SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
MATÉRIA PRIMA
Com boa qualidade a matéria prima é processada rapidamente e resulta em alto
rendimento industrial. O produto de alta qualidade normalmente reduz o custo por
unidade de produto, enquanto que a má qualidade provoca perdas de tempo no
processamento, maior consumo de utilidades e produtos químicos, resultando em
menor rendimento industrial e produto de qualidade inferior.
MATÉRIA PRIMA
•A parte sólida desses colmos é constituída por celulose, lignina e pentosanas
(conhecida como fibra).
•A parte líquida é formada pelo caldo, uma solução aquosa com uma variedade de
substâncias orgânicas. 91% do caldo é constituído de: 78% a 86% de água, 10% a
20% de sacarose, 0,1% a 2,0% de açúcares redutores, 0,3% a 0,5% de cinza, 0,5%
a 1,0% de compostos nitrogenados e pH entre 5,2 a 6,8 (LIMA et al., 2001).
•Em média, uma tonelada de cana rende aproximadamente 80 litros de etanol e 130
kg de açúcar VHP (very high polarization), em um processo sem perdas corriqueiras
de uma produção industrial.


                                              1. Epiderme
                                              2. Células espessas da casca
                                              3. e 4. Feixes vasculares de
                                              diferentes tamanhos (xilema)
                                              5. Esclerênquima (sustentação)
                                              6. Parênquima (estocagem)
DEFINIÇÕES
Brix % CE: indica a porcentagem, em peso, de sólidos solúveis no caldo, o qual,
por sua vez, nos possibilitará a determinação dos sólidos na cana-de-açúcar. O ideal
é de no mínimo 15 chegando a 20 ° Brix.

Teor de Sacarose (leitura sacarimétrica): indica a quantidade de sacarose na
cana. O ideal, com um brix 18 seria de 66 ou mais o que deve gerar uma Pureza %
Cana acima de 88%.

Pol % CA: é a porcentagem, em peso, de sacarose aparente encontrada na
solução(13 - 18 %).

AR: açúcar, não sacarose existente no caldo. Além da quantidade normal existente
eles se formam, durante a degradação no campo, pelo desdobramento da molécula
de sacarose. Seu teor ideal deve ficar abaixo de 0,8% (glicose e frutose).

PBU(peso do bolo úmido): Utilizado no cálculo da Fibra da Cana que por sua vez
entra no cálculo do ART % Cana, Brix % Cana, Pol % Cana e AR % Cana.
DEFINIÇÕES
Fibra % CA : teor de fibra na cana analisada ( 11 - 15 % ) A porcentagem de fibra
da cana reflete na eficiência da extração da moenda, ou seja, quanto mais alta a
porcentagem de fibra da cana, menor será a eficiência de extração.

pH e acidez: Uma cana muito ácida indica deficiência na adubagem (calagem
inadequada), cana velha ou tempo de queima muito alto propiciando um ambiente
melhor para o desenvolvimento de bactérias. A sacarose, sob condições ácidas ou
ação de enzimas (invertase), desdobra-se em duas moléculas de monossacarídeos
(glicose e frutose) diminuindo o teor de sacarose e aumentando o teor de glicose e
frutose, açúcares estes que não cristalizam. O pH ideal fica entre 5,2 - 5,5.

ART – Açúcares Redutores Totais. Utilizado para se conhecer o total de açúcares
(sacarose + frutose + glicose) presentes e que serão recuperados em forma de
etanol e/ou açúcar cristalizado. Seu teor varia de 13 a 17,5 %, podendo ter teores
maiores dependendo do cultivo.

ATR - Açúcares Totais Recuperáveis, em peso, em solução (sacarose, glicose e
frutose) utilizado para pagamento de cana do fornecedor.
TRANSFORMAÇÃO DA SACAROSE EM AÇÚCARES REDUTORES

Na presença de certas enzimas ou sob ação ácida e temperatura adequada, a
sacarose agrega a uma molécula de água e desdobra-se, por hidrólise ou
inversão, em uma molécula de glucose e outra de frutose (açúcares invertidos)
(Fernandes, 2000).

