SlideShare uma empresa Scribd logo
ALBUQUERQUE, Lucilio de (1877-1939). Nascido em Barras (PI), filho de um magistrado e
descendendo de tradicional família pernambucana, Lucílio de AIbuquerque destinava-se
também à carreira jurídica, chegando a cursar a Faculdade de Direito de São Paulo, que
abandonou logo no 1° ano. Em 1896 era aluno da Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de
Janeiro, tendo freqüentado as classes de Zeferino da Costa, Daniel Bérard, Rodolfo Amoedo e
Henrique Bernardelli. Numa entrevista, muitos anos depois, o pintor confessaria:

- A maior emoção de minha carreira recebi-a quando, pela primeira vez, me vi, na minha
primeira aula de Desenho Figurado, de fusain em punho, diante de uma folha moldada em
gesso, para copiar! Passei os olhos por tudo quanto me rodeava. Os veteranos, com uma
semana de trabalho, já haviam marcado as suas tarefas, bustos, estátuas, torsos. Tive a
impressão de que aquilo tudo era uma maravilha e senti-me incapaz de fazer o mesmo.
Quando a aula terminou, corri como um louco para o meu quarto, o meu pobre quartinho de
pensão! E completamente só, desanimado, eu que até aquela data tinha vivido dentro da casa
ampla e feliz de meus pais, não pude conformar-me com a minha situação, que me parecia
horrível, e chorei como uma criança inconsolável... Felizmente o dia seguinte trouxe-me o
alento, enxugou-me as lágrimas e deu-me ânimo para continuar nessa luta, que nunca mais
cessou, e para a qual também nunca mais me faltou a coragem precisa.

Expôs pela primeira vez no Salão de 1902, no qual obteve menção de 2º grau; no mesmo
certame receberia sucessivamente menção de 1º grau (1904) , medalha de prata (1907),
pequena medalha de ouro (1912, com Despertar de Ícaro) grande medalha de ouro (1916) e
medalha de honra (1920, com Retrato de Georgina).

Em 1906 foi-lhe atribuído o prêmio de viagem à Europa da Escola, pela tela Anchieta
escrevendo o Poema da Virgem. A 31 de março do mesmo ano casara-se com uma colega
primeiranista, Georgina de Moura Andrade - a futura grande artista Georgina de Albuquerque -,
juntos seguindo para a França, para uma permanência de cinco anos. Em Paris freqüentou a
Académie Julian, aperfeiçoando-se com Marcel Baschet, Henry Royer e Jean-Paul Laurens, e
também o ateliê de Grasset, tal como Visconti alguns anos antes. Ao lado daquela orientação
conservadora, e do breve interlúdio decorativista, sob a égide de um dos corifeus do Art
Nouveau, Lucílio não deixaria igualmente de observar as tendências estéticas mais em voga,
deixando-se mesmo seduzir por procedimentos impressionistas e simbolistas, visíveis em suas
pinturas realizadas entre 1906 e 1911 (Etang de Triveau, Paisagem de Lemesnil, Primavera
em França, Paraíso Restituído, Freira e Enfermo, Sono, Despertar de Ícaro, Prometeu,
Visão de Floresta, Dante, etc.). Por quatro vezes, de 1908 a 1911, expôs no Salon des
Artistes Français, sendo que nesse último ano exibiu sua pintura talvez mais conhecida,
Despertar de Ícaro, um tema que lhe nascera ao presenciar, em 1906, o vôo pioneiro de
Santos Dumont em Paris, intermesclado, porém, a toda uma gama de elementos esotéricos,
rosacrucianos.

Retornando ao Brasil em 1911, e após realizar, ao lado de Georgina, uma grande exposição,
agrupando 107 trabalhos, na Escola Nacional de Belas Artes, Lucílio tornou-se professor de
Desenho da instituição, assumindo a cátedra respectiva em 1916. Bom mestre, que respeitava
a personalidade dos jovens discípulos, coube-lhe iniciar a, entre tantos outros, Cândido
Portinari. Por pouco mais de ano, entre janeiro de 1937 e março de 1938, dirigiu inclusive a
Escola, da qual se afastou por motivo de saúde, para falecer meses mais tarde, a 19 de abril de
1939.

