SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Editor médico
Reginaldo Albuquerque - CRM 647/DF
Responsável Técnico
Ricardo Cabral - CRM 31594/MG
Organização:
Laura Gris Mota, jornalista - 2573/DF
Equipe Eu Saúde
Patrícia Cabral Santiago
EuSaúde Diabetes é parte da coleção “EuSaúde”
e está licenciado com Creative Commons - Atri-
buição-Não Comercial 4.0 Internacional.
Estudos mostram que pessoas que têm maior conhecimento sobre
saúde, têm muito mais saúde. Por isso, a Health Insight criou um projeto
com o objetivo de engajar pessoas na promoção de saúde e bem-estar, a
partir de um programa de educação, compartilhamento de experiências
e adesão a programas de prevenção, seguimento de tratamentos para
pacientes crônicos e qualidade de vida: O EuSaúde.
Comunidades dedicadas a cada assunto, como Gestação, Cân-
cer ou Diabetes, por exemplo, tornam possível que usuários interajam e
compartilhem experiências e expectativas com pessoas que estão pas-
sando pelo mesmo momento de vida. Também é possível falar com pro-
fissionais de saúde, que podem tirar dúvidas sobre os assuntos relacio-
nados. Como suporte à experiência, será disponibilizada uma biblioteca
de conteúdos médicos, ebooks e vídeos sobre cada tema.
O engajamento de pacientes na promoção da saúde é um conceito
amplo, que vem crescendo em todo o mundo, por que já se sabe que só
assim poderemos, ao mesmo tempo, enfrentar doenças e aumentar a
qualidade de vida e o bem-estar. Estimulamos o conhecimento, a adesão
a programas de saúde, a convivência em redes de afinidade e o com-
partilhamento de dados e experiências. Esse livro faz parte da coleção
EuSaúde e apoia o aprendizado básico sobre cada tema. Aprenda com o
livro e inscreva-se em nosso programa, pelo site www.eusaude.com.br
Icones Freepick from Flaticon, licenciados
pela Creative Commons BY 3.0 e HelgaMariah—
Shutterstock.
Sumário
Página 06.
Página 12.
Página 08.
Página 14.
Diabetes tipo 2
Diabetes
Gestacional
12 Milhões
Diabetes:
Fatores
de Risco
Página 09.
Página 15.
Página 11.
Página 17.
Diabetes
tipo 1
Simtomas
do Diabetes
Complicações
do Diabetes
Vivendo com
Diabetes
Sumário
Página 18.
Página 27.
Página 21.
Página 28.
Atividade
Física
Estou Bem
Controlado?
Nutrição
Diabetes e
outras doenças
Página 23. Página 25.
EmoçõesMedicação
8 9
O diabetes é um dos mais sérios problemas de saúde pública em
todo o mundo. A doença não só pode trazer graves complicações
- agudas ve crônicas no indivıduo, mas também tem um alto custo
social e financéiro.
A identificação précoce e o tratamento adequado são fundamen-
tais para reduziresses impactos.
é o número estimado de portadores
de diabetes no Brasil.
Contexto Brasil
12 MILHÕES
12Milhões01.
A insulina é o hormônio que controla a quantidade
de glicose no sangue. O corpo precisa da insulina para
utilizar a glicose, que obtemos por meio dos alimentos,
como fonte de energia.
O diabetes mellitus, mais conhecido sim-
plesmente por diabetes, é uma doença crô-
nica na qual o corpo ou não fabrica insulina
ou não consegue usar de forma adequada a
insulina que produz.
Com a produção de insulina deficitária, ou
sem poder usar adequadamente esse hor-
mônio, o nível de glicose no sangue fica alto
é temos a hiperglicemia.
1110
02.Diabetes:
fatores
de risco
O diabetes pode ser um problema já pre-
sente na sua vida. Caso você já seja portador
de diabetes, vá em Vivendo com Diabetes.
As oriéntações vão ajudar bastante. Parti-
cipe também do Programa de Controle do
Diabetes do Eu Saude.Se você não é diabe-
tico, mas se preocupa com a doença, é im-
portante ficar atento aos fatores de risco.
No Eu Saúde, você pode fazer o teste sobre os fatores
de risco do diabetes. Acesse o site: www.eusaude.com.br
Histórico familiar
de diabetes
Alta nos níveis de
colesterol e triglicérides
Idade acima de
40 anos
Mulheres que
tiveram filhos
com mais de 4 kg
Pressão alta ou
históricode doença
cardiovascular
Histórico de
derrame cerebral
Obesidade
Além dos fatores de risco, é importante conhecer os sintomas
do diabetes. Saber identifica-los pode agilizar o descobrimento
da doença.
Os sintomas clássicos de diabetes são:
03.Sintomas
do Diabetes
Se, além destes sintomas você tiver alguns dos fatores
de risco, procure um médico assimque possível.
1312
Existem vários tipos de diabetes.
Os mais conhecidos são
Existem outros tipos de diabetes que ocor-
rem mais raramente. Por isso, o diagnóstico
do seu médico é fundamental.
Diabetes tipo 1
Diabetes tipo 2
Diabetes
Gestacional
Acredita-se que existam fatores genéticos e ambien-
tais envolvidos na ocorrência do diabetes tipo 1. Em
pacientes com diabetes tipo 2, entre 35 e 50% tem fa-
miliares também portadores da doença.
Neste tipo de diabetes mellitus, o orga-
