SlideShare uma empresa Scribd logo
Saúde Animal
60 DBO fevereiro 2018
Tristeza à espreita nas
áreas de ILP do RS
Transição dos terneiros das áreas sem carrapato para pastagens com a
presença do parasita é um desafio para os produtores gaúchos
Renato Villela
renato.villela@revistadbo.com.br
C
olocar as vacas recém-paridas para pastejar nas
áreas agrícolas de ILP – Integração Lavoura –
Pecuária, tem se tornado uma medida arriscada
para criadores gaúchos, que estão perdendo seus ternei-
ros acometidos por TPB – Tristeza Parasitária Bovina.O
problema não está relacionado às pastagens de aveia e
azevém, que ocupam sazonalmente o espaço da soja ou
do arroz, mas ao retorno desses animais aos pastos for-
mados ou campos nativos, infestados de parasitas, após
o fim do pastejo. É que nas áreas de integração, por con-
ta da janela de cultura agrícola, quase não há carrapatos.
O que para as mães é uma mera transição, dentro do sis-
tema integrado, para as crias tem se revelado fatal. “Os
bezerros entram nas pastagens desprotegidos, uma vez
que não tiveram contato com carrapato nos primeiros
meses de vida e por isso não desenvolveram imunidade
ativa capaz de protegê-los contra os agentes patogêni-
cos da anaplasmose e babesiose”, conta Rovaina Doyle,
pesquisadora do IPVDF – Instituto de Pesquisas Veteri-
nárias Desidério Finamor, de Eldorado do Sul.
O veterinário Felipe Ribeiro Scherer, da Central NS
Consultoria Veterinária, de Júlio de Castilhos, conhece
de perto essa realidade. Scherer assessora dezenas de
propriedades localizadas no centro do Estado onde a
pecuária divide seu espaço com a agricultura. Como é
comum na região, que tem forte presença da agricultura,
em especial a soja, a estação de monta acontece num pe-
ríodo diferente em relação ao restante do País. As vacas
entram em reprodução de agosto a outubro e os bezerros
nascem de maio a julho, quando as pastagens de aveia
e azevém, ricas em proteína, já estão bem formadas na
soca da soja. “É a melhor época de comida, tanto em
qualidade quanto em qualidade, o que permite com que
as vacas comam bem e produzam mais leite para os seus
terneiros”, justifica o veterinário. Os números compro-
vam que a estratégia é bem-sucedida. Segundo Scherer,
não é raro encontrar bezerros ao pé da vaca, com sete
meses e prestes a desmamar pesando 250 kg.
A partir de outubro, no entanto, estas áreas retornam
à agricultura para o plantio subsequente da oleoginosa,
obrigando vacas e crias a fazerem o caminho de volta às
pastagens perenes. É aí que mora o perigo. Os terneiros,
ao contrário de suas mães, praticamente não tiveram
contato com o carrapato durante sua vida, uma vez que
as pastagens de inverno, onde estavam, ficam pratica-
mente “limpas”, já que a área anteriormente foi ocupada
pela cultura agrícola, quebrando o ciclo da praga. Essa
falta de “vivência” com o inimigo cobra seu preço mais
adiante, pois a imunidade passiva, aquela adquirida via
colostro na amamentação, tem duração limitada e per-
dura somente por três a quatro meses. À medida que
essa proteção se esvai o risco aumenta. Os terneiros
mais susceptíveis são acometidos pela Tristeza. Segun-
do o veterinário, é muito comum a doença se manifestar
em 20% a 30% dos lotes. A TPB, complexo de doenças
que inclui a anaplasmose e a babesiose, é a principal
causa de morte de bovinos no Rio Grande do Sul (veja
quadro na página ao lado).
O que fazer?
Controlar a Tristeza não é uma tarefa simples. As
“vacinas” do IPVDF – a denominação correta é “pre-
munição controlada” – contra a doença deixaram de ser
produzidas em 2011, depois que uma portaria do Minis-
tério da Agricultura exigiu readequações na planta do
laboratório. O projeto de modernização, no entanto, não
foi adiante pela falta de recursos, reflexo da situação de
penúria que se arrasta e castiga o setor público no Rio
Grande do Sul e que culminou até mesmo com a extin-
ção da centenária Fepagro – Fundação Estadual de Pes-
quisa Agropecuária, há dois anos (o IPDVF foi transfe-
Terneiros
que saem
da resteva
para áreas
infestadas de
carrapatos
correm mais
riscos
RenatoVillela
fevereiro 2018 DBO 61
rido para a Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária
e Irrigação). “Queríamos voltar a produzir, pois é uma
herança científica do nosso laboratório, mas não temos
condições atualmente”, diz Rovaina Doyle. Outro mé-
todo de prevenção bastante conhecido é a premunição
clássica, que prevê a inoculação de sangue de bovinos
portadores crônicos de TPB em animais susceptíveis,
seguido de tratamento com quimioterápico quando se
estabelece a doença na fase aguda. Utilizada desde o
início do século passado para imunizar bovinos de áreas
livres de carrapatos e hemoparasitos a serem introduzi-
dos em regiões onde o agente causador da doença está
presente, a técnica requer o acompanhamento de um
profissional experiente para que seja bem-sucedida.
Diante dessas circunstâncias e graças também à
facilidade de aquisição de produtos veterinários e à
praticidade de aplicação, os produtores têm recorrido
à quimioprofilaxia para controlar a doença. A medida
consiste na administração de um antimicrobiano ou qui-
mioterápico em doses subterapêuticas, ou seja, abaixo
do recomendado para o tratamento da doença clínica.
