será mais viável do que qualquer tipo de perdas causadas por enfermidades
  • 19. • Um programa planejado permite uma cultura de higiene dentro do setor de produção animal, cujos benefícios obtidos se evidenciam na melhor conversão alimentar, melhor ganho de peso diário, redução do uso de vacinas e medicamentos e, consequentemente redução da mortalidade e garantindo assim, bem estar animal.
  • 20. • As boas práticas contempladas no programa de biosseguridade devem ser revisadas rotineiramente e modificadas de acordo com mudanças nos objetivos econômicos, legais e de produtividade do sistema de produção animal em questão.
  • 21. Por onde começa um bom projeto de biosseguridade? •Projeto ambiental •Projeto técnico •Escolha e preparo do terreno •Planejamento da produção •Estudo da viabilidade econômica Planejamento da atividade
  • 22. Gestão do estabelecimento Visão estratégica do negócio Receitas do suinocultor Custo de produção Análise de resultados Aspectos financeiros Associativismo e cooperativismo Registro e documentação Biossegurança e biosseguridade
  • 24. Localização e isolamento das granjas • Local tranquilo • Distante de outras propriedades do mesmo setor • Distante de frigoríficos e abatedouros • Protegida por barreiras naturais e físicas • Obedecida a direção do vento
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. • Cerca periférica com entrada única • Sistema de desinfecção de pessoas e veículos • Embarcadouro junto à cerca periférica Desinfecções
  • 29. • Sem arco de desinfecção - aspersão manual • Algumas granjas exigem desinfecção manual com jato antes do arco • 3km/h
  • 30. • Desinfecção para a introdução de materiais e equipamentos • Fumigador ou solução de formaldeído (10%) ou glutaraldeído
  • 31. • Dispor de livro de registro de visitas: Identificando a última data e local de visitas a outras granjas de suídeos, laboratórios, matadouros, frigoríficos ou outros locais com presença de suídeos Vazio sanitário: mínimo de 48 horas – 72 horas Microrganismos são carreados por longas distâncias Controle de fluxo
  • 32. Conduta do visitante Manter-se apresentável, com cabelos aparados, barba feita, unhas cortadas, uniforme limpo Receber recomendações de como é o funcionamento da empresa e o que acontecerá durante a visita Ser acompanhado, por um encarregado ou proprietário, gerente ou médico veterinário responsável
  • 33. Conduta do visitante As recomendações durante a visita são dirigidas pelo responsável da granja juntamente com os responsáveis pelas diferentes unidades Obedecer rigorosamente o grau de sanidade e idade dos animais nos diferentes setores da granja Antes de entrar em um local devem-se desinfetar as botas em pedilúvios, evitando assim a contaminação dos diferentes ambientes
  • 34. • Vestiário - paredes e pisos impermeáveis, banheiro, chuveiro e vestuário • Água de fonte conhecida • Reservatórios protegidos, limpos e desinfetados (seis meses) Área interna - higienização
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. Certeza que isso aqui todo mundo sabe fazer depois de 2020
  • 41. • Higienização das instalações e equipamentos: Limpeza seca: remoção do material orgânico (cama, ração, fezes, penas, ovos quebrados) com vassoura e espátulas para raspar torrões de cama, de ração ou outros resíduos Os animais já devem ter sido retirados
  • 42.
  • 43. • Higienização das instalações e equipamentos: Limpeza úmida: limpeza com água e sabão ou detergente (dispersam e removem a matéria orgânica das superfícies)
  • 44.
  • 45. • Higienização das instalações e equipamentos: Desinfecção: agentes químicos que eliminam os patógenos por contato, garantindo a máxima eficiência. Deve ser realizado sempre na direção do teto para o chão, distribuído por toda superfície. Durante esse processo, as cortinas devem estar fechadas, para não ocorrer correntes de ar e dispersar o desinfetante.
  • 46.
  • 48. • Produtos utilizados: 1. Combinação de amônias quaternária + aldeídos (Um potencializa a ação do outro) 2. Base de fenóis 3. Cloreto de benzalcônio *Eficazes para bactérias, leveduras e alguns fungos e vírus
  • 49. Importante usar um produto: De amplo espectro Eficiente diante de matéria orgânica Com poder residual prolongado Relação custo/benefício favorável
  • 50. Em estabelecimentos avícolas, a desinfecção deve ser feita em todo o aviário, com combinação de produtos à base de formaldeído e ácidos orgânicos, por nebulização, um dia antes de alojar e, ao longo de vida do lote, para diminuir a carga bacteriana do aviário.
  • 51. Aplicou veneno para controle de pragas antes do processo de limpeza Retirou toda matéria orgânica e restos de ração Realizou lavagem com bomba de alta pressão e água fria Realizou lavagem com bomba de alta pressão e água quente Utilizou detergente para remoção de sujidades e gorduras Enxaguo com água limpa Esperou secar para aplicar desinfetante Foi dado vazio preconizado . . . . . . . .