C12H22O11   +   H2O        C6H12O6 + C6H12O6
mm- 342g        mm-18g         mm-180g     mm-180g
sacarose         água           glucose     frutose

Então o ART, ou seja, a sacarose pode ser transformada em açúcar invertido
dividindo-se a massa da sacarose por 0,95.


                                    =           = 0,95
Exemplo:

Em 500g de colmo (cana) 0,5 kg ______________ 350 mL de caldo = 0,35 L
Em 120.000 kg de colmos (cana) _______________ X L de caldo
X = 84.000 L de caldo

Em 100 mL = 0,1 L de caldo ___________________ 17 g = 0, 017 kg de sacarose
Em 84.000 L de caldo ________________________ X kg de sacarose aparente
X = 14.280 kg de sacarose

14,28 t de sacarose aparente / ha
Logo, a produção de 14.280 kg de sacarose corresponde a:

ARTsac =                    = 15.031,58 kg de ART (Fernandes, 2000).
RENDIMENTO ESTEQUIOMÉTRICO DA FERMENTAÇÃO

Definido como o volume de álcool (litros) a ser produzido com eficiência de
100% por kg de ART, ou seja, admitindo-se que todas as moléculas de açúcar
transformam-se em etanol, tem-se (Fernandes, 2000):

        C6H12O6      2x   CH3CH2OH     + 2x CO2
         mm – 180g          mm – 2x 46g          mm – 2x 44g
        glicose                álcool   dióxido de carbono

        Exemplo:
Para o álcool hidratado de graduação 93,2 % INPM, o rendimento
estequiométrico é de:

Rendeq = 1.000 x                          1.000 x                        = 0,
6776 L/kg ART

Assim, com 15.031,58 kg de ART, obtem-se no máximo, 10.185,40 litros de
álcool hidratado 93,2° INPM (Fernandes, 2000).
MATURAÇÃO DA CANA

O processo de maturação:

Botânico: com a emissão de flores.
Fisiológico: armazenamento de sacarose.
Econômico: teor mínimo de sacarose em peso ( 13 % )
MATURAÇÃO DA CANA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA
                MATURAÇÃO
1º - Pontos de Maturação:
Atribuídos aos valores de Brix (Pbr); Pol (Ppo); Pureza (Ppu); AR (Par):

P = Pbr + Ppo + Ppu + Par   onde: Pbr = brix % cana – 13,0
                             Ppo = pol % cana – 11,0
                             Ppu = (pureza – 70,0 ) / 5
                             Par = 3 x (2,2 – Ar % cana)

O mínimo de pontos para corte = 9,0 a 11,0
MATURAÇÃO DA CANA
2º - Índice de Maturação:
Realizado da base do colmo ao seu ápice.

IM = Brix ponta do colmo
      Brix base do colmo

Valores de IM: menor que 0,6 para cana verde
             entre 0,6 e 0,85 para cana em processo de maturação
             entre 0,85 e 1,0 para cana madura
              maior que 1,0 para cana em processo de declínio de sacarose
IMPUREZAS
Matéria estranha

 Impurezas 5 – 14 %

        Orgânico Vegetal – 3 – 7% : Pontas, folhas, chupões (babeiros), raízes
(arrancadas), pedaços de madeira.

         Minerais – 5 – 8% : solo aderido as raízes, pedras, areia , pedaços de
metal.
DETERIORIZAÇÕES
Deteriorização:

 Fisiológica – respiração, ressecamento, brotamento e florescimento.

        Respiração:
        Colmo cortado → respiração → consumo de energia
DETERIORIZAÇÕES
Ressecamento: transpiração do colmo:
Perda de peso: 11% em 8 dias e 17% em 10 dias.
Aumento do teor de fibra.

       Consequências:
           Dificuldades de moagem.
            < extração de sacarose.
            > perdas de sacarose no bagaço.

Brotamento e florescimento:
       Induz a isoporização da cana.
DETERIORIZAÇÕES

 Tecnológicas:

        Manejo e condições de cultivo.
        Causadas durante o manejo de cana : favorece a deteriorização
microbiológica associada a condições climáticas e operações unitárias.

       Consequências: alto teor de fibra; desgaste de equipamento;
       problemas na condução do processo de fabricação.
DETERIORIZAÇÕES
 Microbiológica – microrganismos, bactérias e leveduras.