Lucílio de Albuquerque praticou todos os gêneros, tendo-se destacado sobremodo como
paisagista e pintor de figuras. Ele mesmo diria, de certa feita:

- Não tenho propriamente um gênero predileto. Pinto com o mesmo entusiasmo a marinha e a
paisagem. Todavia confesso-lhe que fico mais satisfeito toda vez que realizo um quadro de
idéia, que faça pensar.

A quadros de idéias referira-se também, anos antes, o grande Oliveira Lima, ao escrever sobre
Despertar de Ícaro em 1912:
- Não se quis o artista limitar a reproduzir a natureza, quero dizer, a interpretá-la. Aspira a dar
nas telas as idéias que são expressão legítima da sua inteligência e a correlação necessária da
sensibilidade, fundamento da arte.

Mas, ao lado da pintura de cavalete, executou o artista vitrais para o Pavilhão Brasileiro na
Exposição de Turim de 1911, e murais para o antigo Conselho Municipal, depois Assembléia
Legislativa do Rio de Janeiro. Trabalhando infatigavelmente, realizou inúmeras exposições, não
só no Rio de Janeiro, como ainda em São Paulo (inclusive sua última, em 1936, ao lado da
mulher), Salvador, Recife, Porto Alegre e Campos. De uma viagem a Salvador, em 1924,
trouxe um punhado de óleos marcados pela luminosidade característica da cidade, refletida
não já em pinceladas, porém em golpes de espátula, recurso do qual nunca mais se afastaria.

Estilisticamente, pode-se dizer que Lucílio partiu das sombras para a luz, tornando-se sua
paleta mais e mais clara, à medida que sua arte amadurecia. Afastando-se gradativamente de
uma concepção realista da forma, obtida com o emprego de sólido desenho, o artista chegaria,
no final da carreira, a efeitos cromáticos quase expressionistas: pela modernidade e
originalidade que ostentam, são muito apreciadas suas paisagens de tonalidades violáceas
inconfundíveis, extravasadas numa textura opulenta, obtida à espátula. Conquistado pela
pintura de plein-air, Lucilio tornara-se, em começos do Séc. XX, um dos representantes tardios
do Impressionismo no Brasil; espírito curioso, ainda em 1920, com o Retrato de Georgina,
procurava renovar-se, buscando então uma estilização e um despojamento de planos que, de
certa maneira, o aproximam do Art Déco.

Após sua morte, Georgina de Albuquerque organizou, na residência do casal em Laranjeiras
(RJ), o Museu Lucílio de Albuquerque, cujo acervo de 127 obras hoje pertence ao Estado. Uma
exposição póstuma, levada a efeito em 1940 pelo Ministério da Educação e Saúde, evocou o
artista recém-desaparecido. E em 1977, para celebrar o centenário de seu nascimento, o
Museu Nacional de Belas Artes reuniu pinturas, aquarelas e desenhos tanto de Lucílio como de
Georgina de Albuquerque.

                    Retrato de Georgina de Albuquerque, óleo s/ tela, 1907;
                       0,61 X 0,50, Pinacoteca do Estado de São Paulo.

                                  Jangada, óleo s/ tela, 1920;
                             0,90 X 1,09, Palácio Bandeirantes, SP.

