Andrezeline
Cristian
Daniella
Felipe
Joel
Keline
Lucas
Rodolfo
William
O que um copo de
tem?leite
135milhõesdecélulasdepus
51mgdecolesterol
300calorias
16gde gordura
Composição aproximada de diferentes espécies :
Gordura Proteína Lactose Cinzas
Extrato
seco
Mulher 4,5% 1,1% 6,8% 0,2% 12,...
Água: 87,25%
Sólidos totais: 12,75%
Proteínas 3,5%
Gordura: 3,5%
Lactose 4,7%
Minerais 0,75%
Gases dissolvidos: CO2...
- Estrutura
A lactose é o único glicídio livre que existe em quantidades
importantes em todos os leites, bem como o mais
a...
Mas o
que é
o
leite
em pó?
“Entende-se por leite em pó o produto obtido por desidratação do
leite de vaca integral, desnatado ou parcialmente desnata...
UM POUCO DE HISTÓRIA
Quem criou o leite em pó?
1802
O. Krichevsky, médico russo, evaporou o leite
pasteurizado em torres e...
- Processo
Para fabricar o leite em pó, as indústrias fervem o líquido. A
água evapora e o leite fica grosso. Essa pasta é...
Diagrama de blocos para um sistema de secagem
Fronteiras do
sistema
Maceió – 03 de outubro de 2013
Secagem por Cilindros
Processo que consiste na aplicação de uma
fina camada de concentrado na superfície
dos cilindros aqu...
- Método just-hatmaker
Maceió – 03 de outubro de 2013
- Sistema büttner O concentrado entra pelo alimentador (3);
O cilindro de produto úmido (4)
transforma o produto em uma ca...
- Secador Rotativo
S – Entrada do produto úmido;
P – Saída do produto seco;
C – Entrada do óleo combustível;
G – Saída do ...
Secagem por Spray Dryer
O processo de secagem consiste em
pulverizar o produto dentro de uma câmara
submetida a uma corren...
- Spray Dryer
1. Câmara de secagem;
2. Aquecedor de ar;
3. Tanque de alimentação;
4. Bomba de alta pressão;
5. Atomizador;...
Leito do Jorro
O leito fluidizado consiste na circulação de ar quente através de um leito de sólidos, de
modo que estes pe...
•O escoamento das partículas, como de um fluido uniforme, permite operações controladas
continuamente e automaticamente co...
- Leito Fluidizado
A – Soprador de ar de 7cv;
B – Válvula de escape;
C – Válvula de passagem;
D – Trocador de calor com 24...
Importância do
processamento do leite
Atividade econômica;
Produto rico nutricionalmente;
Aumento da durabilidade;
Mel...
equipe
ANDREZELINE
CRISTIAN
DANIELLA
FELIPE
JOEL
KELINE
LUCAS
RODOLFO
WILLIAM
TECNOLOGIA EM ALIMENTOS Físico-Química
Proc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Processamento e secagem do leite - Físico-química

3.456 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.456
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
134
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processamento e secagem do leite - Físico-química

  1. 1. Andrezeline Cristian Daniella Felipe Joel Keline Lucas Rodolfo William
  2. 2. O que um copo de tem?leite 135milhõesdecélulasdepus 51mgdecolesterol 300calorias 16gde gordura
  3. 3. Composição aproximada de diferentes espécies : Gordura Proteína Lactose Cinzas Extrato seco Mulher 4,5% 1,1% 6,8% 0,2% 12,65 Vaca Parda suíça Holstein Jersey 4,0% 3,5% 5,5% 3,6% 3,1% 3,9% 5,0% 4,9% 4,9% 0.7% 0,7% 0,7% 13,3% 12,2% 15,0% Ovelha 6,3% 5,5% 4,6% 0,9% 17,3% Cabra 4,1% 4,2% 4,6% 0,8% 13,7% Canguru 2,1% 6,2% ***** 1,2% 9,5% Foca 53,2% 11,2% 2,6% 0,7% 67,7% Coelha 12,2% 10,4% 1,8% 2,0% 26,4% Maceió – 03 de outubro de 2013
  4. 4. Água: 87,25% Sólidos totais: 12,75% Proteínas 3,5% Gordura: 3,5% Lactose 4,7% Minerais 0,75% Gases dissolvidos: CO2, O2 e N2 Composição aproximada do leite de vaca sem levar em consideração a raça: Maceió – 03 de outubro de 2013
  5. 5. - Estrutura A lactose é o único glicídio livre que existe em quantidades importantes em todos os leites, bem como o mais abundante, o mais simples e o mais constante em proporção. Sua principal origem está na glicose do sangue, o tecido mamário isomeriza-a em galactose e liga-a a um resto de glicose para formar uma molécula de lactose. Maceió – 03 de outubro de 2013
  6. 6. Mas o que é o leite em pó?