         Crescimento e atividade de microrganismos.
          Produto resultante: ácidos.
DETERIORIZAÇÕES
Principais:
        Leuconostoc mesenteroides: produz substância (goma) dextrana (lembra
        gelatina no caldo).
Problemas no processo:
        Contaminação no processo de fermentação.
        Perda de 3 kg açúcar por tonelada de cana.
Produção de álcool: perdas de rendimento e inibição da levedura; reduz a
                   viabilidade do fermento; aumenta a floculação.
Produção de açúcar:queda na velocidade de cristalização, perda na qualidade,
                   granulometria ruim, incrustações nos equipamentos de
                   aquecimento.
DETERIORIZAÇÕES
Campo
A matéria prima é queimada para efeito de limpeza e cortada manualmente
para ser carregada através de guinchos em caminhões, para ser transportada
até a indústria.
AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE
AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE
AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE
AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE
Análise de Sonda e Impurezas da Cana
Um sistema informatizado determina em quais cargas deverão ser coletadas as
amostras para análises. O setor balança fornece um ticket com todos os dados
referentes à procedência da cana.
Laboratório
O laboratório (PCTS) é de suma importância para indústria, tendo em vista que
as decisões e controles para queima e colheita da cana estão a cargo das
análises realizadas.
CÁLCULOS UTILIZADOS (CONSECANA)
Impurezas: sólidos encontrados na cana tais como minerais.
(peso residual - o menor peso da PB x 10) / 0,25

Fibra % CA (pré –colheita): teor de fibra na cana analisada ( 11 - 15 % ) A
porcentagem de fibra da cana reflete na eficiência da extração da moenda, ou seja,
quanto mais alta a porcentagem de fibra da cana, menor será a eficiência de
extração. :
(0,08 x PBU) + 0,8760

Brix% Cana: indica a porcentagem, em peso, de sólidos dissolvidos na cana
Brix%CE x (1 – 0,01 x Fibra) x (1,0313 – 0,00575 x Fibra)
Pol % CE: é a porcentagem, em peso, de sacarose aparente encontrada na solução
((0,2605-(0,0009882 x Brix%CE)) x Leitura Sacarimétrica)

Pureza % CA – porcentagem de sacarose encontrada no brix, isto é, porcentagem
de sacarose existente nos sólidos totais dissolvidos. (ideal deve ser > 88%)
(Pol % CA x 100) / Brix% CA

Pol % CA: é a porcentagem, em peso, de sacarose encontrada na solução(11,7 –
16,5 %)
( Pol%CE x (1-0,01 x Fibra%) x (1,0313-0,00575 x Fibra%)

FC: fator de correção do cálculo
1,0313 – (0,00575 x Fibra)
ART % CA: açúcares redutores totais utilizados nos cálculos de eficiência (13 % a
17,5 %).
(Pol %CA/0,95)+ AR

AR: açúcar, não sacarose, existente no caldo que tem a propriedade de reduzir o
cobre.Além da quantidade normal existente, eles se formam no curso da fabricação
pelo desdobramento da molécula de sacarose.Seu teor ideal deve ficar abaixo de
0,8% (glicose e frutose).
(3,641 – 0,0343 x Pureza % CE) x (1 – 0,01 x Fibra) x (FC)

ATR - açúcares totais recuperáveis, utilizado no pagamento de cana do fornecedor.
Seu teor varia de 13 a 17,5 %, podendo ter tores maiores dependendo do cultivo.
(9,5263 x Pol % CA) + (9,05 x AR)
ATR - açúcares totais recuperáveis, utilizado no pagamento de cana do fornecedor.
Seu teor varia de 13 a 17,5 %, podendo ter tores maiores dependendo do cultivo.
ATR (kg / ton) = 10 x PC x 1,05263 x 0,905 + 10 x ARC x 0,905

Onde:

10 x PC = pol por tonelada de cana
1,05263 = coeficiente estequiométrico para a conversão da sacarose em açúcares
redutores
0,905 = coeficiente de recuperação, para uma perda industrial de 9,5% (nove e meio
por cento)
10 x ARC = açúcares redutores por tonelada de cana

Transformação dos produtos em ATR:

Açúcar VHP com 99,3º Z
1 kg de açúcar VHP = 0,993 x 1,05263 = 1,0453 kg de ATR

Álcool hidratado em ATR
Como 1 kg de ATR produz 0,59126 litro de álcool hidratado, para
se obter 1 litro deste álcool necessita-se de:
1 ÷ 0,59126 = 1,6913 kg de ATR.
Curso: Laboratório
Realizado por :Leandro Aparecido Cândido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolRicardo Ferreira
 
Fermentação e Destilação
Fermentação e Destilação Fermentação e Destilação
Fermentação e Destilação Leandro Cândido
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento FermentadorMarcos Abreu
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoMarcos Abreu
 
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaO processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaCleuber Martins
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria Marcos Abreu
 
Apostila engenharia e producao acucareira
Apostila   engenharia e producao acucareiraApostila   engenharia e producao acucareira
Apostila engenharia e producao acucareiraJardel Sousa
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura SecaLeandro Cândido
 
Centrifugas de fermento
Centrifugas de fermentoCentrifugas de fermento
Centrifugas de fermentoMágda Correia
 
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleiraClauber Dalmas Rodrigues
 
Águas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e VaporÁguas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e VaporLeandro Cândido
 

Mais procurados (20)

Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
Fermentação e Destilação
Fermentação e Destilação Fermentação e Destilação
Fermentação e Destilação
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda
 
Preparo da Cana-de-açúcar
Preparo da Cana-de-açúcarPreparo da Cana-de-açúcar
Preparo da Cana-de-açúcar
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaO processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 
Alcool
AlcoolAlcool
Alcool
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
 
Apostila engenharia e producao acucareira
Apostila   engenharia e producao acucareiraApostila   engenharia e producao acucareira
Apostila engenharia e producao acucareira
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca
 
Centrifugas de fermento
Centrifugas de fermentoCentrifugas de fermento
Centrifugas de fermento
 
Dornas de fermentacao
Dornas de fermentacaoDornas de fermentacao
Dornas de fermentacao
 
Analises físico químicas do leite
Analises físico químicas do leiteAnalises físico químicas do leite
Analises físico químicas do leite
 
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Águas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e VaporÁguas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e Vapor
 
Cerveja
CervejaCerveja
Cerveja
 
Extração caldo
Extração caldoExtração caldo
Extração caldo
 

Destaque

7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De ReagentesLeandro Cândido
 
Balança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteBalança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteCamila Oliveira
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...STAB Setentrional
 
Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86Fernando Silva
 
Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)
Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)
Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)Marcio Nascimento
 
Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...
Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...
Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...covisamaua
 
Tipos clases cafe
Tipos clases cafeTipos clases cafe
Tipos clases cafePaty7303
 
Manual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de PotênciaManual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de PotênciaCleuber Martins
 

Destaque (18)

7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
 
Balança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteBalança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolante
 
Regulagem das moendas
Regulagem das moendasRegulagem das moendas
Regulagem das moendas
 
Moenda
MoendaMoenda
Moenda
 
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...Seminário stab 2013   industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
Seminário stab 2013 industrial - 02. evolução do modelo consecana no estado...
 
Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86Revista da usinagem 86
Revista da usinagem 86
 
Mecanica de usinagem
Mecanica de usinagemMecanica de usinagem
Mecanica de usinagem
 
Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)
Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)
Matéria prima estranha impacto no processo das usinas (1)
 
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
Aula _Processos_Fabricação_I_02 rev_19_08_13
 
Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...
Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...
Recomendações para projetos de arquitetura de ambientes de tratamento da tube...
 