nismo destrói as células do pâncreas que
produzem a insulina-as células beta. Isto
provoca uma falência total da produção do
hormônio. Ou seja, o corpo não produz mais
insulina e não consegue controlar os níveis
de glicose.Caso a insulina não seja adminis-
trada, o paciente pode entrar em coma e
até morrer.
A diabete tipo 1 geralmente começa na infância ou na adolescên-
cia - por isso é chamada de diabetes juvénil. Mas ela pode coméçar
ém qualquér idade.A doença, muitas vezes, somente é descoberta
num serviço de urgência, quando a pessoa apresenta um quadro clí-
nico grave chamado ceto-acidose.
O diabetes tipo 1 representa cerca de
10% da população diabética.
A ceto-acidose é precedida por um período de muita fome,
sede, urina abundante, perda de peso e fraqueza muscular.
É uma situação médica de urgência que exige internação
hospitalar.
Quando em cetose diabética, o paciente entra em coma
por falta de insulina e excessode glicose e corposcetôni-
cos no sangue
04.Diabetes
Tipo 1
14 15
05.Diabetes
Tipo 2
Existem dois mecanismos envolvidos no
diabétés tipo 2:
A influência dos dois fatores não tém a mesma intensidade
em todos os pacientes. Pode haver predomínio de um ou outro
dos mecanismos.
Diabetes tipo 2 representa 90 % da po-
pulação e 50 % não sabe que é portador
da doença.
A disfunção das células beta do
pâncreas, o que leva à produção
insuficiente de insulina.
A utilização deficitária da insulina pelo
corpo, frequentemente relacionada à
obesidade.
Na diabetes tipo 2, a falência das células beta do pân-
creas costuma ser mais tardia e o tratamento pode co-
meçar com antidiabéticos orais.
O diagnóstico pode ser estabelecido
quando existirem pelo menos TRÊS des-
sas condições:
O diabetes tipo 2 em crianças e adolescen-
tes aumentou em alguns países na última
década.Pesquisadores relacionamo aumen-
to ao estilo de vida: alimentação inadequa-
da e falta de atividade física. A combinação
desses fatores leva a um quadro clínico co-
nhecido como síndrome metabólica.
SíndromeMetabólica
Obesidade abdominal:
circunferência abdominal ≥102 cm
em homens ≥88 cm em mulheres
Hipertensão arterial:
≥ 130/85 mmHg
Dislipidemia:
triglicérides ≥150 mg/dL colesterol
HDL ≤40 mg/dL em homens ≤50
mg/dL em mulheres
Glicemia:
Glicemia de jejum ≥110 mg/dL
1716
O diabetes gestacional surge em mulhe-
res normais, durante a gestação. Nelas,o
funcionamento das células beta esta no li-
mite é as mudanças hormonais da gravidez
desencadeiamo diabetes.
E a hiperglicemia promove uma gestação
de risco. O bom controle dos nívéis de gli-
cemia é fator essencial para a segurança da
mãe e da criança durante a gestação.
Bebês de mães com diabetes gestacional
frequentemente nascem acima do peso, na
faixa dos 4 a 5 quilos.
06.Diabetes
Gestacional
O bom controle do diabetes, isto é, norma-
lizar os níveis de glicemia, é a principal arma
para prevenir ou reduzir substancialmente o
risco de complicações crônicas da doença.
As complicações do diabetes são sérias é podem levar à morte.
Algumas das complicações mais frequentes são:
As mulheres tambem podem ter complica-
çõesna gravidez.
07.Complicações
do diabetes
Problemas
Renais
Neuropatias Úlceras
nos pés
Retinopatias
Doenças cardíacas
e cardiovasculares
Na diabetes tipo 2, a falência das
células beta do pâncreas costuma
ser mais tardia e o tratamento pode
começar com antidiabéticos orais.
1918
Tratar e controlar o diabetes reduz as complicações. Manter o
nível de açúcar no sangue bem controlado pode reduzir em até:
40% A incidência 
de neuropatias
a incidência
de catarata
A incidência de
problemas renais
a incidência
de cegueira
A incidência de
complicações
nos vasos
a incidência
de infarto
33%
25%
24%
21%
16%
Veja como diagnosticar o problema no
www.eusaude.com.br
Participe do Programa de Prevenção e
Controle do Diabetes do Eu Saúde.
Acesse www.eusaude.com.br, cadastre-
se e acompanhe seu tratamento e
participe da Rede.
Para viver bem com diabetes é preciso
mudar hábitos alimentares, praticar ativi-
dade física e estar atento a medicação. É
preciso cuidar do lado emocional também!
Para viver bem com diabetes é preci-
so fazer algumas mudanças nos hábitos
de vida. Todos os portadores de diabetes,
por exemplo, precisam fazer controle ali-
mentar e é indicada a prática de exercí-
cio físico. Os portadores de diabetes que
usam insulina precisam aprender a con-
trolar a glicemia, monitorar seus níveis de
açúcar no sangue e conhecer as reações
do seu corpo.
Existem vários aplicativos para An-
droide iOS que ajudam no controle
diárioda glicemia.
08.Vivendo com
Diabetes
20 21
09.Nutrição
Todo portador de diabetes deve fazer ter
uma alimentação controlada, com poucas
calorias , fracionada e em horários regulares.
As pessoas com diabetes devem seguir a
