SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Nesta 5ª edição do projeto “Saúde Ponto a Ponto Vallée”,
aprenda como deve ser feita a limpeza correta dos equipamentos
de ordenha.
Os equipamentos de ordenha são locais propícios ao acúmulo de resíduos
do leite, ideais para o crescimento e a multiplicação de bactérias. Por isso,
se a limpeza não for realizada corretamente, tanques, tubulações e válvulas
tornam-se um meio de cultura para os microrganismos, o que aumenta
a contaminação do leite. Conheça os fatores mais importantes para garantir
uma desinfecção eficiente.
SAÚDE
Agosto-2015 | Manutenção e limpeza
dos equipamentos de ordenha.
5
Consulte sempre um Médico Veterinário.
www.vallee.com.br
NO LEITE,
TEMPO É DINHEIRO.
Quem acompanha o dia a dia do produtor de leite
sabe que o controle da mastite deve ser rápido e eficaz.
A Vallée tem a linha mais completa para o controle da doença.
Linha Leite Vallée.
Retorno na velocidade que seu negócio exige.
Disponíveis nas melhores lojas
e revendas agropecuárias.
/ValleeOficial/ValleeOficial 0800 882 5533@ValleeSA
2 antibióticos
1 anti-inflamatório
Tipos de resíduos do leite Passo-a-passo da limpeza dos equipamentos de ordenha
Sistemas de leite canalizado utilizam a limpeza tipo CIP (clean in place), também conhecida como limpeza por circulação.
No sistema CIP, as unidades de ordenha são conectadas à linha de limpeza, permitindo a circulação completa das soluções
limpadoras.
A limpeza deve começar imediatamente após a ordenha, enquanto as tubulações estão mornas e ainda não ocorreu
a formação de depósitos de resíduos.
Para uma limpeza eficiente é preciso inicialmente conhecer os tipos de resíduos que se acumulam
nos equipamentos de ordenha, os quais podem ser classificados em orgânicos, compostos por proteína,
gordura e lactose, e minerais.
Tão importante quanto seguir todos os procedimentos
de limpeza é efetuar a manutenção dos equipamentos de
ordenha, seguindo as recomendações de cada fabricante.
As tradicionais teteiras de borracha, por exemplo, devem
ser trocadas a cada 2.500 ordenhas.
Recomenda-se revisão completa do equipamento de ordenha
a cada seis meses.
SAÚDE
Fique de olho!
Gordura: a remoção da gordura do leite depende da
alcalinidade (pH) e da temperatura da solução de limpeza.
A água deve ser aquecida a uma temperatura superior
a 70º C. Deve ser usado detergente alcalino para quebrar
os glóbulos de gordura e facilitar sua remoção.
Proteína: o acúmulo de proteína forma um filme incolor
ou amarelo cuja remoção é bastante difícil. Para facilitar
sua remoção, deve ser usado um detergente alcalino
clorado que quebra a proteína em partes menores.
Lactose: a remoção é feita no enxágue inicial, quando
o excesso de leite é removido.
Resíduos minerais (inorgânicos): compostos pelos sais
presentes no leite e na água de limpeza, como cálcio,
magnésio e ferro. Caso não sejam removidos, esses resíduos
minerais precipitam e aderem ao equipamento. Junto com
os sais, parte dos resíduos orgânicos fica retida, formando
um filme, conhecido como “pedra do leite”. A remoção da
“pedra do leite” é feita com solução de detergente ácido.
Fonte: Livro: “Estratégias para Controle de Mastite e Melhoria da Qualidade do Leite”. Adaptação Vallée.
Limpeza em sistemas do tipo balde ao pé.
Limpeza do tanque de expansão.
Fatores que influenciam a ação dos detergentes
Concentração: baixas concentrações proporcionam uma limpeza incompleta, enquanto altas
concentrações podem causar deposições, reduzir a eficiência e aumentar o custo da limpeza.
Siga sempre as recomendações do fabricante.
Temperatura: cada detergente possui uma faixa ótima para maximizar sua ação química.
Por exemplo: em baixas temperaturas, a ação química do detergente alcalino é diminuída.
