SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Otorrinolaringologia                                                     9a Aula
Patologias da Orelha Externa




Patologias da Orelha Externa
       Otite Externa Aguda
       Furúnculo do C.A.E.
       Erisipela do Pavilhão Auricular
       Otite Externa Granulosa
       Otite Externa Maligna
       Otomicose
       Exostoses
       Corpos Estranhos
       Rolhas Ceruminosas e Epidérmicas

Fatores Desencadeantes e Favoráveis
    Alta temperatura e umidade
    Ausência de cerume
    Ph alcalino (cerume tem Ph ácido)
    Escarificação
    Reações alérgicas locais
    Permanência de corpos estranhos e secreções

Mecanismos Protetores
   Trago (barreira mecânica)
   Estreitamento do Conduto Auditivo Externo
   Pêlos
   Glândulas sebáceas
   Cerume (Ig,lisozimas, Ph ácido)
   Capacidade de autolimpeza do CAE (eliminação de restos epiteliais)

Otite Externa Aguda
    Germes mais freqüentes: Estafilococos, Estreptococos, Pseudomonas
    Sintomas: Otalgia, secreção purulenta, hipoacusia (fase tardia)
    Otoscopia: Fase inicial e tardia
    Profilaxia: Não manipular, secar ouvidos, tampões
   Tratamento:
           Grau I e Grau II: Tratamento Tópico
           Grau III: ATB VO, Analgésico, Anti-inflamatório, Corticóide




Furúnculo do C.A.E.
    Infecção estafilocócica do órgão pilosebáceo
    Sintomas: Dor intensa, terço externo, linfadenomegalia, infiltração retroauricular,
      reinfecção comum
    Tratamento: Alivio da dor (analgésicos e calor local), antibióticoterapia local e oral -
      cefelaxina, evitar incisão. Não tem indicação de drenagem

Erisipela do Pavilhão Auricular
   • Infecção estreptocócica da orelha externa envolvendo pavilhão auricular, que
       assume aspecto clássico “casca de laranja”
   • Pode ocorre extensão para face, com febre alta e calafrios
   • Tto:Antibioticoterapia VO ou IV (cefalexina)

Otite Externa Granulosa
    Formação de tecido granuloso no terço interno do CAE,gerando exsudação purulenta
       com tendência a cronicidade
    Investigar diabetes
    Tratamento: Cauterização com ácido tricloacético a 50%,antibióticos com cobertura
       para pseudomonas. Se não melhorar c/ ciprofluoxacina = cirurgia
    Cirúrgico:Tto anterior ineficaz
Otite Externa Maligna
    Forma grave de otite externa, podendo evoluir com necrose de CAE e pavilhão com
       extensão para parótida, mastóide, osso temporal, região cervical, nervo facial
    Agente etiológico principal: Pseudomonas aeruginosa
    Ocorre em diabéticos, imunodeprimidos, idosos
    Otorréia purulenta,áreas de necrose, paralisia facial (nervo facial cruza ouvido)
    Diagnostico:Cultura de exsudatos, biopsia incisional, TC (avaliar extensão do
       processo infeccioso)
    Tto: Internação (ATB IV – ciprofluoxacina tem vantagem de penetrar osso),
       curativos otológicos,retirada de tecido necrosado

Otomicose
    Infecção do CAE por fungos
    Sintoma principal é o prurido que leva o paciente à manipular CAE gerando também
      infecção bacteriana secundária (dor)
    Fungos: Cândida, Aspergillus
    Tto: Remoção de micélios (não se faz lavagem
      quando tímpano está perfurado), antifúngico tópico
Exostoses
    Formações ósseas arredondadas, múltiplas e bilaterais. Achado geralmente acidental
    Associado a prática esportiva ou mergulho em águas frias
    Assintomáticos, exceto quando fazem oclusão total do CAE, se tornando de
      tratamento cirúrgico

Corpos Estranhos
    Introdução voluntária (crianças ou pacientes psiquiátricos) ou acidental (insetos,
      trauma)
    Tratamento: Imobilização de corpo estranho vivo com solução oleosa, retirada com
      ou sem anestesia geral.