mesma alimentação saudável preconizada
para os démais indivíduos.
Alguns hábitos saudáveis, aos quais o
portador de diabetes deve aderir:
Distribuir sua alimentação em 5 a 6
refeições ao dia, em horários regulares.
Tomar café da manhã regularmente.
Diminuir o sal - pessoas com diabetes
tendem a ter pressão arterial alta
Beber água regularmente, durante
todo o dia.
Os portadores de diabetes também devem
ficar atentos a algumas regras gerais da
alimentação saudável:
Para fazér uma refeição balanceada leva-se
em conta os 7 grupos de alimentos.
Atenção a pesos e medidas
indicados pelo nutricionis-
ta. Aumentar ou diminuir as
quantidadesv afetará no con-
trole da glicemia. Atenção no
preparo das refeições. Cozi-
nhar, assar ou grelhar são as
formas mais indicadas para
uma refeição saudável. As fri-
turas acrescentam muita gor-
dura à sua refeição.
2322
Por exemplo, uma sugesta o de cardápio equi-
librado, com 1500 kcal/dia, ideal para uma mu-
lher com até 75 kg, séria assim:
De acordo com a Organização Mundial
da Saúde, a recomendação de ingestão
calórica para adultos entre 30 e 60
anos é:
Mulheres
Homens
Até 75 kg- 1500 kcal
Até 80 kg - 1800 kcal
De 75 a 100 kg - 1800 kcal
De 80 a 100 kg - 2000 kcal
Acima de 100 kg - 2000 kcal
Acima de 100 kg - 2200 kcal
GRUPO 1
vegetais tipo 1
GRUPO 2
vegetais tipo 2
GRUPO 5
carnes
GRUPO 6
cereais e similares
GRUPO 7
gorduras
GRUPO 3
frutas
almoço
GRUPO 1
vegetais tipo 1
GRUPO 2
vegetais tipo 2
GRUPO 5
carnes
GRUPO 7
gorduras
GRUPO 3
frutas
jantar
GRUPO 7
gorduras
GRUPO 6
cereais e similares
GRUPO 4
leites e derivados
lanche
GRUPO 4
leites e derivados
GRUPO 6
cereais e similares
GRUPO 4
leites e derivados
GRUPO 7
gorduras
cafédamanhã
Alface
Couve
Brócolis
Espinafre
sem restrições
GRUPO 1
egetais tipo 1
GRUPO 2
vegetais tipo 2
Abóbora
Beringela
Cenoura
Ervilha
4 col. sopa (120g)
GRUPO 3
frutas
Abacaxi (90 g)
Maça (1 unid.)
Mamão (110g)
Laranja (1 unid.)
Uva (12 unid.)
GRUPO 5
carnes
Carne magra (100 g)
Peixe (100 g)
Ovo (1 unid.)
Carne gorda (70 g)
Presunto (4 fatias)
GRUPO 4
leites e derivados
Leite (1 copo)
Iogurte (60 g)
Queijo (20 g)
Requeijão (20 g)
Leiteempó(1col.sopa)
GRUPO 6
cereais e similares
Batata (2 unid.)
Macarrão (4 col. sopa)
Feijão (1 concha)
Pão francês (1 unid.)
Arroz cozido
(3col. sopa)
GRUPO 7
gorduras
Azeite e Óleio vegetal
(1 col. sobremesa)
Margarina
(1 col. sobremesa)
Manteiga
(1 col. sobremesa
Maionese (1 col. sopa)
De forma geral, não há restrição de ativi-
dades física para diabetico. Mas é préciso ver
a atividade física como parte do tratamento.
Por isso, o portador de diabete deve seguir
algumas recomendações:
Exercícios físicos regulares ajudam a bai-
xar as taxas de glicemia. Quando você gasta
energia, o organismo usa o açúcar do san-
gue em velocidade maior.
10.Atividade
Física
2524
Fazer exercícios regularmente e sempre no mes-
mo horário facilitam o controle da glicemia.
Alimentar-se até duas horas antes do esforço fí-
sico evita a hipoglicemia.
Ter atenção aos calçados é importante para
quem tem problemas de sensibilidade nos pés.
Os portadores de diabetes tipo 1 usam in-
sulina desde início do tratamento. Já os do
tipo 2 podem precisar de insulina apenas
com a evolução da doença. A diabete ges-
tacional, deve ser controlada ajustes na ali-
mentação e, muitas vezes, há a necessidade
do uso de insulina.
Os antidiabéticos orais são usados em pacientes que ainda pro-
duzem alguma insulina e quando a diéta, sozinha, não é suficiente
para controlar a glicemia. Alguns antidiabéticos orais estimulam a
produção interna de insulina pelas células beta do pâncreas, ain-
da funcionais. Outros, facilitam a ação da insulina, em nível celular,
para permitir a penetração da glicose nas células.
Na diabetes tipo 2, a falência das células beta do
pâncreas costuma ser mais tardia e o tratamento
pode começar com antidiabéticos orais.
Tratamento Com Antidiabéticos Orais
11.Medicação
26 27
Ocorrendo hipoglicemia, faça a correção e procure
seu médico para ajustes no tratamento.
Há classes diferentes de medicamentos. Os mais re-
centes atuam bloqueando a produção do glucagon (que
aumenta a glicemia no sangue), ou estimulando a pro-
dução de insulina no pâncreas, ou mesmo produzindo a
eliminação da glicose pelos rins.
Quando a terapia com antidiabéticos orais
não é suficiente para manter o controle gli-
cêmico, é necessário uso de insulina injetá-
vél. A quantidade varia para cada indivíduo.
Algumas pessoas não aceitam o seu uso
por medo de engordar ou por rejeição às
aplicações com agulhas. Pensando nisso,
a indústria farmacêutica tem melhorado
as seringas, as agulhas e as canetas que
agora são mais confortáveis e pratica-
mente indolores.
Cerca de 20% dos portadores de diabetes
apresentam quadros de depressão.
