SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Expressões, 12.º ano
A – Procissão da Quaresma
• Os penitentes que integram a procissão: comportamentos
sadomasoquistas
Sentimentos e comportamentos
Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler
• As mulheres: reclamam mais violência e vigor na atuação do seu
“servidor”; experimentam prazer perante o sofrimento do
penitente; estão livres para passear sozinhas (o que propicia o
adultério)
• Os homens: ignoram o desregramento feminino
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
A – Procissão da Quaresma
• Caracterização da cidade de Lisboa
Sensacionismo das descrições
Adaptado de JACINTO, Conceição, e LANÇA, Gabriela, 2008. Análise da obra Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Porto Editora
• Apresentação dos excessos praticados durante o Entrudo
• Descrição da procissão
• Descrição da penitência física e mortificação da alma após os
desregramentos durante o Entrudo
O narrador afirma que, apesar da tentativa de purificação através do incenso,
Lisboa permanecia uma cidade suja, caótica e as suas gentes dominadas pela
hipocrisia de uma alma que, ironicamente, este define como “perfumada”.
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Antítese “No geral do ano há quem morra por muito ter
comido durante a vida toda […]. Mas não falta
[…] quem morra por ter comido pouco durante
toda a vida […]” (p. 35)
Metáfora “[…] esta cidade, mais que todas, é uma boca
que mastiga de sobejo para um lado e de
escasso para o outro […]” (p. 36)
Paralelismo “[…] entre a papada pletórica e o pescoço
engelhado, […] entre a pança repleta e a
barriga agarrada às costas.” (p. 36)
A – Procissão da Quaresma
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Enumeração “[…] a cidade é imunda, alcatifada de
excrementos, de lixo, de cães lazarentos e
gatos vadios, e lama mesmo quando não
chove.” (p. 36)
Comparação “[…] não podendo falar, berra como toiro em
cio […]” (p. 38)
Polissíndeto “[…] ela olha-o dominante, talvez
acompanhada de mãe ou prima, ou aia, ou
tolerante avó, ou tia azedíssima […]”
(pp. 37-38)
A – Procissão da Quaresma
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Ironia “Lisboa cheira mal, cheira a podridão, o
incenso dá um sentido à fetidez, o mal é dos
corpos, que a alma, essa, é perfumada.”(p. 37)
Uso do
diminutivo com
valor depreciativo
“[…] o bispo vai fazendo sinaizinhos da cruz
para este lado e para aquele […]” (p. 37)
“moidinha dos pés, arrastadinha dos joelhos”
(p. 41)
Adaptação de
provérbios
populares
“[…] a quaresma, como o sol, quando nasce, é
para todos.” (p. 36)
A – Procissão da Quaresma
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
B – Auto de fé
O auto de fé apresentado com um divertimento de interesse:
• para a Igreja, que dele “aproveita em reforço piedoso e
outras utilidades” (p. 127)
• para el-rei, que reforça o seu poder económico com os bens
dos condenados
• para o povo, que assiste ao cerimonial como a uma “festa”
(p. 128).
Sentimentos e comportamentos
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
B – Auto de fé
• Enumeração dos condenados: uma mulher relaxada e “outros
chamuscados, assados, dispersos e varridos” (p. 128)
Sensacionismo das descrições
Miguel Mendonça
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Gradação “[…] ao lado de outros chamuscados,
assados, dispersos e varridos […]” (p. 128)
Antítese “[…] tanto vale […] o doce como o amargo, o
pecado como a virtude […]” (p. 128)
Polissíndeto “[…] Que se há de dizer, por exemplo, desta
freira professa, que era afinal judia, e foi
condenada a cárcere e hábito perpétuo, e
também esta preta de Angola, caso novo, que
veio do Rio de Janeiro, com culpas de judaísmo,
e este mercador do Algarve […]” (p. 128)
B – Auto de fé
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Enumeração “[…] a preta de Angola, o mulato da Caparica,
a freira judia, os religiosos que diziam missa,
confessavam e pregavam sem terem ordens
para tal, o juiz de fora de Arraiolos […]” (p. 129)
Metáfora “[…] o Santo Ofício, podendo, lança as redes
ao mundo e trá-las cheias […]” (p. 129)
Ironia “[…] o Santo Ofício, podendo, lança as redes
ao mundo e trá-las cheias, assim
peculiarmente praticando a boa lição de Cristo
quando a Pedro disse que o queria pescador
de homens.” (p. 129)
B – Auto de fé
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
C – Tourada
Sentimentos e comportamentos
As touradas são consideradas “bem bom divertimento”
(p. 130), atraindo toda a população (“Estão as bacadas e
os terrados formigando de povo”, p. 131), que delira com
os acontecimentos cruéis.
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
C – Tourada
Sensacionismo das descrições
• a organização e a decoração da praça profusa e ricamente
enfeitada
Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler
• os espectadores, que povoam as bancadas e os terraços
• os aguadores, que molham a praça
• os reis e as altezas, que assistem desde as janelas do paço