Rolha Epidérmica
    Acumulo de descamação epidérmica que termina por bloquear o CAE
    Retirada difícil,sendo as vezes necessárias varias sessões
    Recidivas freqüentes sendo necessária retiradas periódicas,evitando formação de
      rolhas

Rolha Ceruminosa (não considerado patológico)
    Hipersecreção de glândulas ceruminas presente em alguns indivíduos de origem
      desconhecida
    Tratamento:Retirada periódica,através de lavagens auriculares(uso prévio de
      substancias emolientes)ou ganchos e curetas


OBS: Cóclea: Responsável pela audição.
Base: Estimulação por sons agudos
Ápice: Estimulação por sons graves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagicaFenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Solange Giaretta
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
Jucie Vasconcelos
 
Sistema sensorial fisiologia
Sistema sensorial   fisiologiaSistema sensorial   fisiologia
Sistema sensorial fisiologia
Malu Correia
 

Mais procurados (20)

Anatomia de cabeça e pescoço - Dr Jônatas Catunda
Anatomia de cabeça e pescoço - Dr Jônatas CatundaAnatomia de cabeça e pescoço - Dr Jônatas Catunda
Anatomia de cabeça e pescoço - Dr Jônatas Catunda
 
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagicaFenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
 
Mononucleose Infecciosa
Mononucleose InfecciosaMononucleose Infecciosa
Mononucleose Infecciosa
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
 
Dens in dente, dentes conóides e perólas de esmalte
Dens in dente, dentes conóides e perólas de esmalte Dens in dente, dentes conóides e perólas de esmalte
Dens in dente, dentes conóides e perólas de esmalte
 
Nervo Facial
Nervo FacialNervo Facial
Nervo Facial
 
Epistaxe
Epistaxe Epistaxe
Epistaxe
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Doenças+exantemática
Doenças+exantemáticaDoenças+exantemática
Doenças+exantemática
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga) Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cabeça e Pescoço (Davyson Sampaio Braga)
 
Dermatomiosite
DermatomiositeDermatomiosite
Dermatomiosite
 
Glândulas Salivares
Glândulas SalivaresGlândulas Salivares
Glândulas Salivares
 
Infecções de Tecidos Moles.pdf
Infecções de Tecidos Moles.pdfInfecções de Tecidos Moles.pdf
Infecções de Tecidos Moles.pdf
 
Anatomia óssea (mandíbula e maxila)
Anatomia óssea (mandíbula e maxila)Anatomia óssea (mandíbula e maxila)
Anatomia óssea (mandíbula e maxila)
 
Sistema sensorial fisiologia
Sistema sensorial   fisiologiaSistema sensorial   fisiologia
Sistema sensorial fisiologia
 
Anatomia da Face e Pescoço
Anatomia da Face e PescoçoAnatomia da Face e Pescoço
Anatomia da Face e Pescoço
 
Cirurgia de cabeça e pescoço completa
Cirurgia de cabeça e pescoço   completaCirurgia de cabeça e pescoço   completa
Cirurgia de cabeça e pescoço completa
 
Exame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e PescoçoExame Físico Cabeça e Pescoço
Exame Físico Cabeça e Pescoço
 

Destaque

Orelha interna
Orelha internaOrelha interna
Orelha interna
Dario Hart
 
Otorrino everardo
Otorrino everardoOtorrino everardo
Otorrino everardo
Anna Mendes
 
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
jaddy xavier
 

Destaque (20)

Otite Media
Otite MediaOtite Media
Otite Media
 
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
Otite Média Aguda e Otite Média Com Efusão (Serosa)
 
Otite media aguda
Otite media agudaOtite media aguda
Otite media aguda
 
Pediatria: Otite
Pediatria: OtitePediatria: Otite
Pediatria: Otite
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
 
Orelha
OrelhaOrelha
Orelha
 
Patologie orecchio esterno
Patologie orecchio esternoPatologie orecchio esterno
Patologie orecchio esterno
 
Orelha interna
Orelha internaOrelha interna
Orelha interna
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
Otorrino everardo
Otorrino everardoOtorrino everardo
Otorrino everardo
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
 
Resgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra GeralResgate do Pediatra Geral
Resgate do Pediatra Geral
 
Resumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bvaResumo ivas, asma, pac, bva
Resumo ivas, asma, pac, bva
 
Problemas de matematica
Problemas de matematicaProblemas de matematica
Problemas de matematica
 