O diabetes é uma doença crônica que
vai acompanhar a pessoa para o resto da
vida. Ao receber um diagnóstico assim, os
pacientes têm reações emocionais dife-
rentes, desde o choque inicial, ansiedade
e até mesmo raiva. Acompanhar as rea-
ções émocionais do portador de diabetes
faz parte do seu tratamento.
Alguns pacientes entram num estado de
negaça o com a doença. Essa situação é
perigosa, porque ele pode atrasar o início
do trataménto. E importante combater a
negação. Aceitar a doença e o seu trata-
mento garante a qualidade de vida.
12.Emoções
2928
Outras pessoas têm medo dos riscos
associados a vida com diabetes. Normal-
mente, o medo está associado a falta de
informação. Uma forma de evitar o medo é
conhecer e entender a doença. O diabetes
também pode ser considerado como uma
ameaça ao seu estilo atual de vida. Algumas
pessoas reagem com raiva a essa sensação.
A raiva pode causar a recusa da medicação
ou da mudança de hábitos. Existe também
o sentimento de angústia de lidar com uma
doença crônica - checar a glicemia, seguir o
tratamento, ter atenção à alimentação. Es-
sas alterações de humor e emoções refle-
tem nas estatísticas. Cerca de 20%dos por-
tadores de diabetes apresentam quadros
de depressão. Quadros depressivos, em
geral, levam a falhas no controle glicêmico
e aumentam o risco das complicações do
diabetes. E isso é bastante perigoso! Ficar
atendo às mudanças de humor e conversar
sempre com seu médico é uma forma de
evitar as complicações.
Por vezes, o tratamento das emoções não exige nada
específico, além da melhor compreensão e convivência
com a doença. Outras vezes, o envolvimento de uma
equipe multidisciplinar, com psicoterapia, por exemplo,
vai fazer parte do tratamento do diabetes.
Embora possa ocorrer de forma isolada, o
diabetes tipo 2 é, geralmente, acompanhado
de outras doenças, dentro do espectro da
síndrome metabólica.
Entre as principais doenças associadas
ao diabetes estão:
13.Diabetes
e outras
doenças
Essas doenças esta o diretamente liga-
das a alterações vasculares é, quando pre-
sentes numa única pessoa, aumentam o
risco cardiovascular.
níveis aumentados de colesterol LDL
(mau colesterol) níveis aumentados de
colesterol triglicérides níveis insuficientes
de colesterol HDL (bom colesterol)
Obesidade
Hipertensão arterial:
Problemas com colesterol:
30 31
Para que o tratamento do diabetes seja efi-
caz do ponto de vista de redução do risco
cardiovascular, é necessário o controle ade-
quado dos outros fatores de risco. Uma boa
qualidade de vida, depende do atingimento
de objetivos clínicos é laboratoriais, ou seja,
metas de tratamento que devem ser alcan-
çadas. Uma dessas metas é o controle da
glicohemoglobina - conhecida nos exames
de sangue como hemoglobina glicada.
14. Estou bem
Controlado?
O teste de hemoglobina
glicada (A1C ou HbA1c) re-
flete os níveis médios de
glicemia nos 2 a 3 meses
anteriores à realização do
exame.
O controle do diabetes
também depende de me-
diçõés da glicose em mo-
mentos específicos do dia.
O teste é indicado para o diagnósticodo pré-diabetes e
do diabetes. Durantes o tratamento do diabetes o teste
da glicohemoglobina deve ser repetido a cada 4 me-
ses,para avaliação e controle.
32 33
Ficar atento aos fatores de risco e aos sintomas
da doença agiliza a descoberta e o início do trata-
mento. Quando em tratamento, manter-se dentro
das metas de controle é fundamental para evitar as
complicações do diabetes.
ALBUQUERQUE, R.; PIMAZONI, A.; CAVALCANTI, S.. Diabetes na Prá-
tica Clínica. Sociedade Brasileira de Diabetes. 1ª edição. 2008
http://pt.scribd.com/doc/235832704/eBook-Diabetes-Na-Pratica-Clinica
TAMBASCIA, M.; MINICCUCI, W.; PIMAZONI, A.Diabetes na Prática
Clinica. Sociedade Brasileira de Diabetes. 2ª edição. 2015
http://www.diabetes.org.br/noticias-da-sbd/e-book-2-0-diabetes-
-na-pratica-clinica-com-acesso-gratuito
OLIVEIRA, J.E. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014-
2015. Sociedade Brasileira de Diabetes. São Paulo. AC Farmacêutica,
2015.
http://www.diabetes.org.br/images/2015/area-restrita/diretrizes-
-sbd-2015.pdf
O EUSAÚDE tem propósitos edu-
cacionais e o seu conteúdo não deve
ser usado para diagnóstico e trata-
mentos.
O EUSAÚDE não prediz se você vai
ter uma determinada doença, apenas
estima a sua chance e oferece orien-
tação de como reduzir o seu risco.
Não há garantia de que, seguindo as
recomendações, você não desenvol-
va a doença. O SEU MÉDICO DEVE
SER SEMPRE CONSULTADO.
Referências
E-book EuSaúde - Diabetes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programas de Diabetes - Saúde Publica
Programas de Diabetes - Saúde PublicaProgramas de Diabetes - Saúde Publica
Programas de Diabetes - Saúde PublicaRoberto Moreira Silva
 
