Helena almeida

8.670 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.391
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Helena almeida

  1. 1. Helena Almeida
  2. 2. Biografia <ul><li>Helena Almeida nasceu em Lisboa em 1934. </li></ul><ul><li>Tirou o curso de pintura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. </li></ul><ul><li>Filha do escultor Leopoldo de Almeida, começou a expor regularmente a partir do fim da década de 60. </li></ul><ul><li>Nos finais dos anos 70 inicia a sua internacionalização com exposições individuais em Berna, em Basel, em Paris, e em Bruxelas. </li></ul><ul><li>Em 1982 e 2005 foi representante de Portugal na Bienal internacional de Veneza. </li></ul>
  3. 3. Obra Linguagem estética original A tela é a própria artista Combina a fotografia a preto e branco, do seu próprio corpo, com outras técnicas como a pintura, escultura, desenho ou colagem Jogo entre duas formas de representação Dois momentos distintos: o passado (a fotografia) e o depois (os elementos adicionados)
  4. 5. Caso prático: “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” <ul><li>Data: anos 70 </li></ul><ul><li>Conjunto de fotografias completadas por uma peça de vídeo e uma peça de som, criando um campo sensorial mais vasto (um representado e outro não representado) </li></ul><ul><li>Estabelecimento de um paralelo entre o espaço e o tempo cinematográfico, sendo o seu campo de ação o intervalo ente os dois atos. </li></ul>
  5. 6. “ Sente-me”
  6. 7. “ Ouve-me, Vê-me”
  7. 8. Significado da obra <ul><li>Ao criar um campo sensorial mais vasto (um representado e o outro não representado), obriga a uma maior envolvência do espectador. </li></ul><ul><li>Os trabalhos remetem para gestos e atitudes implícitas ao título do conjunto, embora corresponda ao contrário do enunciado: nos trabalhos “Vê-me”, os olhos estão fechados, no “Ouve-me” a boca está suturada com fios. Limitamo-nos, pois, a sentir. </li></ul>
  8. 9. FIM

×