02. barroco pre

553 visualizações

Publicada em

Slide da aula do Prof. Marcos Teixeira

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
553
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

02. barroco pre

  1. 1. Prof. TeixeiraBARROCO
  2. 2. Nossa Senhora do Rosário dosHomens Pretos – Sabará-MG
  3. 3. Construção provavelmente interrompida em 1878
  4. 4. igrejaN. S. do Pilar Ouro Preto
  5. 5. Igreja N. S. do Pilar – Ouro Preto
  6. 6. Igreja N. S. do Ó Sabará-MG
  7. 7.  Igreja N. S. do Ó (interior)
  8. 8.  Detalhe:influência oriental no Barroco Mineiro
  9. 9. Santuário do Bom Jesus do Monte (em Portugal)
  10. 10. Santuário do Senhor Bom Jesus deMatosinhos – em Congonhas-MG
  11. 11. Aleijadinho (1730-1814) É considerado o maior expoente da arte barroca em Minas Gerais
  12. 12. Passos da Paixão de Cristo 66 figuras esculpidas em cedro por Aleijadinho (e sua equipe) e pintadas por Manoel da Costa Ataíde e Francisco Xavier Carneiro. Datam entre 1796 a 1799.
  13. 13.  igreja São Francisco de Assis Ouro Preto
  14. 14.  Mestre Ataíde (1762-1830) Manuel da Costa Ataíde foi um dos mais brilhantes artistas do Barroco Mineiro.
  15. 15. Caravaggio“O santo sepulcro” Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610): pintor italiano considerado um dos primeiros representantes do Barroco.
  16. 16. Caravaggio “A decapitação de São João Batista”
  17. 17.  As obras dos pintores europeus, representantes do Barroco, valorizam as cores, as sombras e a luz, e privilegiam os contrates. As imagens não são tão centralizadas quanto as renascentistas e aparecem de forma dinâmica, valorizando o movimento.
  18. 18. Gregório de Matos e Guerra (1633/1696) Gregório de Matos, o Boca do Inferno, nasceu na Bahia e foi o primeiro de nossos satíricos. Fez o Curso de Leis na Universidade de Coimbra. Voltou ao Brasil com 47 anos, sob a proteção do arcebispo da Bahia. Tantas e tais fez que não só perdeu a proteção do prelado, como ainda foi degredado para Angola. Reabilitado, voltou, indo para Recife, onde conquistou simpatias e viveu com menos turbulência que na Bahia.
  19. 19. Epigrama Gregório de Matos Juízo anatômico dos achaques que padecia o corpo da República em todos os membros, e inteira definição do que em todos os tempos é a Bahia. Que falta nesta cidade?... Verdade. Que mais por sua desonra?... Honra. Falta mais que se lhe ponha?... Vergonha. O demo a viver se exponha, Por mais que a fama a exalta, Numa cidade onde falta Verdade, honra, vergonha. [...] achaque: imperfeição moral; vício, defeito
  20. 20. Quais são seus doces objetos?... Pretos.Tem outros bens mais maciços?... Mestiços.Quais destes lhe são mais gratos?... Mulatos.Dou ao Demo os insensatos,Dou ao Demo o povo asnal,Que estima por cabedal,Pretos, mestiços, mulatos. [...]
  21. 21. Que vai pela clerezia?... Simonia.E pelos membros da Igreja?... Inveja.Cuidei que mais se lhe punha?... UnhaSazonada caramunha,Enfim, que na Santa SéO que mais se pratica éSimonia, inveja e unha [...] simonia: venda ilícita de coisas sagradas. caramunha: careta, choro de criança, queixa. sazonado: 1. (fruto) maduro; 2. refletido, pensado.
  22. 22. Padre Antônio Vieira (1608-1697) Padre Antônio Vieira nasceu em 1608 em Lisboa, Portugal. Veio para o Brasil aos sete anos. Estudou na Companhia de Jesus da Bahia. A maior parte de sua obra foi escrita no Brasil. O Sermão da Sexagésima foi proferido em 1653 em Lisboa.
  23. 23. A pregação que frutifica, a pregação queaproveita, não é aquela que dá gosto aoouvinte, é aquela que lhe dá pena. Quandoo ouvinte a cada palavra do pregador treme;quando cada palavra do pregador é umtorcedor para o coração do ouvinte; quandoo ouvinte vai do sermão para casa confusoe atônito, sem saber parte de si, então é apreparação qual convém, então se podeesperar que faça fruto: Et fructum afferunt inpatientia.
  24. 24. Enfim, para que os pregadores saibamcomo hão-de pregar e os ouvintes a quemhão-de ouvir, acabo com um exemplo donosso Reino, e quase dos nossos tempos.Pregavam em Coimbra dois famosospregadores, ambos bem conhecidos porseus escritos; não os nomeio, porque oshei-de desigualar. Altercou-se entre algunsdoutores da Universidade qual dos doisfosse maior pregador; e como não há juízosem inclinação, uns diziam este, outros,aquele.
  25. 25. Mas um lente, que entre os mais tinha maior autoridade, concluiu desta maneira: «Entre dois sujeitos tão grandes não me atrevo a interpor juízo; só direi uma diferença, que sempre experimento: quando ouço um, saio do sermão muito contente do pregador; quando ouço outro, saio muito descontente de mim.» Sermão da Sexagésima – Padre Antônio Vieira

×