                      Gávea Golf, Rio de Janeiro, óleo s/ tela, cerca 1928;
                       0,76 X 1,20, Museu Nacional de Belas Artes, RJ.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudando tarsila do amaral
Estudando tarsila do amaralEstudando tarsila do amaral
Estudando tarsila do amaral
Maria Sallaberry
 
Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)
Fabiana Alexandre
 
Século xx no brasil (1) consuello
Século xx no brasil (1)   consuelloSéculo xx no brasil (1)   consuello
Século xx no brasil (1) consuello
centrodeensinoedisonlobao
 
ApresentaçãO Tarsila
ApresentaçãO TarsilaApresentaçãO Tarsila
ApresentaçãO Tarsila
Elizabete Santos
 
Cavalleiro, henrique campos
Cavalleiro, henrique camposCavalleiro, henrique campos
Cavalleiro, henrique campos
deniselugli2
 
Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
Fabiana Alexandre
 
Tarcila amaral
Tarcila amaralTarcila amaral
Tarcila amaral
Juliana Cotini
 
Artes rafaela camilo
Artes   rafaela camiloArtes   rafaela camilo
Artes rafaela camilo
centrodeensinoedisonlobao
 
Artes (6)
Artes (6)Artes (6)
Artistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaArtistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da República
Michele Pó
 
Tarsila do Amaral
Tarsila do AmaralTarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
Letícia Oliveira
 
Artes (2) weverton
Artes (2) wevertonArtes (2) weverton
Artes (2) weverton
centrodeensinoedisonlobao
 
3) século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral
3)  século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral3)  século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral
3) século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral
ArtesElisa
 
Artistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileirosArtistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileiros
Ana Beatriz Cargnin
 
Tarsila do amaral pintora de sua terra e de seu tempo
Tarsila do amaral  pintora de sua terra e de seu tempoTarsila do amaral  pintora de sua terra e de seu tempo
Tarsila do amaral pintora de sua terra e de seu tempo
mz1957
 
Trajetos pelo olhar dos artistas
Trajetos pelo olhar dos artistasTrajetos pelo olhar dos artistas
Trajetos pelo olhar dos artistas
clanalon
 
Centro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão brunoCentro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão bruno
centrodeensinoedisonlobao
 
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e PortinariApresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
silvasenas
 
Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes
Rayra Santos
 
Obras dos pintores artes
Obras dos pintores  artesObras dos pintores  artes
Obras dos pintores artes
Leide Centurion
 

Mais procurados (20)

Estudando tarsila do amaral
Estudando tarsila do amaralEstudando tarsila do amaral
Estudando tarsila do amaral
 
Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)Século XIX no brasil (II)
Século XIX no brasil (II)
 
Século xx no brasil (1) consuello
Século xx no brasil (1)   consuelloSéculo xx no brasil (1)   consuello
Século xx no brasil (1) consuello
 
ApresentaçãO Tarsila
ApresentaçãO TarsilaApresentaçãO Tarsila
ApresentaçãO Tarsila
 
Cavalleiro, henrique campos
Cavalleiro, henrique camposCavalleiro, henrique campos
Cavalleiro, henrique campos
 
Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
 
Tarcila amaral
Tarcila amaralTarcila amaral
Tarcila amaral
 
Artes rafaela camilo
Artes   rafaela camiloArtes   rafaela camilo
Artes rafaela camilo
 
Artes (6)
Artes (6)Artes (6)
Artes (6)
 
Artistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da RepúblicaArtistas Plásticos e Músicos da República
Artistas Plásticos e Músicos da República
 
Tarsila do Amaral
Tarsila do AmaralTarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
 
Artes (2) weverton
Artes (2) wevertonArtes (2) weverton
Artes (2) weverton
 
3) século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral
3)  século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral3)  século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral
3) século xx no brasil-o modernismo- tarsila do amaral
 
Artistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileirosArtistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileiros
 
Tarsila do amaral pintora de sua terra e de seu tempo
Tarsila do amaral  pintora de sua terra e de seu tempoTarsila do amaral  pintora de sua terra e de seu tempo
Tarsila do amaral pintora de sua terra e de seu tempo
 
Trajetos pelo olhar dos artistas
Trajetos pelo olhar dos artistasTrajetos pelo olhar dos artistas
Trajetos pelo olhar dos artistas
 
Centro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão brunoCentro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão bruno
 
