SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Profª Shirley Correia
A ocupação inicial do ambiente
terrestre – Plantas ( I )
PLANTAS
Cenário
 Acredita-se que por volta de 430 milhões de anos
atrás, todos os seres vivos ocupavam apenas
ambientes aquáticos.
 Apenas algumas algas viviam no ambiente terrestre –
praias e rochas junto ao mar.
 Acredita-se que as primeiras plantas surgiram de um
grupo de algas verdes que passaram a ter uma
película protetora – espécie de “capa” que impedia a
perda de água pela evaporação.
PLANTAS
 As primeiras plantas terrestres foram as
briófitas (em grego, significa “musgo”).
 Esse grupo de plantas ainda existe hoje
sendo os musgos os mais conhecidos.
PLANTAS - Briófitas
Hepática
(em grego, significa “fígado”)
Esse nome foi atribuído por
ter formato parecido ao de
um fígado.
PLANTAS - BRIÓFITAS
Características:
 São plantas pequenas (poucos centímetros).
 Possuem película protetora – evita perda de água por
evaporação.
 Podem viver sobre troncos, rochas e no solo.
 Geralmente vivem em locais úmidos e sombreados.
 Como qualquer outra planta, realiza fotossíntese.
 Dependem da água para sua sobrevivência e reprodução.
PLANTAS - BRIÓFITAS
Características:
 A água e nutrientes minerais são absorvidos por
todo o corpo da planta e distribuídos célula a
célula.
 Transporte de água é muito lento, o que limita seu
crescimento – não possuem vasos condutores.
 Apresentam estruturas com aparência de raízes
(rizoides), caules (cauloides) e folhas (filoides).
PLANTAS - BRIÓFITAS
Possuem falsas raízes (rizoides), falsos caules
(cauloides) e falsas folhas (filoides).
PLANTAS - BRIÓFITAS
Características
 Na reprodução, os gametas masculinos precisam de água para
nadar até os gametas femininos para se unirem.
REPRODUÇÃO DOS MUSGOS
 Etapa dos esporos – a planta libera esporos que ao chegarem ao solo
adequado se desenvolvem em plantas femininas ou masculinas.
 Etapa dos gametas – as plantas masculinas produzem gametas
masculinos que nadam em direção aos gametas femininos, produzidos
pelas plantas femininas. Após o encontro (fecundação), origina-se uma
estrutura que vai produzir e liberar esporos, os quais formam novas
plantas.
REPRODUÇÃO DOS MUSGOS
PLANTAS - BRIÓFITAS
1- Quais as características gerais das plantas?
São pluricelulares, eucariontes, autótrofas e formam tecidos verdadeiros.
2- Qual o principal problema para a vida no ambiente terrestre?
A perda de água por evaporação, que pode causar dessecação.
3- Qual a novidade evolutiva das briófitas?
A presença da película protetora que evita a perda de água por
evaporação.
4- Por que o crescimento das briófitas é limitado?
Porque o sistema de transporte da água e dos nutrientes minerais é muito
lento, célula a célula.
5- Que estruturas, ausentes nas briófitas, tornaria o transporte de água e
minerais mais rápido nas briófitas?
Os vasos condutores.
A ocupação inicial do ambiente
terrestre – Animais ( I )
Profª Shirley Correia
ARTRÓPODES TERRESTRES
 Com a colonização das briófitas nos ambientes
terrestres, formaram-se microflorestas.
 Em consequência, o solo ficou rico em matéria
orgânica.
 Instalação dos decompositores – formação de
nova camada de solo, o húmus.
 Instalação dos animais – obtenção de
alimentos.
ARTRÓPODES TERRESTRES
 O esqueleto externo (espécie de carapaça)
evitava a perda de água num ambiente seco
como o terrestre.
 Maior problema: respirar por meio de
brânquias, como os crustáceos (siris,
camarões, caranguejos, lagostas e cracas).
ARTRÓPODES TERRESTRES
CRUSTÁCEOS
Representantes
 Tatuzinho-de-jardim ou tatu-bolinha.
Características
 Respiração branquial.
 Ele se enrola sobre si mesmo – protege
de predadores e da perda de água por
evaporação.
ARTRÓPODES TERRESTRES
MIRIÁPODES
(Do grego significa “dez mil pernas”)
Representantes
 Os primitivos mediam cerca
de dois metros de comprimento.
Centopéia colossal ou Artropleura: um miriápode herbívoro mas
provavelmente venenoso, com mais de 2 metros de comprimento e
que conseguia se "erguer em pé" como uma cobra naja!