1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagem1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagemInês Cachaço
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugualSantos de Castro
 
Palestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitusPalestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitusadrianomedico
 
Tratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitusTratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitusIsadora Ribeiro
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetesCatia Pais
 
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolasUm pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolasCreche Segura
 
C:\Fakepath\Diabetes
C:\Fakepath\Diabetes C:\Fakepath\Diabetes
C:\Fakepath\Diabetes Renato
 
Complicações do diabetes 2014
Complicações do diabetes  2014Complicações do diabetes  2014
Complicações do diabetes 2014Neia Andrade
 

Mais procurados (18)

Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
 
Programas de Diabetes - Saúde Publica
Programas de Diabetes - Saúde PublicaProgramas de Diabetes - Saúde Publica
Programas de Diabetes - Saúde Publica
 
Slide Diabetes
Slide DiabetesSlide Diabetes
Slide Diabetes
 
Apresentação diabetes
Apresentação diabetesApresentação diabetes
Apresentação diabetes
 
1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagem1118 1324 manual_enfermagem
1118 1324 manual_enfermagem
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
 
Palestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitusPalestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitus
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Tratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitusTratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitus
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetes
 
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolasUm pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
Um pacote educativo para informar sobre diabetes nas escolas
 
C:\Fakepath\Diabetes
C:\Fakepath\Diabetes C:\Fakepath\Diabetes
C:\Fakepath\Diabetes
 
Complicações do diabetes 2014
Complicações do diabetes  2014Complicações do diabetes  2014
Complicações do diabetes 2014
 
Vera_Obesidade
Vera_ObesidadeVera_Obesidade
Vera_Obesidade
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Semelhante a E-book EuSaúde - Diabetes (20)

Chega de Diabetes - Norman Hook
 Chega de Diabetes - Norman Hook Chega de Diabetes - Norman Hook
Chega de Diabetes - Norman Hook
 
Informe Chega de Diabetes
Informe Chega de DiabetesInforme Chega de Diabetes
Informe Chega de Diabetes
 
Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes
 
Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1Diabetes Tipo 1
Diabetes Tipo 1
 
Bromatologia
BromatologiaBromatologia
Bromatologia
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 20214 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
4 Passos para Controlar a Diabetes versão 2021
 
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxSLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
 
Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)Diabetes portuguese final (1)
Diabetes portuguese final (1)
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Anorexia
AnorexiaAnorexia
Anorexia
 