• os aguadores, que molham a praça
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
C – Tourada
Sensacionismo das descrições
• os cavalos, luzidamente aparelhados
Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler
• os touros, violentamente torturados e mortos
• o delírio dos homens e das mulheres, excitados com o derramar
do sangue
• a prática das mantas de fogo sobre os touros
• a tortura dos coelhos e das pombas, encerrados em bonecos de
barro pintados, contra os quais investem os touros
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Comparação “[…] um gancho de ferro, na ponta de um
braço, abre caminho tão fácil como a colubrina
que veio da Índia e está na torre de S. Gião
[…]” (p. 131)
Enumeração “[…] mostra de um lado e do outro o glorioso
Santo António sobre campos de prata, e as
guarnições são igualmente douradas, com um
grande penacho de plumas de muitas cores […]”
(p. 131)
Polissíndeto “[…] não tardam aí o sangue e a urina, e as
bostas dos touros, e os benicos dos cavalos
[…]” (p. 132)
Recursos estilísticos
(exemplos)
C – Tourada
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Expressões, 12.º ano
Ironia “Cheira a carne queimada, mas é um cheiro
que não ofende estes narizes, habituados que
estão ao churrasco do auto-de-fé, e ainda
assim vai o boi ao prato, sempre é um final
proveito, que do judeu só ficam os bens que
cá deixou.” (p. 133)
Paralelismo “[…] um olho no bicho que foge, outro no bicho
que marra […]” (p. 134)
Recursos estilísticos
(exemplos)
C – Tourada
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
D – Procissão do Corpo de Deus
Torna-se evidente, neste episódio, a denúncia e crítica do
narrador à vivência excessiva e alienante deste cerimonial
religioso, à depravação do rei nos conventos de freiras, à visão
estritamente oficial da Igreja e ao comportamento histérico dos
participantes.
Sentimentos e comportamentos
in RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
D – Procissão do Corpo de Deus
Descrição dos preparativos para a procissão, na véspera:
• A decoração do Terreiro do Paço, as ruas enfeitadas, as
janelas decoradas
• A vigilância dos escravos pretos e dos quadrilheiros
• A pavimentação das ruas com areia vermelha e ervas
• A exposição e o despique das damas às janelas
• As brincadeiras dos rapazes pelas ruas e os “solaus e
chocolate” dentro das casas
Sensacionismo das descrições
Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
D – Procissão do Corpo de Deus
Descrição da procissão:
• O desfile das bandeiras dos ofícios
• As fanfarras de trombetas e tambores
• A representação de S. Jorge
• O desfile das diferentes irmandades
• O desfile das comunidades religiosas
• A multidão do clero das paróquias
• A participação de el-rei
• Os pensamentos do patriarca e do rei revelados pelo narrador
Sensacionismo das descrições
Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Lítote “[…] catorze pilares, que não têm menos de
oito metros de altura […]” (p. 198)
Enumeração “ […] capas vermelhas, azuis, brancas, negras
e carmesins, opas cinzentas, murças
castanhas, e azuis e roxas, e brancas e
vermelhas, e amarelas, e carmesins, e verdes,
e pretas […]” (pp. 205-206)
Paralelismo “São ditos de maneta e visionária, ele porque
lhe falta, ela porque lhe sobra […]” (p. 200)
D – Procissão do Corpo de Deus
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Metáfora “Por trás das janelas acabam as damas de
armar os penteados, enormes fábricas de
luzimentos e postiços […]” (p. 200)
Antítese “[…] ela é mesquinhamente feia e eu
divinamente bela, ela tem a boca grande e a
minha é um botão […]” (p. 201)
Ironia “[…] tolo foi Cristo que nunca pôs mitra na
cabeça, seria filho de Deus, não duvido, mas
rústico era, porque desde sempre se sabe que
nenhuma religião vingará sem mitra, tiara ou
chapéu de coco […]” (p. 212)
D – Procissão do Corpo de Deus
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
Polissíndeto “[…] não são coisas que se façam a dragões,
nem a serpentes, nem a gigantes […]” (p. 204)
Comparação “[…] melhor vestem as bestas do que os
homens que as veem passar […]” (p. 204)
O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
D – Procissão do Corpo de Deus
Recursos estilísticos
(exemplos)
Expressões, 12.º ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IVMemorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IV12º A Golegã
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V12º A Golegã
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III12º A Golegã
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.Elisabete
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise nanasimao
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMiguelavRodrigues
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)José Galvão
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC12anogolega
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxNome Sobrenome
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC12anogolega
 