  • 52. • Controle de pragas rigoroso, especializado e semanal PROPRIEDADE SIM NÃO QUANTIDADE Pragas mortas Pragas vivas • Proibido animais de estimação • Certificado qualquer produção animal, atestadas suas vacinações
  • 53. • Compostagem* • Diques de oxidação • Bioesterqueira • Biodigestor • Lagoas de estabilização (aeróbias, anaeróbias e facultativas) Descartes de cadáveres, restos de parto e dejetos AERÓBIO ANAERÓBIO
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59. Programa de vacinação Deve ter foco no controle dos desafios sanitários intercorrentes na região e basear-se em resultados técnicos e laboratoriais.
  • 60. • Alguns pontos principais para o êxito da vacinação: Seguir o cronograma proposto; Respeitar prazos de validade, vias de aplicação e diluições; Realizar treinamento sistemático e educação contínua; Manusear e conservar as vacinas de forma adequada; Manter a qualidade da água na vacinação (T°C e pH); Limpar e desinfetar utensílios utilizados
  • 61. Monitoramento de biosseguridade e erradicação de doenças • O monitoramento sorológico e bacteriano tem a função de avaliar e reajustar o programa de vacinação, determinar os níveis de imunidade, diagnosticar surtos de doença e avaliar a biossegurança na granja.
  • 62. • São utilizados métodos de suabes estéreis e plaqueamentos para avaliação dos desafios e da eficiência de um programa de limpeza e desinfecção. • Monitoram a carga microbiológica de enterobactérias e presença de salmonela (aves). • Com esses resultados é possível fazer um plano de ação na tentativa de erradicação dessas doenças.
  • 63. • Exames realizados por laboratório do MAPA (oficial) • Como são feitas as coletas em produção de aves? Do 1° ao 5° dia de vida – iniciam as coletas; 12 semanas - realizam-se coletas de 300 soros (por lote ou núcleos) e um pro pé por aviário em recrias; 25 semanas - coletas de 150 soros (por lote ou núcleos) e um pro pé por aviário na produção; • Exames solicitados: SAR-MG, SAR-MS e ISL-SALM
  • 64. Controle de procedimentos • Checam o programa de biosseguridade • Aplicação de programas de 5S e auditorias • Mensal ou bimestralmente • Se existirem erros: plano de ação e ajustes • Os princípios do 5S auxiliam na obtenção de padrões operacionais que contribuem para maior eficiência e excelência na realização das tarefas de biosseguridade
  • 65.
  • 68. 4° maior produtor de carne suína do mundo 4° maior exportador
  • 69. • Recomenda-se distância mínima de 3-5km entre granjas • Distantes de centros urbanos • Entre a barreira natural e a primeira instalação +-25 metros para evitar problemas de ventilação • Quarentenério localizado distante da granja (vazio de 3- 4 dias)
  • 70. • Por receber animais de alto valor genético e financeiro de outra granja, que estarão em período de observação e adaptação, recomenda-se que o quarentenário tenha instalações com banho, troca de roupas e calçado separados daqueles da granja.
  • 71. PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA (PNSS) • O PNSS é atualmente coordenado pela Divisão de Sanidade das Aves do MAPA, foi instituído no âmbito da Secretaria de Defesa Agropecuária pela Portaria nº 193, de 19 de setembro de 1994.
  • 72. AVES
  • 73. 2° maior produtor de carne de frango do mundo Maior exportador
  • 74. • Instrução Normativa nº 4/1998 (MAPA) - distâncias mínimas entre a granja de matriz e outros estabelecimentos: • Distância entre Granja e Abatedouro: 5.000m • Distância entre Bisavozeiro e Avozeiro: 5.000m • Distância entre Matrizeiros: 3.000m • Distância entre Núcleos e Limites Periféricos da Propriedade: 100m • Distância entre Núcleo e Estrada Vicinal: 500m • Distância entre Núcleos de Diferentes Idades: 500m • Distância entre Recria e Produção: 500m • A distância mínima entre aviários do mesmo núcleo, é o dobro da largura dos aviários.
  • 75.
  • 76. • Cobb-Vantress é líder mundial no fornecimento de aves de produção para frangos de corte • Práticas sustentáveis • Em 10 anos -6,5% em gastos com energia elétrica
  • 77. PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA (PNSA) • O PNSA é atualmente coordenado pela Divisão de Sanidade das Aves do MAPA, foi instituído no âmbito da Secretaria de Defesa Agropecuária pela Portaria nº 193, de 19 de setembro de 1994.
  • 78. Principais objetivos dos programas de sanidade (PNSS e PNSA): • Prevenir e controlar as enfermidades de interesse em avicultura e saúde pública • Definir ações que possibilitem a certificação sanitária do plantel avícola e suídeo nacional • Favorecer a elaboração de produtos saudáveis para o mercado interno e externo
  • 79. Conclusão • A biosseguridade é uma ferramenta indispensável para assegurar a saúde dos plantéis, dando condições aos animais de expressarem o seu potencial genético. Esse programa exige o comprometimento de todos, com o objetivo de impedir o risco a entrada de agentes na unidade de produção, garantido não só a qualidade sanitária do plantel como também a rentabilidade do setor produtivo.