O objetivo é combater parcialmente os hemoparasitos
na corrente sanguínea, de modo que sobrevivam numa
quantidade insuficiente para desencadear a doença clí-
nica, mas o bastante para estimular o desenvolvimento
da resposta imunológica protetora. Os fármacos mais
indicados atualmente são o dipropionato de imidocarbe
e diaceturato de diminazeno.
Existem muitas variáveis que podem prejudicar a
eficiência do protocolo quimioterápico, por isso o pro-
dutor deve estar atento. Um dos cuidados a serem to-
mados é permitir o carrapateamento dos animais para
que os parasitas possam inocular os patógenos. “Os
bovinos precisam ter contato com alta infestação por,
no mínimo, 15 dias após o início do protocolo”, diz a
pesquisadora. Outras medidas auxiliares são a nutrição
adequada e evitar longas viagens no período, para que
a resposta imunológica seja a melhor possível. Vale res-
saltar que os produtores e até mesmo técnicos têm dúvi-
das sobre o momento certo de aplicação do fármaco, do
número de aplicações e do intervalo entre elas. Não há
uma receita a ser seguida. “É tudo muito empírico”, diz
a pesquisadora. O recomendado é seguir os protocolos
prescritos por veterinários que prestam consultoria ou
por empresas de saúde animal. Existem vários disponí-
veis no mercado.
Controle do carrapato
Para o veterinário e consultor Octaviano Pereira
Neto, seguir um protocolo de quimioprofilaxia, seja ele
qual for, é uma importante medida preventiva, mas não
suficiente para controlar a doença. “Muitas vezes o pro-
dutor fica preocupado somente com a Tristeza e se es-
quece do carrapato”. Segundo Pereira, não por acaso, os
picos de TPB no Rio Grande do Sul acontecem a partir
de abril, período que corresponde à terceira geração de
carrapatos, quando a população do parasita atingiu um
patamar bastante elevado. “Isso significa que não hou-
ve controle no início da infestação”, diz. Se a presença
do parasita é fundamental para estimular o desenvolvi-
mento da resposta imune – dificuldade que está sendo
enfrentada no manejo das áreas de ILP – e a alta infes-
tação é um fator de risco para desencadear a doença,
a pergunta a ser respondida é: como resolver essa
equação?
A exemplo dos protocolos quimioprofiláti-
cos, não há uma única resposta. O veterinário
Felipe Scherer, por exemplo, aposta no contro-
le do carrapato com endectocidas de curta ação,
aplicados nos terneiros de agosto a novembro,
no início da infestação. “É uma forma de controlar
o carrapato ao mesmo tempo em que se permite uma
população mínima do parasita para induzir a imunida-
de nos animais”. Seu colega Octaviano Pereira, por sua
vez, opta por carrapaticidas à base de Fluazuron para
tratar animais a serem levados de áreas sem carrapatos
para pastagens com a presença do parasita. O veterinário
explica que, ao contrário dos demais produtos de ação
neurotóxica, que matam imediatamente o carrapato, o
Fluazuron é um inibidor de crescimento, impedindo que
o parasita atinja a fase adulta, o que ocorre por volta do
14o dia de vida. “Até esse período, na fase de ninfa, o
parasita causa menos dano ao animal, mas inocula os
patógenos que sensibilizarão o sistema imune”. O pro-
duto é aplicado no dia em que os animais chegam na
nova pastagem. A quimioprofilaxia é adotada se a doen-
ça atingir de 15% a 20% do lote. “Nesse caso adotamos
a metafilaxia (tratamento massal), porque certamente a
doença está se espalhando. Em vez de esperar para tratar
os animais na medida em que adoencem, tratamos todos
de uma só vez”, diz. n
Não temos
condições
de produzir a
vacina”,
Rovaina Doyle,
do IPVDF.
Doença é a que mais mata
Números oficiais (casos notificados) dão conta de que a TPB
é responsável pela morte de 10.000 animais todos os anos no Rio
Grande do Sul. Um estudo da UFRGS – Universidade Federal do Rio
Grande do Sul em parceria com a Farsul – Federação de Agricultura
do Rio Grande do Sul, no entanto, mostrou que a estatística está bas-
tante subestimada. Em 2014, ano em que foi feito o trabalho junto a
produtores, o registro de mortes ultrapassou 100 mil. Não bastasse a
configuração do rebanho gaúcho, formado em quase sua totalidade
de animais taurinos, portanto mais susceptíveis aos males causados
pelo Rhipicephalus (Boophilus) microplus, o Rio Grande do Sul en-
frenta um sério problema de resistência. Resultados de biocarrapati-
cidograma (teste de produtos carrapacitidas) realizados pelo IPVDF
mostram que apenas 11% das amostras enviadas para o laboratório
nos últimos dois anos mostraram-se sensíveis aos seis princípios
ativos (mais uma combinação) disponíveis no mercado gaúcho. Pior:
28% das amostras são resistentes a cinco ou mais categorias. “Ou
seja, essas propriedades não têm como fazer o tratamento correto
do carrapato da forma como preconizamos, com a alternância dos
princípios ativos nas três gerações que temos no Estado”, alerta Ro-
vaina Doyle, do IPVDF.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos LeiteirosNeosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Rural Pecuária
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...
Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...
Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...
Herbert Dos Anjos
 
Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnicoManejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
AgroTalento
 
A defesa do queijo artesanal tiradentes ago 2011-1
A defesa do queijo artesanal  tiradentes   ago 2011-1A defesa do queijo artesanal  tiradentes   ago 2011-1
A defesa do queijo artesanal tiradentes ago 2011-1
Sertãobras
 
08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros
08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros
08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros
BeefPoint
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Apresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária
Apresentação Tom Prado - Itaueira AgropecuáriaApresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária
Apresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária
Oxya Agro e Biociências
 
Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Complexo teniase cisticercose
Complexo teniase cisticercoseComplexo teniase cisticercose
Complexo teniase cisticercose
Elismmelo55
 
Cuidados com bezerros
Cuidados com bezerrosCuidados com bezerros
Cuidados com bezerros
Francismara Carreira
 
02pt06
02pt0602pt06
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
AgroTalento
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastite
AgriPoint
 
2009 brasil vigilancia saude zoonoses
2009 brasil vigilancia saude   zoonoses2009 brasil vigilancia saude   zoonoses
2009 brasil vigilancia saude zoonoses
Jhoy Alves Leite
 
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 

Mais procurados (19)

Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos LeiteirosNeosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...
Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...
Documentos65+sanidade+nutricao+reproducao+falta+catalogar 000g4o78ppy02wx5ok0...
 
Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01
 
Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01
 
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnicoManejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
 
A defesa do queijo artesanal tiradentes ago 2011-1
A defesa do queijo artesanal  tiradentes   ago 2011-1A defesa do queijo artesanal  tiradentes   ago 2011-1
A defesa do queijo artesanal tiradentes ago 2011-1
 
08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros
08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros
08 091022 Ivo Bianchin Controle Verminose Bezerros
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
 
Apresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária
Apresentação Tom Prado - Itaueira AgropecuáriaApresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária
Apresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária
 
Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01
 
Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01
 
Complexo teniase cisticercose
Complexo teniase cisticercoseComplexo teniase cisticercose
Complexo teniase cisticercose
 
Cuidados com bezerros
Cuidados com bezerrosCuidados com bezerros
Cuidados com bezerros
 
02pt06
02pt0602pt06
02pt06
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
 
Ebook mastite
Ebook mastiteEbook mastite
Ebook mastite
 
2009 brasil vigilancia saude zoonoses
2009 brasil vigilancia saude   zoonoses2009 brasil vigilancia saude   zoonoses
2009 brasil vigilancia saude zoonoses
 
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01
 

Semelhante a Tristeza

Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
Renato Villela
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
Renato Villela
 
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Rural Pecuária
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Rural Pecuária
 
Guerra conjunta à mosca dos-estábulos
Guerra conjunta à mosca dos-estábulosGuerra conjunta à mosca dos-estábulos
Guerra conjunta à mosca dos-estábulos
Renato Villela
 
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucessoProdução e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Rural Pecuária
 
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Lilian De Rezende Jordão
 
Artigo_Bioterra_V22_N2_06
Artigo_Bioterra_V22_N2_06Artigo_Bioterra_V22_N2_06
Artigo_Bioterra_V22_N2_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
Renato Villela
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
Renato Villela
 
Febre Aftosa
Febre AftosaFebre Aftosa
Febre Aftosa
UFPEL
 
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
vacinacaoanimalrec
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Rural Pecuária
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
Renato Villela
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Rodrigo Penna
 
Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Reovirose art19
Reovirose   art19Reovirose   art19
Reovirose art19
Luiz Artur Venas
 
influenza equina.docx
influenza equina.docxinfluenza equina.docx
influenza equina.docx
GeovanaVasconcelos8
 
Pesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário Oficial
Pesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário OficialPesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário Oficial
Pesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário Oficial
Agricultura Sao Paulo
 

Semelhante a Tristeza (20)

Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
 
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
Controle seletivo do carrapato dos bovinos em pequenas propriedades do vale d...
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
 
Guerra conjunta à mosca dos-estábulos
Guerra conjunta à mosca dos-estábulosGuerra conjunta à mosca dos-estábulos
Guerra conjunta à mosca dos-estábulos
 
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucessoProdução e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
Produção e reprodução de búfalas leiteiras : um modelo tecnológico de sucesso
 
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
Considerações acerca das intoxicações de ruminantes por plantas tóxicas do gê...
 