Mais procurados (20)

Memorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IVMemorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IV
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Os Maias - análise
Os Maias - análise Os Maias - análise
Os Maias - análise
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptxUFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
UFCD - CLC7 -Sempre é uma Companhia..pptx
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
 

Semelhante a O espaço social em Lisboa no século XVIII

enc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptx
enc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptxenc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptx
enc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptxSandraPassos25
 
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais
21 - Cultura, Religião e Arte MedievaisCarla Freitas
 
Sinos em Minas Gerais
Sinos em Minas GeraisSinos em Minas Gerais
Sinos em Minas GeraisSylvio Bazote
 
en-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comen-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comisaianabrito
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaDouglas Maga
 
Escolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - SeiscentismoEscolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - SeiscentismoLara Lídia
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoAna Isabel Falé
 
Teatro na Idade média
Teatro na Idade médiaTeatro na Idade média
Teatro na Idade médiaMirela Ferraz
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rluisprista
 
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoMemorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoAntónio Teixeira
 
Abel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do DouroAbel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do DouroFátima Rodrigues
 

Semelhante a O espaço social em Lisboa no século XVIII (20)

enc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptx
enc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptxenc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptx
enc12_memorial_convento_retoma_conteudos_p327.pptx
 
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais21 -  Cultura, Religião e Arte Medievais
21 - Cultura, Religião e Arte Medievais
 
Sinos em Minas Gerais
Sinos em Minas GeraisSinos em Minas Gerais
Sinos em Minas Gerais
 
en-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comen-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.com
 
O Barroco no Brasil, Parte 1
O Barroco no Brasil,  Parte 1O Barroco no Brasil,  Parte 1
O Barroco no Brasil, Parte 1
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
 
Escolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - SeiscentismoEscolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
Escolas Literárias - Barroco - Seiscentismo
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
Idademdi Aok
 
Teatro na Idade média
Teatro na Idade médiaTeatro na Idade média
Teatro na Idade média
 
Literatura portuguesa barroco
Literatura portuguesa barrocoLiteratura portuguesa barroco
Literatura portuguesa barroco
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
02. barroco pre
02. barroco pre02. barroco pre
02. barroco pre
 
02. barroco pre
02. barroco pre02. barroco pre
02. barroco pre
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
 
Barroco brasileiro
Barroco brasileiroBarroco brasileiro
Barroco brasileiro
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Barroco 2010
Barroco 2010Barroco 2010
Barroco 2010
 
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoMemorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
 
Abel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do DouroAbel Botelho - Visões do Douro
Abel Botelho - Visões do Douro
 

Mais de ameliapadrao

Exp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialExp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialameliapadrao
 
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseExp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseameliapadrao
 
Exp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaExp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaameliapadrao
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaExp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaameliapadrao
 
Exp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroExp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroameliapadrao
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicosameliapadrao
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixesameliapadrao
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticasameliapadrao
 

Mais de ameliapadrao (20)

Exp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorialExp12cdr ppt tempo_memorial
Exp12cdr ppt tempo_memorial
 
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sinteseExp12cdr ppt felizmente_sintese
Exp12cdr ppt felizmente_sintese
 
Exp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianicaExp12cdr ppt concecao messianica
Exp12cdr ppt concecao messianica
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoaExp12cdr ppt camoes_pessoa
Exp12cdr ppt camoes_pessoa
 
Exp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiroExp12cdr ppt caeiro
Exp12cdr ppt caeiro
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
 
Episodios maias
Episodios maiasEpisodios maias
Episodios maias
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Pt9 cdr relativas
Pt9 cdr relativasPt9 cdr relativas
Pt9 cdr relativas
 
P.antónio v.
P.antónio v.P.antónio v.
P.antónio v.
 