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e PortinariApresentação power point Ivan Cruz e Portinari
Apresentação power point Ivan Cruz e Portinari
 
Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes
 
Obras dos pintores artes
Obras dos pintores  artesObras dos pintores  artes
Obras dos pintores artes
 

Destaque

Os mutantes – millenium
Os mutantes – milleniumOs mutantes – millenium
Os mutantes – millenium
coletaneajovem
 
Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...
Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...
Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...
licuadorabatidosverdes69
 
Sin título 1 (1)
Sin título 1 (1)Sin título 1 (1)
Sin título 1 (1)
Eddy Mabel Prieto Gongora
 
Mub
MubMub
302.00010.2009
302.00010.2009302.00010.2009
302.00010.2009
Professora Josete
 
Boletim Março
Boletim MarçoBoletim Março
Boletim Março
Paróquia Graça
 
Auto jornal Edição nº 105
Auto jornal Edição nº 105Auto jornal Edição nº 105
Auto jornal Edição nº 105
mastermidia
 
Res. 011 09 - readequação vet
Res. 011 09 - readequação vetRes. 011 09 - readequação vet
Res. 011 09 - readequação vet
Projeto Rondon
 
Bienvenidos
BienvenidosBienvenidos
Bienvenidos
yasminardila
 
Mantra Interiors E Brochure 2016
Mantra Interiors E Brochure 2016Mantra Interiors E Brochure 2016
Mantra Interiors E Brochure 2016
Mantra Interiors Ltd
 
Tercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCD
Tercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCDTercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCD
Tercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCD
ORDEN SEGLAR CARMELITAS DESCALZOS
 
Actividades reelevantes marzo
Actividades reelevantes marzoActividades reelevantes marzo
Actividades reelevantes marzo
emmstone
 
Hepatitis
HepatitisHepatitis
Hepatitis
Ernestina Pr
 
Actividades
ActividadesActividades
Fc trajano. noelia alcalde
Fc trajano. noelia alcaldeFc trajano. noelia alcalde
Fc trajano. noelia alcalde
Pilar
 
Resultados desportivo 11.01.11 andebol
Resultados desportivo 11.01.11   andebolResultados desportivo 11.01.11   andebol
Resultados desportivo 11.01.11 andebol
sassu
 
Quadro de tirocínio planejamento
Quadro de tirocínio planejamentoQuadro de tirocínio planejamento
Quadro de tirocínio planejamento
familiaestagio
 
what is Reits
what is Reitswhat is Reits
what is Reits
NATASHYA AYUNIE
 

Destaque (20)

Os mutantes – millenium
Os mutantes – milleniumOs mutantes – millenium
Os mutantes – millenium
 
Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...
Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...
Fundamentales Y De Los Ingredientes Opcionales De La Utilizada En Recetas De ...
 
Sin título 1 (1)
Sin título 1 (1)Sin título 1 (1)
Sin título 1 (1)
 
Mub
MubMub
Mub
 
302.00010.2009
302.00010.2009302.00010.2009
302.00010.2009
 
Boletim Março
Boletim MarçoBoletim Março
Boletim Março
 
Auto jornal Edição nº 105
Auto jornal Edição nº 105Auto jornal Edição nº 105
Auto jornal Edição nº 105
 
Res. 011 09 - readequação vet
Res. 011 09 - readequação vetRes. 011 09 - readequação vet
Res. 011 09 - readequação vet
 
Bienvenidos
BienvenidosBienvenidos
Bienvenidos
 
Mantra Interiors E Brochure 2016
Mantra Interiors E Brochure 2016Mantra Interiors E Brochure 2016
Mantra Interiors E Brochure 2016
 
Tercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCD
Tercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCDTercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCD
Tercer Domingo de Cuaresma, Fr Julio César González Carretti OCD
 
Actividades reelevantes marzo
Actividades reelevantes marzoActividades reelevantes marzo
Actividades reelevantes marzo
 