ARTRÓPODES TERRESTRES
MIRIÁPODES
Representantes
 Centopeias ou lacraias.
 Piolhos-de-cobra ou embuá
ou gongolo.
ARTRÓPODES TERRESTRES
MIRIÁPODES
Novidades evolutivas
 Respiração por traqueias (tubos que se abriam na carapaça).
 Vários pares de pernas:
Lacraia – Um par de pernas por segmento
do corpo (quilópodes).
Piolho-de-cobra – Dois pares de pernas
por segmento do corpo (diplópodes).
ARTRÓPODES TERRESTRES
MIRIÁPODES
Habitat
 Ambientes úmidos com alto índice de matéria
orgânica, como o solo de florestas.
Hábito de vida
 Vida livre.
ARTRÓPODES TERRESTRES
MIRIÁPODES
Modo de obtenção de alimento
 Centopeias – Carnívoras (predadoras)
 Piolhos-de-cobra – Herbívoros e saprófagos.
Outras características
 Ambos têm o corpo dividido em cabeça e tronco.
 Possuem 1 par de antenas. Nos quilópodes são longas e nos
diplópodes são curtas.
 O corpo dos quilópodes é achatado e o dos diplópodes é
arredondado.
Aranha Escorpião
QUELICERADOS
(Do grego significa pinça, chifre)
Representantes
ARTRÓPODES TERRESTRES
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas e escorpiões)
Características
 Vivem em ambientes terrestres.
 Vida livre.
 Adquiriram quatro pares de pernas.
 Não têm antenas.
 Um par de pedipalpos ou palpos.
 Um par de quelíceras.
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas e escorpiões)
 Quelíceras – Apêndices articulados com
várias funções, como capturar e manipular o
alimento ao redor da boca, inocular veneno,
prender outros animais ou ainda sugar
sangue.
 Palpos – Localizados ao redor da boca, que
podem atuar como órgãos sensoriais ou para
segurar presas.
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas)
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas)
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas)
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas)
 A aranha injeta seu veneno usando as
quelíceras.
 Muitas aranhas produzem
teias para capturar suas presas.
 As que não fazem teias são caçadoras e
venenosas.
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Escorpiões)
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Escorpiões)
 O escorpião usa o agulhão (ferrão) para
injetar o veneno.
 Possui garras poderosas.
 Possui glândulas venenosas.
ARTRÓPODES TERRESTRES
QUELICERADOS (Aranhas e escorpiões)
 Aranhas e escorpiões jamais atacam seres humanos a
menos que se sintam ameaçados.
 Algumas aranhas quando se sentem ameaçadas,
soltam seus pelos, que podem causar fortes alergias
em pessoas sensíveis.
 Em caso de acidentes com aranhas e escorpiões,
recomenda-se aplicação de compressas mornas para
alívio da dor e encaminhamento da pessoa a um
serviço de saúde. Caso necessário, aplicação de soro.
ARTRÓPODES TERRESTRES
1- Os crustáceos terrestres embora já apresentassem um
esqueleto externo, enfrentavam um problema muito maior
para sua instalação em terra. Que problema era esse?
O maior problema enfrentado pelos crustáceos terrestres
era o fato de ainda respirarem por meio de brânquias.
2- Por que o tatuzinho-de-jardim se enrola sobre si mesmo?
Ele se enrola sobre si mesmo para se proteger de
predadores e da perda de água por evaporação.
3- Cite uma novidade evolutiva nos miriápodes (Diplópodes
e quilópodes).
A presença de traqueia.
ARTRÓPODES TERRESTRES
4- Qual a principal diferença entre os quilópodes e os diplópodes?
Os quilópodes apresentam apenas um par de pernas em cada
segmento do corpo, enquanto os diplópodes apresentam dois pares.
5- Cite uma novidade evolutiva dos artrópodes terrestres
quelicerados?
Adquiriram 4 pares de pernas.
6- O que são as quelíceras e qual a sua função?
São apêndices localizados no cefalotórax dos aracnídeos que são
utilizados para rasgar e manipular o alimento.
7- Por que as aranhas produzem teias?
As aranhas produzem teias para capturar suas presas.
Referência bibliográfica
Ensino Fundamental – Manual do
professor (Ciências) – 7º Ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
Ferrari Ferrari
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
Dacoli
 
Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011
Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011
Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011
ISJ
 

Mais procurados (19)

www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Reino Animal
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Reino Animalwww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Reino Animal
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia – Reino Animal
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
RÉPTEIS
RÉPTEISRÉPTEIS
RÉPTEIS
 
Evolução e ecologia de anfíbios
Evolução e ecologia de anfíbiosEvolução e ecologia de anfíbios
Evolução e ecologia de anfíbios
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
 
Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011
Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011
Unidade 4 cap 2 os anfíbios 2011
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
2401 Insetos
2401 Insetos2401 Insetos
2401 Insetos
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio... ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
ANFÍBIOS, características gerais, alimentação e reprodução dos anfíbios (Bio...
 
Aracnídeos (2)
Aracnídeos (2)Aracnídeos (2)
Aracnídeos (2)
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Guia de campo insetos
Guia de campo insetosGuia de campo insetos
Guia de campo insetos
 

Destaque

Destaque (20)

Ilha Grande 2014
Ilha Grande 2014Ilha Grande 2014
Ilha Grande 2014
 
Origem do primeiro ser vivo na terra
Origem do primeiro ser vivo na terraOrigem do primeiro ser vivo na terra
Origem do primeiro ser vivo na terra
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Gabarito da atividade de recuperação física
Gabarito da atividade de recuperação física Gabarito da atividade de recuperação física
Gabarito da atividade de recuperação física
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Ilha Grande 2015
Ilha Grande 2015Ilha Grande 2015
Ilha Grande 2015
 
Doenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermesDoenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermes
 
Animais ii (2)
Animais   ii (2)Animais   ii (2)
Animais ii (2)
 
História da química
História da químicaHistória da química
História da química
 
A bienal 2015
A bienal 2015A bienal 2015
A bienal 2015
 
Substâncias e misturas
Substâncias e misturasSubstâncias e misturas
Substâncias e misturas
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
 
9 ano | Profª Shirley | substâncias e misturas
9 ano  | Profª Shirley | substâncias e misturas9 ano  | Profª Shirley | substâncias e misturas
9 ano | Profª Shirley | substâncias e misturas
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Exercícios rec. (1)
Exercícios rec. (1)Exercícios rec. (1)
Exercícios rec. (1)
 
Rio de janeiro 204
Rio de janeiro   204Rio de janeiro   204
Rio de janeiro 204
 
Peixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteisPeixes , anfíbios e répteis
Peixes , anfíbios e répteis
 
Evolução - 7º ANO
Evolução - 7º ANOEvolução - 7º ANO
Evolução - 7º ANO
 

Semelhante a Ambiente terrestre i (20)

Ambiente terrestre
Ambiente terrestre Ambiente terrestre
Ambiente terrestre
 
Ambiente terrestre
Ambiente terrestreAmbiente terrestre
Ambiente terrestre
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
RéPteis Slide
RéPteis SlideRéPteis Slide
RéPteis Slide
 
Classe dos animais por
Classe dos animais por Classe dos animais por
Classe dos animais por
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Reino Animalia
Reino Animalia Reino Animalia
Reino Animalia
 
O Mundo dos Insectos
O Mundo dos InsectosO Mundo dos Insectos
O Mundo dos Insectos
 
7a série organismos invertebrados
7a série   organismos invertebrados7a série   organismos invertebrados
7a série organismos invertebrados
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
RéPteis Slide2
RéPteis Slide2RéPteis Slide2
RéPteis Slide2
 

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares

Mais de Alpha Colégio e Vestibulares (20)

Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Estudo da Química
Estudo da QuímicaEstudo da Química
Estudo da Química
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética i   respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética i respiração celular - aulas 31 e 32
 
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32Bioenergética  respiração celular - aulas 31 e 32
Bioenergética respiração celular - aulas 31 e 32
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino moneraBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Reino monera
 
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
Vírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª LaraVírus  - Tipos e Doenças Virais -  Biologia A - Profª Lara
Vírus - Tipos e Doenças Virais - Biologia A - Profª Lara
 
O Sistema Endócrino
O Sistema EndócrinoO Sistema Endócrino
O Sistema Endócrino
 
Os vírus - características e ação
Os vírus  - características e açãoOs vírus  - características e ação
Os vírus - características e ação
 
Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2Gabarito caderno de exercícios 2
Gabarito caderno de exercícios 2
 
Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2Gabarito Caderno de Exercícios 2
Gabarito Caderno de Exercícios 2
 
A origem da vida
A origem da vidaA origem da vida
A origem da vida
 
Sistemas de transporte
Sistemas de transporteSistemas de transporte
Sistemas de transporte
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e VerminosesProfª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Platelmintos e Verminoses
 