  7. 7. “Entende-se por leite em pó o produto obtido por desidratação do leite de vaca integral, desnatado ou parcialmente desnatado e apto para alimentação humana, mediante processo tecnologicamente adequados.” Ministério da Agricultura Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal – DIPOA Portaria Nº 369 de 04 de Setembro de 1997. D.O.U. de 08/09/1997 Maceió – 03 de outubro de 2013
  8. 8. UM POUCO DE HISTÓRIA Quem criou o leite em pó? 1802 O. Krichevsky, médico russo, evaporou o leite pasteurizado em torres especiais, obtendo um pó amarelado, que conservava as propriedades do leite. 1832 M. Dirchoff, químico, também russo, iniciou a primeira produção em escala industrial do leite em pó. Maceió – 03 de outubro de 2013
  9. 9. - Processo Para fabricar o leite em pó, as indústrias fervem o líquido. A água evapora e o leite fica grosso. Essa pasta é aquecida em num tanque fechado cheio de ar quente. O calor faz com que o restinho de umidade evapore. Ficam só as substâncias nutritivas, na forma de grãos. Quando dissolvemos o leite na água, simplesmente devolvemos a umidade que a indústria tirou. O leite em pó pode apresentar-se com diferentes teores de gordura, conforme o leite utilizado tenha a gordura natural do leite, seja parcialmente desnatado ou seja magro. De qualquer forma a proteína do leite em pó é a mesma que no leite líquido, com valores próximos de 30 - 35%, o que faz um alimento extremamente interessante. •O animal que produz mais leite é a baleia. A fêmea produz diariamente 600 litros de leite. •O leite de búfala é mais branco e nutritivo do que o de vaca. A verdadeira mussarela italiana é feita com esse tipo de leite. •Estudiosos suspeitam que o tipo de leite mais consumido no mundo não é o de vaca e, sim, o de cabra. Curiosidades Maceió – 03 de outubro de 2013
  10. 10. Diagrama de blocos para um sistema de secagem Fronteiras do sistema Maceió – 03 de outubro de 2013
  11. 11. Secagem por Cilindros Processo que consiste na aplicação de uma fina camada de concentrado na superfície dos cilindros aquecidos; A superfície permite troca rápida de calor com o produto a ser dessecado, desta forma a água é expulsa, vaporizada e evacuada por uma corrente de ar; Normalmente depois de percorre 3/4 da volta no cilindro ocorre a raspagem de uma fina camada; A camada é resfriada por ar e passa por moinhos para ser transformado em pó; Em seguida segue o armazenamento temporário em silos e por fim, o processo de envase. O método dos cilindros influenciam nas seguintes características: •Viscosidade da camada do leite; •Uniformidade dos grãos; •Temperatura e duração do processo de dessecação (pressão de vapor x número de rotação x velocidade dos cilindros); •Temperatura do concentrado; •Proporção do extrato seco do produto concentrado; •Perda de proteínas termossensíveis; •Capacidade do equipamento, geralmente ele consegue evaporar de 200 a 300 litros de leite com um E.S. de 45% de uma única vez. Vantagens e Desvantagens Maceió – 03 de outubro de 2013
  12. 12. - Método just-hatmaker Maceió – 03 de outubro de 2013
  13. 13. - Sistema büttner O concentrado entra pelo alimentador (3); O cilindro de produto úmido (4) transforma o produto em uma camada fina que não ultrapassa o cilindro de aplicação (5); Este por sua vez encaminha o produto úmido ao dessecador (1) que gira muito rápido e mantém uma temperatura de 115-130°C; O sino de vapores desprendidos (2) tem a função de retirar os vapores produzidos pela secagem; As lâminas de raspagem (6), levam o produto dessecado em forma de película contínua, jogando-o para um parafuso sem fim de descarga (7), onde é moído, resfriado e envasado. Maceió – 03 de outubro de 2013
  14. 14. - Secador Rotativo S – Entrada do produto úmido; P – Saída do produto seco; C – Entrada do óleo combustível; G – Saída do ar de secagem; G1 – Entrada do ar atomizado; G2 – Entrada do ar combustão; G3 – Entrada do ar de diluição. Maceió – 03 de outubro de 2013
  15. 15. Secagem por Spray Dryer O processo de secagem consiste em pulverizar o produto dentro de uma câmara submetida a uma corrente controlada de ar quente, e dessa maneira se consegue uma evaporação dos solventes, em geral água, obtendo-se uma separação ultra-rápida dos sólidos e solúveis contidos, com a mínima degradação do produto a secar, terminando esse processo com a recuperação do produto já em pó. •Baixa degradação/alteração de nutrientes, aroma , sabor, cor e etc.; •Alta produtividade e capacidade; •Efeito controle das variáveis; •Alta eficiência energética; •Produz materiais diretamente na forma de pó, com forma tamanho e densidades controladas pelas condições de processo; •Capacidade de microencapsulação de aromas. •Custo elevado. Vantagens e Desvantagens Maceió – 03 de outubro de 2013
  16. 16. - Spray Dryer 1. Câmara de secagem; 2. Aquecedor de ar; 3. Tanque de alimentação; 4. Bomba de alta pressão; 5. Atomizador; 6. Ciclone Principal; 7. Ciclone secundário; 8. Sucção de ar e filtros Maceió – 03 de outubro de 2013