Hepatitis
HepatitisHepatitis
Hepatitis
 
Actividades
ActividadesActividades
Actividades
 
Islada
IsladaIslada
Islada
 
Fc trajano. noelia alcalde
Fc trajano. noelia alcaldeFc trajano. noelia alcalde
Fc trajano. noelia alcalde
 
Resultados desportivo 11.01.11 andebol
Resultados desportivo 11.01.11   andebolResultados desportivo 11.01.11   andebol
Resultados desportivo 11.01.11 andebol
 
Quadro de tirocínio planejamento
Quadro de tirocínio planejamentoQuadro de tirocínio planejamento
Quadro de tirocínio planejamento
 
what is Reits
what is Reitswhat is Reits
what is Reits
 
Menu nadal 1
Menu nadal 1Menu nadal 1
Menu nadal 1
 

Semelhante a Albuquerque, lucilio de

Di calvacante
Di calvacanteDi calvacante
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
Carlos Elson Cunha
 
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
DafianaCarlos
 
Artistas imp
Artistas impArtistas imp
Artistas imp
Andrea Cortelazzi
 
Gruber, mário
Gruber, márioGruber, mário
Gruber, mário
deniselugli2
 
Camargo, iberê
Camargo, iberêCamargo, iberê
Camargo, iberê
deniselugli2
 
Di cavalcanti
Di cavalcantiDi cavalcanti
Di cavalcanti
DeaaSouza
 
De fiori, ernesto
De fiori, ernestoDe fiori, ernesto
De fiori, ernesto
deniselugli2
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
deniselugli2
 
Volpi, alfredo
Volpi, alfredoVolpi, alfredo
Volpi, alfredo
deniselugli2
 
Costa, waldemar da
Costa, waldemar daCosta, waldemar da
Costa, waldemar da
deniselugli2
 
Rebolo gonzales, francisco
Rebolo gonzales, franciscoRebolo gonzales, francisco
Rebolo gonzales, francisco
deniselugli2
 
Scliar, carlos
Scliar, carlosScliar, carlos
Scliar, carlos
deniselugli2
 
Artistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºCArtistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºC
Michele Pó
 
Visconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angeloVisconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angelo
deniselugli2
 
Pedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borgesPedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borges
deniselugli2
 
Seelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristidesSeelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristides
deniselugli2
 
Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
Agostinho NSilva
 
Almeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz deAlmeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz de
deniselugli2
 
Pereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscarPereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscar
deniselugli2
 

Semelhante a Albuquerque, lucilio de (20)

Di calvacante
Di calvacanteDi calvacante
Di calvacante
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
 
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJAARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
ARTES_ O USO DA IMAGEM NA EJA
 
Artistas imp
Artistas impArtistas imp
Artistas imp
 
Gruber, mário
Gruber, márioGruber, mário
Gruber, mário
 
Camargo, iberê
Camargo, iberêCamargo, iberê
Camargo, iberê
 
Di cavalcanti
Di cavalcantiDi cavalcanti
Di cavalcanti
 
De fiori, ernesto
De fiori, ernestoDe fiori, ernesto
De fiori, ernesto
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
 
Volpi, alfredo
Volpi, alfredoVolpi, alfredo
Volpi, alfredo
 
Costa, waldemar da
Costa, waldemar daCosta, waldemar da
Costa, waldemar da
 
Rebolo gonzales, francisco
Rebolo gonzales, franciscoRebolo gonzales, francisco
Rebolo gonzales, francisco
 
Scliar, carlos
Scliar, carlosScliar, carlos
Scliar, carlos
 
Artistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºCArtistas e Músicos República 8ºC
Artistas e Músicos República 8ºC
 
Visconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angeloVisconti, eliseu d'angelo
Visconti, eliseu d'angelo
 
Pedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borgesPedro alexandrino borges
Pedro alexandrino borges
 
Seelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristidesSeelinger, helios aristides
Seelinger, helios aristides
 
Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
 
Almeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz deAlmeida júnior, josé ferraz de
Almeida júnior, josé ferraz de
 
Pereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscarPereira da silva, oscar
Pereira da silva, oscar
 

Mais de deniselugli2

Zeferino da costa, joão
Zeferino da costa, joãoZeferino da costa, joão
Zeferino da costa, joão
deniselugli2
 
Weingärtner, pedro
Weingärtner, pedroWeingärtner, pedro
Weingärtner, pedro
deniselugli2
 
Wega nery
Wega neryWega nery
Wega nery
deniselugli2
 
Wakabayashi, kazuo
Wakabayashi, kazuoWakabayashi, kazuo
Wakabayashi, kazuo
deniselugli2
 
Vítor meireles de lima
Vítor meireles de limaVítor meireles de lima
Vítor meireles de lima
deniselugli2
 
Viaro, guido
Viaro, guidoViaro, guido
Viaro, guido
deniselugli2
 
Valentim, rubem
Valentim, rubemValentim, rubem
Valentim, rubem
deniselugli2
 
Tozzi, cláudio.
Tozzi, cláudio.Tozzi, cláudio.
Tozzi, cláudio.
deniselugli2
 
Timóteo da costa, artur
Timóteo da costa, arturTimóteo da costa, artur
Timóteo da costa, artur
deniselugli2
 
Taunay, nicolas antoine
Taunay, nicolas antoineTaunay, nicolas antoine
Taunay, nicolas antoine
deniselugli2
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
deniselugli2
 
Sigaud, eugênio de proença
Sigaud, eugênio de proençaSigaud, eugênio de proença
Sigaud, eugênio de proença
deniselugli2
 
Serpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreiraSerpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreira
deniselugli2
 
Segall, lasar
Segall, lasarSegall, lasar
Segall, lasar
deniselugli2
 
Schendel hergesheimer, mira
Schendel hergesheimer, miraSchendel hergesheimer, mira
Schendel hergesheimer, mira
deniselugli2
 
Samico, gilvan
Samico, gilvanSamico, gilvan
Samico, gilvan
deniselugli2
 
Sacilotto, luís
Sacilotto, luísSacilotto, luís
Sacilotto, luís
deniselugli2
 
Rugendas, johann moritz
Rugendas, johann moritzRugendas, johann moritz
Rugendas, johann moritz
deniselugli2
 
Rodrigues, glauco
Rodrigues, glaucoRodrigues, glauco
Rodrigues, glauco
deniselugli2
 
Ramos, nuno
Ramos, nunoRamos, nuno
Ramos, nuno
deniselugli2
 

Mais de deniselugli2 (20)

Zeferino da costa, joão
Zeferino da costa, joãoZeferino da costa, joão
Zeferino da costa, joão
 
Weingärtner, pedro
Weingärtner, pedroWeingärtner, pedro
Weingärtner, pedro
 
Wega nery
Wega neryWega nery
Wega nery
 
Wakabayashi, kazuo
Wakabayashi, kazuoWakabayashi, kazuo
Wakabayashi, kazuo
 
Vítor meireles de lima
Vítor meireles de limaVítor meireles de lima
Vítor meireles de lima
 
Viaro, guido
Viaro, guidoViaro, guido
Viaro, guido
 
Valentim, rubem
Valentim, rubemValentim, rubem
Valentim, rubem
 
Tozzi, cláudio.
Tozzi, cláudio.Tozzi, cláudio.
Tozzi, cláudio.
 
Timóteo da costa, artur
Timóteo da costa, arturTimóteo da costa, artur
Timóteo da costa, artur
 
Taunay, nicolas antoine
Taunay, nicolas antoineTaunay, nicolas antoine
Taunay, nicolas antoine
 
Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
Sigaud, eugênio de proença
Sigaud, eugênio de proençaSigaud, eugênio de proença
Sigaud, eugênio de proença
 
Serpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreiraSerpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreira
 
Segall, lasar
Segall, lasarSegall, lasar
Segall, lasar
 
Schendel hergesheimer, mira
Schendel hergesheimer, miraSchendel hergesheimer, mira
Schendel hergesheimer, mira
 