Diabetes 22.pptx
Diabetes 22.pptxDiabetes 22.pptx
Diabetes 22.pptx
 
Folheto diabetes
Folheto diabetes Folheto diabetes
Folheto diabetes
 
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013
 

E-book EuSaúde - Diabetes

  • 1.
  • 2. Editor médico Reginaldo Albuquerque - CRM 647/DF Responsável Técnico Ricardo Cabral - CRM 31594/MG Organização: Laura Gris Mota, jornalista - 2573/DF Equipe Eu Saúde Patrícia Cabral Santiago EuSaúde Diabetes é parte da coleção “EuSaúde” e está licenciado com Creative Commons - Atri- buição-Não Comercial 4.0 Internacional. Estudos mostram que pessoas que têm maior conhecimento sobre saúde, têm muito mais saúde. Por isso, a Health Insight criou um projeto com o objetivo de engajar pessoas na promoção de saúde e bem-estar, a partir de um programa de educação, compartilhamento de experiências e adesão a programas de prevenção, seguimento de tratamentos para pacientes crônicos e qualidade de vida: O EuSaúde. Comunidades dedicadas a cada assunto, como Gestação, Cân- cer ou Diabetes, por exemplo, tornam possível que usuários interajam e compartilhem experiências e expectativas com pessoas que estão pas- sando pelo mesmo momento de vida. Também é possível falar com pro- fissionais de saúde, que podem tirar dúvidas sobre os assuntos relacio- nados. Como suporte à experiência, será disponibilizada uma biblioteca de conteúdos médicos, ebooks e vídeos sobre cada tema. O engajamento de pacientes na promoção da saúde é um conceito amplo, que vem crescendo em todo o mundo, por que já se sabe que só assim poderemos, ao mesmo tempo, enfrentar doenças e aumentar a qualidade de vida e o bem-estar. Estimulamos o conhecimento, a adesão a programas de saúde, a convivência em redes de afinidade e o com- partilhamento de dados e experiências. Esse livro faz parte da coleção EuSaúde e apoia o aprendizado básico sobre cada tema. Aprenda com o livro e inscreva-se em nosso programa, pelo site www.eusaude.com.br Icones Freepick from Flaticon, licenciados pela Creative Commons BY 3.0 e HelgaMariah— Shutterstock.
  • 3. Sumário Página 06. Página 12. Página 08. Página 14. Diabetes tipo 2 Diabetes Gestacional 12 Milhões Diabetes: Fatores de Risco Página 09. Página 15. Página 11. Página 17. Diabetes tipo 1 Simtomas do Diabetes Complicações do Diabetes Vivendo com Diabetes
  • 4. Sumário Página 18. Página 27. Página 21. Página 28. Atividade Física Estou Bem Controlado? Nutrição Diabetes e outras doenças Página 23. Página 25. EmoçõesMedicação
  • 5. 8 9 O diabetes é um dos mais sérios problemas de saúde pública em todo o mundo. A doença não só pode trazer graves complicações - agudas ve crônicas no indivıduo, mas também tem um alto custo social e financéiro. A identificação précoce e o tratamento adequado são fundamen- tais para reduziresses impactos. é o número estimado de portadores de diabetes no Brasil. Contexto Brasil 12 MILHÕES 12Milhões01. A insulina é o hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue. O corpo precisa da insulina para utilizar a glicose, que obtemos por meio dos alimentos, como fonte de energia. O diabetes mellitus, mais conhecido sim- plesmente por diabetes, é uma doença crô- nica na qual o corpo ou não fabrica insulina ou não consegue usar de forma adequada a insulina que produz. Com a produção de insulina deficitária, ou sem poder usar adequadamente esse hor- mônio, o nível de glicose no sangue fica alto é temos a hiperglicemia.
  • 6. 1110 02.Diabetes: fatores de risco O diabetes pode ser um problema já pre- sente na sua vida. Caso você já seja portador de diabetes, vá em Vivendo com Diabetes. As oriéntações vão ajudar bastante. Parti- cipe também do Programa de Controle do Diabetes do Eu Saude.Se você não é diabe- tico, mas se preocupa com a doença, é im- portante ficar atento aos fatores de risco. No Eu Saúde, você pode fazer o teste sobre os fatores de risco do diabetes. Acesse o site: www.eusaude.com.br Histórico familiar de diabetes Alta nos níveis de colesterol e triglicérides Idade acima de 40 anos Mulheres que tiveram filhos com mais de 4 kg Pressão alta ou históricode doença cardiovascular Histórico de derrame cerebral Obesidade Além dos fatores de risco, é importante conhecer os sintomas do diabetes. Saber identifica-los pode agilizar o descobrimento da doença. Os sintomas clássicos de diabetes são: 03.Sintomas do Diabetes Se, além destes sintomas você tiver alguns dos fatores de risco, procure um médico assimque possível.
  • 7. 1312 Existem vários tipos de diabetes. Os mais conhecidos são Existem outros tipos de diabetes que ocor- rem mais raramente. Por isso, o diagnóstico do seu médico é fundamental. Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes Gestacional Acredita-se que existam fatores genéticos e ambien- tais envolvidos na ocorrência do diabetes tipo 1. Em pacientes com diabetes tipo 2, entre 35 e 50% tem fa- miliares também portadores da doença. Neste tipo de diabetes mellitus, o orga- nismo destrói as células do pâncreas que produzem a insulina-as células beta. Isto provoca uma falência total da produção do hormônio. Ou seja, o corpo não produz mais insulina e não consegue controlar os níveis de glicose.Caso a insulina não seja adminis- trada, o paciente pode entrar em coma e até morrer. A diabete tipo 1 geralmente começa na infância ou na adolescên- cia - por isso é chamada de diabetes juvénil. Mas ela pode coméçar ém qualquér idade.A doença, muitas vezes, somente é descoberta num serviço de urgência, quando a pessoa apresenta um quadro clí- nico grave chamado ceto-acidose. O diabetes tipo 1 representa cerca de 10% da população diabética. A ceto-acidose é precedida por um período de muita fome, sede, urina abundante, perda de peso e fraqueza muscular. É uma situação médica de urgência que exige internação hospitalar. Quando em cetose diabética, o paciente entra em coma por falta de insulina e excessode glicose e corposcetôni- cos no sangue 04.Diabetes Tipo 1