  17. 17. Leito do Jorro O leito fluidizado consiste na circulação de ar quente através de um leito de sólidos, de modo que estes permanecem suspensos no ar, ou fluidizado. A utilização da técnica de fluidização foi difundida em 1940, com a construção do primeiro leito fluidizado para craqueamento de carvão. Somente mais tarde esta técnica seria utilizada como meio adequado ao recobrimento de partículas. Nos anos 70, foi patenteado o processo para produção de sementes recobertas e métodos de recobrimento de sementes em leito fluidizado, onde obtiveram para determinada faixa de tamanho de partículas o regime fluidodinâmico denominado de jorro, controlando a velocidade de entrada de gás e a forma geométrica do leito utilizado. Em 1962, no Canadá, foram instaladas as primeiras unidades de leito de jorro para secagem de ervilha, lentilha e sementes de linho. Recentemente, foi verificada a possibilidade de utilização do leito de jorro e leito fluidizado em alguns processos de revestimento de sementes, além dos processos de secagem do leite, comumente utilizados. Maceió – 03 de outubro de 2013
  18. 18. •O escoamento das partículas, como de um fluido uniforme, permite operações controladas continuamente e automaticamente com fácil manuseio; •Mistura fácil dos sólidos conduzem às condições isotérmicas no reator; •Mistura dos sólidos no leito apresenta uma resistência à rápidas mudanças nas condições de operação, respondendo lentamente e proporcionando uma margem de segurança para reações altamente exotérmicas; •A circulação de sólidos entre dois leitos possibilita a remoção de calor produzido ou necessário em reatores grandes; •Adequada para operações de grande escala; •A taxa de transferência de calor entre o leito fluidizado e um objeto imerso é alta, sendo necessário pequenas áreas de troca térmica para os trocadores de calor que utilizam o leito fluidizado. •A rápida mistura dos sólidos no leito conduzem a tempos de residência não uniformes dos sólidos no reator. Comprometendo a uniformidade do produto, reduzindo o rendimento e a performance; •Sólidos friáveis são pulverizados e arrastados pelo gás sendo necessário reciclá-los; •Erosão de tubos e colunas pela abrasão das partículas; •Operações não-catalíticas a altas temperaturas, aglomeração e sinterização de partículas finas podem requerer a diminuição da temperatura, muitas vezes reduzindo consideravelmente a taxa de reação. Vantagens e Desvantagens Maceió – 03 de outubro de 2013
  19. 19. - Leito Fluidizado A – Soprador de ar de 7cv; B – Válvula de escape; C – Válvula de passagem; D – Trocador de calor com 2400 W de potência; E – Partículas inertes de polipropileno; F – Visor em acrílico; G – Coluna cônica cilíndrica de 18 cm de diâmetro de aço inoxidável; H – Controlador e sensores de temperatura; I – Ciclone Lapple para separação e coleta de pó; J – Saco; K – Manômetro diferencial em U; L – Bomba peristáltica; M – Anemômetro; N – Termohigrômetro. Maceió – 03 de outubro de 2013
  20. 20. Importância do processamento do leite Atividade econômica; Produto rico nutricionalmente; Aumento da durabilidade; Melhor logística; Aumenta os lucros da cadeia produtiva. Maceió – 03 de outubro de 2013
  21. 21. equipe ANDREZELINE CRISTIAN DANIELLA FELIPE JOEL KELINE LUCAS RODOLFO WILLIAM TECNOLOGIA EM ALIMENTOS Físico-Química Processamento e secagem do leite Referências: 1) Gava, Altanir Jaime, 1941 - Princípios de Tecnologia de Alimentos. c. 5. p. 253 – 270, São Paulo: Nobel, 1984. 2) ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Legislação Alimentar e Boas Práticas Alimentares. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/legis/especifica/regutec.ht m Acesso em 26 setembro de 2013. 3) Ingredientes, novas funcionalidades. Revista FiB, Food Ingredients Brasil. Nº 14. Ano 2000. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/leitepo.asp 4) Acesso em 29 de setembro de 2013. 5) Revista Química Nova na Escola. Vol. 34, nº 2, p. 51-57, maio 2012. 6) BRASIL, Legislação Específica de Aditivos Alimentares e Coadjuvantes de Tecnologia. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/legis/especifica/aditivos.ht m Acesso em 27 de setembro de 2013. 6) FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION. Evaluation of certain food additives. Geneva, 1974. p.1-37. (Technical Report Series, 557). 7) VI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Científica - Secagem do leite em Leito do Jorro. Andrade Júnior, W. M.1., Xavier, C. H.1, Araújo, A. A. L.1, Jácome, B. C.1, Medeiros, U. K. L2., Pedrini, M. R. S3. e Medeiros, M. F. D3. Nº 08. Ano 2009. 8) MASTERS, K. (1985). Applications in the Food Industry. In: Spray Drying. 9) Associação Brasileira dos Produtores de Leite. Disponível em: http://www.leitebrasil.org.br/ Acesso em 30 de setembro de 2013. 10) Spray Dryer, atomizadores. Disponível em: http://www.sprayprocess.blogspot.com.br/ Acesso em 27 de setembro de 2013.

×