Artigo_Bioterra_V22_N2_06
Artigo_Bioterra_V22_N2_06Artigo_Bioterra_V22_N2_06
Artigo_Bioterra_V22_N2_06
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Febre Aftosa
Febre AftosaFebre Aftosa
Febre Aftosa
 
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
Treinamento Vacinação Antirrábica - Recife // 2018
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
 
Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01
 
Reovirose art19
Reovirose   art19Reovirose   art19
Reovirose art19
 
influenza equina.docx
influenza equina.docxinfluenza equina.docx
influenza equina.docx
 
Pesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário Oficial
Pesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário OficialPesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário Oficial
Pesquisa em SP investiga síndrome que afeta abelhas - Diário Oficial
 

Mais de Renato Villela

Controle certeiro f2
Controle certeiro f2Controle certeiro f2
Controle certeiro f2
Renato Villela
 
Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
Renato Villela
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
Renato Villela
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
Renato Villela
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
Renato Villela
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
Renato Villela
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
Renato Villela
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
Renato Villela
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
Renato Villela
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
Renato Villela
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
Renato Villela
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
Renato Villela
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
Renato Villela
 
Dbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdfDbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdf
Renato Villela
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
Renato Villela
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
Renato Villela
 
Cocho limpo em minutos
Cocho limpo em minutosCocho limpo em minutos
Cocho limpo em minutos
Renato Villela
 
Drenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeiraDrenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeira
Renato Villela
 
Cobertura de cocho econômica
Cobertura de cocho econômicaCobertura de cocho econômica
Cobertura de cocho econômica
Renato Villela
 

Mais de Renato Villela (20)

Controle certeiro f2
Controle certeiro f2Controle certeiro f2
Controle certeiro f2
 
Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Pg 34
 
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
 
Dbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdfDbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdf
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
 
Machos ou femeas
Machos ou femeasMachos ou femeas
Machos ou femeas
 
Cocho limpo em minutos
Cocho limpo em minutosCocho limpo em minutos
Cocho limpo em minutos
 
Drenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeiraDrenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeira
 
Cobertura de cocho econômica
Cobertura de cocho econômicaCobertura de cocho econômica
Cobertura de cocho econômica
 