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
Profª Quitéria | Biologia | 3ª série EM | Nematódeos e verminoses
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese  - Aulas 35 e 36
Bioenergética II - Fisiologia da Fotossíntese - Aulas 35 e 36
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
Profª Lara Pessanha | Biologia A - 1ª Série EM | Bioenergética I: Respiração ...
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 

Ambiente terrestre i

  • 1. Profª Shirley Correia A ocupação inicial do ambiente terrestre – Plantas ( I )
  • 2. PLANTAS Cenário  Acredita-se que por volta de 430 milhões de anos atrás, todos os seres vivos ocupavam apenas ambientes aquáticos.  Apenas algumas algas viviam no ambiente terrestre – praias e rochas junto ao mar.  Acredita-se que as primeiras plantas surgiram de um grupo de algas verdes que passaram a ter uma película protetora – espécie de “capa” que impedia a perda de água pela evaporação.
  • 3. PLANTAS  As primeiras plantas terrestres foram as briófitas (em grego, significa “musgo”).  Esse grupo de plantas ainda existe hoje sendo os musgos os mais conhecidos.
  • 4. PLANTAS - Briófitas Hepática (em grego, significa “fígado”) Esse nome foi atribuído por ter formato parecido ao de um fígado.
  • 5. PLANTAS - BRIÓFITAS Características:  São plantas pequenas (poucos centímetros).  Possuem película protetora – evita perda de água por evaporação.  Podem viver sobre troncos, rochas e no solo.  Geralmente vivem em locais úmidos e sombreados.  Como qualquer outra planta, realiza fotossíntese.  Dependem da água para sua sobrevivência e reprodução.
  • 6. PLANTAS - BRIÓFITAS Características:  A água e nutrientes minerais são absorvidos por todo o corpo da planta e distribuídos célula a célula.  Transporte de água é muito lento, o que limita seu crescimento – não possuem vasos condutores.  Apresentam estruturas com aparência de raízes (rizoides), caules (cauloides) e folhas (filoides).
  • 7. PLANTAS - BRIÓFITAS Possuem falsas raízes (rizoides), falsos caules (cauloides) e falsas folhas (filoides).
  • 8. PLANTAS - BRIÓFITAS Características  Na reprodução, os gametas masculinos precisam de água para nadar até os gametas femininos para se unirem. REPRODUÇÃO DOS MUSGOS  Etapa dos esporos – a planta libera esporos que ao chegarem ao solo adequado se desenvolvem em plantas femininas ou masculinas.  Etapa dos gametas – as plantas masculinas produzem gametas masculinos que nadam em direção aos gametas femininos, produzidos pelas plantas femininas. Após o encontro (fecundação), origina-se uma estrutura que vai produzir e liberar esporos, os quais formam novas plantas.
  • 10. PLANTAS - BRIÓFITAS 1- Quais as características gerais das plantas? São pluricelulares, eucariontes, autótrofas e formam tecidos verdadeiros. 2- Qual o principal problema para a vida no ambiente terrestre? A perda de água por evaporação, que pode causar dessecação. 3- Qual a novidade evolutiva das briófitas? A presença da película protetora que evita a perda de água por evaporação. 4- Por que o crescimento das briófitas é limitado? Porque o sistema de transporte da água e dos nutrientes minerais é muito lento, célula a célula. 5- Que estruturas, ausentes nas briófitas, tornaria o transporte de água e minerais mais rápido nas briófitas? Os vasos condutores.
  • 11. A ocupação inicial do ambiente terrestre – Animais ( I ) Profª Shirley Correia
  • 12. ARTRÓPODES TERRESTRES  Com a colonização das briófitas nos ambientes terrestres, formaram-se microflorestas.  Em consequência, o solo ficou rico em matéria orgânica.  Instalação dos decompositores – formação de nova camada de solo, o húmus.  Instalação dos animais – obtenção de alimentos.
  • 13. ARTRÓPODES TERRESTRES  O esqueleto externo (espécie de carapaça) evitava a perda de água num ambiente seco como o terrestre.  Maior problema: respirar por meio de brânquias, como os crustáceos (siris, camarões, caranguejos, lagostas e cracas).
  • 14. ARTRÓPODES TERRESTRES CRUSTÁCEOS Representantes  Tatuzinho-de-jardim ou tatu-bolinha. Características  Respiração branquial.  Ele se enrola sobre si mesmo – protege de predadores e da perda de água por evaporação.
