SlideShare uma empresa Scribd logo
2Controle certeiroCriação e texto: Renato Villela.
Projeto gráfico e ilustrações: Edson Alves.
Supervisão técnica: Rovaina Doyle/IPVDF.
Fascículo
Direitos de reprodução resevados à DBO Editores
Estratégia de combate!
Agora que você já sabe como é o ciclo de vida do carrapato e
os danos que ele causa aos animais, chegou a hora de conhecer
seus pontos fortes e fracos. A partir daí, será possível traçar
uma estratégia de Combate Certeiro, tema deste projeto
desenvolvido em parceria com a Bayer.
Destaqueeguardeparacolecionar
ParteintegrantedaRevistaDBOediçãodeNovembro–457
Use o clima como seu aliado
As altas
temperaturas
ressecam os ovos e são
letais para as larvas
(micuins), que, mesmo
tentando se esconder na
face interna das folhas
ou na base da planta,
se desidratam mais
rapidamente e morrem.
O frio tem influência muito
forte sobre o ciclo de vida
do carrapato.
Nas regiões onde o inverno
é rigoroso, marcado por
baixas temperaturas,
a população do parasito
diminui drasticamente, ou
até mesmo desaparece.
A baixa umidade
relativa do ar, que
caracteriza os meses
de seca no Brasil
Central, prejudica o
desenvolvimento do
carrapato ao exercer
papel semelhante ao das
altas temperaturas sobre
as larvas na pastagem.
Pontos fortes	 ...e fracos do inimigo
As duas variáveis climáticas que mais influenciam na sobrevivência e multiplicação do carrapato no ambiente são a
temperatura, principal fator regulador das populações do parasito, e a umidade.
Quando as condições ambientais são favoráveis, o parasito
se multiplica mais rapidamente na pastagem, aumentando
a infestação nos bovinos. Ao visualizar os carrapatos
adultos, em grande número, no rebanho, o produtor pensa
que é o momento certo para controlá-los. Entretanto,
combater o inimigo no momento em que ele está mais
forte não apenas diminui as chances de êxito como
aumenta os gastos com carrapaticidas, o que é indesejável,
além de antieconômico.
Quando as condições climáticas são desfavoráveis, o
desenvolvimento do parasito é prejudicado, o que diminui
o número de larvas na pastagem. Este é o período mais
propício para combatê-lo. Ao atacar o parasito no estágio
em que ele está mais fraco, as chances de sucesso
aumentam. É o que os especialistas chamam de“controle
estratégico”. O produtor gasta menos carrapaticida e
aumenta suas chances de controlar esse terrível inimigo,
que tanto prejuízo causa à pecuária.
Mito ou Verdade?
Existem animais de “sangue doce”?
VERDADE – Existem animais com menor reação alérgica ao carrapato, o que significa dizer que se coçam e
se lambem menos, permitindo maior “carrapateamento”, condição que, no campo, lhes confere a alcunha
popular de“sangue doce”. Além desses animais colocarem em risco todo o programa de controle estratégico,
trata-se de uma característica geneticamente herdável, ou seja, que é transmitida para as futuras gerações.
Por essa razão, recomenda-se que sejam eliminados do rebanho.
Na próxima edição você aprenderá a escolher as armas certas para combater o carrapato.
Acompanhe mais informações no endereço portaldbo.com.br/controle-certeiro
Controle estratégico
contato: renato.villela@revistadbo.com.br
Norte
Nessa região, as condições climáticas são favoráveis ao
desenvolvimento do carrapato durante o ano inteiro, o
que dificulta o controle do parasito. De modo semelhante
ao que se dá no Cerrado, deve-se aproveitar os períodos
ocasionais de umidade do ar mais baixa para se fazer as
aplicações estratégicas e diminuir sua população.
Período ideal para controle: agosto a outubro
Centro-Oeste e Sudeste (abaixo de 400m)
Nas regiões mais baixas do Sudeste e Centro-Oeste,
(altitudes inferiores a 400 m), o verão é marcado por
chuvas e temperaturas altas. Embora essas condições
sejam favoráveis à postura de ovos, essa época é ideal para
o combate estratégico, pois as larvas não resistem ao forte
calor dos meses de janeiro, fevereiro e março.
Período ideal para controle: janeiro a março
Trata-se da concentração de banhos ou aplicações de carrapaticidas em
períodos desfavoráveis ao desenvolvimento do carrapato na pastagem. Como
essas condições variam de região para região, o controle estratégico deve ser
regionalizado. Ao atuar “estrategicamente” sobre uma geração menos expressiva,
consegue-se reduzi-la bastante, de modo a gerar cada vez menos descendentes
nas gerações subsequentes.
Como o carrapato se comporta nas diferentes regiões
Centro-Oeste e Sudeste(acima de 800m)
Na maior parte do Sudeste e na região do Planalto
Central ou Cerradão, em altitudes acima de 800 m, onde
as temperaturas no verão não são tão altas, o fator de
controle do carrapato é a umidade do ar, muito baixa
durante a segunda metade da época seca, nos meses de
julho, agosto e setembro.
Período ideal para controle: julho a setembro
Sul
Única região do País onde o frio rigoroso tem forte
influência sobre o carrapato, que chega a desaparecer nessa
época. O controle, no entanto, deve ser feito na primavera
e verão, quando a população é um pouco maior, pois os
bezerros precisam ter algum contato com o parasito para
desenvolver imunidade contra a Tristeza Parasitária.
Período ideal para controle: set-out,dezembroefev-mar
G = Geração G = Geração