Em temperaturas elevadas, alguns ingredientes podem ser degradados.
Tempo de contato: é necessário um tempo mínimo para que a ação química do produto
de limpeza remova os resíduos do leite. Esse período varia de acordo com a quantidade de
resíduo a ser removido e a temperatura da solução de limpeza. Se o tempo for excessivo,
corre-se o risco dos resíduos se depositarem em função da queda gradativa da temperatura
da solução.
Água: é o principal constituinte de todas as soluções de limpeza e sanitizantes. É necessário
ajustar a concentração de detergente em função da qualidade da água, que não deve conter
sujeira ou contaminação.
5 Após o final da ordenha, enxágue cada unidade
de ordenha com água morna (38º C a 43º C),
passando a água através da teteira com a
unidade em funcionamento. Desmonte todos os
componentes e mergulhe em solução detergente
alcalina com temperatura entre 52º C e 54º C.
Esfregue os componentes com escova apropriada.
Conforme descrito anteriormente para sistemas
por circulação (tipo CIP), faça a limpeza dos
componentes com solução detergente ácido.
Coloque os componentes em local apropriado para
secagem. Antes da nova ordenha, recomenda-se
a passagem de solução desinfetante como
na limpeza de sistemas canalizados.
Remova de modo manual ou por circulação
(tipo CIP) o acúmulo de resíduos de leite
do tanque de expansão. Após o esvaziamento
do tanque, enxágue a superfície com água
morna (38º C a 43º C).
Prepare de 5 a 10 litros de solução de
detergente alcalino clorado a 49º C a 54º C,
de acordo com a recomendação do fabricante,
e esfregue todas as superfícies com escova
apropriada, especialmente a pá do agitador
e o registro de saída do leite.
Embora exista no meio a informação difundida de que a limpeza ácida pode ser feita
três vezes por semana, o correto é que o procedimento seja efetuado todos os dias.
Importante
1. Desconectar a tubulação
Desconecte a tubulação do tanque resfriador e deixe
drenar todo o resíduo da unidade final e da bomba
de leite. Recomenda-se a limpeza manual externa
das unidades finais e mangueiras antes de acoplar
as unidades de ordenha na linha de limpeza.
2. Enxágue inicial
Enxágue com água morna (38º C a 53º C) para
remover os resíduos do leite solúveis em água.
Recomenda-se não recircular esse enxágue
e descartar a água após a passagem pelo
equipamento.
3. Limpeza com detergente alcalino clorado
Limpeza por circulação (tipo CIP).A temperatura
inicial deve ser de aproximadamente 70º C e,
no final do ciclo, não inferior a 40º C.A água
recircula e o ciclo de limpeza deve ter duração
em torno de 10 minutos.
4. Limpeza com detergente ácido
Limpeza por circulação (tipo CIP).A água pode
ser fria ou levemente aquecida (35º C a 43º C).
A água recircula e o ciclo de limpeza deve ter
duração de 5 minutos.
5. Desinfecção ou sanitilização
É o primeiro passo antes do início da próxima
ordenha. O objetivo é eliminar as bactérias que
sobreviveram às etapas anteriores.A limpeza é feita
por circulação (tipo CIP). Os compostos à base de
cloro são os mais utilizados, pois são de amplo
espectro de ação e boa eficácia.
Após a limpeza com detergente alcalino, pode-se utilizar uma solução de
detergente ácido para reduzir a formação de pedra do leite. Antes da próxima
utilização do tanque, é importante utilizar uma solução desinfetante à base
de cloro para reduzir a contaminação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de roteiro aula prática 06 alcool gel
Modelo de roteiro   aula prática 06 alcool gelModelo de roteiro   aula prática 06 alcool gel
Modelo de roteiro aula prática 06 alcool gel
Marisol Porto
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
STAB Setentrional
 