Samico, gilvan
Samico, gilvanSamico, gilvan
Samico, gilvan
 
Sacilotto, luís
Sacilotto, luísSacilotto, luís
Sacilotto, luís
 
Rugendas, johann moritz
Rugendas, johann moritzRugendas, johann moritz
Rugendas, johann moritz
 
Rodrigues, glauco
Rodrigues, glaucoRodrigues, glauco
Rodrigues, glauco
 
Ramos, nuno
Ramos, nunoRamos, nuno
Ramos, nuno
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Albuquerque, lucilio de

  • 1. ALBUQUERQUE, Lucilio de (1877-1939). Nascido em Barras (PI), filho de um magistrado e descendendo de tradicional família pernambucana, Lucílio de AIbuquerque destinava-se também à carreira jurídica, chegando a cursar a Faculdade de Direito de São Paulo, que abandonou logo no 1° ano. Em 1896 era aluno da Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, tendo freqüentado as classes de Zeferino da Costa, Daniel Bérard, Rodolfo Amoedo e Henrique Bernardelli. Numa entrevista, muitos anos depois, o pintor confessaria: - A maior emoção de minha carreira recebi-a quando, pela primeira vez, me vi, na minha primeira aula de Desenho Figurado, de fusain em punho, diante de uma folha moldada em gesso, para copiar! Passei os olhos por tudo quanto me rodeava. Os veteranos, com uma semana de trabalho, já haviam marcado as suas tarefas, bustos, estátuas, torsos. Tive a impressão de que aquilo tudo era uma maravilha e senti-me incapaz de fazer o mesmo. Quando a aula terminou, corri como um louco para o meu quarto, o meu pobre quartinho de pensão! E completamente só, desanimado, eu que até aquela data tinha vivido dentro da casa ampla e feliz de meus pais, não pude conformar-me com a minha situação, que me parecia horrível, e chorei como uma criança inconsolável... Felizmente o dia seguinte trouxe-me o alento, enxugou-me as lágrimas e deu-me ânimo para continuar nessa luta, que nunca mais cessou, e para a qual também nunca mais me faltou a coragem precisa. Expôs pela primeira vez no Salão de 1902, no qual obteve menção de 2º grau; no mesmo certame receberia sucessivamente menção de 1º grau (1904) , medalha de prata (1907), pequena medalha de ouro (1912, com Despertar de Ícaro) grande medalha de ouro (1916) e medalha de honra (1920, com Retrato de Georgina). Em 1906 foi-lhe atribuído o prêmio de viagem à Europa da Escola, pela tela Anchieta escrevendo o Poema da Virgem. A 31 de março do mesmo ano casara-se com uma colega primeiranista, Georgina de Moura Andrade - a futura grande artista Georgina de Albuquerque -, juntos seguindo para a França, para uma permanência de cinco anos. Em Paris freqüentou a Académie Julian, aperfeiçoando-se com Marcel Baschet, Henry Royer e Jean-Paul Laurens, e também o ateliê de Grasset, tal como Visconti alguns anos antes. Ao lado daquela orientação conservadora, e do breve interlúdio decorativista, sob a égide de um dos corifeus do Art Nouveau, Lucílio não deixaria igualmente de observar as tendências estéticas mais em voga, deixando-se mesmo seduzir por procedimentos impressionistas e simbolistas, visíveis em suas pinturas realizadas entre 1906 e 1911 (Etang de Triveau, Paisagem de Lemesnil, Primavera em França, Paraíso Restituído, Freira e Enfermo, Sono, Despertar de Ícaro, Prometeu, Visão de Floresta, Dante, etc.). Por quatro vezes, de 1908 a 1911, expôs no Salon des Artistes Français, sendo que nesse último ano exibiu sua pintura talvez mais conhecida, Despertar de Ícaro, um tema que lhe nascera ao presenciar, em 1906, o vôo pioneiro de Santos Dumont em Paris, intermesclado, porém, a toda uma gama de elementos