Otimização do Uso de Ar Comprimido
Otimização do Uso de Ar ComprimidoOtimização do Uso de Ar Comprimido
Otimização do Uso de Ar Comprimido
 
Asbc1000 fev08v1-0
Asbc1000 fev08v1-0Asbc1000 fev08v1-0
Asbc1000 fev08v1-0
 
Tipos clases cafe
Tipos clases cafeTipos clases cafe
Tipos clases cafe
 
El arte del buen café
El arte del buen caféEl arte del buen café
El arte del buen café
 
Seminário SprayDry
Seminário SprayDrySeminário SprayDry
Seminário SprayDry
 
Caracteristicas da-cana-de-acucar
Caracteristicas da-cana-de-acucarCaracteristicas da-cana-de-acucar
Caracteristicas da-cana-de-acucar
 
02 -introducao_a_metrologia
02  -introducao_a_metrologia02  -introducao_a_metrologia
02 -introducao_a_metrologia
 
Manual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de PotênciaManual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de Potência
 

Semelhante a 1-Treinamento Pcts

Curso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.ppt
Curso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.pptCurso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.ppt
Curso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.pptArmando Ollandezos
 
analises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalanalises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalaline silva
 
curso de açucar e alcool produção de etanol.ppt
curso de açucar e alcool produção de etanol.pptcurso de açucar e alcool produção de etanol.ppt
curso de açucar e alcool produção de etanol.pptssuser2b53fe
 
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseirosGuia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseirosRANIEL GOMES ALEXANDRE
 
introdução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.pptintrodução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.pptssuser2b53fe
 
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De CaféComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De CaféHeloiza da Silva
 
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De CaféComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De CaféHeloiza da Silva
 
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA Lucas Wallace Sousa Alves
 
Apostila1 industriaacucareira2013
Apostila1 industriaacucareira2013Apostila1 industriaacucareira2013
Apostila1 industriaacucareira2013Aprendizagem Cdac
 
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1Marcelo Martins
 
Apresentação - Macaúba como fonte alternativa
Apresentação - Macaúba como fonte alternativaApresentação - Macaúba como fonte alternativa
Apresentação - Macaúba como fonte alternativaProjetoBr
 
Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..
Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..
Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..Heloiza da Silva
 
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdfApresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdfBrunaWoicikoski1
 
apresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdf
apresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdfapresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdf
apresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdfBrunaWoicikoski1
 
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdfApresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdfBrunaWoicikoski1
 
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdfminicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdfMarcoJustino2
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Ruralmarcelo otenio
 
Trabalho Final Vinha (Carlos).pptx
Trabalho Final Vinha (Carlos).pptxTrabalho Final Vinha (Carlos).pptx
Trabalho Final Vinha (Carlos).pptxFranciscoFlrido1
 

Semelhante a 1-Treinamento Pcts (20)

Curso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.ppt
Curso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.pptCurso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.ppt
Curso Aproveitamento Resíduos do coqueiro 16.07.08 final.ppt
 
analises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalanalises mineral e vegetal
analises mineral e vegetal
 
curso de açucar e alcool produção de etanol.ppt
curso de açucar e alcool produção de etanol.pptcurso de açucar e alcool produção de etanol.ppt
curso de açucar e alcool produção de etanol.ppt
 
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseirosGuia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
 
introdução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.pptintrodução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.ppt
 
Extração do caldo
Extração do caldoExtração do caldo
Extração do caldo
 
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De CaféComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
 
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De CaféComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
ComposiçAo De EsteróIs Em óLeos De Café
 
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
 
Apostila1 industriaacucareira2013
Apostila1 industriaacucareira2013Apostila1 industriaacucareira2013
Apostila1 industriaacucareira2013
 
19505541 producao-de-aguardente
19505541 producao-de-aguardente19505541 producao-de-aguardente
19505541 producao-de-aguardente
 
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1
 
Apresentação - Macaúba como fonte alternativa
Apresentação - Macaúba como fonte alternativaApresentação - Macaúba como fonte alternativa
Apresentação - Macaúba como fonte alternativa
 
Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..
Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..
Estudo Dos ParâMetros De ExtraçãO De LipíDios De Café Verde Com Etanol..
 
