SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
Diabetes (DIA) e Hipertensão (HA)
Tipo de Pesquisa - A pesquisa foi de caráter
exploratório e investigativo, baseada em
conteúdos aprendidos no primeiro e segundo
módulo do curso de Enfermagem da
Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora
das Graças, Universidade de Pernambuco, e
por meio de levantamentos bibliográficos de
diversas fontes.
 Período de Execução - A pesquisa e o
desenvolvimento do trabalho se deram no
período entre 10/05 a 08/06 de 2012.
Doenças Crônicas
Hipertensão Diabetes
 O que é;
 Fatores de Risco;
 Sintomas;
 Tratamento.
 O que é;
 Fatores de Risco;
 Sintomas;
 Tipos de Diabetes
 Tratamento.
Obesidade Má alimentação
Hereditariedade Sedentarismo
Alcoolismo
 J.M.S., 70 anos, aposentado e analfabeto,
residente no Brejo de Beberibe, na Rua Monte
Líbano, mora com uma filha adolescente, um filho
e a nora. É portador da Diabetes e Hipertensão, é
obeso, ex-alcoolista e ex-fumante. Tem uma úlcera
na perna esquerda, artrose, Mal de Parkinson e
para sua locomoção depende da ajuda de outras
pessoas.
J.M.S. reside na Rua Monte Líbano que não é
pavimentada, dificultando o acesso do
paciente ao serviços de saúde oferecidos pela
comunidade. A mesma rua não possui
saneamento básico adequado, o que serve de
fator agravante para outras doenças.
Por meio da anamnese feita na
visita domiciliar ao paciente,
obteve-se informações
relacionadas à situação de saúde
do mesmo. Ao analisar o seu
histórico de morbidade familiar,
foi constatada a presença de
casos de doenças crônicas como
Hipertensão e Diabetes.
 Hipertensão;
 Diabetes;
 Ex- alcoolista e Ex- fumante;
 Passou longo tratamento de um tumor
benigno no rim, no qual foi necessária uma
intervenção cirúrgica, pois o órgão estava
16% comprometido ;
 úlcera na perna;
 Artrose no joelho;
 Mal de Parkinson;
 Obesidade.
A Hipertensão Arterial e Diabetes são controladas por meio do
uso diário de medicamentos, sendo eles a insulina duas vezes
ao dia (para diabetes) e Captopril cinco vezes ao dia (para a
hipertensão). Dessa forma o paciente apresenta como queixas
principais Mal de Parkinson, obesidade, artrose e uma úlcera
na perna esquerda, que faz com que o mesmo fique
impossibilitado de se locomover sozinho.
Hipertensão
e Diabetes
Artrose
Úlcera
Mal de
Parkinson
Obesidade
Hipertensão
 Hipertensão Arterial explica 40% das mortes por acidente
vascular cerebral e 25% daquelas por doença coronariana;
 Alta Prevalência ≈ 25% (18-74 anos);
 18-24 a > 10% 65-74a > 60%;
 Atinge 14% da população brasileira;
 No Brasil, em 2003, 27,4% dos óbitos foram decorrentes de
doenças cardiovasculares;
 Associada a: obesidade, sedentarismo, dieta;
 Negros, idosos .
Diabetes
 Existem mais de 190 milhões de pessoas com
diabetes no mundo ;
 De acordo com o OMS, a projeção para
2025 é que esse número supere os 300
milhões;
 Aproximadamente 50% das pessoas com DIA
desconhecem sua condição.
Américas
2003: 37 milhões
Europa
2003: 48 milhões
África e Oriente
2003: 26 milhões
África e Oriente
2003: 26 milhões
Europa
2003: 48 milhões
Ásia e Austrália
2003: 82 milhões
<2% 2%–5% 5%–8% 8%–11% 11%–14%
*DM2 representa ~90%–95% dos casos (Centers for Disease Control and Prevention. National Diabetes Fact Sheet, 2003. Rev ed. Atlanta,
Ga: US Department of Health and Human Services; 2004.)
Adaptado de International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 2nd ed. 2003.
Mundo
200
180
160
140
120
100
80
60
30
40
20
0
Nºestimadodepessoas
comdiabetes(milhões)
2000
2030
20-44 45-64 +65
faixa etária
Países desenvolvidos
Nºestimadodepessoas
comdiabetes(milhões)
60
50
40
30
20
10
0
faixa etária
20-44
2000
2030
45-64 +65
Países em desenvolvimento
Nºestimadodepessoas
comdiabetes(milhões)
160
140
120
100
80
60
40
20
0
2000
2030
20-44 45-64 +65Wild S. Diabetes Care 2004; 27: 1047
<2% 2%–5% 5%–8% 8%–11% 11%–14%
PrevalênciadeDiabetesnasAméricas
DM2 corresponde a ~90%–95% dos casos (Centers for Disease Control and Prevention. National Diabetes Fact Sheet, 2003. Rev ed.
Atlanta, Ga: US Department of Health and Human Services; 2004.)
Adaptado de International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 2nd ed. 2003.
Milhões de pacientes
20-79 anos (% da
pop)