  • 8. 14 15 05.Diabetes Tipo 2 Existem dois mecanismos envolvidos no diabétés tipo 2: A influência dos dois fatores não tém a mesma intensidade em todos os pacientes. Pode haver predomínio de um ou outro dos mecanismos. Diabetes tipo 2 representa 90 % da po- pulação e 50 % não sabe que é portador da doença. A disfunção das células beta do pâncreas, o que leva à produção insuficiente de insulina. A utilização deficitária da insulina pelo corpo, frequentemente relacionada à obesidade. Na diabetes tipo 2, a falência das células beta do pân- creas costuma ser mais tardia e o tratamento pode co- meçar com antidiabéticos orais. O diagnóstico pode ser estabelecido quando existirem pelo menos TRÊS des- sas condições: O diabetes tipo 2 em crianças e adolescen- tes aumentou em alguns países na última década.Pesquisadores relacionamo aumen- to ao estilo de vida: alimentação inadequa- da e falta de atividade física. A combinação desses fatores leva a um quadro clínico co- nhecido como síndrome metabólica. SíndromeMetabólica Obesidade abdominal: circunferência abdominal ≥102 cm em homens ≥88 cm em mulheres Hipertensão arterial: ≥ 130/85 mmHg Dislipidemia: triglicérides ≥150 mg/dL colesterol HDL ≤40 mg/dL em homens ≤50 mg/dL em mulheres Glicemia: Glicemia de jejum ≥110 mg/dL
  • 9. 1716 O diabetes gestacional surge em mulhe- res normais, durante a gestação. Nelas,o funcionamento das células beta esta no li- mite é as mudanças hormonais da gravidez desencadeiamo diabetes. E a hiperglicemia promove uma gestação de risco. O bom controle dos nívéis de gli- cemia é fator essencial para a segurança da mãe e da criança durante a gestação. Bebês de mães com diabetes gestacional frequentemente nascem acima do peso, na faixa dos 4 a 5 quilos. 06.Diabetes Gestacional O bom controle do diabetes, isto é, norma- lizar os níveis de glicemia, é a principal arma para prevenir ou reduzir substancialmente o risco de complicações crônicas da doença. As complicações do diabetes são sérias é podem levar à morte. Algumas das complicações mais frequentes são: As mulheres tambem podem ter complica- çõesna gravidez. 07.Complicações do diabetes Problemas Renais Neuropatias Úlceras nos pés Retinopatias Doenças cardíacas e cardiovasculares Na diabetes tipo 2, a falência das células beta do pâncreas costuma ser mais tardia e o tratamento pode começar com antidiabéticos orais.
  • 10. 1918 Tratar e controlar o diabetes reduz as complicações. Manter o nível de açúcar no sangue bem controlado pode reduzir em até: 40% A incidência de neuropatias a incidência de catarata A incidência de problemas renais a incidência de cegueira A incidência de complicações nos vasos a incidência de infarto 33% 25% 24% 21% 16% Veja como diagnosticar o problema no www.eusaude.com.br Participe do Programa de Prevenção e Controle do Diabetes do Eu Saúde. Acesse www.eusaude.com.br, cadastre- se e acompanhe seu tratamento e participe da Rede. Para viver bem com diabetes é preciso mudar hábitos alimentares, praticar ativi- dade física e estar atento a medicação. É preciso cuidar do lado emocional também! Para viver bem com diabetes é preci- so fazer algumas mudanças nos hábitos de vida. Todos os portadores de diabetes, por exemplo, precisam fazer controle ali- mentar e é indicada a prática de exercí- cio físico. Os portadores de diabetes que usam insulina precisam aprender a con- trolar a glicemia, monitorar seus níveis de açúcar no sangue e conhecer as reações do seu corpo. Existem vários aplicativos para An- droide iOS que ajudam no controle diárioda glicemia. 08.Vivendo com Diabetes
  • 11. 20 21 09.Nutrição Todo portador de diabetes deve fazer ter uma alimentação controlada, com poucas calorias , fracionada e em horários regulares. As pessoas com diabetes devem seguir a mesma alimentação saudável preconizada para os démais indivíduos. Alguns hábitos saudáveis, aos quais o portador de diabetes deve aderir: Distribuir sua alimentação em 5 a 6 refeições ao dia, em horários regulares. Tomar café da manhã regularmente. Diminuir o sal - pessoas com diabetes tendem a ter pressão arterial alta Beber água regularmente, durante todo o dia. Os portadores de diabetes também devem ficar atentos a algumas regras gerais da alimentação saudável: Para fazér uma refeição balanceada leva-se em conta os 7 grupos de alimentos. Atenção a pesos e medidas indicados pelo nutricionis- ta. Aumentar ou diminuir as quantidadesv afetará no con- trole da glicemia. Atenção no preparo das refeições. Cozi- nhar, assar ou grelhar são as formas mais indicadas para uma refeição saudável. As fri- turas acrescentam muita gor- dura à sua refeição.
  • 12. 2322 Por exemplo, uma sugesta o de cardápio equi- librado, com 1500 kcal/dia, ideal para uma mu- lher com até 75 kg, séria assim: De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a recomendação de ingestão calórica para adultos entre 30 e 60 anos é: Mulheres Homens Até 75 kg- 1500 kcal Até 80 kg - 1800 kcal De 75 a 100 kg - 1800 kcal De 80 a 100 kg - 2000 kcal Acima de 100 kg - 2000 kcal Acima de 100 kg - 2200 kcal GRUPO 1 vegetais tipo 1 GRUPO 2 vegetais tipo 2 GRUPO 5 carnes GRUPO 6 cereais e similares GRUPO 7 gorduras GRUPO 3 frutas almoço GRUPO 1 vegetais tipo 1 GRUPO 2 vegetais tipo 2 GRUPO 5 carnes GRUPO 7 gorduras GRUPO 3 frutas jantar GRUPO 7 gorduras GRUPO 6 cereais e similares GRUPO 4 leites e derivados lanche GRUPO 4 leites e derivados GRUPO 6 cereais e similares GRUPO 4 leites e derivados GRUPO 7 gorduras cafédamanhã Alface Couve Brócolis Espinafre sem restrições GRUPO 1 egetais tipo 1 GRUPO 2 vegetais tipo 2 Abóbora Beringela Cenoura Ervilha 4 col. sopa (120g) GRUPO 3 frutas Abacaxi (90 g) Maça (1 unid.) Mamão (110g) Laranja (1 unid.) Uva (12 unid.) GRUPO 5 carnes Carne magra (100 g) Peixe (100 g) Ovo (1 unid.) Carne gorda (70 g) Presunto (4 fatias) GRUPO 4 leites e derivados Leite (1 copo) Iogurte (60 g) Queijo (20 g) Requeijão (20 g) Leiteempó(1col.sopa) GRUPO 6 cereais e similares Batata (2 unid.) Macarrão (4 col. sopa) Feijão (1 concha) Pão francês (1 unid.) Arroz cozido (3col. sopa) GRUPO 7 gorduras Azeite e Óleio vegetal (1 col. sobremesa) Margarina (1 col. sobremesa) Manteiga (1 col. sobremesa Maionese (1 col. sopa) De forma geral, não há restrição de ativi- dades física para diabetico. Mas é préciso ver a atividade física como parte do tratamento. Por isso, o portador de diabete deve seguir algumas recomendações: Exercícios físicos regulares ajudam a bai- xar as taxas de glicemia. Quando você gasta energia, o organismo usa o açúcar do san- gue em velocidade maior. 10.Atividade Física