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Controle certeiro f2

manual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdf
manual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdfmanual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdf
manual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdf
MOEMAKELLYNOGUEIRADE
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
João Siqueira da Mata
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
Lindon Johnsons Lemos
 
ABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatingaABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatinga
Lenildo Araujo
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 
Caprinos x verminose
Caprinos x verminoseCaprinos x verminose
Caprinos x verminose
unipampagepa
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Circular 64
Circular 64Circular 64
Circular 64
joaoanschau
 
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de OvinosUtilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Rural Pecuária
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
Pedro Lacerda
 
Embrapa abacaxi
Embrapa abacaxiEmbrapa abacaxi
Embrapa abacaxi
pauloweimann
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Savio Marinho
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
Geagra UFG
 
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
Aula 3   microflora dos grãos armazenadosAula 3   microflora dos grãos armazenados
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
Emidio Barros
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
Renato Villela
 
05 instalacoes caprinos
05 instalacoes caprinos05 instalacoes caprinos
05 instalacoes caprinos
Elton Mendes
 

Semelhante a Controle certeiro f2 (17)

manual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdf
manual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdfmanual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdf
manual_de_atividade_apicula-paginas_versao_final_aprovado_pelo_autor.pdf
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
 
ABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatingaABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatinga
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Caprinos x verminose
Caprinos x verminoseCaprinos x verminose
Caprinos x verminose
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Circular 64
Circular 64Circular 64
Circular 64
 
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de OvinosUtilização de Pasto na Produção de Ovinos
Utilização de Pasto na Produção de Ovinos
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
 
Embrapa abacaxi
Embrapa abacaxiEmbrapa abacaxi
Embrapa abacaxi
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
Aula 3   microflora dos grãos armazenadosAula 3   microflora dos grãos armazenados
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
 
05 instalacoes caprinos
05 instalacoes caprinos05 instalacoes caprinos
05 instalacoes caprinos
 

Mais de Renato Villela

Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
Renato Villela
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
Renato Villela
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
Renato Villela
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
Renato Villela
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
Renato Villela
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
Renato Villela
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
Renato Villela
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
Renato Villela
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
Renato Villela
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
Renato Villela
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
Renato Villela
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
Renato Villela
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
Renato Villela
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
Renato Villela
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
Renato Villela
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
Renato Villela
 
Dbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdfDbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdf
Renato Villela
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
Renato Villela
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
Renato Villela
 

Mais de Renato Villela (20)

Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Pg 34
 
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
 
Dbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdfDbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdf
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
 