País
Brasil 5.6 (5.2%)
Prevalência de DM
Prevalência (%)
20–39 40-59 60
2.4
10.1
20.9
DM2 representa ~90%–95% dos casos
Adaptado de Centers for Disease Control and Prevention. National diabetes fact sheet: general information and national estimates
on diabetes in the United States, 2005. Atlanta, GA: US Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and
Prevention, 2005.
 Pressão Arterial (PA)
PA = DC x RVP
Pressão
Arterial
Débito
Cardíaco
Resistência
Vascular
Periférica
Frequência
Cardíaca
X
Volume Ejetado
modificação do diâmetro das
arteríolas de acordo com as
necessidades metabólicas
dos tecidos.
 Pressão Arterial Diastólica (PAD);
 Pressão Arterial Sistólica (PAS);
 Pressão Arterial Média (PAM).
PAM = (2PAD + PAS)/3
 3 Tipos :
1. A Curto Prazo ou de Resposta Rápida
- Baroreceptores e os Quimioreceptores
2. A médio prazo
− catecolaminas, endotelinas, prostaglandinas e outros
3. A longo prazo
− O rim é o centro desse sistema de regulação
Glicose absorvida
no intestino
Veia-porta
hepática
Glicose é
convertida em
ATP e usada
como fonte de
energia
Glicose se liga
ao Glut e entra
na célula
Glicose
liberada para
o sangue
Na célula a
glicose participa
das vias
metabólicas
para produzir
Energia
Insulina liga-se
aos receptores
presentes na
membrana
plasmática
Insulina é
ativada e liberada
no sangue
 Estimula a captação de glicose pelas células;
 Estimula o armazenamento de glicogênio
hepático e muscular;
 Estimula o síntese de proteínas e ácidos graxos.
 Com isso há queda gradual da glicemia que
estimula as células α-pancreáticas a liberarem o
glucagon.
 Hormônio de ação antagônica à insulina;
 Efeitos:
 Estimular a mobilização dos depósitos de
aminoácidos e ácidos graxos;
o Estimular a glicogenólise e
o Estimular a glicogênese
Perda de
Peso
Degradação
triglicerídeos e
gliconeogênes
e
Corpos
Cetônicos
Cetoacidose
Não captação de
glicose
Hiperglicemia
Glicosúria
Poliúria
Polidipsia Diurese osmótica
Falta de
energia a nível
celular
Polifagia
Fadiga
 Transição
demográfico/epidemiológica;
 Hipertensão arterial e Diabetes
– Doenças crônicas mais
comuns, cujo tratamento e
controle exigem alterações de
comportamento e o estilo de
vida;
 Qualidade de vida: Conforto e
bem-estar;
 Tratamentos exigem uma ação conjunta entre o
paciente, a família e a equipe de saúde;
 Ações de responsabilidade das esferas
governamentais;
 Políticas públicas, que envolvam tanto a melhoria da
qualidade de vida dos indivíduos, quanto à
valorização dos trabalhadores das ESF.
 Levar em consideração a história
de vida do paciente - aspectos
sociais, ambientais e psicológicos
- para o desenvolvimento de
habilidades que permitirão uma
visão mais crítica sobre sua saúde;
 Eliminar alguns fatores de risco
relacionados com o estilo de vida:
o sedentarismo, o tabagismo, a
alimentação inadequada, o peso
corporal elevado, a ingestão de
bebidas alcoólicas e o estresse;
 Controle indesejável de sua
própria vida - tristeza, angústia,
desespero, medo e
preocupação;
 Pelo fato do DM1 e do DM2 possuírem
etiologia e tratamento distintos, as influências
psicológicas também podem ser diferentes.
As avaliações e as medidas devem atender
aspectos como a idade do início da doença,
a etapa do desenvolvimento, o status social
e intelectual e a forma de tratamento.
 Uso de novas técnicas
que minimizem o
impacto pessoal e
econômico do
Diabetes, por meio da
prevenção, detecção e
tratamento eficazes;
 Investigação de fatores
emocionais e
comportamentais ao
efetivo tratamento da
doença e sua relação
com o controle da
glicemia;
Hipertensão
 Localização;
 Função;
 Composição;
 Artérias;
 Veias;
 Capilares;
 Veias cavas;
 Tronco pulmonar;
 Veias pulmonares;
 Artéria Aorta;
Diabetes
 Órgão acessório do
trato digestório;
 Função;
 Localização;
 Glândula Mista;
◦ Porção Exócrina
◦ Porção Endócrina
 Tipos de células
◦ Células α, Células
β, Células δ
 Desenvolver atividades educativas de
PROMOÇÃO e PREVENÇÃO da saúde ;
 Identificar fatores de riscos associados e
orientar mudanças no estilo de vida ;
 Estudo dedicado a análise do paciente J.M.S.
 Obesidade um fator agravante
 Infraestrutura da USF
 HiperDia
 Multidisciplinaridade do NASF
“Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida.”
Sócrates