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdfApresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
 
apresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdf
apresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdfapresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdf
apresentacaolabbalancodemassa-230328005725-2926b2c1.pdf
 
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdfApresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
Apresentação LAB BALANCO DE MASSA.pdf
 
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdfminicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
 
Trabalho Final Vinha (Carlos).pptx
Trabalho Final Vinha (Carlos).pptxTrabalho Final Vinha (Carlos).pptx
Trabalho Final Vinha (Carlos).pptx
 

1-Treinamento Pcts

  • 1.
  • 2. MATÉRIA PRIMA Com boa qualidade a matéria prima é processada rapidamente e resulta em alto rendimento industrial. O produto de alta qualidade normalmente reduz o custo por unidade de produto, enquanto que a má qualidade provoca perdas de tempo no processamento, maior consumo de utilidades e produtos químicos, resultando em menor rendimento industrial e produto de qualidade inferior.
  • 3. MATÉRIA PRIMA •A parte sólida desses colmos é constituída por celulose, lignina e pentosanas (conhecida como fibra). •A parte líquida é formada pelo caldo, uma solução aquosa com uma variedade de substâncias orgânicas. 91% do caldo é constituído de: 78% a 86% de água, 10% a 20% de sacarose, 0,1% a 2,0% de açúcares redutores, 0,3% a 0,5% de cinza, 0,5% a 1,0% de compostos nitrogenados e pH entre 5,2 a 6,8 (LIMA et al., 2001). •Em média, uma tonelada de cana rende aproximadamente 80 litros de etanol e 130 kg de açúcar VHP (very high polarization), em um processo sem perdas corriqueiras de uma produção industrial. 1. Epiderme 2. Células espessas da casca 3. e 4. Feixes vasculares de diferentes tamanhos (xilema) 5. Esclerênquima (sustentação) 6. Parênquima (estocagem)
  • 4. DEFINIÇÕES Brix % CE: indica a porcentagem, em peso, de sólidos solúveis no caldo, o qual, por sua vez, nos possibilitará a determinação dos sólidos na cana-de-açúcar. O ideal é de no mínimo 15 chegando a 20 ° Brix. Teor de Sacarose (leitura sacarimétrica): indica a quantidade de sacarose na cana. O ideal, com um brix 18 seria de 66 ou mais o que deve gerar uma Pureza % Cana acima de 88%. Pol % CA: é a porcentagem, em peso, de sacarose aparente encontrada na solução(13 - 18 %). AR: açúcar, não sacarose existente no caldo. Além da quantidade normal existente eles se formam, durante a degradação no campo, pelo desdobramento da molécula de sacarose. Seu teor ideal deve ficar abaixo de 0,8% (glicose e frutose). PBU(peso do bolo úmido): Utilizado no cálculo da Fibra da Cana que por sua vez entra no cálculo do ART % Cana, Brix % Cana, Pol % Cana e AR % Cana.
  • 5. DEFINIÇÕES Fibra % CA : teor de fibra na cana analisada ( 11 - 15 % ) A porcentagem de fibra da cana reflete na eficiência da extração da moenda, ou seja, quanto mais alta a porcentagem de fibra da cana, menor será a eficiência de extração. pH e acidez: Uma cana muito ácida indica deficiência na adubagem (calagem inadequada), cana velha ou tempo de queima muito alto propiciando um ambiente melhor para o desenvolvimento de bactérias. A sacarose, sob condições ácidas ou ação de enzimas (invertase), desdobra-se em duas moléculas de monossacarídeos (glicose e frutose) diminuindo o teor de sacarose e aumentando o teor de glicose e frutose, açúcares estes que não cristalizam. O pH ideal fica entre 5,2 - 5,5. ART – Açúcares Redutores Totais. Utilizado para se conhecer o total de açúcares (sacarose + frutose + glicose) presentes e que serão recuperados em forma de etanol e/ou açúcar cristalizado. Seu teor varia de 13 a 17,5 %, podendo ter teores maiores dependendo do cultivo. ATR - Açúcares Totais Recuperáveis, em peso, em solução (sacarose, glicose e frutose) utilizado para pagamento de cana do fornecedor.