Controle certeiro f2

  • 1. 2Controle certeiroCriação e texto: Renato Villela. Projeto gráfico e ilustrações: Edson Alves. Supervisão técnica: Rovaina Doyle/IPVDF. Fascículo Direitos de reprodução resevados à DBO Editores Estratégia de combate! Agora que você já sabe como é o ciclo de vida do carrapato e os danos que ele causa aos animais, chegou a hora de conhecer seus pontos fortes e fracos. A partir daí, será possível traçar uma estratégia de Combate Certeiro, tema deste projeto desenvolvido em parceria com a Bayer. Destaqueeguardeparacolecionar ParteintegrantedaRevistaDBOediçãodeNovembro–457 Use o clima como seu aliado As altas temperaturas ressecam os ovos e são letais para as larvas (micuins), que, mesmo tentando se esconder na face interna das folhas ou na base da planta, se desidratam mais rapidamente e morrem. O frio tem influência muito forte sobre o ciclo de vida do carrapato. Nas regiões onde o inverno é rigoroso, marcado por baixas temperaturas, a população do parasito diminui drasticamente, ou até mesmo desaparece. A baixa umidade relativa do ar, que caracteriza os meses de seca no Brasil Central, prejudica o desenvolvimento do carrapato ao exercer papel semelhante ao das altas temperaturas sobre as larvas na pastagem. Pontos fortes ...e fracos do inimigo As duas variáveis climáticas que mais influenciam na sobrevivência e multiplicação do carrapato no ambiente são a temperatura, principal fator regulador das populações do parasito, e a umidade. Quando as condições ambientais são favoráveis, o parasito se multiplica mais rapidamente na pastagem, aumentando a infestação nos bovinos. Ao visualizar os carrapatos adultos, em grande número, no rebanho, o produtor pensa que é o momento certo para controlá-los. Entretanto, combater o inimigo no momento em que ele está mais forte não apenas diminui as chances de êxito como aumenta os gastos com carrapaticidas, o que é indesejável, além de antieconômico. Quando as condições climáticas são desfavoráveis, o desenvolvimento do parasito é prejudicado, o que diminui o número de larvas na pastagem. Este é o período mais propício para combatê-lo. Ao atacar o parasito no estágio em que ele está mais fraco, as chances de sucesso aumentam. É o que os especialistas chamam de“controle estratégico”. O produtor gasta menos carrapaticida e aumenta suas chances de controlar esse terrível inimigo, que tanto prejuízo causa à pecuária.
  • 2. Mito ou Verdade? Existem animais de “sangue doce”? VERDADE – Existem animais com menor reação alérgica ao carrapato, o que significa dizer que se coçam e se lambem menos, permitindo maior “carrapateamento”, condição que, no campo, lhes confere a alcunha popular de“sangue doce”. Além desses animais colocarem em risco todo o programa de controle estratégico, trata-se de uma característica geneticamente herdável, ou seja, que é transmitida para as futuras gerações. Por essa razão, recomenda-se que sejam eliminados do rebanho. Na próxima edição você aprenderá a escolher as armas certas para combater o carrapato. Acompanhe mais informações no endereço portaldbo.com.br/controle-certeiro Controle estratégico contato: renato.villela@revistadbo.com.br Norte Nessa região, as condições climáticas são favoráveis ao desenvolvimento do carrapato durante o ano inteiro, o que dificulta o controle do parasito. De modo semelhante ao que se dá no Cerrado, deve-se aproveitar os períodos ocasionais de umidade do ar mais baixa para se fazer as aplicações estratégicas e diminuir sua população. Período ideal para controle: agosto a outubro Centro-Oeste e Sudeste (abaixo de 400m) Nas regiões mais baixas do Sudeste e Centro-Oeste, (altitudes inferiores a 400 m), o verão é marcado por chuvas e temperaturas altas. Embora essas condições sejam favoráveis à postura de ovos, essa época é ideal para o combate estratégico, pois as larvas não resistem ao forte calor dos meses de janeiro, fevereiro e março. Período ideal para controle: janeiro a março Trata-se da concentração de banhos ou aplicações de carrapaticidas em períodos desfavoráveis ao desenvolvimento do carrapato na pastagem. Como essas condições variam de região para região, o controle estratégico deve ser regionalizado. Ao atuar “estrategicamente” sobre uma geração menos expressiva, consegue-se reduzi-la bastante, de modo a gerar cada vez menos descendentes nas gerações subsequentes. Como o carrapato se comporta nas diferentes regiões Centro-Oeste e Sudeste(acima de 800m) Na maior parte do Sudeste e na região do Planalto Central ou Cerradão, em altitudes acima de 800 m, onde as temperaturas no verão não são tão altas, o fator de controle do carrapato é a umidade do ar, muito baixa durante a segunda metade da época seca, nos meses de julho, agosto e setembro. Período ideal para controle: julho a setembro Sul Única região do País onde o frio rigoroso tem forte influência sobre o carrapato, que chega a desaparecer nessa época. O controle, no entanto, deve ser feito na primavera e verão, quando a população é um pouco maior, pois os bezerros precisam ter algum contato com o parasito para desenvolver imunidade contra a Tristeza Parasitária. Período ideal para controle: set-out,dezembroefev-mar G = Geração G = Geração