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao
252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao
252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencaoAldikelly
 
Dm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúde
Dm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúdeDm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúde
Dm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúdeadrianomedico
 
Diabetes mellitus classificação e diagnóstico
Diabetes mellitus classificação e diagnósticoDiabetes mellitus classificação e diagnóstico
Diabetes mellitus classificação e diagnósticoadrianomedico
 
O Assistente Social e o Tratamento da Diabetes
O Assistente Social e o Tratamento da DiabetesO Assistente Social e o Tratamento da Diabetes
O Assistente Social e o Tratamento da DiabetesCarolina Bastos
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugualSantos de Castro
 
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitusPlano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitusadrianomedico
 
E-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesE-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesEuSaúde
 
Consenso internacional do pé diabético
Consenso internacional do pé diabéticoConsenso internacional do pé diabético
Consenso internacional do pé diabéticoadrianomedico
 
Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)
Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)
Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)Mab Davilla
 
Pé diabetico uma avaliação sistematizada
Pé diabetico uma avaliação sistematizadaPé diabetico uma avaliação sistematizada
Pé diabetico uma avaliação sistematizadaadrianomedico
 
Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticos
Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticosAdesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticos
Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticosClarissa Lessa
 
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaDengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaCentro Universitário Ages
 
21019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-2
21019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-221019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-2
21019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-2Reila Silva
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternariaLeonardo Savassi
 

Mais procurados (20)

252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao
252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao
252 -diabetes mellitus-tipo_2_prevencao
 
Vera_Obesidade
Vera_ObesidadeVera_Obesidade
Vera_Obesidade
 
Dm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúde
Dm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúdeDm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúde
Dm conceitos, epidemiologia e cuidado nos serviços de saúde
 
Diabetes mellitus classificação e diagnóstico
Diabetes mellitus classificação e diagnósticoDiabetes mellitus classificação e diagnóstico
Diabetes mellitus classificação e diagnóstico
 
O Assistente Social e o Tratamento da Diabetes
O Assistente Social e o Tratamento da DiabetesO Assistente Social e o Tratamento da Diabetes
O Assistente Social e o Tratamento da Diabetes
 
Mcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicasMcp e doenças crônicas
Mcp e doenças crônicas
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
 
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitusPlano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
 
E-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesE-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - Diabetes
 
Consenso internacional do pé diabético
Consenso internacional do pé diabéticoConsenso internacional do pé diabético
Consenso internacional do pé diabético
 
Samuel_Complicações_agudas
Samuel_Complicações_agudasSamuel_Complicações_agudas
Samuel_Complicações_agudas
 
Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)
Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)
Terapia nutricional na_doenca_de_crohn (1)
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Artigo bioterra v16_n1_05
Artigo bioterra v16_n1_05Artigo bioterra v16_n1_05
Artigo bioterra v16_n1_05
 
Pé diabetico uma avaliação sistematizada
Pé diabetico uma avaliação sistematizadaPé diabetico uma avaliação sistematizada
Pé diabetico uma avaliação sistematizada
 
Vera_Mito_verdade_alimentacao
Vera_Mito_verdade_alimentacaoVera_Mito_verdade_alimentacao
Vera_Mito_verdade_alimentacao
 
Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticos
Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticosAdesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticos
Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico por idosos diabéticos
 
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaDengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
 
21019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-2
21019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-221019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-2
21019c diretrizes consenso-sobre_anemia_ferropriva-2
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria
 

Semelhante a Caso dia e has

E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdfE-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdfsuziemartins
 
Diabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicosDiabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicosDanúbia Ap
 
Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...
Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...
Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...Van Der Häägen Brazil
 
Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08gisa_legal
 

Semelhante a Caso dia e has (7)

E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdfE-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
E-book Diabetes mellitus tipo 2 no ambulatório.pdf
 
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
 
Diabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicosDiabetes fitoterapicos
Diabetes fitoterapicos
 
Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...
Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...
Doença hepática gordurosa não alcoólica e síndrome metabólica problema de saú...
 
Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08
 
Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08
 
Curso 50 ia
Curso 50 iaCurso 50 ia
Curso 50 ia
 

Mais de Karina Pereira

Hipertensão genética
Hipertensão genéticaHipertensão genética
Hipertensão genéticaKarina Pereira
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoKarina Pereira
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherKarina Pereira
 
Lesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorLesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorKarina Pereira
 
Mitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaMitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaKarina Pereira
 
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaO enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaKarina Pereira
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseKarina Pereira
 
Deficiência da vitamina a
 Deficiência da vitamina a Deficiência da vitamina a
Deficiência da vitamina aKarina Pereira
 
Diabetes Melitus na Infância
Diabetes Melitus na InfânciaDiabetes Melitus na Infância
Diabetes Melitus na InfânciaKarina Pereira
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasKarina Pereira
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Karina Pereira
 

Mais de Karina Pereira (13)

Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Hipertensão genética
Hipertensão genéticaHipertensão genética
Hipertensão genética
 
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de CasoGravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
Gravidez Primeiro Trimestre-Relato de Caso
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
Lesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotorLesão do aparelho locomotor
Lesão do aparelho locomotor
 
Mitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na PsiquiatriaMitos e verdades na Psiquiatria
Mitos e verdades na Psiquiatria
 
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátricaO enfermeiro em emergência psiquiátrica
O enfermeiro em emergência psiquiátrica
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 
Deficiência da vitamina a
 Deficiência da vitamina a Deficiência da vitamina a
Deficiência da vitamina a
 
Diabetes Melitus na Infância
Diabetes Melitus na InfânciaDiabetes Melitus na Infância
Diabetes Melitus na Infância
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 