Sermodesantoantnioaospeixes
SermodesantoantnioaospeixesSermodesantoantnioaospeixes
Sermodesantoantnioaospeixes
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Aspeto modalidade
Aspeto modalidadeAspeto modalidade
Aspeto modalidade
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticas
 
La négation _8_
La négation _8_La négation _8_
La négation _8_
 
9monumentsdeparis
9monumentsdeparis9monumentsdeparis
9monumentsdeparis
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 

O espaço social em Lisboa no século XVIII

  • 1. Expressões, 12.º ano A – Procissão da Quaresma • Os penitentes que integram a procissão: comportamentos sadomasoquistas Sentimentos e comportamentos Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler • As mulheres: reclamam mais violência e vigor na atuação do seu “servidor”; experimentam prazer perante o sofrimento do penitente; estão livres para passear sozinhas (o que propicia o adultério) • Os homens: ignoram o desregramento feminino O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 2. A – Procissão da Quaresma • Caracterização da cidade de Lisboa Sensacionismo das descrições Adaptado de JACINTO, Conceição, e LANÇA, Gabriela, 2008. Análise da obra Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Porto Editora • Apresentação dos excessos praticados durante o Entrudo • Descrição da procissão • Descrição da penitência física e mortificação da alma após os desregramentos durante o Entrudo O narrador afirma que, apesar da tentativa de purificação através do incenso, Lisboa permanecia uma cidade suja, caótica e as suas gentes dominadas pela hipocrisia de uma alma que, ironicamente, este define como “perfumada”. Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 3. Antítese “No geral do ano há quem morra por muito ter comido durante a vida toda […]. Mas não falta […] quem morra por ter comido pouco durante toda a vida […]” (p. 35) Metáfora “[…] esta cidade, mais que todas, é uma boca que mastiga de sobejo para um lado e de escasso para o outro […]” (p. 36) Paralelismo “[…] entre a papada pletórica e o pescoço engelhado, […] entre a pança repleta e a barriga agarrada às costas.” (p. 36) A – Procissão da Quaresma Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 4. Enumeração “[…] a cidade é imunda, alcatifada de excrementos, de lixo, de cães lazarentos e gatos vadios, e lama mesmo quando não chove.” (p. 36) Comparação “[…] não podendo falar, berra como toiro em cio […]” (p. 38) Polissíndeto “[…] ela olha-o dominante, talvez acompanhada de mãe ou prima, ou aia, ou tolerante avó, ou tia azedíssima […]” (pp. 37-38) A – Procissão da Quaresma Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 5. Ironia “Lisboa cheira mal, cheira a podridão, o incenso dá um sentido à fetidez, o mal é dos corpos, que a alma, essa, é perfumada.”(p. 37) Uso do diminutivo com valor depreciativo “[…] o bispo vai fazendo sinaizinhos da cruz para este lado e para aquele […]” (p. 37) “moidinha dos pés, arrastadinha dos joelhos” (p. 41) Adaptação de provérbios populares “[…] a quaresma, como o sol, quando nasce, é para todos.” (p. 36) A – Procissão da Quaresma Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 6. B – Auto de fé O auto de fé apresentado com um divertimento de interesse: • para a Igreja, que dele “aproveita em reforço piedoso e outras utilidades” (p. 127) • para el-rei, que reforça o seu poder económico com os bens dos condenados • para o povo, que assiste ao cerimonial como a uma “festa” (p. 128). Sentimentos e comportamentos Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 7. B – Auto de fé • Enumeração dos condenados: uma mulher relaxada e “outros chamuscados, assados, dispersos e varridos” (p. 128) Sensacionismo das descrições Miguel Mendonça Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 8. Gradação “[…] ao lado de outros chamuscados, assados, dispersos e varridos […]” (p. 128) Antítese “[…] tanto vale […] o doce como o amargo, o pecado como a virtude […]” (p. 128) Polissíndeto “[…] Que se há de dizer, por exemplo, desta freira professa, que era afinal judia, e foi condenada a cárcere e hábito perpétuo, e também esta preta de Angola, caso novo, que veio do Rio de Janeiro, com culpas de judaísmo, e este mercador do Algarve […]” (p. 128) B – Auto de fé Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 9. Enumeração “[…] a preta de Angola, o mulato da Caparica, a freira judia, os religiosos que diziam missa, confessavam e pregavam sem terem ordens para tal, o juiz de fora de Arraiolos […]” (p. 129) Metáfora “[…] o Santo Ofício, podendo, lança as redes ao mundo e trá-las cheias […]” (p. 129) Ironia “[…] o Santo Ofício, podendo, lança as redes ao mundo e trá-las cheias, assim peculiarmente praticando a boa lição de Cristo quando a Pedro disse que o queria pescador de homens.” (p. 129) B – Auto de fé Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 10. C – Tourada Sentimentos e comportamentos As touradas são consideradas “bem bom divertimento” (p. 130), atraindo toda a população (“Estão as bacadas e os terrados formigando de povo”, p. 131), que delira com os acontecimentos cruéis. Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 11. C – Tourada Sensacionismo das descrições • a organização e a decoração da praça profusa e ricamente enfeitada Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler • os espectadores, que povoam as bancadas e os terraços • os aguadores, que molham a praça • os reis e as altezas, que assistem desde as janelas do paço • os aguadores, que molham a praça Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 12. C – Tourada Sensacionismo das descrições • os cavalos, luzidamente aparelhados Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler • os touros, violentamente torturados e mortos • o delírio dos homens e das mulheres, excitados com o derramar do sangue • a prática das mantas de fogo sobre os touros • a tortura dos coelhos e das pombas, encerrados em bonecos de barro pintados, contra os quais investem os touros Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 13. Comparação “[…] um gancho de ferro, na ponta de um braço, abre caminho tão fácil como a colubrina que veio da Índia e está na torre de S. Gião […]” (p. 131) Enumeração “[…] mostra de um lado e do outro o glorioso Santo António sobre campos de prata, e as guarnições são igualmente douradas, com um grande penacho de plumas de muitas cores […]” (p. 131) Polissíndeto “[…] não tardam aí o sangue e a urina, e as bostas dos touros, e os benicos dos cavalos […]” (p. 132) Recursos estilísticos (exemplos) C – Tourada Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 14. Expressões, 12.º ano Ironia “Cheira a carne queimada, mas é um cheiro que não ofende estes narizes, habituados que estão ao churrasco do auto-de-fé, e ainda assim vai o boi ao prato, sempre é um final proveito, que do judeu só ficam os bens que cá deixou.” (p. 133) Paralelismo “[…] um olho no bicho que foge, outro no bicho que marra […]” (p. 134) Recursos estilísticos (exemplos) C – Tourada O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 15. D – Procissão do Corpo de Deus Torna-se evidente, neste episódio, a denúncia e crítica do narrador à vivência excessiva e alienante deste cerimonial religioso, à depravação do rei nos conventos de freiras, à visão estritamente oficial da Igreja e ao comportamento histérico dos participantes. Sentimentos e comportamentos in RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 16. D – Procissão do Corpo de Deus Descrição dos preparativos para a procissão, na véspera: • A decoração do Terreiro do Paço, as ruas enfeitadas, as janelas decoradas • A vigilância dos escravos pretos e dos quadrilheiros • A pavimentação das ruas com areia vermelha e ervas • A exposição e o despique das damas às janelas • As brincadeiras dos rapazes pelas ruas e os “solaus e chocolate” dentro das casas Sensacionismo das descrições Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 17. D – Procissão do Corpo de Deus Descrição da procissão: • O desfile das bandeiras dos ofícios • As fanfarras de trombetas e tambores • A representação de S. Jorge • O desfile das diferentes irmandades • O desfile das comunidades religiosas • A multidão do clero das paróquias • A participação de el-rei • Os pensamentos do patriarca e do rei revelados pelo narrador Sensacionismo das descrições Adaptado de RAMOS, Auxília, e BRAGA, Zaida, 2009. Memorial do Convento | José Saramago. Porto: Ideias de Ler Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 18. Lítote “[…] catorze pilares, que não têm menos de oito metros de altura […]” (p. 198) Enumeração “ […] capas vermelhas, azuis, brancas, negras e carmesins, opas cinzentas, murças castanhas, e azuis e roxas, e brancas e vermelhas, e amarelas, e carmesins, e verdes, e pretas […]” (pp. 205-206) Paralelismo “São ditos de maneta e visionária, ele porque lhe falta, ela porque lhe sobra […]” (p. 200) D – Procissão do Corpo de Deus Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 19. Metáfora “Por trás das janelas acabam as damas de armar os penteados, enormes fábricas de luzimentos e postiços […]” (p. 200) Antítese “[…] ela é mesquinhamente feia e eu divinamente bela, ela tem a boca grande e a minha é um botão […]” (p. 201) Ironia “[…] tolo foi Cristo que nunca pôs mitra na cabeça, seria filho de Deus, não duvido, mas rústico era, porque desde sempre se sabe que nenhuma religião vingará sem mitra, tiara ou chapéu de coco […]” (p. 212) D – Procissão do Corpo de Deus Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309)
  • 20. Polissíndeto “[…] não são coisas que se façam a dragões, nem a serpentes, nem a gigantes […]” (p. 204) Comparação “[…] melhor vestem as bestas do que os homens que as veem passar […]” (p. 204) O espaço social em Memorial do Convento (ex. 1. e 1.1., pág. 309) D – Procissão do Corpo de Deus Recursos estilísticos (exemplos) Expressões, 12.º ano