analises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalanalises mineral e vegetal
analises mineral e vegetal
aline silva
 

Mais procurados (20)

Modelo de roteiro aula prática 06 alcool gel
Modelo de roteiro   aula prática 06 alcool gelModelo de roteiro   aula prática 06 alcool gel
Modelo de roteiro aula prática 06 alcool gel
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca
 
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...Seminário stab 2013   industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
Seminário stab 2013 industrial - 05. processo de fabricação de levedura sec...
 
Características do leite
Características do leiteCaracterísticas do leite
Características do leite
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
RELATÓRIO leite
RELATÓRIO leiteRELATÓRIO leite
RELATÓRIO leite
 
Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1Rotina de ordenha mecânica1
Rotina de ordenha mecânica1
 
Adolpho lutz leite
Adolpho lutz leiteAdolpho lutz leite
Adolpho lutz leite
 
Processamento e secagem do leite - Físico-química
Processamento e secagem do leite - Físico-químicaProcessamento e secagem do leite - Físico-química
Processamento e secagem do leite - Físico-química
 
Pasteurização (leite)
Pasteurização (leite)Pasteurização (leite)
Pasteurização (leite)
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
analises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalanalises mineral e vegetal
analises mineral e vegetal
 
Analise leite
Analise leiteAnalise leite
Analise leite
 
Centrifugas de fermento
Centrifugas de fermentoCentrifugas de fermento
Centrifugas de fermento
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 
A P P C C
A  P  P C CA  P  P C C
A P P C C
 
5-Treinamento Fermentação /Destilação
5-Treinamento Fermentação /Destilação5-Treinamento Fermentação /Destilação
5-Treinamento Fermentação /Destilação
 
Boas praticas de manejo na ordenha
Boas praticas de manejo na ordenhaBoas praticas de manejo na ordenha
Boas praticas de manejo na ordenha
 

Semelhante a Encarte 5º ponto_af

Processamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e RequeijãoProcessamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e Requeijão
Jeniffer Kelly Rodrigues
 
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptxFluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
helidaleao
 
(Q) tecnologia alimenticia
(Q) tecnologia alimenticia(Q) tecnologia alimenticia
(Q) tecnologia alimenticia
Agnaldo silva
 
Produção-Higienica-de-Leite.pdf
Produção-Higienica-de-Leite.pdfProdução-Higienica-de-Leite.pdf
Produção-Higienica-de-Leite.pdf
KatiaSoares38
 
Apostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_serconApostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_sercon
GiselaBruns
 
Senar produção de leite conforme in 62
Senar   produção de leite conforme in 62Senar   produção de leite conforme in 62
Senar produção de leite conforme in 62
Jane Domingues
 
B022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleiteB022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleite
Débora Oliveira
 

Semelhante a Encarte 5º ponto_af (20)

AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdfAULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
 
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseirosGuia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
 
Processamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e RequeijãoProcessamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e Requeijão
 
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptxFluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
Fluxograma e análises físico-quimica 5.pptx
 
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
290481009-Processamento-Creme-de-Leite-Manteiga-e-Margarina.pptx
 
(Q) tecnologia alimenticia
(Q) tecnologia alimenticia(Q) tecnologia alimenticia
(Q) tecnologia alimenticia
 
Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
 
Produção-Higienica-de-Leite.pdf
Produção-Higienica-de-Leite.pdfProdução-Higienica-de-Leite.pdf
Produção-Higienica-de-Leite.pdf
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
Apas vital
Apas vitalApas vital
Apas vital
 
Descarte de óleo 1 A
Descarte de óleo 1 ADescarte de óleo 1 A
Descarte de óleo 1 A
 
Apostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_serconApostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_sercon
 
aula_2_2022.2.pptx
aula_2_2022.2.pptxaula_2_2022.2.pptx
aula_2_2022.2.pptx
 
redução
reduçãoredução
redução
 
Senar produção de leite conforme in 62
Senar   produção de leite conforme in 62Senar   produção de leite conforme in 62
Senar produção de leite conforme in 62
 