Caso dia e has

  • 1. Diabetes (DIA) e Hipertensão (HA)
  • 2.
  • 3. Tipo de Pesquisa - A pesquisa foi de caráter exploratório e investigativo, baseada em conteúdos aprendidos no primeiro e segundo módulo do curso de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças, Universidade de Pernambuco, e por meio de levantamentos bibliográficos de diversas fontes.  Período de Execução - A pesquisa e o desenvolvimento do trabalho se deram no período entre 10/05 a 08/06 de 2012.
  • 4.
  • 6.  O que é;  Fatores de Risco;  Sintomas;  Tratamento.
  • 7.  O que é;  Fatores de Risco;  Sintomas;  Tipos de Diabetes  Tratamento.
  • 9.
  • 10.  J.M.S., 70 anos, aposentado e analfabeto, residente no Brejo de Beberibe, na Rua Monte Líbano, mora com uma filha adolescente, um filho e a nora. É portador da Diabetes e Hipertensão, é obeso, ex-alcoolista e ex-fumante. Tem uma úlcera na perna esquerda, artrose, Mal de Parkinson e para sua locomoção depende da ajuda de outras pessoas.
  • 11.
  • 12. J.M.S. reside na Rua Monte Líbano que não é pavimentada, dificultando o acesso do paciente ao serviços de saúde oferecidos pela comunidade. A mesma rua não possui saneamento básico adequado, o que serve de fator agravante para outras doenças.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Por meio da anamnese feita na visita domiciliar ao paciente, obteve-se informações relacionadas à situação de saúde do mesmo. Ao analisar o seu histórico de morbidade familiar, foi constatada a presença de casos de doenças crônicas como Hipertensão e Diabetes.
  • 16.  Hipertensão;  Diabetes;  Ex- alcoolista e Ex- fumante;  Passou longo tratamento de um tumor benigno no rim, no qual foi necessária uma intervenção cirúrgica, pois o órgão estava 16% comprometido ;
  • 17.  úlcera na perna;  Artrose no joelho;  Mal de Parkinson;  Obesidade.
  • 18. A Hipertensão Arterial e Diabetes são controladas por meio do uso diário de medicamentos, sendo eles a insulina duas vezes ao dia (para diabetes) e Captopril cinco vezes ao dia (para a hipertensão). Dessa forma o paciente apresenta como queixas principais Mal de Parkinson, obesidade, artrose e uma úlcera na perna esquerda, que faz com que o mesmo fique impossibilitado de se locomover sozinho. Hipertensão e Diabetes Artrose Úlcera Mal de Parkinson Obesidade
  • 19.
  • 20. Hipertensão  Hipertensão Arterial explica 40% das mortes por acidente vascular cerebral e 25% daquelas por doença coronariana;  Alta Prevalência ≈ 25% (18-74 anos);  18-24 a > 10% 65-74a > 60%;  Atinge 14% da população brasileira;  No Brasil, em 2003, 27,4% dos óbitos foram decorrentes de doenças cardiovasculares;  Associada a: obesidade, sedentarismo, dieta;  Negros, idosos .
  • 21.
  • 22. Diabetes  Existem mais de 190 milhões de pessoas com diabetes no mundo ;  De acordo com o OMS, a projeção para 2025 é que esse número supere os 300 milhões;  Aproximadamente 50% das pessoas com DIA desconhecem sua condição.
  • 23. Américas 2003: 37 milhões Europa 2003: 48 milhões África e Oriente 2003: 26 milhões África e Oriente 2003: 26 milhões Europa 2003: 48 milhões Ásia e Austrália 2003: 82 milhões <2% 2%–5% 5%–8% 8%–11% 11%–14% *DM2 representa ~90%–95% dos casos (Centers for Disease Control and Prevention. National Diabetes Fact Sheet, 2003. Rev ed. Atlanta, Ga: US Department of Health and Human Services; 2004.) Adaptado de International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 2nd ed. 2003.
  • 24. Mundo 200 180 160 140 120 100 80 60 30 40 20 0 Nºestimadodepessoas comdiabetes(milhões) 2000 2030 20-44 45-64 +65 faixa etária Países desenvolvidos Nºestimadodepessoas comdiabetes(milhões) 60 50 40 30 20 10 0 faixa etária 20-44 2000 2030 45-64 +65 Países em desenvolvimento Nºestimadodepessoas comdiabetes(milhões) 160 140 120 100 80 60 40 20 0 2000 2030 20-44 45-64 +65Wild S. Diabetes Care 2004; 27: 1047
  • 25. <2% 2%–5% 5%–8% 8%–11% 11%–14% PrevalênciadeDiabetesnasAméricas DM2 corresponde a ~90%–95% dos casos (Centers for Disease Control and Prevention. National Diabetes Fact Sheet, 2003. Rev ed. Atlanta, Ga: US Department of Health and Human Services; 2004.) Adaptado de International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 2nd ed. 2003. Milhões de pacientes 20-79 anos (% da pop) País Brasil 5.6 (5.2%)