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
 
Urgencias orl
Urgencias orlUrgencias orl
Urgencias orl
 
Tratado de otorrino
Tratado de otorrinoTratado de otorrino
Tratado de otorrino
 
Apostila de auriculo
Apostila de auriculo Apostila de auriculo
Apostila de auriculo
 
DIABETE MELLITUS E SUAS COMPLICAÇÕES
DIABETE MELLITUS E SUAS COMPLICAÇÕES DIABETE MELLITUS E SUAS COMPLICAÇÕES
DIABETE MELLITUS E SUAS COMPLICAÇÕES
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 

Semelhante a Orelha externa

Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Sarnas da orelha 2012.1
Sarnas da orelha 2012.1Sarnas da orelha 2012.1
Sarnas da orelha 2012.1
Tainá Peixoto
 
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptxEmergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
AllefAquino1
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Cassia Campos
 

Semelhante a Orelha externa (20)

Aula de ivas em pediatria medicina otorrino
Aula de ivas em pediatria medicina otorrino Aula de ivas em pediatria medicina otorrino
Aula de ivas em pediatria medicina otorrino
 
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes AnimaisAfecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
 
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
Tratamento das comunicações buco sinusais 2013
 
PATOLOGIA do periodonto.pptx
PATOLOGIA do periodonto.pptxPATOLOGIA do periodonto.pptx
PATOLOGIA do periodonto.pptx
 
Penfigo
PenfigoPenfigo
Penfigo
 
Apostila de estágio v
Apostila de estágio vApostila de estágio v
Apostila de estágio v
 
Cirurgia
CirurgiaCirurgia
Cirurgia
 
Trauma de face
Trauma de face Trauma de face
Trauma de face
 
Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi
 
RESUMO Fisiopatologia.doc
RESUMO Fisiopatologia.docRESUMO Fisiopatologia.doc
RESUMO Fisiopatologia.doc
 
Octite aguda media.crizaldo1 1
Octite aguda media.crizaldo1 1Octite aguda media.crizaldo1 1
Octite aguda media.crizaldo1 1
 
Sarnas da orelha 2012.1
Sarnas da orelha 2012.1Sarnas da orelha 2012.1
Sarnas da orelha 2012.1
 
Estudos de casos da faculdade 2018 (Sarna Otodécica)
Estudos de casos da faculdade 2018 (Sarna Otodécica)Estudos de casos da faculdade 2018 (Sarna Otodécica)
Estudos de casos da faculdade 2018 (Sarna Otodécica)
 
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptxEmergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
 
ANAMNESIS - 2018 exame físico grandes animais.pdf
ANAMNESIS - 2018 exame físico grandes animais.pdfANAMNESIS - 2018 exame físico grandes animais.pdf
ANAMNESIS - 2018 exame físico grandes animais.pdf
 
Otite Externa em cães e gatos
Otite Externa em cães e gatosOtite Externa em cães e gatos
Otite Externa em cães e gatos
 
Otites - SEMINÁRIO PROPEDÊUTICA.pdf
Otites - SEMINÁRIO PROPEDÊUTICA.pdfOtites - SEMINÁRIO PROPEDÊUTICA.pdf
Otites - SEMINÁRIO PROPEDÊUTICA.pdf
 
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]Semiologia  -cabeca_e_pescoco[1]
Semiologia -cabeca_e_pescoco[1]
 

Mais de Dario Hart

Casos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalCasos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -Nasosinusal
Dario Hart
 

Mais de Dario Hart (9)

Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho OralSessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
Sessão Clínico 6 - Lesão Cística Assoalho Oral
 
Sessão Clínica - Otorréia Crônica
Sessão Clínica - Otorréia CrônicaSessão Clínica - Otorréia Crônica
Sessão Clínica - Otorréia Crônica
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
 
Doenças crônicas – Pressão Alta
Doenças crônicas – Pressão Alta Doenças crônicas – Pressão Alta
Doenças crônicas – Pressão Alta
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Laringe
LaringeLaringe
Laringe
 
Casos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalCasos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -Nasosinusal
 
Abordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Abordagem Cirúrgica - Trauma AbdominalAbordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
Abordagem Cirúrgica - Trauma Abdominal
 
Climatério
ClimatérioClimatério
Climatério
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Orelha externa