água
águaágua
água
 
Cap26
Cap26Cap26
Cap26
 
B022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleiteB022 processamento bovinoleite
B022 processamento bovinoleite
 
Boas Práticas de Ordenha.pptx
Boas Práticas de Ordenha.pptxBoas Práticas de Ordenha.pptx
Boas Práticas de Ordenha.pptx
 

Mais de Renato Villela

Mais de Renato Villela (20)

Controle certeiro f2
Controle certeiro f2Controle certeiro f2
Controle certeiro f2
 
Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Pg 34
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
 
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 

Último (8)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 

Encarte 5º ponto_af

  • 1. Nesta 5ª edição do projeto “Saúde Ponto a Ponto Vallée”, aprenda como deve ser feita a limpeza correta dos equipamentos de ordenha. Os equipamentos de ordenha são locais propícios ao acúmulo de resíduos do leite, ideais para o crescimento e a multiplicação de bactérias. Por isso, se a limpeza não for realizada corretamente, tanques, tubulações e válvulas tornam-se um meio de cultura para os microrganismos, o que aumenta a contaminação do leite. Conheça os fatores mais importantes para garantir uma desinfecção eficiente. SAÚDE Agosto-2015 | Manutenção e limpeza dos equipamentos de ordenha. 5 Consulte sempre um Médico Veterinário. www.vallee.com.br NO LEITE, TEMPO É DINHEIRO. Quem acompanha o dia a dia do produtor de leite sabe que o controle da mastite deve ser rápido e eficaz. A Vallée tem a linha mais completa para o controle da doença. Linha Leite Vallée. Retorno na velocidade que seu negócio exige. Disponíveis nas melhores lojas e revendas agropecuárias. /ValleeOficial/ValleeOficial 0800 882 5533@ValleeSA 2 antibióticos 1 anti-inflamatório
  • 2. Tipos de resíduos do leite Passo-a-passo da limpeza dos equipamentos de ordenha Sistemas de leite canalizado utilizam a limpeza tipo CIP (clean in place), também conhecida como limpeza por circulação. No sistema CIP, as unidades de ordenha são conectadas à linha de limpeza, permitindo a circulação completa das soluções limpadoras. A limpeza deve começar imediatamente após a ordenha, enquanto as tubulações estão mornas e ainda não ocorreu a formação de depósitos de resíduos. Para uma limpeza eficiente é preciso inicialmente conhecer os tipos de resíduos que se acumulam nos equipamentos de ordenha, os quais podem ser classificados em orgânicos, compostos por proteína, gordura e lactose, e minerais. Tão importante quanto seguir todos os procedimentos de limpeza é efetuar a manutenção dos equipamentos de ordenha, seguindo as recomendações de cada fabricante. As tradicionais teteiras de borracha, por exemplo, devem ser trocadas a cada 2.500 ordenhas. Recomenda-se revisão completa do equipamento de ordenha a cada seis meses. SAÚDE Fique de olho! Gordura: a remoção da gordura do leite depende da alcalinidade (pH) e da temperatura da solução de limpeza. A água deve ser aquecida a uma temperatura superior a 70º C. Deve ser usado detergente alcalino para quebrar os glóbulos de gordura e facilitar sua remoção. Proteína: o acúmulo de proteína forma um filme incolor ou amarelo cuja remoção é bastante difícil. Para facilitar sua remoção, deve ser usado um detergente alcalino clorado que quebra a proteína em partes menores. Lactose: a remoção é feita no enxágue inicial, quando o excesso de leite é removido. Resíduos minerais (inorgânicos): compostos pelos sais presentes no leite e na água de limpeza, como cálcio, magnésio e ferro. Caso não sejam removidos, esses resíduos minerais precipitam e aderem ao equipamento. Junto com os sais, parte dos resíduos orgânicos fica retida, formando um filme, conhecido como “pedra do leite”. A remoção da “pedra do leite” é feita com solução de detergente ácido. Fonte: Livro: “Estratégias para Controle de Mastite e Melhoria da Qualidade do Leite”. Adaptação