Tristeza

  • 1. Saúde Animal 60 DBO fevereiro 2018 Tristeza à espreita nas áreas de ILP do RS Transição dos terneiros das áreas sem carrapato para pastagens com a presença do parasita é um desafio para os produtores gaúchos Renato Villela renato.villela@revistadbo.com.br C olocar as vacas recém-paridas para pastejar nas áreas agrícolas de ILP – Integração Lavoura – Pecuária, tem se tornado uma medida arriscada para criadores gaúchos, que estão perdendo seus ternei- ros acometidos por TPB – Tristeza Parasitária Bovina.O problema não está relacionado às pastagens de aveia e azevém, que ocupam sazonalmente o espaço da soja ou do arroz, mas ao retorno desses animais aos pastos for- mados ou campos nativos, infestados de parasitas, após o fim do pastejo. É que nas áreas de integração, por con- ta da janela de cultura agrícola, quase não há carrapatos. O que para as mães é uma mera transição, dentro do sis- tema integrado, para as crias tem se revelado fatal. “Os bezerros entram nas pastagens desprotegidos, uma vez que não tiveram contato com carrapato nos primeiros meses de vida e por isso não desenvolveram imunidade ativa capaz de protegê-los contra os agentes patogêni- cos da anaplasmose e babesiose”, conta Rovaina Doyle, pesquisadora do IPVDF – Instituto de Pesquisas Veteri- nárias Desidério Finamor, de Eldorado do Sul. O veterinário Felipe Ribeiro Scherer, da Central NS Consultoria Veterinária, de Júlio de Castilhos, conhece de perto essa realidade. Scherer assessora dezenas de propriedades localizadas no centro do Estado onde a pecuária divide seu espaço com a agricultura. Como é comum na região, que tem forte presença da agricultura, em especial a soja, a estação de monta acontece num pe- ríodo diferente em relação ao restante do País. As vacas entram em reprodução de agosto a outubro e os bezerros nascem de maio a julho, quando as pastagens de aveia e azevém, ricas em proteína, já estão bem formadas na soca da soja. “É a melhor época de comida, tanto em qualidade quanto em qualidade, o que permite com que as vacas comam bem e produzam mais leite para os seus terneiros”, justifica o veterinário. Os números compro- vam que a estratégia é bem-sucedida. Segundo Scherer, não é raro encontrar bezerros ao pé da vaca, com sete meses e prestes a desmamar pesando 250 kg. A partir de outubro, no entanto, estas áreas retornam à agricultura para o plantio subsequente da oleoginosa, obrigando vacas e crias a fazerem o caminho de volta às pastagens perenes. É aí que mora o perigo. Os terneiros, ao contrário de suas mães, praticamente não tiveram contato com o carrapato durante sua vida, uma vez que as pastagens de inverno, onde estavam, ficam pratica- mente “limpas”, já que a área anteriormente foi ocupada pela cultura agrícola, quebrando o ciclo da praga. Essa falta de “vivência” com o inimigo cobra seu preço mais adiante, pois a imunidade passiva, aquela adquirida via colostro na amamentação, tem duração limitada e per- dura somente por três a quatro meses. À medida que essa proteção se esvai o risco aumenta. Os terneiros mais susceptíveis são acometidos pela Tristeza. Segun- do o veterinário, é muito comum a doença se manifestar em 20% a 30% dos lotes. A TPB, complexo de doenças que inclui a anaplasmose e a babesiose, é a principal causa de morte de bovinos no Rio Grande do Sul (veja quadro na página ao lado). O que fazer? Controlar a Tristeza não é uma tarefa simples. As “vacinas” do IPVDF – a denominação correta é “pre- munição controlada” – contra a doença deixaram de ser produzidas em 2011, depois que uma portaria do Minis- tério da Agricultura exigiu readequações na planta do laboratório. O projeto de modernização, no entanto, não foi adiante pela falta de recursos, reflexo da situação de penúria que se arrasta e castiga o setor público no Rio Grande do Sul e que culminou até mesmo com a extin- ção da centenária Fepagro – Fundação Estadual de Pes- quisa Agropecuária, há dois anos (o IPDVF foi transfe- Terneiros que saem da resteva para áreas infestadas de carrapatos correm mais riscos RenatoVillela
  • 2. fevereiro 2018 DBO 61 rido para a Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Irrigação). “Queríamos voltar a produzir, pois é uma herança científica do nosso laboratório, mas não temos condições atualmente”, diz Rovaina Doyle. Outro mé- todo de prevenção bastante conhecido é a premunição clássica, que prevê a inoculação de sangue de bovinos portadores crônicos de TPB em animais susceptíveis, seguido de tratamento com quimioterápico quando se estabelece a doença na fase aguda. Utilizada desde o início do século passado para imunizar bovinos de áreas livres de carrapatos e hemoparasitos a serem introduzi- dos em regiões onde o agente causador da doença está presente, a técnica requer o acompanhamento de um profissional experiente para que seja bem-sucedida. Diante dessas circunstâncias e graças também à facilidade de aquisição de produtos veterinários e à praticidade de aplicação, os produtores têm recorrido à quimioprofilaxia para controlar a doença. A medida