esotéricos, rosacrucianos. Retornando ao Brasil em 1911, e após realizar, ao lado de Georgina, uma grande exposição, agrupando 107 trabalhos, na Escola Nacional de Belas Artes, Lucílio tornou-se professor de Desenho da instituição, assumindo a cátedra respectiva em 1916. Bom mestre, que respeitava a personalidade dos jovens discípulos, coube-lhe iniciar a, entre tantos outros, Cândido Portinari. Por pouco mais de ano, entre janeiro de 1937 e março de 1938, dirigiu inclusive a Escola, da qual se afastou por motivo de saúde, para falecer meses mais tarde, a 19 de abril de 1939. Lucílio de Albuquerque praticou todos os gêneros, tendo-se destacado sobremodo como paisagista e pintor de figuras. Ele mesmo diria, de certa feita: - Não tenho propriamente um gênero predileto. Pinto com o mesmo entusiasmo a marinha e a paisagem. Todavia confesso-lhe que fico mais satisfeito toda vez que realizo um quadro de idéia, que faça pensar. A quadros de idéias referira-se também, anos antes, o grande Oliveira Lima, ao escrever sobre Despertar de Ícaro em 1912:
  • 2. - Não se quis o artista limitar a reproduzir a natureza, quero dizer, a interpretá-la. Aspira a dar nas telas as idéias que são expressão legítima da sua inteligência e a correlação necessária da sensibilidade, fundamento da arte. Mas, ao lado da pintura de cavalete, executou o artista vitrais para o Pavilhão Brasileiro na Exposição de Turim de 1911, e murais para o antigo Conselho Municipal, depois Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Trabalhando infatigavelmente, realizou inúmeras exposições, não só no Rio de Janeiro, como ainda em São Paulo (inclusive sua última, em 1936, ao lado da mulher), Salvador, Recife, Porto Alegre e Campos. De uma viagem a Salvador, em 1924, trouxe um punhado de óleos marcados pela luminosidade característica da cidade, refletida não já em pinceladas, porém em golpes de espátula, recurso do qual nunca mais se afastaria. Estilisticamente, pode-se dizer que Lucílio partiu das sombras para a luz, tornando-se sua paleta mais e mais clara, à medida que sua arte amadurecia. Afastando-se gradativamente de uma concepção realista da forma, obtida com o emprego de sólido desenho, o artista chegaria, no final da carreira, a efeitos cromáticos quase expressionistas: pela modernidade e originalidade que ostentam, são muito apreciadas suas paisagens de tonalidades violáceas inconfundíveis, extravasadas numa textura opulenta, obtida à espátula. Conquistado pela pintura de plein-air, Lucilio tornara-se, em começos do Séc. XX, um dos representantes tardios do Impressionismo no Brasil; espírito curioso, ainda em 1920, com o Retrato de Georgina, procurava renovar-se, buscando então uma estilização e um despojamento de planos que, de certa maneira, o aproximam do Art Déco. Após sua morte, Georgina de Albuquerque organizou, na residência do casal em Laranjeiras (RJ), o Museu Lucílio de Albuquerque, cujo acervo de 127 obras hoje pertence ao Estado. Uma exposição póstuma, levada a efeito em 1940 pelo Ministério da Educação e Saúde, evocou o artista recém-desaparecido. E em 1977, para celebrar o centenário de seu nascimento, o Museu Nacional de Belas Artes reuniu pinturas, aquarelas e desenhos tanto de Lucílio como de Georgina de Albuquerque. Retrato de Georgina de Albuquerque, óleo s/ tela, 1907; 0,61 X 0,50, Pinacoteca do Estado de São Paulo. Jangada, óleo s/ tela, 1920; 0,90 X 1,09, Palácio Bandeirantes, SP. Gávea Golf, Rio de Janeiro, óleo s/ tela, cerca 1928; 0,76 X 1,20, Museu Nacional de Belas Artes, RJ.