Vallée. Limpeza em sistemas do tipo balde ao pé. Limpeza do tanque de expansão. Fatores que influenciam a ação dos detergentes Concentração: baixas concentrações proporcionam uma limpeza incompleta, enquanto altas concentrações podem causar deposições, reduzir a eficiência e aumentar o custo da limpeza. Siga sempre as recomendações do fabricante. Temperatura: cada detergente possui uma faixa ótima para maximizar sua ação química. Por exemplo: em baixas temperaturas, a ação química do detergente alcalino é diminuída. Em temperaturas elevadas, alguns ingredientes podem ser degradados. Tempo de contato: é necessário um tempo mínimo para que a ação química do produto de limpeza remova os resíduos do leite. Esse período varia de acordo com a quantidade de resíduo a ser removido e a temperatura da solução de limpeza. Se o tempo for excessivo, corre-se o risco dos resíduos se depositarem em função da queda gradativa da temperatura da solução. Água: é o principal constituinte de todas as soluções de limpeza e sanitizantes. É necessário ajustar a concentração de detergente em função da qualidade da água, que não deve conter sujeira ou contaminação. 5 Após o final da ordenha, enxágue cada unidade de ordenha com água morna (38º C a 43º C), passando a água através da teteira com a unidade em funcionamento. Desmonte todos os componentes e mergulhe em solução detergente alcalina com temperatura entre 52º C e 54º C. Esfregue os componentes com escova apropriada. Conforme descrito anteriormente para sistemas por circulação (tipo CIP), faça a limpeza dos componentes com solução detergente ácido. Coloque os componentes em local apropriado para secagem. Antes da nova ordenha, recomenda-se a passagem de solução desinfetante como na limpeza de sistemas canalizados. Remova de modo manual ou por circulação (tipo CIP) o acúmulo de resíduos de leite do tanque de expansão. Após o esvaziamento do tanque, enxágue a superfície com água morna (38º C a 43º C). Prepare de 5 a 10 litros de solução de detergente alcalino clorado a 49º C a 54º C, de acordo com a recomendação do fabricante, e esfregue todas as superfícies com escova apropriada, especialmente a pá do agitador e o registro de saída do leite. Embora exista no meio a informação difundida de que a limpeza ácida pode ser feita três vezes por semana, o correto é que o procedimento seja efetuado todos os dias. Importante 1. Desconectar a tubulação Desconecte a tubulação do tanque resfriador e deixe drenar todo o resíduo da unidade final e da bomba de leite. Recomenda-se a limpeza manual externa das unidades finais e mangueiras antes de acoplar as unidades de ordenha na linha de limpeza. 2. Enxágue inicial Enxágue com água morna (38º C a 53º C) para remover os resíduos do leite solúveis em água. Recomenda-se não recircular esse enxágue e descartar a água após a passagem pelo equipamento. 3. Limpeza com detergente alcalino clorado Limpeza por circulação (tipo CIP).A temperatura inicial deve ser de aproximadamente 70º C e, no final do ciclo, não inferior a 40º C.A água recircula e o ciclo de limpeza deve ter duração em torno de 10 minutos. 4. Limpeza com detergente ácido Limpeza por circulação (tipo CIP).A água pode ser fria ou levemente aquecida (35º C a 43º C). A água recircula e o ciclo de limpeza deve ter duração de 5 minutos. 5. Desinfecção ou sanitilização É o primeiro passo antes do início da próxima ordenha. O objetivo é eliminar as bactérias que sobreviveram às etapas anteriores.A limpeza é feita por circulação (tipo CIP). Os compostos à base de cloro são os mais utilizados, pois são de amplo espectro de ação e boa eficácia. Após a limpeza com detergente alcalino, pode-se utilizar uma solução de detergente ácido para reduzir a formação de pedra do leite. Antes da próxima utilização do tanque, é importante utilizar uma solução desinfetante à base de cloro para reduzir a contaminação.