  • 13. 2524 Fazer exercícios regularmente e sempre no mes- mo horário facilitam o controle da glicemia. Alimentar-se até duas horas antes do esforço fí- sico evita a hipoglicemia. Ter atenção aos calçados é importante para quem tem problemas de sensibilidade nos pés. Os portadores de diabetes tipo 1 usam in- sulina desde início do tratamento. Já os do tipo 2 podem precisar de insulina apenas com a evolução da doença. A diabete ges- tacional, deve ser controlada ajustes na ali- mentação e, muitas vezes, há a necessidade do uso de insulina. Os antidiabéticos orais são usados em pacientes que ainda pro- duzem alguma insulina e quando a diéta, sozinha, não é suficiente para controlar a glicemia. Alguns antidiabéticos orais estimulam a produção interna de insulina pelas células beta do pâncreas, ain- da funcionais. Outros, facilitam a ação da insulina, em nível celular, para permitir a penetração da glicose nas células. Na diabetes tipo 2, a falência das células beta do pâncreas costuma ser mais tardia e o tratamento pode começar com antidiabéticos orais. Tratamento Com Antidiabéticos Orais 11.Medicação
  • 14. 26 27 Ocorrendo hipoglicemia, faça a correção e procure seu médico para ajustes no tratamento. Há classes diferentes de medicamentos. Os mais re- centes atuam bloqueando a produção do glucagon (que aumenta a glicemia no sangue), ou estimulando a pro- dução de insulina no pâncreas, ou mesmo produzindo a eliminação da glicose pelos rins. Quando a terapia com antidiabéticos orais não é suficiente para manter o controle gli- cêmico, é necessário uso de insulina injetá- vél. A quantidade varia para cada indivíduo. Algumas pessoas não aceitam o seu uso por medo de engordar ou por rejeição às aplicações com agulhas. Pensando nisso, a indústria farmacêutica tem melhorado as seringas, as agulhas e as canetas que agora são mais confortáveis e pratica- mente indolores. Cerca de 20% dos portadores de diabetes apresentam quadros de depressão. O diabetes é uma doença crônica que vai acompanhar a pessoa para o resto da vida. Ao receber um diagnóstico assim, os pacientes têm reações emocionais dife- rentes, desde o choque inicial, ansiedade e até mesmo raiva. Acompanhar as rea- ções émocionais do portador de diabetes faz parte do seu tratamento. Alguns pacientes entram num estado de negaça o com a doença. Essa situação é perigosa, porque ele pode atrasar o início do trataménto. E importante combater a negação. Aceitar a doença e o seu trata- mento garante a qualidade de vida. 12.Emoções
  • 15. 2928 Outras pessoas têm medo dos riscos associados a vida com diabetes. Normal- mente, o medo está associado a falta de informação. Uma forma de evitar o medo é conhecer e entender a doença. O diabetes também pode ser considerado como uma ameaça ao seu estilo atual de vida. Algumas pessoas reagem com raiva a essa sensação. A raiva pode causar a recusa da medicação ou da mudança de hábitos. Existe também o sentimento de angústia de lidar com uma doença crônica - checar a glicemia, seguir o tratamento, ter atenção à alimentação. Es- sas alterações de humor e emoções refle- tem nas estatísticas. Cerca de 20%dos por- tadores de diabetes apresentam quadros de depressão. Quadros depressivos, em geral, levam a falhas no controle glicêmico e aumentam o risco das complicações do diabetes. E isso é bastante perigoso! Ficar atendo às mudanças de humor e conversar sempre com seu médico é uma forma de evitar as complicações. Por vezes, o tratamento das emoções não exige nada específico, além da melhor compreensão e convivência com a doença. Outras vezes, o envolvimento de uma equipe multidisciplinar, com psicoterapia, por exemplo, vai fazer parte do tratamento do diabetes. Embora possa ocorrer de forma isolada, o diabetes tipo 2 é, geralmente, acompanhado de outras doenças, dentro do espectro da síndrome metabólica. Entre as principais doenças associadas ao diabetes estão: 13.Diabetes e outras doenças Essas doenças esta o diretamente liga- das a alterações vasculares é, quando pre- sentes numa única pessoa, aumentam o risco cardiovascular. níveis aumentados de colesterol LDL (mau colesterol) níveis aumentados de colesterol triglicérides níveis insuficientes de colesterol HDL (bom colesterol) Obesidade Hipertensão arterial: Problemas com colesterol:
  • 16. 30 31 Para que o tratamento do diabetes seja efi- caz do ponto de vista de redução do risco cardiovascular, é necessário o controle ade- quado dos outros fatores de risco. Uma boa qualidade de vida, depende do atingimento de objetivos clínicos é laboratoriais, ou seja, metas de tratamento que devem ser alcan- çadas. Uma dessas metas é o controle da glicohemoglobina - conhecida nos exames de sangue como hemoglobina glicada. 14. Estou bem Controlado? O teste de hemoglobina glicada (A1C ou HbA1c) re- flete os níveis médios de glicemia nos 2 a 3 meses anteriores à realização do exame. O controle do diabetes também depende de me- diçõés da glicose em mo- mentos específicos do dia. O teste é indicado para o diagnósticodo pré-diabetes e do diabetes. Durantes o tratamento do diabetes o teste da glicohemoglobina deve ser repetido a cada 4 me- ses,para avaliação e controle.
  • 17. 32 33 Ficar atento aos fatores de risco e aos sintomas da doença agiliza a descoberta e o início do trata- mento. Quando em tratamento, manter-se dentro das metas de controle é fundamental para evitar as complicações do diabetes.
  • 18. ALBUQUERQUE, R.; PIMAZONI, A.; CAVALCANTI, S.. Diabetes na Prá- tica Clínica. Sociedade Brasileira de Diabetes. 1ª edição. 2008 http://pt.scribd.com/doc/235832704/eBook-Diabetes-Na-Pratica-Clinica TAMBASCIA, M.; MINICCUCI, W.; PIMAZONI, A.Diabetes na Prática Clinica. Sociedade Brasileira de Diabetes. 2ª edição. 2015 http://www.diabetes.org.br/noticias-da-sbd/e-book-2-0-diabetes- -na-pratica-clinica-com-acesso-gratuito OLIVEIRA, J.E. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014- 2015. Sociedade Brasileira de Diabetes. São Paulo. AC Farmacêutica, 2015. http://www.diabetes.org.br/images/2015/area-restrita/diretrizes- -sbd-2015.pdf O EUSAÚDE tem propósitos edu- cacionais e o seu conteúdo não deve ser usado para diagnóstico e trata- mentos. O EUSAÚDE não prediz se você vai ter uma determinada doença, apenas estima a sua chance e oferece orien- tação de como reduzir o seu risco. Não há garantia de que, seguindo as recomendações, você não desenvol- va a doença. O SEU MÉDICO DEVE SER SEMPRE CONSULTADO. Referências