  • 6.
  • 7.
  • 8. TRANSFORMAÇÃO DA SACAROSE EM AÇÚCARES REDUTORES Na presença de certas enzimas ou sob ação ácida e temperatura adequada, a sacarose agrega a uma molécula de água e desdobra-se, por hidrólise ou inversão, em uma molécula de glucose e outra de frutose (açúcares invertidos) (Fernandes, 2000). C12H22O11 + H2O  C6H12O6 + C6H12O6 mm- 342g mm-18g mm-180g mm-180g sacarose água glucose frutose Então o ART, ou seja, a sacarose pode ser transformada em açúcar invertido dividindo-se a massa da sacarose por 0,95. = = 0,95
  • 9. Exemplo: Em 500g de colmo (cana) 0,5 kg ______________ 350 mL de caldo = 0,35 L Em 120.000 kg de colmos (cana) _______________ X L de caldo X = 84.000 L de caldo Em 100 mL = 0,1 L de caldo ___________________ 17 g = 0, 017 kg de sacarose Em 84.000 L de caldo ________________________ X kg de sacarose aparente X = 14.280 kg de sacarose 14,28 t de sacarose aparente / ha Logo, a produção de 14.280 kg de sacarose corresponde a: ARTsac =  = 15.031,58 kg de ART (Fernandes, 2000).
  • 10. RENDIMENTO ESTEQUIOMÉTRICO DA FERMENTAÇÃO Definido como o volume de álcool (litros) a ser produzido com eficiência de 100% por kg de ART, ou seja, admitindo-se que todas as moléculas de açúcar transformam-se em etanol, tem-se (Fernandes, 2000): C6H12O6  2x CH3CH2OH + 2x CO2 mm – 180g mm – 2x 46g mm – 2x 44g glicose álcool dióxido de carbono Exemplo: Para o álcool hidratado de graduação 93,2 % INPM, o rendimento estequiométrico é de: Rendeq = 1.000 x  1.000 x = 0, 6776 L/kg ART Assim, com 15.031,58 kg de ART, obtem-se no máximo, 10.185,40 litros de álcool hidratado 93,2° INPM (Fernandes, 2000).
  • 11. MATURAÇÃO DA CANA O processo de maturação: Botânico: com a emissão de flores. Fisiológico: armazenamento de sacarose. Econômico: teor mínimo de sacarose em peso ( 13 % )
  • 13. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA MATURAÇÃO 1º - Pontos de Maturação: Atribuídos aos valores de Brix (Pbr); Pol (Ppo); Pureza (Ppu); AR (Par): P = Pbr + Ppo + Ppu + Par onde: Pbr = brix % cana – 13,0 Ppo = pol % cana – 11,0 Ppu = (pureza – 70,0 ) / 5 Par = 3 x (2,2 – Ar % cana) O mínimo de pontos para corte = 9,0 a 11,0
  • 14. MATURAÇÃO DA CANA 2º - Índice de Maturação: Realizado da base do colmo ao seu ápice. IM = Brix ponta do colmo Brix base do colmo Valores de IM: menor que 0,6 para cana verde entre 0,6 e 0,85 para cana em processo de maturação entre 0,85 e 1,0 para cana madura maior que 1,0 para cana em processo de declínio de sacarose
  • 15. IMPUREZAS Matéria estranha  Impurezas 5 – 14 % Orgânico Vegetal – 3 – 7% : Pontas, folhas, chupões (babeiros), raízes (arrancadas), pedaços de madeira. Minerais – 5 – 8% : solo aderido as raízes, pedras, areia , pedaços de metal.
  • 16. DETERIORIZAÇÕES Deteriorização:  Fisiológica – respiração, ressecamento, brotamento e florescimento. Respiração: Colmo cortado → respiração → consumo de energia
  • 17. DETERIORIZAÇÕES Ressecamento: transpiração do colmo: Perda de peso: 11% em 8 dias e 17% em 10 dias. Aumento do teor de fibra. Consequências: Dificuldades de moagem. < extração de sacarose. > perdas de sacarose no bagaço. Brotamento e florescimento: Induz a isoporização da cana.
  • 18. DETERIORIZAÇÕES  Tecnológicas: Manejo e condições de cultivo. Causadas durante o manejo de cana : favorece a deteriorização microbiológica associada a condições climáticas e operações unitárias. Consequências: alto teor de fibra; desgaste de equipamento; problemas na condução do processo de fabricação.
  • 19. DETERIORIZAÇÕES  Microbiológica – microrganismos, bactérias e leveduras. Crescimento e atividade de microrganismos. Produto resultante: ácidos.