  • 26. Prevalência de DM Prevalência (%) 20–39 40-59 60 2.4 10.1 20.9 DM2 representa ~90%–95% dos casos Adaptado de Centers for Disease Control and Prevention. National diabetes fact sheet: general information and national estimates on diabetes in the United States, 2005. Atlanta, GA: US Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention, 2005.
  • 27.
  • 28.  Pressão Arterial (PA) PA = DC x RVP Pressão Arterial Débito Cardíaco Resistência Vascular Periférica Frequência Cardíaca X Volume Ejetado modificação do diâmetro das arteríolas de acordo com as necessidades metabólicas dos tecidos.
  • 29.  Pressão Arterial Diastólica (PAD);  Pressão Arterial Sistólica (PAS);  Pressão Arterial Média (PAM). PAM = (2PAD + PAS)/3
  • 30.  3 Tipos : 1. A Curto Prazo ou de Resposta Rápida - Baroreceptores e os Quimioreceptores 2. A médio prazo − catecolaminas, endotelinas, prostaglandinas e outros 3. A longo prazo − O rim é o centro desse sistema de regulação
  • 31.
  • 32.
  • 33. Glicose absorvida no intestino Veia-porta hepática Glicose é convertida em ATP e usada como fonte de energia Glicose se liga ao Glut e entra na célula Glicose liberada para o sangue Na célula a glicose participa das vias metabólicas para produzir Energia Insulina liga-se aos receptores presentes na membrana plasmática Insulina é ativada e liberada no sangue
  • 34.  Estimula a captação de glicose pelas células;  Estimula o armazenamento de glicogênio hepático e muscular;  Estimula o síntese de proteínas e ácidos graxos.  Com isso há queda gradual da glicemia que estimula as células α-pancreáticas a liberarem o glucagon.
  • 35.  Hormônio de ação antagônica à insulina;  Efeitos:  Estimular a mobilização dos depósitos de aminoácidos e ácidos graxos; o Estimular a glicogenólise e o Estimular a glicogênese
  • 36.
  • 37. Perda de Peso Degradação triglicerídeos e gliconeogênes e Corpos Cetônicos Cetoacidose Não captação de glicose Hiperglicemia Glicosúria Poliúria Polidipsia Diurese osmótica Falta de energia a nível celular Polifagia Fadiga
  • 38.
  • 39.
  • 40.  Transição demográfico/epidemiológica;  Hipertensão arterial e Diabetes – Doenças crônicas mais comuns, cujo tratamento e controle exigem alterações de comportamento e o estilo de vida;  Qualidade de vida: Conforto e bem-estar;
  • 41.  Tratamentos exigem uma ação conjunta entre o paciente, a família e a equipe de saúde;  Ações de responsabilidade das esferas governamentais;  Políticas públicas, que envolvam tanto a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos, quanto à valorização dos trabalhadores das ESF.
  • 42.
  • 43.  Levar em consideração a história de vida do paciente - aspectos sociais, ambientais e psicológicos - para o desenvolvimento de habilidades que permitirão uma visão mais crítica sobre sua saúde;  Eliminar alguns fatores de risco relacionados com o estilo de vida: o sedentarismo, o tabagismo, a alimentação inadequada, o peso corporal elevado, a ingestão de bebidas alcoólicas e o estresse;  Controle indesejável de sua própria vida - tristeza, angústia, desespero, medo e preocupação;
  • 44.  Pelo fato do DM1 e do DM2 possuírem etiologia e tratamento distintos, as influências psicológicas também podem ser diferentes. As avaliações e as medidas devem atender aspectos como a idade do início da doença, a etapa do desenvolvimento, o status social e intelectual e a forma de tratamento.
  • 45.  Uso de novas técnicas que minimizem o impacto pessoal e econômico do Diabetes, por meio da prevenção, detecção e tratamento eficazes;  Investigação de fatores emocionais e comportamentais ao efetivo tratamento da doença e sua relação com o controle da glicemia;
  • 46.
  • 50.
  • 51.  Veias cavas;  Tronco pulmonar;  Veias pulmonares;  Artéria Aorta;
  • 53.
  • 54.  Órgão acessório do trato digestório;  Função;  Localização;  Glândula Mista; ◦ Porção Exócrina ◦ Porção Endócrina  Tipos de células ◦ Células α, Células β, Células δ
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.  Desenvolver atividades educativas de PROMOÇÃO e PREVENÇÃO da saúde ;  Identificar fatores de riscos associados e orientar mudanças no estilo de vida ;
  • 59.  Estudo dedicado a análise do paciente J.M.S.  Obesidade um fator agravante  Infraestrutura da USF  HiperDia  Multidisciplinaridade do NASF
  • 60. “Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida.” Sócrates