  • 15. ARTRÓPODES TERRESTRES MIRIÁPODES (Do grego significa “dez mil pernas”) Representantes  Os primitivos mediam cerca de dois metros de comprimento. Centopéia colossal ou Artropleura: um miriápode herbívoro mas provavelmente venenoso, com mais de 2 metros de comprimento e que conseguia se "erguer em pé" como uma cobra naja!
  • 16. ARTRÓPODES TERRESTRES MIRIÁPODES Representantes  Centopeias ou lacraias.  Piolhos-de-cobra ou embuá ou gongolo.
  • 17. ARTRÓPODES TERRESTRES MIRIÁPODES Novidades evolutivas  Respiração por traqueias (tubos que se abriam na carapaça).  Vários pares de pernas: Lacraia – Um par de pernas por segmento do corpo (quilópodes). Piolho-de-cobra – Dois pares de pernas por segmento do corpo (diplópodes).
  • 18. ARTRÓPODES TERRESTRES MIRIÁPODES Habitat  Ambientes úmidos com alto índice de matéria orgânica, como o solo de florestas. Hábito de vida  Vida livre.
  • 19. ARTRÓPODES TERRESTRES MIRIÁPODES Modo de obtenção de alimento  Centopeias – Carnívoras (predadoras)  Piolhos-de-cobra – Herbívoros e saprófagos. Outras características  Ambos têm o corpo dividido em cabeça e tronco.  Possuem 1 par de antenas. Nos quilópodes são longas e nos diplópodes são curtas.  O corpo dos quilópodes é achatado e o dos diplópodes é arredondado.
  • 20. Aranha Escorpião QUELICERADOS (Do grego significa pinça, chifre) Representantes ARTRÓPODES TERRESTRES
  • 21. ARTRÓPODES TERRESTRES QUELICERADOS (Aranhas e escorpiões) Características  Vivem em ambientes terrestres.  Vida livre.  Adquiriram quatro pares de pernas.  Não têm antenas.  Um par de pedipalpos ou palpos.  Um par de quelíceras.
  • 22. ARTRÓPODES TERRESTRES QUELICERADOS (Aranhas e escorpiões)  Quelíceras – Apêndices articulados com várias funções, como capturar e manipular o alimento ao redor da boca, inocular veneno, prender outros animais ou ainda sugar sangue.  Palpos – Localizados ao redor da boca, que podem atuar como órgãos sensoriais ou para segurar presas.
  • 26. ARTRÓPODES TERRESTRES QUELICERADOS (Aranhas)  A aranha injeta seu veneno usando as quelíceras.  Muitas aranhas produzem teias para capturar suas presas.  As que não fazem teias são caçadoras e venenosas.
  • 28. ARTRÓPODES TERRESTRES QUELICERADOS (Escorpiões)  O escorpião usa o agulhão (ferrão) para injetar o veneno.  Possui garras poderosas.  Possui glândulas venenosas.
  • 29. ARTRÓPODES TERRESTRES QUELICERADOS (Aranhas e escorpiões)  Aranhas e escorpiões jamais atacam seres humanos a menos que se sintam ameaçados.  Algumas aranhas quando se sentem ameaçadas, soltam seus pelos, que podem causar fortes alergias em pessoas sensíveis.  Em caso de acidentes com aranhas e escorpiões, recomenda-se aplicação de compressas mornas para alívio da dor e encaminhamento da pessoa a um serviço de saúde. Caso necessário, aplicação de soro.
  • 30. ARTRÓPODES TERRESTRES 1- Os crustáceos terrestres embora já apresentassem um esqueleto externo, enfrentavam um problema muito maior para sua instalação em terra. Que problema era esse? O maior problema enfrentado pelos crustáceos terrestres era o fato de ainda respirarem por meio de brânquias. 2- Por que o tatuzinho-de-jardim se enrola sobre si mesmo? Ele se enrola sobre si mesmo para se proteger de predadores e da perda de água por evaporação. 3- Cite uma novidade evolutiva nos miriápodes (Diplópodes e quilópodes). A presença de traqueia.
  • 31. ARTRÓPODES TERRESTRES 4- Qual a principal diferença entre os quilópodes e os diplópodes? Os quilópodes apresentam apenas um par de pernas em cada segmento do corpo, enquanto os diplópodes apresentam dois pares. 5- Cite uma novidade evolutiva dos artrópodes terrestres quelicerados? Adquiriram 4 pares de pernas. 6- O que são as quelíceras e qual a sua função? São apêndices localizados no cefalotórax dos aracnídeos que são utilizados para rasgar e manipular o alimento. 7- Por que as aranhas produzem teias? As aranhas produzem teias para capturar suas presas.
  • 32. Referência bibliográfica Ensino Fundamental – Manual do professor (Ciências) – 7º Ano