consiste na administração de um antimicrobiano ou qui- mioterápico em doses subterapêuticas, ou seja, abaixo do recomendado para o tratamento da doença clínica. O objetivo é combater parcialmente os hemoparasitos na corrente sanguínea, de modo que sobrevivam numa quantidade insuficiente para desencadear a doença clí- nica, mas o bastante para estimular o desenvolvimento da resposta imunológica protetora. Os fármacos mais indicados atualmente são o dipropionato de imidocarbe e diaceturato de diminazeno. Existem muitas variáveis que podem prejudicar a eficiência do protocolo quimioterápico, por isso o pro- dutor deve estar atento. Um dos cuidados a serem to- mados é permitir o carrapateamento dos animais para que os parasitas possam inocular os patógenos. “Os bovinos precisam ter contato com alta infestação por, no mínimo, 15 dias após o início do protocolo”, diz a pesquisadora. Outras medidas auxiliares são a nutrição adequada e evitar longas viagens no período, para que a resposta imunológica seja a melhor possível. Vale res- saltar que os produtores e até mesmo técnicos têm dúvi- das sobre o momento certo de aplicação do fármaco, do número de aplicações e do intervalo entre elas. Não há uma receita a ser seguida. “É tudo muito empírico”, diz a pesquisadora. O recomendado é seguir os protocolos prescritos por veterinários que prestam consultoria ou por empresas de saúde animal. Existem vários disponí- veis no mercado. Controle do carrapato Para o veterinário e consultor Octaviano Pereira Neto, seguir um protocolo de quimioprofilaxia, seja ele qual for, é uma importante medida preventiva, mas não suficiente para controlar a doença. “Muitas vezes o pro- dutor fica preocupado somente com a Tristeza e se es- quece do carrapato”. Segundo Pereira, não por acaso, os picos de TPB no Rio Grande do Sul acontecem a partir de abril, período que corresponde à terceira geração de carrapatos, quando a população do parasita atingiu um patamar bastante elevado. “Isso significa que não hou- ve controle no início da infestação”, diz. Se a presença do parasita é fundamental para estimular o desenvolvi- mento da resposta imune – dificuldade que está sendo enfrentada no manejo das áreas de ILP – e a alta infes- tação é um fator de risco para desencadear a doença, a pergunta a ser respondida é: como resolver essa equação? A exemplo dos protocolos quimioprofiláti- cos, não há uma única resposta. O veterinário Felipe Scherer, por exemplo, aposta no contro- le do carrapato com endectocidas de curta ação, aplicados nos terneiros de agosto a novembro, no início da infestação. “É uma forma de controlar o carrapato ao mesmo tempo em que se permite uma população mínima do parasita para induzir a imunida- de nos animais”. Seu colega Octaviano Pereira, por sua vez, opta por carrapaticidas à base de Fluazuron para tratar animais a serem levados de áreas sem carrapatos para pastagens com a presença do parasita. O veterinário explica que, ao contrário dos demais produtos de ação neurotóxica, que matam imediatamente o carrapato, o Fluazuron é um inibidor de crescimento, impedindo que o parasita atinja a fase adulta, o que ocorre por volta do 14o dia de vida. “Até esse período, na fase de ninfa, o parasita causa menos dano ao animal, mas inocula os patógenos que sensibilizarão o sistema imune”. O pro- duto é aplicado no dia em que os animais chegam na nova pastagem. A quimioprofilaxia é adotada se a doen- ça atingir de 15% a 20% do lote. “Nesse caso adotamos a metafilaxia (tratamento massal), porque certamente a doença está se espalhando. Em vez de esperar para tratar os animais na medida em que adoencem, tratamos todos de uma só vez”, diz. n Não temos condições de produzir a vacina”, Rovaina Doyle, do IPVDF. Doença é a que mais mata Números oficiais (casos notificados) dão conta de que a TPB é responsável pela morte de 10.000 animais todos os anos no Rio Grande do Sul. Um estudo da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul em parceria com a Farsul – Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul, no entanto, mostrou que a estatística está bas- tante subestimada. Em 2014, ano em que foi feito o trabalho junto a produtores, o registro de mortes ultrapassou 100 mil. Não bastasse a configuração do rebanho gaúcho, formado em quase sua totalidade de animais taurinos, portanto mais susceptíveis aos males causados pelo Rhipicephalus (Boophilus) microplus, o Rio Grande do Sul en- frenta um sério problema de resistência. Resultados de biocarrapati- cidograma (teste de produtos carrapacitidas) realizados pelo IPVDF mostram que apenas 11% das amostras enviadas para o laboratório nos últimos dois anos mostraram-se sensíveis aos seis princípios ativos (mais uma combinação) disponíveis no mercado gaúcho. Pior: 28% das amostras são resistentes a cinco ou mais categorias. “Ou seja, essas propriedades não têm como fazer o tratamento correto do carrapato da forma como preconizamos, com a alternância dos princípios ativos nas três gerações que temos no Estado”, alerta Ro- vaina Doyle, do IPVDF.