  • 20. DETERIORIZAÇÕES Principais: Leuconostoc mesenteroides: produz substância (goma) dextrana (lembra gelatina no caldo). Problemas no processo: Contaminação no processo de fermentação. Perda de 3 kg açúcar por tonelada de cana. Produção de álcool: perdas de rendimento e inibição da levedura; reduz a viabilidade do fermento; aumenta a floculação. Produção de açúcar:queda na velocidade de cristalização, perda na qualidade, granulometria ruim, incrustações nos equipamentos de aquecimento.
  • 22. Campo A matéria prima é queimada para efeito de limpeza e cortada manualmente para ser carregada através de guinchos em caminhões, para ser transportada até a indústria.
  • 27.
  • 28. Análise de Sonda e Impurezas da Cana Um sistema informatizado determina em quais cargas deverão ser coletadas as amostras para análises. O setor balança fornece um ticket com todos os dados referentes à procedência da cana.
  • 29. Laboratório O laboratório (PCTS) é de suma importância para indústria, tendo em vista que as decisões e controles para queima e colheita da cana estão a cargo das análises realizadas.
  • 30. CÁLCULOS UTILIZADOS (CONSECANA) Impurezas: sólidos encontrados na cana tais como minerais. (peso residual - o menor peso da PB x 10) / 0,25 Fibra % CA (pré –colheita): teor de fibra na cana analisada ( 11 - 15 % ) A porcentagem de fibra da cana reflete na eficiência da extração da moenda, ou seja, quanto mais alta a porcentagem de fibra da cana, menor será a eficiência de extração. : (0,08 x PBU) + 0,8760 Brix% Cana: indica a porcentagem, em peso, de sólidos dissolvidos na cana Brix%CE x (1 – 0,01 x Fibra) x (1,0313 – 0,00575 x Fibra)
  • 31. Pol % CE: é a porcentagem, em peso, de sacarose aparente encontrada na solução ((0,2605-(0,0009882 x Brix%CE)) x Leitura Sacarimétrica) Pureza % CA – porcentagem de sacarose encontrada no brix, isto é, porcentagem de sacarose existente nos sólidos totais dissolvidos. (ideal deve ser > 88%) (Pol % CA x 100) / Brix% CA Pol % CA: é a porcentagem, em peso, de sacarose encontrada na solução(11,7 – 16,5 %) ( Pol%CE x (1-0,01 x Fibra%) x (1,0313-0,00575 x Fibra%) FC: fator de correção do cálculo 1,0313 – (0,00575 x Fibra)
  • 32. ART % CA: açúcares redutores totais utilizados nos cálculos de eficiência (13 % a 17,5 %). (Pol %CA/0,95)+ AR AR: açúcar, não sacarose, existente no caldo que tem a propriedade de reduzir o cobre.Além da quantidade normal existente, eles se formam no curso da fabricação pelo desdobramento da molécula de sacarose.Seu teor ideal deve ficar abaixo de 0,8% (glicose e frutose). (3,641 – 0,0343 x Pureza % CE) x (1 – 0,01 x Fibra) x (FC) ATR - açúcares totais recuperáveis, utilizado no pagamento de cana do fornecedor. Seu teor varia de 13 a 17,5 %, podendo ter tores maiores dependendo do cultivo. (9,5263 x Pol % CA) + (9,05 x AR)
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37. ATR - açúcares totais recuperáveis, utilizado no pagamento de cana do fornecedor. Seu teor varia de 13 a 17,5 %, podendo ter tores maiores dependendo do cultivo.
  • 38. ATR (kg / ton) = 10 x PC x 1,05263 x 0,905 + 10 x ARC x 0,905 Onde: 10 x PC = pol por tonelada de cana 1,05263 = coeficiente estequiométrico para a conversão da sacarose em açúcares redutores 0,905 = coeficiente de recuperação, para uma perda industrial de 9,5% (nove e meio por cento) 10 x ARC = açúcares redutores por tonelada de cana Transformação dos produtos em ATR: Açúcar VHP com 99,3º Z 1 kg de açúcar VHP = 0,993 x 1,05263 = 1,0453 kg de ATR Álcool hidratado em ATR Como 1 kg de ATR produz 0,59126 litro de álcool hidratado, para se obter 1 litro deste álcool necessita-se de: 1 ÷ 0,59126 = 1,6913 kg de ATR.
  • 39.
  • 40. Curso: Laboratório Realizado por :Leandro Aparecido Cândido