  • 1. Otorrinolaringologia 9a Aula Patologias da Orelha Externa Patologias da Orelha Externa Otite Externa Aguda Furúnculo do C.A.E. Erisipela do Pavilhão Auricular Otite Externa Granulosa Otite Externa Maligna Otomicose Exostoses Corpos Estranhos Rolhas Ceruminosas e Epidérmicas Fatores Desencadeantes e Favoráveis  Alta temperatura e umidade  Ausência de cerume  Ph alcalino (cerume tem Ph ácido)  Escarificação  Reações alérgicas locais  Permanência de corpos estranhos e secreções Mecanismos Protetores  Trago (barreira mecânica)  Estreitamento do Conduto Auditivo Externo  Pêlos  Glândulas sebáceas  Cerume (Ig,lisozimas, Ph ácido)  Capacidade de autolimpeza do CAE (eliminação de restos epiteliais) Otite Externa Aguda  Germes mais freqüentes: Estafilococos, Estreptococos, Pseudomonas  Sintomas: Otalgia, secreção purulenta, hipoacusia (fase tardia)  Otoscopia: Fase inicial e tardia  Profilaxia: Não manipular, secar ouvidos, tampões
  • 2. Tratamento:  Grau I e Grau II: Tratamento Tópico  Grau III: ATB VO, Analgésico, Anti-inflamatório, Corticóide Furúnculo do C.A.E.  Infecção estafilocócica do órgão pilosebáceo  Sintomas: Dor intensa, terço externo, linfadenomegalia, infiltração retroauricular, reinfecção comum  Tratamento: Alivio da dor (analgésicos e calor local), antibióticoterapia local e oral - cefelaxina, evitar incisão. Não tem indicação de drenagem Erisipela do Pavilhão Auricular • Infecção estreptocócica da orelha externa envolvendo pavilhão auricular, que assume aspecto clássico “casca de laranja” • Pode ocorre extensão para face, com febre alta e calafrios • Tto:Antibioticoterapia VO ou IV (cefalexina) Otite Externa Granulosa  Formação de tecido granuloso no terço interno do CAE,gerando exsudação purulenta com tendência a cronicidade  Investigar diabetes  Tratamento: Cauterização com ácido tricloacético a 50%,antibióticos com cobertura para pseudomonas. Se não melhorar c/ ciprofluoxacina = cirurgia  Cirúrgico:Tto anterior ineficaz Otite Externa Maligna  Forma grave de otite externa, podendo evoluir com necrose de CAE e pavilhão com extensão para parótida, mastóide, osso temporal, região cervical, nervo facial  Agente etiológico principal: Pseudomonas aeruginosa  Ocorre em diabéticos, imunodeprimidos, idosos  Otorréia purulenta,áreas de necrose, paralisia facial (nervo facial cruza ouvido)  Diagnostico:Cultura de exsudatos, biopsia incisional, TC (avaliar extensão do processo infeccioso)  Tto: Internação (ATB IV – ciprofluoxacina tem vantagem de penetrar osso), curativos otológicos,retirada de tecido necrosado Otomicose  Infecção do CAE por fungos  Sintoma principal é o prurido que leva o paciente à manipular CAE gerando também infecção bacteriana secundária (dor)  Fungos: Cândida, Aspergillus  Tto: Remoção de micélios (não se faz lavagem quando tímpano está perfurado), antifúngico tópico
  • 3. Exostoses  Formações ósseas arredondadas, múltiplas e bilaterais. Achado geralmente acidental  Associado a prática esportiva ou mergulho em águas frias  Assintomáticos, exceto quando fazem oclusão total do CAE, se tornando de tratamento cirúrgico Corpos Estranhos  Introdução voluntária (crianças ou pacientes psiquiátricos) ou acidental (insetos, trauma)  Tratamento: Imobilização de corpo estranho vivo com solução oleosa, retirada com ou sem anestesia geral. Rolha Epidérmica  Acumulo de descamação epidérmica que termina por bloquear o CAE  Retirada difícil,sendo as vezes necessárias varias sessões  Recidivas freqüentes sendo necessária retiradas periódicas,evitando formação de rolhas Rolha Ceruminosa (não considerado patológico)  Hipersecreção de glândulas ceruminas presente em alguns indivíduos de origem desconhecida  Tratamento:Retirada periódica,através de lavagens auriculares(uso prévio de substancias emolientes)ou ganchos e curetas OBS: Cóclea: Responsável pela audição. Base: Estimulação por sons agudos Ápice: Estimulação por sons graves